A sexualidade do império e os abusos de poder

Sade, Freud, William Reich, Michel Foucault são alguns dos autores que abordaram a intimidade entre a sexualidade, o poder e a perversão. Por natureza, as experiências humanas incluem uma dimensão moral, isto é, têm aspectos bons e aspectos maus. As perversões sexuais e de poder podem ou não ser moralmente condenadas, conforme as sociedades e as épocas: os abusos deveriam ser sempre condenáveis, mas passam muitas vezes por espontâneos e inelutáveis.

A natureza humana admite a organização da transcendência, por exemplo, ao pensar a morte, o desconhecido, imaginariamente construído como conhecimento. O abuso da pulsão reflexiva, por exemplo distinguindo socialmente os que sabem dos que não sabem cuidar da morte, criou elites cuja tarefa principal é confirmar negando os privilégios que a si mesmas reservam, i.e., criando formas de abusar da reflexividade para a desqualificar quando é inconveniente, substituindo-a por falsos conhecimentos autorizados favoráveis e indispensáveis à diferenciação social.

Um exemplo prático dos resultados desse abuso elitista é observável facilmente no modo como qualquer pessoa aceita reconhecer a factualidade do uso da tortura por parte de estados inimigos e, sinceramente, desconhece aquilo que os cidadãos dos estados inimigos reconhecem facilmente: a existência de práticas de tortura por parte dos estados amigos e do nosso próprio estado. O conhecimento é estruturalmente constituído com estas limitações estruturais, que podem ser combatidas (Dores, 2021).

Um dos principais instrumentos intelectuais dessa evolução é o espírito imperial, apoiado na misoginia que desenvolve. O espírito imperial é um estado de espírito longamente experimentado e elaborado (Foucault, 2004), instigador e resultado das condições de abuso do poder, da sedução do poder, fenómeno social associado ao (des)controlo das relações sexuais entrelaçado com o abuso do conhecimento. A hegemonia e desprestígio do espírito imperial tem a sua história milenar. Ambos foram conciliados e consolidados globalmente pela política semi-milenar de expansão ocidental para explorar a Terra e os seus recursos, acelerada e aprofundada pelo capitalismo.

O machismo é o abuso do carinho que se dirige ao sexo oposto para exercitar poder sem respeito pelo outro: é um abuso do poder de sedução sexual. A síndrome de Estocolmo não precisa de assumir um caracter sexual para ser um processo de sedução em torno do poder exercido contra a humanidade: resulta de um abuso de poder. A chantagem emocional é um abuso da intimidade, sexual ou não, para fins interesseiros. A vigarice é um fenómeno semelhante entre pessoas que não são íntimas. O espírito imperial constrói-se sobre a experiência patriarcal, que desenvolve o machismo, a chantagem emocional, a vigarice, maximizando o abuso cognitivo elitista (Nietzsche, 1997).  Abusa das discriminações, tornando-as pretexto de lutas de poder capazes de hierarquizar as sociedades e a natureza, sob a forma de territórios e propriedades.

A misoginia não é a única discriminação social, mas é das mais profundamente emotivas e capazes de ligar vítimas aos agressores, como é hoje reconhecido para os casos de violência doméstica e de abuso sexual.

A Igreja Católica é a demonstração actual da relação íntima entre o espírito imperial e o patriarcalismo. A sua capacidade de atracção excludente de mulheres, na figura das beatas, é inegável. Os abusos de poder e sexuais são igualmente evidentes. A falta de consciência de ser assim por parte dos responsáveis, participantes, praticantes, simpatizantes e, até, inimigos da Igreja, é fonte das maiores dificuldades de reforma que a Igreja impôs a si mesma, depois da sucessão infindável de escândalos e de rebates de consciência.

O poder de sedução sexual é, obviamente, indispensável à sobrevivência de qualquer espécie sexuada. O poder de sedução abusivo banaliza a construção de poderes estabilizados, unilaterais. Essa é uma experiência observada quotidianamente. O poder imperial é uma das formas socialmente alargadas de afirmação da misoginia, mesmo quando promove políticas de igualdade de género: a manutenção de elites precisa de encontrar justificações que escondam os aspectos abusivos da construção dos poderes assim gerados, dissimulando-os. Por exemplo, do modo como a tortura, o conhecimento, os abusos sexuais (AAVV, 2013) são dissimulados.

Actualmente, há impérios que se apresentam como anti-misóginos. Na prática, a misoginia não deixa de se manifestar estruturalmente, assim como a sua negação. Os movimentos feministas são cooptados para práticas imperiais (Karam, 2015; Paladines, 2013). A multiplicação pós-moderna de minorias e grupos de vítimas reforça e serve, hoje, os mesmos objectivos imperiais anteriormente mais dependentes da mobilização da misoginia (Federici, 2017).

Manifestação no Porto

O sexo é um pretexto discriminatório, como o pode ser outra característica pessoal qualquer mobilizada para o efeito. O sexo é a característica pessoal mais facilmente mobilizável, com maior permanência e profundidade psicológica. As discriminações sexuais são usadas para sinalizar posições hierárquicas relativas entre as pessoas em presença. É resultado de hábitos sociais incorporados nas famílias, nas escolas, nos grupos de jovens, no desporto, nos locais de trabalho e por todo o lado. Os estados asseguram a persistência dessa discriminação, por exemplo na política penal. Esta condena sobretudo homens (mais de 90% dos casos) (Martin & Wilcox, 2013). A alegada fragilidade feminina, símbolo da sua secundarização social, justifica de tal modo plena e satisfatoriamente a circunstância que a criminologia não se sente obrigada a explicar esse facto maior do sistema penitenciário.

A homofobia é uma expressão social de frustração perante os desafios ao sistema binário sexual que facilita a discriminação. Se se confundem os papeis sociais referentes aos dois sexos, a ordem social, a legitimidade das discriminações sociais que montam quotidianamente a hierarquização social complexifica-se, abre-se à indeterminação. Se a hierarquização sexual, é o pilar mais seguro da hierarquização social, pode ser questionada, toda a hierarquia social fica exposta. Por isso, são homossexuais algumas das pessoas mais radicalmente homofóbicas. Sentem, ou pressentem, que o questionamento do binário sexual consensualizado pode pôr em causa a ordem social. Mas as pessoas que assumem orientações sexuais não binárias têm tendência para hierarquizar as diferentes categorias usadas no mundo dos activismo LGBTI+, colocando implicitamente a heterossexualidade em posição superior.

O orgulho LGBTI+, como o orgulho feminista, de classe, de etnia, de raça, ao afirmarem-se anti-discriminatórios, multiplicam contraditoriamente as oportunidades sociais de discriminação. Acabam por reforçar implicitamente os estigmas que pretendem, justamente, abolir. Discussão equivalente existe entre marxistas e keynesianos, entre os defensores do orgulho dos trabalhadores e os que anunciam o desejo do fim do trabalho. A solução para estes dilemas não é binária. Também não é ignorar o problema do abuso discriminatório que constrói elites, o espírito imperial incorporado não só nas elites, mas também naqueles que mais se lhe opõem.

Espírito imperial é um estado de espírito frequentemente mobilizado, sobretudo a respeito de questões de poder, quotidiano e institucional, que se sustenta em processos de discriminação socialmente construídos mobilizados para produzir uma ordem hierárquica capaz de servir de torre de marfim para as elites, e para os seus sucessivos sucedâneos pela pirâmide social abaixo, incluindo entre as minorias, as pessoas exploradas, os movimentos sociais. A característica principal do espírito imperial é que, ao afirmar-se, nega-se ao mesmo tempo (e vice-versa). Só se apresenta de camuflado, pois despido é repugnante.

É o exibicionista de gabardine, o diabo sedutor, o Drácula, o chefe, o dirigente, o rei, o imperador, o político, o padre, o guarda, o abusador sexual.

É impressionante como a questão do abuso sexual perturbou as sociedades modernas nas últimas décadas e é referida, pudica e enganadoramente, como pedofilia. Pedofilia refere-se a uma condição doentia: há pessoas que se excitam ao ver crianças e têm desejos e fantasias sexuais a respeito das suas relações com crianças. Os abusos sexuais também são perpetrados por pessoas pedófilas. Mas na esmagadora maioria dos casos os abusadores sexuais não são pedófilos. Anabela Neves (Ferreira, 2015), médica forense, afirmou em 2015 que 5% dos abusos conhecidos são praticados por pedófilos. Porém, a maioria dos jornalistas e das pessoas que se referem a abusos sexuais falam em pedofilia, mascarando, intencionalmente ou não, o papel central do abuso sexual na construção das relações sociais elitistas e das estruturas imperiais.

Somos todos, como sociedade, quem admite ignorar o que é isso do abuso, seja ele de poder ou sexual ou de crianças. É esse desconhecimento que esconde aquilo que todos conhecemos e de que não queremos tomar consciência: o lado repugnante da evolução da condição humana, os abusos da preversidade.

Referências:

AAVV. (2013). Transformative justice. http://www.generationfive.org

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Federici, S. (2017). Calibã e a Bruxa – mulheres, corpo e acumulação primitiva (C. Sycirax, Ed.). Editora Elefante.

Ferreira, F. C. (2015). Lista de pedófilos. RTP. http://www.rtp.pt/play/p1772/e193877/Pros-e-Contras

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Karam, M. L. (2015). Os paradoxais desejos punitivos de ativistas e movimentos feministas. Blog Da Boitempo. http://blogdaboitempo.com.br/2015/08/17/os-paradoxais-desejos-punitivos-de-ativistas-e-movimentos-feministas/

Martin, D., & Wilcox, P. (2013). Women, welfare and carceral state. In Peter Squires & J. Lea (Eds.), Criminalization and advanced marginality – Critically exploring the work of Loïc Wacquant (pp. 151–170). Polity Press.

Nietzsche. (1997). A Genealogia da Moral. Guimarães.

Paladines, J. V. (2013). Feminismo Punitivo, cuando el género se redujo al castigo. Defensa y Justicia, Revista Institucional de La Defensoría Pública Del Ecuador, 5. http://www.rebelion.org/docs/174609.pdf

O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador

Os abusos do poder são favorecidos e explorados por impérios (propriedade plena) reconhecidamente sagrados, indiscutíveis, para as sociedades modernas. Todo o conhecimento moderno, incluindo a razão, está inquinado por essa limitação. O que ajuda a explicar a desatenção relativamente aos riscos ambientais em progresso.

O que caracteriza o império é o abuso de poder. O que caracteriza o racismo é o abuso da xenofobia. O que caracteriza a guerra é o abuso da violência. O que caracteriza o machismo é o abuso da discriminação sexual. O que caracteriza o capitalismo é os abusos do mercado e do sacrifício dos trabalhadores.

Há uma subtil diferença entre o poder, a xenofobia, a violência, a discriminação, o trabalho, o mercado e os abusos sobre os quais se constroem as sociedades modernas. O império resulta da subtil diferença entre o exercício do poder e o abuso disso. O império resulta do trabalho social de reorientação dos processos sociais para limitar os poderes, de modo a neutralizá-los no seu combate contra os abusos.

O sucesso do império resulta de hábitos sacrificiais institucionalizados em nome da sobrevivência que servem a diferenciação de elites e das suas contrapartidas, os crimes, em relação à sociedade. Sociedade e crimes são sistematicamente distanciados das elites, nomeadamente através da construção de estereótipos sociais que distanciam sociedade do crime, sociedade das elites e os membros das elites dos criminosos (Abagnale & Redding, 2003).

A distinção entre a justiça e o governo, entre os casos de polícia e os casos de política, a impunidade dos crimes de colarinho branco e as imunidades de que beneficiam as pessoas mais poderosas, os estatutos especiais dos diversos níveis dentro das organizações, os privilégios off-shore, bancários ou profissionais, a diferença entre a comunicação social de referência e a mais popular, as secções de política e social, são sinais e instrumentos de distinção social, chocantemente evidentes através do contraste entre as comoções sociais a respeito da vida e morte de certas pessoas, VIP´s ou famosas, e a indiferença generalizada a respeito dos sem abrigo, das pessoas que vivem da prostituição, dos presos, dos pedintes, dos estrangeiros, do vulgo.

Quem não odeia o império e os poderosos (ou Deus) e, ao mesmo tempo, não os adora? Quem não odeia a desigualdade social, a violência, o machismo, o capitalismo, e, ao mesmo tempo, não os adora? A luta entre o bem e o mal é o aspecto moral indiscernível da vida humana, de que o livre arbítrio e a criatividade, os desejos e capacidades de mudança, são corolários. Como notou Goffman (2004), as percepções e os sentimentos sociais dividem-se em dois campos irreconciliáveis de confiança radical, entre cidadãos, e de desconfiança radical, entre os cidadãos e os excluídos. Apenas os filantropos e os trabalhadores do social estão em condições de passar, de lá para cá e vice-versa, as fronteiras simbólicas e materiais que separam estas duas sociedades irreconciliáveis que são, na prática, duas faces da mesma moeda.

A razão é o desejo impraticável de fixar, por exemplo em normas jurídicas, os hábitos e a moral adequados à condição ideal das pessoas. Todos sabemos que as linguagens são modos outros de viver autonomamente em relação às práticas não simbólicas. Teoricamente, portanto, reconhece-se o valor universal, absoluto, natural, dos direitos humanos de todos e cada um, incluindo a igualdade perante a lei. A simples necessidade social de o afirmar, elevada à política em 1948 com a institucionalização da declaração universal, denota a condição das sociedades modernas de desrespeitarem espontaneamente os valores formalmente anunciados.    

Uma das características particulares dos seres humanos é essa dupla vivência, que pode e foi, sobretudo na modernidade, desmultiplicada em profissões e especialidades que se representam tendencialmente a escamotear parte das suas próprias práticas, de modo a justificá-las, minimizando ou omitindo as contra-indicações. Com a propaganda e a publicidade, a intensidade e eficácia das justificações profissionalmente produzidas atingem o paroxismo de quebrar as resistências ao uso institucional da mentira, como a usada para institucionalizar a guerra contra o terrorismo sem rosto, em 2003, ou as fakenews, com a eleição de Trump em 2016.

As ideologias de mercado, as que explicam que a razão deve ser suspensa quando se trata de compreender ou sequer pensar as articulações morais e políticas entre o quotidiano (os mercados) e os projecto global que os mobiliza (o império explorador da Terra) fazem mistério das contradições entre os mercados e os monopólios. A mão invisível de Adam Smith refere-se, afinal, à sua estratégia, usada e reforçada ao longo da história das sociedades modernas, de se focar na vida mundana (a rua e os seus lojistas, o mercado) de modo a negar a existência do império (o fundamental da riqueza das nações não era, e não é mais do que os monopólios exploradores da Terra) (Brown, 2009).

O império e o mundo do crime partilham entre si a exterioridade socialmente representada pela razão moderna (Woodiwiss, 2001, 2005). A sociedade moderna, incluindo a sua economia, a sua política, carácter particular institucionalizado dos povos (Elias, 1990), é representada como interior a um espaço político arbitrário delimitado em consequência e no respeito das fronteiras desenhadas pelos acordos entre os estados. Os estudos holísticos da Terra e da humanidade, incluindo o ambiente e a geo-estratégia, são referências abandonadas a especialidades marginais das ciências da natureza, das humanidades, das ciências sociais. A Big History (Christian, 2021) revela, denuncia e explora a lacuna estruturante da razão e dos conhecimentos modernos.

O império está incorporado nas pessoas modernas que autocensuram, atemorizadas, qualquer confronto com o projecto imperial de exploração da Terra e dos seus recursos humanos, sacrificando-se como profissionais e colaboradores (nomes pomposos e benévolos para confirmar a servidão voluntária (Boétie, 1997)).

Referências:

Abagnale, F. W., & Redding, S. (2003). Prenda-me se for capaz – a Vida Real do Maior Mentiroso da História da Boa Vida … e do Lucro Fácil! (E. Record, Ed.).

Boétie, L. (1997). Discurso Sobre a Servidão Voluntária (Antígona, Ed.).

Brown, M. (2009). Free entreprise and the economics of slavery. Real-Economics Review.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição). D. Quixote.

Goffman, E. (2004). Estigma – Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada (1a ed.1963). Colectivo Sabotagem.

Woodiwiss, M. (2001). Organized Crime and American Power: A History. University of Toronto Press.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.

Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios

A modernidade caracteriza-se por acelerar as transformações sociais (revoluções orientadas para a exploração da Terra) e pela razão, i.e., o aumento da capacidade de planeamento do controlo dos processos de transformação social induzidos e necessários para tal finalidade. O projecto humanista – de equiparar o Homem a Deus – inclui a diferenciação das sociedades, autonomizadas dos estados e dos mercados, e separadas das elites e dos criminosos, dois aspectos do mesmo processo de estigmatização culposa que alivia a sociedade da imoralidade quotidiana.

“Querida” foi a expressão usada por um homem já na terceira idade para exprimir irritação contra uma jovem mulher. Ensaiou condescendência sábia e funcionou para o auditório. A jovem ficou no seu lugar. Uma reacção sua iria desviar a atenção do auditório do tema em apreço na sua direcção, o que a colocaria à mercê da irritação conjunta de dois agressores: o idoso e o auditório.

Semanas depois foi o tempo certo. Atirou: “Não voltas a tratar-me por querida!” Cara a cara, o agressor teve oportunidade de reconhecer a falta. Tinha aproveitado o machismo vigente, ainda que se imaginasse atento e capaz de o evitar, ou até denunciar. É banal o uso do machismo mesmo entre pessoas que gostam e querem considerar-se feministas.

Também Camões, avesso ao racismo, mesmo na miséria em que morreu, manteve um escravo ao seu serviço (Gomes, 2019), como era habitual na época.  

Os hábitos sociais, as estruturas sociais, são relativamente independentes das aspirações e desejos das pessoas e até das sociedades. Os movimentos de contestação são a prova disso: permanentemente, por vezes explicitamente, sempre de forma latente, as pessoas, individual e colectivamente, separam as respectivas identidades produzidas das esperanças, expectativas, ambições que projectam no futuro (Corballis, 2011). As mudanças sociais, sejam elas reaccionárias, progressivas ou revolucionárias, são estruturalmente limitadas e condicionadas pelo passado incorporado em cada um, sob a forma de identidades recorrentes e resilientes, sobretudo nos mais velhos. As relações sociais, sejam as que estão institucionalizadas, sejam os envolvimentos pessoais em movimentos sociais, são indispensáveis tanto ao reconhecimento da existência de protagonistas capazes de manterem a ordem e cumprirem as mudanças nas suas vidas pessoais e sociais, como ao controlo dos hábitos sociais em crise para que as aspirações sejam realizadas.

A ambiguidade das mudanças sociais, a trabalhar entre os hábitos e as aspirações, gera consequências inesperadas e não planeadas, como gera mudanças aparentes para que tudo fique na mesma. A consciência das práticas em curso é procurada, mas falível. A atenção humana é limitada e não consegue manter em mente mais do que alguns aspectos da realidade, entre o que as práticas pessoais e sociais são apenas um aspecto. Mesmo a prática da psicologia apoiada na interacção com especialistas exige muito trabalho e é de resultados imprevisíveis para quem é alvo da análise. Sobretudo, exige uma disponibilidade para a mudança que é facilmente simulada ou dissimulada, fazendo perder tempo, adiar e reorientar os planos de transformação pessoal e social (Peck, 2001).

Autonomização da política

A política é a autonomização de um nível de realidade social capaz de servir as elites no sentido de negociar, através da prática profissionalizada da dissimulação ideológica, as transformações sociais desejadas. Por um lado, a política repugna por isso mesmo – não se pode confiar nos políticos – e, por outro lado, é indispensável para evitar (ou organizar) o conflito e a guerra. Tal é a tensão entre a história incorporada nas pessoas e sociedades e o futuro das mesmas em permanente construção.

A política diferenciou-se de outras esferas da prática social, tornando-se uma coutada masculina. As lutas pela igualdade de direitos exprimem o direito das mulheres também nesse aspecto. Sinalizam o desejo de realização de expectativas, e também a sua frustração, através de políticas de quotas para atingir a paridade de sexos em lugar de chefia. Esta forma de focar os desejos de igualdade distrai de necessidades quotidianas mais profundas, como as expressas no episódio acima descrito, e outras, como abolir a luta de classes ou o racismo ou o alheamento das necessidades existenciais das pessoas com necessidades especiais.

O campo dos direitos humanos, feito de recomendações legais aprovadas e desrespeitadas pelos estados, é apenas um exemplo da distância entre os desejos escritos e consensualizados e as práticas organizadas intencionalmente pelas administrações com o consentimento, eventualmente incentivo, das elites e dos populares. As penitenciárias talvez sejam, a par das esquadras, instituições de acolhimento de crianças e jovens em risco, de refugiados e de imigrantes, o exemplo mais claro de como as finalidades anunciadas como desejos consensualizados politicamente não correspondem sequer às intencionalidades dos dirigentes, dos profissionais, das vítimas e das sociedades.

Na comunicação social, sobretudo a que dá voz aos políticos, os presos não têm voz (Dores, 2013). Os presos são conhecidos pelos funcionários e guardas como gente que manipula as regras e as outras pessoas para obter certos fins, sem os declarar. Os políticos são conhecidos pelas sociedades como estando habituados a fazer o mesmo. É isso que torna, uns e outros, repugnantes. Ambas as funções sociais servem de bodes expiatórios, de contraste com a vida quotidiana. São modos complementares, acima e abaixo, de as sociedades, já que lhes é difícil tomarem consciência da distância quotidiana entre identidades e hábitos, de um lado, desejos e moral, do outro lado, projectarem para cima (nas elites) e para baixo (nos mundos do crime) as mentiras que servem para relativizar e conservar as incoerências das quais vivemos, como se tivéssemos razão.

Referências:

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2013). A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida. Revista Angolana de Sociologia, 11, 35–50.

Gomes, A. M. (2019). Bárbora e o Jau: a escravatura em Camões. In M. R. P. C. Pimentel & M. D. R. Monteiro (Eds.), Estudos e Documentos (n. 26, pp. 63–74). CHAM – Centro de Humanidades | Húmus. Encontrado a 20.12.2021 em https://research.unl.pt/ws/portalfiles/portal/17564738/Senhores_e_Escravos_DIGITAL_63_74.pdf

Peck, M. S. (2001). Gente da Mentira. Sinais de Fogo.

Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei

Em meados dos anos 80 licenciei-me em sociologia e tornei-me imediatamente professor de sociologia, até hoje. Fui ensinado e ensinei a como (re)integrar pessoas excluídas na sociedade. Em 1997, fui cofundador da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento. Durante 20 anos denunciei situações injustas, algumas criminosas, que se passaram nas prisões, tendo sido reconhecido por isso. Várias vezes e de diversas maneiras fui medalhado, sob a protecção do meu estatuto social privilegiado.

Ainda no século passado tropecei na palavra abolicionismo, a respeito das prisões. Mas logo verifiquei ser incapaz de responder ao último reduto do punitivismo, “o que fazemos aos criminosos?” Porém, essa incapacidade minha não resolvia o problema: as penas de prisão são criminógenas, como já tinha notado António José Saraiva a respeito da Inquisição, muitas actividades policiais e jurídicas inventam as condições nas quais podem alegar haver crimes, mesmo onde não os haja.

Em 2016 reformei-me do activismo, sem dúvida útil para apoiar as lutas dos presos pela justiça e para me ensinar as coisas básicas da vida e da morte. Nessa altura já tinha lido Louk Hulsman de quem aprendi que abolicionistas somos todos os que perante uma injustiça procuram remediá-la. Não pertencemos é a nenhum partido e, também por isso, a eficácia social do abolicionismo deixa muito a desejar.

Dediquei o meu tempo assim liberto a pensar, com o que aprendi da sociologia. Qual será o erro quando se pensa que a sociologia serve para integrar as pessoas nas sociedades? Em 2019 dei por finda essa minha pesquisa, com resultados que me têm feito feliz: tenho programa de produção intelectual para o resto da minha vida. Ser sociólogo abolicionista significa ter a coragem de reconhecer que o estado, o financiador da minha vida confortável, está envolvido num processo de dissimulação da sua verdadeira missão, todavia pública: explorar a Terra para alimentar impérios. Para tal, usa e abusa das pessoas que não se podem defender, incluindo os presos. Incluindo, na verdade, todos ou quase todos nós. Presos são eles; presos estamos nós.

Mentalmente liberto da missão do meu empregador, fui à descoberta de como a sociologia, as ciências sociais, as ciências naturais, estão presas, como todos nós. Encontrei uma resposta trivial: as políticas científicas servem para formatar as ciências, reduzindo-as a processos centrípetos de hiperespecialização profissionalizada. A libertação das ciências é tão urgente para as políticas abolicionistas, e para o bem-estar da humanidade, quanto o é o abandono das políticas globais punitivistas. Eis a minha contribuição para os trabalhos de reeducação do século XX

Referências:

Dores, António Pedro. Associação Contra a Exclusão Pelo Desenvolvimento – ACED. 2004-2016.

—. “Medalha”, sítio pessoal e profissional na internet.

—. “Para Que Serve a Sociologia?” Hypotheses, 2014-2019.

—. Estado Social Real. RCP edições, 2020.

—. “Presos São Eles; Presos Estamos Nós.” Revista Eletrônica Da Faculdade de Direito Da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), vol. 4, no. 1, 2018, pp. 13–46, doi:10.15210/rfdp.v4i1.

—. “Libertação Do Império – Por Uma Sociologia AbolicionistaHypotheses, 2019.

—. Reeducar o Século XXI: Libertar o Espírito Científico. Lisbon International Press, 2021.

Será a discriminação um projecto científico?

David Graeber e David Wengrow (2019) contestam o evolucionismo aplicado às sociedades humanas. Foram à procura de onde surgiu essa ideia e descobriram que ela não existia antes do século XVI. Aquando dos primeiros encontros com os ameríndios, estes eram ouvidos com atenção, ao contrário do que passou a acontecer mais tarde. A ideia de os indígenas serem seres humanos mentalmente incapazes foi uma construção social moderna.

Durkheim (2002 [1912]) refere-se às formas elementares da vida religiosa entre os aborígenes australianos. Presume que pensam de forma elementar e primitiva. Nota o uso profano e religioso dos mesmos territórios, conforme a época do ano. Quando as famílias vivem isoladas e quando se organizam os grandes encontros tribais, os mesmos espaços mudam de nome e de função, de uma época para a outra. Estes e outros dados arqueológicos e antropológicos, referem Graeber e Wengrow, mostram sociedades humanas capazes de recriação sazonal de modos alternativos de conviver, hierarquizados ou igualitários, por exemplo. As sociedades modernas criam espaços institucionalmente diferenciados, mais ou menos hierarquizados (como as empresas) ou igualitários (como algumas famílias), mas são estruturalmente mais rígidas. Para mudar de estrutura fazem-no de forma dramática e violenta, ao contrário do que acontecia regularmente nas sociedades não modernizadas.

O evolucionismo que contestam é o evolucionismo determinista, que presume que o estado social que encontramos hoje é o melhor dos mundos possíveis, resultado de um progresso teleológico. Nas suas alegações, identificam o tempo, o lugar e a motivação para a produção desse determinismo, interrompendo o diálogo anterior com os “selvagens”.

As lutas contra o racismo na biologia, efectivamente tomada pelo determinismo evolucionista que validou cientificamente a razão de ser das discriminações sociais no século XX, moldaram o evolucionismo que fundou a biologia. Não é por acaso que os movimentos neo-nazis passaram a recorrer, no século XXI, às diferenças culturais para justificar as suas opções emocionais e políticas. É que a biologia tratou de negar cientificamente as bases do racismo (a raça humana é só uma) e as políticas de integração social orientadas pelas ciências sociais não prescindiram, nem prescindem, de usar as discriminações, nomeadamente culturais, reforçando-as (independentemente das intenções e consciências dos políticos e dos profissionais que as aplicam no terreno), seja às ordens do multiculturalismo ou da assimilação.

A banalização acrítica da definição de sociedade moderna e nação, como o conjunto de pessoas sob as ordens de um determinado estado, faz da discriminação dos estrangeiros uma âncora utilizada pelo racismo e pelo neo-nazi-fascismo. A presumida unicidade cultural das nações, e dos respectivos modos de vida, na verdade inventada e imposta por processos propagandisticos e repressivos dos estados, e o abandono da intenção política de livre circulação de pessoas prometida pela globalização, abriram campo à sempre mais gravosas crises de direitos humanos dos migrantes e refugiados. Procurar sobreviver às guerras tornou-se um crime tratado cada vez mais com muros sem vergonha.

As populações prisionais não param de aumentar e a perseguição às pessoas indocumentadas usa técnicas de criminalização para dissuadir, sem resultados, os imigrantes não autorizados. Os estados tomam, contra direito, grupos socialmente discriminados para confirmar essas discriminações preconceituosas, acusando-os de criminosos, apesar de todos os cuidados doutrinalmente previstos para julgar casos e não pessoas, sem preconceitos e de acordo com leis aplicáveis a todos por igual.

Em homenagem a David Graeber, precocemente desaparecido

A acusação teórica, lançada por Graeber e Wengrow, de haver algo de essencialmente errado com o evolucionismo é destruidor da biologia e benevolente com a antropologia e a arqueologia, campos profissionais dos autores. Não há ciência isenta de manipulação ideológica. As ciências sociais, precisamente por não serem ciências como as ciências naturais, são particularmente volúveis a tais manipulações. A benevolência profissional dos cientistas sociais relativamente ao papel das ciências sociais nas sociedades modernas pode e deve ser interpelada (Dores, 2021).

O facto de o evolucionismo ter sido utilizado para fins racistas, não quer dizer que tal uso seja obrigatório, nem que o evolucionismo cientificamente produzido seja facilitador de tais usos. Do mesmo modo que o determinismo que foi usado pelo movimento operário na época de maior sucesso e determinação deve ser criticado por ser falso, como bem notaram Graeber e Wengrow.

Do mesmo modo que sazonalmente as sociedades podem mudar de estrutura social, como as cobras mudam de pele, também a mesma teoria, em época histórica diferente, pode ser enquadrada de modo diverso. Evolucionismo e determinismo são diferentes no século XIX, em que foram aliados inspiradores dos partidários das transformações sociais, e no século XXI, em que a biologia resgata o evolucionismo do determinismo (Damásio, 1994) e as ciências sociais se mantém deterministas, discriminatórias, ainda que críticas, sem serem capazes de fazer a sua auto-crítica.

Para a autocrítica das ciências sociais, na política e nas universidades

As ciências sociais separam aquilo que é inseparável: a natureza da natureza da humanidade. Para manter esse nonsense, as ciências sociais organizam-se em cascata, subdividindo-se em disciplinas e sub-disciplinas, em dimensões, partes, níveis, povos, nações, estados e o mais a se possam agarrar, de modo a tornar irreconhecíveis as sociedades humanas e as suas relações com o meio ambiente. Disso se queixaram Luhman (2010), Lahire (2012), Latour (2014), entre outros.

A separação entre ciências naturais e ciências sociais não deve ser usada para passar os erros e as culpas de teoria em teoria, de disciplina em disciplina, de ideologia em ideologia, em vez de tratar de assumir as responsabilidades próprias da ciência.

As ciências sociais tornam-se incompreensíveis por tornarem incompreensível as discussões, de facto raras, sobre o que seja a sociedade. Recusam discutir o que seja a natureza humana, alegando incompatibilidade entre a natureza e a cultura, o meio ambiente e a humanidade, cujos resultados práticos estamos a viver na era do aquecimento global e do Antropoceno.

Assim se apresenta a ciência centrípeta. Porém, do mesmo modo que as sociedades estudadas por Graeber e Wengrow se estruturam de maneiras diferentes e incompatíveis entre si, sazonalmente, também a ciência centrípeta pode alternar com a ciência centrífuga, a ciência que procura fixar perguntas difíceis e não desistir delas, em vez de servir com receitas pré-fabricadas e politicamente validadas os interesses dos financiadores.

A ciência centrífuga resiste às ideologias e, portanto, à condenação de uma ou outra ideologia, de uma ou outra teoria. Ao invés, procura pontes entre teorias, ideologias, disciplinas, níveis, dimensões e tempos de realidades que se sucedem entre si, de forma contraditória.

A biologia, e a teoria evolucionista que a funda, pode e deve ser acusada de ser discriminatória, sob certas formas e circunstâncias. Mas não se compreende que o mesmo não se aplique às ciências e teorias sociais e à sociedade, ela mesma.

No século XVI não terá sido apenas um utilizador e precursor do evolucionismo que o mobilizou para legitimar o racismo, como hoje está incorporado nas sociedades modernas. Terá sido necessário que esse utilizador do evolucionismo tenha sido entendido e socialmente reconhecido como sinal das predisposições existentes entre os seus leitores. A prova documental do uso da teoria evolucionista para promoção do racismo, carreada pelos autores, mostra o momento da invenção literária. O seu sucesso histórico e comercial presume o acordo informal previamente produzido no público que se reviu nela, literariamente simbolizado e reforçado.

As sociedades tradicionais podem adaptar a respectiva organização política às estações do ano. As sociedades modernas impõem as suas regras indiferentes às estações do ano e ao meio ambiente. Os potlachs e os jubileus tornaram-se impraticáveis. As sociedades submetidas aos ditames da Fé e do Império, lançados com sucesso no século XV, trabalham mecânica e sacrificadamente para acumular riqueza e poder infinitos nas mãos das elites.

Embora grande parte da sociedade esteja reduzida a recursos humanos, as pessoas ansiosas por partilhar a fé imperial, desprezam os seus corpos que sacrificam ao trabalho. Glorificam as inteligências imorais de heróis exploradores e opressores.

Graeber e Wengrow comparam a actual rigidez social com a plasticidade política de sociedades não modernas. Protestam contra o evolucionismo que apresenta a adaptabilidade tradicional como uma limitação, quando, ao contrário, é uma virtude. Mas não notaram que foi, e continua a ser, o determinismo, misturado ou não com o evolucionismo, que serve de base à teoria da superioridade ocidental no mundo e à ânsia de crescimento abstracto e indefinido.

Os autores não questionam o papel das ciências centrípetas, produto tardio do sucesso político e económico do império ocidental. Porém, esse tipo de ciências é usadas nas escolas e universidades, em quase exclusividade, para nos convencer da superioridade imaginária das especializações profissionais que nos dão identidades sociais, com sacrifício das nossas sensibilidades pessoais domesticadas, sublimadas, reprimidas, educadas. As socializações modernas moldam-nos as personalidades e as ciências são reduzidas ao papel de serventuárias do império, dos financiadores e das suas elites.

A rigidez social (Marcuse, 1991), que obriga tudo à volta a adaptar-se a ela, é típica de uma missão imperial autoritária e ignara, exploradora em vez de respeitadora do meio ambiente e da humanidade, servida por uma ciência centrípeta, uma tecnociência ao serviço das guerras das elites. Essa ciência pode e é revertida, aqui e ali, por práticas centrífugas (Schofield, 2018).

Graeber e Wengrow caem no engodo de atacar a biologia, uma ciência rival, usando uma fase da sua história, ao mesmo tempo que notam a omissão do reconhecimento moderno das capacidades de auto-determinação, a liberdade experimentada em sociedades não modernas, através de um processo semelhante: omitir a plasticidade do objecto referenciado.

As ciências, as teorias, as pessoas, as sociedades não são unidimensionais. É a missão imperial de explorar a Terra que reduz a humanidade a recursos humanos. É a sua dinâmica que oprime a liberdade da generalidade das pessoas, a dos profissionais e das ciências também. Mobiliza tudo e todos para as finalidades desenhadas incontestadamente pelas elites: o crescimento infinito de tudo.

Cabe às ciências centrífugas mostrar a incoerência das sociedades e das pessoas, como fazem Graeber e Wengraw. É preciso continuar esse protesto contra as ideais modernistas e reconhecer as incoerências das teorias e das ciências, em particular as usadas por eles. Cabe às ciências levantar questões, em particular sobre a função social das ciências, e ter atenção à qualidade opressiva, repressiva, estigmatizante das práticas sociais e, também, das práticas científicas.

A discriminação contra o que é imaginado ser inferior ao moderno, como os indígenas, os migrantes, os pobres, os presos, as ciências sociais em relação às ciências naturais, resulta da missão semi-milenar imperial, como Graeber e Wengrow verificaram. Atribuir ao evolucionismo, à biologia, o essencial do processo de discriminação civilizacional é redutor e, sobretudo, é cair no erro de discriminar ciências entre si, em vez de fazer pontes.

Referências:

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Durkheim, É. (2002). As Formas Elementares da Vida Religiosa (1a edição). Celta.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2019, December 22). Myth of the Stupid Savage. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=EvUzdJSK4x8

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Latour, B. (2014). Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. Revista de Antropologia, 57(1).

Luhmann, N. (2010). Globalization or World society: how to conceive of modern society? International Review of Sociology:Revue Internationale de Sociologie, 7(1), 67–79. http://dx.doi.org/10.1080/03906701.1997.9971223

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search