Sobre o blog(ger)

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
que chega a fingir que é dor
a dor que deveras sente. (…)

Fernando Pessoa

Sou sociólogo abolicionista (1956-).

Depois de me perguntar para que serve a sociologia? (2014-2019) e de ter encontrado uma resposta, a de que sou um profissional ao serviço do estado, no quadro de uma hiperdivisão de trabalho excludente de muita gente, em vez de renegar a sociologia – que seria renegar-me a mim mesmo e a qualquer mérito e lugar social a que possa ter direito – decidi levar a sociologia a sério: prosseguir e insistir no caminho de transformar a filosofia social em ciência, em nome do enriquecimento da ciência.

Que fazer?

A sociologia deverá, então, servir para participar na nossa libertação do império!

Fingidor que deveras sente

Tendo estudado as prisões (1997-2916) em espírito de empatia com os prisioneiros e respectivas famílias e amigos, escolhi – sem disso ter consciência, ao início – a minha sub-especialização profissional. A viragem do século marcou o meu interesse pelo abolicionismo. Na altura entendia-o como a vontade de viver num mundo onde não existissem prisões. Hoje sei que o abolicionismo pode ser muito diferente e muito mais do que isso: é a vontade, por exemplo, de acabar com as escravaturas, os racismos, os sexismos, os usos de crianças para fins sociais manipulatórios frequentemente abjectos, os genocídios, as guerras, etc. Para que tal desejo se compatibilize com a empatia para com a humanidade, a representação social do abolicionismo pode transfigurar-se conceptualmente, historicamente, desejavelmente, na capacidade dos abolicionistas de procurarem activamente as injustiças para as enfrentar, denunciar, descobrir, apresentar, persistentemente. Independentemente de quem possa ser o financiador das nossas vidas.