Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

As teorias económicas da exploração fixaram-se na relação entre patrões e trabalhadores. Secundarizaram o industrialismo, a aliança entre patrões e trabalhadores na exploração da Terra e dos seus recursos. Dito de outra maneira, colocaram noutro lado e noutro tempo a acumulação primitiva, a violência dos genocídios e dos roubos com que a civilização ocidental continua, há mais de meio milénio, o seu plano global suicidário.

Em termos práticos, é a falsa consciência a razão estrutural que impede uma reacção da espécie humana à constatação das evidências que confirmam as teses científicas da nossa contribuição, como espécie, para aumentar e acelerar o aquecimento global, a extinção das espécies, os riscos de despoletar ciclos de retroacção irreversíveis e catastróficos para a vida de grande parte da humanidade. Essa falsa consciência a) reduz a civilização – tida como espontaneamente boa – ao motor da luta de classes nos países enriquecidos à custa do assalto industrial aos recursos do planeta, b) inibe o pensamento holista e histórico, pois c) este facilmente detecta ser o projecto imperial, formado na revolução axial assinalada por Karl Jasper (Eisenstadt, 2008), ser o espírito imperial paulatinamente democratizado, imitado e dominante na própria ciência, o motor do suicídio civilizacional em curso, perante a nossa impotência, quais vítimas-cúmplices.

O optimismo político ancora-se na sorte inspirada na Fé cristã, convertida pelo Império, que organizou a sobrevivência do espírito imperial sem império, após a decadência de Roma. Assumido pela Igreja Católica e pelos aristocratas medievais, concretizado de forma espectacular pelos Descobrimentos e pela Renascença, o optimismo que sustenta os poderosos como representantes dos interesses das elites revela-se suicidário. Como têm vindo a persistir outras civilizações mais sábias (Seattle, 1855), a pequenez moral cartesiana de reduzir o mundo à propriedade parcelar reduz as nossas responsabilidades cósmicas a um dualismo local, interior, doméstico. As lutas de classes e a pobreza, as solidariedades nacionais e os seus inimigos imaginários, a misoginia cultural que faz das famílias o locus das maiores e mais profundas violências como estímulo justificativo dos sacrifícios dos exploradores, numa frase, o espírito imperial é uma estupidez altamente destrutiva.

Os planos dualistas e optimistas típicos desse estado de espírito, quais profecias que eventualmente se auto-realizam, fundados nas estratégias militares que surpreenderam o mundo a partir do século XIV, deixaram sem reacção os alegados inimigos da cristandade, como os muçulmanos, os judeus, os nómadas das estepes, os chineses, os africanos, os trabalhadores europeus, e depois os russos comunistas, os trabalhadores de qualquer parte do mundo e tantos outros. A sedução optimista estimulada pelas sucessivas vitórias bélicas e pela violência (síndrome de Estocolmo) é tão poderosa que quando os poderosos locais são convidados a servir as elites imperiais como forma de participação no seu séquito e nas suas cortes, como seus servos, há sempre quem se dispõe a assumir o risco imperial: tratar como inimigo quem se lhe oponha, George W. Bush dixit. (Varoufakis (2017) descreve reuniões recentes de poderosos ao serviço das elites, no quadro da União Europeia). Comunistas e movimentos de libertação que derrotaram os impérios capitalistas no século XX fizeram-no imitando a cultura imperial dos derrotados, tornando-se poderosos servidores das elites. Assim, a velha profecia que se auto-realiza, o império sem alternativa, voltou a fazer história com a globalização.

As intenções declaradas nas promessas e nos planos, sinceras ou encenadas, são cortinas de fumo explicadas como forma de reverter aquilo que é a lógica imperial. Por exemplo, as intenções de erradicar a pobreza vão-se perpetuando, fazendo-as depender do desenvolvimento, isto é, dos vícios de acumulação de riqueza e poder das elites. O mesmo se aplica à economia verde e ao resto, incluindo aos benefícios da educação e da ciência, também eles dependentes de serem úteis para os processos de profissionalização e de exploração da Terra e do universo. A geração mais bem formada de sempre, como notou Greta Thunberg acompanhada por milhões de juvenis por todo o mundo, sente-se impotente para defender a qualidade da sua vida e não sentem as escolas como suas aliadas.

Alexandre, o Grande

O espírito imperial foi experimentado primeiro e testado na prática há milhares de anos. Teve o sucesso conhecido com Alexandre o Grande e alguns outros desde então. É uma forma de se equilibrar como humano, de dar sentido à vida, de se identificar com o cosmos, indispensável para cada pessoa (Virno, 2014). Esse estado de espírito caracteriza-se por mobilizar dialogicamente as discriminações sociais mais presentes e fortes para montar, sobre elas, um andaime cartesiano capaz de elevar as elites para longe: para um mundo encenado onde os conflitos sociais sublimam tanto os conflitos entre os populares como os conflitos entre as elites. Pensar o poder, como explicou Maquiavel, é estar preparado para ultrapassar as barreiras emocionais de repugnância espontânea nas pessoas quando confrontadas com a possibilidade de exercício da violência (Collins, 2008). Isso é incómodo para as elites modernas, que a pouco e pouco se passaram do lado dos espetaculares aristocratas medievais para o lado das mais discretas pessoas de méritos pós-modernos, protegidas pelos segredos empresariais, de estado, de justiça, militares, bancários.

Nestes últimos seis mil anos, o espírito imperial vingou onde havia gente suficientemente desesperada com a vida para se arriscar suicidar em nome do império, testando-o sob a forma de ordálio auto-punitivo. Há quem diga que as posições de direcção imperial reclamam estados mentais sociopatas. Seja como for, a separação entre as elites e os poderosos, a começar pelos guerreiros e seus exércitos, torna suportável a vida imperial em larga escala.

De um estado de espírito, o império evoluiu para sucessivas profecias que se auto-realizaram, em função da perícia dos planos de guerra e de conquista, dos colaboracionistas locais elevados a poderosos e dos historiadores. Estes últimos construíram  e constroem as identidades sociais postiças das discretas elites, eventualmente exibidas em público, escondendo e omitindo tanto os perdedores dos jogos imperiais como, sobretudo, as lutas das vítimas esmagadas pelas máquinas imperiais, a começar pelas mulheres e crianças, os escravos, os que se sacrificam para manter civilizações anti-imperiais, como os povos ameríndios que sobreviveram aos genocídios.

Reunião do Eurogrupo

Cada vitória foi elaborada como resultado de um plano pré-definido, por Deus, por estrategas ou por tecnocratas. Sinal da graça divina, mental ou racional, cada vitória é pretexto para democratizar à força o espírito imperial. Primeiro o império criou os poderosos colaboracionistas que protegem as elites das reacções recorrentes contra os impérios e as representam nos jogos de interesses de mediação entre as diversas dinâmicas sociais em curso. À medida que os poderosos consolidaram posições foram podendo replicar o mesmo processo de delegação de competências, até que, em modernidade, ser-se trabalhador profissional (Illich, 2018) se tornou o modelo imperial de classe média promovido pelas escolas e universidades de frequência universal.

Aspirar a ser um trabalhador profissional é aspirar a ser tão poderoso quanto possível, geralmente simbolizado num salário correspondente ao mérito reconhecido pelas elites para o trabalho de micro interpretação dos interesses das elites no âmbito da actividade delegada (Foucault, 1999). As discriminações sociais espontâneas utilizadas pelo espírito imperial são agora reproduzidas industrialmente pelas escolas e universidades e pela divisão de trabalho, em termos de isolamento dos indivíduos e respectivo reagrupamento em sectores de actividade e níveis de profissionalização competindo entre si para ver quem melhor serve as elites, nomeadamente em termos de rendimento acumulado proporcionado.

As teorias do capitalismo notaram como esta lógica imperial, para se manter e reproduzir, precisa de manter a miséria de uma parte importante dos trabalhadores. De um modo mais geral, o regime sacrificial de permanente teste da justiça do programa imperial, através de sistemas de avaliação e financiamento da divisão de trabalho, das empresas, das profissões, dos trabalhadores, para se poder manter optimista e obrigar à mobilização das milhões de vítimas-cúmplices organizadas, requer um contraponto: as populações negativamente privilegiadas. Os impérios não bastam as pessoas tratadas como não sendo humanas, como as mulheres, crianças, velhos, escravos, pessoas sem autonomia, etc. Precisam também de criar, produzir, exemplos de miséria repugnante ameaçadores das vítimas-cúmplices, para o caso de desejarem deixar de ser cúmplices.

Esses exemplos são modernamente produzidos pelos estados sociais (Dores, 2020), nomeadamente através de políticas de auxílio a nações pobres, a populações socialmente discriminadas, a crianças e jovens abandonadas, sendo que dessas alguns rapazes são mostrados à sociedade como criminosos, presos, e algumas raparigas servem como prostitutas. A incorporação moderna do espírito imperial é de tal modo efectivo, que nem os movimentos de direitos humanos nem os movimentos feministas estão em condições de anunciar, sob pena de descredibilização e de ficarem sem financiamento, que os seus representados mais mal tratados são os presos e as prostitutas, a quem é oferecida a hipocritamente optimista caridade cristã, imperial, submissa e subordinante, a pena e comiseração. É oferecido aos marginais aquilo que todos e cada um dos trabalhadores mais temem – a desconsideração pessoal para a vida e também na morte.  

Este é o último post de três que começam em “Os segredos sociais

Referências:

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2020). A Estado Social Real. RCP edições.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (1999). Microfísica do Poder. Graal.

Illich, I. (2018). Para uma História das Necessidades (J. C. C. Marques (ed.)). Edições Sempre-em-pé.

Seattle, C. (1855). A Carta resposta ao Presidente dos EUA. AABB Comunidade. http://www.aabbcomunidade.com.br/wp-content/uploads/2017/02/Carta-do-Cacique-Seattle.pdf

Varoufakis, Y. (2017). Adults in the Room. Vintage Digital.

Virno, P. (2014). O animal aberto ao mundo: o chamado “mal” e a crítica do Estado. Imprópria, 4, 77–90. http://unipop.info/impropria.html

Ciências e segredos sociais – poderes e elites

As intenções e os conhecimentos, sobretudo científicos, são elaborados sobre práticas cuja totalidade escapa à melhor das intenções e dos conhecimentos, resultando daí efeitos não esperados das intenções e erros nos conhecimentos.

A confiança da modernidade nas instituições funda-se na crença da superioridade das intenções das elites e dos conhecimentos dos profissionais, por sua vez ensinados e treinados por professores cientistas. Tal confiança não esmoreceu com os erros e falsas promessas, vulgares no campo político. Ao contrário, há uma corrente de opinião que sugere que a modernidade só não funciona porque os políticos não são cientistas, não são suficientemente cognitivamente competentes para compreender o que fazer para atingir os resultados definidos. Essa corrente tornou-se predominante através do retorno do pós-guerra às ideologias meritocráticas abandonadas no tempo da aristocracia. A tecnocracia, incluindo a estigmatização dos políticos como poderosos corruptos ou ingénuos, fundada no prestígio que as ciências transferem para as profissões através das universidades de formação, substitui na moral dominante e nos lugares de governação os aristocratas de boas famílias pelos técnicos de profissões adequadas: teórica e ideologicamente o melhor que a sociedade produz.

Relação dos poderosos com as elites

Por exemplo, a ideia da esquerda quando denuncia as portas giratórias entre a política e os lugares de administração de grandes empresas privadas é a da desconfiança de a direita estar a servir-se do estado para fins económicos, para servir elites com dinheiro suficiente para comprar os poderosos que se vendem no mercado como trabalhadores de jorna melhor pagos. À direita, a versão da mesma teoria distingue a política ideológica da política de gestão; a política dos que estão ao serviço de estrangeiros inimigos da civilização – a quem não se podem confiar os segredos de estado – da política recomendada pelas instâncias aliadas, as agências internacionais e os posicionamentos imperiais do nosso lado, do lado dos bons contra os maus.

Em tempo da pandemia, a campanha presidencial centrista insistiu, contra a direita, que não há portugueses bons ou maus, puros e impuros, verdadeiros e traidores, e contra a esquerda, que o Serviço Nacional de Saúde deve continuar a abrir as portas ao sistema nacional de saúde, sentindo-se o estado na obrigação de criar as condições de privatização de parte do sector, como modo de o racionalizar.

As ciências sociais, de que a saúde pública é uma especialização, dividem-se, como o espectro político institucionalizado, em direita e esquerda; em teorias académicas, centradas em dados estatísticos, e teorias críticas, centradas na desconstrução das interpretações dominantes das estatísticas. O centro político, ou centrão, financia a institucionalização de partidos de direita e de esquerda, como ciências sociais de direita e de esquerda, de modo a polarizar as oposições e a integrá-las em vez da antiga luta de classes de rua, vivida no século XIX. O planeamento, como o orçamento de estado e das instituições de ensino e investigação, é o grande instrumento político de distribuição e de controlo da administração e das actividades científicas, a par da corrupção, isto é, o uso das avaliações de modo discricionário pelos aparelhos partidários e a cúpula do estado onde os interesses dos poderosos se negoceiam em segredo.

O caso Espírito Santo mostrou como as elites não se confundem com os poderosos. O banco imaginou poder controlar o estado, oferecendo-lhe a superioridade de uma visão global da sua capacidade financeira e, ao mesmo tempo, beneficiando a família. Os poderosos tiveram de ser comprados. A família era uma elite beneficiária e apoiante dos planos do banco. Raros membros da elite eram também poderosos, como os primos desavindos. O resto da elite não tinha poder nenhum. Era apenas – mas muito importante – o meio social que cuidava da humanidade dos poderosos, dos que trabalhavam para sustentar a elite, sem o qual os poderosos não tinham motivos e energia vital para o serem.

As dualidades tão presentes nas teorias filosóficas, humanistas e sociais, flexibilizadas ou não pelo método dialéctico, falam-nos de forma metafórica da dualidade mais evidente que herdámos, a sexual, cuja diferenciação é a mãe de todas as discriminações em todas as culturas conhecidas. Diferenciação que divide as sociedades, mas também cada ser humano, entre aquilo que de si pode mostrar e revelar aos outros (incluindo a si mesmo) e aquilo que é segredo social, honra. Essa falta de sinceridade, de verdade, a inescapável incoerência humana funda poderes que colocam os humanos em contacto com o transcendente, o pensamento, os deuses sobre-humanos, os homens sobre-humanos que são uma forma como é possível relacionarmo-nos com o mundo dos mortos, com o futuro, com as sociedades, com a Terra e o resto.

O trabalho de Descartes sinalizou e reforçou o uso moderno das dualidades – existência versus conhecimento (pensamento) – explicando os seus benefícios pragmáticos: separar e explorar as partes, uma a uma, e acumular conhecimentos parcelares e locais justapostos. O sucesso das teorias cartesianas, que são ensinadas em todas as escolas e incorporadas como ideologia oficial da modernidade há séculos, têm impedido o avanço dos conhecimentos (Damásio, 1994). Ou melhor, tem reduzido os conhecimentos ensinados ao pragmatismo profissional, hiperespecializado, de modo a que conhecimento holista seja descartado. O segredo científico e político de estarmos todos envolvidos solidariamente na exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, decorre e é possível pela divisão ideológica entre as ciências naturais e as ciências sociais, e entre estas últimas e as humanidades, como se os recursos humanos não fossem pessoas e estas não fossem parte integrante da natureza.

As teorias críticas são espelho da oposição dialéctica aos dualismos dominantes, sugerindo a vantagem – real – de combinar as partes, pois diferentes combinações das mesmas partes, diferentes sociedades todas igualmente humanas, existem criando contextos, ambientes, culturas, dinâmicas particulares, cujas características e propriedades – como acontece com os átomos ou o cosmos – são muito variadas. Tais críticas, porém, perdem-se em dilemas alternativos aos dualismos cartesianos, como sociedade-cultura, universalismo-particularismo, estado-economia, esquerda-direita, vontade-saber, norte-sul, recusando-se a abandonar o paradigma cartesiano.

As elites precisam de se cuidar

O abandono desse paradigma está em curso, através de perspectivas planetárias (N. Clark & Szerszynski, 2020), holistas (Bateson, 1987), anti-nacionalistas (Kuhn, 2016), de libertação da ciência dos espartilhos actuais (Schofield, 2018), globalistas (G. Clark, 2007; Morris, 2013), mas não vinga enquanto os financiamentos-avaliações permanecerem vinculados às prioridades internacionais e belicistas do modo imperial de organização das relações internacionais e da vida das sociedades. Como notou de forma controversa Michel Foucault, e de forma mais ampla Randall Collins (2005), os conhecimentos são produzidos por instituições ajustadas ou ao menos toleradas pelos poderes do dia.

Quando a ciência estabelece evidências resgatadas do mundo dos segredos sociais, violando eventualmente a honra dos poderosos, sobretudo quando revela as evidências moralmente mais dolorosas, faz um serviço à civilização. Dá instrumentos às pessoas e às sociedades para se libertarem da opressão imperial que a todos prejudica existencialmente, independentemente dos privilégios ou dos sacrifícios que sustentam as estruturas imperiais muito diferentes entre si.

O papel recente da teoria da luta de classes, ao radicalizar as dualidades sociais a favor dos trabalhadores, com sucesso relativo no que diz respeito à integração dos trabalhadores na cidadania, torna mais difícil compreender que o problema de raiz não é o capitalismo. O que está a inibir a esperança de ser possível trabalhar a favor da libertação, em igualdade, é, antes, a elevação do império a referência cognitiva e organizativa única, milenar, protegida na sua honra pelo segredo social elaborado cotidianamente pelos poderosos, representado patrões, trabalhadores e movimentos sociais, incluindo as teorias científicas, sob a forma de discurso único ou tecnociência.

referências:

(continua em Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais)

Bateson, G. (1987). Steps to an Ecology of the Mind. Jason Aronson.

Clark, G. (2007). A Farewell to Alms – a Brief Economic History of the World. Princeton University Press.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2020). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Collins, R. (2005). Sociología de las filosofías – Una teoría global del cambio intelectual (1a edição). Hacer.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Os segredos sociais

Será a razão que conduz o mundo? Ou será do mundo que se faz a razão? Como pensar os limites da ciência, dos planos, das políticas públicas, dos estados, das elites?

Há um mecanismo social que faz segredo, faz tabu, de factos e práticas evidentes. Esse mecanismo não é inventado nem criado pelas elites ou pelos poderosos. É um mecanismo espontâneo que é manipulado pelos poderosos em favor das elites.

Hoje, as classes médias vivemos como aprenderam a viver os reis, há poucos séculos atrás. Usamos casas de banho privativas, comemos à mesa com talheres, vestimos fatos e vestidos capazes de marcar o género e o estatuto social. Nas cortes, incluindo Versailles, defecava-se e cuspia-se nos corredores, que os criados limpavam uma vez por semana ou menos. O Rei Sol impôs um protocolo estrito ao seu próprio comportamento, como forma de educar os cortesãos sobre como se levantar, vestir, calçar, deitar, comer à mesa, limpar o corpo, passear no jardim, etc. Todos assistiam à encenação cotidiana e, assim, eram convidados a imitar a realeza. A Revolução Francesa acabou com o estatuto especial da nobreza, tornando qualquer homem em cidadão e senhor, isto é, imitador dos comportamentos das elites entretanto educadas na corte. As modas de imitação aburguesaram-se e, mais tarde, industrializaram-se, proletarizaram-se.

Os animais em grupo imitam-se e aprendem uns com os outros e com a experiência, na fuga ou na agressividade. As pessoas também são animais, mas desenvolveram capacidades culturais extraordinariamente elaboradas com base nos mesmos princípios de imitação (Tarde, 1993). As culturas aprendidas resultam de acumulações evolutivas e históricas incorporadas individualmente por cada pessoa que as usa. O que não quer dizer que cada pessoa conheça as histórias da evolução das culturas, pois a sua complexidade é extrema e a capacidade de aprendizagem e atenção cognitivas humana é muito limitada e parcial comparada com o holismo das aprendizagens biológico-corporais.

Uma criança aprende a falar de uma vez. Não estuda a gramática e o vocabulário em separado. Aprende de ouvido a musicalidade da comunicação entre os falantes (Tomatis, 1991) e toma a iniciativa de participar na orquestra cotidiana de falantes. Só depois de falar é que pode aprender a gramática, isto é, os resultados dos estudos da língua elaborados por especialistas capazes de impor a língua com autoridade, como língua oficial. Porém, as línguas sem escrita e sem gramática, como as línguas oficiais, continuam a evoluir e a fazer a sua história, sem que ninguém as saiba ou possa controlar.

O que parece e o que é

As teorias da conspiração, e as conspirações, isto é, a descrição social das elites e as práticas de escamoteamento dos seus privilégios e interesses, juntamente com os esforços de adivinhação lúdica e/ou contra-informação profissional, vão de par com a hiperespecialização cognitiva e profissional, individualista, desenvolvida pelas sociedades modernas. A cultura dos mistérios, da humildade na ignorância, evoluiu no ocidente para a cultura da arrogância cognitiva, imperial, bem representada pela moral e saber universais.

Embora as técnicas de planeamento racional existam e tenham efeitos práticos, através da organização dos treinos, das educações, das modas, das políticas públicas e financeiras, a evolução e a história continuam irredutíveis aos desejos explícitos e intencionais das elites e dos poderosos. Há todo o tipo de mal-entendidos, de excessos de zelo, de oportunismos, de resistências, negligências, corrupções que distorcem os planos, por norma inconscientes e/ou dissimulados, ao menos à atenção uns dos outros e também aos olhos dos poderosos e das elites. A ideia de um planeamento racional e unânime, favorável a todos os membros da sociedade, inspirou os regimes comunistas que falharam. Os planeamentos indicativos, os que previam à partida a impreparação dos planos para ter em conta as dinâmicas holistas da evolução e da história, usados pelas empresas capitalistas, mostraram maior resiliência. Ainda assim, os desastres financeiros, ecológicos, sanitários globais que não se conseguem resolver, que perduram e se acumulam neste princípio de século, mostram existir um magma existencial que escapa à capacidade cognitiva, às capacidades de planeamento, à boa vontade.

As ciências, por exemplo, embora sejam artes especializadas em produzir perguntas cujas respostas se constroem demoradamente, sempre incompletas, são política e culturalmente transformadas em tecno-ciências, em receitas práticas, frequentemente de base tecnológica, para resolver problemas, virtualmente todos os problemas.

As profissões de base científica adquirem junto das elites e da população o prestígio, que as próprias profissões alimentam e reclamam, de serem as únicas autorizadas e competentes no seu campo de actividades.

Os segredos dos negócios, da justiça, do estado, das ciências, das profissões, apresentam-se como saberes iniciáticos, como sabedoria inacessível aos leigos, escondida por linguagens particulares, como a economia, a advocacia, as disciplinas científicas, o calão profissional. O anedotário talvez seja a forma de segredo popular, geralmente em volta dos usos do sexo e da violência em sociedade, fazendo uma política de guerrilha denunciando os jogos sociais dos poderosos e dos revoltosos.

Continua em : Ciências e segredos sociais – poderes e elites

Referências :

Tarde, G. (1993). Les Lois de l´Imitation. Éditions Kimé.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.