Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Por negligência minha, apenas descobri a existência de José Pereira Bastos durante a pandemia. Ouvi-o dizer o que aprendi ser impossível dizer sem atrair a atenção do inimigo que vigia as universidades. Professor universitário, antropólogo psicanalista, situava-se em campo oposto ao meu, sociólogo abolicionista, escapando, porém, na mesma direcção que eu: escapava da “consciência disciplinar” e eu da identidade profissional (é a mesma coisa com nomes diferentes). Produzia uma teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades com base no estudo do Freud completo, isto é, aquele que além de clínico também era sociólogo crítico, o Freud do Mal-estar da Civilização.

Tinha mais treze anos que eu. Começou a estudar quando eu entrava para a primária. Percorreu vários lugares na universidade à procura do seu lugar em faculdades também à descoberta dos seus lugares. Orientou-se a si próprio, como acontecia então, em função das oportunidades. Teve a coragem de deixar escrito ter sido alvo de “em claro bloqueio departamental do exercício da minha formação de antropólogo” (Bastos, 2014: 347): sentiu a disciplina na pele. É o que acontece a quem é apanhado em fuga: é posto de castigo, na esperança que possa aprender e ser reintegrado. Pereira Bastos não aprendeu.

“Neste momento, não encontro espaço de publicação para artigos (como este (Bastos, 2020)) e para livros que tenho disponíveis.” De momento há “dois livros de ruptura académica que tenho em curso”, escreveu-me por email em 25 de Maio de 2020. Veio a falecer a 20 de Março

de 2021, dia do meu 65º aniversário, com 78 anos. Na quarta feira seguinte sairia da gráfica o livro a que, juntamente com o que publiquei em 2020, gostaria de poder dizer ser uma manifestação de ruptura académica (Dores, 2021). Nunca saberei se estaria de acordo comigo. Mas já sabia que estava disposto a abrir-se a uma colaboração a descobrir.

Nunca estive pessoalmente com José Pereira Bastos. Conheço-o de fotografias e dos registos do Youtube. O seu desaparecimento abalou-me como se tivesse desaparecido um amigo, que o era. Um irmão de armas da academia contra a academia, em busca da liberdade para si e para os outros. Em sua memória, comecei a ler o Freud sociólogo-antropólogo que ele conheceu como mestre.

Por vezes penso como tenho desperdiçado a minha vida. Para me consolar, logo me lembro que não participar em práticas sociais nefastas, não contribuir para o mal-estar da civilização, já é, em si mesmo, algo positivo. Mas como me perdoar ter passado ao lado deste obreiro – a obra vou estudá-la e recomendá-la a partir de agora. Na verdade, como teria capacidade para compreender a importância da obra de Pereira Bastos antes de eu próprio, preso ainda à minha disciplina, vizinha da suam e por isso tão afastada e incomunicante, ter encontrado um caminho de fuga? Fica-me a responsabilidade de lhe mostrar que George H. Mead não era um mero filósofo sem estofo intelectual para competir com a sabedoria de Freud: era também um investigador da teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades. Mas nunca saberei se isso poderia servir, como me serviu a mim, assumindo-me como discípulo de Mead, para explicar a necessidade e as vantagens de ruptura com a academia.  

Referências:

Bastos, J. G. P. (2014). Da investigação por objetivos à antropologia dos processos identitários: um ponto de vista transdisciplinar e integrativo. Etnográfica, 18(2). https://doi.org/10.4000/etnografica.3718

Bastos, J. G. P. (2020). «The Hidden Meanings of Culture, Ethnicity and Identity»: Anthropology from a Divergent Point-of-View. In «In Search of Hidden Meanings»: Identity Processes and Strategies from a triple point-of-view. Amazon.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

A ciência e o Sr. Gates

David Christian é um historiador fundador e animador da Big History. Trata-se de uma história holista, que integra a humanidade na vida na Terra e esta no sistema solar, entre muitos outros sistemas solares gerados num universo com história comum.

Christian era especialista em história da Rússia, até que, em 1989, a queda do muro de Berlim anunciou o fim da União Soviética. Com a situação inesperada de passar a haver apenas uma superpotência no mundo, o historiador dedicou-se à Big History. Em 2011, Bill Gates anunciou que passava a financiar o projecto de lançar globalmente essa disciplina com vista a educar as novas gerações a pretexto de as preparar para enfrentar as consequências das mudanças climáticas.

Dia 2 de Fevereiro de 2021, Christian foi o primeiro convidado de Frontiers, uma plataforma global de revistas e artigos científicos opensource que anuncia mobilizar milhares de investigadores no mundo inteiro durante uma hora, entre eles o autor destas linhas. Tema: Equipping our children to manage a planet, como educar as gerações que agora estão a nascer a gerir um planeta que, tal como avisaram os cientistas dos anos 60 e 70, está a entrar no Antropoceno, na ameaçadora idade geológica de que os seres humanos são protagonistas e vítimas?

A proposta de Christian foi surpreendentemente simples e vaga: substituir a fé nas narrativas criacionistas dominantes, produzidas e divulgadas pelas religiões, pela experiência de partilhar a autoridade de uma narrativa alternativa a produzir com base na ciência. Parece uma versão da cientologia ou do mais antigo projecto de Augusto Comte.

Como se produziria essa tarefa de inculcação de substituição da religião pela ciência? Inscrevendo na mente de todas as pessoas escolarizadas, virtualmente toda a gente, o relato fascinante desenvolvido pelo historiador na sua Big History que tanto entusiasmou Gates: 14 mil milhões de anos da história do universo, das estrelas, dos planetas, da química do carbono e do oxigénio, da vida, da humanidade, baseada no encaixe sucessivo das visões dominantes de várias ciências que tratam dos diferentes níveis de realidade, desde a cosmologia até à ecologia, passando pelas astronomia e geologia, virtualmente todas as disciplinas.

Mostrou-se optimista: disse que a maneira como o mundo está a tratar da pandemia CIVID-19 mostra que há preocupações em trazer todos os países para a vacinação, que há uma perspectiva planetária da necessidade da acção. Acrescentou que também na exploração de Marte existe cooperação internacional, apesar dos riscos de uma guerra nuclear poder explodir com o planeta a qualquer momento serem reais. A sua proposta é a realização de um acordo global sobre a pertinência de oferecer no ensino obrigatório a Big History para unificar todas as culturas numa base comum: as conquistas cognitivas da ciência.

Confrontado com a questão das desigualdades sociais e da produção de igualdade de oportunidades, central para as preocupações educativas, Christian reconheceu não ter resposta pronta sobre o assunto. Uma socióloga convidada a falar mostrou-se entusiasmada com a ideia de passar a palavra. Explicou que tinha uma pretensão semelhante: entendia, porém, que o que faltava também na educação era papeis sociais modelos que pudessem orientar as crianças e os jovens para finalidades de vida e de comportamento melhores, dizendo que estava disponível e interessada em integrar o projecto transdisciplinar e global de educar as novas gerações. Christian explicou-lhe secamente que isso é um outro projecto.

O promotor da transdisciplinaridade científica para revitalizar a educação global através da introdução de uma disciplina como a Big History não se referiu ao Anthropocene turn, ao planetary social thought, às actividades científicas marginais, como a sua, que propõem alargar os horizontes da hiperespecialização dominante. Os valores institucionais dos sistemas de educação não lhe parecem prioritários para discutir. Entendeu a oferta de colaboração interdisciplinar como “um outro projecto” especializado.

Homem do seu tempo, David Christian procura abrir os horizontes do conhecimento ao infinito e, com a ajuda de Bill Gates, levar os resultados desse trabalho a todo o mundo. Pratica a ciência de projectos avaliados por provas de sucesso no desempenho mediático, performativo, e não a ciência de Comte ou de Humboldt. Como outros autores que manifestam o desejo de concretização de práticas trans ou multidisciplinares, que praticam nos seus trabalhos, não se refere aos constrangimentos institucionais que fazem práticas marginais à hiperespecialização dominante. Os equilíbrios precários e conjunturais que permitem a emergência de perspectivas abertas de organizar o pensamento são protegidas pelos seus promotores dentro do sistema científico que as torna especialmente valiosas, por serem raras.    

Em termos práticos, Christian ou não tem autorização do seu patrono de uma década de integrar colegas na dinâmica que diz ser recomendável de reformular a educação ou a sua proposta serve sobretudo de propaganda, sem perspectiva de transformação da ciência e da educação. Foi ele mesmo que respondeu que a desigualdade social era um problema para o qual não tinha resposta pronta e que alargar a parcerias o seu projecto era praticamente impossível.  

O sr. Gates é um conhecido monopolista da indústria electrónica que se reposicionou como filantropo partidário da ciência e da globalização que gosta de avisar o mundo sobre os desafios a diante. “Mudar o nível de vida dos países ricos não resolve as alterações climáticas” terá sido a principal mensagem que deixou aos jornalistas que o entrevistaram no início do ano 2021. Está preocupado com a possibilidade de, à saída da pandemia, com as preocupações ambientais no topo da agenda, em concurso com a agenda eletrónica e belicista, haja quem imagine que a culpa é dos ricos, países ricos disse ele. Alvo predileto de teorias da conspiração a respeito das vacinas e da monopolização do mundo pelas Big Pharma, Big Tech, Big Agro Business, o filantropo Gates precisa de se apresentar ao mundo de uma forma positiva. A promoção da ciência e a reforma do ensino globais são, portanto, duas peças no seu império industrial-filantrópico. Beneficia da esperança acrítica de que ciência e escolarização beneficiam hoje no mundo.

É natural que os patronos sejam mencionados como patronos das conferências e dos conferencistas, no rodapé dos slides e da publicidade institucional. Não é comum (irá passar a ser?) o destaque dado à figura do sr. Bill Gates, no meio da intervenção científica. Um slide inteiro, entre o início do universo e a adaptação humana à pandemia e ao aquecimento global, mostrava o sorriso do patrocinador. Fonte do sucesso de Christian, que ele não quer ou não pode partilhar.  

A Big History, neste enquadramento, deixa de ser uma ideia para rejuvenescer a ciência, um reforço da espontânea curiosidade humana como base da esperança de libertação dos constrangimentos que a humanidade vive actualmente, e torna-se um produto científico a vender como disciplina prefabricada a todos os sistemas de ensino do mundo, com o patrocínio filantrópico do sr. Gates.