A sabedoria de Hans Rosling e a inovação pandémica COVID 19

Ao fazer um balanço da sua vida, Hans Rosling (1948-2017) contou como sentiu necessidade de romper com o seu perfil profissional e transformá-lo, transformando-se a si e à sua família. Na sua autobiografia refere a forte impressão que lhe causou o encontro de juventude com Eduardo Mondelane (Rosling, 2017: 40-41), quando este vivia na Suécia, terra natal de Rosling. Mais tarde, Mondelane viria a ser líder da Frelimo, movimento de libertação de Moçambique. Ainda mais tarde, com a independência do país, já após o falecimento de Mondelane, Rosling sentiu-se animado a ir ajudar a construir o novo país, como médico. Convenceu a sua mulher a levarem os filhos de ambos com eles. Ali chegado, a certa altura, encontrou-se a tratar dos sintomas de uma epidemia. Percebeu que o seu trabalho seria mais eficaz se descobrisse as causas da pandemia e as pudesse fazer cessar. Para isso, teve de abandonar o hospital de que era o único médico, correu os riscos inerentes, e foi investigar a fonte da doença. Usou o inquérito social e teve resultados práticos: identificou e anulou a fonte de doença, evitando sofrimentos aos doentes e pressão sobre os serviços de saúde, tendo seguramente feito danos colaterais em pessoas que não pode atender quando estava de viagem de investigação.

Com o tempo, haveria de deixar de ser médico de doentes isolados e passou a ser demógrafo, à procura de fontes de doenças de foro médico e social. Acabou celebrado como professor de saúde pública e, mais tarde, com a ajuda de familiares mais familiarizados com as potencialidades dos programas de computador, tornou-se famoso pelas suas apresentações inovadoras das evoluções de indicadores sociais e de saúde em mapas mundo (Rosling, 2010, 2015b).

Antes do tempo em que isso se tornou mais vulgar, Rosling mudou de profissão a meio de um percurso profissional bem-sucedido. Fê-lo por convicção. Nos obstáculos que reconheceu e encontrou viu a natureza das coisas e das sociedades. Imaginou ultrapassar esses obstáculos com conhecimento e que essa seria a primeira tarefa da modernização. Modernização extraordinariamente bem-sucedida na Suécia, como a história da sua vida familiar o comprova. Os modos de vida dos seus avós, trabalhadores necessitados sem esperança de poderem sair dessa condição, em duas gerações, um pouco por magia, transformaram-se na liberdade de que desfrutou. As estatísticas, diz Rosling, mostram que algo semelhante está a ocorrer em todo o mundo, incluindo em Moçambique, ainda que a ritmos diferentes. A acção dos partidos dos trabalhadores, como o social democrata sueco, transformou o mundo.

Solidário com o resto do mundo, impressionado com as misérias da colonização, decidido a dar ao mundo a sua vida para resgatar aquilo que lhe foi surpreendentemente proporcionado, foi ajudar Moçambique a beneficiar da formação dos médicos suecos. Aí aprendeu a diferença entre a limitada amplitude das vidas profissionais, como a do médico no hospital, e a superior relevância dos panos de fundo, no caso a fonte de uma pandemia. Pensando mais largo e agindo livremente, verificou, o médico profissional tornou-se investigador social para ser mais efectivo no combate às pandemias, lá onde a modernização não chegara.

Hans Rosling no seu mundo estatístico dinâmico

Subiu na hierarquia dos saberes. Trocou a medicina pelos estudos demográficos, no sentido contrário do que é a hierarquia de saberes comummente aceite. A liberdade que o médico teve em Moçambique, onde não havia médicos, encontrou-a na Suécia enquanto académico. Nessa condição ensinou a sabedoria da sua rara experiência.

O que diria Rosling, especialista em pandemias, se estivesse vivo? Como veria o esforço dos hospitais de recolher as pessoas com sintomas da COVID 19, à custa de deixar de tratar dos sintomas de muitas das outras doenças, em vez de procurar medicamentos para atenuar ou evitar sintomas (Corbishley, 2021; Farmácias, 2021; Weinstein et al., 2021) e, sobretudo, dar prioridade à procura da fonte de contaminação, seja ela os morcegos, os animais selvagens vendidos para consumo na China, uma fuga de laboratório, ou todas ao mesmo tempo (Wade, 2021)?

Um dia, Einstein mostrou-se arrependido de ter assinado uma carta escrita por Leó Szilárd, em conjunto com muitos outros cientistas, para informar o Presidente Roosevelt sobre os progressos da descoberta da maneira de produzir energia nuclear. Não lhe agradou o uso que o estado norte-americano fez da mesma em Hiroxima e Nagasáqui.

Inspirado nesta contradição de Einstein, sem desprimor, imagino Hans Rosling, depois de ter aceite ir ao Fórum Económico Mundial de 2015 explicar o que seja o desenvolvimento sustentável (sem dizer uma palavra sobre ambiente ou guerra) (Rosling, 2015a), a rever a sua posição. Caso ele tivesse assistido ao uso da ciência para abrir campo a vacinas, sem que se saiba a origem da pandemia, poderia compreender como se tem fabricado a sucessão de desastres ambientais decorrentes do aquecimento global: subversão das regras científicas autorizadas de forma expedita pelas autoridades científicas.

Na apresentação feita no Fórum Económico Mundial, Rosling afirma, muito bem, que ciência é fazer perguntas e procurar respostas. Porém, entusiasmado com as suas investigações estatísticas e os seus quadros de bolas dinâmicas, deu por acertadas as respostas que encontrou, dando-lhes um aspecto de receita, de demonstração de progressos, ao reverso do sentimento das pessoas comuns. Sobretudo no seu país, onde é professor, notou com humor, o público está mais distante dos factos que usou do que noutros lugares. Ou serão os factos que apontou que não têm o significado optimista que lhes quer associar?

A transformação das pessoas faz delas pessoas melhores. Estou convencido. Mas não faz delas sábios, sobretudo se aprenderam, como os médicos e os cientistas sociais, a alhear-se profissionalmente dos sentimentos e das intuições das pessoas. Nomeadamente, das intuições das pessoas sobre o sofrimento difuso, subjectivo, reprimido, mas real, do alheamento humano da natureza (Albrecht, 2021).

O desenvolvimento sustentável é uma expressão que surgiu para continuar a ideia de progresso, mas agora por outros meios, eventualmente mais verdes. A crença no progresso esgotou-se pela evidência de a esperança das pessoas em virem a viver melhor se ter deteriorado ou mesmo invertido, nas últimas décadas. É certo que a subjectividade pode ser separada, como o fez Rosling, da objectividade produzida estatisticamente. Mas isso não autoriza a imposição da sua subjectividade particular, ainda que seja a de um cientista.

Qualquer estaticista sabe como traduzir a subjectividade do seu cliente em estatísticas objectivas – como o próprio Rosling fez no Fórum Económico Mundial – e como apresentar estatísticas de acordo com os interesses de análise de cada um. Foi assim que Al Gore (2013), de maneira pública e poderosa, usou as estatísticas para denunciar aquilo que chamou a verdade inconveniente sobre o insustentabilidade da situação actual, a nível global.

É comum, mas errado, os investigadores imaginarem-se acima (ou abaixo) da subjectividade alheia. Presumem, simplesmente, que a subjectividade não existe, ao contrário dos factos estatísticos, esses, sim, mais reais do que as realidades. Resulta desta postura que em vez de se discutir cientificamente se passa a discutir ideologicamente: quem for pela sustentabilidade serve Rosling, quem for pela insustentabilidade serve Al Gore.

A ciência centrípeta (Dores, 2020) especializa e separa de tal modo as suas actividades disciplinares que é possível, a uns e a outros, dizerem o mesmo ou o seu inverso, sem se estabelecer um diálogo entre as diferentes evidências e sensibilidades em presença. Por isso é tão importante reafirmar a prioridade da ciência às perguntas e à construção de liberdade de respostas que não sejam receituários, desenhadas para justificar conclusões apriorísticas, como aquelas que mais frequentemente são usadas pedagogicamente nas escolas e nas universidades.

Hans Rosling foi capaz de se negar como médico – e seguramente teria ressuscitado médico agora, perante a subversão da medicina organizada em torno da pandemia COVID 19 – mas não resistiu à sedução das ciências sociais, ao seu elitismo intelectual, que usa os factos cientificamente construídos para ignorar os sentimentos instintivos das pessoas. Estas ciências sociais, recordemo-lo, por não serem ciências naturais, nada têm a dizer sobre os problemas ambientais causados por algumas sociedades humanas, como os tipos de sociedade que deram liberdade a Rosling, mas estão a tramar a esperança da humanidade no futuro.

Referências:

Albrecht, G. (2021). Les émotions de la Terre. Cornell University Press.

Corbishley, N. (2021, May). “I Don’t Know of a Bigger Story in the World” Right Now Than Ivermectin: NY Times Best-Selling Author. Nacked Capitalism. https://www.nakedcapitalism.com/2021/05/i-dont-know-of-a-bigger-story-in-the-world-right-now-than-ivermectin-ny-times-best-selling-author.html

Dores, A. P. (2020). Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas. Blog Libertação Do Império. https://libertacao.hypotheses.org/603

Farmácias, A. N. das. (2021). Prescrição de Ivermectina na Prevenção e no tratamento da COVID-19. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=9McHuPksE0o

Gore, A. (2013). Al Gore’s CO2 Emissions Chart. TheTurtleDance. https://www.youtube.com/watch?v=-JIuKjaY3r4

Rosling, H. (2010). Hans Rosling’s 200 Countries, 200 Years, 4 Minutes – The Joy of Stats. In BBC Four. BBC.

Rosling, H. (2015a). Davos 2015 – Sustainable Development: Demystifying the Facts. World Economic Forum. https://www.youtube.com/watch?v=3pVlaEbpJ7k

Rosling, H. (2015b). Where Are the Syrian Refugees? Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=0_QrIapiNOw

Rosling, H. (2017). Como Aprendi a Compreender o Mundo. Círculo de Leitores.

Wade, N. (2021, May). The origin of COVID: Did people or nature open Pandora’s box at Wuhan? Bulletin of Atomic Scientists. https://thebulletin.org/2021/05/the-origin-of-covid-did-people-or-nature-open-pandoras-box-at-wuhan/

Weinstein, B., Kirsch, S., & Malone, R. (2021). How save the world, in three easy steps. Dark Horse Podcats. https://odysee.com/@BretWeinstein:f/how-to-save-the-world,-in-three-easy:0?r=FuWwFotRbicqY9GHyWBqDdTNNHpaTgC9

Democracia e eleições autárquicas (II)

É estranho culparem os abstencionistas pelos números da abstenção, sempre em crescendo desde o 25 de Abril. As (falsas) soluções para o assunto são sempre as mesmas: mais educação, mais punição, melhores campanhas eleitorais. Questionar porque é que a bazuca apenas atrai e excita os candidatos e deixa os eleitores desmobilizados é demais para os políticos. Estudar como será possível evitar o assalto habitual aos fundos do estado igualmente. O que é que as campanhas eleitorais acrescentam à nossa felicidade, além do amor incondicional dos candidatos nos seus eleitores? Organizar discussões como estas é pedir demais à democracia que temos. Se quisermos uma democracia capaz de se regenerar, ela terá de ser reinventada: capaz de renascer em vez de ser abolida pelos movimentos neo-nazi-fascistas que, quais abutres, continuam à espera da putrefacção do moribundo.

Acesso a primeira parte do artigo: Democracia e eleições autárquicas (I)

É compreensível que quem represente instituições, políticas, educativas, partidárias, empresariais, outras, se apresente optimista e disponível para minimizar ou mesmo esconder quaisquer razões para pessimismo. Precisamente, a democracia resulta da experiência milenar de que tais práticas, naturais e compreensíveis que são, acabam em ditaduras e em derrocadas generalizadas das instituições, como em Portugal em 25 de Abril de 1974, ou na União Soviética, em 1989. Tais derrocadas podem ser evitadas ou amaciadas pela abertura democrática: as críticas dos que não estão em posição de poder, incluindo as oportunidades dos críticos assumirem responsabilidades institucionais, é uma maneira de evitar males maiores, para as elites e para os povos.

Acontece hoje estarmos numa situação especialmente grave, na medida em que a globalização falhou. Falhou em evitar a guerra: à Guerra Fria seguiu-se imediatamente a Guerra ao Terror e, agora, a segunda Guerra Fria. Desde os anos oitenta, à guerra contra as drogas seguiu-se a guerra contra os imigrantes sem papeis, às mafias de leste, e, desde 2020, a guerra contra o vírus. Falhou em criar estabilidade financeira, pois, uma década após o seu estabelecimento, o sistema financeiro global faliu e, com ele, a esperança neoliberal de auto-regulação da economia, dispensando os estados. Aquilo que foi desenhado para assegurar o máximo de liberdade para os investidores, o capitalismo popular, é hoje em dia o maior sorvedoiro das finanças dos estados, através dos serviços às dívidas crescentes. Falhou em acabar com a fome e a miséria, estando a aumentar fenómenos como a escravatura na Europa. Falhou em assegurar o respeito pelos direitos humanos, pois as missões humanitárias organizadas militarmente foram todas desastrosas e o número de refugiados produzidos por essas missões não para de aumentar. Falhou porque, como avisaram os ambientalistas, a replicação do modo de vida ocidental em populações com modos de vida tradicionais é insustentável, por razões objectivas: a Terra tem recursos limitados.

Em vez de se reconhecer haver erros estruturais no modo de fazer política, como também acontece em todas as áreas de actividade profissionalizada, todos e cada um continuamos a reproduzir as ordens para fazer a globalização, quando quem deu a ordem já não está lá. Dadas as limitações de soberania impostas pela comunidade internacional e, também, pela NATO e pela União Europeia, as linhas estratégicas de condução política, como a fuga ao fisco, as violações do estado de direito, o autoritarismo e racismo estruturais, não podem ser questionadas. Tudo se passa em torno das posições de cada grupo de elite, nacional ou local, junto de quem detenha poder no momento, que lutam desesperadamente para manter posições, enquanto for possível.

Porque é que a democracia não está a funcionar a favor da humanidade?

Esta situação é mais bem descrita como uma oligarquia, a hegemonia de um grupo de pessoas coligadas entre si por interesses mútuos, excluindo todos os outros. Isso tem sido denunciado, sobretudo após a inexplicável crise financeira de 2008, que continua por explicar, e que tem custado a fabricação de inundações de dinheiro e aumento das dívidas que, alegadamente, eram, então, um problema estrutural (hoje deixou de o ser?). A partir daí, houve um assalto às posições das oligarquias. Novos partidos tentaram, e nalguns países conseguiram, derrubar os partidos tradicionais. Porém, apesar da turbulência, apesar da mudança de pessoal político e de alguns banqueiros, mantém-se a incapacidade política de questionar o que se passa. Por exemplo, qual foi, então, o resultado da guerra ao terror declarada em 2003 por George W. Bush, Blair e Aznar, servidos por Durão Barroso, e declarada perdida com a vergonhosa saída da NATO do Afeganistão? Que se espera que venha a acontecer a partir de agora, com a declaração da II Guerra Fria, nomeadamente com a aliança militar do Pacífico que liga EUA, Austrália e Reino Unido, descaradamente negada pelo presidente norte-americano nas Nações Unidas?

Montadas em cima de mentiras e limitações de acesso a informações estratégicas, por interesse próprio dos candidatos e por estrutura do estado, as eleições são desconsideradas pelos eleitores que se abstêm. São entendidas pela maioria como uma feira de vaidades a que os eleitores devem corresponder, votando útil, consagrando quase todos e castigando alguns bodes expiatórios que se confrontam pessoalmente com as consequências do seu próprio despotismo, para salvação de o de todos os restantes.

A democracia precisa de democratas. Precisa também de abolicionistas. Uns e outros podem colaborar para utilizar e criticar as instituições, na teoria e na prática. Uns e outros devem aprender a tornar-se aliados, respeitando-se mutuamente e expulsando da política os intolerantes, máscara que encobre interesses inconfessáveis.

Os abstencionistas não devem ser confundidos com abolicionistas, nem os votantes com democratas. Democratas são pessoas que usam o poder no respeito pelas pessoas que não têm poder. Abolicionistas são pessoas que não se alheiam das misérias alheias e se confrontam com os poderes, incluindo os poderes democráticos, que suscitam ou ignoram as injustiças.

No mundo imperialista em que vivemos, dependentes do que pensam Biden ou Merkel ou Putin ou Xi, a democracia, a vontade das pessoas está limitada aos intocáveis quadros de interesses globais. A democracia pode parecer o inverso do império, também conhecida como poderes emergentes, de baixo para cima. Na prática, as coisas são mais complicadas: por exemplo, o apoio do império aos democratas em Portugal, para acabar com o regime fascista, foi importante. Ofereceu um modelo de democracia, como aquele que foi criticado acima, capaz de conciliar império e democracia. Os eleitores continuam agradecidos e a votar ao modo ensinado então. Porém, as limitações da democracia sujeita ao império são reais e podem mesmo ser fatais. A inovação não tem que ser apenas um slogan tecnológico e empresarial.

Em todo o mundo, uma onda de contestação das elites e do império está a ser conduzida por forças religiosas fundamentalistas, primeiro, e neo-nazi-fascistas, mais recentemente. O abolicionismo, os movimentos de baixo para cima, estão a ser conduzidos por políticas imperialistas e anti-democráticas, cujo fito parece ser obrigar toda a gente a respeitar a ordem, qualquer ordem, de modo a que quem obedeça se sujeite ao seu papel prescrito superiormente e se sacrifique a ele com devoção.

O abolicionismo é espontâneo, mas o bom selvagem não é um bom carácter, um santo. Encontrando obstáculos intransponíveis, como uma democracia oligárquica anestesiante, pode recorrer à magia: lançar maldições através de nomear pessoas odiosas capazes de destruir as instituições.

Escolas, universidades, profissões instigam a vontade das pessoas de voltar à normalidade, sugerindo que houve um momento no passado em que tudo corria no melhor dos mundos possíveis. Para a esquerda, tal mundo seria o estado social. Para a direita, tal mundo seria o tempo em que as pessoas obedeciam sinceramente aos chefes, como os nazis e os fascistas. Para o centro tanto faz: o que interessa é não olhar os cenários de terror que os cientistas desenham para a transformação ambiental.  

O abolicionismo, como o império, não são forças maniqueístas, do bem e do mal, capazes de moralizar a vida. Ao invés, são fenómenos sociais que deveriam ser mais bem conhecidos de maneira a permitir entender porque é que a democracia se torna cada vez menos capaz de conduzir os processos de conciliação entre os interesses das elites, das pessoas que as servem e da humanidade, em geral.   

Democracia e eleições autárquicas (I)

A democracia que temos é, quiçá, menos do que a democracia que gostaríamos de ter. A liberdade que nos falta para fazer mais democracia é tarefa dos democratas, que para isso devem acompanhar e favorecer os abolicionistas contra as instituições democráticas que ou são pouco democráticas ou não cumprem as suas finalidades.

Os partidos do centrão (e sobretudo a abstenção) dominaram as votações em 2021, apesar da continuação do crescimento do número de partidos e das possibilidades de candidaturas independentes. A direita neo-fascista subiu em votos, mas sem confirmar a ameaça de ser o mais votado dos partidos pequenos. Os partidos à esquerda do centrão viram reduzidas as suas votações.

O que caracterizou, mais uma vez, estas eleições, foi o não questionamento de o que seja a democracia. A fortíssima tendência de os presidentes eleitos no mandato anterior serem reeleitos já foi reconhecida e, mesmo, alvo de lei especial para limitação de mandatos. Portanto, a democracia representativa autárquica é presidencialista (o que é uma coisa diferente da democracia instituída a nível nacional) e os eleitores reforçam essa característica.

Vale a pena lembrar que um desígnio constitucional, a regionalização, em 1998, falhou no referendo que foi organizado para o legitimar. A oposição a um tal projecto, caro à classe política, alegou, com sucesso, ser esse passo apenas uma forma de criar mais lugares políticos, de cariz presidencialista, sujeitos à falta de escrutínio democrático, pois não há activismo em condições de o fazer, pois os estímulos para isso são negativos. Alegou a oposição à regionalização ser ela um reforço das práticas de corrupção, cuja descoberta, como se vê, não foi recente nem se deve à extrema-direita. O que ocorre é que, cansados da inércia das instituições no combate à corrupção, o que inclui a humilhação e perseguição dos que a denunciam, o assunto foi sendo arrastado e minimizado, como continua a ser.  

Pelo menos desde o início do século, os eleitores sinalizaram desconfiança nos projectos políticos para engordar os lugares políticos e nada de suficiente foi feito para reverter essa sinalização democrática. Há quem conclua haver, por parte dos mais altos poderes do estado, em particular dos partidos do centrão, um bloqueio intencional e inconfessável de quaisquer práticas de escrutínio cívico e jornalístico dos actos de governação. As campanhas eleitorais confirmam-no: discutem-se vaidades e encobrem-se os problemas de fundo.

De modo mais ou menos conformista, os partidos e os agentes políticos tocam e fogem dos problemas das pessoas.  Tratar problemas de fundo, como o ambiente, a falência do sistema financeiro global, a guerra e os refugiados, a escravatura, a qualidade do emprego e dos cuidados de saúde, o sentido da educação, a violação dos direitos humanos, a facilitação da corrupção, para quem está na política é como cuspir para o ar. O que lhes interessa discutir é as ideologias económicas, mais ou menos privatização, as ideologias higienistas, mais ou menos confinamento, ou as ideologias punitivistas, mais ou menos crimes com molduras penais elevadas, que os distinguem entre si. O que pensam que lhes cabe é pensar a teoria a que os ignaros dos eleitores não chegam.

Bazuca em acção

A formação e continuidade das oligarquias, locais, nacionais, europeias, globais, que têm vindo a degradar a democracia, aqui e em todo o mundo ocidental, não parece, às sumidades da política, um tema político. Ou melhor, para essa gente tão inteligente, só os mais inteligentes entre eles estarão em condições de, um dia, quando acharem oportuno, virem a discutir porque é que a democracia não faz felizes as pessoas.

A corrupção, concretamente, não é tratada como um problema local, nacional, europeu, internacional, embora esteja a ser usada por partidos próximos de grupos criminosos e de polícias, cuja moral parece ser a grande arma (a arma das “pessoas de bem”). De facto, o sr. Juncker foi nomeado presidente da Comissão Europeia, em 2014, apesar das críticas de que foi alvo de ser, na qualidade de primeiro ministro do Luxemburgo, promotor da evasão de receitas fiscais na Europa. Isso não o fragilizou (talvez o inverso tenha sido verdade) nem ao seu mandato. O menos que se pode dizer é que todas as instituições europeias se conformaram com a situação. O sr. Assange, jornalista fundador do WikiLeaks, está a ser perseguido desde 2010, e encontra-se actualmente preso, num complot que envolve a justiça sueca e britânica, coordenada pela presidência dos EUA, num processo condenado pelo Alto Comissário dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em 2019. O menos que se pode dizer é que os princípios do estado de direito não estão a funcionar na Europa.

As políticas nacionais e europeias só apareceram nas eleições pela voz do primeiro-ministro, sob a designação de Plano de Recuperação e Resiliência, nome de guerra bazuca, também conhecida por dinheiro de helicóptero: o paraíso dos políticos, o lubrificante dos partidos, a excitação dos autarcas. Houve protestos dos seus adversários, alegando mesmo comportamento anti-democrático do primeiro-ministro. A questão é que só ele, porque detém as rédeas do governo nacional, está em condições de utilizar as redes de compadrio com sede nos partidos e que são tão influentes localmente. A questão mais de fundo, é que não há partido disponível para contestar as práticas de atirar dinheiro aos problemas, já anteriormente experimentadas com os resultados conhecidos e que agora, talvez por iluminação do terceiro segredo de Fátima, se assegura que não se vai repetir, quando sempre se repete e repetirá, em Portugal e em qualquer parte do mundo.

Outra das questões de fundo silenciadas é a doença mental, que já é grave e que a pandemia agravou. A doença mental não é apenas um problema de saúde ou saúde pública: é a fonte do bloqueio aos instintos de adaptação dos humanos que, desvairados, desejam voltar à normalidade, normalidade que nos trouxe as pragas do Egipto que se acumulam nas nossas vidas. A anestesia em que vivemos é inoculada pelas instituições democráticas, sem crítica, com resultados evidentes que a propaganda consegue ir encobrindo, enquanto a realidade se vai tornando cada vez mais clara, mesmos para quem esteja fechado em casa a ver televisão.  

As disputas autárquicas, então, foram intencionalmente limitadas a questões de protagonismo e autoridade local, reflectindo a lei eleitoral presidencialista, em que as assembleias municipais e de freguesia são meramente decorativas. Foram também usadas para testar a resiliência dos protagonistas nacionais às tricas partidárias. Política substantiva, zero. A política democrática está reduzida à idolatria dos chefes que se dedicam a evitar as discussões políticas relevantes, em nome do sucesso do peditório com o nome de guerra bazuca.

Democracia e eleições autárquicas (II)

Reeducar o século XXI, com o RBI TT: para libertar o espírito científico

“Segurança em liberdade, democracia sem exclusões” mote da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento
O humorista diz que a ciência é capaz de resolver e causar um problema, como a pandemia
“Acordai” de Fernando Lopes Graça, por Ana Maria Pinto, 6 de Outubro de 2012

Resumo: o estado e a ciência não são de fiar. A confiança geralmente depositada pelas pessoas nos estados e nas ciências é um problema: fá-las sentirem-se e comportarem-se como irresponsáveis. Não reagem, como acontece nas ruas da cidade quando alguém precisa de ajuda e todos passam ao lado.

A ausência de reacção à sucessão de calamidades que negam à evidência as promessas do progresso económico suscita votações crescentes em partidos de inspiração neofascista. Ao dia de hoje, as pessoas ainda não “acordaram”, como pedia a cantora lírica pelas ruas de Lisboa uns anos atrás. Continuam a querer que alguém, talvez mais duro do que aqueles que estão no topo agora, faça o que querem ver feito. Imaginam não ter nem dever incomodar-se com isso e assumir a responsabilidade de fazer o que é preciso fazer.

O que é preciso fazer? Uma resposta possível é: é preciso reanimar a ciência. Vamos precisar dela para não criar mais problemas, atenta para nos ajudar a encarar as calamidades que se anunciam irreversíveis.

___________________

Como entender o facto de as políticas defensivas de troca de liberdades por segurança, conjugadas com as políticas avançadas de escolarização universal, profissionalização de base científica certificada alargada a cada vez mais actividades económicas, os avanços acelerados da ciência e da tecnologia, tenham produzido, por um lado, fogos continentais, inundações nunca vistas, fenómenos atmosféricos extremos, degelo do ártico, temperaturas de 20º acima do normal, pandemias e paragens da vida social e económica por auto-declarada impotência, desorientação e incapacidade de reagir ao aumento abrupto dos riscos de saúde e, por outro lado, a incapacidade de resolver a crise do recentemente montado sistema financeiro global, falido em 2008, a par do ressurgimento de projectos político-ideológicos fundados no ódio e na instigação da violência genocida, qual déjà vu?

Como entender que o problema da estagnoflacção que trocou as voltas às teorias keynesianas, nos anos 70, tenha sido ultrapassado pelo alargamento da sociedade de consumo, então limitado aos países mais desenvolvidos, a muitas outras regiões do planeta, com destaque para a China, quando já se sabia então que tal política seria incomportável pela Terra?

A primeira estratégia é imperial: exige respeito pela hierarquização embutida na divisão de trabalho, responsabilizando platonicamente as elites e seus administradores, e desresponsabilizando os trabalhadores, cujo papel social seria serem mera mão-de-obra subordinada. A segunda estratégia, para poder ser praticada de forma generalizada, exige que, em vez de estarmos sujeitos a avaliações punitivas, nos seja dada confiança social, e a respectiva responsabilidade, de fazer prevalecer auto-avaliações colectivamente animadas e estimulantes.

É certo que os estados e a ONU foram encarregues de cuidar da nossa segurança e do respeito pelos direitos humanos. Seria bom que tais desideratos tivessem sido cumpridos, mas não foram. Nenhuma elite dirigente, apesar das muitas diferenças entre elas, está em condições de orientar a presente desorientação. Então, a conclusão lógica é que não podemos contar com os estados, mesmo quando estão concertados entre si, para resolver os magnos problemas que nos afectam.

Em vez de apostar na capacidade dos estados para resolverem as sete pragas do Egipto a que estamos a assistir, à espera de chegar a nossa vez de ver a vida ameaçada ou destruída, será recomendável reconhecer que à medida que as políticas de troca de liberdade por segurança se revelam ineficazes para a nossa segurança, as liberdades têm sido e continuam a ser aceleradamente negadas pelas elites que estão a copiar o modelo chinês de controlo social, agora elevado à automação dos créditos sociais. Os estados não dão sinais de estarem dispostos a defender nem a nossa segurança, nem as nossas liberdades. Teremos de ser nós a fazê-lo, como já perceberam os norte americanos ou os brasileiros, por exemplo.

O facto das escolas e das universidades serem instituições que, apesar de ser impossível, continuam a querer “voltar ao normal”, não é um sinal de vitalidade e de capacidade de reacção. O efeito anestésico que a educação universal tem tido decorre do seu imaginário isolamento – incluindo das crianças e dos jovens – perante a vida, a sociedade e os desastres, que passam a ser concebidos como espectáculos de televisão ou redes sociais.

O anestésico tem uma componente fácil de identificar: o ensino das ciências tem servido para divulgar receituários técnico-profissionais ao serviço do projecto imperial de exploração da Terra, em vez de enfatizar os aspectos abolicionistas das ciências, nomeadamente contra os dogmas religiosos ou ideológicos, na denúncia do aquecimento global, da extinção das espécies, dos genocídios fabricados pelos impérios. A educação proporcionada pelos estados hierarquiza e especializa cada pessoa para a tornar um indivíduo políticamente irresponsável (a não ser quando eventualmente vai às urnas votar), necessitado de um empregador parceiro da exploração da Terra. Tal educação é anestesiante, paralisante, suicidária.

O que fazer? A libertação social das camisas de força que tornaram a humanidade a sua pior inimiga passa por reprimir as ideias mágicas punitivas, como as do uso da violência para educar crianças, mulheres, pessoas com orientações de vida que nos incomodam, estados declarados inimigos pelas nossas elites. Jamais as punições fizeram outra coisa do que perpetuar e multiplicar os problemas, pela singela razão de a concentração em punir dispersa a atenção dos problemas e, portanto, nada resolve. Podem substituir-se as tendências punitivas, a abolir, por declarações fundamentadas e cientificamente informadas de confiança mútua entre todos os seres humanos, com vista a construir juntos um futuro de esperança.

Édipo e Antigona em Tebas, durante a praga (Hillemacher)

Não se trata de desenvolver platonicamente uma dualidade moral simplista. Trata-se de criar práticas políticas que admitam a possibilidade de as pessoas comuns poderem escolher, aprender e experimentar comportarem-se como melhor entenderem, nomeadamente reagindo contra as noções erradas sobre ciência que se ensinam nas escolas e universidades. Não nos caberá mais seguir meras receitas tecno-profissionais. Caber-nos-á aprender a oferecer a todos e a cada um a liberdade responsabilizante de fazer diferente do que a normalidade a que doentiamente aspiramos hoje. A ciência depende da liberdade de questionar as autoridades, e não é segui-las.

O rendimento básico incondicional de todos para todos, RBI TT, tão independente quanto possível dos estados e dos mercados, é um instrumento financeiro que todos podemos oferecer a nós mesmos para nos libertarmos dos (muitos) trabalhos usados para nos entorpecer, entorpecendo os outros, autorizando todos e cada um a procurar o melhor que há nas sociedades humanas.

A fixação de muitos de nós em recusar confiar nos outros, porque não confiamos em nós, por exemplo, perguntando “quem iria trabalhar se não fosse obrigado a isso”, é exactamente aquilo que sinaliza a nossa dogmática aceitação da mágica punitiva, que só se trabalha sob ameaça de fome e exclusão social. Ter a coragem de nos libertarmos colectivamente, admitindo e promovendo activamente o RBI TT é, em si mesmo, um acto de libertação que pode dar frutos, assim toda uma sociedade se possa libertar e, assim, procurar novos caminhos em solidariedade entre as pessoas, incluindo uma nova consciência que abula a absurda convicção de a Terra ser nossa inimiga e, por isso, mereça ser violada, explorada, destruída.

Fabricar a esperança

Mastigado, este livro dá-me, dá alegria de viver.

É um livro que propõe um caminho abolicionista para produzir esperança.

Abolicionista significa ser capaz de dar prioridade à procura de bem-estar das pessoas, e do próprio, em vez de à entrega do indivíduo socialmente produzido em nós para servir a sedução e as ambições de poderes profissionais. Quando as organizações não produzem o bem-estar de que se está à espera, o abolicionismo não culpa as vítimas. Ao invés, coloca de imediato em cima da mesa as possibilidades de melhorar as instituições em função da experiência do desempenho das organizações que deviam cumprir as finalidades desejadas.

Os poderes instituídos, claro, usam todos os seus recursos para dissimular a existência de ideias e propostas abolicionistas, nomeadamente alheando-as das discussões políticas, remetendo-as para áreas de debate higienizados por cercos de desprestígio politicamente organizados por escolas, universidades, comunicação social, e, quando ganham dinâmica, são reprimidas por forças de segurança.

Alimentar e guiar a esperança

Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico é um livro para mastigar as responsabilidades individuais e colectivas das gerações mais educadas de sempre no acumular de pragas do Egipto: aquecimento global, marginalização do estado de direito, guerra de civilizações, violação intencional dos direitos humanos pelos estados, falência das finanças globalizadas, retorno às políticas fascizantes, pandemias, inércia política e social, falência da produção de esperança, êxtase social e político perante o punitivismo sacrificial.

A esperança na ciência é aquela a que o autor recorre. Identifica as políticas científicas imperialistas e os seus gestores como fontes da censura ao estudo de panos de fundo, de substractos universais (Schofield, 2018). A exploração da ciência reduziu-a a ciência centrípeta, mais disciplinar que científica, limitando o alcance e o impacto da ciência centrífuga. Esta última supera as dificuldades cartesianas encontradas na prática das interdisciplinaridades. Usa conceitos capazes de serem utilizados, ao mesmo tempo, a todos os níveis de realidade e em todas as esferas de actividade.

Exemplos desses conceitos são referidos no livro: panos de fundo são ecocídio, identidade, violência, estados de espírito. Exemplos destes últimos são espírito imperial, espírito científico, espírito profissional, espírito da língua. O uso de todas as possibilidades destes conceitos, que atravessam as fronteiras institucionalmente muralhadas das ciências naturais e das ciências sociais, e das diferentes disciplinas e subdisciplinas, confronta-se e dá visibilidade às funções defensivas, censórias, anti sociais, de organizações que prejudicam o bem-estar das pessoas e da vida na Terra, para as explorar com vista à manutenção de hierarquias e modos de acumulação de riqueza (Pistor, 2019; Woodiwiss, 2005) que envergonham. Por isso, poder e riqueza servem para ser expostos e, ao mesmo tempo, são escamoteados. Distorcidos (Clark, 2014) para que possam ser aceites, apesar das evidências dos males produzidos (Markovits, 2019).

Mastigar este livro é um acto de produção de esperança, para o autor e para os leitores dispostos a mastigá-lo. Fazê-lo é uma forma de nos abrirmos a novas possibilidades institucionais, no estado, nas escolas e nas universidades, na ciência, nas profissões, no trabalho e na família, e de descobrir o que fazer, só ou acompanhado, para resgatar a esperança das pessoas neste mundo de indivíduos.

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.