O que ando a investigar?

Estou a preparar-me para a reforma, depois de ter resistido a uma vida na prateleira. O excesso de trabalho de que hoje se queixa o meu filho – e os meus colegas mais novos – contrasta com a política de abandono que funcionou quando era eu mais jovem. A minha investigação é sobre a funcionalidade da produção de lixo (pessoas e trabalho).

Lixo e sociedade

Comecei por estudar introdução de computadores nas escolas (anos 80-90) e conclui pela evidência de ser tudo uma farsa. A “revolução tecnológica” tinha no estado um parceiro ideológico e o projecto Minerva era um dos instrumentos de propaganda. Tratava-se se substituir à força da pressão ideológica o tema da “revolução social”, do mesmo modo como os calendários religiosos eram produzidos para se sobreporem e anularem as festas pagãs.

Só com grande determinação da minha protectora, pessoa influente, o doutoramento foi aceite. Percebi então que para a comunidade dos sociólogos ser ideológico era denunciar as ideologias bacocas dominantes. Mas em vez de levar as minhas conclusões às suas consequências lógicas, recuei. Emocionalmente exausto – mas com um doutoramento – decidi mudar de assunto. Passei a tratar de prisões.

Dois anos depois de ter iniciado actividade cívica de colaboração com protestos de presos, decidi estudar prisões mesmo sabendo ser considerado pela direcção geral das prisões inimigo público.

Descobri que, como na educação, os estudos funcionam como se as escolas e as prisões fossem ilhas isoladas do resto da sociedade e como se os estudantes e os presos só existissem na sua qualidade de utentes dos estabelecimentos. No caso do estudo das prisões, sabia que não seria fácil entrar nas prisões (de resto lugar bem desagradável para se estar). Tinha que estudar as prisões apenas a partir de fora, a partir das relações das prisões com o resto da sociedade, nomeadamente através da afluência de informações nas queixas da associação com que colaborei.

As queixas não são ouvidas

Conheci a censura e a discriminação que pensava inimaginável na “minha” universidade, feita por amigos meus que não me queriam mal. Nunca me despediram. Acharam que “tenho mau feitio” ou sou “preguiçoso”, enfim, não colaborava com a direcção que eles queriam dar à sociologia.

Pensei mal deles. Mas libertei-me disso quando coloquei a hipótese de ser assim mesmo a sociologia no mundo. A culpa seria minha, de facto: em vez de seguir aquilo que é dominante decidi seguir aquilo que era a experiência. Em vez de ideologias prefiro estudar estados de espírito: relações entre a biologia e a sociedade nos corpos em evolução das pessoas.

Chamo a essa diferença ciência centrípeta – a que é dominante e fortemente recomendada pelas políticas científicas através da gestão das carreiras universitárias e da investigação – e ciência centrífuga que existe, mas de um modo isolado, nas ciências sociais e nas ciências. De forma simplificada, há a epistemologia cartesiana dominante (estudo das partes posteriormente justapostas, em vez de se estudar o todo) e a epistemologia holista dominada e condicionada.

A inversão dialética desta situação actual significaria a retoma do caminho, actualmente interrompido, da filosofia social para a ciência capaz de estudar as sociedades. Isso só será viável com uma transformação social capaz de subverter as actuais políticas científicas globais criadas no quadro do New Deal, há 90 anos.

A minha experiência com a teoria crítica suscita-me a ideia de a teoria crítica querer contestar, mas ao mesmo tempo alinhar com as políticas dominantes. Privilegiando os jogos de poder, a teoria crítica procura posicionar-se na segunda melhor posição de poder, que é a oposição reconhecida. A mim interessa-me não perder de vista o lixo social, humano, laboral, que luta pela sobrevivência e à margem das disputas de poder.

Por exemplo, compreendo mal o uso do adjectivo científico no campo das ciências sociais como argumento de autoridade. As ciências sociais são uma fraude na sua própria formulação: a expressão está associada à negação da hipótese de a ciência ser útil para entender a sociedade. Diz-se ciências duras para dizer que as ciências sociais são outra coisa. Além disso, a discussão e a tematização do conceito sociedade é simplesmente omitido dos debates das ciências sociais. Parece que todos sabem e estão de acordo sobre o que é a sociedade, o que não é verdade. Portanto, as ciências sociais nem são ciências (duras) nem estudam a sociedade (porque a tomam como um dado). Teorias críticas que não se posicione sobre o fundamental, a função estratégica das ciências sociais na apologia do status quo, não são teorias que eu queira acompanhar.

Ocupado com as teorias dominantes, nunca me dediquei a fundo na crítica das teorias críticas. Sei apenas que, ao longo da minha experiência, elas se mostraram defensivas e até incrédulas com as abordagens que proponho às prisões e às ciências sociais. Aceitam as minhas críticas ao adversário, mas se forem as próprias teorias críticas a cometer os mesmos erros parecem deixar de ser erros. A ideologia cega, aparentemente. Por isso, estou interessado não em fazer a crítica da crítica da crítica, mas em romper com a dominação da polarização ideológica nas ciências sociais.