Porque é que não se fala de prisões?

António Pedro Dores, Outubro de 2021

A principal política das direcções das prisões é garantir que não se fala do que lá se passa. Traduzido em linguagem diplomática, dizem (ameaçam) que não se pode apenas dizer mal das prisões, como se fosse possível haver alguma coisa positiva nas prisões. Porém, sem o apoio institucional e social, as direcções das cadeias não poderiam fazer isso. Tal como a respeito do racismo ou do patriarcalismo, é necessário observar atentamente as mentalidades e as práticas mesmo dos anti-racistas e das feministas, também a respeito das prisões há que escrutinar como se fala e se esconde o que lá se passa, sem nos darmos conta disso.

A abolição do racismo, do patriarcalismo e das prisões passa por criar uma situação em que as categorias cognitivas que reproduzem racismo, machismo e prisões sejam identificadas e tratadas individual e socialmente. Infelizmente isso não é tratado, pelo menos a um nível de se possa contrapor às ideologias dominantes difundidas por escolas e universidades, incluindo as de esquerda.

É possível pensar prisões de forma mais empiricamente clara e clarificadora! Foi o que descobri recentemente e deixei em livros para memória futura (Dores, Estado Social Real; Dores, Reeducar o Século XXI: Libertar o Espírito Científico): desconfiem do estado (e das prisões) e das escolas e universidades (e das concepções e explicações aprendidas do que se passa), em vez de calar assuntos incómodos. É necessário criar espaços para o fazer; um exemplo é a rede Entregrades.

Do mesmo modo que não se fala de abuso sexual, de violência doméstica, de prostituição, de guerra, da organização capitalista e de tudo o que diga respeito aos processos sociais básicos de construção quotidiana da superioridade das elites e da inferioridade das pessoas excluídas, também não se fala de prisões. Há uma censura organizada com impacto de massas.

Há um contraste entre a riqueza discursiva elaborada sobre vinhos, culinária, tecnologias, ciências, economia, política e as cassetes mentais (lavagem ao cérebro) a respeito de império, da guerra, da exploração, de que as prisões, as famílias, as fábricas, as escolas e universidades, são centros de reprodução, censurando temas incómodos e alegadamente irrelevantes.

O optimismo, elevado a ideologia, censura qualquer reflexão sobre os modos de produção dos males sociais, nomeadamente os processos de criminalização. Parte dessa ideologia é a doutrina jurídica que nos diz autoritariamente, por lei, que as prisões servem para reintegrar os presos na sociedade, Isso só não é risível porque as pessoas e os cientistas sociais a tomam por mais valiosa do que a realidade da reincidência globalmente reconhecida.

O crime não existe a não ser quando é declarado oficialmente por polícias, procuradores, juízes, serviços prisionais, comunicação social. Do mesmo modo que o pecado também foi inventado pelas igrejas, o crime foi inventado pelos estados para apoiar e justificar elites e exclusões sociais.

O circuito de criminalização acaba na prisão, mas é muito mais extenso do que as entradas e saídas das prisões. Por isso não se descobre nenhuma relação estatística entre os registos de crimes e as estatísticas prisionais em parte nenhuma do mundo.

O circuito de criminalização começa na infância, quando crianças abandonadas pelas famílias, fisicamente desfavorecidas pela falta de amor, passam de mão em mão, de instituição em instituição, de tal modo que os técnicos de acção social que as conhecem lhes chamam pré-delinquentes, pessoas que ainda não delinquiram e cujos destinos previsíveis pela experiência é tornarem-se criminosas. Metade dos presos são filhos de presos, são reincidentes e, mais do que isso, são adultos que em crianças foram abandonados e institucionalizados. Os que passam pela prisão, menos de cem mil pessoas em Portugal, são confundidos pelas ciências sociais com os pobres, pelo menos 2,5 milhões: também as ciências especializadas e conhecedoras das prisões se auto-censuram.

Família, escola, organizações de protecção de crianças e jovens em risco, mercado de circulação de crianças e de tráfico humano, serviços de saúde, polícias, tribunais, prisões fazem parte do sistema de produção de criminosos, como são estigmatizantemente conhecidos os presos. Toda a sociedade, como a representada em partidos políticos, se recusa (quanto pode) a pensar ou falar da vida das elites e dos excluídos. É reforçada pelas ciências sociais, como vimos, que produzem censuras e discursos alegadamente científicos que se divulgam nas escolas, universidades e comunicação social.

Do ponto de vista sociológico, pensando na produção de pré-delinquentes, há que compreender a selecção de género que leva as prisões a ficaram praticamente só com homens. O que acontece com as mulheres pré-delinquentes? Provavelmente podermos encontrá-las na prostituição de rua. Hipótese a estudar.

As prisões são formas de estigmatização social de um grupo social não identificado que serve para justificar a existência de polícias, estimulada pela imprensa e pelas escolas que promovem a divulgação ideológica. Veja-se a institucionalização global do proibicionismo das drogas, consabidamente contraproducente no campo criminal e jamais contestada ou abolida. Veja-se o sucesso da tabloidização da comunicação social, em concorrência com as redes sociais.

A criminalização, sem surpresa, serve para dar corpo aos estigmas sociais fundamentais, como os de género (forte e fraco, preso e puta), de etnias-raças e de classes criminosas por serem menos do que humanas. Os estigmas estimulados e inventados pelos estados, e reproduzidos industrialmente pelas ideologias e pelas escolas, incluindo as ciências sociais, foram e continuam a ser produzidos e reproduzidos a par da história da escravatura, da colonização, das nacionalidades que criam os estrangeiros. São exemplos da produção de novos estigmas, os imigrantes sem papeis, os pedófilos, os terroristas, os mafiosos, os populistas, os negacionistas e outras histórias mal contadas e impossíveis de contar, dada a emocionalidade mediaticamente criada em nome de ideologias que elaboram sobre segredos sociais (Dores and Preto, Os Segredos das Prisões).   

Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei

Em meados dos anos 80 licenciei-me em sociologia e tornei-me imediatamente professor de sociologia, até hoje. Fui ensinado e ensinei a como (re)integrar pessoas excluídas na sociedade. Em 1997, fui cofundador da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento. Durante 20 anos denunciei situações injustas, algumas criminosas, que se passaram nas prisões, tendo sido reconhecido por isso. Várias vezes e de diversas maneiras fui medalhado, sob a protecção do meu estatuto social.

Ainda no século passado tropecei na palavra abolicionismo, a respeito das prisões. Mas logo verifiquei como era incapaz de responder ao último reduto do punitivismo, “o que fazemos aos criminosos?”, sem pôr em causa a própria classificação criminal, todavia socialmente inquestionada.

Em 2016 reformei-me do activismo, sem dúvida útil para apoiar as lutas dos presos pela justiça e para me ensinar as coisas básicas da vida e da morte. Nessa altura já tinha lido Louk Hulsman de quem aprendi que abolicionistas somos todos os que perante uma injustiça procuram remediá-la. Não pertencemos é a nenhum partido e, também por isso, a eficácia social do abolicionismo deixa muito a desejar.

Dediquei o meu tempo assim liberto a pensar, com o que aprendi da sociologia, qual seria o meu erro quando pensei que a sociologia serviria para integrar as pessoas nas sociedades. Em 2019 dei por finda essa minha pesquisa, com resultados que me têm feito feliz: tenho programa para o resto da minha vida. Ser sociólogo abolicionista significa ter a coragem de reconhecer que o estado, o financiador da minha vida confortável, está envolvido num processo de dissimulação da sua verdadeira missão, todavia pública: explorar a Terra para alimentar impérios. Para tal, usa e abusa das pessoas que não se podem defender, incluindo os presos. Mas, na verdade, todos ou quase todos nós. Presos são eles; presos estamos nós.

Mentalmente liberto da missão do meu empregador, fui à descoberta de como a sociologia, as ciências sociais, as ciências naturais, estão presas, como todos nós. Encontrei uma resposta trivial: as políticas científicas servem para formatar as ciências, reduzindo-as a processos centrípetos de hiperespecialização profissionalizada. A libertação das ciências é tão urgente para as políticas abolicionistas, e para o bem-estar da humanidade, quanto o é o abandono das políticas globais punitivistas. Eis a minha contribuição para os trabalhos de reeducação do século XX.  

Há capitalismo sem, antes, haver império?

O feminismo, a chamada de atenção para o trabalho social de cuidar, sobretudo o desenvolvido por mulheres, a explicação da existência de movimentos identitários à procura de cuidados que estão a ser negados pelo capitalismo, o espírito do capitalismo, as lutas não politizadas no âmbito dos cuidados que, todavia, vêm em crescendo de influência política, a facilidade e eficácia da recuperação dos movimentos sociais por parte do sistema, o esforço de estar presente no presente, são algumas das importantes contribuições de Nancy Fraser para as ciências sociais. Neste texto aponto as limitações que encontrei numa entrevista que deu em 29 de Setembro de 2021 e de que recomendo a leitura.

O império somos nós. O império é o diabo, porque somos nós. E nos falta conhecimento (nomeadamente organizativo) para escapar dele. Perante ele, tornamo-nos falsamente inocentes, impotentes, irresponsáveis, infantilizados como os presos e institucionalizados são.

A diabolização do capitalismo não é boa ciência. O capitalismo é um instrumento do império: um modo particularmente moderno e populista de organização imperial, tão eficaz, tão letal, que parece de origem divina, abençoado pelos deuses. Pelo menos tem sido abençoado pelos que se dizem representantes de deuses, incluindo muitos cientistas. Ao mesmo tempo aumenta a quantidade e a qualidade da vida humana, a riqueza e a miséria, separa a humanidade da natureza, como o império as imaginou separadas dos deuses, mais próximos de si. O lugar utópico foi, assim, reproduzido e apropriado pelas elites para se distinguirem do resto, concentradas nos respectivos umbigos, também conhecidos por interesses. A realidade quotidiana, como a necessidade de reprodução da espécie e de criar crianças, até ao fim das respectivas vidas, foi e é desvalorizada (não é económica).   

“Um sistema social que submete os assuntos da vida e a morte à “lei do valor” estava estruturalmente preparado, desde o início, para abandonar milhões de pessoas à sua sorte diante da Covid-19.” Isso é claro. Mas o valor social que se funda nessa lei do valor não é capitalista: é imperial. Qualquer império, sobretudo os não capitalistas, abandona as populações, nomeadamente por falta de capacidade organizativa para as atender.

Continua Nancy Fraser, a dizer que “as tarefas de cuidado se cruzam com a organização do mercado de trabalho, a economia política, o cuidado social e os auxílios do Estado.” – Muito bem. Isso é muito importante e é frequentemente esquecido. Muito do que escreve é certo e seguro. Porém, o discurso de Nancy Fraser enferma de problemas estruturais que desanimam a mobilização e distorcem a interpretação dos factos.

“A cor, além disso, está profundamente entrelaçada com a classe.” Seria melhor dito que o capitalismo depende, desde o início e ainda hoje, do projecto imperial de expansão da “fé e do império” em acção. Sem a organização das naus dos Descobrimentos não haveria negócio privado passível de enriquecer os aventureiros que pagaram impostos e enriqueceram à loucura as coroas imperialistas, inspiradas por Roma. Talvez se devesse deixar de falar em acumulação primitiva e antes em realização do ideário ecuménico imperial disfarçado de liberdade (ou cristandade, como então se preferia dizer).

Isto é, ao alegado materialismo que procura ancorar os argumentos no presente (neste caso, a cor da pele) escapa o materialismo profundo da evolução, isto é, da incorporação na experiência na matéria, e também na vida, que também é matéria. A incorporação do racismo na vida pública e global, sentimento e política anti-africana inexistente anteriormente à necessidade de culpabilizar os escravos pela sua indecente condição desumana.

“O aspecto de gênero também tem suas raízes no capitalismo,” – então, antes de haver capitalismo não havia género? Porque é que não será ao inverso: o capitalismo também tem suas raízes no aspecto (talvez discriminações) de género?

Os impérios têm milhares de anos

Novamente, a falta de realismo histórico denuncia um vício cognitivo inibidor da avaliação das melhores práticas de libertação. Só ainda não nos livrámos do capitalismo, depois dos levantamentos globais contra ele no século XX, porque não se percebeu ser contraproducente entregar essa tarefa a impérios, como o russo ou chinês (ou outro qualquer). Protegidos por lobos, os trabalhadores e filósofos da emancipação ainda não perceberam o que lhes aconteceu e está a acontecer. São os oprimidos que, para sobreviver, se continuam a entregar ao império que os usa para continuar a explorar a Terra e os seus recursos, incluindo os recursos humanos.

A crítica ao neoliberalismo (reduzindo a poucas décadas a perspectiva já limitada da crítica ao capitalismo, com mais de duzentos anos, desconsiderando o império) é parte integrante (ainda que crítica) da própria estratégia de recuperação de qualquer reacção popular ao beco sem saída em que estamos. Essa é uma das razões pelas quais a esquerda perde votos: está desligada dos sentimentos e das necessidades das pessoas. Apela ao seu orgulho de trabalhadores sacrificados no palco da exploração, na perspectiva da exploração vir a ter um fim por si mesma, quando isso não está no horizonte prático nem lógico.  

A ideia de que o socialismo é o retorno ao estado social, agora também nos EUA (ou no Brasil), é uma esperança vã. O socialismo, quando inspirava esperança, era “amanhãs que cantam” e não desespero perante as alterações climáticas.

Observando a experiência europeia ou sueca poderemos reconhecer que os anos 60/70 do século passado, os anos da minha juventude, foram anos de duras e certeiras contestações da moralidade e da organização do estado social. Porque essa revolução foi abolicionista, pacífica, anti ideológica, centrada nos costumes ou cuidados, pode ser politicamente (mas não culturalmente) recuperada. A política neoliberal tem um aspecto cultural (imperial) importante e raramente referido: atacou (com a privatização) não sobretudo os serviços de estado (não houve hesitações na nacionalização de bancos para evitar que a falência do sistema financeiro global fosse intratável), mas sobretudo os cuidados entre as pessoas (por exemplo, industrializou os serviços de restauração – MacDonaldização), reduziu os tempos de almoço (em família), flexibilizou a mobilidade geográfica dos trabalhadores, aumentou as distâncias casa trabalho, intensificou o individualismo através da difusão do espírito profissional nas escolas e universidades, etc. Discussão sobre a sociedade que não reveja tudo isto não mobilizará ninguém, a não ser para se submeter aos interesses imperiais servidos pelo capitalismo.

“A sociedade capitalista institui uma relação perversamente contraditória entre sua economia e esses apoios necessários. Incentiva os capitalistas a canibalizar as próprias condições de fundo”. A autora acaba por ser obrigada a reconhecer a existência do império, por razões de mera lógica argumentativa. Porém disfarça-o sob a designação “sociedade capitalista”, isto é, invertendo a hierarquia (império-capitalismo) pela hierarquia (capitalismo-sociedade capitalista). Para o efeito, embora a frase presuma a prioridade da sociedade em relação à economia, essa prioridade é moral e desejável. A prioridade real, imagina a autora e sabem-no sem que ela o diga os leitores, é capitalismo que explora a sociedade. Ora, a prioridade real, histórica, lógica e política, é o império que conduz estrategicamente – financeiramente – o capitalismo para cumprir o seu projecto de exploração (e explosão) da Terra. O capitalismo é o cão de guarda do império, e os trabalhadores são a sua acção prática, ensinados por escolas de luta recuperadas pelo império, nomeadamente quando o capitalismo vai à falência, como em 1929 ou 2008.

Os iniciados, quem aprendeu na escola que a esquerda ideológica se opõe à direita, e que, portanto, ou se escolhe o estado ou o mercado para ocupar o lugar anteriormente ocupado pelo Senhor Deus, ainda que possam sentir algum incómodo com esta “sociedade capitalista”, tão próxima de nós (fazemos parte dela? ou somos da “sociedade não capitalista”?), estão habituados a desconsiderar os “outros” (os que não alinham com a mesma ideologia) e a sociedade, em geral, como inerte, ignorante, incapaz. Há uma cumplicidade de luta de classes, digamos assim, em que as barricadas intelectuais posicionam os nossos corpos na sociedade capitalista e as nossas mentes na sociedade não-capitalista: e isso é ser de esquerda. Não admira que as esquerdas se comportem como capelas à procura da sua catedral: o verdadeiro império, o bom e o bem.

Mas o raciocínio da autora segue imediatamente para outro assunto que contradiz e supera as contradições lógicas de que prefere passar ao largo: “Por isso, nossa crise atual é sobre tudo.” Aqui, o capitalismo deixou de ser o centro e a essência da crise. Foi substituído pelo “tudo”.

Seria preferível usar aqui o termo “cuidados” – bastante diferente do “tudo”. Cuidados em regime de liberdade (em vez do cativeiro em que se vive) a que, se lhes fosse dada prioridade, impediriam a continuação da normalidade de carneirada que está a arriscar a sobrevivência de muitas espécies e a diminuir as possibilidades de boa vida dos humanos.

“A visão tradicional do capitalismo como sistema econômico não pode esclarecer a situação atual.” A autora reconhece o problema, mas não o formula teoricamente. Portanto, conclui de forma naif “[além das lutas de fábrica] são também as lutas pela educação, moradia digna e saúde pública.” Como se as escolas, as casas e os hospitais que temos estivessem a cuidar de nós quase bem, desde que pudessem ser em maior quantidade e estatizados. Como se esse crescimento da economia de estado (social) fosse, por alguma magia, compatível e fizesse desaparecer a questão ambiental.

A “visão ampliada do capitalismo”, a que se refere misteriosamente a autora, é o império: um estado de espírito milenar que evoluiu incorporado nas pessoas de forma social, incutido com o leite materno, infectando portanto os próprios processos de cuidados e construindo, assim, uma base material para construção profissional de profissionais cuja principal característica, além da especialização, é serem irresponsáveis pelos projectos em que trabalham. A responsabilidade é exclusivamente de quem lhes pague um rendimento. O segredo é a alma do negócio.

A discussão das fronteiras (entre a economia e os cuidados) em que a autora se envolve é uma decorrência da adopção da teoria de sistemas. Isso faz quem a usa olhar para o umbigo (a forma da sua teoria) alheada das realidades observáveis, nomeadamente torna transparente o império (o todo): o elefante na sala que faz de rei que vai nu.

A autora aproxima-se do império, mas não chega lá. Recusa-se a chegar lá? Diz ela “E isso é o que Luc Boltanski e Ève Chiapello chamaram de ´novo espírito do capitalismo´”. Isto é, aceita tratar de estados de espírito (que não são teorizados, apenas usados), mas localiza-os no presente, não faz a sua sociogénese no passado profundo e nos corpos socializados, nós. Como pode o presente assim representado sem passado imaginar os futuros?

Os autores citados estudam a reprodução do novo espírito do capitalismo através das práticas universitárias de formação de gestores. Mas não fazem a crítica do funcionamento da escola, nem identificam as fontes dos materiais pedagógicos. Acaba por parecer haver algum centro conspirativo com poderes de induzir estados de espírito através das escolas, como um druida dá poção mágica aos gauleses do Astérix.

A sabedoria de Hans Rosling e a inovação pandémica COVID 19

Ao fazer um balanço da sua vida, Hans Rosling (1948-2017) contou como sentiu necessidade de romper com o seu perfil profissional e transformá-lo, transformando-se a si e à sua família. Na sua autobiografia refere a forte impressão que lhe causou o encontro de juventude com Eduardo Mondelane (Rosling, 2017: 40-41), quando este vivia na Suécia, terra natal de Rosling. Mais tarde, Mondelane viria a ser líder da Frelimo, movimento de libertação de Moçambique. Ainda mais tarde, com a independência do país, já após o falecimento de Mondelane, Rosling sentiu-se animado a ir ajudar a construir o novo país, como médico. Convenceu a sua mulher a levarem os filhos de ambos com eles. Ali chegado, a certa altura, encontrou-se a tratar dos sintomas de uma epidemia. Percebeu que o seu trabalho seria mais eficaz se descobrisse as causas da pandemia e as pudesse fazer cessar. Para isso, teve de abandonar o hospital de que era o único médico, correu os riscos inerentes, e foi investigar a fonte da doença. Usou o inquérito social e teve resultados práticos: identificou e anulou a fonte de doença, evitando sofrimentos aos doentes e pressão sobre os serviços de saúde, tendo seguramente feito danos colaterais em pessoas que não pode atender quando estava de viagem de investigação.

Com o tempo, haveria de deixar de ser médico de doentes isolados e passou a ser demógrafo, à procura de fontes de doenças de foro médico e social. Acabou celebrado como professor de saúde pública e, mais tarde, com a ajuda de familiares mais familiarizados com as potencialidades dos programas de computador, tornou-se famoso pelas suas apresentações inovadoras das evoluções de indicadores sociais e de saúde em mapas mundo (Rosling, 2010, 2015b).

Antes do tempo em que isso se tornou mais vulgar, Rosling mudou de profissão a meio de um percurso profissional bem-sucedido. Fê-lo por convicção. Nos obstáculos que reconheceu e encontrou viu a natureza das coisas e das sociedades. Imaginou ultrapassar esses obstáculos com conhecimento e que essa seria a primeira tarefa da modernização. Modernização extraordinariamente bem-sucedida na Suécia, como a história da sua vida familiar o comprova. Os modos de vida dos seus avós, trabalhadores necessitados sem esperança de poderem sair dessa condição, em duas gerações, um pouco por magia, transformaram-se na liberdade de que desfrutou. As estatísticas, diz Rosling, mostram que algo semelhante está a ocorrer em todo o mundo, incluindo em Moçambique, ainda que a ritmos diferentes. A acção dos partidos dos trabalhadores, como o social democrata sueco, transformou o mundo.

Solidário com o resto do mundo, impressionado com as misérias da colonização, decidido a dar ao mundo a sua vida para resgatar aquilo que lhe foi surpreendentemente proporcionado, foi ajudar Moçambique a beneficiar da formação dos médicos suecos. Aí aprendeu a diferença entre a limitada amplitude das vidas profissionais, como a do médico no hospital, e a superior relevância dos panos de fundo, no caso a fonte de uma pandemia. Pensando mais largo e agindo livremente, verificou, o médico profissional tornou-se investigador social para ser mais efectivo no combate às pandemias, lá onde a modernização não chegara.

Hans Rosling no seu mundo estatístico dinâmico

Subiu na hierarquia dos saberes. Trocou a medicina pelos estudos demográficos, no sentido contrário do que é a hierarquia de saberes comummente aceite. A liberdade que o médico teve em Moçambique, onde não havia médicos, encontrou-a na Suécia enquanto académico. Nessa condição ensinou a sabedoria da sua rara experiência.

O que diria Rosling, especialista em pandemias, se estivesse vivo? Como veria o esforço dos hospitais de recolher as pessoas com sintomas da COVID 19, à custa de deixar de tratar dos sintomas de muitas das outras doenças, em vez de procurar medicamentos para atenuar ou evitar sintomas (Corbishley, 2021; Farmácias, 2021; Weinstein et al., 2021) e, sobretudo, dar prioridade à procura da fonte de contaminação, seja ela os morcegos, os animais selvagens vendidos para consumo na China, uma fuga de laboratório, ou todas ao mesmo tempo (Wade, 2021)?

Um dia, Einstein mostrou-se arrependido de ter assinado uma carta escrita por Leó Szilárd, em conjunto com muitos outros cientistas, para informar o Presidente Roosevelt sobre os progressos da descoberta da maneira de produzir energia nuclear. Não lhe agradou o uso que o estado norte-americano fez da mesma em Hiroxima e Nagasáqui.

Inspirado nesta contradição de Einstein, sem desprimor, imagino Hans Rosling, depois de ter aceite ir ao Fórum Económico Mundial de 2015 explicar o que seja o desenvolvimento sustentável (sem dizer uma palavra sobre ambiente ou guerra) (Rosling, 2015a), a rever a sua posição. Caso ele tivesse assistido ao uso da ciência para abrir campo a vacinas, sem que se saiba a origem da pandemia, poderia compreender como se tem fabricado a sucessão de desastres ambientais decorrentes do aquecimento global: subversão das regras científicas autorizadas de forma expedita pelas autoridades científicas.

Na apresentação feita no Fórum Económico Mundial, Rosling afirma, muito bem, que ciência é fazer perguntas e procurar respostas. Porém, entusiasmado com as suas investigações estatísticas e os seus quadros de bolas dinâmicas, deu por acertadas as respostas que encontrou, dando-lhes um aspecto de receita, de demonstração de progressos, ao reverso do sentimento das pessoas comuns. Sobretudo no seu país, onde é professor, notou com humor, o público está mais distante dos factos que usou do que noutros lugares. Ou serão os factos que apontou que não têm o significado optimista que lhes quer associar?

A transformação das pessoas faz delas pessoas melhores. Estou convencido. Mas não faz delas sábios, sobretudo se aprenderam, como os médicos e os cientistas sociais, a alhear-se profissionalmente dos sentimentos e das intuições das pessoas. Nomeadamente, das intuições das pessoas sobre o sofrimento difuso, subjectivo, reprimido, mas real, do alheamento humano da natureza (Albrecht, 2021).

O desenvolvimento sustentável é uma expressão que surgiu para continuar a ideia de progresso, mas agora por outros meios, eventualmente mais verdes. A crença no progresso esgotou-se pela evidência de a esperança das pessoas em virem a viver melhor se ter deteriorado ou mesmo invertido, nas últimas décadas. É certo que a subjectividade pode ser separada, como o fez Rosling, da objectividade produzida estatisticamente. Mas isso não autoriza a imposição da sua subjectividade particular, ainda que seja a de um cientista.

Qualquer estaticista sabe como traduzir a subjectividade do seu cliente em estatísticas objectivas – como o próprio Rosling fez no Fórum Económico Mundial – e como apresentar estatísticas de acordo com os interesses de análise de cada um. Foi assim que Al Gore (2013), de maneira pública e poderosa, usou as estatísticas para denunciar aquilo que chamou a verdade inconveniente sobre o insustentabilidade da situação actual, a nível global.

É comum, mas errado, os investigadores imaginarem-se acima (ou abaixo) da subjectividade alheia. Presumem, simplesmente, que a subjectividade não existe, ao contrário dos factos estatísticos, esses, sim, mais reais do que as realidades. Resulta desta postura que em vez de se discutir cientificamente se passa a discutir ideologicamente: quem for pela sustentabilidade serve Rosling, quem for pela insustentabilidade serve Al Gore.

A ciência centrípeta (Dores, 2020) especializa e separa de tal modo as suas actividades disciplinares que é possível, a uns e a outros, dizerem o mesmo ou o seu inverso, sem se estabelecer um diálogo entre as diferentes evidências e sensibilidades em presença. Por isso é tão importante reafirmar a prioridade da ciência às perguntas e à construção de liberdade de respostas que não sejam receituários, desenhadas para justificar conclusões apriorísticas, como aquelas que mais frequentemente são usadas pedagogicamente nas escolas e nas universidades.

Hans Rosling foi capaz de se negar como médico – e seguramente teria ressuscitado médico agora, perante a subversão da medicina organizada em torno da pandemia COVID 19 – mas não resistiu à sedução das ciências sociais, ao seu elitismo intelectual, que usa os factos cientificamente construídos para ignorar os sentimentos instintivos das pessoas. Estas ciências sociais, recordemo-lo, por não serem ciências naturais, nada têm a dizer sobre os problemas ambientais causados por algumas sociedades humanas, como os tipos de sociedade que deram liberdade a Rosling, mas estão a tramar a esperança da humanidade no futuro.

Referências:

Albrecht, G. (2021). Les émotions de la Terre. Cornell University Press.

Corbishley, N. (2021, May). “I Don’t Know of a Bigger Story in the World” Right Now Than Ivermectin: NY Times Best-Selling Author. Nacked Capitalism. https://www.nakedcapitalism.com/2021/05/i-dont-know-of-a-bigger-story-in-the-world-right-now-than-ivermectin-ny-times-best-selling-author.html

Dores, A. P. (2020). Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas. Blog Libertação Do Império. https://libertacao.hypotheses.org/603

Farmácias, A. N. das. (2021). Prescrição de Ivermectina na Prevenção e no tratamento da COVID-19. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=9McHuPksE0o

Gore, A. (2013). Al Gore’s CO2 Emissions Chart. TheTurtleDance. https://www.youtube.com/watch?v=-JIuKjaY3r4

Rosling, H. (2010). Hans Rosling’s 200 Countries, 200 Years, 4 Minutes – The Joy of Stats. In BBC Four. BBC.

Rosling, H. (2015a). Davos 2015 – Sustainable Development: Demystifying the Facts. World Economic Forum. https://www.youtube.com/watch?v=3pVlaEbpJ7k

Rosling, H. (2015b). Where Are the Syrian Refugees? Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=0_QrIapiNOw

Rosling, H. (2017). Como Aprendi a Compreender o Mundo. Círculo de Leitores.

Wade, N. (2021, May). The origin of COVID: Did people or nature open Pandora’s box at Wuhan? Bulletin of Atomic Scientists. https://thebulletin.org/2021/05/the-origin-of-covid-did-people-or-nature-open-pandoras-box-at-wuhan/

Weinstein, B., Kirsch, S., & Malone, R. (2021). How save the world, in three easy steps. Dark Horse Podcats. https://odysee.com/@BretWeinstein:f/how-to-save-the-world,-in-three-easy:0?r=FuWwFotRbicqY9GHyWBqDdTNNHpaTgC9

Democracia e eleições autárquicas (II)

É estranho culparem os abstencionistas pelos números da abstenção, sempre em crescendo desde o 25 de Abril. As (falsas) soluções para o assunto são sempre as mesmas: mais educação, mais punição, melhores campanhas eleitorais. Questionar porque é que a bazuca apenas atrai e excita os candidatos e deixa os eleitores desmobilizados é demais para os políticos. Estudar como será possível evitar o assalto habitual aos fundos do estado igualmente. O que é que as campanhas eleitorais acrescentam à nossa felicidade, além do amor incondicional dos candidatos nos seus eleitores? Organizar discussões como estas é pedir demais à democracia que temos. Se quisermos uma democracia capaz de se regenerar, ela terá de ser reinventada: capaz de renascer em vez de ser abolida pelos movimentos neo-nazi-fascistas que, quais abutres, continuam à espera da putrefacção do moribundo.

Acesso a primeira parte do artigo: Democracia e eleições autárquicas (I)

É compreensível que quem represente instituições, políticas, educativas, partidárias, empresariais, outras, se apresente optimista e disponível para minimizar ou mesmo esconder quaisquer razões para pessimismo. Precisamente, a democracia resulta da experiência milenar de que tais práticas, naturais e compreensíveis que são, acabam em ditaduras e em derrocadas generalizadas das instituições, como em Portugal em 25 de Abril de 1974, ou na União Soviética, em 1989. Tais derrocadas podem ser evitadas ou amaciadas pela abertura democrática: as críticas dos que não estão em posição de poder, incluindo as oportunidades dos críticos assumirem responsabilidades institucionais, é uma maneira de evitar males maiores, para as elites e para os povos.

Acontece hoje estarmos numa situação especialmente grave, na medida em que a globalização falhou. Falhou em evitar a guerra: à Guerra Fria seguiu-se imediatamente a Guerra ao Terror e, agora, a segunda Guerra Fria. Desde os anos oitenta, à guerra contra as drogas seguiu-se a guerra contra os imigrantes sem papeis, às mafias de leste, e, desde 2020, a guerra contra o vírus. Falhou em criar estabilidade financeira, pois, uma década após o seu estabelecimento, o sistema financeiro global faliu e, com ele, a esperança neoliberal de auto-regulação da economia, dispensando os estados. Aquilo que foi desenhado para assegurar o máximo de liberdade para os investidores, o capitalismo popular, é hoje em dia o maior sorvedoiro das finanças dos estados, através dos serviços às dívidas crescentes. Falhou em acabar com a fome e a miséria, estando a aumentar fenómenos como a escravatura na Europa. Falhou em assegurar o respeito pelos direitos humanos, pois as missões humanitárias organizadas militarmente foram todas desastrosas e o número de refugiados produzidos por essas missões não para de aumentar. Falhou porque, como avisaram os ambientalistas, a replicação do modo de vida ocidental em populações com modos de vida tradicionais é insustentável, por razões objectivas: a Terra tem recursos limitados.

Em vez de se reconhecer haver erros estruturais no modo de fazer política, como também acontece em todas as áreas de actividade profissionalizada, todos e cada um continuamos a reproduzir as ordens para fazer a globalização, quando quem deu a ordem já não está lá. Dadas as limitações de soberania impostas pela comunidade internacional e, também, pela NATO e pela União Europeia, as linhas estratégicas de condução política, como a fuga ao fisco, as violações do estado de direito, o autoritarismo e racismo estruturais, não podem ser questionadas. Tudo se passa em torno das posições de cada grupo de elite, nacional ou local, junto de quem detenha poder no momento, que lutam desesperadamente para manter posições, enquanto for possível.

Porque é que a democracia não está a funcionar a favor da humanidade?

Esta situação é mais bem descrita como uma oligarquia, a hegemonia de um grupo de pessoas coligadas entre si por interesses mútuos, excluindo todos os outros. Isso tem sido denunciado, sobretudo após a inexplicável crise financeira de 2008, que continua por explicar, e que tem custado a fabricação de inundações de dinheiro e aumento das dívidas que, alegadamente, eram, então, um problema estrutural (hoje deixou de o ser?). A partir daí, houve um assalto às posições das oligarquias. Novos partidos tentaram, e nalguns países conseguiram, derrubar os partidos tradicionais. Porém, apesar da turbulência, apesar da mudança de pessoal político e de alguns banqueiros, mantém-se a incapacidade política de questionar o que se passa. Por exemplo, qual foi, então, o resultado da guerra ao terror declarada em 2003 por George W. Bush, Blair e Aznar, servidos por Durão Barroso, e declarada perdida com a vergonhosa saída da NATO do Afeganistão? Que se espera que venha a acontecer a partir de agora, com a declaração da II Guerra Fria, nomeadamente com a aliança militar do Pacífico que liga EUA, Austrália e Reino Unido, descaradamente negada pelo presidente norte-americano nas Nações Unidas?

Montadas em cima de mentiras e limitações de acesso a informações estratégicas, por interesse próprio dos candidatos e por estrutura do estado, as eleições são desconsideradas pelos eleitores que se abstêm. São entendidas pela maioria como uma feira de vaidades a que os eleitores devem corresponder, votando útil, consagrando quase todos e castigando alguns bodes expiatórios que se confrontam pessoalmente com as consequências do seu próprio despotismo, para salvação de o de todos os restantes.

A democracia precisa de democratas. Precisa também de abolicionistas. Uns e outros podem colaborar para utilizar e criticar as instituições, na teoria e na prática. Uns e outros devem aprender a tornar-se aliados, respeitando-se mutuamente e expulsando da política os intolerantes, máscara que encobre interesses inconfessáveis.

Os abstencionistas não devem ser confundidos com abolicionistas, nem os votantes com democratas. Democratas são pessoas que usam o poder no respeito pelas pessoas que não têm poder. Abolicionistas são pessoas que não se alheiam das misérias alheias e se confrontam com os poderes, incluindo os poderes democráticos, que suscitam ou ignoram as injustiças.

No mundo imperialista em que vivemos, dependentes do que pensam Biden ou Merkel ou Putin ou Xi, a democracia, a vontade das pessoas está limitada aos intocáveis quadros de interesses globais. A democracia pode parecer o inverso do império, também conhecida como poderes emergentes, de baixo para cima. Na prática, as coisas são mais complicadas: por exemplo, o apoio do império aos democratas em Portugal, para acabar com o regime fascista, foi importante. Ofereceu um modelo de democracia, como aquele que foi criticado acima, capaz de conciliar império e democracia. Os eleitores continuam agradecidos e a votar ao modo ensinado então. Porém, as limitações da democracia sujeita ao império são reais e podem mesmo ser fatais. A inovação não tem que ser apenas um slogan tecnológico e empresarial.

Em todo o mundo, uma onda de contestação das elites e do império está a ser conduzida por forças religiosas fundamentalistas, primeiro, e neo-nazi-fascistas, mais recentemente. O abolicionismo, os movimentos de baixo para cima, estão a ser conduzidos por políticas imperialistas e anti-democráticas, cujo fito parece ser obrigar toda a gente a respeitar a ordem, qualquer ordem, de modo a que quem obedeça se sujeite ao seu papel prescrito superiormente e se sacrifique a ele com devoção.

O abolicionismo é espontâneo, mas o bom selvagem não é um bom carácter, um santo. Encontrando obstáculos intransponíveis, como uma democracia oligárquica anestesiante, pode recorrer à magia: lançar maldições através de nomear pessoas odiosas capazes de destruir as instituições.

Escolas, universidades, profissões instigam a vontade das pessoas de voltar à normalidade, sugerindo que houve um momento no passado em que tudo corria no melhor dos mundos possíveis. Para a esquerda, tal mundo seria o estado social. Para a direita, tal mundo seria o tempo em que as pessoas obedeciam sinceramente aos chefes, como os nazis e os fascistas. Para o centro tanto faz: o que interessa é não olhar os cenários de terror que os cientistas desenham para a transformação ambiental.  

O abolicionismo, como o império, não são forças maniqueístas, do bem e do mal, capazes de moralizar a vida. Ao invés, são fenómenos sociais que deveriam ser mais bem conhecidos de maneira a permitir entender porque é que a democracia se torna cada vez menos capaz de conduzir os processos de conciliação entre os interesses das elites, das pessoas que as servem e da humanidade, em geral.   

Democracia e eleições autárquicas (I)

A democracia que temos é, quiçá, menos do que a democracia que gostaríamos de ter. A liberdade que nos falta para fazer mais democracia é tarefa dos democratas, que para isso devem acompanhar e favorecer os abolicionistas contra as instituições democráticas que ou são pouco democráticas ou não cumprem as suas finalidades.

Os partidos do centrão (e sobretudo a abstenção) dominaram as votações em 2021, apesar da continuação do crescimento do número de partidos e das possibilidades de candidaturas independentes. A direita neo-fascista subiu em votos, mas sem confirmar a ameaça de ser o mais votado dos partidos pequenos. Os partidos à esquerda do centrão viram reduzidas as suas votações.

O que caracterizou, mais uma vez, estas eleições, foi o não questionamento de o que seja a democracia. A fortíssima tendência de os presidentes eleitos no mandato anterior serem reeleitos já foi reconhecida e, mesmo, alvo de lei especial para limitação de mandatos. Portanto, a democracia representativa autárquica é presidencialista (o que é uma coisa diferente da democracia instituída a nível nacional) e os eleitores reforçam essa característica.

Vale a pena lembrar que um desígnio constitucional, a regionalização, em 1998, falhou no referendo que foi organizado para o legitimar. A oposição a um tal projecto, caro à classe política, alegou, com sucesso, ser esse passo apenas uma forma de criar mais lugares políticos, de cariz presidencialista, sujeitos à falta de escrutínio democrático, pois não há activismo em condições de o fazer, pois os estímulos para isso são negativos. Alegou a oposição à regionalização ser ela um reforço das práticas de corrupção, cuja descoberta, como se vê, não foi recente nem se deve à extrema-direita. O que ocorre é que, cansados da inércia das instituições no combate à corrupção, o que inclui a humilhação e perseguição dos que a denunciam, o assunto foi sendo arrastado e minimizado, como continua a ser.  

Pelo menos desde o início do século, os eleitores sinalizaram desconfiança nos projectos políticos para engordar os lugares políticos e nada de suficiente foi feito para reverter essa sinalização democrática. Há quem conclua haver, por parte dos mais altos poderes do estado, em particular dos partidos do centrão, um bloqueio intencional e inconfessável de quaisquer práticas de escrutínio cívico e jornalístico dos actos de governação. As campanhas eleitorais confirmam-no: discutem-se vaidades e encobrem-se os problemas de fundo.

De modo mais ou menos conformista, os partidos e os agentes políticos tocam e fogem dos problemas das pessoas.  Tratar problemas de fundo, como o ambiente, a falência do sistema financeiro global, a guerra e os refugiados, a escravatura, a qualidade do emprego e dos cuidados de saúde, o sentido da educação, a violação dos direitos humanos, a facilitação da corrupção, para quem está na política é como cuspir para o ar. O que lhes interessa discutir é as ideologias económicas, mais ou menos privatização, as ideologias higienistas, mais ou menos confinamento, ou as ideologias punitivistas, mais ou menos crimes com molduras penais elevadas, que os distinguem entre si. O que pensam que lhes cabe é pensar a teoria a que os ignaros dos eleitores não chegam.

Bazuca em acção

A formação e continuidade das oligarquias, locais, nacionais, europeias, globais, que têm vindo a degradar a democracia, aqui e em todo o mundo ocidental, não parece, às sumidades da política, um tema político. Ou melhor, para essa gente tão inteligente, só os mais inteligentes entre eles estarão em condições de, um dia, quando acharem oportuno, virem a discutir porque é que a democracia não faz felizes as pessoas.

A corrupção, concretamente, não é tratada como um problema local, nacional, europeu, internacional, embora esteja a ser usada por partidos próximos de grupos criminosos e de polícias, cuja moral parece ser a grande arma (a arma das “pessoas de bem”). De facto, o sr. Juncker foi nomeado presidente da Comissão Europeia, em 2014, apesar das críticas de que foi alvo de ser, na qualidade de primeiro ministro do Luxemburgo, promotor da evasão de receitas fiscais na Europa. Isso não o fragilizou (talvez o inverso tenha sido verdade) nem ao seu mandato. O menos que se pode dizer é que todas as instituições europeias se conformaram com a situação. O sr. Assange, jornalista fundador do WikiLeaks, está a ser perseguido desde 2010, e encontra-se actualmente preso, num complot que envolve a justiça sueca e britânica, coordenada pela presidência dos EUA, num processo condenado pelo Alto Comissário dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em 2019. O menos que se pode dizer é que os princípios do estado de direito não estão a funcionar na Europa.

As políticas nacionais e europeias só apareceram nas eleições pela voz do primeiro-ministro, sob a designação de Plano de Recuperação e Resiliência, nome de guerra bazuca, também conhecida por dinheiro de helicóptero: o paraíso dos políticos, o lubrificante dos partidos, a excitação dos autarcas. Houve protestos dos seus adversários, alegando mesmo comportamento anti-democrático do primeiro-ministro. A questão é que só ele, porque detém as rédeas do governo nacional, está em condições de utilizar as redes de compadrio com sede nos partidos e que são tão influentes localmente. A questão mais de fundo, é que não há partido disponível para contestar as práticas de atirar dinheiro aos problemas, já anteriormente experimentadas com os resultados conhecidos e que agora, talvez por iluminação do terceiro segredo de Fátima, se assegura que não se vai repetir, quando sempre se repete e repetirá, em Portugal e em qualquer parte do mundo.

Outra das questões de fundo silenciadas é a doença mental, que já é grave e que a pandemia agravou. A doença mental não é apenas um problema de saúde ou saúde pública: é a fonte do bloqueio aos instintos de adaptação dos humanos que, desvairados, desejam voltar à normalidade, normalidade que nos trouxe as pragas do Egipto que se acumulam nas nossas vidas. A anestesia em que vivemos é inoculada pelas instituições democráticas, sem crítica, com resultados evidentes que a propaganda consegue ir encobrindo, enquanto a realidade se vai tornando cada vez mais clara, mesmos para quem esteja fechado em casa a ver televisão.  

As disputas autárquicas, então, foram intencionalmente limitadas a questões de protagonismo e autoridade local, reflectindo a lei eleitoral presidencialista, em que as assembleias municipais e de freguesia são meramente decorativas. Foram também usadas para testar a resiliência dos protagonistas nacionais às tricas partidárias. Política substantiva, zero. A política democrática está reduzida à idolatria dos chefes que se dedicam a evitar as discussões políticas relevantes, em nome do sucesso do peditório com o nome de guerra bazuca.

Democracia e eleições autárquicas (II)

Reeducar o século XXI, com o RBI TT: para libertar o espírito científico

“Segurança em liberdade, democracia sem exclusões” mote da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento
O humorista diz que a ciência é capaz de resolver e causar um problema, como a pandemia
“Acordai” de Fernando Lopes Graça, por Ana Maria Pinto, 6 de Outubro de 2012

Resumo: o estado e a ciência não são de fiar. A confiança geralmente depositada pelas pessoas nos estados e nas ciências é um problema: fá-las sentirem-se e comportarem-se como irresponsáveis. Não reagem, como acontece nas ruas da cidade quando alguém precisa de ajuda e todos passam ao lado.

A ausência de reacção à sucessão de calamidades que negam à evidência as promessas do progresso económico suscita votações crescentes em partidos de inspiração neofascista. Ao dia de hoje, as pessoas ainda não “acordaram”, como pedia a cantora lírica pelas ruas de Lisboa uns anos atrás. Continuam a querer que alguém, talvez mais duro do que aqueles que estão no topo agora, faça o que querem ver feito. Imaginam não ter nem dever incomodar-se com isso e assumir a responsabilidade de fazer o que é preciso fazer.

O que é preciso fazer? Uma resposta possível é: é preciso reanimar a ciência. Vamos precisar dela para não criar mais problemas, atenta para nos ajudar a encarar as calamidades que se anunciam irreversíveis.

___________________

Como entender o facto de as políticas defensivas de troca de liberdades por segurança, conjugadas com as políticas avançadas de escolarização universal, profissionalização de base científica certificada alargada a cada vez mais actividades económicas, os avanços acelerados da ciência e da tecnologia, tenham produzido, por um lado, fogos continentais, inundações nunca vistas, fenómenos atmosféricos extremos, degelo do ártico, temperaturas de 20º acima do normal, pandemias e paragens da vida social e económica por auto-declarada impotência, desorientação e incapacidade de reagir ao aumento abrupto dos riscos de saúde e, por outro lado, a incapacidade de resolver a crise do recentemente montado sistema financeiro global, falido em 2008, a par do ressurgimento de projectos político-ideológicos fundados no ódio e na instigação da violência genocida, qual déjà vu?

Como entender que o problema da estagnoflacção que trocou as voltas às teorias keynesianas, nos anos 70, tenha sido ultrapassado pelo alargamento da sociedade de consumo, então limitado aos países mais desenvolvidos, a muitas outras regiões do planeta, com destaque para a China, quando já se sabia então que tal política seria incomportável pela Terra?

A primeira estratégia é imperial: exige respeito pela hierarquização embutida na divisão de trabalho, responsabilizando platonicamente as elites e seus administradores, e desresponsabilizando os trabalhadores, cujo papel social seria serem mera mão-de-obra subordinada. A segunda estratégia, para poder ser praticada de forma generalizada, exige que, em vez de estarmos sujeitos a avaliações punitivas, nos seja dada confiança social, e a respectiva responsabilidade, de fazer prevalecer auto-avaliações colectivamente animadas e estimulantes.

É certo que os estados e a ONU foram encarregues de cuidar da nossa segurança e do respeito pelos direitos humanos. Seria bom que tais desideratos tivessem sido cumpridos, mas não foram. Nenhuma elite dirigente, apesar das muitas diferenças entre elas, está em condições de orientar a presente desorientação. Então, a conclusão lógica é que não podemos contar com os estados, mesmo quando estão concertados entre si, para resolver os magnos problemas que nos afectam.

Em vez de apostar na capacidade dos estados para resolverem as sete pragas do Egipto a que estamos a assistir, à espera de chegar a nossa vez de ver a vida ameaçada ou destruída, será recomendável reconhecer que à medida que as políticas de troca de liberdade por segurança se revelam ineficazes para a nossa segurança, as liberdades têm sido e continuam a ser aceleradamente negadas pelas elites que estão a copiar o modelo chinês de controlo social, agora elevado à automação dos créditos sociais. Os estados não dão sinais de estarem dispostos a defender nem a nossa segurança, nem as nossas liberdades. Teremos de ser nós a fazê-lo, como já perceberam os norte americanos ou os brasileiros, por exemplo.

O facto das escolas e das universidades serem instituições que, apesar de ser impossível, continuam a querer “voltar ao normal”, não é um sinal de vitalidade e de capacidade de reacção. O efeito anestésico que a educação universal tem tido decorre do seu imaginário isolamento – incluindo das crianças e dos jovens – perante a vida, a sociedade e os desastres, que passam a ser concebidos como espectáculos de televisão ou redes sociais.

O anestésico tem uma componente fácil de identificar: o ensino das ciências tem servido para divulgar receituários técnico-profissionais ao serviço do projecto imperial de exploração da Terra, em vez de enfatizar os aspectos abolicionistas das ciências, nomeadamente contra os dogmas religiosos ou ideológicos, na denúncia do aquecimento global, da extinção das espécies, dos genocídios fabricados pelos impérios. A educação proporcionada pelos estados hierarquiza e especializa cada pessoa para a tornar um indivíduo políticamente irresponsável (a não ser quando eventualmente vai às urnas votar), necessitado de um empregador parceiro da exploração da Terra. Tal educação é anestesiante, paralisante, suicidária.

O que fazer? A libertação social das camisas de força que tornaram a humanidade a sua pior inimiga passa por reprimir as ideias mágicas punitivas, como as do uso da violência para educar crianças, mulheres, pessoas com orientações de vida que nos incomodam, estados declarados inimigos pelas nossas elites. Jamais as punições fizeram outra coisa do que perpetuar e multiplicar os problemas, pela singela razão de a concentração em punir dispersa a atenção dos problemas e, portanto, nada resolve. Podem substituir-se as tendências punitivas, a abolir, por declarações fundamentadas e cientificamente informadas de confiança mútua entre todos os seres humanos, com vista a construir juntos um futuro de esperança.

Édipo e Antigona em Tebas, durante a praga (Hillemacher)

Não se trata de desenvolver platonicamente uma dualidade moral simplista. Trata-se de criar práticas políticas que admitam a possibilidade de as pessoas comuns poderem escolher, aprender e experimentar comportarem-se como melhor entenderem, nomeadamente reagindo contra as noções erradas sobre ciência que se ensinam nas escolas e universidades. Não nos caberá mais seguir meras receitas tecno-profissionais. Caber-nos-á aprender a oferecer a todos e a cada um a liberdade responsabilizante de fazer diferente do que a normalidade a que doentiamente aspiramos hoje. A ciência depende da liberdade de questionar as autoridades, e não é segui-las.

O rendimento básico incondicional de todos para todos, RBI TT, tão independente quanto possível dos estados e dos mercados, é um instrumento financeiro que todos podemos oferecer a nós mesmos para nos libertarmos dos (muitos) trabalhos usados para nos entorpecer, entorpecendo os outros, autorizando todos e cada um a procurar o melhor que há nas sociedades humanas.

A fixação de muitos de nós em recusar confiar nos outros, porque não confiamos em nós, por exemplo, perguntando “quem iria trabalhar se não fosse obrigado a isso”, é exactamente aquilo que sinaliza a nossa dogmática aceitação da mágica punitiva, que só se trabalha sob ameaça de fome e exclusão social. Ter a coragem de nos libertarmos colectivamente, admitindo e promovendo activamente o RBI TT é, em si mesmo, um acto de libertação que pode dar frutos, assim toda uma sociedade se possa libertar e, assim, procurar novos caminhos em solidariedade entre as pessoas, incluindo uma nova consciência que abula a absurda convicção de a Terra ser nossa inimiga e, por isso, mereça ser violada, explorada, destruída.

Fabricar a esperança

Mastigado, este livro dá-me, dá alegria de viver.

É um livro que propõe um caminho abolicionista para produzir esperança.

Abolicionista significa ser capaz de dar prioridade à procura de bem-estar das pessoas, e do próprio, em vez de à entrega do indivíduo socialmente produzido em nós para servir a sedução e as ambições de poderes profissionais. Quando as organizações não produzem o bem-estar de que se está à espera, o abolicionismo não culpa as vítimas. Ao invés, coloca de imediato em cima da mesa as possibilidades de melhorar as instituições em função da experiência do desempenho das organizações que deviam cumprir as finalidades desejadas.

Os poderes instituídos, claro, usam todos os seus recursos para dissimular a existência de ideias e propostas abolicionistas, nomeadamente alheando-as das discussões políticas, remetendo-as para áreas de debate higienizados por cercos de desprestígio politicamente organizados por escolas, universidades, comunicação social, e, quando ganham dinâmica, são reprimidas por forças de segurança.

Alimentar e guiar a esperança

Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico é um livro para mastigar as responsabilidades individuais e colectivas das gerações mais educadas de sempre no acumular de pragas do Egipto: aquecimento global, marginalização do estado de direito, guerra de civilizações, violação intencional dos direitos humanos pelos estados, falência das finanças globalizadas, retorno às políticas fascizantes, pandemias, inércia política e social, falência da produção de esperança, êxtase social e político perante o punitivismo sacrificial.

A esperança na ciência é aquela a que o autor recorre. Identifica as políticas científicas imperialistas e os seus gestores como fontes da censura ao estudo de panos de fundo, de substractos universais (Schofield, 2018). A exploração da ciência reduziu-a a ciência centrípeta, mais disciplinar que científica, limitando o alcance e o impacto da ciência centrífuga. Esta última supera as dificuldades cartesianas encontradas na prática das interdisciplinaridades. Usa conceitos capazes de serem utilizados, ao mesmo tempo, a todos os níveis de realidade e em todas as esferas de actividade.

Exemplos desses conceitos são referidos no livro: panos de fundo são ecocídio, identidade, violência, estados de espírito. Exemplos destes últimos são espírito imperial, espírito científico, espírito profissional, espírito da língua. O uso de todas as possibilidades destes conceitos, que atravessam as fronteiras institucionalmente muralhadas das ciências naturais e das ciências sociais, e das diferentes disciplinas e subdisciplinas, confronta-se e dá visibilidade às funções defensivas, censórias, anti sociais, de organizações que prejudicam o bem-estar das pessoas e da vida na Terra, para as explorar com vista à manutenção de hierarquias e modos de acumulação de riqueza (Pistor, 2019; Woodiwiss, 2005) que envergonham. Por isso, poder e riqueza servem para ser expostos e, ao mesmo tempo, são escamoteados. Distorcidos (Clark, 2014) para que possam ser aceites, apesar das evidências dos males produzidos (Markovits, 2019).

Mastigar este livro é um acto de produção de esperança, para o autor e para os leitores dispostos a mastigá-lo. Fazê-lo é uma forma de nos abrirmos a novas possibilidades institucionais, no estado, nas escolas e nas universidades, na ciência, nas profissões, no trabalho e na família, e de descobrir o que fazer, só ou acompanhado, para resgatar a esperança das pessoas neste mundo de indivíduos.

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.

Discriminação imperial: o lugar da linguagem e da organização

A imagem de um chefe militar a dirigir-se às suas tropas previamente organizadas deve ser explicada. Como a massa reconhece no chefe alguém que sabe como os dirigir e o segue até â morte? Porque são admiráveis as obras imperiais, apesar dos sacrifícios que impõem a inocentes?

O espírito imperial organiza um trabalho de discriminações com vista a, dissimuladamente, manter e proteger elites em posições de superioridade social sistemática. Fá-lo educando as pessoas para a conquista dos respectivos lugares nas hierarquizações sociais, como se isso fosse natural e não socialmente construído.

Há duas bases de manipulação sobre as quais o espírito imperial se tornou possível e prosperou, a partir da revolução axial (Eisenstadt, 2008): a linguagem e a organização.

Nova relação com Deus-Natureza marcada pela estanquicidade

O surgimento da linguagem fixou e reforçou as discriminações entre o que era comestível e não comestível, o que era uma aliança matrimonial e um caso sexual, entre perigo e situações controláveis, etc. O ensino-aprendizagem expandiu as suas possibilidades, que antes de haver linguagem eram significativamente menores. As pessoas aumentaram a sua sabedoria à custa de acreditarem em ensinamentos que lhes eram fixados pelas gerações anteriores. Para regular as más interpretações dos ensinamentos, houve que reforçar a autoridade de quem ensina e reduzir as margens de interpretação daquilo que é ensinado.

A ciência, por exemplo, para se afirmar contra os dogmas que a reprimiam aprendeu a questionar de forma útil as heranças cognitivas e substituí-las por novas autoridades questionáveis a todo o tempo pela experiência. Porém, como notou Thomas Khun (1970), pode distinguir-se as ciências normais – que não questionam os fundamentos das suas práticas, tratando os problemas dentro dos quadros meta conceptuais acreditados – das ciências paradigmáticas – aquele trabalho científico que se autoriza a modificar os quadros meta conceptuais em que se costuma trabalhar.

Embora a ciência seja um exemplo de linguagem consciente dos seus riscos e limitações, dado o fosso incomensurável entre as ideias associadas às palavras e as práticas que as procuram representar e orientar, as rotinas organizadas têm um papel nada negligenciável na sua existência e reprodução. A inovação e a criação elevam-se sobre a mediania rotinizada, eventualmente de forma meritória, mas frequentemente sem resultados práticos que justifiquem os esforços e despesas de mudanças e transformações. Na prática da vida das organizações científicas, só pela avaliação dos resultados se pode saber quem está a fazer ciência normal e quem está a fazer ciência paradigmática.

Embora a linguagem seja um excelente instrumento de representação da realidade, é-o porque não é a realidade. Tal como a cartografia mais exacta teria de ser da dimensão do território a descrever, inútil portanto, do mesmo modo a linguagem seria irrelevante se não fosse um modo extremamente económico de reduzir a realidade a algo mais transportável e comunicável. Aquilo que na realidade converge e se desmultiplica em diferentes dimensões, intensidades, densidades, na linguagem aparece sintéctica e claramente substituída pelo efeito de coisificação – isolamento do objecto do seu contexto. Aquilo que é discriminado é separado de si mesmo, para melhor ênfase, análise e transmissão ensino-aprendizagem. Pelo menos é isso que nos ensinou Descartes quando afirmou a vantagem cognitiva de dividir a realidade em partes para as estudar uma a uma, de um modo exaustivo, como se não conhecêssemos nada antes (princípio da tábua rasa), o que seria impensável se se tratasse de um objecto embutido no todo.

O sucesso desse método continuou-se na teoria de sistemas, em que as partes previamente separadas são organizadas mutuamente religadas segundo regras abstractamente impostas (Parsons, 1961). Desse modo tem sido possível manter as ciências sociais com base num axioma obviamente falso (a natureza e a cultura ou a sociedade seriam coisas estanques entre si, que se impactam como bolas de bilhar). O esforço, com sucesso espantoso, para manter as aparências organiza-se através de uma estratégia de hiperespecialização, de uma divisão disciplinar e subdisciplinar profissional e corporativa, a que chamei ciência centrípeta (Dores, 2020, 2021).

A linguagem, quem o desconhece, tornou-se um dos pilares, a par da violência, das lutas sobre a moral e a política, frequentemente mais importante do que as práticas, em tempo de paz bastante conciliatórias. As representações adquirem dinâmicas próprias bastante autónomas em relação àquilo que representam e às práticas que legitimam. Como costuma dizer quem ensina e quem faz política: “faz o que eu digo, não faças o que eu faço”!

No quadro do aumento dos conhecimentos e do volume de coisificação (desencantamento) do mundo promovido pela linguagem imperial – porque há outros usos da linguagem que farão usos diferentes da mesma coisificação (como o encantamento) – a organização hierárquica (nacional e disciplinar) das diferentes formas de produção e uso das línguas vai de par e reforça a organização social, nomeadamente distinguindo os níveis institucional (correspondente à ciência paradigmática, futurível, esperançosa, imaginativa, virtual) e organizacional (correspondente à ciência normal, concentrada no presente, profissional, rotineira, avaliada pelas elites). Às elites cabe estabelecer e interpretar as leis e às não elites, às pessoas comuns, cabe seguir as instruções das elites sobre o que devem fazer para respeitar o que aprenderam a dever dizer e como devem ser interpretadas as leis.

O desenvolvimento imperial de linguagens, instituições, organizações, pessoas, mutuamente estanques entre si, para servirem as elites, gera um cesura social frequentemente apresentada como natural, como se sempre tivesse sido assim e não pudesse ser de outro modo por razões inelutáveis. Na prática, o confronto quotidiano e pessoas de todos e cada um com o atrito entre as orientações emanadas das elites, as situações encontradas e as consequências das acções, gera reacções sociais permanentes de desconforto que se acumulam.

As elites reservam para si o direito de ajustar as orientações de acção e as circunstâncias da sua execução com vista a finalidades planeadas, e impedem quem não seja das elites de tomar decisões e modificar práticas sociais. Tanto os membros das elites como os membros das não elites lutam consigo mesmos, e entre si, para explicar e entender a razão de ser de tal cesura e respectivos atritos (nas ciências sociais chamam-lhe desigualdades sociais) que apenas poderão ser enfrentados através de formas de representação e de organização anti-imperiais, abrindo o jogo a toda a gente e permitindo ajustamentos just in time, mesmo contra os interesses das elites.

Então, os avanços anti-imperiais, que podem facilmente ser encontrados na história recente e antiga, têm sido confrontados com as estratégias de dissimulação imperiais que procuram fixar as elites como sendo naturais, aristocráticas ou meritocráticas (Markovits, 2019) e/ou reprimir reorientar as práticas anti-imperiais bem sucedidas para a manutenção das elites e dos impérios que as tornam superiores, na prática.

Esta dinâmica produz crises anti-imperialistas regulares, imprevisíveis. Uma vez acordadas as instituições num momento de acordo sobre um determinado contrato social capaz de pacificar as relações sociais,  como aconteceu com a constituição portuguesa que rompeu com o fascismo e fixou a democracia, em 1976, as elites procuram tirar proveito das posições constitucionalmente fixadas (na política, nas administrações do estado e das empresas) para interpretar e adaptar o contrato social às circunstâncias – criando e usando a estanquicidade das posições políticas e de administração – através de alterações legislativas e de decisões empresariais fora do âmbito de intervenção das pessoas normais. Geram-se dinâmicas de imitação e repugnância, amor-ódio, entre as pessoas de diferentes lados das fissuras sociais, de classe, profissionais, organizacionais, reduzidas que está a respectiva atenção a corresponder à normalidade.

A normalidade imperial é, portanto, a de desocupar as elites, oferecer-lhes liberdades para que possam organizar a produção das interpretações dos contratos sociais a seu favor (Pistor, 2019), e ocupar ao máximo as pessoas não-elite com horários de trabalho, de consumo, de férias, de educação formal, de atenção a sistemas de comunicação social e entretenimento, no limite com perseguições das suas vidas desorganizadas desorganizando-as ainda mais, de forma bastante mais sofisticada do conhecido “pão e circo” romanos.

posts relacionados:

Identificar os problemas

Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

As vozes culturalmente censuradas

Romper com espírito imperial

Referências:

Dores, A. P. (2020). A Estado Social Real. RCP edições.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Kuhn, T. S. (1970). La structure des révolutions scientifiques. Flammarion.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Parsons, T. (1961). An Outline of Social System. In T. Parsons, E. Shils, K. Naegele, & J. Pitts (Eds.), Theories of Society. Free Press.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Abolir o espírito imperial

O espírito imperial caracteriza-se por ser profunda e extensamente sedutor e, ao mesmo tempo, impiedosa e orgulhosamente violento.

Esta bipolaridade do espírito imperial decorre da evolução da vida na Terra e da evolução da humanidade nas circunstâncias ambientalmente favoráveis dos últimos 10 mil anos. As próximas décadas e os próximos séculos irão mostrar se, como gostamos de imaginar, a capacidade de adaptação humana é inteligente ou, afinal, não é significativamente melhor do que fazem os gafanhotos ou as formigas quando protagonizam pragas ou as bactérias ou vírus quando provocam infecções.

Os resultados práticos da escolarização universal e a extensão do tempo de escolaridade por mais de uma década possibilitada pelas independências nacionais, isto é, pela subordinação de todos os territórios da Terra à soberania de estados bem identificados, são decepcionantes. Perante o reconhecimento geral das alterações climáticas, a proactividade das pessoas conscientes e até assustadas com isso não é capaz de alterar comportamentos sociais e individuais em escala útil. A liberdade moderna que há não se mostra suficiente para que a humanidade, ou sequer uma parte significativa dela, siga recomendações razoáveis e racionais conhecidas. O exemplo dos povos que protegem o ambiente são desvalorizados como selvagens e em vias de desaparecimento pelas pessoas que incorporaram o espírito imperial, todos os que vivem referidos às civilizações modernizadoras.

Os estados, a economia e a comunicação social globalizadas que os acompanham, escamoteiam de forma frequentemente óbvia o espírito imperial que os move, a extrema violência que usam, os controlos contra as liberdades que desenvolvem, a sua incapacidade para se adaptarem ao meio ambiente, preferindo que seja o meio ambiente que se adapte a eles, os ódios organizadamente produzidos contra os inimigos e, também, contra populações estigmatizadas ou que podem ser estigmatizadas com vista a dispersar os ódios espontaneamente gerados entre as populações contra as elites que manipulam o espírito imperial de todos quando os maus resultados dos privilégios irresponsáveis se tornam evidentes.

Porque assim é, não pode causar surpresa que temas como estados de espírito, império, violência, liberdade, meio ambiente, emoções como o medo ou o ódio, estigmas, responsabilidades, sejam, por um lado, inevitáveis e, por outro lado, evitados e ostracizados nas escolas e universidades modernas. Então, se por abolicionismo se entender a capacidade de enfrentar as chagas sociais e cuidar delas, como o fazem os lados femininos das sociedades humanas sobre os quais se constroem dinâmicas de transformação social emancipatória, as tarefas centrais do abolicionismo hoje serão a denúncia com vista à sua abolição do espírito imperial e da extrema violência que o caracteriza.

Há uma homologia entre a abolição do espírito imperial e a abolição da violência de género (Dores, 2013) com vista a criar as melhores condições para se vir a dar prioridade aos cuidados da natureza e da humanidade.  

Referência:

Dores, A. P. (2013). Para uma Justiça Transformativa. ler em http://home.iscte-iul.pt/~apad/justica transformativa

Romper com espírito imperial

A subordinação da humanidade ao meio ambiente foi criticada pelos homens clássicos que tinham condições pessoais de assegurar a sua subsistência à custa da sociedade. Para justificar moralmente essa situação de privilégio, e a perpetuarem, esses homens desenvolveram culturas de auto-elogio, como hoje se praticam nas escolas, nas profissões e nas elites. Desenvolveram formas culturais de valorização unilateral daquilo que os distingue dos outros, como a cultivada agilidade mental e a visão política, e de ocultação daquilo que os torna semelhantes ou inferiores aos restantes, como a morte e os interesses pessoais.

As modernidades decorrentes da Revolução Axial (Eisenstadt, 2008) são afirmações da superioridade imperial de elites locais dispostas a tomar ou ao menos mediar as relações dos povos com as respectivas espiritualidades. As tendências espontâneas, como as discriminações sexuais ou de idade ou étnicas, foram elaboradas pelas elites em sexismo, intelectualismo, racismo, instrumentos políticos para dividir e reinar, isto é, aumentar as hipóteses de manter e tornar hereditários os privilégios.

O imperialismo não é, pois, o resultado do desenvolvimento exponencial do capitalismo, ao contrário do que escreveu Lenin (1916) e do que é comummente aceite. Como o poderia ser se o capitalismo tem um quarto de milénio e os impérios são conhecidos há vários milénios? O imperialismo é um estado de espírito experimentado e ensinado, como o revolucionário de Marx, o do capitalismo de Max Weber, o de solidariedade de Durkheim, o profissional, os disciplinares de cada ciência, etc. O estado de espírito imperial caracteriza-se por se focar em elaborar discriminações para proteger e legitimar a existência dos privilégios das elites e dos processos de os transmitir em herança, utilizando os mecanismos de segredo social para dissimular a sua própria existência.

Este estado de espírito imperial foi democratizado pelo projecto de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, que vingou a partir da Europa do século XV até hoje, em nome da expansão da cristandade, entretanto dissimulada em laicidade, cosmopolitismo e meritocracia. Os traços desse processo podem ser estudados na história dos sistemas de justiça, onde a lei dos livros descoincide de forma espectacular com as decisões dos tribunais (Habermas, 1987).

O que há a fazer, para enfrentar as setes pragas do Egipto do século XXI, é reconhecer a necessidade de romper com o espírito imperial que nos organiza as identidades pessoais, sobretudo como profissionais, e encontrar novas formas de moral e de cultura capazes de promoverem acções humanas mais construtivas do que destrutivas. O que há a fazer é estabelecer diálogos entre civilizações com esse objectivo, como se propõem ajudar a fazer os zapatistas na sua “declaração pela vida” que recentemente lançaram aos 5 continentes (Zapatistas, 2021).

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/

Profissionalismo

Profissionalismo significa, como bem fixa a doutrina do centralismo democrático, fidelidade e obediência à direcção do partido ou da organização. Tal como recomendara Descartes, cada pessoa dividia-se em cabeça e corpo, sendo que aos profissionais, como na tropa, não caberia questionar as decisões superiores, mas antes contribuir para a sua concretização. Aos profissionais cabe disponibilizar as suas competências adquiridas como instrumentos ao serviço das decisões de quem lhes paga um rendimento, de subsistência ou mais substancial. Desse modo, as decisões estratégicas podem ser produzidas no topo e descer em cascata pela pirâmide social solidária com as elites, mesmo quando estas estão desorientadas ou viciadas.

Lenin tornou-se, no seu mausoléu, o símbolo da ordem superior a que os profissionais não podem nem devem ter acesso, a não ser como reverência condescendente da direcção do partido ou do estado, ou da administração de empresa. Lenin reproduziu a soberba intelectual de Descartes, ao reificar a res cogitans do Partido como independente da res extensa dos povos, como uma inspiração divina, neste caso de Karl Marx. Porém, usando sempre Marx, alegou estar a fazer o inverso: seria a infraestrutura (e não a superestrutura ou cabeça) aquilo que conduziria a acção humana ao destino socialista e comunista das sociedades modernas.

A ideologia proletária, imagem ao espelho da ideologia burguesa, pelas mãos de Lenin, conquistou o estado imperial russo e ocultou a voz popular imitando-a, alegando o direito especial de representação dos trabalhadores industriais, que quase não existiam na Rússia (Resnick & Wolff, 2004).

Tal como uma das principais funções do racionalismo cartesiano é ocultar a relação privilegiada com o Céu que inspira a res cogitans, resquício ao mesmo tempo presente e negado, secreto, das culturas tradicionais, religiosas, alegadamente desaparecidas com a revolução, primeiro francesa, depois russa, também a ideologia proletária interpretada por Lenin tem por um dos seus principais objectivos negar, proteger com segredo, a existência de elites de tipo tradicional, reificadas: a nomenclatura.

Não se trata aqui de renegar a memória de um político notável e menos ainda fazer processos de intenção. Trata-se de constatar que a tomada de poder de um império dificilmente pode ser feita sem o reproduzir. Algo semelhante se passou com as luta anti-imperialistas e anti-coloniais da descolonização. A bandeira da independência nacional representou a fixação das arbitrárias fronteiras coloniais e a dominação dos territórios administrativamente definidos por práticas de dominação estatais e imperialistas semelhantes às que estiveram a ser condenadas nesse período histórico do pós-guerra.

Do mesmo modo que os abusadores negam sê-lo, ou os vigaristas se fazem de vítimas, e isso impressiona os abusados e os vigarizados de tal modo que, em vez de denunciarem as situações conformam-se com elas, assim os administradores e políticos profissionais do pós-guerra reclamam méritos especiais e irresponsabilidade nos resultados. O privilégio intelectual atribuído à condição moderna, na base da escala abstracta de mérito concretizada pelas avaliações escolares, profissionais e partidárias organizadas pelos estados e apenas aplicadas às pessoas subordinadas, em particular os privilégios atribuídos aos profissionais da política nas sociedades do pós-guerra, tornou os políticos profissionais uma casta (Oborne, 2008) de suporte às oligarquias globais, a par dos grandes administradores com quem estabelecem um regime de “portas giratórias”.

O profissionalismo substituiu a ética do trabalho proletário, cujo valor civilizacional foi afirmado durante o século XIX, na cultura ocidental. O capitalismo tornou-se uma segunda natureza da vida social, uma infraestrutura, escamoteada que está a arbitrariedade voluntarista do seu funcionamento (Pistor, 2019). Para explicar as crises financeiras e de sobreprodução resta a “corrupção” ou a “ganância”, a (falta de) moral individual brandida pelos partidos de ódio, a par dos estigmas criminais e étnicos.

Romper com espírito imperial (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/

As guerras do progresso

A filosofia de Descartes é uma excelente síntese da cultura moderna centrada na apologia da superioridade cognitiva dos exercícios de salão aristocráticos. A filosofia de Lenin completa-a, fazendo a apologia da acção revolucionária profissionalizada e sacrificial das elites dos trabalhadores contra as sociedades de classes.

A superioridade de ordem divina atribuída ao pensamento, que é o orgulho da filosofia, ainda que melhorada e completada com a acção correspondente, planeada, só pode ser imposta pelo uso, eventualmente dissimulado, da extrema violência simbólica e física.

As vozes tradicionais, nomeadamente as vozes sacrificiais que animam os trabalhadores a fazer o que fazem, foram desmerecidas, reprimidas, ostracizadas, criminalizadas, mas reproduziram-se sempre, incluindo nos momentos de maior aceleração da modernização sob o impulso capitalista e industrialista. Como descreveu Karl Marx, os capitalistas que alimentaram os reis absolutistas e os intelectuais iluministas com as suas razias coloniais, na acumulação primitiva, precisaram dos trabalhadores ocidentais para desenvolver as indústrias que, por sua vez, permitiram não apenas manter, mas inclusivamente aumentar, a intensidade da descoberta da Terra, a expansão da Fé e do Império, a colonização, como se Deus lhes estivesse a dizer, aos patrões e aos trabalhadores aliados na exploração da Terra, esse é o caminho da Terra Prometida, também conhecida como progresso.

O determinismo revolucionário tomou conta das mentes modernas, aristocráticas, capitalistas, laborais: tudo estava a correr bem e iria correr bem para sempre, como nas histórias de encantar. Quando rebenta a I Guerra Mundial entre estados-nação, reduzindo o protagonismo dos trabalhadores, mobilizados como carne para canhão, grande parte dos que serviam o império russo decidiram abandonar a guerra.

Entretanto, face às dificuldades de concretização da fase proletária da revolução, a que a burguesia resistia, os partidários de Lenin imaginaram um expediente para acelerar a história: criar um partido profissional capaz de promover o socialismo e o comunismo a que as burguesias resistiam com sucesso nos países mais desenvolvidos.

Na Rússia, a convergência dos militares que, com apoio popular, recusavam fazer a guerra das intenções subversivas do partido de políticos profissionais de Lenin para fazer a revolução proletária fez com que o império russo passasse a ser conduzido pelo Partido Comunista da União Soviética.

Essa vitória histórica foi rapidamente recuperada pelas elites que passaram a adoptar os partidos políticos de profissionais no centro do sistema político, em contraste com os partidos burgueses frequentados e dirigidos por homens de negócios organizados em clubes de elite, como era até então.

Profissionalismo (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/

As vozes culturalmente censuradas

Tal como Bach descobriu duas vozes capazes de representar a sensibilidade moderna (McNair, 2021), assim o abandono das culturas tradicionais, holistas, domesticantes, socializadas e dogmáticas, foi realizado pelas novas culturas, profissionalizadas, exploradoras, individualistas, criativas, inventivas, de um modo diferente do que é representado.

Por razões de luta social partidária, do esforço educativo democratizador, de mobilização da ciência e da economia, as vozes modernistas representaram a ruptura com a tradição, a Idade das Trevas, a sociedade de ordens, as culturas aristocráticas, como coisas do passado de que se deseja, mais do que assegura, a abolição. Tudo se passa como se as culturas e práticas tradicionais se tenham mantido em segredo misturadas, em apoio, das práticas modernas, para o melhor e para o pior.

A insensibilidade cultural para dar conta da presença da voz mais tradicional na arte, de que fala Bach, revelada por Nicholas MacNair, é um dos traços da cultura moderna: a descoberta, a inovação, o novo nunca visto que substituiria aquilo que estaria a desaparecer naturalmente, como um pôr do sol, sem violência e sem luta (Hirschman, 1997), só parece real e verdade por obstrução da sensibilidade humana ao reconhecimento do valor das culturas tradicionais e por negação extremamente violenta do direito de existência dos povos primeiros e dos dissidentes que neles se inspiram.

Um dos aspectos fundamentais para participar nas actividades culturais é a aprendizagem da musicalidade das línguas. Cada língua define-se por usar um espectro sonoro particular que cria sensibilidades diferenciadas a diferentes partes desse espectro. O ouvido educado numa língua alheia-se de partes das frequências sonoras para se concentrar na musicalidade própria da língua socialmente usada (Tomatis, 1991).

Para as aprendizagens culturais e sociais é tão importante reconhecer aquilo que se afirma como aquilo que se esconde e não quer reconhecer. Tão importante é o conhecimento iluminado pela cultura como os segredos sociais sobre os quais essa cultura assenta. Os sem abrigo, os pedintes, os maus tratos a crianças, os abusos sexuais, as práticas sacrificiais banalizadas (como no trabalho) e radicalizadas (como nas guerras, nas prisões, na prostituição, organizadas por serviços secretos), a mobilização organizada de discriminações para fins de dominação, como o racismo, o sexismo, a homofobia, etc., são exemplos de um submundo que todos conhecemos, mas que dispensamos quando pensamos em sociedades modernas. Para produzir decisões apropriadas ao tempo que vivemos é preferível ter um conhecimento de base mais amplo e sem censuras culturais, apesar das e mesmo contra as sensibilidades dominantes.

a) os segredos que protegem as práticas de segregação social institucionalizadas dos julgamentos morais dos cidadãos e das suas instituições, transformam em inimigos quem insista em tais assuntos,

b) a democratização da cultura contra tradicional, por via escolar e científica, nomeadamente apresentando a ciência como receituário dogmático para resolver problemas em vez de ser uma estratégia de organizar investigação em torno de questões capazes de resistirem aos processos de pesquisa já conhecidos,

c) o ensurdecimento cultural quanto às vozes tradicionais, incluindo a dos povos objecto de genocídio,

d) a adopção, por parte das elites, de práticas culturais dos seus adversários, apropriando-se delas e subvertendo as suas vitórias, tornando-as temporárias e aparentes, recuperando-as de modo a que tudo fique na mesma a favor das velhas elites,

tudo isto são práticas modernizadoras conhecidas tornadas possíveis por as nossas mentes continuarem mergulhadas no dualismo místico protector e predestinado que separa ontologicamente o céu da terra, a cabeça do corpo, a humanidade dos outros animais, as sociedades da natureza, o meio ambiente da Terra, a Terra do cosmos, o moderno e o tradicional.

A filosofia de Descartes representa de tal modo bem a cultura dualizada moderna, a luz cognitiva das elites e as trevas das massas conduzidas, que é praticamente impossível abandonar a desmultiplicação destas dualidades na representação da humanidade e do seu habitat, a inteligência e os seus resultados práticos, as ciências pura e aplicada kantianas. É esse jogo de luzes e sombras que nos paralisa, socialmente. Estamos à espera dos mesmos sinais divinos de sempre, na tradição judia, mas agora vindos das instâncias internacionais especializadas alegadamente informadas pela ciência dos especialistas.

Na prática, para as elites e grande parte da humanidade quem decide como a natureza funciona continua a ser Deus, como um vício de desresponsabilização escondido e negado através de chantagem emocional contra as investidas da racionalidade censurada.

A música tem duas vozes, a ciência é pragmática e imaginativa, a espiritualidade é saudável, mas a exploração da espiritualidade, da ciência e até da música para fins de promoção do espírito imperial revela-se desastrosa, apesar dos progressos conseguidos.  

Tal como em frente a um vigarista, a cultura moderna que omite a copresença das culturas tradicionais, a humanidade espera que, apesar do mau aspecto, ocorra mais uma graça divina, como aprendeu a fazer, eventualmente com sucesso. Com a diferença que agora sabe cognitivamente que é a acção humana, a acção moderna, que está a criar riscos inusitados que ameaçam interromper a continuação das condições de vida na Terra que foram favoráveis à existência da humanidade, nos último dez ou doze mil anos.

Do mesmo modo que os viciados podem saber que o são, mas podem não querer ou conseguir admitir e/ou mudar os comportamentos de risco, também a humanidade viciada, por assim dizer, na sua cultura moderna está inoperante. Não tem conseguido atingir objectivos morais, como assegurar direitos humanos para todas e cada pessoa, e está também impotente perante a sucessão cumulativa de crises estruturais, metendo tudo isso debaixo do tapete da dissimulação e censura ideológicas.

As guerras do progresso (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/

O que esconde o espírito revolucionário?

A inoperância social actual perante a degradação anunciada da situação da humanidade provavelmente releva de hábitos viciosos legitimados por subordinação mental, de rotinas disciplinadas inculcadas de criança preparadas em submissão a projectos elitistas das elites, contra os quais, por inércia e dependência, é difícil reagir.

Gregory Clark (2014) descobriu uma constante de desigualdade social milenar e igual em todos os países modernos estudados. Ela será sintoma de uma característica humana inata ou criada culturalmente. Em qualquer caso, as intenções revolucionárias de acabar com os privilégios legais das ordens sociais e das desigualdades sociais burguesas falharam, apesar do alegado sucesso das revoluções francesa e russa.

Descartes e Lenin, centrais como são no pensamento e na organização da modernidade, podem ajudar a compreender tanto as intenções como as limitações do projecto moderno para cumprir os seus auto-designados desideratos, como os que são anunciados nos objectivos do milénio da ONU.

O primeiro obstáculo a identificar e a evitar é a censura política e moral que estigmatiza toda a condição humana, excepto a que aderiu à modernidade. A ideia de que há um abismo incomunicável entre a cultura e a natureza e entre a tradição e a modernidade é irrealista, mas está incorporada nas pessoas com um mínimo de educação, socialmente integradas ou com vontade de o estar. A ideia de que revolução revogou o valor da experiência humana anterior é bizarra, mas vulgar e até inevitável. Releva da adopção íntima, inconsciente e individual, por imposição de monopólios culturais e cognitivos inoculados por via escolar, de paradigmas mentais de base cartesiana, por um lado, e leninista, por outro.

A distinção res extensa e res cogitans difundiu-se de modo a parecer natural, lógica e indispensável a separação entre métodos quantitativos e métodos qualitativos, indivíduos e pessoas, funcionalidades e moral, planos estruturantes e liberdade, sociedade e mentalidade, disciplina e inspiração, trabalho e arte, etc.

Michel Foucault (2004) mostrou como uma cultura clássica de cuidar de si, desenvolvida pelos aristocratas gregos e romanos como instrumento de intervenção política, serviu de modelo para a razão individualista moderna, entretanto aceleradamente democratizada sob o capitalismo. Daniel Markovits (2019) conta uma história parecida, ocorrida no pós-guerra e em sentido inverso: mostra como a cultura sacrificial dos trabalhadores foi adoptada pelas bem sucedidas elites norte-americanas e globais que enfrentaram a falência do estado liberal do século XIX, sob a forma de meritocracia. Isso inspirou a moral competitiva neoliberal e profissional. Distraidamente, de forma insuspeita, o prestígio moral da valorização do mérito individual no trabalho sobrepõe-se à avaliação racional das práticas desastrosas evidenciadas pelos resultados, como a guerra, a fome, as desigualdades sociais.

As vozes culturalmente censuradas (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/