Identificar os problemas

A razão imperial: cognição discriminatória, estruturas elitistas e sacrificiais, e segredos sociais escamoteados

As pessoas autistas, como as surdas, usam o cérebro e pensam de modo mais imagético que palavroso. Na verdade, por exemplo, os músicos também pensam de modo não verbal. Pensam através dos sons. Os artistas reclamam muitas vezes da incompreensão dos seus pais e cuidadores que criam obstáculos à sua procura de encontrar um modo de vida compatível como as suas inclinações, eventualmente naturais, espontâneas. Temem a exclusão social a que sabem serem tradicionalmente votadas as pessoas diferentes.

As sociedades modernas desenvolveram retóricas integrativas queixosas das limitações estruturais que frustram e reproduzem as tentativas de integração de facto. À margem do espírito competitivo e explorador do homo rationalis ou homo economicus há os efeitos colaterais da competição e da exploração. Nessa parte obscurecida da vida jazem os que nunca tiveram possibilidade de serem tratados como humanos pela sociedade.

O continuo que liga os momentos de glória à miséria mais vergonhosa conhece um ponto zero, em que o positivo e o negativo, a humanidade e a natureza, não se tocam, viram as costas. A ruptura civilizacional da humanidade com a natureza é obra de impérios que divinizaram as suas elites. Para poderem manter essa posição, as elites tiveram de se proteger atrás de estados armados e vingativos contra toda a denúncia de sacrilégio. Fizeram-no criando saberes oficiais e lutando para os tornar superiores, divinos, inatingíveis como as torres de marfim. Fizeram-no modernamente, radicalmente, à custa da redução da diversidade de pensar. A modernidade normalizou não apenas as medidas padrão, mas também o pensamento, também conhecido por pensamento único.

O discurso único, a impotência da crítica, as reacções de ódio, na política, nas universidades e na ciência, na ideologia, são macro resultados, emergências, consequências, de uma civilização milenar. A modernidade teve condições de acelerar, incorporar e democratizar esse pensamento-discurso através da escolarização e da mobilização profissionalizante das ciências. Faz questão de produzir e reproduzir tanto quanto pode linguagens e pensamentos oficiais, a pretexto de isso ser mais eficaz para a coordenação das actividades económicas e de estado para fins de exploração intensiva. Exploração insustentável da Terra e dos seus recursos, incluindo a redução dos humanos a recursos humanos.

A procura da razão, no singular, como a normalizada pela escolaridade, além de conhecimentos produz a arrogância socialmente partilhada coercivamente de considerar um tipo de uso da mente, o uso linguístico erudito e de sotaque correcto, escamoteando a existência de outras formas de pensar e existir. Escamoteando a existência de outras civilizações que criam imaginários distintos que fazem das vidas humanas outras potencialidades.

A razão imperial caracteriza-se por usar a mente e as linguagens como formas de discriminação hierarquizada, em que a valorização de um modo de estar implica, sem se compadecer, com a exclusão ou mesmo anulação das pessoas com outros modos de estar. Produz activamente a redução e a ostracização social de muitas das potencialidades do cérebro, concentrando-as nalgumas competências consideradas úteis, postas ao serviço da competição para servir os propósitos organizados e autorizados da exploração da Terra.

A razão imperial aprendeu a reclamar prioridade à eficácia utilitária, orientada de forma unitária, por concertação entre elites, produzindo sombras impenetráveis sobre os lixos, desperdícios, contaminações, exclusões, sabedorias, tratando-os como efeitos colaterais, restos da actividade imperial, custos talvez infelizes, mas necessários, da aquisição de certezas que potenciam a redução das angústias sociais à custa de depressões individuais.

Representação do olhar sociológico: só é visível a sociedade “de cima” (Fonte: Marginality, ethnicity and penality in the neoliberal city, 2014)

Na verdade, as angústias sociais são reduzidas, pela razão imperial, a angústias íntimas, a emoções perturbadoras, a fraquezas individuais a escamotear e ultrapassar para se vencer na vida e não ter problemas com a integração social ou a justiça.

Os autistas são reduzidos a doentes, os surdos a deficientes, os sociopatas a administradores de sucesso, os músicos a artistas. Estas e muitas mais discriminações, todas escamoteadas e ausentes das nossas consciências concentradas em reprimir todas as tendências que possam suscitar desaprovação oficial, escolar, profissional, tornam a igualdade de oportunidades um desejo pragmaticamente irrealista.

O lado social e mental obscurecido pela razão oficial tem um aspecto jurídico. Tem instituições cuja missão é reprimir activa e imoralmente, secreta e visivelmente, as vítimas dos efeitos colaterais da razão. Desviam as atenções sociais do escrutínio dessa razão, da responsabilidade pelos actos sociais que as produzem. De esse conjunto de instituições articuladas em sistema, ao estilo imperial, uma encobre todas as outras: a prisão.

A prisão, a culpa individual por não se ter conformado com as leis racionais, esconde a hierarquização social que produz impunidade, de um lado, e criação de bodes expiatórios, do outro lado. Pessoas que tenham condições materiais e cognitivas para usar os direitos dos arguidos e as protecções sociais previstas na lei, são punidas em última instância. Em contraste, as pessoas a que os técnicos de integração social chamam pré-delinquentes não têm recursos: são parte de grupos socialmente destinados a uma vida de sacrifício que começa nos maus-tratos e abandono em criança, no insucesso escolar, passa geralmente pela institucionalização e serve em jovem e adulto, por gerações sucessivas, como presidiário ou prostituta, no mesmo sentido que os imigrantes são pré-destinados a servir na construção civil e nas limpezas. Os imigrantes que servem como escravos de trabalho ou sexuais são classificados, muitas vezes, sob a designação de tráfico humano.

Felizmente há quem consiga escapar a tais destinos miseráveis e infelizmente também há crianças nascidas em famílias de classes altas que são mal-tratadas. Porém, em termos da estrutura social, o sistema de produção social de dejectos humanos, tratados como naturais, efeitos colaterais da produção democratizada de cidadãos e cidadãs, não para.

As teorias sociais escamoteiam a existência de tais dejectos, de facto repugnantes e ameaçadores. As “bagatelas penais” ocupam as polícias, os serviços de auditoria social e de reintegração social, os tribunais, as prisões de menores, de jovens e de adultos. A população reclusa, e os seus familiares e amigos que fazem visitas às prisões, são a prova disso. Da mesma forma que a classificação oficial de profissões não prevê a existência da mais velha profissão do mundo e dos que dela vivem, as teorias sociais também não têm nome para atribuir ao grupo social que se reproduz para servir as sociedades modernas como bode expiatório penalmente estigmatizado. Confunde-o no magma dos pobres, um grupo social muito mais volumoso, mas socialmente integrado.

Representação das partes positiva e negativa das sociedades modernas

A dificuldade de pensar a existência deste grupo social é tal que se adopta a ideia de ser algo “fora” da sociedade. As prisões, diz-se, são sociedades à parte, mundos em que as regras sociais são outras, como mundos paralelos feitos de outras naturezas, de pessoas que não são pessoas. Mundos tão paralelos como os mundos dos artistas, ou do jet set, ou dos autistas, ou dos surdos, ou das vítimas de abusos, ou dos escravos, ou da prostituição, ou da venda de crianças, ou do insucesso escolar, ou do tráfico humano e de órgãos. Porém, as políticas de direitos humanos, por alguma razão, dão prioridade a observar o que se passa nas prisões. Os seus relatórios são respeitados, mas as suas recomendações apenas formalmente atendidas pelos estados.

O estado de direito, com todas as garantias que aprendeu a oferecer e a suscitar, só relutantemente toma formalmente conhecimento da coexistência de mundos que não cabem nas teorias racionais, como as jurídicas. Isso funciona como nas empresas, quando fazem por não conhecer o estatuto laboral dos seus trabalhadores subcontratados, como nos bancos, quando se tornam íntimos dos seus grandes devedores, como nos institutos reguladores, quando confiam nos regulados, como nos parlamentos, quando os paraísos fiscais e a corrupção se lhes apresentam como inelutáveis, etc.

A formação universitária, em que estão formados os juristas e todos os outros que estudam as diversas matérias ministradas, incluindo as científicas, sofre e reproduz a razão que tolhe arbitrária e orientadamente os submundos da nossa consciência. Desqualifica-os, remetendo-os para a zona das emoções psicologicamente perturbadoras, para as falsas percepções e evidências. É assim que ficam e estão os submundos imaginados forçadamente serem externos à sociedade, como coisa de ciganos, negros, islâmicos, brasileiros, enfim, tudo o que não se conhece bem e se evita conhecer melhor.

A ciência centrípeta, a ciência tolhida pela razão de estado moderna, recusa a possibilidade de haver ciência centrífuga, ciências abertas a outros conhecimentos, ainda que sejam outros conhecimentos científicos. A ciência centrípeta é hiperespecializada, separa as ciências naturais das ciências sociais, alegando que são partes de mundos distintos, como se as pessoas não fossem naturais, como se tivessem sido criadas por Deus à sua semelhança radicalmente divina. Os cientistas sociais que notam a desumanidade das teorias sociais tendem a reclamar para si, no aspecto de género, de raça, de não europeu, de crítico, ou outros, o direito à integração no espectro oficial da ciência centrípeta.

Para as ciências centrífugas que se fazem está reservado o silêncio da inconsciência resultante do bloqueio institucional promovido pelos constrangimentos hierárquicos controlados pelos mecanismos de financiamento e avaliação vigentes.

Tal como acontece com os autistas, os surdos, os artistas, as prisões, apesar das críticas e denúncias arrasadoras e evidentes de injustiça, também na ciência, as estruturas institucionais se mantêm a funcionar. A ciência centrípeta expulsa a ciência centrífuga a pretexto de pensar diferente, de ser perigosa para a manutenção dos privilégios institucionais da ciência ao serviço do complexo industrial-militar-tecno-científico global.

As sociedades modernas, educadas no espírito imperial, concentradas em competir para escapar individualmente da natureza e das outras civilizações a ela equiparadas, confrontam-se com o insustentável lixo que produzem. Reagem com a razão que lhes resta, aumentando a produção de lixo e escamoteando como podem os sacrifícios por que passam, remetendo-os para os bodes expiatórios produzidos industrialmente.

A luta contra a expulsão de CO2 para a atmosfera deveria ser, interseccionalmente, alinhada com a luta pelo respeito dos povos e das civilizações vítimas de genocídio, e pelos direitos humanos dos grupos sociais que servem de bodes expiatórios.

Alternativas e perguntas incertas

A educação familiar, escolar e profissional, e a ciência centrípeta, reclamam alternativas: querem que tudo fique na mesma.

A educação e a ciência centrípeta fazem querer às pessoas modernas, integradas ou não, que não há alternativas fora da experiência de conformidade. Perante as críticas ecológicas ou económicas, por exemplo, reclamam alternativas. Nada é perfeito, claro. As alternativas podem existir, com certeza. A responsabilidade de provar que há alternativas viáveis e de baixo custo para ultrapassar as críticas é dos partidários das críticas, os ecologistas ou os economistas alternativos, participando nos debates sociais e políticos pós-modernos e das redes sociais. Entretanto, toda a sociedade continua a fazer aquilo que faz e que está sujeito a críticas de ecocídio a um ritmo crescente, enquanto os alternativos reclamam críticas cujas consequências são democraticamente integradas nos projectos dominantes.

As alternativas suscitadas e praticadas por pessoas a quem a manutenção da modernidade exige que sejam excluídas, como é o caso dos ameríndios, entre outros, são estigmatizadas e desqualificadas dos debates modernos – incluindo a cobertura tácita da continuação dos genocídios seculares, como se isso não se tivesse passado e não se continue a passar. As alegações são racistas, de que tais alternativas veem do passado e nos remetem ao passado, de povos primitivos, como se o presente e o futuro modernos fossem auspiciosos.   

Como vítimas cúmplices, as pessoas educadas alegam os avanços científicos, incluindo os sanitários, para recusar tomar em consideração orientações sociais apresentadas como não miscíveis com os valores modernos, por um lado, e irremediavelmente associadas à vida primitiva, antiga, pré-moderna.

Quando se diz que as práticas penais são contraproducentes, que a exploração da Terra e dos seus recursos tem necessariamente limites, que estamos a arriscar catastróficos pontos de não retorno ambientais, que o ódio na política está em crescendo, então abrem-se espaços para as alternativas à prisão, para práticas de cuidados da Terra, terapêuticos e laborais, para observatórios do meio ambiente, para estudos sobre as bases sociais da extrema-direita. Quando se percebe que a educação e a ciência criam problemas suplementares à vida das pessoas, como as atingidas pelo insucesso escolar ou as que não podem pagar vacinas, criam-se sistemas educativos para reeducação e suspendem-se temporariamente as patentes sobre as vacinas.

Os críticos são reconduzidos e reduzidos à civilização, sem discussão.

– Parabéns, a crítica é parte importante da modernidade. Esta crítica está muito bem feita. Para encurtar razões, se tivesse de resumir a crítica para leigos e, ao mesmo tempo, avançar com uma alternativa (onde metemos os criminosos se não for na prisão? Como sobreviveremos, sobretudo os quase 8 mil milhões de humanos, sem explorar a Terra? Como sabemos quais serão as dinâmicas ambientais da Terra, independentemente a nossa influência? Como suspender a liberdade dos eleitores da extrema-direita e manter a democracia?) o que responderia?  

A educação em ciência centrípeta é moralista, autoritária, conspirativa e hiperespecializada. As escolas ensinam o afecto à ciência, a quem devemos a possibilidade de aplicações, as tecnologias, os usos que facilitam a exploração da Terra e a possibilidade de vivermos todos como beneficiários das últimas descobertas e invenções. A ciência centrípeta é ensinada como um excelente, misterioso, insondável receituário de soluções práticas para todo o tipo de problemas. Esta ciência exige a autoridade profissional. Exige a disponibilidade de quem seja formado numa qualquer especialização servir incondicionalmente o cliente, isto é, quem tenha uma necessidade de usar os serviços profissionais e dinheiro suficiente para os pagar. Todos devemos ser profissionais de alguma coisa e todos somos clientes de todos os outros serviços de que precisamos para viver. Todos estamos, portanto, dependentes dos rendimentos que possamos obter pelos nossos serviços e, então, do valor relativo que a sociedade atribui em cada momento a cada especialização profissional. As conspirações corporativas e profissionais fazem lobby para ganhar peso relativo junto de quem decide as políticas gerais com influência nos rendimentos e preços.

As alternativas à educação e à ciência não estão em cima da mesa. Pelo contrário, a escolarização e a ciência, reformadas ou não, são apresentadas como instâncias morais de fim de linha, mas de longo prazo, mesmo para os mais críticos da situação. Educação e ciência são, na mentalidade moderna actual, as instituições ao mesmo tempo alternativas e base da situação e do futuro. São os lugares onde os debates são transformados em autoridade, as dúvidas em certezas, as inquietações em submissão, as alternativas em mais do mesmo.

As gerações mais ecológicas e educadas de sempre são as que estão a viver a confluência das crises sectoriais, financeiras, bélicas, ambientais, pandémicas, de refugiados e migrações, de pobreza, nacionalistas, que convergem para uma transformação civilizacional a que se resiste reduzindo a liberdades de afirmação das alternativas, em nome da civilização agonizante.

As alternativas à educação e à ciência deveriam estar em cima da mesa, precisamente por os resultados homeopáticos esperados dessas instituições orientadoras da acção social não estarem a dar os resultados esperados e prometidos.

A ciência centrífuga existe e é mesmo indispensável às práticas científicas. As ciências fundamentais, a transdisciplinaridade, a multidisciplinaridade, a interseccionalidade, as teorias holistas, os estudos conceptuais, são exigências alternativas à ciência centrípeta. Ao romper com a hiperespecialização e com a moral dominante (como a superioridade do ser humano face à natureza, ou da mente em relação ao corpo, por exemplo), há cientistas a desafiar as autoridades científicas e políticas, financiadoras e avaliadoras de ciência. Porém, a máquina global organizada para tirar proveito da ciência, a tecnociência, para assegurar que qualquer descoberta possa ser rentabilizada tão depressa quanto possível, nomeadamente sob a forma de patentes e outros direitos de propriedade intelectual, produzem efeitos de conspiração que isolam os inovadores, por vontade própria ou por efeito do aproveitamento de terceiros capazes de usar as inovações para fins de enriquecimento pessoal e profissional.

Nestas condições, a ciência centrífuga, a ciência que não é moralista, autoritária, conspirativa e hiperespecializada, é feita em nichos científicos de excelência ou medíocres, em qualquer caso cercados por todos os lados. Prova disso são as práticas educativas, fechadas nas escolas. Apresentam a ciência como soluções para problemas. Esquecem e ignoram as vidas pessoais e sociais que validaram e invalidaram a possibilidade de transmissão dos problemas por resolver, durante muitos anos. Esquecem e ignoram as vidas pessoais e sociais que pensaram soluções para tais problemas e procuraram condições para as testar e validar.  

O que se ensina é a parte centrípeta das ciências. Os exercícios de ciência centrífuga são praticamente incompatíveis com os funcionamentos em plataforma que são usados em educação, oferecendo o palco aos professores e a plateia mais ou menos receptiva aos alunos. Os testes e outras avaliações de conhecimentos valorizam as respostas certas e não as perguntas incertas.    

Segredos sociais e substractos universais

A experiência revela competição entre pares para adoptar o conformismo, também nas ciências. Embora o espírito crítico e a transdisciplinaridade continuem a ser propósitos formalmente prioritários, as organizações, os financiamentos, as avaliações da ciência contradizem tais prioridades, favorecendo a hiperespecialização utilitária e desqualificando a inovação teórica fundamental.

A tensão criada pela necessidade de procurar a superioridade pessoal competitiva é administrada pelas escolas, incorporando o critério meritocrático nos estudantes bem e mal-sucedidos, isto é, o desejo de imitar e servir as elites. A miséria e a opressão são legitimadas pela culpabilização das vítimas, a par do alegado esforço institucional das escolas, e dos estados, em assegurar igualdade de oportunidades, apesar desta não se confirmar na prática.

A ciência, a escola, o aspecto social dos estados do pós-guerra, dividem-se entre as retóricas institucionais, esgrimidas na comunicação social pelos administradores ou seus representantes, e as práticas organizacionais informais, mais ou menos corruptas e criminosas, que não correspondem ao desenho ideal de finalidades e funcionamentos.

Depois de tudo o que é dito e feito, mais é dito do que feito

Esopo, fabulista na Grécia Antiga

Esta diferença abissal entre instituições (ditas) e organizações (feitas) não resulta do capitalismo. Resulta da democratização do espírito imperial pelos estados sociais e pelas escolas, incluindo as ciências naturais e sociais.

Reconhecê-lo, organizar a procura das verdades (gerais, políticas) encobertas pelos segredos sociais (especializados, tácitos) que se produzem nesse abismo é uma tarefa emancipadora, no mesmo sentido que reconhecer um problema de adicção é indispensável para poder avançar para tratamento.   

Exemplo de um desses segredos a estudar e revelar é a relação conceptual entre capitalismo e império, como se este resultasse do primeiro, o que evidentemente é falso.