Os limites dos estudos profissionais das desigualdades sociais

A Revolução Francesa veio com a ideia do fim das religiões e das guerras. Porém, aquilo que imediatamente aconteceu foi o Terror, a emergência do Império napoleónico e a sua religião positivista, laica, administrada, como forma de substituir o modo de vida aristocrático que foi derrotado com a monarquia. Algo semelhante se repetiu na história contemporânea, quando a promessa comunista se concretizou sob a forma de império soviético ou quando os movimentos de libertação das colónias adoptaram para os dirigentes anti-imperialistas os privilégios de saque para enriquecerem os políticos ao serviço dos mercados globais.

Há continuidades evidentes entre os períodos pré-revolucionários e os tempos pós-revolucionários que têm sido desvalorizadas. São descartadas como resquícios em vias de extinção. Por exemplo, no campo dos estudos das desigualdades diz-se que elas não param de aumentar e, ao mesmo tempo, que os mecanismos modernos, em particular as dimensões sociais dos estados de bem-estar, são ascensores sociais. Tacitamente, esta contradição entre a crítica medida – o aumento das desigualdades – e a boa vontade das teorias sociais em relação às instituições sociais dos estados actuais (imaginadas como ascensores) torna-se aceitável para o público. O público formado pelos estados sociais entende a liberdade de crítica como uma concessão do próprio estado, o estado do bem-estar que aboliu a luta de classes e que legalizou os sindicatos e os movimentos de trabalhadores. Portanto, a crítica revolucionária, a que imagina uma sociedade sem desigualdades sociais, sem classes sociais, acompanha mão na mão o conformismo revolucionário, o que, contra as evidências, continua a acreditar em ascensores sociais cujos efeitos são o inverso do que deveriam ser.

Há continuidades evidentes entre a Idade Média e a Idade Contemporânea: a persistência de elites a quem são atribuídos privilégios sociais e legais, a quem as sociedades reclamam alguma forma de exibição pública exuberante, sob a forma de realeza, presidência, representação política, diplomacia, militar, policial, tribunais, presença mediática. Há continuidade na persistência de confissões oficiais, religiosas, científicas, civilizacionais, como o actual discurso único. Podemos caracterizar e analisar estas continuidades usando um estado de espírito que tem vindo a democratizar-se: o espírito imperial.

Através da escolarização generalizada, do aumento dos anos de escolaridade obrigatória, da abertura das universidades a novas camadas da população, da industrialização do ensino, já não são apenas as elites que são educadas para se distinguirem das massas, dos recursos humanos. Também as massas são educadas a serem recursos humanos, a terem orgulho em serem trabalhadores, sobretudo se forem profissionais, isto é, competentes a cumprir tarefas específicas no quadro de uma extensa e diversificada divisão de trabalho susceptíveis de empregabilidade, independentemente de critérios morais ou políticos, eventualmente reduzidos a códigos deontológicos despolitizados e interpretados de forma corporativa, auto-regulada. Também os desportos, as ciências, as artes sofreram com a profissionalização e a despolitização, nas últimas décadas.

O espírito imperial é o uso naturalizado das discriminações consensualizadas como forma de legitimação das elites e das contra-elites, dos privilegiados e dos desprivilegiados – os perdedores ou o lixo humano, recursos humanos inutilizados ou inúteis, abandonados pelas elites e pelas sociedades como excedentes. Característica deste estado de espírito é a sua radical dissimulação, como fazem os camuflados na guerra, nomeadamente atrás do capitalismo (no caso das ideologias liberais) ou dos estados (no caso das ideologias de esquerda) ou das nações imaginadas (no caso dos neo-nazi-fascistas). Em vez de atender ao espírito imperial que foi capaz de produzir (e também perdeu) impérios ao longo dos últimos milénios, as ideologias modernas – e as teorias sociais com elas – mascaram-no de mercados, estados, nações, como se estes não fossem apenas aspectos dos impérios que integram, como se pudessem existir uns sem os outros.

Em forma de mnemónica, o espírito imperial é discriminatório, elitista e dissimulado.

O estudo das desigualdades sociais pode servir de exemplo de como este estado de espírito incorporado torna evidente aquilo que é substantivamente contraditório. A promessa imperial, a finalidade doutrinária dos impérios, é de atingir a equanimidade. Para o efeito, a condição é que a humanidade acompanhe e apoie as missões imperiais organizativas de convergência de esforços à procura dos efeitos de sinergia ou singularidades ou revoluções ou juízos finais. Toda a humanidade será, pois, convidada a sacrificar-se de forma convergente através de instituições, como as instituições sociais criadas no pós-guerra nos países mais ricos. A humanidade idealizada por nós como solidária e global, comunitária e ecuménica, educada e profissional, estaria salva da natureza, dos humores dos deuses, dos micróbios, quando na verdade se transforma tão completamente quanto tem sido viável em recursos humanos. Então, embora as escolas, as universidades, os tribunais, as políticas contra a pobreza, o policiamento, continuem a cumprir o papel de agravamento e legitimação das discriminações sociais, as culpas são – à esquerda – dirigidas aos mercados ou – à direita – à falta de esforço dos trabalhadores, dissimulando de forma eficaz o papel das elites e das suas actividades desmultiplicadas já não apenas através dos militares, das administrações, das corporações, das empresas, das famílias, mas também com o reforço da incorporação nas massas do espírito imperial através das instituições sociais, incluindo as escolas, universidades, serviços de saúde, apoios a pessoas em risco, ONG´s.

A actividade profissional, o prescindir do dever e do direito de avaliar o valor das finalidades das missões em que cada um esteja a participar, é uma consequência do sucesso da democratização do espírito imperial. O movimento operário, depois da criação da União Soviética, como os movimentos de libertação das colónias, depois da independência nacional das colónias, perderam o ímpeto anti-imperialista e aprenderam a dissimular isso dos seus apoiantes. As vanguardas isoladas nas lutas, ainda que apoiadas pelas populações, mais isoladas ficaram face às elites opressoras depois da vitória. Educadas nas escolas e universidades imperialistas e educadoras dos seus povos imaginados, sob a tutela dos estados novos, organizados como os velhos, as vanguardas tornaram-se elites, prisão de onde já não puderam sair. Puderam apenas expurgar-se dos elementos incómodos.  

As potencialidades cognitivas da ciência

Que fazer? O testemunho de um sociólogo abolicionista, é um livro à procura de entender as falhas das ciências sociais. Não as procura apenas nas limitações epistémicas dos autores, em particular dos mais consagrados. Tais limitações existem, mas são consequência de causas ao mesmo tempo mais profundas e mais superficiais. São consequência da democratização do estado de espírito imperial – a orientação da acção à luz de missões determinadas por interesses de elites a que cada pessoa e sociedade deve moralmente submeter-se. O espírito imperial é incorporado por cada pessoa no acto de integração social como contrapartida dos benefícios prometidos. À superfície, as pessoas, incluindo os autores mais geniais, dissimulam as suas tendências anti-imperiais de si mesmos. Trabalham e apresentam-se partindo do princípio que o estado de espírito imperial é um pano de fundo natural, que todas as pessoas conhecem e a que todas se sujeitam conscientemente, quando, na verdade, nem os melhores autores se entendem entre si sobre o que seja e sobre a melhor maneira de lidar com tal coisa.

O estado de espírito imperial moderno é interpretado de muitas formas, sendo a interpretação profissional a mais relevante. Os profissionais submetem-se a qualquer missão, a qualquer projecto, contra algum rendimento. Mesmo o titular da missão ou projecto, quem está encarregue de cumprir a missão do imperador a um qualquer nível de complexidade e de responsabilidade, também esse é quase sempre um profissional nas sociedades actuais. Associados ao espírito profissional genérico, há estados de espírito especializados, mais ou menos prestigiados e bem pagos a) conforme as condições sociais e políticas de cada região ou país; b) conforme a relevância estratégica dos investimentos em causa; conforme a relação de forças entre trabalho e capital; c) conforme a divisão profissional do trabalho existente estruturada pelas disciplinas desenhadas nas universidades e nos cursos de formação profissional.

Portanto, as falhas das ciências sociais podem ser procuradas nos resultados de práticas institucionais, científicas e políticas organizadas internacional e solidariamente entre os estados, as universidades, a comunicação social, os centros de investigação, os controlos profissionais sobre quem trabalha no campo científico. Podem ser procuradas também na gestão dos investimentos em ciência e na compreensão do lugar estratégico das ciências sociais que justifica esse investimento.

A resposta apresentada no livro vai no sentido de recomendar o reconhecimento dos controlos sobre a ciência, ao mesmo tempo institucionais, técnicos e cognitivos, como extensões dos controlos sobre as sociedades e, portanto, também sobre os cientistas e as ciências naturais e sociais. As limitações imperiais não são particulares das ciências ou das ciências sociais. Elas caracterizam a vida moderna.

A velha divisão de trabalho social identificada por Durkheim como uma das principais características das sociedades modernas, a democratização, a integração e a ordem social que vivemos nos países mais desenvolvidos, ao evoluir, traduziu-se, no pós-guerra, na hegemonia cognitiva e política das ciências centrípetas, dispersas e fechadas sobre si mesmas. Essa hegemonia das ciências centrípetas, como a hegemonia imperial, não acontece sem muito trabalho de manutenção do império (sistemas alargados e universais de selecção pessoal e financeira harmonizados entre si apoiados em serviços de apoio humanitários) e sem fortes reacções que procuram, por um lado, contrabalançar as falhas cognitivas assim produzidas e, por outro lado, equilibrar a moral de submissão dos profissionais com outras finalidades não imperiais ou mesmo anti-imperiais.

Uma das formas de reagir mais populares perante as evidências desastrosas sobre os efeitos colaterais das missões de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, é a participação em actividades cívicas, como as das ONG´s ou as dos media sociais ou as dos programas de desenvolvimento pessoal e social de tipo espiritual, incluindo as de carácter científico. Porém, a observação mostra como estas formas de reacção anti-imperial se mantêm condicionadas e reproduzem, na prática o espírito imperial de forma centrípeta. Mantêm-se isoladas entre si e isolam as pessoas que nelas participam isoladas umas das outras, nomeadamente por razões de competição profissional.

No campo científico, uma das evidências deste estado de coisas é o carácter prestigiado e falhado das práticas multidisciplinares e transdisciplinares. Actualmente tais propostas foram elevadas à interseccionalidade, método que reconhece a divisão tendencialmente estanque, mas contraproducente, das finalidades anti-imperialistas e as procura ultrapassar. Será suficiente o reconhecimento da actual estanquicidade para organizar as condições de sucesso desta reacção anti-imperial? Ou serão necessários novos arranjos institucionais capazes de proteger e emancipar essas práticas, antes que elas sejam desvirtuadas pela hegemonia imperial?

No campo político, que evidentemente não está desligado nem muito longe do campo científico, as evidências mostram como vivemos tempo de ressaca das lutas anti-imperiais falhadas. O crescimento dos movimentos neo-nazi-fascistas, o negacionismo dos políticos e dos eleitores sobre a particular imoralidade deste modo de constituir impérios bem identificado pela II Grande Guerra e pela prática do Holocausto, o genocídio da parte estigmatizada do povo imperial, como os imigrantes e refugiados descritos como ilegais, a ausência de alternativas políticas humanistas, banalizadas e desacreditadas, a ausência de representação política de perspetivas de desenvolvimento sem crescimento económico, são sintomas de erros estratégicos muito claros e raramente mencionados.

O abolicionismo da escravatura foi barrado pela generalização do assalariamento dos homens, primeiro, e de toda a gente, incluindo os mais directos representantes das elites, depois. O orgulho no trabalho assalariado, elevado a direito, substituiu o orgulho em ser bom escravo. As lutas dos operários para organizarem melhores condições de vida para si levaram-nos a querer partilhar com todos os seres humanos os seus sucessos, decorrentes do espírito fusional que as políticas imperiais de luta de classes promoveram. Historicamente, isso acabou com a destruição da Europa em duas guerras mundiais e a criação das condições da passagem da sede imperial de Londres para Washington, onde ainda permanece. Os EUA começaram um projecto de solidariedade universal, a que chamaram desenvolvimento, centrado na ONU e numa série de instituições internacionais com o objectivo de trazer paz e bem-estar para um mundo sem espírito imperial. À declaração universal de direitos humanos, porém, não correspondeu a prática anti-imperialista. As forças políticas fundadas no imperialismo, nos EUA, na União Soviética, na França e na Alemanha, em Portugal também, e em toda a parte, nunca deixaram de comandar a acção, embora tenham tido de recuar nas condições de liberdade reclamadas pelo novo ânimo das pessoas, no pós-guerra. Isso ficou especialmente evidente nos territórios colonizados pelos países europeus, onde surgiram movimentos anti-imperialistas de libertação das colónias. Infelizmente, a principal reivindicação organizativa e pragmática desses movimentos foi a constituição de estados locais dirigidos por elites locais, entretanto profissionalizadas como funcionários internacionais ou ao serviço das organizações internacionais de desenvolvimento. A globalização resulta do fracasso geral dos movimentos anti-imperialistas que ganharam as guerras mundiais e que fizeram recuar os impérios nas colónias. Uma nova forma de império continuou o ímpeto anterior de exploração da Terra, agora entrando numa situação de esgotamento crescente de recursos recicláveis e de produção de lixo, material e humano, a uma escala jamais vista.

As tendências políticas neo-nazi-fascistas em crescendo actualmente mostram a falta de imaginação política das sociedades modernas actuais (e o seu reaccionarismo) e o reconhecimento generalizado não apenas dos fracassos, mas também das perversidades das alianças imperiais-anti-imperialistas que conduziram as lutas de classe no século XIX, as guerras na Europa na primeira parte do século XX, os movimentos de libertação no pós-guerra, as ONG´s depois dos anos 80, a globalização.

As universidades e as ciências sociais, como as ciências, recolhendo investimentos crescentes durante este período histórico, não podem estar – mas estão – sem posição perante a derrota dos movimentos anti-imperialistas. Tal derrota é a derrota da imaginação e, portanto, das potencialidades cognitivas que a ciência pode, mas não está a proporcionar.

Reorientar as ciências é uma tarefa mental-individual ou de política institucional?

Vários autores reconhecem limitações estruturais, epistémicas e técnicas, às práticas científicas em ciências sociais. Porém, em vez de analisarem os impedimentos que obstaculizam as práticas científicas, limitam-se a fazer recomendações aos cientistas sociais sobre o que individualmente devem fazer, como um professor recomenda a um aluno a estudar. As recomendações paternalistas tornam-se bizarras quando admitem a impossibilidade de as ciências sociais poderem ser ciências, não por causa dos impedimentos que o inibem hoje, mas pela natureza extraordinariamente plástica da vida humana. Estas linhas de argumentação baseiam-se e usam como desculpa do alegado falhanço da proposta clássica de transformar a filosofia social em ciências sociais o alegado facto de a natureza ser rígida e eterna, insensível às mudanças e ao tempo, e a humanidade ser o inverso disso, ser uma entidade histórica.

Para citar alguns trabalhos que adoptam esta perspectiva recordo Robert Skidelsky (2018), Bernard Lahire (2003, 2012), Nicos Mouzelis (1995), Ralph Darhendorf (1958). O que não me lembro de ter lido são teses sobre a lógica e os modos de condicionamento das práticas científicas pelas políticas científicas. Conheço o trabalho de Michael Kuhn (2016) que faz uma contundente crítica epistémica às ciências sociais e o de Jim Schofield (2018) que faz uma esclarecedora crítica epistémica à física, na linha das críticas de Ilya Prigogine (1996) à química e de António Damásio (2017) à neuro-biologia. Em nenhum caso as políticas científicas são trazidas à colação e ao debate, como se estivessem fora do âmbito (profissional?) das discussões científicas.

Bent Flyvbjerg (2001) Making Social Science Matter – why social inquiry fails and how it can succeed again, Cambridge University Press, é um livro que vale a pena ler. Aponta às ciências sociais aquilo que é também um problema das ciências naturais: o respeito intelectual dos limites entre aquilo que se faz (episteme e techne, para usar as expressões gregas trazidas pelo autor) e aquilo que não se faz e se delega a terceiros (phronesis, a potencia que relaciona a cognição e as técnicas com a política, com os seus usos práticos). Infelizmente, Flyvbjerg resigna-se com as ciências sociais não científicas, dando crédito à tese cartesiana da diferença de natureza entre a natureza, a vida, por um lado, e a natureza humana, por outro lado. É como se a sociedade, ao contrário da natureza, nunca estivesse em condições de fazer pose para a fotografia científica. Quando o problema, claro, é as teorias e os métodos científicos serem capazes de dar conta da mobilidade da existência. O conceito de phronesis, em Flyvbjerg, não se eleva ao nível da política, modernamente muito mais distanciado do público que na Grécia Antiga. Fica-se, como no caso da sociologia pública (Braga & Burawoy, 2009), por um apelo aos colegas de profissão para que, individualmente, usem os respectivos estatutos sociais como influencers ou comentadores.

Referências:

Braga, R., & Burawoy, M. (2009). Por uma Sociologia Pública. Alameda. http://sociologia.fflch.usp.br/node/460

Damásio, A. (2017). A estranha Ordem das Coisas – a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Circulo de Leitores.

Darhendorf, R. (1958). Out of Utopia – Toward a reorientation of Sociological Analysis. American Journal of Sociology, LXIV.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem. https://www.kobo.com/us/pt/ebook/how-the-social-sciences-think-about-the-world-s-social-1

Lahire, B. (2003). O Homem Plural – As Molas da Acção. Piaget.

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. Routledge.

Prigogine, I. (1996). O Fim das Certezas. Gradiva.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Skidelsky, R. (2018). Money and Government, a challange to mainstream economics. Penguin Books.

Educar a imaginação a imaginar a liberdade

As gerações mais bem escolarizadas de sempre, as gerações vivas, sofrem de falta de imaginação.

Há quem elogie o realismo e o materialismo modernos. Mas há também quem tenha notado haver uma degradação fisiológica das capacidades cognitivas motivada pelo excesso de estimulação visual, através de écrans (Desmurget, 2012). Com a informação à distância de um clique, muitos de entre aqueles que têm obrigação de ler deixaram de o fazer: veem a informação, copiam os textos, trocam fake news capazes de recalcar a raiva que sentem por estarem a sofrer os processos de desumanização em curso.

Julian Assange a ser entregue pela Embaixada do Equador às autoridades britânicas, Abril de 2019

Na era da realidade virtual, a imaginação estimulante de melhores cuidados entre humanos tornou-se um exercício narcísico de empoderamento fictício, como acontece aos viciados de todas as espécies, incluindo aqueles viciados no consumismo, nos mercados, nos jogos de guerra, reais ou meramente electrónicos. Matar ou, pior, tornar mais difícil a vida de terceiros, sejam os pobres, sejam os que vivem sob a soberania de um estado inimigo, através de sansões, sejam os bodes expiatórios produzidos para fingir que os estados perseguem os criminosos – quando frequentemente são dirigidos por criminosos – mesmo quando isso passa na televisão, não interpela as sociedades. Interpela cada um nós na nossa boa consciência de pessoas impotentes que se desculpam, aliviadas, por serem impotentes. Assim podemos continuar a viver indiferentes à putrefacção da política e dos estados, no Brasil, nos EUA, na Europa e por todo o lado.

Manning, Assange, Snowden são exemplos conhecidos em todo o mundo de pessoas cuja lucidez as obrigou a denunciar crimes imperiais, de guerra, de violação da privacidade, de inoperância da comunicação social como quarto poder. Todos assistimos às torturas que lhes foram e continuam a ser aplicadas, como se milhões de nós, cada um na sua profissão, não soubéssemos das misérias e mortes decretadas arbitrariamente pelas diferentes instâncias do império, aqui ao nosso lado. Os casos citados são usados pelo império para intimidar, à uma, toda a humanidade. E isso funciona. Para nossa vergonha colectiva.

O extraordinário e entusiasmante acesso a informação por via da internet vem a par da redução das nossas capacidades cognitivas pessoais e sociais, biológicas e imaginativas. Como prisioneiros, vítimas da síndrome de Estocolmo, estamos hipnotizados pelos interesses das elites. Estas nem precisam de se preocupar em saber aquilo que lhes pode ser útil: os think thank, as universidades, as escolas, os estados, competem entre si para vender recursos de que sejam titulares, incluindo recursos humanos, competências especializadas, pedaços de gente socialmente isolada tolhida pela falta de imaginação. Os jovens são encaminhados para o empreendedorismo, esgotando a sua imaginação em como servir as elites. Estas compram aquilo que dá mais lucro e abrem concursos competitivos para os próximos anos.

Relator Especial para os Direitos Humanos da ONU acusa EUA de torturar Chelsea Manning, Dez 2019

Esquizofrénicas, as sociedades humanas modernas tornaram-se adoradoras da democracia (ou do que resta dela, o voto) e do meio ambiente e, ao mesmo tempo, aceitam trabalhar quotidianamente para a exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, como profissionais hipnotizados, mas competentes.

Presos estamos nós. A maioria dos presos, ao menos, não participa directamente na exploração da Terra. Ironicamente, são levados a aspirar a viver em liberdade e a integrar uma sociedade esquizofrénica em putrefacção. Pedimos-lhes que se ressocializem, fingindo não saber que também nós nos precisamos de ressocializar, de nos libertar das elites criminosas, destruidoras do meio ambiente, redutoras da humanidade a uma praga contra a diversidade da vida na Terra.

Os presos são os bodes expiatórios contra os quais as sociedades modernas traumatizadas atiram pedras reais e simbólicas. Resgatam, assim, a boa consciência de quem está sob o efeito inebriante da síndrome de Estocolmo, maximizado pela publicidade-propaganda dos ecrãs. Os presos são institucionalmente cultivados desde crianças, como foram e podem ser os filhos das escravas, para serem úteis para a organização de práticas sacrificiais modernas. Crianças e jovens abandonados que aprenderam a viver sem amor são educados por instituições de caridade como pré-delinquentes para, quando adultos, serem usados para servir como prisioneiros. A repugnância que tais práticas provocam nos humanos é dirigida para as vítimas, para os presos imaginados criminosos (em substituição dos verdadeiros criminosos que pululam nos meios dirigentes). Só raramente as sociedades dirigem a sua raiva para as elites. Estas, de quando em vez, deixam cair alguns elementos incómodos para saciar a raiva dos povos e resolver problemas entre elas.

A arte de substituir muros por pontes entre a natureza e os humanos, deve ter em mente a necessidade (urgente) de resgatar as pessoas do controlo das elites que nos transforma em indivíduos ao seu serviço. Profissionalizando e aprisionando, as elites usam dissimulada, mas eficazmente, velhos conhecimentos hipnóticos de massas, maximizados pelas tecnologias modernas. Não é fácil tornarmo-nos tão inteligentes como os nossos antepassados, porque biologicamente a vida moderna nos estupidifica quotidianamente. Produzimos industrialmente lixo material e também lixo humano, nas lixeiras, nos empregos e em casa.

Dada a emergência ambiental e política, com o ressurgimento do nazi-fascismo, com a imaginação bloqueada pelos cantos de sereia dos vícios com que as elites entretêm os povos, há que estimular a imaginação livre dos ecrãs orwellianos que nos ocupam todo o campo de visão.

As pontes de artes para transformar os muros das prisões em passagens de liberdade devem aprender e ensinar a cultivar, de ambos os lados, uma imaginação realista, materialista, mas também livre da síndrome de Estocolmo. Em vez de pontes de empoderamento devemos aprender a construir pontes de cuidados. Em vez de ressocializar os presos numa sociedade em putrefacção devemos aprender a imaginar juntos como nos libertar colectivamente do colete de forças de que as prisões são uma das expressões mais aberrantes e cruas.   

 Referência:

Desmurget, M. (2012). TV Lobotomie : La vérité scientifique sur les effets de la télévision. Forum Social Local du Morbihan. http://www.informaction.info/video-science-technologie-tv-lobotomie-la-verite-scientifique-sur-les-effets-de-la-television