Lições centrífugas de economia

Ao estudar para que serve a sociologia acabei por entender não ser possível avançar sem pensar a sociologia no quadro geral das ciências sociais. Lideradas pela Economia e pela Política, estas hesitam entre constituir-se em ciência ou em manter-se no campo da filosofia social e das disputas ideológicas. Aprendi que a sociologia deve evitar preconceitos ideológicos, mas, em geral, não o faz. Deveria ser aberta à multidisciplinaridade, mas não consegue. Vive perdida e presa no mesmo labirinto das outras ciências sociais, incapaz de fazer pontes com as ciências naturais. Sintoma dessa situação é haver entre os sociólogos, como entre os outros cientistas sociais, quem explore os limites do labirinto usando métodos de ciência centrífuga. A generalidade dos cientistas e profissionais, porém, como notou Thomas Kuhn, trabalham “normalmente” dentro dos limites labirintos da hiperdisciplinaridade usando métodos de ciência centrípeta.

Para nos libertarmos da economia centrípeta

Tal como uma revolução presume a experiência de espírito revolucionário capaz de modificar o modo como as pessoas e as sociedades vivem, assim o espírito de libertação acompanha as experiências de libertação. Um sinal da existência de possibilidades de libertação do espírito científico para retomar o caminho que poderá levar a filosofia social e tornar-se ciência, como eram os desejos dos clássicos das ciências sociais, é a disposição de alguns cientistas sociais, de economistas em particular, de reconhecerem pública e conscientemente as limitações da ciência actual. Estão nessa disposição economistas como Michael Hudson (2022)⁠ e Clara Mattei (2022). O primeiro insiste em anunciar o fim do capitalismo, eventualmente a ser finalmente substituído pelo socialismo chinês. A segunda revela que as políticas de austeridade que ficaram conhecidas como neoliberais (anos 80 de Thatcher e Reagan) foram, de facto, desenhadas e postas a funcionar 60 anos antes, entre guerras.

Apoiada no autoritarismo liberal e fascista, a austeridade foi imediatamente efectiva na contenção e reorientação do ímpeto “reconstrutor” dominante no fim da primeira Grande Guerra. Tornou-se um traço identitário da economia que veio substituir, reforçando e actualizando, o espírito do capitalismo (Boltansky e Chiapello, 1999). Essa política de fundo orienta-se para manter a produção social e jurídica de privatização de valor (Pistor, 2019)⁠, até hoje. Porém, segundo Hudson, teve por consequência – para compensar a queda das taxas de lucro – a construção financeira de um sistema de rendas que expulsou a produção para o Sul Global, e a China em particular, de onde se podem esperar políticas socialistas de superação do capitalismo do centro, agora rentista.

Como abolicionista pragmático que trabalha para libertar as ciências sociais no sentido de não desistirem de se tornarem ciências, estou particularmente interessado em entender a natureza humana, a capacidade camaleónica de a humanidade se transformar por novos caminhos. Investigo o que obriga as ciências que desenvolveram a estanquicidade entre as ciências sociais e as ciências naturais a adoptarem novas orientações, incluindo abrirem-se a diálogos entre si e com outros saberes, como os estudos doutrinários (direito, teologia, etc.).

A economia é a ciência fundadora das ciências sociais e, em vez de se realizar nelas, isolou-se como rainha das ciências sociais utilitárias, centrípetas, hiperespecializadas, seguindo a lógica as tecnociências em que os meios instrumentais especializados se tornam impedimentos práticos à compreensão do mundo. A história económica praticada por Hudson, Mattei e Pistor é uma das formas de ciência centrífuga, a ciência que completa as ciências centrípetas com os estudos dos panos de fundo.

As lições que se seguem não dispensam a investigação centrífuga. Não são a apropriação das teses dos autores citados. A ciência não é a procura de consensos. É a consideração de todas as críticas. As lições centram-se antes na necessidade de estudar a natureza humana, as razões porque nos isolamos do mundo e uns dos outros contra os nossos interesses sociais, ambientais e económicos.

Dividir para reinar

Segundo Mattei, as políticas de austeridade são o pano de fundo financeiro e político que abafou as ideias de reconstrução do sistema capitalista estrondosamente falhado no início do século XX. Os “reconstrutores” reconheciam a incapacidade prática dos estados para continuarem a suportar a exploração capitalista. Os banqueiros-economistas, desde então, tomaram a condução das políticas públicas e privadas de produção de lucros de forma tecnocrática, escamoteando as decisões políticas implícitas nos consensos monetaristas de classe, instituindo politicamente a independência alegadamente neutral dos bancos centrais.

A institucionalização da austeridade mobilizou a) os limites da atenção e da memória dos povos, b) a violência dos estados, c) as redes de organizações hierarquizadas cujas actividades são profissionalizadas, sujeitas a segredo, d) a impunidade das pessoas poderosas, mas também e) a escolaridade obrigatória, as universidades de massas para integrar um número grande de pessoas em profissões cientificamente legitimadas e condicionadas pelo f) controlo centrípeto das respectivas consciências. As elites aumentaram os respectivos séquitos para lá das suas relações de fidelidade pessoal através de políticas de promoção competitiva e hierárquica de recursos humanos qualificados institucional e profissionalmente auto-organizados.  

Os consensos político-financeiros do New Deal, do novo modo de vida americano, do Plano Marshall, da globalização e da austeridade, fixados em Breton Woods e depois actualizados pelo consenso de Washington, desenvolveram aquilo que Lenine chamou imperialismo, o novo estado do capitalismo. O sucesso desses desenvolvimentos decorreu na institucionalização da rede de organismos internacionais acima dos estados e também dentro da cabeça das pessoas. A intensificação da propaganda na comunicação social, na cultura, na escolarização e nas políticas científicas privilegiam militantemente as ciências centrípetas: a redução do âmbito das consciências dos consumidores-trabalhadores, convencendo-os da bondade e validade cognitiva da hiperespecialização que lhes oferece um quadro de estatutos sociais e profissionais hierarquizados e competitivos à escolha, incluindo os dos economistas tecnocratas encarregues de proteger os consensos político-autoritários-austeritários de fundo como segredos (travestidos de competências) profissionais.

Utilizando o prestígio emancipador das ciências e das aprendizagens junto dos trabalhadores, as escolas e universidades desenvolveram políticas de condicionamento do pensamento dos seus estudantes e professores através de políticas centrípetas de ciência, reduzindo-a a tecnociência profissionalizante. Escamoteia-se assim sistematicamente não só os consensos políticos económico-financeiros actualmente globais, mas, atrás e acima deles, as actividades soberanas ilegais e ilegítimas dos bancos e dos governos que conduzem religiosamente a missão suicidária de exploração da Terra e dos recursos humanos, acima de qualquer suspeita.

A democracia, com o estado de direito a proteger os direitos humanos, que regula a liberdade das elites continuarem a conduzir os destinos dos povos revela-se falida, autoritária, incapaz de reverter os riscos ambientais crescentes. As instituições democráticas são caixas negras cujas decisões estão institucionalmente limitadas por redes institucionais internacionais de vigilância e controlo da acção dos estados e pelos limites centrífugos do pensamento dos profissionais, incluindo na economia e na política.    

A intervenção da escola de economistas de Chicago no Chile de Pinochet, em 11 de Setembro de 1973, não foi a primeira, mas é uma das mais conhecidas e descaradas intervenções políticas autoritárias e austeritárias dos teóricos das finanças. Oficiosamente, as intervenções financeiras para determinar (corromper) políticas nacionais estava institucionalizada há muito, embora em segredo. A meritocracia com vista ao crescimento económico instigada de tenra idade nas escolas e, na vida adulta, nas profissões, incluindo as científicas, é o cimento social que dá unidade às políticas distópicas no pós-guerra, de que estamos a assistir ao colapso nas guerras anti-islâmicas, declarada em 2003 e que se continuam na Palestina, a par da guerra na Ucrânia.

Estas lições de economia são oferecidas por um sociólogo de formação e caracterizam-se por mostrar algumas das formas possíveis de protestar e contrapor intelectualmente aos vícios obscurantistas de pensamento favoráveis aos lucros e à doença mental que têm condenado as sociedades modernas à impotência perante as evidências de o caminho percorrido para dominar o mundo ser um caminho doentio para a humanidade (como o aumento da miséria, do número de pessoas a viver privadas de liberdade, das epidemias de doenças mentais, da impotência) e para a vida na Terra, como bem reparam os movimentos de adolescentes despoletados por Greta Thunberg.

O programa serve para dar respostas mutuamente concertadas às seguintes perguntas: como a moralidade espontânea é posta de lado nas sociedades modernas? Como as sociedades modernas se desresponsabilizam das misérias que produzem? Como se explicam as dificuldades modernas de tradução económica das intenções revolucionárias de fraternidade, em contraste com a tradução de liberdade por capitalismo e igualdade por socialismo-comunismo? Como se explicam as discriminações sociais crescentes numa sociedade normalizada com leis anti-discriminação? Como se explica a complacência e participação populares em modelos económicos reconhecidamente contrários aos seus interesses? Porque é que o anúncio do aquecimento global pela ciência não tem provocado acção social de acautelamento dos riscos decorrentes? Porque é que as intervenções anti-pobreza se revelam impotentes e as intervenções extrativas de rendas e privilégios são extraordinariamente bem-sucedidas? O que se pode fazer para nos prepararmos para elaborar esperanças e perspectivas de um futuro melhor? Porque é que as práticas do direito suspendem as interpretações razoáveis das normas para discriminar socialmente, para cima e para baixo, de acordo com critérios políticos e de classe?

Referências:

Boltansky, L., & Chiapello, È. (1999). Le Nouvel Esprit du Capitalisme. Gallimard.

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. Baskerville: ISLET—Verlag.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago: Chicago University Press.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton and Oxford: Princeton University Press.

Mais referências das lições centrífugas de economia

Índice das matérias:

0. Introdução: Economia moral dos impérios

Resumo: para a construção de sociedades modernas, violentas, discriminatórias e hierárquicas, as elites contam com a cumplicidade de massas alienadas em sofrimento material e ético. Primeiro escravizadas, depois assalariadas e profissionalizadas. As tradições imperiais elaboradas no quadro da missão moderna de explorar a Terra aprofundaram e intensificaram estratégias de dividir para reinar. A economia, disciplina e sistema, e as ciências sociais resultado e reforço disso.

1 . Viés imperial: Termos de troca

Resumo: Na primeira parte do século XX, as duas Grandes Guerras transformaram o vanguardismo capitalista num processo global de cooptação imperial de produtores-consumidores que prescindem voluntariamente dos seus direitos políticos. A profissionalização dos cientistas resulta de e reforça esse efeito.

A ciência económica quedou-se por uma justaposição de subdisciplinas, entre as quais a economia do desenvolvimento onde se esgrime o indicador termos de troca. O meio ambiente e a qualidade de vida social são desconsiderados. As profundas diferenças existenciais de classe tornaram-se impensáveis.

2. Ciência centrífuga: Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece

Resumo: No pós-guerra, Boltansky e Chiapello descobriram as universidades, sobretudo através dos cursos de economia, a produzir, promover e divulgar o espírito do capitalismo junto de uma classe que Poulantzas nomeou nova pequena-burguesia: os administradores que deixaram aos capitalistas apenas a função de investimento. Habermas descreveu como o direito burguês foi sendo elaborado nos últimos quatrocentos anos pelos estados e se intrometeu cada vez mais profundamente na modernização das sociedades. As limitações das ciências sociais não deixam claro qual seja a dinâmica civilizacional que justifica e sustenta tais desenvolvimentos, uns recentes e outros mais antigos: a mobilização imperial em torno da missão de explorar a Terra.

3. Opções: Liberdade, Igualdade, Fraternidade

Resumo: a noção de humanidade consagrada na Declaração Universal dos Direitos Humanos resultou da utilização adaptada pelos impérios da noção cristã de fraternidade face a Deus Pai. Adoptando essa religião, eleva-se aos píncaros a hierarquização imperial, deificada. A noção de humanidade é interpretada de diversas maneiras, as mais conhecidas das quais são as democratas cristãs, as liberais e as socialistas, nada fraternais entre si e, sobretudo, hostis à generalidade da humanidade alegando pretextos racistas ou culturais para desqualificar outras maneiras de interpretar a natureza humana que não sejam as suas, todas ocidentais.

4. Limites da crítica: Marxismo e economia não descortinam a missão imperial

Resumo: o século XIX conheceu movimentos abolicionistas que se cruzaram entre si como em nenhum outro. Abolicionismos da escravatura, do clericalismo, do capitalismo e do patriarcalismo criaram um ambiente revolucionário que desaguou no século XX, em duas guerras imperiais que recompuseram economia, estado e sociedade através da hegemonização cultural realizada pela comunicação de massas – escolarização, publicidade, entretenimento, rádio, televisão, internet, política. O século XX conheceu o abolicionismo do colonialismo, mas foi-lhe impossível abolir o extrativismo. O movimento ecologista ficou e continua preso ao economicismo.

5. Esclarecimento: Dinheiro não é capital

Resumo: O dinheiro é um meio de troca diferida, mas também serve, quando é protegido da circulação mercantil, para acumular riqueza não patrimonial. A modernidade caracteriza-se por ter inventado o sector financeiro separado dos outros mercados. Sector que cultiva segredos cujas consequências são tão frequentemente desastrosas que a moral é suspensa, epistemicamente proibida. O odioso do dinheiro é a amoralidade a que está associado enquanto capital financeiro acumulado. Odiado é o avarento indiferente às misérias dos devedores e, em geral, de quem não tem dinheiro para sobreviver. Mas o banqueiro também é adorado por alegadamente ser confiável, racional, pacífico, definidor da moral padrão como credor.

6. Natureza humana: O espírito imperial subverte a liberdade e atrofia a imaginação

Resumo: A cooptação de cada vez mais pessoas para a realização da missão imperial moderna, a ponto de se imaginar toda a humanidade envolvida nisso, cria espectativas e valores partilhados universalmente, como a liberdade, o que pode ser uma coisa boa.

Porém, a estigmatização da natureza, a redução das pessoas a recursos humanos e da sabedoria a ciências centrípetas bloqueadas por ideologias sectárias, impedem o reconhecimento da necessidade de acesso generalizado à liberdade. A liberdade é tão só para quem se integre na missão imperial de exploração da Terra: para os liberais sobretudo os empresários, para os comunistas sobretudo os políticos, para os nazi-fascistas apenas para o chefe.

7. Poderes e saberes: Condicionamento de identidades e saberes sociais

Reconhecer que o ocidente está a feudalizar-se e que a China pode ser uma esperança para o progresso socialista implica a identidade pessoal e social de quem assim se atreve a pensar

Esta abertura no diálogo intercivilizações deve ser saudada e acompanhada por ciência centrífuga

Hudson suscita as questões da eventual inelutabilidade do império e do imperialismo, ou numa versão mais política, a funcionalidade do autoritarismo e sua compatibilidade com a democracia.

É criticável a ideia vulgar entre economistas de que ser a economia que comanda a política, e a maneira como as escolas e universidades centradas na profissionalização condicionam o pensamento de professores e alunos a competições entre corpos profissionais e as suas disciplinas de formação de base.

Uma das consequências desse estado de competição interprofissional e interdisciplinar é a surpresa da importância das questões ambientais para as ciências sociais.

8. Actividades sociais: Manutenção e transformação socio-económica

A constante de Clark reflecte políticas de manutenção da ordem social adaptadas milenarmente às sucessivas formações sociais

As liberdades individuais estão condicionadas à ordem social cada vez mais interiorizada para melhor resistir às exigências de libertação frustradas, por exemplo pela escolarização e profissionalização

As revoluções operam sobre mecanismos sociais de auto-protecção conservadora o que justifica as elites entenderem-se moralmente superiores aos povos que exploram

CS confundem flexibilização das relações sociais com mobilidade social. Esta é condicionada por políticas de limitação de acesso a recursos e de tempo de sociabilidade (sequestro) e de um monstruoso aparelho de propaganda.

Exemplos de dinâmicas revolucionárias, de relação escola-indústria e crises de identidade queer.

9. Ideologias: Dividir e reinar – eis o que é preciso combater em cada um de nós, na sociedade, na ciência, na economia e na política

A economia de guerra prefigurou vidas escolhidas na infância, sem alternativa. A contestação juvenil e dos trabalhadores levou à flexibilização que acabou por representar intensificação da submissão e da exploração.

As divisões multiplicaram-se: o que eram quase só divisão de classes e nações desmultiplicou-se por etnias, género, escolarização, especialização pensadas como escolhas individuais.

A anti-economia é um exemplo da necessidade mas que deve ser mais vezes praticada de desrespeitar as fronteiras das nossas especializações, mostrando que elas nos são impostas e devem ser violadas.

Trata-se de romper com o mimetismo imperial que nos hierarquiza como se isso fosse natural e nos separa da natureza como se isso fosse humano.

10. Ciência centrífuga: Os segredos das ciências sociais, com destaque para o império

Hudson denuncia a protecção das rendas, Mattei a austeridade, como consensos profissionais entre economistas que servem as elites. Não é, porém, suficiente fazer anti-economia. É preciso que todas as profissões aprendam a negar servir os respectivos empregadores.

O que pode agregar e justificar a unidade dos esforços de negação das nossas identidades voluntariamente auto-impostas é a consciência da causa, ao mesmo tempo externa e interior, do que nos move.

O que nos move é a adoração generalizada do império, da interiorização da convicção narcísica de que somos aparentados com qualquer coisa extraterrestre (o que é verdade) que se parece connosco (o que não é verdade).

Império cuja mística ou estado-de-espírito surgiu há meia dúzia de milénios e recentemente inspirou a criação bem sucedida dos impérios modernos, entretanto globalizados.

Assim entendido, o império é uma máquina subjectiva de criação objectiva de processos de discriminações, dos quais os contra mulheres e crianças são os mais fundamentais, sem esquecer os de classe e profissão.

Fazer anti-ciências sociais é denunciar as discriminações e os seus mecanismos incorporados, como os descritos por Hudson e Mattei e muitos outros que tornaram as discriminações o nosso trabalho quotidiano, nas famílias, nas escolas, nos empregos.

11. Das causas primeiras: O direito de propriedade

O império e o direito são práticas incorporadas sob a forma de hábitos e estilos de vida.

Na base, discriminam-se crianças e pessoas de sexo e etnia. A civilização imperial discrimina entre a natureza e as pessoas.

É na história e na epistemologia que podemos encontrar o espírito imperial quando resiste ligado por seis ou mais gerações. Artes imperiais são a moeda e o direito com base na soberania.

Estados de espírito, discriminações, soberania, impérios, dinheiro, direito são, ao mesmo tempo, elementos antropológicos soltos, experiências aleatórias, e formas de organizar e pensar.

A propriedade pressupõe a existência de uma filosofia desenvolvida para apoiar um programa imperial que a suporte financeiramente e respectivo poder militar e repressivo

O espírito do capitalismo do espírito imperial e mobiliza as mentes dos que a ele se submetem e se mantêm marginais.

O direito de propriedade é dualista, mecânico e antropocentrado. É mobilizado para proteger rendas e a superioridade social das elites.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search