Processos de sequestro social

Oficialmente sequestrados estão os presos, mas inconsciente e voluntariamente sequestrados somos nós (ler “Presos são eles; presos estamos nós“).

Sem haver consciência clara da nossa liberdade sequestrada, tal como aconteceu na libertação da escravatura ou de um qualquer vício, não se está preparado para perguntar: O que fazer?

Nesta página listar-se-ão algumas formas de nos sequestrarmos, não só por tirarmos daí proveitos, mas também porque os sequestros são parte desses proveitos. (Ensaiar-se-ão análises do estado de emergência global, a respeito da pandemia do COVID-19). A abolição das práticas de sequestro, portanto, significa também reorganizarmos as nossas práticas sociais de discriminação entre os que beneficiam mais e os que estão mais sequestrados.

A crise do COVID-19 é um processo de sequestro social. Também é um processo de transformação social. Em paralelo ao recolher obrigatório para reduzir o impacto da pandemia, agrava-se mais uma falência do sistema financeiro global, ligado à máquina há mais de uma década.

1. O estado de emergência não é a suspensão da política: é a agudização da política. Pode ser a antecâmara da agudização do aumento da dominação racista e totalitária já em curso (“Estado de emergência“)

2. Há um espaço de fragilização da política mundial, que poderá continuar-se totalitária solidária ou poderá fazer emergir a solidariedade livre (“Quando a esmola é muita, o pobre desconfia…“)

3. A substituição do discurso económico pelo discurso clínico, na condução da política global, deve ser ponderada e aproveitada, naquilo que pode melhorar a política democrática, no futuro (“Solidariedade nos cuidados “)

4. A que propósito vem a retórica de guerra: é a sério ou é apenas uma metáfora? Ou é uma metáfora séria? (“Porque é que os estados-nação se veem em guerra contra um vírus e proíbem qualquer vida normal“? Michael Kuhn)