Por uma sociedade de sobreviventes

A apresentação do relatório da comissão independente encarregue de fazer um primeiro levantamento dos casos de abusos sexuais de crianças em instalações da Igreja Católica e dos encobrimentos dos mesmos por parte da hierarquia criou uma onda mediática que tornou o líder do Chega – partido declaradamente xenófobo – disponível para integrar um consenso nacional criado em torno da proposta da comissão para legislar o aumento dos prazos de prescrição das denúncias deste tipo de crimes.

Como é que um excelente trabalho da comissão, teoricamente ordenado por um conjunto de pessoas – os bispos portugueses – entre os quais há quem seja suspeito de encobrimento de abusos sexuais e não há heróis que se tenham posto ao lado das vítimas, se tornou numa oportunidade de normalização de ideários neo-nazi-fascistas em Portugal?

Uma primeira resposta é o facto de o trabalho da comissão ser apenas um primeiro passo de um processo longo planeado pela Santa Sé para converter os comportamentos dos seus clérigos, incluindo os seus bispos, a quem está a impor actos de humildade que não tomaram por iniciativa própria. Neste primeiro passo tentou estabelecer-se que os abusadores não são os pedófilos, contrariando a propaganda mediaticamente dominante dos últimos vinte anos que reduziu os abusos a um problema de saúde mental de monstros. Porém, não foi possível reconhecer e perspectivar a conversão das vítimas em sobreviventes, das pessoas socialmente isoladas em pessoas socialmente mobilizadoras de vontades sociais.

Uma segunda resposta é que a cobardia dos hierarcas católicos portugueses que continuam a resistir a enfrentar o assunto, embora obrigados a aceitar contratar os trabalhos da comissão, é o modelo ideal de comportamento de partidos do género do Chega: fortes com os fracos e fracos com os fortes.  

Uma terceira resposta é a mobilização de perspectivas especializadas jurídicas criminais – de condenação e castigo – para enfrentar os casos de abusos descobertos e confirmados, continuando a escamotear não apenas os casos de que há evidências fortes e já prescreveram, mas também os casos de que não há evidencias e, sobretudo, os casos em curso neste momento.

Uma quarta resposta é a mobilização de juristas e outros profissionais, nomeadamente psiquiatras, em função das oportunidades de acção oficialmente bem vistas e pagas e não em função de uma sociedade melhor, com menos vítimas. Infelizmente, em grande medida em função das precárias condições de trabalho e de remuneração dos profissionais, escasseia quem se disponha a assumir responsabilidades cívicas ou sociais arriscadas, como as de acompanhar as dores de quem vive situações difíceis de que a sociedade e o estado não querem saber.

Como escreveu um relatório de activistas californianos há dez anos, serão precisas cinco gerações para que o trabalho que agora começa venha a ter resultados satisfatórios. Pensando na necessidade de erradicação dos abusos de crianças, tendo em conta não apenas a epidemia de abusos sexuais que atingem as crianças (as estimativas apontam para cerca de 15% das meninas e metade desse valor para os rapazes), mas também a violência doméstica a que podem acrescer ou estar associados e a insensibilidade irresponsável das nossas sociedades para com os filhos dos outros, o que há a mudar nas sociedades como um todo para enfrentar a questão dos abusos sexuais de crianças de frente é estrutural.

Processos de transformação

O presidente do colégio de psiquiatras da Ordem dos Médicos de Portugal reconheceu ser do conhecimento dos psiquiatras o grande número de traumas causados pela epidemia, de facto pandemia, de abusos sexuais de crianças. Desde os anos 80 que médicos alemães e norte-americanos iniciaram práticas profissionais de atendimento de vítimas de abusos e abusadores para fins jurídicos e para fins de tratamento. Não foi o caso em Portugal. A Ordem dos Médicos manifestou-se agora interessada em alargar a especialidade na área dos abusos sexuais de crianças. Apesar de já existirem “dois ou três” centros especializados “não estão suficientemente divulgados”.  “Ao falar-se desta situação que tinha estado escondida socialmente, começam a aparecer mais” casos e o Serviço Nacional de Saúde não tem capacidade de atendimento. Porém, ao contrário do que aconteceu com a pandemia viral, não há acordo para parar tudo e enfrentar o problema de forma radical.

Sabe-se, pois, que é preciso a) não confundir pedófilos com abusadores sexuais de crianças, b) facilitar a transformação de vítimas em sobreviventes, c) ultrapassar as barreiras que protegem os mais fortes e desprotegem os mais fracos, d) não reduzir problemas complexos aos cuidados de especialidades, sejam elas jurídicas ou médicas, e) reclamar dos profissionais que não encubram epidemias que conhecem, para o que a sociedade deve criar mecanismos de tomada de consciência geral que a comunicação social não tem conseguido cumprir cabalmente, apesar de não faltarem notícias.

E o que fazer com pessoas como o Padre Anastácio Alves, homem que abusou sexualmente de crianças e disse ao Diário de Notícias: “Estou cá, pode parecer banal mas é sincero, primeiro que tudo para colaborar com a Justiça, para assumir as minhas responsabilidades, e também para ajudar a auxiliar as vítimas”? A Procuradoria de Justiça não quis saber do assunto. Os psiquiatras, pelo menos nesta disponibilização acima noticiada, também não reconheceram publicamente a existência de ajudas que possam ser dispensadas a pessoas que abusaram em defesa das crianças. A medicina apenas reage quando há sobrecarga de serviços, como quando “se fala das situações” que os profissionais guardam para si, e não se arrisca a falar de tratamentos que podem ser socialmente mal interpretados, como cuidados psiquiátricos a predadores sexuais.

Abrunhosa Gonçalves é psiquiatra forense e especialista em tratar de abusadores sexuais, presumo que todos ou quase todos presos. Disse à RTP que a maioria dos condenados por esses crimes não são socialmente perigosos e só uma minoria são predadores, isto é, incorrigíveis ou difíceis de corrigir. Não foi questionado sobre o que fazer com pessoas como o Padre Alves. Mas seria importante que soubéssemos de que forma a psiquiatria tem tentado enfrentar o problema do lado dos abusadores e o que conseguiu aprender.

Os abusos sexuais de crianças são uma questão social estrutural. Não podem ser eficazmente enfrentados por especialistas de instituições especializadas, sejam elas os tribunais, as prisões ou a psiquiatria. A sociedade tem de aprender a compreender de que modo a estrutura social, nomeadamente a repugnância das pessoas perante os casos de abusos sexuais e outros, joga a favor dos abusadores, os acusados e sobretudo de quem continua livre para abusar – a esmagadora maioria.

Não fosse a sociedade a encobrir os casos de abusos sexuais de crianças em casa, seria que os padres católicos abusadores teriam condições de beneficiar desse encobrimento – extensivo às hierarquias católica, jurídica, médica e outras?

A Igreja Católica preparou-se durante anos para iniciar um processo em curso de auto-responsabilização que vai continuar. Pedir desculpa é insuficiente, mas é um princípio. Cabe às sociedades, aos profissionais e a cada um colaborar e participar nas acções necessárias para reconhecer e evitar os abusos sexuais em curso, transformando instituições e pessoas em parceiras dos abusados e das abusadas, mas também dos abusadores e das abusadoras, nos respectivos processos para se tornarem sobreviventes. Há que construir uma sociedade de sobreviventes: a nossa sociedade.

Para que servirão os pedidos oficiais de desculpa pelos abusos sexuais a crianças?

Os assuntos de abusos sexuais de crianças entregues a psico-sociopatas ou bispos têm sido, diz-nos a história longa e recente, remetidos, com sucesso, para trás das mesmas cortinas em que os abusos têm sido praticados desde tempos que a memória não alcança. Quando se pergunta o que fazer, sem surpresa, os bispos adiam as decisões para quando estiverem em condições de concertar entre si o que dizer. Ainda não tiveram tempo de pensar como evitar, nas actuais circunstâncias, as consequências do movimento cristão lançado do Vaticano por quem quer combater o clericalismo. Adiar o assunto é sempre ganhar tempo.

Há quem sinalize que pedidos de desculpa a respeito de actividades de que se diz não ter conhecimento não são pedidos de desculpa: são avisos à navegação. As desculpas não se pedem, evitam-se. Quando são indispensáveis, quem as pede deve estar disponível para aceitar que a quem seja dirigido o pedido de desculpas esteja livre para aceitar, ou não, o pedido.

Psico-sociopatas socialmente prestigiados sentem-se livres

As pessoas a quem insistentemente os bispos, a comissão independente, os jornalistas e comentadores têm chamado vítimas, por definição, só existem na nossa imaginação. Não são livres de aceitar, ou não, os pedidos de desculpa. Também não é evidente que todas queiram confrontar-se com o pedido de desculpas dos abusadores, pois podem sentir-se intimidadas pelo poder clerical que continua a manobrar e a proteger os abusadores – sem dúvida em piores circunstâncias que antes. O que se pode fazer é criar as condições para que as chamadas vítimas passem a ser tratadas como sobreviventes e, portanto, testemunhas de abusos e de estratégias de resiliência que devem ser matéria-prima para ajudar a procurar e prevenir os abusos que estão a ocorrer agora.

Um dos princípios do jornalismo é assegurar o contraditório. Excepto quando se trata de crimes. Nesses casos, os jornalistas são informados pelas autoridades de quem é o criminoso e de quem é a vítima. A esse respeito não há espaço para contradições: está tudo decido à partida, mesmo antes de qualquer condenação judicial.

O mesmo padrão se reproduz aqui: os sobreviventes são representados por uma comissão independente que dialoga com os bispos e lhes apresenta os testemunhos anonimizados de pessoas a quem a comissão deu crédito. Não está em causa o método adoptado. Está em causa a vontade dos bispos e da sociedade em criar, ou não, as condições de libertação de quem testemunhou, dos muitos mais que não testemunharam e daqueles que estão neste preciso momento a ser vítimas de abuso. Todos esses devem saber dirigir-se onde todos saibamos estar criado um ambiente acolhedor e protector capaz de os transformar em sobreviventes, em pessoas capacitadoras de quem esteja a ser vítima. Tais instituições de acolhimento de vítimas capazes de as promover a sobreviventes serão, por ventura, centros de capacitação de toda a sociedade e das potenciais vítimas antes de serem abusadas para que aprendam a proteger-se dos abusos.

Empoderar os corpos e os espíritos das crianças

A hipócrita surpresa dos poderosos em cínico modo de autocrítica perante o relatório oficioso da comissão independente não augura nada de bom. Para que servirão os pedidos oficiais de desculpa pelos abusos sexuais a crianças? Há que reconhecer que a responsabilidade dos responsáveis não é a única que aqui está em causa. Mas também não deve estar apenas em causa a responsabilidade dos irresponsáveis, dos abusadores. Todos somos poucos para assumir as pesadíssimas responsabilidades que nos cabem. É parte dessas que quero assumir, pessoalmente, como sociólogo que profissionalmente fui incapaz de intervir neste campo. Campo, porém, indispensável à compreensão da natureza social e das sociedades modernas, a que prefiro chamar imperiais.

Da contribuição das teorias sociológicas

Na posição de sobrevivente da deformação sociológica que incorporo, da observação que fiz dos debates sobre o que fazer com o significado do relatório da comissão independente sobre abusos sexuais de crianças na Igreja, identifiquei duas ordens de raciocínios teoricamente elaborados: a teoria fenomenológica-negacionista e a teoria naturalista-punitiva, ambas marcadas pela desqualificação social dos abusos, remetendo-os para a justiça e para os tribunais criminais. Pessoalmente, oriento-me pela teoria sacrificial.

A teoria fenomenológica-negacionista concentra a sua atenção no facto de a vivência das experiências traumáticas ser subjectiva. Se o abuso for cometido por um estranho e a vítima reagir desde o princípio como sobrevivente, como alguém que não pactua com o abuso, psicologicamente as consequências dos abusos serão menores ou até podem ser ultrapassadas com o tempo. O maior problema é quando o abusador é alguém de confiança da criança. Nesses casos, na maioria dos casos registados, os problemas mentais ficam para toda a vida, incluindo traumas incapacitantes. Entre nenhumas consequências a prazo e consequências irreparáveis para toda a vida, há uma panóplia muito grande de reacções subjectivas que, portanto, dependem mais das vítimas do que dos abusos sexuais. No limite, as vítimas imaginam actos de abuso que não aconteceram. As actividades intrapsíquicas podem ser patológicas e criar problemas judiciais a acusados inocentes. Sem surpresa, este tipo de teorização é usada por advogados de defesa. “As crianças podem mentir”.

A teoria naturalista-punitiva é positivista: se alguém se queixa de ter sido vítima de abuso sexual é porque o foi. “As crianças não mentem”. Infelizmente, diz a teoria, está na natureza humana desviar funções necessárias, como a sexual, para fins que lhe são estranhos – a Igreja reclama-se perita em avaliar tais circunstâncias no confessionário. A ocorrência de tais casos é praticamente impossível de prevenir antecipadamente, até porque não serão voluntariamente levadas aos confessionários. Assim, resta a solução punitiva. Usar a polícia para aceitar as queixas das vítimas – o que terá de ser feito em modo especializado, como passou a ser feito no rescaldo do caso Casa Pia – e identificar e fazer prova judicial contra os alegados abusadores.

Desde o caso Casa Pia, os tribunais deixaram de ser exigentes com as provas apresentadas nos casos de abusos sexuais que lhes chegam. Tal prática levou à sistemática absolvição dos acusados. As alterações na lei e, sobretudo, a nova sensibilidade popular a respeito dos casos que vêm a público, levaram os tribunais a condenar mesmo quando as provas são insuficientes. Abrunhosa Gonçalves, psicólogo forense especialista em tratar pessoas acusadas e condenadas judicialmente de serem abusadores sexuais, explicou que a maioria dessas pessoas que estudou não são um perigo para a sociedade. Perigosos para a sociedade são os abusadores predadores, aqueles que são abusadores em série e reincidentes mesmo depois de denunciados e/ou de cumprirem penas de prisão. Para esses, não há tratamentos eficazes conhecidos.

Ambas as teorias estão centradas nos julgamentos penais de casos, aquilo que um relatório norte-americano de especialistas no assunto (traduzido para português) concluiu ser um empecilho contraproducente na vida das pessoas abusadas e de quem as deseja apoiar. Ambas as teorias têm alguma coisa de verdade, claro. As experiências são subjectivas e os fenómenos sociais podem ser reprimidos. O problema de ambas, bem como da redução do problema de abusos sexuais de crianças a casos isolados a serem tratados por tribunais, é que se perde de vista a necessidade de compreender as condições sociais que favorecem e encobrem tais práticas e a possibilidade de as erradicar.

A intervenção judicial é manifestamente insuficiente e contraproducente. Ela própria é abusiva, pois revitimiza nos casos de abusos sexuais de crianças. Obriga as crianças a manterem-se no papel de vítimas, anulando o poder próprio delas. O ministério público e os juízes, no cumprimento dos processos judiciais, retiram o seu poder do teatro judicial em que cada parte revive o crime na sua frente. Durante meses, anos ou toda a vida a intervenção judicial culpa tacitamente as vítimas de não serem capazes de acusar eficazmente, limitando ou impedindo a condução da vida dessas pessoas para a posição de sobreviventes. As vítimas, então, são sempre condenadas judicialmente a sofrimentos atrozes a pretexto de serem utilitárias a uma eventual condenação de um ou outro abusador. Ainda por cima, se for verdade o que disse Abrunhosa Gonçalves, condenando eventualmente pessoas que não são um risco para a sociedade, possivelmente resultado de erros judiciais, ou condenando pessoas perigosas a sair em liberdade para fazer o mesmo por que foram condenadas.

O facto de os abusos sexuais passarem a ser condenáveis em tribunal, há vinte anos, não impediu a surpresa dos bispos a respeito do que se passa sob a sua esfera de responsabilidades. Eis a evidência da insuficiência dos procedimentos judiciais para atingir os fins desejáveis.

Reconhecer a natureza sacrificial eventualmente alterável
das culturas humanas

A teoria sacrificial reconhece que, tal como as sociedades de selvagens praticam sacrifícios humanos, as sociedades cristãs e modernas também os praticam, embora de um modo particular. Em vez do aparato espectacular que noutras sociedades está reservado para as práticas sacrificiais, as sociedades modernas praticam-nas sob sigilo. As crianças são alvos preferenciais desses sacrifícios pois não têm noção do que possa estar a acontecer e, ao invés, tentam corresponder aos abusos como se estes fossem regras de sociabilidade.

Tome-se o exemplo da excisão feminina, uma forma de abuso sexual não praticada pela Igreja. Muitas das crianças abusadas tornam-se mulheres orgulhosas da sua capacidade de submissão social, conforme o objectivo do sacrifício. Na colonização e na conversão dos povos aos desígnios imperiais católicos e ocidentais, muitas crianças foram roubadas para serem educadas pela Igreja para fins de aculturação, sendo alvos de todos os tipos de abusos, incluindo abusos sexuais. Foi também assim na submissão dos trabalhadores ao capitalismo, quando crianças mineiras eram usadas até morrerem. Assim continua a ser de muitos modos, como os que permitem quem acompanha crianças em risco saber apontar quem são as pré-delinquentes, isto é, aquelas cujo perfil psicológico e social faz com que quem as conheça preveja que serão condenadas por crimes que ainda não cometeram.

Será neste caldo de cultura e civilização que os abusadores sexuais, padres, pais de família, padrinhos, protectores, professores e quejandos escolhem e utilizam crianças para sentirem o poder exorbitante típico da nossa civilização, acima de qualquer suspeita, protegido superiormente, psico e sociopata, institucionalizado, irresponsável, frio e sem empatia.

O movimento contra os abusos sexuais na Igreja não é apenas um movimento institucional cristão. É um sinal de reconhecimento da perversidade do poder e da necessidade de libertar a humanidade daquilo que ela esconde a si mesma. Os sobreviventes são preciosos pois não se esquecem dos abusos mais escondidos e íntimos próprios do poder que é preciso subverter.

Não são vítimas, estúpido, são sobreviventes*

  • a frase do título é uma referência a uma palavra de ordem eleitoral de Bill Clinton

A meados do mês de Fevereiro de 2023, a apresentação do relatório da comissão independente criada pela Igreja Católica para avaliar a qualidade e dimensão dos abusos sexuais de crianças no seu seio criou a oportunidade para a comunicação social se sentir livre para, e obrigada a, tratar os abusos sexuais de crianças em colaboração com o mais forte movimento cristão do momento: a auto-mobilização contra o clericalismo instalado, isto é, o reconhecido abuso de poder generalizado praticado nas e pelas instituições católicas contra as crianças que acolhe.

Por generalizado não se deve entender que todas as crianças que contactam com a Igreja sejam abusadas. Quer dizer que a Igreja abriu portas e protegeu pessoas, eventualmente grupos organizados de pessoas, que procuravam e procuram activamente crianças para cometerem abusos.

Um dos testemunhos recolhidos no relatório oficial sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa, abusos sempre negados pelas autoridades e apenas reconhecidos por imposição do Vaticano, sinaliza a dor provocada em sobreviventes por declarações do Presidente da República sobre o assunto, umas semanas atrás, quando tentou desvalorizar as responsabilidades da Igreja – declarações imediatamente condenadas pelos partidos e pela opinião pública, valha-nos isso.

A atrapalhação do Presidente e dos bispos, apanhados em contra-mão argumentativa a respeito desta situação estrutural na Igreja Católica, foi perigosamente diluída nos dias de apresentação do relatório tardiamente pedido pela Conferência Episcopal, a assembleia dos bispos, a mando de Roma. Como raio teriam pedido um inquérito a um fenómeno de que desconheciam a existência? Ficaram todos muito surpresos com as revelações de que nunca tinham ouvido falar, talvez porque não estejam a par de “O Crime do Padre Amaro”, novela escrita por um escritor obscuro do século XIX chamado Eça de Queiroz, actualmente em exibição numa série da RTP. A novela não é sobre abuso sexual de crianças, assunto ainda mais tabu que a vida sexual dos padres. É sobre abuso sexual de crentes no quadro geral do clericalismo que, segundo o Papa, se mantém cento e cinquenta anos após esta denúncia …

Abusos sexuais de crianças é prática recorrente no seio da Igreja Católica

Presidente e bispos são todos muito sábios, mas ignorantes a respeito das respectivas responsabilidades a respeito do clericalismo e de abusos sexuais denunciados publicamente há séculos e reconhecidos oficialmente pelo Vaticano há anos. Teve de desembolsar largas indemnizações a esse respeito. Ignorância alegada que esvazia as cascatas de pedidos de perdão com que presenteiam o público.

Os responsáveis devem ser prescientes e não devem alegar desconhecimento com o objectivo de pedir a compaixão do público para si, em vez de focar a atenção na prevenção dos crimes, sobretudo tão hediondos e pessoal e socialmente profundos como estes.

A responsabilidade dos responsáveis pelos encobrimentos criminosos dos crimes que hoje finalmente se reconhece existirem não pode ser alijada sem aproveitar e reforçar o isolamento social e psicológico das pessoas abusadas, insistindo em torná-las condescendentemente vítimas em vez de as reconhecer e chamar como sobreviventes a quem devemos pedir conselho e colaboração, por ser valiosa. À alegada e laboriosa ignorância dos auto-intitulados responsáveis contraponha-se a sabedoria dos sobreviventes, criando as condições para que possam, por favor, assumir livremente a cidadania que lhes tem sido negada, nas condições que permitam responsabilizar e resgatar a sociedade desta pecha que é a epidemia de abusos sexuais de crianças.

Um dos problemas de os bispos serem tão jovens de espírito é que não se lembram do escândalo da Casa Pia que mobilizou a opinião pública durante muitos meses, há cerca de vinte anos. Distraídos, não repararam que se tratava de um problema de todas as instituições que acolhem crianças em risco, insistentemente abandonadas pelos seus alegados protectores (com raras, honrosas, insuficientes e estigmatizadas excepções) todos cúmplices dos encobrimentos dos abusadores e negacionistas da existência de pessoas abusadas para toda a vida. Se fossem curiosos, os bispos poderiam tomar conhecimento das denúncias de Marion Sigaut de abusos sexuais de crianças organizados pelas elites francesas no século XVIII que permanecem desconhecidas do grande público, inclusive dos estudiosos, … um quarto de milénio depois. Há todo um trabalho de visitação das práticas perversas da modernidade socialmente encobertas por serem repugnantes e inimagináveis.

Valha-nos o Primeiro-Ministro que anunciou reconhecer existir um problema transversal na sociedade portuguesa, na verdade em todas as sociedades, que se manifesta em maior quantidade no seio das famílias vulgares. Talvez tivesse sido melhor que tivesse feito como costuma fazer: apresentar as medidas já tomadas pelo governo para tratar do assunto. Não o tendo feito, devo presumir que nada foi feito, apesar de conhecer melhor o assunto do que os senhores bispos?

Uma das grandes vitórias dos primeiros dias de divulgação do relatório, mérito da comissão, foi não se ter ouvido falar de pedofilia, palavra insistentemente usada pela generalidade da comunicação social desde o caso Casa Pia. Independentemente das intenções de quem usa a expressão, ela remete para a excepcionalidade bizarra da doença mental as práticas de abuso sexual de crianças quando, de facto, tais abusos são apenas um dos aspectos das vidas envolvidas nelas.

A relação enunciada pela Igreja católica entre clericalismo e abusos sexuais de crianças não deve ser ignorada ou marginalizada. O abuso de poder que é o clericalismo recobre muitos tipos de abusos, entre os quais os abusos sexuais de crianças. Por outro lado, os abusadores sexuais, disse-se nas discussões sobre a Casa Pia, raramente são pedófilos. Quem sofre de uma patologia de orientação sexual dirigida a crianças não tem de seguir o impulso e abusar de crianças. É possível resistir ao impulso doentio, como fazem muitos dos portadores da patologia chamada pedofilia. Já quem abusa, a maioria de quem abusa, não tem doença nenhuma dessas. Tem um desprezo pelas vítimas que apenas a falta de empatia pode explicar.

“There is no such thing as society”

Na nossa sociedade moderna, a falta de empatia é produzida de forma industrializada nas escolas e nas profissões: chamam-lhe a frieza dos números ou da racionalidade, sobretudo a económica. É sinalizada pelos indicadores de violência no namoro e pela redução da natalidade.

Há psicanalistas que consideram que os dirigentes deste tipo de sociedade são pessoas psico e sociopatas precisamente por, para subir na vida, se terem especializado em ignorar o sofrimento alheio. Já não apenas o sofrimento dos ucranianos, dos sírios, dos turcos, dos palestinianos, dos miseráveis, mas também o sofrimento dos familiares e amigos trocados por carreiras profissionais, assunto de muitos filmes e novelas.

Sem perder de vista a razão do primeiro-ministro quando diz que o assunto não está localizado, mas é geral, em Portugal e na Europa, há que aproveitar esta rara janela de oportunidade em que a comunicação social está mobilizada para o assunto para definir objectivos pragmáticos. Na certeza de que o assunto, por vontade dos bispos e do estado, será enterrado outra vez por mais vinte anos, aproveitemos o momento para insistir na importância da expressão sobreviventes de abuso sexual, pois ela remete para a dívida da sociedade para com aqueles e aquelas que se disponham, devidamente acarinhados e protegidos, a ajudar a compreender e combater os abusos sexuais. Deixemos a expressão vítimas de abuso sexual para os tribunais.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search