Lições centrífugas/indisciplinadas de economia

Ao estudar para que serve a sociologia acabei por entender não ser possível avançar sem pensar a sociologia no quadro geral das ciências sociais. Lideradas pela Economia e pela Política, estas hesitam entre constituir-se em ciência ou em manter-se no campo da filosofia social e das disputas ideológicas. Aprendi que a sociologia deve evitar preconceitos ideológicos, mas, em geral, não o faz. Deveria ser aberta à multidisciplinaridade, mas não consegue. Vive perdida e presa no mesmo labirinto das outras ciências sociais, incapaz de fazer pontes com as ciências naturais. Porém, há sociólogos, e os outros cientistas sociais incluindo economistas, que exploram os limites do labirinto. Desenvolvem métodos de ciência centrífuga. A generalidade dos cientistas e profissionais, porém, como notou Thomas Kuhn, trabalham “normalmente” dentro dos limites da hiperdisciplinaridade usando métodos de ciência centrípeta.

Para nos libertarmos da economia centrípeta

Era desejo de os clássicos das ciências sociais fazer evoluir as filosofias e contabilidades sociais na senda da ciência, das ciências naturais e dos seus métodos. A profissionalização das ciências sociais, no pós-guerra, fixou um muro entre as ciências naturais e as ciências sociais. A manutenção desse muro implicou, logicamente, a organização de muros entre disciplinas e subdisciplinas das ciências sociais. A hegemonia da ciência centrípeta decorre da opção estratégica de hiperespecialização dos profissionais e dos cientistas, limitando os exercícios de ciência centrífuga a raros investigadores que estão em condições para tal (Merton, 1968).

A ciência centrífuga não pode ser proibida. Pode ser, e é, alvo de processos políticos e institucionais de desvalorização e ocultação. É disso que falam os economistas Michael Hudson (2022)⁠ e Clara Mattei (2022). Servirão aqui de guia a um olhar sociológico sobre o valor cognitivo da economia.

A economia política dos economistas clássicos foi continuada e substituída pela economia profissional paga pelos lucros proporcionados pela industrialização. O que mobilizou os economistas profissionais, neoclássicos, neoliberais e keynesianos, foi colaborar com os esforços políticos de reconfiguração das sociedades industrializadas. Na prática, porém, as promessas de bem-estar das populações continuam a ser remetidas para as futuras gerações. Quando as esperanças são frustradas por novas gerações com menos oportunidades do que as anteriores, é natural que se ponham em causa os pressupostos de serviço público alegados serem a orientação dos profissionais. Mas não é isso que acontece. Mas há autores, entre os quais Hudson e Mattei, que tratam disso no caso dos economistas.

Hudson fala da finalidade anti-aristocrática, anti-rentista, produtivista da missão que uniu os economistas clássicos, a partir do século XIX, no quadro dos movimentos de abolição do Antigo Regime na Europa, e de como essa missão foi abandonada pelos economistas profissionais. Mattei fala dos serviços de planeamento financeiro prestados pelos economistas profissionais ao serviço da banca, no início do século XX, com a finalidade de abolir o ímpeto “reconstrutor” que se viveu nos meses após o fim da I Grande Guerra.

Dividir para reinar: a cenoura e o pau

Hoje, todos os partidos políticos fazem depender o bem-estar das populações do crescimento económico. Todos os estados mantêm a política do pau e da cenoura. Alegando esperar construir um futuro prospero, mantêm reféns populações empobrecidas em bairros sociais e populares como punição exemplar para quem não contribua com boa vontade suficiente para as tarefas desenhadas pelas elites. Tais reféns são a espada de Démocles que ameaça todos, sendo que a sua presença, como a de uma doença, tem o efeito de cada um pensar que isso não lhe vai acontecer e de culpar as vítimas de inaptidão ou mesmo de perversidade moral. Manter-se trabalhador disposto a sacrificar-se ao serviço das missões dos respectivos patrões é a forma canónica actual de sobreviver com dignidade. Na doença, no desemprego, na reforma e na pobreza reina o isolamento social.

Os desejos de abolição da aristocracia foram usados pela burguesia para se apropriar de privilégios, nomeadamente através dos direitos de propriedade. Em seu nome organizou-se a economia política. No período da I Guerra Mundial, as aristocracias renderam-se definitivamente às burguesias nacionais e aos seus bancos. O sacro império romano-germânico, os impérios otomano e czarista foram abolidos. Os ideais de reconstrução social inspirados por esses desenvolvimentos, nomeadamente a abolição de todos os impérios, foram travados com sucesso pelo exacerbar do autoritarismo que culminou na II Grande Guerra. Um dos instrumentos utilizados nesse processo foi fingida autonomização da economia em relação à política: um misto de demagogia keynesiana de bem-estar (Skidelsky & Skidelsky, 2012), no papel de cenoura, e de autoritarismo austeritário, no papel de pau.

Na União Soviética, o autoritarismo e a demagogia vingaram de outra forma, sob a forma de socialismo real e de império pan-russo. A Guerra Fria foi outra forma de conter as ambições das massas e manter dois impérios concorrentes a bloquear as oportunidades que surgiram.

Hudson insiste na tese de Marx da inevitabilidade do socialismo, agora no século XXI. Alega ser provável que o Partido Comunista Chinês venha a organizar o socialismo na próxima década de 50, como projecta fazer. Não se impressiona com a actual desvalorização política do socialismo. Entende que se o socialismo foi travado no ocidente, não quer dizer que venha a acontecer o mesmo na China, onde um partido favorável ao socialismo mantém um poder suficiente para o fazer vingar. Denuncia o processo da economia ocidental ter passado a fazer depender o capitalismo industrial do capitalismo financeiro, dando prioridade outra vez às rendas, contra as quais os economistas clássicos se mobilizaram inicialmente. Políticas produtivistas, afirma, acabam por favorecer o bem-estar das populações, como estas exigem, obrigando mais tarde ou mais cedo à instalação do socialismo.

Mattei revela que as políticas de austeridade que ficaram conhecidas como neoliberais (anos 80 de Thatcher e Reagan) foram, de facto, desenhadas, testadas e postas a funcionar 60 anos antes, entre guerras. A história que conta revela não haver contradição de fundo entre a austeridade e o keynesianismo: são duas políticas articuladas, embora logicamente antagónicas no seio da economia académica. Juntas, qual pau e cenoura, ajudaram a conter a vontade popular de construir uma sociedade mais favorável aos interesses comuns, substituindo essa vontade política pela prioridade de urgência alegadamente moral de pagamento das dívidas e de rendas.

A investigação histórica de Mattei revelou que, no fim da primeira Grande Guerra, 1919-20, apoiada no autoritarismo liberal e fascista das elites da época, em oposição ao ímpeto social reconstrutor então dominante na política, a austeridade imaginada por alguns economistas profissionais a trabalhar para alguns bancos centrais foi imediatamente efectiva na contenção e reorientação das políticas públicas. É certo que o keynesianismo desenvolvimentista veio a tornar-se a doutrina económica dominante no pós-guerra. Mas a austeridade manteve-se como um traço identitário da economia, pois ficou demonstrado na prática que produzia efeitos imediatos de contenção das esperanças sociais.

O controlo keynesiano da inflacção, favorável à produção nos trinta anos de crescimento correspondentes à reconstrução da Europa ocidental, mas também criador de dívida, foi uma das principais medidas de regulação dos interesses industriais, nomeadamente através de transferências de tecnologia do estado para as empresas, de benefícios fiscais e outros privilégios aos empresários instrumentais para atingir finalidades políticas nacionais e internacionais. Esgotadas as condições favoráveis ao crescimento, nos anos 70 do século XX, para evitar o socialismo, como o reclamado na constituição portuguesa de 1976, o centro do império ocidental usou os mesmos mecanismos de controlo para favorecer as rendas, já que a produção deixou de ser politicamente útil para a manutenção do poder.

Entre o pau da dívida e a cenoura da obra pública ou privada, o século XX substituiu, reforçando-o e actualizando-o, o espírito do capitalismo através das escolas de gestão (Boltansky e Chiapello, 1999). Actualmente, keynesianismo e austeridade coexistem e cooperam no seio da disciplina económica ao serviço da missão semimilenar de exploração da Terra, incluindo os seus recursos humanos; modo sacrificial de obrigar as populações individualizadas a viver obedientes às elites imperiais entretanto globalizadas, gestoras das dívidas e dos investimentos a nível global.

O mérito centrífugo de Hudson é o de posicionar a economia perante a política. Não vai ao ponto de questionar a qualidade do socialismo chinês, nem do ponto de vista do modo de produção, nem do ponto de vista ambiental. Escapam-lhe por ventura conhecimentos tecnológicos e sociais. Os méritos e limitações de Mattei são semelhantes: questiona a validade da periodização do capitalismo. Com a austeridade, o neoliberalismo tecnocrático (1980-) terá sido inventado – e suspenso pelo nazi-fascismo – entre guerras. Estado Social e neoliberalismo representam a cenoura e o pau, mas são parceiros na mesma missão de impedir a liberdade popular de reconstruir a sociedade de uma forma anti-discriminatória.

Os problemas sociais não são estritamente económicos ou políticos. São também tecnológicos e ambientais. Para se ter uma noção mais correcta dos problemas há que organizar diálogos entre as ciências sociais e as ciências naturais. As ciências centrífugas caracterizam-se por estudar panos de fundo não estudados pelas ciências centrípetas, hiperespecializadas. A hegemonia destas últimas dificulta a colaboração entre autores de teses centrífugas, como os dois citados, e entre a economia, outras ciências sociais, as ciências naturais e outros saberes, como os humanistas, doutrinários e tradicionais. Isolados entre si, trabalhadores, autores e disciplinas, tornam a denúncia da orientação imperial dos estados, das economias e das sociedades um assunto tabu.

Para se viver com orgulho do amor-próprio profissional, a maioria das pessoas aceita e reclama as lógicas centrípetas. A hiperespecialização serve de defesa contra as avaliações políticas e sociais das actividades profissionais que, alegadamente, só os especialistas percebem. A auto-avaliação ou avaliação entre pares é reclamada como privilégio por corporações empresariais e profissionais. A isso estão autorizadas na condição de interpretarem bem os interesses imperiais dominantes que acabam por se impor aos interesses sociais que os profissionais alegam prosseguir. A avaliação das missões das empresas em que se trabalha é assunto alheio à generalidade dos trabalhadores e dos profissionais. Isso cabe aos administradores e aos políticos, gestores de negócios e de segredos, em representação de elites protegidas do escrutínio público. A crise de corrupção denunciada por activistas da Transparência Internacional desde os anos 90, actualmente charneira para a mobilização da extrema direita internacional, decorre da cumplicidade defensiva entre várias classes sociais temerosas da avaliação pública punitiva dos respectivos desempenhos e da inibição da dimensão centrífuga das ciências globalmente organizada pela escolarização e pela profissionalização centrípetas, hiperdisciplinares.

Sucedem-se e sobrepõem-se diferentes movimentos abolicionistas dos estados, do totalitarismo, do clericalismo, da escravatura, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo, todos modalidades parcelares do abolicionismo do império. Império é algo socialmente incorporado, modo hierárquico, pragmático e demagógico de cristalizar poder no Ocidente e em outras geografias. Para os trabalhadores e profissionais, o seu valor individual depende do lugar estratégico de que disponham na consecução da missão imperial em cada época e em cada lugar. Nos EUA, por exemplo, os engenheiros e professores foram estratégicos no pós-guerra (Bell, 1973). Os economistas e os juristas a partir dos anos setenta. Os informáticos a partir dos anos 90 (Reich, 1991).

Os movimentos abolicionistas têm sido recuperados para a missão imperial a que todos devemos as nossas posições sociais. Cabe às ciências centrífugas discutir como esses movimentos foram e continuam a ser desviados das suas finalidades

. Cabe-lhes tomar consciência das razões pelas quais as ciências obtêm financiamentos imperiais que lhes permitiram estabelecer estatutos profissionais privilegiados, como o dos economistas, na condição de reduzirem a ciência aos seus aspectos centrípetos, nomeadamente aqueles imediatamente utilitários para planear guerras.

_____________

O programa que se segue abaixo serve para dar respostas mutuamente concertadas às seguintes perguntas: como a moralidade espontânea é posta de lado nas sociedades modernas? Como as sociedades modernas se desresponsabilizam das misérias que produzem? Como se explicam as dificuldades modernas de tradução económica das intenções revolucionárias de fraternidade, em contraste com a tradução de liberdade por capitalismo-discriminação e igualdade por socialismo-comunismo? Como se explicam as discriminações sociais crescentes numa sociedade com cada vez mais leis anti-discriminação? Como se explica a complacência e participação populares em modelos económicos reconhecidamente contrários aos seus interesses? Porque é que a evidências e consequências do aquecimento global não tem provocado acção social de acautelamento dos riscos decorrentes? Porque é que as intervenções anti pobreza se revelam impotentes e as intervenções extractivas de rendas e privilégios são bem-sucedidas? O que se pode fazer para nos prepararmos para elaborar esperanças e perspectivas de um futuro melhor? Porque é que as práticas do direito suspendem as interpretações razoáveis das normas que deveriam ser iguais para todos e discriminam socialmente, para cima e para baixo, de acordo com critérios políticos e de classe?

Referências:

Bell, D. (1973). The Coming of Post-Industrial Society: A Venture in Social Forecasting. Basic Books.

Boltansky, L., & Chiapello, È. (1999). Le Nouvel Esprit du Capitalisme. Gallimard.

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. Baskerville: ISLET—Verlag.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago: Chicago University Press.

Merton, R. K. (1968). On Sociological Theories of the Middle Range. In Social Theory and Social Structure (pp. 39–72). Free Press.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton and Oxford: Princeton University Press.

Reich, R. B. (1991). O Trabalho das Nações. Quetzal.

Skidelsky, R., & Skidelsky, E. (2012). How Much is Enough? Penguin Books.

Mais referências das lições centrífugas de economia

Índice das matérias:

0. Introdução: Economia moral dos impérios

Resumo: para a construção de sociedades modernas, violentas, discriminatórias e hierárquicas, as elites contam com a cumplicidade de massas alienadas em sofrimento material e ético. Primeiro escravizadas, depois assalariadas e profissionalizadas. As tradições imperiais elaboradas no quadro da missão moderna de explorar a Terra aprofundaram e intensificaram estratégias de dividir para reinar. A economia, disciplina e sistema, e as ciências sociais são resultado e reforço disso.

1 . Viés imperial: Termos de troca

Resumo: Na primeira parte do século XX, as duas Grandes Guerras transformaram o vanguardismo capitalista num processo global de cooptação imperial de produtores-consumidores que prescindem voluntariamente dos seus direitos políticos. A profissionalização dos cientistas resulta de e reforça esse efeito.

A ciência económica quedou-se por uma justaposição de subdisciplinas, entre as quais a economia do desenvolvimento onde se esgrime o indicador termos de troca. O meio ambiente e a qualidade de vida social são desconsiderados. As profundas diferenças existenciais de classe tornaram-se impensáveis.

2. Ciência centrífuga: Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece

Resumo: No pós-guerra, Boltansky e Chiapello descobriram as universidades, sobretudo através dos cursos de economia, a produzir, promover e divulgar o espírito do capitalismo junto de uma classe que Poulantzas nomeou nova pequena-burguesia: os administradores que deixaram aos capitalistas apenas a função de investimento. Habermas descreveu como o direito burguês foi sendo elaborado nos últimos quatrocentos anos pelos estados e se intrometeu cada vez mais profundamente na modernização das sociedades. As limitações das ciências sociais não deixam claro qual seja a dinâmica civilizacional que justifica e sustenta tais desenvolvimentos, uns recentes e outros mais antigos: a mobilização imperial em torno da missão de explorar a Terra.

3. Opções: Liberdade, Igualdade, Fraternidade

Resumo: a noção de humanidade consagrada na Declaração Universal dos Direitos Humanos resultou da utilização adaptada pelos impérios da noção cristã de fraternidade face a Deus Pai. Adoptando essa religião, eleva-se aos píncaros a hierarquização imperial, deificada. A noção de humanidade é interpretada de diversas maneiras, as mais conhecidas das quais são as democratas cristãs, as liberais e as socialistas, nada fraternais entre si e, sobretudo, hostis à generalidade da humanidade alegando pretextos racistas ou culturais para desqualificar outras maneiras de interpretar a natureza humana que não sejam as suas, todas ocidentais.

4. Limites da crítica: Marxismo e economia não descortinam a missão imperial

Resumo: o século XIX conheceu movimentos abolicionistas que se cruzaram entre si como em nenhum outro. Abolicionismos da escravatura, do clericalismo, do capitalismo e do patriarcalismo criaram um ambiente revolucionário que desaguou no século XX, em duas guerras imperiais que recompuseram economia, estado e sociedade através da hegemonização cultural realizada pela comunicação de massas – escolarização, publicidade, entretenimento, rádio, televisão, internet, política. O século XX conheceu o abolicionismo do colonialismo, mas foi-lhe impossível abolir o extrativismo. O movimento ecologista ficou e continua preso ao economicismo.

5. Esclarecimento: Dinheiro não é capital

Resumo: O dinheiro é um meio de troca diferida, mas também serve, quando é protegido da circulação mercantil, para acumular riqueza não patrimonial. A modernidade caracteriza-se por ter inventado o sector financeiro separado dos outros mercados. Sector que cultiva segredos cujas consequências são tão frequentemente desastrosas que a moral é suspensa, epistemicamente proibida. O odioso do dinheiro é a amoralidade a que está associado enquanto capital financeiro acumulado. Odiado é o avarento indiferente às misérias dos devedores e, em geral, de quem não tem dinheiro para sobreviver. Mas o banqueiro também é adorado por alegadamente ser confiável, racional, pacífico, definidor da moral padrão como credor.

6. Natureza humana: O espírito imperial subverte a liberdade e atrofia a imaginação

Resumo: A cooptação de cada vez mais pessoas para a realização da missão imperial moderna, a ponto de se imaginar toda a humanidade envolvida nisso, cria espectativas e valores partilhados universalmente, como a liberdade, o que pode ser uma coisa boa.

Porém, a estigmatização da natureza, a redução das pessoas a recursos humanos e da sabedoria a ciências centrípetas bloqueadas por ideologias sectárias, impedem o reconhecimento da necessidade de acesso generalizado à liberdade. A liberdade é tão só para quem se integre na missão imperial de exploração da Terra: para os liberais sobretudo os empresários, para os comunistas sobretudo os políticos, para os nazi-fascistas apenas para o chefe.

7. Limitações dos exercícios de fuga: Questões preliminares à discussão da teoria do valor

Resumo: A modernização separou valores de interesses, religião de sabedoria científica, emoções de razão, natureza de humanidade, violência de economia, estados de proprietários, etc. Entre esses movimentos de radicalização conceptual contam-se os da redução da Terra a campo de conquistas, das pessoas a força de trabalho, da moral a resultados práticos tangíveis, dos fins aos meios, da sabedoria às suas utilidades. A teoria do valor é um esforço de religar aquilo que estava a ser separado em função dos conceitos de economia política e da apologia dos movimentos de abolição do capitalismo. Numa época em que a economia se especializou ainda mais do que estava especializada no século XIX e os fortes movimentos de abolição do capitalismo fracassaram, haverá condições para compreender o valor e os limites da teoria do valor no quadro social em que foi inventada e no quadro social actual?

8. A liderança imperial: O valor das tecnologias e dos trabalhos para a missão imperial

Resumo: A ideia de haver modos-de-produção ideais, entre os quais o modo-de-produção capitalista que polariza as classes em duas, desvia a atenção analítica das cumplicidades transitórias e conflituais entre as diversas fracções das elites e da burguesia. São estes conflitos que animam as políticas dos trabalhadores, nomeadamente através dos partidos de massas empenhadas em apoiar uma das alianças de elite contra outras. A construção do proletariado, de uma classe capaz de abolir as classes, não cabe na imaginação popular, seja ela económica ou política. A prefiguração de democracia associada a uma sociedade sem classes inexiste – também porque as lutas para realizar as democracias populares obtiveram resultados trágicos.

9. Conjuntura desfavorável: O uso centrípeto e sacrificial da lei do valor-trabalho

Resumo: A lei do valor prevê a pauperização das populações sob o modo de produção capitalista, por pressões contraditórias a) da concorrência entre capitalistas para embaratecer os custos de produção das mercadorias (ciências e tecnologias), b) do resultado da luta de classes (sindicalismo e política) e c) do aumento das necessidades básicas das pessoas condicionadas pela civilização adictiva realizada pela propaganda sacrificial do crescimento ilimitado (espírito imperial).  

10. Os custos da libertação: O trabalho e a guerra

Resumo: A exploração, além de económica, também é social e política, e funciona através de ideologias sacrificiais sobre o sentido da vida humana manipulado por modos racionalizados de organização hierárquica. Organizações internacionais primeiro (no período da conquista e da acumulação primeira) e nacionais depois, na sequência da Revolução Industrial, gerem a ambiguidade própria do proteccionismo nacional-liberal discriminatório – taxas alfandegárias e políticas de sanções. Discriminam classes sociais, nomeadamente através das políticas fiscais e de rendimentos – e internacionais, através de controlo de circulação de capitais, pessoas e bens. As sociedades estão condicionadas pelas hierarquias sociais e internacionais a aceitar a aplicação de dois pesos e duas medidas sem sentirem contradição entre isso e a almejada liberdade e igualdade – para já não falar da fraternidade. As ciências sociais têm um papel nisso.

11. Libertação dos conceitos: A exploração

Resumo: A partir do momento em que os relatórios do Painel Intergovernamental sobre a Mudança do Clima (IPCC) passaram a incluir sinais de alarme imediato, os governos se sentiram obrigados a declarar estar em modo de transição climática e os partidos ecologistas se revelaram tão distraídos em relação à transformação da Terra quanto os outros, cada vez mais cientistas sociais reconheceram haver um problema de fundo na maneira como as ciências sociais, incluindo a economia crítica, têm ignorado a natureza.   

12. Libertação do sistema de disciplinas: Capital é relação social ou maquinismo económico?

Resumo: a hierarquização das disciplinas científicas, incluindo as das ciências sociais, resulta de uma vontade superior. A discriminação entre objectos e projectos de estudo é organizada discreta e autoritariamente por controlos administrativos e profissionais dissimulados pela alegada procura de mérito que justificaria a hierarquização social. A aceitação da hierarquização resulta da alienação geral induzida pelas escolas, no quadro mais geral da propaganda que conduz a humanidade ao redil que as elites construíram para ela

7. Poderes e saberes: Condicionamento de identidades e saberes sociais

Reconhecer que o ocidente está a feudalizar-se e que a China pode ser uma esperança para o progresso socialista implica a identidade pessoal e social de quem assim se atreve a pensar

Esta abertura no diálogo intercivilizações deve ser saudada e acompanhada por ciência centrífuga

Hudson suscita as questões da eventual inelutabilidade do império e do imperialismo, ou numa versão mais política, a funcionalidade do autoritarismo e sua compatibilidade com a democracia.

É criticável a ideia vulgar entre economistas de que ser a economia que comanda a política, e a maneira como as escolas e universidades centradas na profissionalização condicionam o pensamento de professores e alunos a competições entre corpos profissionais e as suas disciplinas de formação de base.

Uma das consequências desse estado de competição interprofissional e interdisciplinar é a surpresa da importância das questões ambientais para as ciências sociais.

8. Actividades sociais: Manutenção e transformação socio-económica

A constante de Clark reflecte políticas de manutenção da ordem social adaptadas milenarmente às sucessivas formações sociais

As liberdades individuais estão condicionadas à ordem social cada vez mais interiorizada para melhor resistir às exigências de libertação frustradas, por exemplo pela escolarização e profissionalização

As revoluções operam sobre mecanismos sociais de auto-protecção conservadora o que justifica as elites entenderem-se moralmente superiores aos povos que exploram

CS confundem flexibilização das relações sociais com mobilidade social. Esta é condicionada por políticas de limitação de acesso a recursos e de tempo de sociabilidade (sequestro) e de um monstruoso aparelho de propaganda.

Exemplos de dinâmicas revolucionárias, de relação escola-indústria e crises de identidade queer.

9. Ideologias: Dividir e reinar – eis o que é preciso combater em cada um de nós, na sociedade, na ciência, na economia e na política

A economia de guerra prefigurou vidas escolhidas na infância, sem alternativa. A contestação juvenil e dos trabalhadores levou à flexibilização que acabou por representar intensificação da submissão e da exploração.

As divisões multiplicaram-se: o que eram quase só divisão de classes e nações desmultiplicou-se por etnias, género, escolarização, especialização pensadas como escolhas individuais.

A anti-economia é um exemplo da necessidade mas que deve ser mais vezes praticada de desrespeitar as fronteiras das nossas especializações, mostrando que elas nos são impostas e devem ser violadas.

Trata-se de romper com o mimetismo imperial que nos hierarquiza como se isso fosse natural e nos separa da natureza como se isso fosse humano.

10. Ciência centrífuga: Os segredos das ciências sociais, com destaque para o império

Hudson denuncia a protecção das rendas, Mattei a austeridade, como consensos profissionais entre economistas que servem as elites. Não é, porém, suficiente fazer anti-economia. É preciso que todas as profissões aprendam a negar servir os respectivos empregadores.

O que pode agregar e justificar a unidade dos esforços de negação das nossas identidades voluntariamente auto-impostas é a consciência da causa, ao mesmo tempo externa e interior, do que nos move.

O que nos move é a adoração generalizada do império, da interiorização da convicção narcísica de que somos aparentados com qualquer coisa extraterrestre (o que é verdade) que se parece connosco (o que não é verdade).

Império cuja mística ou estado-de-espírito surgiu há meia dúzia de milénios e recentemente inspirou a criação bem sucedida dos impérios modernos, entretanto globalizados.

Assim entendido, o império é uma máquina subjectiva de criação objectiva de processos de discriminações, dos quais os contra mulheres e crianças são os mais fundamentais, sem esquecer os de classe e profissão.

Fazer anti-ciências sociais é denunciar as discriminações e os seus mecanismos incorporados, como os descritos por Hudson e Mattei e muitos outros que tornaram as discriminações o nosso trabalho quotidiano, nas famílias, nas escolas, nos empregos.

11. Das causas primeiras: O direito de propriedade

O império e o direito são práticas incorporadas sob a forma de hábitos e estilos de vida.

Na base, discriminam-se crianças e pessoas de sexo e etnia. A civilização imperial discrimina entre a natureza e as pessoas.

É na história e na epistemologia que podemos encontrar o espírito imperial quando resiste ligado por seis ou mais gerações. Artes imperiais são a moeda e o direito com base na soberania.

Estados de espírito, discriminações, soberania, impérios, dinheiro, direito são, ao mesmo tempo, elementos antropológicos soltos, experiências aleatórias, e formas de organizar e pensar.

A propriedade pressupõe a existência de uma filosofia desenvolvida para apoiar um programa imperial que a suporte financeiramente e respectivo poder militar e repressivo

O espírito do capitalismo do espírito imperial e mobiliza as mentes dos que a ele se submetem e se mantêm marginais.

O direito de propriedade é dualista, mecânico e antropocentrado. É mobilizado para proteger rendas e a superioridade social das elites.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search