Aplicações analíticas do conceito de estados de espírito

Link para reflexões sobre o que seja estados de espírito

O espírito de cidadania, de partilha de uma identidade urbana, civilizada, capaz de reconhecer uma divisão de trabalho abstracta que torna o espaço-tempo político extra-quotidiano, exporta para a responsabilidade privada as tarefas de produção de cuidados (economia) e identidades (sociedade). Os cidadãos, as pessoas que encarnam (incorporam e excorporam) a cidadania, representam-se a si mesmas, sabendo ser falso, como iguais e livres. A pobreza, a miséria, a opressão, os constrangimentos naturais e sociais da vida, são subtraídos do mundo imaginário criado pela cidadania. A hierarquização social é, assim, naturalizada, dado como facto incontestável, como resultado da própria igualdade e liberdade que imaginariamente justifica o espírito de cidadania: o espírito esperançoso e positivo que tudo vai correr no melhor dos mundos possíveis.

O espírito nacional fixa no espaço-tempo, eternizando-a, uma representação heróica e genocida (Girard) do carácter de uma nação que se configura no seu próprio acto de criação, de auto-declaração, emocionalmente constituída por declarações e símbolos consagrados, acima da natureza humana. Os rituais criam simbolicamente as situações propícias a mobilizar todas as hierarquizações sociais existentes, a nível quotidiano, organizacional e institucional, como fontes misteriosas, escondidas, virtuais, sagradas, de legitimação da unidade sobre a divisão criada pelas elites e pelos estados.

O espírito burocrático, de estado, é a representação do espírito imperial como se fosse subordinado do espírito nacional (ou capitalista). É uma forma de dissimulação do espírito imperial e de naturalização dos poderes administrativos, escondendo-se mutuamente, trocando-se um com o outro à medida das necessidades retóricas e de manutenção da ordem. O estado e a polícia – ou forças armadas – auto-representam-se como politicamente neutrais, a menos das situações em que se revelam, à evidência, milícias das classes dominantes, económicas, políticas, ideológicas. Quando tal evidência ocorre, as pessoas sentem-se de tal modo indefesas que, com o medo, encaram duas alternativas: manter quietude e esquecer o que se passar durante o estado de exceção ou “tomada de consciência”, reconhecer que o estado e a polícia não são neutros e são contra as pessoas, de quem esperam que se reduzam a cidadãos. Estas alternativas constituem o pano de fundo, o substracto universal, das sensibilidades de direita e de esquerda, conservadoras e progressistas, a favor da ordem e revolucionárias.  

Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Link para reflexões sobre o que seja estados de espírito

Estados de espírito referem-se a mundos “encantados”, a que a razão kantiana/weberiana pretende escapar. Esse aspecto do positivismo, a imaginação de um mundo desencantado, é um dos maiores fracassos das teorias sociais. A racionalidade, desde Comte, nunca deixou de ser encantada. O socialismo científico estava encantado com o espírito revolucionário; o socialismo corporativo estava encantado como a consciência colectiva ou social, também conhecida por solidariedade; o liberalismo nacionalista continua encantado com o espírito do capitalismo. As ideologias nunca abandonaram as teorias sociais. Apenas se esforçaram por se dissimular, por se minimizar, por tentar passar desapercebidas, atrás dos nacionalismos, primeiro, e do discurso único globalizante, mais recentemente.

Estados de espírito é um conceito centrífugo, que prefere expor as suas contradições, macro-micro, sociedade-individuo, globo-nação, estado-nação, sociedade-comunidade, etc., para as fazer evoluir de acordo com as necessidades conscientemente identificadas – por exemplo, fazer evoluir o espírito imperial para um espírito democrático, ao ponto do primeiro deixar de ser usado – do que ser realista, tomar a realidade por estática e eterna, para todos os efeitos.

Estados de espírito é um misto de disposições (Bourdieu, Freud), configurações (Elias), gramática generativa (Chomsky), violência como redução ao corpo (Reemptsma), sexualidade como linguagem, discriminação, disciplina, repressão e expressão (Foucault).

Estados de espírito emergem como heranças, estabilizam-se de forma evolutiva, constituem programas comportamentais que dominam o seu portador, reagem às emoções de forma particular, predispondo para a acção ou a inacção, uma vez adquiridos, os estados de espírito tornam-se património imaterial em evolução, isto é, transformam-se ou fenecem.

Há uma lista interminável de estados de espírito bem conhecidos, mas teoricamente pouco reconhecidos: superioridade e subordinação (Simmel), de proibir, de submissão e marginal (Dores), comunitário, hierárquico e de mercado (Graeber), habitus de família e de infância, espírito profissional, espírito de classe (Bourdieu), empatia mimética e repugnância (Elias). Há teorias de estados de espírito, como as da ética religiosa (Durkheim, Weber), do espírito revolucionário (Marx), da energia social (Collins), da violência (Reemptsma), do self e do outro generalizado (Mead), da genealogia do conhecimento-poder (Foucault), dos substractos universais (Shofield), a que se devem acrescentar teorias biológicas sobre as necessidades de cuidados e de identidades, apoiadas no medo, vergonha, angústia (Diel, Scheff, Girard), que podem servir de apoio a uma teoria dos estados de espírito.

A teoria dos estados de espírito é anti-centrípeta: não pode ser especializada, sem perder o carácter de conhecimento e se fixar no moralismo. É uma teoria centrífuga, holista: é ponto de partida para desafios transdisciplinares, para novas contribuições de diferentes disciplinas para ajudar a compreender e explicar a vida, ao mesmo tempo como evolução e a acção social.

Um estado de espírito bem conhecido e igualmente sub-teorizado é o espírito imperial. Trata-se da disposição/capacidade, socialmente construída, transmitida e configurada sob a forma de naturalização, da utilização das diferenças identificadas, nomeadamente para construir linguagens, como discriminações ao serviço da transformação das relações de superioridade e submissão em relações elitistas e de subordinação. A utilização política da misoginia e da xenofobia para as transformar em patriarcalismo-homofobia e racismo-estigma, como formas de dividir para reinar, é exemplo do espírito imperial em operação, incorporação-excorporação.

A instrumentalização política da fome é a nossa prisão

Na pré-época natalícia, o Presidente da República Marcelo faz campanha política usando o Banco Alimentar Contra a Fome. Na companhia da senhora Jonet, conhecida por não ser capaz de conter verbalmente o ódio às pessoas que a sua organização ajuda, pede aos “portugueses” que participem nesse ritual de encarceramento dos outros e de si mesmos na caridade imperial.

Presidente em campanha com a srª Jonet

As críticas, sem possibilidade de curso útil nos media, condicionados pelos seus anunciantes e pelo espírito da época de enlouquecimento consumista Black Friday, alargada este ano a várias semanas, condenam o envolvimento do capitalismo num processo que alega ser solidário. As grandes empresas de distribuição, alegam tais críticos, têm interesse em vender mais e escoar, também, produtos fora de prazo que os consumidores não comprariam para si, mas que compram para oferecer ao Banco da Fome.

Tais críticas falham o óbvio e o essencial: a promoção descarada do ódio aos pobres promovida pelo mais alto representante do Estado, em sintonia com uma mensagem religiosa que equipara caridade a humilhação. Falham a denúncia da perversidade do poder, presos ele e nós, nas teias da modernidade.

O Presidente só pode fazer isto por ser uma figura consensual. O Presidente apostou forte nesta campanha política, já tradicional noutros presidentes e nele próprio, mas nunca com a energia do apelo directo aos “portugueses” e em vários dias seguidos, como este ano. Tem o crédito, traduzido em sondagens de prestígio típicas de países totalitários,  de quem ajudou a construir o governo estável da unidade das esquerdas que restaurou alguma democracia no sistema político, depois do desastre da adopção das políticas da troika, isto é, da auto-responsabilização do estado português pela falência do sistema financeiro global, de acordo com o plano político da União Europeia de se envolver em políticas fascizantes, ainda em curso, e contra os interesses de quem vive no país e está hoje em graves problemas com o sistema de saúde e, na verdade, com todos os sectores profissionais cujas carreiras estão de tal modo degradadas que não se vê como seja possível vir um dia a recuperá-las. Portanto, a precariedade, apesar das boas intenções do governo, confronta-se com obstáculos intransponíveis nas Finanças. Em tempo de bonança política, as acções de desobediência sindical mostram o que vai acontecer quando a conversa da recessão económica voltar a ser a obsessão dos políticos.

As críticas de que o Banco Alimentar beneficia as empresas de comércio alimentar, pior do que serem uma tautologia – onde se iriam buscar os alimentos a distribuir? –, são um reforço ideológico da propaganda do Presidente. Diz ele que, após ter vendido a ideia de que seria fácil tirar os sem-abrigo da rua e ter compreendido que quatro anos de governo das esquerdas não chegaram para realizar ou sequer começar a realizar tal tarefa, o mesmo que já dizia e pode repetir a qualquer momento Cavaco Silva, o seu arqui-inimigo dentro do mesmo partido: só o crescimento económico – o mesmo que Marcelo tem vindo a chamar a atenção de que não virá nos próximos anos – poderá dar esperança aos sem abrigo de passarem a viver abrigados, longe dos olhares das outras pessoas, engrossando o número de famintos escondidos das preocupações da vida das pessoas, das autarquias e dos políticos.

Campanha de abolição da condição se sem abrigo em Portugal

As campanhas de Marcelo revelam como acabar com os sem abrigo e a fome não é possível nas nossas sociedades, a portuguesa e todas as outras sociedades modernas, apesar de tecnicamente haver alimentos para todos e desperdício alimentar incomodativo. Portanto, a questão do poder, se é esquerda ou direita no poder, se é mais atento às pessoas ou à economia, no que toca aos cuidados básicos, como os alimentares e de habitação, mesmo quando há actores políticos empenhados em tratar do assunto, são impossíveis de resolver. Ao contrário do argumento de onde o capitalismo está envolvido, a solidariedade não desenvolve, a crítica ao Presidente poderia ser a de desistir não apenas dos famintos, mas também do muito menor número de sem abrigo, cujas vidas utilizou para campanha política, eventualmente bem-intencionada, sem resultados práticos.

Não há nenhum risco em apostar que Marcelo vai acabar a sua presidência a visitar sem abrigos e a fazer companhia à senhora Jonet. Primeiro, porque nesta segunda legislatura sob a sua presidência o governo é mais independente do poder presidencial do que na primeira legislatura.  Segundo porque as cimeiras dos países mais poderosos do mundo e a ONU já determinaram, faz muitos anos, a abolição da fome e, passado o tempo previsto para tal projecto, a fome mantêm-se.

A questão não é tanto a gestão económica e a distribuição técnica dos produtos: a questão é a política actual de ódio contra terceiros, sejam eles pobres, imigrantes, doentes mentais, revolucionários, poetas, ciganos, quem questiona as nossas identidades sexuais, etc.  Política estruturante não apenas das sociedades modernas, mas de muitas outras sociedades pré-modernas, ainda que em escalas e com meios diferentes. Todas elas, evidentemente, distinguiam homens de mulheres, conforme suspeitassem que só podiam inseminar e que poderiam dar à luz. Mas as sociedades que aprenderam a estruturar as discriminações sociais para dividir e reinar, para criar condições de perpetuação das elites no poder, tais sociedades criaram grupos de pessoas desqualificadas, as que mais se prestassem a tal propósito, para as usar como contrapoder, símbolos da perversidade, a favor dos poderosos.

Nas nossas sociedades há uma panóplia grande de ONG que defendem a dignidade de pessoas classificadas de forma depreciativa. As que tratam dos presos sabem como é o estado que os produz intencionalmente, através de um sistema de serviços sociais, policiais, judiciais e penitenciários, que se desconhecem mutuamente, mas por onde circula a maioria dos presidiários, frequentemente desde tenra infância. Tais presos são a prova da necessidade dos estados modernos de produzirem miséria, vidas irremediavelmente miseráveis, para manter a sua legitimidade. Aliás, como se viu nas Guerras Mundiais e se continua a ver desde o início deste novo século, os estados que promovem e vivem do capitalismo precisam de guerras: contra as drogas, contra os mercenários abandonados ao desemprego próprio das guerras privadas, contra o Islão, contra os imigrantes, contra os refugiados, incluindo mais recentemente contra os próprios políticos, comunicação social e partidos que têm desenvolvido políticas de fome que atingem cada vez mais camadas da população.

A guerra contra as drogas é, cronologicamente, a primeira delas da era neoliberal. É também a que estrutura as outras: incorpora o medo e a insegurança nas populações, à responsabilidade das forças de segurança que atacam populações susceptíveis de serem estigmatizadas e criminalizadas, com a avaliação dos juízes criminais e tendo por alvos os produtos humanos degradados das instituições de acolhimento de crianças e jovens em risco. A campanha política permanentemente levada a cabo pelo sistema criminal é que, não fossem as ovelhas ranhosas e imorais, a nossa sociedade seria a mais perfeita que alguma vez existiu. Na prática, porém, vivemos numa sociedade que produz os presos a partir de crianças abandonadas e a fome a partir dos sacrifícios que todos fazemos para não nos portarmos mal, para não mandarmos os chefes para as ortigas, para trabalharmos mesmo contra a nossa consciência, engolindo-a e com ela os problemas dos sem abrigo e dos famintos – mesmo que esses sejamos nós próprios.

Em tese, a questão crítica não é nem o poder nem a economia: é a degradação programada das identidades das pessoas mais socialmente fragilizadas para que aceitem, como sua culpa, os sacrifícios exigidos pelas instituições, incluindo a fome e a falta de habitação condigna, a abstenção de qualquer iniciativa pessoal para resolver os problemas, aquilo que se chama armadilhas da pobreza. A questão crítica é que, em modernidade, liberal ou socialista ou ecologista, esta ética de conformismo sacrificial, de auto-crítica incorporada, profissionalmente desenvolvida por processos de avaliação para baixo e jamais para cima, é a ética dominante.

Por isso o Presidente, sem crítica politicamente útil, pode fazer a sua propaganda caritativa a respeito da necessidade de aumentar a pressão contra os famintos e os sem abrigo enquanto os rendimentos dos mais ricos não crescerem ao nível do que as elites possam esperar, nas avaliações das suas mais altas expectativas produzidas profissionalmente por economistas e agências de rating. Tal pressão é a mesma que faz milhões de trabalhadores levantarem-se de manhã para se irem sacrificar.

Propaganda pedagógica vocacional