Breve apresentação da minha perspectiva de libertação do império

Como estudar a revolução (a totalidade) e a ordem (a discriminação; dividir para reinar) como potencias utópicas coexistentes, em vez de exclusivistas e divergentes? Como compreender a natureza humana que sustenta a divergência cultural no quadro do reino animal? De que modo as concepções que temos da existência decorrem da experiência e nela se integram, incorporando-se nas sociedades?

Complexidade descreve melhor as experiências sociais do que maniqueísmo

Estas são perguntas científicas de base que me interessa ver clarificadas.

Para me classificar, diria que sou abolicionista pragmático. Abolicionista por parte dos direitos humanos e das prisões, pragmático do lado da sociologia da consciência.

Perspectivo a identificação dos mecanismos sociais de produção das injustiças para os abolir, tendo em conta a natureza humana e as evoluções culturais incorporadas e institucionalizadas associadas a cada uma das injustiças (Hulsman, 1993; Mead, 1924). A história caracteriza-se pelas sucessivas libertações de tomadas de consciência que reduzem os fenómenos de injustiça identificados e mais traumáticos pela ostracização de quem neles participe, por exemplo proibindo-os. A erradicação de tais injustiças dificilmente será possível. Mas podem ser reduzidas drástica, mas não definitivamente. Foi assim com as abolições da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo.

Não acompanho a crítica artística, a aliança entre as ciências sociais e as humanidades. Parece-me vulnerável aos vieses ideológicos que retêm a ciência de progredir. Reforça a divergência cultural naturalizando-a (Snow, 1956), o que inibe o estudo da totalidade (natureza e humanidade). Não acompanho a crítica científica das ciências sociais estasiadas a observar a ordem (economia e estrutural-funcionalismo), limitando à superficialidade os estudos de panos de fundo, como a violência e o império. Reduzindo à vacuidade e à instrumentalização as disciplinas especializadas e estanques entre si, como as relações internacionais ou a antropologia fazem com o império e a violência.  

A crítica científica das ciências sociais que desenvolvi, o abolicionismo pragmático, procura na vida animal, nas emoções mentais e corporais (Damásio, 2017), a sociogénese dos comportamentos e dos pensamentos socialmente organizados (Foucault, 1999). Usa o conceito de estados de espírito (Alberoni, 1989) para estudar a totalidade em evolução (sequências de estados de espírito dominantes) e a ordem instável fundada e reconhecível em tipos específicos de expressão do self (Bateson, 1987). Procuro formas de tornar translúcidos as barreiras que separam os campos e os níveis de realidade socialmente e empiricamente produzidos. O conceito de estados de espírito pode ajudar a cumprir essa função. É nisso que trabalho actualmente.  

O império e o espírito imperial são conceitos centrais para a crítica das ciências sociais resignadas a dividir-se em barricadas ideológicas bipolares.  A dominação pelo império resistiu a todas as tentativas de o abolir e globalizou-se em torno da missão de explorar a Terra.

O espírito marginal (Dores, 2012b) é mais favorável à experiência e compreensão da totalidade. A capacidade de desinvestir num determinado rumo de investigação e passar a outro é sinal de despojamento no processo de hiperespecialização profissional na investigação que resulta das políticas científicas de mobilização e controlo dos cientistas para fins imperiais. O espírito de submissão (Dores, 2012a) é mais favorável à incorporação das discriminações dominantes que podem ou não ser tornadas conscientes.

Frequentemente, as teorias críticas – como o mau estar social produzido pelas dissonâncias morais e pelo sofrimento ético (Rolo et al., 2022) resultante da submissão à missão imperial – ficam-se pelos queixumes (Scott, 2013). Em vez de tentar atingir a totalidade, acompanham e respeitam as políticas de dividir para reinar, reforçando-as ao colocarem-se do lado das oposições em vez de denunciarem o império.

O imperador reconhece o valor de uma cientista social

Este espírito de subordinação, que é o estado de espírito que melhor caracteriza as ciências sociais dominantes, académicas e críticas, recusa tomar consciência dos modos (imperiais) de produção das discriminações sociais. Em particular, o facto de as ciências sociais terem desistido de conquistar o estatuto científico (Nunes, 1973), alegando que já são o mais científico que se pode ser perante a sociedade (presumindo natural e incontestável a divergência cultural e, portanto, anti-natural a natureza humana). O espírito de subordinação transforma todos os profissionais das ciências sociais em instrumentos de legitimação da missão imperial de explorar a Terra/natureza.

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Bateson, G. (1987). Natureza e Espírito – uma unidade necessária. D. Quixote.

Damásio, A. (2017). A estranha Ordem das Coisas – a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Circulo de Leitores.

Dores, A. P. (2012a). Espírito de Submissão. Editora CRV.

Dores, A. P. (2012b). Espírito Marginal. Editora CRV.

Foucault, M. (1999). Microfísica do Poder. Graal.

Hulsman, L. (1993). El enfoque abolicionista: Políticas criminales alternativas. El Poder punitivo del Estado. Criminologia critica y controlo social. NeoPanopticum – Derecho, Criminologia y Ciencias Sociales, 75–104.

Mead, G. H. (1924). The genesis of the self and social control. International Journal of Ethics, XXXV, 251–277.

Nunes, A. S. (1973). Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais. Cadernos G. I. S., n.° 10.

Rolo, D., Varela, R., & Santa, R. dela. (2022). Observatory of Living and Working Conditions.

Scott, J. C. (2013). A Dominação e a Arte da Resistência – discursos ocultos. Letra Livre.

Snow, C. P. (1956). Duas Culturas. D.Quixote.

Interfaces, utopias e critérios de verdade

A pretexto de evitar a intromissão das ideologias, as ciências sociais têm-se reduzido a ciências centrípetas. Assim se distinguem das humanidades e se dividem em subdisciplinas cada vez que encontram uma dificuldade cognitiva, evitando confrontá-la. Assim separam tipos-ideais e dados como se fossem empiricamente autónomos. Assim se eterniza a separação entre a filosofia e as ciências para que estas possam servir as missões imperiais sem recuo crítico, sob a forma de tecnociências.

As ciências centrípetas ou tecnociência, para melhor servir os financiadores empenhados na missão imperial de explorar a Terra, evitam estudar interfaces, nomeadamente as que ligam a natureza com a vida humana, e preferem criar barreiras cognitivas defendidas por campos disciplinares e subdisciplinares separados, como campos minados.

Esta redução das potencialidades científicas decorre e reforça a autonomia da construção ideológica de utopias, de ideais-tipo na formulação de Max Weber, de que se queixam as teorias críticas, sem saber como as evitar. As ciências centrífugas, as que também estudam os panos de fundo, nomeadamente as interfaces que ligam natureza e cultura, como os estados-de-espírito, a violência, a civilização, etc., incomodam a autonomia da produção ideológica do império e dos estados. Por exemplo, os ódio-amor sacrificialmente purificados sobretudo pelas guerras e pelo trabalho, são alvo de lavagens ao cérebro, propaganda, formação profissional, tornando-se especialmente difícil observar sem moralismos as manobras anti-sociais de sedução institucionais, económicas, nacionais e imperiais.

A civilização oriental desenvolveu a dialéctica muito mais do que a civilização ocidental

O mais bem-sucedido dos críticos depois de Cristo, Karl Marx, explicou que a dialéctica, além do materialismo e da história, era um método de eleição para ver para além do que as ciências vulgares vêm. A dialéctica materialista e histórica, através da síntese, na prática as transformações, supera cognitivamente as concepções dualistas (tese e antítese, sem síntese), de que As Duas Culturas são estereotipo. Snow, o autor do livro em apreço, sugere o mesmo caminho, mas negando sem reflexão a conflitualidade existente entre as duas culturas, as artes e as ciências. Com isso, toca fundo e de modo reconfortante nas emoções de amor-ódio envolvidas no processo de longa duração de seguimento da missão imperial semi-milenar, sem sentir necessidade de mencionar a fonte da separação das duas culturas. Evacuando essa fonte da realidade susceptível de ser estudada e tornada cognitivamente consciente, nada mais parece impedir a reconciliação das duas culturas. De facto, o espírito artístico é reproduzido de forma independente e contraditória com o espírito científico, ambos os estados de espírito a braços com as suas diferentes modalidades.

Snow fica aquém da noção de Marx sobre a superioridade moral e política da ideologia proletária para organizar a produção de conhecimentos científicos. Essa imaginada superioridade decorreria, segundo Marx, da potencial libertação radical dos trabalhadores de espírito revolucionário, imaginariamente sem amos, para que utopicamente os comunistas mobilizaram as sociedades dos séculos XIX e XX. Marx, marcado pelos seus estudos de economia política, imaginou o império, a que chamou acumulação primitiva, como experiência ultrapassada pela revolução burguesa e automatizado pelo estado-capitalismo. A noção de império foi retomada por Lenine como estado supremo do capitalismo, invertendo a cronologia histórica e reforçando a desvalorização dos estudos sobre o que seja o império, cuja sociogénese é muito anterior à do capitalismo.

Conceptualmente, para os marxistas e positivistas, o problema é como descrever os impérios em termos materialistas, independentemente dos estados de espírito e das emoções de amor-ódio com que são elaborados.

Em Platão, a utopia, os arquétipos fixados no escuro da caverna, as verdades imutáveis, as ideologias, conformam as interpretações das experiências vividas pelas pessoas na sua instabilidade e insegurança mentais. Para além das verdades aparentes, em geral falsas, há os resultados dos inquéritos filosóficos capazes de determinar as verdades primeiras e últimas, eternas.

Esta concepção de verdade é imperial. Distingue a elite intelectual, representada pelo filósofo, a quem é distribuída a missão de encobrir e descobrir as verdades eternas. Com humor, Umberto Eco mostra como a eternidade é uma forma de legitimação do poder tangível que mata para defender os segredos guardados por detrás de rituais, de tentativas-erro, como aqueles cujas descrições estão simbolicamente armazenadas nas bibliotecas em que se funda a supremacia imperial.

Augusto Comte ficou famoso com a sua lei dos três estados de evolução da epistemologia: para as crianças e povos menos cultivados, as palavras designam objectos ou algo pensado como semelhante a objectos, algo a que os sentidos possam ser sensíveis. Num segundo estado, a que chamou teológico, o pensamento é criativo, conduzido por noções abstractas, utopias, palavras e teorias sem correspondência fisicamente sensível. O terceiro estado, o estado positivo ou científico, caracteriza-se por não se deixar distrair por questões metafísicas, o início ou a finalidade das coisas, as utopias. Trata de conjugar de forma óptima a sequência de intenções e trabalho de forma politécnica para obter resultados práticos.

A verdade positiva é utilitária como a tecnociência. Desinteressa-se de ideologias e de estudos de panos de fundo. Aquilo que sirva a navegação em alto-mar ou a resolução de problemas práticos é científico. A missão e interesse de quem financia os trabalhos de marinha e de engenharia não é preocupação do positivismo.

Esta concepção da verdade oferece-se à missão imperial profissionalmente, sem a distinguir das outras actividades humanas, como as de construção dos selves e cuidados mútuos. Identificado o problema, o espírito positivo desenhada a sua solução. Uma vez reunidas as condições de execução da empreitada – aqui jaz o busílis da questão – os conhecimentos politécnicos estão ao serviço de todos. O busílis é que quem controla os recursos disponíveis e a riqueza são as elites encarregues da acumulação que justifica e mantém os investimentos na exploração da Terra, a missão imperial actual.  

O tecido social de uma cidade é um exemplo de heterotopia

As teorias pós-estruturalistas e pós-modernas desconfiam das utopias e do positivismo. Notam que as subjectividades e a instabilidade das evidências, das certezas, das ciências, das vidas são secundarizadas por estas filosofias. Para dar exemplos daquilo que fica por conhecer por quem as adopte, Foucault designou heterotopia os espaços que têm múltiplas camadas de significação e se relacionam mutuamente, ligando-se ou repudiando-se, usando múltiplos lugares e tempos cuja existência não pode ser percebida pelos sentidos. Ele refere-se aos efeitos incorporados, micro poderes e disciplinas, que se confundem com heranças genéticas, herdados da história, das gerações anteriores e da ancestralidade, cuja sociogénese Foucault recomendou o estudo detalhado. Uma das razões das limitações de percepção do positivismo e das utopias é a complexidade, profundidade e intensidade paradoxais das relações entre múltiplas situações e múltiplos significados-conotações em situação. Situados em tempo, espaço e nível cósmica e culturalmente produzidos, ideais-tipo e dados são heterotopias.

Por exemplo, os efeitos difusos, mas profundos das memórias sociais sobre as experiências do fascismo, do comunismo, das guerras, afectam os comportamentos hoje, mesmo das pessoas que desconhecem as consequências da história que as orienta.

Referindo-se às ciências naturais e à química em particular, Prigogine sugere que a ciência deixe de ser apenas experimental e passe a tratar a natureza com a complexidade que realmente a caracteriza. Em vez de insistir nas provas por demonstração, criando artificialmente as condições extraordinárias em que elas podem ser apresentadas e repetidas, a ciência deveria passar a considerar os fenómenos naturais tal eles ocorrem no quotidiano, como são obrigadas a fazer as ciências sociais por ser deontologicamente inadmissível prender pessoas num laboratório para produzir conhecimentos. Neste sentido, para aprender a lidar com heterotopias, as ciências sociais poderão ser modelo útil para este tipo de desenvolvimento das ciências naturais.

O pós humanismo, ou a declaração da inutilidade da filosofia, como em Harari, sugere que em vez de as máquinas servirem a humanidade, como se imaginou no século XX, as máquinas estão na prática a substituir a humanidade. Apenas as elites sobreviverão para beneficiar do trabalho máquina cujo sentido deixa de ser controverso com o fim da humanidade e das subjectividades com que nos debatemos hoje. A reprodução automática industrial de máquinas de inteligência artificial tornará a humanidade e a vida um apêndice dispensável da civilização. Através das máquinas, sem instabilidades sociais e sensibilidades ecológicas, a criatividade humana eternizar-se-á.

A tal perspectiva se opõe António Damásio. Baseado na análise científica da mente que o tornou famoso. O neurocirurgião refere que não há evidência de existência de inteligência sem consciência e não há consciência sem corpo biológico e social que forneça as emoções a que consciência dá sentido. Sem vida, a entropia reduz as máquinas a matéria inerte. Ainda que a radical utopia cibernética pudesse realizar-se, quem estaria disponível para confirmar que isso venha a ser verdade?

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Estados de espírito

Estados de espírito é um conceito clássico da sociologia rejeitado pelas ciências sociais actuais, que se recusam a conceptualizá-lo. Fazê-lo parece incompatível com a hiperespecialização das ciências sociais paradas no caminho que deveria transformar a filosofia social em ciência. Mas poderá ser útil quando as ciências sociais se quiserem esforçar para se tornarem ciências complementares e articuladas com as ciências naturais.

Emoções manipuladas pelos impérios

A Grande Transformação realizada na primeira metade do século XX foi militar, burocrática, nacionalista, internacional e pode estar a esgotar as potencialidades da estratégia imperial adoptada. O ambiente de ódio ressurgiu um século depois. Purifica o amor à nação canalizando o ódio para o estranho fabricado pelos estados e pela ignorância.

A explicação para a ocorrência da II Grande Guerra mantém-se um dilema por resolver. Como é que os principais países civilizados e vizinhos, na Europa e no extremo-oriente, se deixaram envolver em guerras desastrosas e criminosas?

São famosas as explicações de Hannah Arendt e de Norbert Elias: a banalização burocrática do mal e os resquícios da cultura aristocrática das elites alemãs. Ou seja, os resquícios do tradicional gosto da violência de que a civilização tenta libertar-se, mas nem sempre funciona bem, em Elias. A condenável desmobilização da empatia provocada facilitada encoberta pela burocracia moderna, em Arendt.

Ambos os autores referem as lutas e evoluções, sociais e psicológicas, pela conformação e repressão de estados de espírito como causas potenciais das guerras. Porém, a explicação dominante, incluindo na Alemanha, é que a culpa foi dos alemães que se deixaram seduzir pelos nazis. Estes ofereceram em sacrifício aos alemães os judeus, a solução final, em nome do Reich por mil anos, em memória do Império Romano.

Uma terceira explicação é citada por Polanyi: as “nações despreocupadas” dos impérios multiculturais, como o austro-húngaro, o alemão, o otomano, o russo, elevaram os sentimentos xenófobos a racismo institucional de “tipo coriáceo de nação“. O espírito imperial passou a centrar-se em nacionalismos promovidos por estados-nação utopicamente etnicamente homogéneos para afirmar a superioridade messiânica das respectivas raças e culturas em competição. Assim se mobilizou a “carne para canhão” e submeteram os povos vencedores e vencidos ocidentais às urgentes tarefas de reconstrução, incluindo a reconstrução da comunidade internacional.

Esta nova política imperial centrada em estados-nação iguais em dignidade por direito, mas não de facto – como o mostra a composição do conselho de segurança da ONU –   inclui os novos países surgidos da descolonização. Novos estados-nação cujas fronteiras foram desenhadas artificialmente nas chancelarias europeias, convencidos de estarem a lutar contra o imperialismo reforçaram-no alinhando com o neocolonialismo.

O Terceiro Mundo ou países em desenvolvimento, à custa das ambições imperiais que adoptaram ao constituir estados independentes das metrópoles, importaram as tensões fratricidas imperialistas que se continuam a traduzir em guerras por procuração. Com a crise da globalização, estados herdeiros de impérios tradicionais que se tornaram fortes centros de acumulação de riqueza, como a China, a Rússia, o Brasil, a Índia ou a África do Sul, reunidos agora nos BRICS, procuram novas estratégias para actualizar a mesma missão imperial de explorar a Terra sem a hegemonia dos EUA.

O que esteve no centro do belicismo da primeira metade do século XX foram as contradições do império: o ódio-amor das pessoas e das instituições às intenções de grandeza e glória imperiais. Vividas a nível nacional, estas emoções justificaram os sacrifícios da guerra e do trabalho das sociedades envolvidas, bem como o antagonismo contra os estrangeiros. O amor-próprio social e individual identitariamente ligado à nação, por via da intensa propaganda cultural, escolar e linguística, por via das fidelidades administrativamente criadas nacionalmente, mascarou o ódio às ambições imperiais em teorias da conspiração: acusações à dissidência de ser cúmplice ou até agente secreto de impérios estrangeiros, comunistas, muçulmanos, russos e outros a definir à medida das necessidades e das ocasiões.

O amor à nação e aos seus símbolos tornou-se principal motivo de solidariedade entre as pessoas, cada vez mais envolvidas em competições para organizar a vida quotidiana. O ódio inibido foi sublimado contra a natureza, os chefes, os competidores. Os estrangeiros, como os nómadas, refugiados ou imigrantes, tornaram-se alvos impotentes que ninguém se atreve a proteger para evitar o risco de ser contaminado pelo ódio que lhes é dirigido.

No pós-guerra, deu-se a maior intensificação de trabalho jamais vivida, por via da mobilização das mulheres como trabalhadoras, e por via educativa e tecnológica, e por via de projecção global dos sistemas capitalistas para lá da sua área de influência anterior. As políticas discriminatórias de género características do século XIX foram sendo aliviadas e hoje a prioridade da política de igualdade de género acompanha o aumento das desigualdades sociais. Isto é, a intensificação sem compensação do trabalho vai de par com o direito das mulheres de serem trabalhadoras, o que no século XIX apenas os homens poderiam ser.

Estilo de vida moderno

Na segunda parte do século XX, o crescimento económico ocorreu. Mas a partir da crise do petróleo, em meados dos anos 70, o crescimento da economia, apesar ou por causa do crescimento dos sectores de serviços, não voltou a ser o necessário para manter a funcionalidade social prometida pelas instituições internacionais. O que passou a acontecer nos países desenvolvidos foi que todo o valor acrescentado passou a alimentar os lucros, que cresceram, mantendo ou diminuindo a parcela do trabalho. A nível internacional, a exportação de capitais e de indústrias produziu crescimentos económicos e salariais no antigo Terceiro Mundo, que se redenominou Sul Global.

A partir da solução encontrada para resgatar o sistema financeiro global falido em 2008 – pôr os contribuintes a funcionar como accionistas dos bancos para assumir as despesas, que não os proveitos – as ideias neo-nazis voltaram a ganhar credibilidade do espaço político, um século depois. Com a guerra na Ucrânia, a disputa bélica directa entre potências civilizadas restabeleceu-se, substituindo a guerra contra o terrorismo e a radicalização islâmicos declarada em 2003. Ocidente e Rússia argumentam contra os impérios e contra os totalitarismos, que imputam aos inimigos. Perante isto, a impotência dos povos face à guerra imperial, resta esperar que a estratégia MAD (acrónimo que em inglês quer dizer ”loucura” e se refere à frase “mútua destruição assegurada”, i.e., ao fim do mundo) volte a ficar associada à abstenção de uma temida guerra nuclear.

Ao contrário da primeira parte do século XX, hoje as alterações climáticas são evidentes, os governos insistem em que apenas o crescimento da economia resolverá os problemas e as pessoas descrêem. A economia verde é anunciada como conciliação entre a continuidade da necessidade do crescimento e a ecologia. Embora, a pretexto da guerra, as maiores potências fazem volta atrás nas políticas verdes, que os críticos dizem ser apenas uma fachada para tudo continuar como antes. Logro ou não, como desesperadamente nota a ONU, a necessidade de combater as alterações climáticas não está a ser prioritária para os estados. A guerra, sim.

Entretanto, as pessoas estão viciadas em viver fora da realidade, através do ciberespaço. Vive-se a sensação de impotência e alienação perante o retorno dos mesmos problemas que se pensou serem impossíveis de viver em civilização, agora agravados pela crise ambiental. Fracas ideias de civilização, e de império, têm sido produzidas e utilizadas. Têm servido para fazer a apologia da missão imperial e dos seus instrumentos dilectos nesta fase histórica – o capitalismo e o estado-nação – e para inibir ou mesmo reprimir a ciência centrífuga, a que faz perguntas de fundo cuja resposta está inibida pela construção imperialmente condicionada das identidades sociais.

O ódio-amor aos impérios tem sido gerido usando inimigos sociais, no século XIX, e nacionais, no século XX. De modos complexos, o ódio e a violência institucional têm sido canalizados de forma não assumida para inimigos capazes de purificar moralmente o amor incondicional aos estados-nacionais e à missão imperial que todos continuam a perseguir.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Porque é que é comovente falar das duas culturas?

As ciências sociais herdaram da religião a retórica de esconder com uma mão aquilo que se faz com a outra e comover as pessoas com isso. A dualidade é uma retórica apropriada às emoções modernizadoras: belicista e simplificadora. A moral é substituída pelo moralismo, a consciência pelo alinhamento, a reflexão pela especialização. A religião institucionalizada, cuja função principal é religar as partes da sociedade em solidariedade, tem uma grande e antiga experiência em dividir para reinar e em reconfortar as vítimas de tais políticas, manipulando-as emocionalmente.

Luta de classes e divisão das ciências são obra do império

A meritocracia é um aspecto escolar e profissional de uma política geral de dividir para reinar. Os aspectos laborais e cognitivos da meritocracia reforçam-se mutuamente. A linha divisória laboral-cognitiva é notória: separa com sentimentos de repugnância e de contrariedade a natureza da humanidade, o trabalho dos lugares de decisão, as massas das elites. Sentimentos confrontados tacitamente em As Duas Culturas.

Para efeitos da consecução da missão imperial actual, a humanidade é pensada e tratada como interface entre os superiores desígnios imperiais e a natureza. A humanidade é pensada como trabalhadora, mas sem capacidade de se auto-determinar. Por um lado, a humanidade é semelhante às elites e, em solidariedade com elas, deve constituir-se em base de apoio à missão imperial. Por outro lado, em contraste com as elites, a humanidade está reconhecidamente imersa e dependente da natureza: só as elites a podem resgatar dessa perigosa dependência. Esta humanidade parecida, mas claramente distinta das elites, é a única fonte de recursos humanos (ou mais-valia, na formulação de Marx) indispensáveis às elites capitalistas. O capitalismo é o estado supremo do império moderno.

Subir na hierarquia social e das classes sociais representa maior autonomia dos constrangimentos ambientais e sociais que o dinheiro, nas sociedades consumistas, teoricamente pode comprar. Os resultados práticos estão hoje à vista: a crise ambiental estrutural, perante a qual a sociedade viciada em prosseguir a missão imperial sem a questionar se revela incapaz de reagir.

Durante uma trégua num campo de refugiados na Síria, segunda parte da segunda década do século XXI

Segundo David Ricardo, um dos fundadores da economia, o salário representa o valor das necessidades fisiológicas dos trabalhadores, a satisfação da parte natural das pessoas que vivem para apoiar e realizar as missões dos seus empregadores, em troca da sobrevivência tutelada. O lucro, por outro lado, é o saldo final das actividades da exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos.

Apesar das leis, teoricamente, se aplicarem por igual a todas as pessoas, a economia – reconhecem as ciências sociais – produz ou pelo menos reforça desigualdades sociais. A natureza humana, os direitos naturais, como os direitos humanos, são iguais para todas as pessoas, com a diferença de que há muita gente a quem, na prática, não se aplicam, seja porque passam fome ou não dispõem de habitação condigna, por exemplo. Economia e direito são, pois, disciplinas não dialogantes que apresentam dinâmicas sociais contraditórias entre si. É cada pessoa que enfrenta individualmente as contradições que daí advêm. Por isso, a consideração da natureza humana partilhada por todas as pessoas, indivisível, empiricamente observável, é politicamente descartada a favor do isolamento intensamente reproduzido institucionalmente do Homo Economicus e o Homo Juridicus, do mercado e do estado.

A natureza humana é o objecto privilegiado para reunir colaborações entre as ciências da natureza e ciências sociais, entre as ciências centrípetas e as ciências centrífugas, entre as humanidades e as ciências, entre as experiências artísticas e as científicas, a que se refere de forma difusa e emocionante Snow, autor de As Duas Culturas.

Todavia, ao serviço à missão imperial, a colaboração da economia e do direito é assunto tabu. O mesmo ocorre com a violência envolvida na reprodução dos impérios modernos, tratada também unilateralmente por disciplinas como a criminologia e as relações internacionais.

O sentido da acção empresarial é assunto privado. É assunto dos capitalistas e de políticos. Está privatizado em nome da propriedade privada e da soberania. Assuntos tratados pelas elites e à margem dos povos. A estes cabe seguir as elites ou, em caso de haver democracia, escolher entre as elites quem conduz os destinos colectivos.

A separação das ciências em disciplinas estanques compagina-se e serve o trabalho imperial de produção e reprodução da diferente natureza social das elites e dos trabalhadores. As primeiras são livres para escolher os seus desígnios mais ou menos imperiais, humanitários ou empresariais. Os segundos são reduzidos às suas funções vitais para estarem aptos a colaborar na divisão de trabalho especializada ao serviço dos desígnios superiores decididos em privado pelas empresas e pelos estados. As classes intelectualizadas desejam ser livres para decidir o seu destino, como as elites, mas fazem-no a trabalhar no quadro cognitivo espartilhado que as ciências reproduzem, como quem está num labirinto. E trabalham de modo cada vez mais proletarizado.

Estimulação das massas

Por outro lado, as elites também obedecem a um guião pré-fabricado: o entendimento de natureza e de trabalhadores como inimigos, obstáculos, resistências às inovações imaginadas superiormente. Os trabalhadores podem ser estimulados, acenando-lhes participação nos negócios, segurança nas dificuldades, glória por atingir objectivos, ou outros incentivos, como as guerras identitárias. Apesar das lutas anti-imperiais, como as de abolição da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo, a desqualificação social dos trabalhadores mantém-se. Isso não decorre apenas da vontade de discriminar das elites – gosto partilhado também pelos outros grupos sociais, estimulado sob a forma de jogos por políticas de dividir para reinar. Isso decorre da necessidade de manter o rumo da missão imperial de exploração da Terra e dos seus recursos humanos. Sem discriminação social, sem divisão de trabalho, sem divisão das ciências naturais e das ciências sociais em tecnociências privilegiadas e ciências centrífugas vigiadas e controladas, a missão imperial de acumular riqueza independentemente do bem-estar da natureza e da humanidade não poderá prosseguir. Nem as elites encarregues de acumular riqueza e de decidir os rumos dos impérios poderão manter os privilégios.

A ciência privilegia o modo experimental de pensar, fixando as condições em que as experiências decorrem para melhor controlar cada variável isoladamente. Na realidade, porém, as situações em que apenas uma variável tem liberdade de agir só acontecem com forte intervenção humana, como numa fábrica ou numa instituição especializada, conduzida por saberes específicos, desenhados para facilitar a privacidade das decisões estratégicas e escamotear a sua funcionalidade com a missão imperial que unifica todas as elites. O estado actual das ciências, baseadas em experiências controladas, deixam de fora do seu campo de observação a esmagadora maioria dos fenómenos que não são ou não podem ser controlados experimentalmente – nomeadamente os fenómenos sociais.

Há fortes resistências à continuidade do caminho encetado no século XIX para transformar a filosofia social em ciência. As ciências sociais pré-científicas estanques e à margem das ciências naturais imaginam-se irremediavelmente distintas, necessariamente ideológicas, e incompatíveis com a natureza. Tendo presente os desígnios da missão imperial moderna, percebe-se a mão das políticas científicas para conter as ciências da natureza e sociais nos limites das ciências centrípetas, hiperespecializadas, feita de subdisciplinas desejosas e incapazes de se relacionarem mutuamente.    

A natureza e os seus recursos humanos, para efeitos da missão imperial, devem ser controlados de forma experimental, segundo a lógica da tentativa-erro. As ciências aplicadas devem servir esse propósito, através das ciências centrípetas ou tecnociências. As ciências, em paralelo coma divisão de trabalho, têm-se desenvolvido de modo hiperespecializado ao serviço da missão. E assim se caracteriza a lógica das políticas científicas a que Snow, em As Duas Culturas, notou a violência e irrazoabilidade cognitiva. O êxito editorial revela um sentimento bastante divulgado. A inexistência de consequências políticas revela a dificuldade de ajustamento da satisfação das emoções dos artistas e dos cientistas às políticas científicas e universitárias.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Emoções manipuladas pelos impérios

A Grande Transformação realizada na primeira metade do século XX foi militar, burocrática, nacionalista, internacional e pode estar a esgotar as potencialidades da estratégia imperial adoptada. O ambiente de ódio ressurgiu um século depois. Purifica o amor à nação canalizando o ódio para o estranho fabricado pelos estados e pela ignorância.

Construir identidades é optar entre estados de espírito

As identidades das diferentes entidades sociais, pessoas, grupos, organizações, civilizações, são reconhecíveis por conterem invariantes – arquétipos – que são alvos de esforços sociais de adequação às emoções vividas. Os estados-de-espírito são instrumentais nas mediações entre as vontades e as capacidades de manter e transformar a vida social.

Estados-de-espírito são instáveis, como as sucessões de emoções representadas por actores. Mas são também arquétipos, primordiais, ancestrais, estruturais, reconhecíveis, imitáveis, interpretáveis, uns mais clássicos que outros. São combinações de intenções e trabalho, vontade e energia. Cada selecção de estados de espírito usada em certos tipos de situação serve de afirmação de identidades sociais. Identidades apresentadas e desenvolvidas em negociações e conflitos que marcam as vidas das pessoas e das gerações.

As identidades são, pois, específicas e diferentes entre si. O reconhecimento de identidades pela sociedade (os selves) e a difusão por imitação de alguns dos seus traços (as modas) são fenómenos importantes da vida social.

Será melhor separar homens e mulheres, criando estados-de-espírito masculinos e femininos, ou misturar a população e libertar as orientações sexuais espontâneas das pessoas, sem as classificar? Estas questões estão na ordem do dia.

O facto de a discriminação sexual ser um dos critérios clássicos de diferenciação das pessoas causa traumas profundos. Para a maioria das pessoas a diferenciação entre sexos é genética e nada tem de social. Questionar essa certeza é desinteressante para a maioria das pessoas, que não perde tempo dando-lhe atenção. Para uma minoria favorável ao status quo, levantar o problema é intolerável. Para outra parte envolvida nos conflitos de género, é indispensável “sair do armário” e contar histórias difíceis de acreditar.

Aquilo que parece natural e justificar opressões várias, problematizado por movimentos sociais contra as discriminações, revela-se uma estrutura subjectiva profundamente ancorada no inconsciente: a concepção binária da sexualidade, homóloga de As Duas Culturas. Revela-se uma questão de civilização.

Uma tal tomada de consciência pode ser libertadora e/ou dolorosa. Mas será suficiente para transformar as práticas sociais? E como discriminar sexos e sexualidades sem discriminar pessoas?  Eis dois problemas com que a Igreja Católica se confronta hoje, a pretexto dos escândalos dos abusos sexuais de crianças.   

A generalidade das pessoas evita tomar decisões a esse respeito e expô-las. Diz-se por isso que é assunto tabu. As decisões sobre como fazer e o que sentir a respeito recolhem à intimidade e mesmo aí podem ser evitadas. A luta dentro da Igreja Católica para levantar questão dos abusos sexuais de crianças ocupa dois papados, sem fim à vista. Mesmo tendo custado muito dinheiro em indemnizações, o assunto continua a ser ignorado ou desvalorizado por grande parte da hierarquia e dos católicos, refugiando-se quase sempre na retórica criminal: que se punam os culpados, mas se mantenha tudo o resto.

Trata-se, porém, de uma questão civilizacional. Quais são as intenções dos clérigos quando dizem que fazem a caridade de recolher crianças em dificuldades? O que fazem as instituições católicas para proteger as crianças de riscos conhecidos? O que tais intenções e tal tradição de acolhimento diz sobre o que é a missão da Igreja Católica? O que é que este problema assumido pelos Papas nos diz sobre as sociedades e a civilização para que a Igreja Católica é referência central? Haverá alguma relação de fundo entre a nossa civilização e as práticas de abusos sexuais de crianças, na sua maioria praticadas no seio das famílias?

Boaventura Sousa Santos, o sociólogo português mais internacional e prestigiado, aos oitenta anos de idade, foi confrontado com uma acusação de assédio sexista na academia. Reconheceu ser uma dificuldade prática ser coerente com a sua posição teórica de condenação do heteropatriarcalismo. Alegou ter sido educado nos 40, quando o machismo era cultura dominante.

Neste caso, não se pode alegar haver ignorância nem da existência nem do funcionamento do sexismo. O que confessadamente há é uma dissonância entre aquilo que se diz profissionalmente, como sociólogo, e aquilo que se faz na profissão, como director de um centro de investigação universitário. Dissonância que resulta da difusão para a vida profissional da contradição pessoal entre o sexismo incorporado como identidade e personalidade e a denúncia política do papel do sexismo na estruturação dos poderes capitalistas e imperiais.

Do ponto de vista civilizacional e dos estados de espírito socialmente produzidos sobre o que seja a relação entre sexo e poder, é relevante reflectir sobre a dificuldade de auto-controlo individual para reprimir o sexismo socialmente incorporado.

Conhece-se a improbabilidade de os condenados por crimes de abusos sexuais aprenderem a controlar os impulsos criminalizados, tão profundamente os estados de espírito abusadores estão neles incorporados. Pode haver alguma relação entre a exposição a actos abusivos praticados por terceiros, inclusive contra a pessoa, e a incorporação de disposições abusivas. Mas este tipo de violência convive com ambientes sociais tidos por especialmente seguros, como as famílias, os infantários, as escolas, as igrejas. Como compreender os encobrimentos dos crimes pela hierarquia da Igreja, pelas Universidades ou pela famílias onde os abusos se vivem, e a indiferença secular das instituições e sociedades modernas ao assunto? Não se deve perguntar o que a civilização tem a ver com isto?

Não há tempo nem energia para escrutinar todos e cada um dos aspectos da identidade herdados. A generalidade dos estados de espírito experimentados é incorporada como disposições enquanto se é criança e jovem. São as emoções que ligam pessoas e circunstâncias a cada estado de espírito adquirido. Registados em ligações sinápticas de memória e esquecimento/alheamento, os estados de espírito são mobilizados e desmobilizados. O uso, o treino, o evitamento, a vergonha, aplicados a cada estado de espírito caracterizam a personalidade individual. A personalidade evolui no tempo e em reacção às circunstâncias da vida – guerra, divórcios, morte de pessoas queridas, mudanças de casa ou emprego, escândalos, etc. Mas as invariantes mantêm-se toda a vida pela simples razão de não haver energia suficiente para as questionar e transformar.  

Como mostrou artisticamente Fernando Pessoa, a instabilidade e a especialização da modernidade e da educação aceleram o metabolismo de processamento dos estados de espírito. Além da evolução da personalidade, com a idade e as circunstâncias, as pessoas modernas, com a educação, desenvolvem a capacidade de se transformar instantaneamente, como os actores fazem, em função dos diferentes papeis sociais a que são chamadas. Submissas na família, sabem comportar-se agressivamente no desporto e de forma cooperante na profissão, conforme o tipo de porta institucional que se abre.

“O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente”.

A verdade objectiva é indissociável da subjectividade, mesmo quando é contraditória com a verdade subjectiva. Como confessou Boaventura, resolver essa teia de contradições, mesmo para pessoas educadas, pode ser tarefa impossível.

Nos casos mais comuns, como o de Rubiales, a sociedade compreende essas contradições sem as contestar. No desporto, o circo imperial moderno, o profissionalismo e as emoções à flor da pele vão de par e são o motivo do negócio global. O que tornou o caso Rubiales num caso de estudo foi a sua incapacidade de adoptar, como presidente da federação de futebol, um comportamento adequado à circunstância de solenidade – atribuição de medalhas às vencedoras – diferente daquele que se vive nos balneários. Infelizmente para ele, essa dissonância geralmente aceitável no campo de jogo, foi condenada superiormente. O espírito do excepcionalismo que faz da violência impune no desporto um acto recorrente foi, no caso em apreço, substituído pelo espírito punitivo. A FIFA puniu imediatamente o dirigente. Rubiales foi transformado em bode expiatório. As questões de fundo foram reduzidas a um comportamento impróprio.

A finalidade do jogo é contrastar a glória e a impotência

Do ponto de vista criminal, de facto, não houve abuso sexual. Se o beijo na boca não tivesse sido transmitido em directo para todo o mundo, a questão do assédio ter-se-ia levantado? O escândalo, que apanhou de surpresa Rubiales e as jogadoras de futebol, e toda a gente, revela as dificuldades sociais de questionamento de discriminações clássicas que sendo invariantes, todavia, não estão estáticas.

Usar o espírito dos balneários em cerimónias solenes é desajustado. Em situações em que as emoções andam à solta, o descontrolo emocional e os erros de comportamento são banais. A mobilização do espírito punitivo, como o poder dos árbitros, serve para fixar alguns momentos no tempo e o papel de um personagem para fins de julgamento, como se assiste os comentadores desportivos fazerem recorrentemente. Geralmente, os dirigentes e jogadores resguardam-se desse escrutínio, por exemplo, falando entre si com a mão em frente da boca para não serem escutados. Rubiales expôs-se escandalosamente e a FIFA decidiu não o encobrir. O contexto, a conquista do campeonato do mundo, foi esquecido ou, ao menos, secundarizado.

O sexismo que estrutura as sociedades actuais é indissociável e contraditório com o politicamente correcto. Esconde-se nas dobras institucionais e hierárquicas que recobrem com privacidade campos de actuação subtraídos ao espaço público. As contradições entre o que se diz e o que se faz, entre os comportamentos em privado e em público, entre as intenções e o trabalho, são vividas por mediação de estados de espírito. Os estados de espírito são escolhidos por serem os mais adequados às circunstâncias. Podem ser compreendidos na medida em que são equivalentes a experiências socialmente generalizadas. São universais na forma, pois a experiência da dissonância cognitiva e a separação entre os mundos das linguagens e das práticas é geral. É uma das características da espécie humana. São universais quando funcionam como arquétipos: são reconhecíveis por toda a gente.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Luta de classes e divisão das ciências são obra do império

A meritocracia é um aspecto escolar e profissional de uma política geral de dividir para reinar. Os aspectos laborais e cognitivos da meritocracia reforçam-se mutuamente. A linha divisória laboral-cognitiva é notória: separa com sentimentos de repugnância e de contrariedade a natureza da humanidade, o trabalho dos lugares de decisão, as massas das elites. Sentimentos confrontados tacitamente em As Duas Culturas.

Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito

Tal como o universo se expande e as suas consequências locais, no sistema solar por exemplo, podem ser ignoradas com erro de cálculo diminuto, também em sociedade as árvores podem esconder a floresta. A evolução das ciências sociais para um patamar realmente científico de estudos beneficia da distinção entre os panos de fundo, com a linguagem ou o estado-de-espírito, e as concretizações locais dessas características-necessidades humanas, em línguas e estados de espírito criados culturalmente e evoluídos no quadro das civilizações.  

Os arquétipos cognitivos existem. Foi isso que confirmou empiricamente José Pereira Bastos, na linha do estruturalismo de Levi Strauss. Verificou que pessoas de diferentes civilizações reconhecem tacitamente, sem serem treinadas para isso, símbolos ancestralmente utilizados para discriminar os sexos.

Existem, portanto, características culturais de toda a humanidade que não são genéticas nem culturais, em sentido estrito. Essa cultura 2.0, mais abrangente do que a cultura 1.0 discriminatória de povos, é como um pano de fundo em que vive a humanidade. É como a linguagem. Todos os seres humanos usam linguagem (cultura 2.0), embora cada pessoa e cada povo o faça à sua maneira (cultura 1.0).

Os estado-de-espírito são experiências de cultura 2.0. Mas os diferentes tipos de estados de espírito são experiências da cultura 1.0.

Todas e cada pessoa precisam de recriar sucessiva e intensamente estados de espírito adequados a cada momento da sua vida, de acordo com a necessidade de afirmação das respectivas identidades e orientados para a produção de energias sociais. É uma característica especial da espécie humana, a homeostasia recursiva. Há estados-de-espírito reconhecíveis por diferentes civilizações e culturas 1.0, como acontece com as emoções básicas e os arquétipos cognitivos. Expressam-se em concreto, nas situações, de modos moldados pelas culturas locais historicamente produzidas em função dos lugares de convivência, usando diferentes tipos de estados de espírito, como o espírito profissional, o capitalista, o operário, o camponês, o administrativo, o feminino, o infantil, o juvenil, o ancestral, e muitos outros elaborados histórica e localmente.

Negociar a guerra e a paz

Os estados-de-espírito fazem parte da panóplia de instrumentos de comunicação diplomática e bélica, empática e sacrificial. São motivo de actividade dos comentadores da vida quotidiana, como as estórias de faca e alguidar, e da política internacional, que trata de propaganda e análise geo-estrégica. São também motivo de reinterpretação a posteriori nos campos da história cultivada pela aliança entre os poderosos e os intelectuais, e do espírito revolucionário (ou estado nascente) que alia movimentos sociais e intelectuais.

Segundo a fórmula I=W(ee)2 de definição de estados-de-espírito, as intenções das pessoas, das organizações, dos países, relacionam-se com o trabalho associado em função do tipo de estado de espírito adoptado. Na prática, o que se pode observar e analisar são tipos de estados de espírito usados em concreto, interpretados por pessoas singulares, grupos, instituições, países, etc., para organizar as respectivas actividades intelectuais, psicológicas e físicas. Estados de espírito que, em certas circunstâncias, tornam transparentes os muros culturais, civilizacionais instituídos sob a forma de fronteiras e níveis. Como observa a teoria do caos, pequenos episódios recorrentes que normalmente ficam fechados entre fronteiras e níveis instituídos, como a bater de asa de uma borboleta, podem provocar tempestades. Por vezes, os sistemas fechados que normalmente protegem o todo de actividades de fraca influência deixam de ser eficazes. Os muros e níveis institucionalmente levantados revelam-se transparentes ao poder de forças fracas conjugadas.

Exemplifiquemos. O caso Rubiales foi um acontecimento desportivo mediático de grandes proporções, no Verão de 2023. No pódio da entrega do prémio de campeãs do mundo de futebol, a jogadora que marcou o único golo da final foi entusiasticamente beijada na boca pelo presidente da federação de futebol. A comunicação social questionou-se sobre a legitimidade do comportamento daquele dirigente. Vozes contraditórias vieram a terreiro. Rubiales tomou posição numa assembleia de associações de futebol e foi aplaudido. Enfaticamente disse que não se demitiria. Porém, a FIFA, Federação Internacional de Futebol, o topo de organização do futebol, demitiu-o mesmo, sendo que os apoiantes da não demissão rapidamente trocaram de lado. O governo espanhol também condenou o comportamento de Rubiales e de quem o apoiou.

O espírito supremacista naturalizado e predominante na sociedade e no desporto assume frequentemente aspectos racistas e sexistas. O racismo é institucionalmente combatido no desporto por haver sociedades multiculturais e as melhores equipas serem etnicamente mistas. Não é a primeira vez que problemas locais dessa natureza escalam e se tornam incontroláveis pelas organizações desportivas. Estas aprenderam a demarcar-se do racismo como estratégia de propaganda preventiva indispensável ao negócio. Como o desenvolvimento do desporto feminino profissional, o sexismo tornou-se uma questão semelhante ao racismo. O comportamento de Rubiales foi, nesta perspectiva, ao arrepio do que é a política das organizações desportivas profissionais, traumatizadas por fenómenos de escalada anteriores. O facto da federação espanhola de futebol e o seu presidente não terem presente essa necessidade política revela a sua ignorância sobre o fenómeno desportivo e a impetuosidade cultural do sexismo no desporto, como na sociedade.

Os estados europeus também aprenderam a prevenir-se do sexismo através das políticas de igualdade, usando-as para iludir as velhas reclamações de igualdade entre classes, agora despolitizadas sob a designação de desigualdades social. Esta bipolaridade social de políticas ao arrepio das práticas institucionais e sociais gera confusão na sociedade, incluindo nos dirigentes. A nível privado, institucionalmente controlado, racismo e sexismo circulam abundantemente. Porém, em certas circunstâncias, quando alguém com poder se comporta como uma pessoa comum, trazendo à praça pública os vícios privados, pode ocorrer o caos.

Quanto mais as desigualdades sociais aumentam, quanto mais as elites vivem em níveis de realidade estanques aos das restantes pessoas, mais se exige dos dirigentes actos politicamente correctos e palavras woke, contraditórias com as práticas discriminatórias habituais.

A excitação sexualizada e machista de Rubiales perante a vitória da sua federação na competição foi apresentada como indecorosa, nomeadamente quando deitou a mão aos seus próprios genitais junto da tribuna presidencial, junto da Rainha de Espanha, sem que tivesse havido reacção de ninguém. Também ninguém reagiu imediatamente ao beijo na boca na jogadora que marcou o golo da vitória. Todos ficaram sem saber como processar aquilo que manifestamente ninguém podia ignorar, pois fora transmitido para todo o mundo em tempo real. Foi a controvérsia mediática que levou a FIFA a cortar cerce o previsível caos, como a chamada dos públicos globais do futebol para a apreciação do sexismo no desporto. Assim se criou um movimento imparável de ostracização do presidente da Federação espanhola de futebol, para evitar uma discussão multicultural do sexismo, enquanto o despedimento de uma mulher por ter interrompido o trabalho com dores menstruais não motivou nenhuma reacção pública.

A cultura supremacista 2.0 fragilizou-se nas suas contradições – somos ou não favoráveis à igualdade? Seria admissível um presidente beijar na boca um jogador de futebol? Então o mesmo não se deve adoptar com as jogadoras? O racismo já foi motivo de descrédito dos negócios desportivos. Aprendida a lição, para que o sexismo não possa ter o mesmo efeito, a determinação da FIFA esmagou preventivamente Rubiales.

No caso do desporto profissional, a cultura supremacista 2.0 reforça-se pela competição, pela criação de negócios multimilionários com a profissionalização de jogadoras de futebol, em reclamada igualdade com os jogadores masculinos, aumentando a desigualdade entre a vida destes profissionais e as outras classes sociais. O racismo e o sexismo dominantes nas relações sociais das culturas 1.0 reproduzem-se de outras maneiras, por exemplo, através da criminalização e da escolarização. Nos tribunais e nas escolas, a influência de preferências desportivas de intervenientes qualificados, como juízes, é alvo de repúdio.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Construir identidades é optar entre estados de espírito

As identidades das diferentes entidades sociais, pessoas, grupos, organizações, civilizações, são reconhecíveis por conterem invariantes – arquétipos – que são alvos de esforços sociais de adequação às emoções vividas. Os estados-de-espírito são instrumentais nas mediações entre as vontades e as capacidades de manter e transformar a vida social.

Outros posts relacionados: Por uma sociologia dos estados-de-espírito

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search