Segredos sociais e substractos universais

A experiência revela competição entre pares para adoptar o conformismo, também nas ciências. Embora o espírito crítico e a transdisciplinaridade continuem a ser propósitos formalmente prioritários, as organizações, os financiamentos, as avaliações da ciência contradizem tais prioridades, favorecendo a hiperespecialização utilitária e desqualificando a inovação teórica fundamental.

A tensão criada pela necessidade de procurar a superioridade pessoal competitiva é administrada pelas escolas, incorporando o critério meritocrático nos estudantes bem e mal-sucedidos, isto é, o desejo de imitar e servir as elites. A miséria e a opressão são legitimadas pela culpabilização das vítimas, a par do alegado esforço institucional das escolas, e dos estados, em assegurar igualdade de oportunidades, apesar desta não se confirmar na prática.

A ciência, a escola, o aspecto social dos estados do pós-guerra, dividem-se entre as retóricas institucionais, esgrimidas na comunicação social pelos administradores ou seus representantes, e as práticas organizacionais informais, mais ou menos corruptas e criminosas, que não correspondem ao desenho ideal de finalidades e funcionamentos.

Depois de tudo o que é dito e feito, mais é dito do que feito

Esopo, fabulista na Grécia Antiga

Esta diferença abissal entre instituições (ditas) e organizações (feitas) não resulta do capitalismo. Resulta da democratização do espírito imperial pelos estados sociais e pelas escolas, incluindo as ciências naturais e sociais.

Reconhecê-lo, organizar a procura das verdades (gerais, políticas) encobertas pelos segredos sociais (especializados, tácitos) que se produzem nesse abismo é uma tarefa emancipadora, no mesmo sentido que reconhecer um problema de adicção é indispensável para poder avançar para tratamento.   

Exemplo de um desses segredos a estudar e revelar é a relação conceptual entre capitalismo e império, como se este resultasse do primeiro, o que evidentemente é falso.    

Violence under Damasio´s theory

Nature and society are, and are not, separate things.

Life closes and opens at the same time: bacteria detect (primitive way of feeling) and respond intelligently, according to patterns that have evolved homeostatically, that is, stabilizing bacteria as life forms. With the emergence of nervous systems in higher animals, which close and open to the bodies of which they are a part, feelings evolved in the form of a mind. A mind is a homeostatic result of the combination of detections of all the associated living matter in the body and of senses produced by other specialized organic systems that also integrate bodies. Centralizing the control of the nervous system in brains produces awareness, the ability to interpret holistically and separately the images produced and memorized together with the feelings of unique, individual entities, within each one’s history.

From the continuity of the same process of integrated and open differentiation to the rest of the body (interior) and the world (exterior), human capabilities arose the use of their hyper-centralized and deeply rooted nervous system, both in individual and social bodies, through a intensified web of particularly plastic interior-exterior relations. The primitive automatic homeostasis of bacteria, without conscience, supports the evolution of life and, with humanity, the mobilization of individual and social feelings, internal and external, for the purpose of transforming the environment.

Humanity has recently become aware that war to adapt to the environment, adapting it to its will, can be homeostatically negative, namely in view of the sixth great species extinction and global warming events. However, humanity also discovers that the power of conscience to alter individual and social behaviors, in order to change the behavior of other forms of life and half-life (such as viruses) and the environment, is less powerful than the war apologetic culture and tales, memorized in glory of the winners,  imagines.

Imperial cultural misunderstandings are a major problem for the continuation of the natural history of evolution that allowed humanity to exist. The freedoms conquered and offered to sciences and social theories are a hope for the homeostatic exercise of human intelligence, if there is the courage to face the imperial powers that design scientific policies, which control the workers trained by scientists, who regulate the processes of scientific research according to geo-strategic orientations, which build an ​​omniscient image of science in the light of the idea of the God who protects empires.

Science is a human production, both outside and inside society, whose freedom serves for knowledge not to be held hostage by the dominant culture. Science must be available to each person. Empires are opposed to scientific wisdom; in the sense they want to use it and to prevent enemies (peoples and power adversaries) from using it.

This pression over science affect the quality of science available to elites. Therefore, science continues to benefit from freedoms that do not exist in other sectors of activity, while scientists are subject to restrictions equivalent to other workers.

This narrow space between inside and outside, between apology and wisdom, between service and knowledge, is used in an often unconscious way to advance in science.

Damásio defines estados de espírito as “a new set of feelings, which now [due to the evolution of life] are partially emotional, instead of being purely homeostatic” (Damásio, 2020: 113). Violence, it should be added, is the counterpoint to the emergence of estados de espírito, as much as habits and training are social and personal counterpoints to performances.

Violence and the chaos are necessary for the configuration of estados de espírito, be they old – already experienced before – or innovative. Violence and estados de espírito are, at the same time, internal and external qualities of our bodies, identified by the partially emotional feelings that distinguish the different intensity and transformation do to impacts that are thought to be merely external (psychology tries to complete the dominant thought under the form of specialization closed to other social sciences).

One must understand, therefore, how violence is cognitively associated with negative emotions; states and the powerful, modern instruments of empires, give strategic, military, police, penal priority to the negative or positive qualification of socially perceived violence. In the abstract – and in the case of imperial societies, denialists of their misogynist, racism and punitivism – negative feelings are associated with the word violence. Anyone can see at the movies how violence trigger feelings of disgust and excitement, probably motivated by primordial fears. (Fear closes the bodies that feel it, freezing them, or, alternatively, mobilizing them for escape or aggression extreme actions). National states and the media know many ways of manipulating the contradictory feelings associated with the social recognition of violence, either hiding it, revealing it, or provoking it, for their purposes of power games.

Thus, a social theory of violence requires the social researcher to adopt a classification criterion so that violence can be as emotionally free as possible. For example, social theory can choose to look at violence as the reduction to the body that is combined with movements in the opposite direction, of elaboration and adjustment of estados de espírito.

Science needs to breaking with common sense and with the influence of self-interested imperial powers, and theirs’s utilitarian selection of what should be felt as violence by the people. It is a question of breaking with the militaristic, police, criminal Manichaeism that separates violence from the formation of estados de espírito, as it is done at the education system or in the ideological struggles. This break up is only possible if science also breaks with the imaginary boundaries of social systems equivalent to the membranes and the skin of animals. The later objectively separate an exterior from an interior, not the former. Societies are people and vice versa: no skin separates them from themselves.

Studying violence requires self-reflexivity about the emotional effects of imperial, warmongering, punitive symbolic violence, capable of expanding the scope of scientific and social freedoms for the science production.

The understanding this scientific self-reflective capacity is certainly personal. Without further references, personal conscience become disoriented, especially when it comes to countering imperial, normative and violent teachings, and trainings. Typically, social scientists adopt national knowledge as a prioritary reference and guidance. Society is, without debate, felt by social sciences within national borders. Borders are presented as social skin. Nationalist racism and hierarchy in the concert of nations is a natural consequence of this approach. One can denounced it and contradicted it. Nonetheless, it reproduces.

This nationalist social conscience adopted by most social scientists is a disguise for the imperial conscience, which links Western social scientists to each other, including those who protest ethnocentrism, patriarchy, colonialism, impregnated in global culture and social sciences.

Imperial violence has its effects on people’s conscience, regardless of their political and ideological standing. Denouncing and breaking with imperial violence implies denouncing and breaking with the very modern formation of our collective and personal imperial estados de espírito. One can and must recover from the formation of our conscience prior to the constitution of the empire. One can start to consider human society as accompanying humanity since the beginning of humanity. We can look for this pre-modern awareness in the care practices of producing current identities. We will, of course, must learn to recognize how such practices are mixed in practices of power, which are more radically contaminated by imperial effects.

Reference:

Damasio, A. (2021) Feeling & Knowing: Making Minds Conscious. New York: Pantheon Books.

Damásio, A. (2020) Sentir e Saber. Lisboa: Círculo de Leitores.

Violência à luz de Damásio

Natureza e sociedade são e não são coisas distintas.

A vida fecha-se e abre-se ao mesmo tempo: as bactérias detectam (forma primitiva de sentir) e respondem inteligentemente, segundo padrões que evoluíram homeostaticamente, isto, estabilizando-as como formas de vida. Com o surgimento de sistemas nervosos em animais superiores, que ao mesmo tempo se fecham e abrem aos corpos de que são parte, o sentir evoluiu sob a forma de mente, resultado homeostático da conjugação de detecções de toda a matéria viva associada no corpo e de sentidos produzidos por outros sistemas orgânicos especializados que também integram os corpos. A centralização do controlo do sistema nervoso em cérebros produz a consciência, a capacidade de interpretar holística e separadamente as imagens produzidas e memorizadas juntamente com os sentimentos de entidades únicas, individuais e com história.

Da continuidade do mesmo processo de diferenciação integrada e aberta ao resto do corpo (interior) e ao mundo (exterior) surgiram as capacidades humanas de usar o seu sistema nervoso hipercentralizado e, ao mesmo tempo, profundamente enraizado nos corpos individuais e sociais através de uma teia intensificada de relações interior-exterior particularmente plásticas. A automática homeostasia primitiva das bactérias, sem consciência, sustenta a evolução da vida e, com a humanidade, a mobilização dos sentimentos individuais e sociais, internos e externos, para fins de adaptação transformadora do meio ambiente.

A humanidade tomou recentemente consciência de a adopção da forma de guerra para se adaptar ao meio ambiente, adaptando-o à sua vontade, pode ser homeostaticamente negativa, nomeadamente tendo em conta a sexta grande extinção de espécies e o aquecimento global. Porém, a humanidade descobre também que o poder da consciência para alterar comportamentos individuais e sociais, de modo a mudar também o comportamento de outras formas de vida e de semi-vida (como os vírus) e do meio ambiente, é menor do que imagina a cultura apologista das vitórias bélicas, contadas e memorizadas em glória dos vencedores.

Os equívocos culturais imperiais são um problema maior para a continuidade da história natural da evolução que permitiu a existência da humanidade. As liberdades conquistadas e oferecidas às ciências e às teorias sociais podem ser uma esperança para o exercício homeostático da inteligência humana, se houver a coragem de enfrentar os poderes imperiais que desenham as políticas científicas, que controlam os profissionais formados pelos cientistas, que regulam os processos de investigação científica em função de orientações geo-estratégicas, que constroem uma imagem de ciência à luz da ideia de Deus omnisciente protector dos impérios.

A ciência é uma produção humana, ao mesmo tempo fora e dentro da sociedade, cuja liberdade serve para o conhecimento não ficar refém da cultura dominante e ficar à disposição de todas e cada uma das pessoas. À sabedoria científica opõem-se os impérios, que a querem condicionar aos seus interesses, isto é, impedir que os inimigos (povos e adversários nas disputas de poder) beneficiem dela. Claro, isso também tem efeitos na qualidade da ciência disponível para as elites. Por isso, a ciência continua a beneficiar de liberdades inexistentes noutros sectores de actividade, enquanto os cientistas estão sujeitos a restrições equivalentes aos outros trabalhadores.

Esse estreito espaço entre o dentro e o fora, entre a apologia e a sabedoria, entre o serviço e o conhecimento, é aproveitado de forma frequentemente inconsciente para avançar na ciência, por vontade imperial reduzida a fonte de extracção de utilidades, a chamada tecno-ciência.

Damásio define estados de espírito como “um novo conjunto de sentimentos, que agora [por efeito da evolução da vida] são parcialmente emocionais, ao invés de serem puramente homeostáticos” (Damásio, 2020: 113). A violência, acrescente-se, é o contraponto do surgimento dos estados de espírito, como os hábitos e os treinos são contraponto sociais e pessoais dos desempenhos.

A violência o caos necessário à configuração de estados de espírito, sejam eles antigos – já anteriormente experimentados – ou inovadores. Violência e estados de espírito são, ao mesmo tempo, qualidades internas e externa dos nossos corpos, identificadas pelos sentimentos parcialmente emocionais que distinguem a diferente intensidade e transformação de impactos eventualmente pensados como meramente exteriores (a psicologia trata de completar o pensamento dominante, sob a forma de especialização estanque às outras ciências sociais).

Compreende-se, portanto, como a violência está cognitivamente associada a emoções negativas; os estados e os poderosos, instrumentos modernos dos impérios, dão prioridade estratégica, militar, policial, penal, à qualificação negativa ou positiva da violência socialmente percebida. Em abstracto – e no caso das sociedades imperiais, negacionistas da sua misógina, racismo e punitivismo – à palavra violência são associados sentimentos negativos. Em concreto, como se pode observar em qualquer sala de cinema, a violência provoca equivocamente sentimentos de repugnância e excitação, provavelmente motivadas por medos primordiais. (O medo fecha os corpos que o sentem, paralisando-os, ou, alternativamente, mobilizando-os para acções extremas de fuga ou agressão). Os estados nacionais e a comunicação social conhecem muitas formas de manipulação dos sentimentos contraditórios associados ao reconhecimento da violência, seja escondendo-a, seja revelando-a, seja provocando-a, para as suas finalidades de jogos de poder.

Assim, uma teoria social da violência requer do investigador social a adoção de um critério de classificação do que possa ser violência tão emocionalmente isento quanto possível. Por exemplo, violência é a redução ao corpo que se compagina com movimentos em sentido contrário, de elaboração e fixação de estados de espírito.

Trata-se de romper com o senso comum e com a influência dos poderes imperiais na selecção interesseira, utilitária, do que deva ser sentido como violência pelas pessoas. Trata-se de romper com o maniqueísmo militarista, policial, penal que separa violência da formação de estados de espírito, como é feita na educação ou na luta ideológica. Isso só é possível se se romper também como as ideias de haver fronteiras dos sistemas sociais equivalentes às membranas e à pele dos animais, que separam objectivamente um exterior de um interior. As sociedades são as pessoas e vice-versa: nenhuma pele as separa de si mesmas.

Estudar a violência exige uma auto-reflexividade sobre os efeitos emocionais da violência simbólica imperial, belicista, punitiva, capaz de alargar o espaço de liberdades científicas e sociais para a produção de ciência. A consciência capaz de suportar essa auto-reflexividade científica é, seguramente pessoal. Sem mais referências, a consciência pessoal está desorientada, sobretudo quando se trata de contrariar os ensinamentos imperiais, normativos, violentos. Tipicamente, os cientistas sociais adoptam a consciência nacional como referência prioritária, como orientação. A sociedade é, sem contraditório, sentida como uma nacionalidade. A sua pele são as fronteiras políticas. O racismo nacionalista e a hierarquização no concerto das nações é uma consequência natural, que pode ser denunciada e contrariada, mas não deixa de ser reproduzida. Essa consciência social nacionalista adoptada pela generalidade dos cientistas sociais é um sucedâneo da consciência imperial não citada, que liga os investigadores sociais ocidentais entre si, incluindo os que protestam contra o etnocentrismo, o patriarcalismo, o colonialismo impregnado na cultura e ciências sociais globais.

A violência imperial faz os seus efeitos na consciência das pessoas, independentemente da posição política e ideológica de cada um. Denunciar e romper com a violência imperial implica denunciar e romper com a própria formação moderna da nossa consciência colectiva e pessoal. Podemos e devemos recuar à formação da nossa consciência anterior à constituição do império. Podemos passar a considerar sociedade humana como aquilo que acompanha a humanidade desde que há humanidade. Podemos procurar essa consciência pré-moderna nas práticas de cuidados e de produção de identidades actuais. Teremos, claro, de aprender a reconhecer como tais práticas estão misturadas com as práticas de poder, estas mais radicalmente contaminadas pelos efeitos imperiais.

Referência:

Damásio, A. (2020) Sentir e Saber. Lisboa: Círculo de Leitores.

Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Por negligência minha, apenas descobri a existência de José Pereira Bastos durante a pandemia. Ouvi-o dizer o que aprendi ser impossível dizer sem atrair a atenção do inimigo que vigia as universidades. Professor universitário, antropólogo psicanalista, situava-se em campo oposto ao meu, sociólogo abolicionista, escapando, porém, na mesma direcção que eu: escapava da “consciência disciplinar” e eu da identidade profissional (é a mesma coisa com nomes diferentes). Produzia uma teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades com base no estudo do Freud completo, isto é, aquele que além de clínico também era sociólogo crítico, o Freud do Mal-estar da Civilização.

Tinha mais treze anos que eu. Começou a estudar quando eu entrava para a primária. Percorreu vários lugares na universidade à procura do seu lugar em faculdades também à descoberta dos seus lugares. Orientou-se a si próprio, como acontecia então, em função das oportunidades. Teve a coragem de deixar escrito ter sido alvo de “em claro bloqueio departamental do exercício da minha formação de antropólogo” (Bastos, 2014: 347): sentiu a disciplina na pele. É o que acontece a quem é apanhado em fuga: é posto de castigo, na esperança que possa aprender e ser reintegrado. Pereira Bastos não aprendeu.

“Neste momento, não encontro espaço de publicação para artigos (como este (Bastos, 2020)) e para livros que tenho disponíveis.” De momento há “dois livros de ruptura académica que tenho em curso”, escreveu-me por email em 25 de Maio de 2020. Veio a falecer a 20 de Março

de 2021, dia do meu 65º aniversário, com 78 anos. Na quarta feira seguinte sairia da gráfica o livro a que, juntamente com o que publiquei em 2020, gostaria de poder dizer ser uma manifestação de ruptura académica (Dores, 2021). Nunca saberei se estaria de acordo comigo. Mas já sabia que estava disposto a abrir-se a uma colaboração a descobrir.

Nunca estive pessoalmente com José Pereira Bastos. Conheço-o de fotografias e dos registos do Youtube. O seu desaparecimento abalou-me como se tivesse desaparecido um amigo, que o era. Um irmão de armas da academia contra a academia, em busca da liberdade para si e para os outros. Em sua memória, comecei a ler o Freud sociólogo-antropólogo que ele conheceu como mestre.

Por vezes penso como tenho desperdiçado a minha vida. Para me consolar, logo me lembro que não participar em práticas sociais nefastas, não contribuir para o mal-estar da civilização, já é, em si mesmo, algo positivo. Mas como me perdoar ter passado ao lado deste obreiro – a obra vou estudá-la e recomendá-la a partir de agora. Na verdade, como teria capacidade para compreender a importância da obra de Pereira Bastos antes de eu próprio, preso ainda à minha disciplina, vizinha da suam e por isso tão afastada e incomunicante, ter encontrado um caminho de fuga? Fica-me a responsabilidade de lhe mostrar que George H. Mead não era um mero filósofo sem estofo intelectual para competir com a sabedoria de Freud: era também um investigador da teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades. Mas nunca saberei se isso poderia servir, como me serviu a mim, assumindo-me como discípulo de Mead, para explicar a necessidade e as vantagens de ruptura com a academia.  

Referências:

Bastos, J. G. P. (2014). Da investigação por objetivos à antropologia dos processos identitários: um ponto de vista transdisciplinar e integrativo. Etnográfica, 18(2). https://doi.org/10.4000/etnografica.3718

Bastos, J. G. P. (2020). «The Hidden Meanings of Culture, Ethnicity and Identity»: Anthropology from a Divergent Point-of-View. In «In Search of Hidden Meanings»: Identity Processes and Strategies from a triple point-of-view. Amazon.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

A ciência e o Sr. Gates

David Christian é um historiador fundador e animador da Big History. Trata-se de uma história holista, que integra a humanidade na vida na Terra e esta no sistema solar, entre muitos outros sistemas solares gerados num universo com história comum.

Christian era especialista em história da Rússia, até que, em 1989, a queda do muro de Berlim anunciou o fim da União Soviética. Com a situação inesperada de passar a haver apenas uma superpotência no mundo, o historiador dedicou-se à Big History. Em 2011, Bill Gates anunciou que passava a financiar o projecto de lançar globalmente essa disciplina com vista a educar as novas gerações a pretexto de as preparar para enfrentar as consequências das mudanças climáticas.

Dia 2 de Fevereiro de 2021, Christian foi o primeiro convidado de Frontiers, uma plataforma global de revistas e artigos científicos opensource que anuncia mobilizar milhares de investigadores no mundo inteiro durante uma hora, entre eles o autor destas linhas. Tema: Equipping our children to manage a planet, como educar as gerações que agora estão a nascer a gerir um planeta que, tal como avisaram os cientistas dos anos 60 e 70, está a entrar no Antropoceno, na ameaçadora idade geológica de que os seres humanos são protagonistas e vítimas?

A proposta de Christian foi surpreendentemente simples e vaga: substituir a fé nas narrativas criacionistas dominantes, produzidas e divulgadas pelas religiões, pela experiência de partilhar a autoridade de uma narrativa alternativa a produzir com base na ciência. Parece uma versão da cientologia ou do mais antigo projecto de Augusto Comte.

Como se produziria essa tarefa de inculcação de substituição da religião pela ciência? Inscrevendo na mente de todas as pessoas escolarizadas, virtualmente toda a gente, o relato fascinante desenvolvido pelo historiador na sua Big History que tanto entusiasmou Gates: 14 mil milhões de anos da história do universo, das estrelas, dos planetas, da química do carbono e do oxigénio, da vida, da humanidade, baseada no encaixe sucessivo das visões dominantes de várias ciências que tratam dos diferentes níveis de realidade, desde a cosmologia até à ecologia, passando pelas astronomia e geologia, virtualmente todas as disciplinas.

Mostrou-se optimista: disse que a maneira como o mundo está a tratar da pandemia CIVID-19 mostra que há preocupações em trazer todos os países para a vacinação, que há uma perspectiva planetária da necessidade da acção. Acrescentou que também na exploração de Marte existe cooperação internacional, apesar dos riscos de uma guerra nuclear poder explodir com o planeta a qualquer momento serem reais. A sua proposta é a realização de um acordo global sobre a pertinência de oferecer no ensino obrigatório a Big History para unificar todas as culturas numa base comum: as conquistas cognitivas da ciência.

Confrontado com a questão das desigualdades sociais e da produção de igualdade de oportunidades, central para as preocupações educativas, Christian reconheceu não ter resposta pronta sobre o assunto. Uma socióloga convidada a falar mostrou-se entusiasmada com a ideia de passar a palavra. Explicou que tinha uma pretensão semelhante: entendia, porém, que o que faltava também na educação era papeis sociais modelos que pudessem orientar as crianças e os jovens para finalidades de vida e de comportamento melhores, dizendo que estava disponível e interessada em integrar o projecto transdisciplinar e global de educar as novas gerações. Christian explicou-lhe secamente que isso é um outro projecto.

O promotor da transdisciplinaridade científica para revitalizar a educação global através da introdução de uma disciplina como a Big History não se referiu ao Anthropocene turn, ao planetary social thought, às actividades científicas marginais, como a sua, que propõem alargar os horizontes da hiperespecialização dominante. Os valores institucionais dos sistemas de educação não lhe parecem prioritários para discutir. Entendeu a oferta de colaboração interdisciplinar como “um outro projecto” especializado.

Homem do seu tempo, David Christian procura abrir os horizontes do conhecimento ao infinito e, com a ajuda de Bill Gates, levar os resultados desse trabalho a todo o mundo. Pratica a ciência de projectos avaliados por provas de sucesso no desempenho mediático, performativo, e não a ciência de Comte ou de Humboldt. Como outros autores que manifestam o desejo de concretização de práticas trans ou multidisciplinares, que praticam nos seus trabalhos, não se refere aos constrangimentos institucionais que fazem práticas marginais à hiperespecialização dominante. Os equilíbrios precários e conjunturais que permitem a emergência de perspectivas abertas de organizar o pensamento são protegidas pelos seus promotores dentro do sistema científico que as torna especialmente valiosas, por serem raras.    

Em termos práticos, Christian ou não tem autorização do seu patrono de uma década de integrar colegas na dinâmica que diz ser recomendável de reformular a educação ou a sua proposta serve sobretudo de propaganda, sem perspectiva de transformação da ciência e da educação. Foi ele mesmo que respondeu que a desigualdade social era um problema para o qual não tinha resposta pronta e que alargar a parcerias o seu projecto era praticamente impossível.  

O sr. Gates é um conhecido monopolista da indústria electrónica que se reposicionou como filantropo partidário da ciência e da globalização que gosta de avisar o mundo sobre os desafios a diante. “Mudar o nível de vida dos países ricos não resolve as alterações climáticas” terá sido a principal mensagem que deixou aos jornalistas que o entrevistaram no início do ano 2021. Está preocupado com a possibilidade de, à saída da pandemia, com as preocupações ambientais no topo da agenda, em concurso com a agenda eletrónica e belicista, haja quem imagine que a culpa é dos ricos, países ricos disse ele. Alvo predileto de teorias da conspiração a respeito das vacinas e da monopolização do mundo pelas Big Pharma, Big Tech, Big Agro Business, o filantropo Gates precisa de se apresentar ao mundo de uma forma positiva. A promoção da ciência e a reforma do ensino globais são, portanto, duas peças no seu império industrial-filantrópico. Beneficia da esperança acrítica de que ciência e escolarização beneficiam hoje no mundo.

É natural que os patronos sejam mencionados como patronos das conferências e dos conferencistas, no rodapé dos slides e da publicidade institucional. Não é comum (irá passar a ser?) o destaque dado à figura do sr. Bill Gates, no meio da intervenção científica. Um slide inteiro, entre o início do universo e a adaptação humana à pandemia e ao aquecimento global, mostrava o sorriso do patrocinador. Fonte do sucesso de Christian, que ele não quer ou não pode partilhar.  

A Big History, neste enquadramento, deixa de ser uma ideia para rejuvenescer a ciência, um reforço da espontânea curiosidade humana como base da esperança de libertação dos constrangimentos que a humanidade vive actualmente, e torna-se um produto científico a vender como disciplina prefabricada a todos os sistemas de ensino do mundo, com o patrocínio filantrópico do sr. Gates.  

Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

As teorias económicas da exploração fixaram-se na relação entre patrões e trabalhadores. Secundarizaram o industrialismo, a aliança entre patrões e trabalhadores na exploração da Terra e dos seus recursos. Dito de outra maneira, colocaram noutro lado e noutro tempo a acumulação primitiva, a violência dos genocídios e dos roubos com que a civilização ocidental continua, há mais de meio milénio, o seu plano global suicidário.

Em termos práticos, é a falsa consciência a razão estrutural que impede uma reacção da espécie humana à constatação das evidências que confirmam as teses científicas da nossa contribuição, como espécie, para aumentar e acelerar o aquecimento global, a extinção das espécies, os riscos de despoletar ciclos de retroacção irreversíveis e catastróficos para a vida de grande parte da humanidade. Essa falsa consciência a) reduz a civilização – tida como espontaneamente boa – ao motor da luta de classes nos países enriquecidos à custa do assalto industrial aos recursos do planeta, b) inibe o pensamento holista e histórico, pois c) este facilmente detecta ser o projecto imperial, formado na revolução axial assinalada por Karl Jasper (Eisenstadt, 2008), ser o espírito imperial paulatinamente democratizado, imitado e dominante na própria ciência, o motor do suicídio civilizacional em curso, perante a nossa impotência, quais vítimas-cúmplices.

O optimismo político ancora-se na sorte inspirada na Fé cristã, convertida pelo Império, que organizou a sobrevivência do espírito imperial sem império, após a decadência de Roma. Assumido pela Igreja Católica e pelos aristocratas medievais, concretizado de forma espectacular pelos Descobrimentos e pela Renascença, o optimismo que sustenta os poderosos como representantes dos interesses das elites revela-se suicidário. Como têm vindo a persistir outras civilizações mais sábias (Seattle, 1855), a pequenez moral cartesiana de reduzir o mundo à propriedade parcelar reduz as nossas responsabilidades cósmicas a um dualismo local, interior, doméstico. As lutas de classes e a pobreza, as solidariedades nacionais e os seus inimigos imaginários, a misoginia cultural que faz das famílias o locus das maiores e mais profundas violências como estímulo justificativo dos sacrifícios dos exploradores, numa frase, o espírito imperial é uma estupidez altamente destrutiva.

Os planos dualistas e optimistas típicos desse estado de espírito, quais profecias que eventualmente se auto-realizam, fundados nas estratégias militares que surpreenderam o mundo a partir do século XIV, deixaram sem reacção os alegados inimigos da cristandade, como os muçulmanos, os judeus, os nómadas das estepes, os chineses, os africanos, os trabalhadores europeus, e depois os russos comunistas, os trabalhadores de qualquer parte do mundo e tantos outros. A sedução optimista estimulada pelas sucessivas vitórias bélicas e pela violência (síndrome de Estocolmo) é tão poderosa que quando os poderosos locais são convidados a servir as elites imperiais como forma de participação no seu séquito e nas suas cortes, como seus servos, há sempre quem se dispõe a assumir o risco imperial: tratar como inimigo quem se lhe oponha, George W. Bush dixit. (Varoufakis (2017) descreve reuniões recentes de poderosos ao serviço das elites, no quadro da União Europeia). Comunistas e movimentos de libertação que derrotaram os impérios capitalistas no século XX fizeram-no imitando a cultura imperial dos derrotados, tornando-se poderosos servidores das elites. Assim, a velha profecia que se auto-realiza, o império sem alternativa, voltou a fazer história com a globalização.

As intenções declaradas nas promessas e nos planos, sinceras ou encenadas, são cortinas de fumo explicadas como forma de reverter aquilo que é a lógica imperial. Por exemplo, as intenções de erradicar a pobreza vão-se perpetuando, fazendo-as depender do desenvolvimento, isto é, dos vícios de acumulação de riqueza e poder das elites. O mesmo se aplica à economia verde e ao resto, incluindo aos benefícios da educação e da ciência, também eles dependentes de serem úteis para os processos de profissionalização e de exploração da Terra e do universo. A geração mais bem formada de sempre, como notou Greta Thunberg acompanhada por milhões de juvenis por todo o mundo, sente-se impotente para defender a qualidade da sua vida e não sentem as escolas como suas aliadas.

Alexandre, o Grande

O espírito imperial foi experimentado primeiro e testado na prática há milhares de anos. Teve o sucesso conhecido com Alexandre o Grande e alguns outros desde então. É uma forma de se equilibrar como humano, de dar sentido à vida, de se identificar com o cosmos, indispensável para cada pessoa (Virno, 2014). Esse estado de espírito caracteriza-se por mobilizar dialogicamente as discriminações sociais mais presentes e fortes para montar, sobre elas, um andaime cartesiano capaz de elevar as elites para longe: para um mundo encenado onde os conflitos sociais sublimam tanto os conflitos entre os populares como os conflitos entre as elites. Pensar o poder, como explicou Maquiavel, é estar preparado para ultrapassar as barreiras emocionais de repugnância espontânea nas pessoas quando confrontadas com a possibilidade de exercício da violência (Collins, 2008). Isso é incómodo para as elites modernas, que a pouco e pouco se passaram do lado dos espetaculares aristocratas medievais para o lado das mais discretas pessoas de méritos pós-modernos, protegidas pelos segredos empresariais, de estado, de justiça, militares, bancários.

Nestes últimos seis mil anos, o espírito imperial vingou onde havia gente suficientemente desesperada com a vida para se arriscar suicidar em nome do império, testando-o sob a forma de ordálio auto-punitivo. Há quem diga que as posições de direcção imperial reclamam estados mentais sociopatas. Seja como for, a separação entre as elites e os poderosos, a começar pelos guerreiros e seus exércitos, torna suportável a vida imperial em larga escala.

De um estado de espírito, o império evoluiu para sucessivas profecias que se auto-realizaram, em função da perícia dos planos de guerra e de conquista, dos colaboracionistas locais elevados a poderosos e dos historiadores. Estes últimos construíram  e constroem as identidades sociais postiças das discretas elites, eventualmente exibidas em público, escondendo e omitindo tanto os perdedores dos jogos imperiais como, sobretudo, as lutas das vítimas esmagadas pelas máquinas imperiais, a começar pelas mulheres e crianças, os escravos, os que se sacrificam para manter civilizações anti-imperiais, como os povos ameríndios que sobreviveram aos genocídios.

Reunião do Eurogrupo

Cada vitória foi elaborada como resultado de um plano pré-definido, por Deus, por estrategas ou por tecnocratas. Sinal da graça divina, mental ou racional, cada vitória é pretexto para democratizar à força o espírito imperial. Primeiro o império criou os poderosos colaboracionistas que protegem as elites das reacções recorrentes contra os impérios e as representam nos jogos de interesses de mediação entre as diversas dinâmicas sociais em curso. À medida que os poderosos consolidaram posições foram podendo replicar o mesmo processo de delegação de competências, até que, em modernidade, ser-se trabalhador profissional (Illich, 2018) se tornou o modelo imperial de classe média promovido pelas escolas e universidades de frequência universal.

Aspirar a ser um trabalhador profissional é aspirar a ser tão poderoso quanto possível, geralmente simbolizado num salário correspondente ao mérito reconhecido pelas elites para o trabalho de micro interpretação dos interesses das elites no âmbito da actividade delegada (Foucault, 1999). As discriminações sociais espontâneas utilizadas pelo espírito imperial são agora reproduzidas industrialmente pelas escolas e universidades e pela divisão de trabalho, em termos de isolamento dos indivíduos e respectivo reagrupamento em sectores de actividade e níveis de profissionalização competindo entre si para ver quem melhor serve as elites, nomeadamente em termos de rendimento acumulado proporcionado.

As teorias do capitalismo notaram como esta lógica imperial, para se manter e reproduzir, precisa de manter a miséria de uma parte importante dos trabalhadores. De um modo mais geral, o regime sacrificial de permanente teste da justiça do programa imperial, através de sistemas de avaliação e financiamento da divisão de trabalho, das empresas, das profissões, dos trabalhadores, para se poder manter optimista e obrigar à mobilização das milhões de vítimas-cúmplices organizadas, requer um contraponto: as populações negativamente privilegiadas. Os impérios não bastam as pessoas tratadas como não sendo humanas, como as mulheres, crianças, velhos, escravos, pessoas sem autonomia, etc. Precisam também de criar, produzir, exemplos de miséria repugnante ameaçadores das vítimas-cúmplices, para o caso de desejarem deixar de ser cúmplices.

Esses exemplos são modernamente produzidos pelos estados sociais (Dores, 2020), nomeadamente através de políticas de auxílio a nações pobres, a populações socialmente discriminadas, a crianças e jovens abandonadas, sendo que dessas alguns rapazes são mostrados à sociedade como criminosos, presos, e algumas raparigas servem como prostitutas. A incorporação moderna do espírito imperial é de tal modo efectivo, que nem os movimentos de direitos humanos nem os movimentos feministas estão em condições de anunciar, sob pena de descredibilização e de ficarem sem financiamento, que os seus representados mais mal tratados são os presos e as prostitutas, a quem é oferecida a hipocritamente optimista caridade cristã, imperial, submissa e subordinante, a pena e comiseração. É oferecido aos marginais aquilo que todos e cada um dos trabalhadores mais temem – a desconsideração pessoal para a vida e também na morte.  

Este é o último post de três que começam em “Os segredos sociais

Referências:

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2020). A Estado Social Real. RCP edições.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (1999). Microfísica do Poder. Graal.

Illich, I. (2018). Para uma História das Necessidades (J. C. C. Marques (ed.)). Edições Sempre-em-pé.

Seattle, C. (1855). A Carta resposta ao Presidente dos EUA. AABB Comunidade. http://www.aabbcomunidade.com.br/wp-content/uploads/2017/02/Carta-do-Cacique-Seattle.pdf

Varoufakis, Y. (2017). Adults in the Room. Vintage Digital.

Virno, P. (2014). O animal aberto ao mundo: o chamado “mal” e a crítica do Estado. Imprópria, 4, 77–90. http://unipop.info/impropria.html

Ciências e segredos sociais – poderes e elites

As intenções e os conhecimentos, sobretudo científicos, são elaborados sobre práticas cuja totalidade escapa à melhor das intenções e dos conhecimentos, resultando daí efeitos não esperados das intenções e erros nos conhecimentos.

A confiança da modernidade nas instituições funda-se na crença da superioridade das intenções das elites e dos conhecimentos dos profissionais, por sua vez ensinados e treinados por professores cientistas. Tal confiança não esmoreceu com os erros e falsas promessas, vulgares no campo político. Ao contrário, há uma corrente de opinião que sugere que a modernidade só não funciona porque os políticos não são cientistas, não são suficientemente cognitivamente competentes para compreender o que fazer para atingir os resultados definidos. Essa corrente tornou-se predominante através do retorno do pós-guerra às ideologias meritocráticas abandonadas no tempo da aristocracia. A tecnocracia, incluindo a estigmatização dos políticos como poderosos corruptos ou ingénuos, fundada no prestígio que as ciências transferem para as profissões através das universidades de formação, substitui na moral dominante e nos lugares de governação os aristocratas de boas famílias pelos técnicos de profissões adequadas: teórica e ideologicamente o melhor que a sociedade produz.

Relação dos poderosos com as elites

Por exemplo, a ideia da esquerda quando denuncia as portas giratórias entre a política e os lugares de administração de grandes empresas privadas é a da desconfiança de a direita estar a servir-se do estado para fins económicos, para servir elites com dinheiro suficiente para comprar os poderosos que se vendem no mercado como trabalhadores de jorna melhor pagos. À direita, a versão da mesma teoria distingue a política ideológica da política de gestão; a política dos que estão ao serviço de estrangeiros inimigos da civilização – a quem não se podem confiar os segredos de estado – da política recomendada pelas instâncias aliadas, as agências internacionais e os posicionamentos imperiais do nosso lado, do lado dos bons contra os maus.

Em tempo da pandemia, a campanha presidencial centrista insistiu, contra a direita, que não há portugueses bons ou maus, puros e impuros, verdadeiros e traidores, e contra a esquerda, que o Serviço Nacional de Saúde deve continuar a abrir as portas ao sistema nacional de saúde, sentindo-se o estado na obrigação de criar as condições de privatização de parte do sector, como modo de o racionalizar.

As ciências sociais, de que a saúde pública é uma especialização, dividem-se, como o espectro político institucionalizado, em direita e esquerda; em teorias académicas, centradas em dados estatísticos, e teorias críticas, centradas na desconstrução das interpretações dominantes das estatísticas. O centro político, ou centrão, financia a institucionalização de partidos de direita e de esquerda, como ciências sociais de direita e de esquerda, de modo a polarizar as oposições e a integrá-las em vez da antiga luta de classes de rua, vivida no século XIX. O planeamento, como o orçamento de estado e das instituições de ensino e investigação, é o grande instrumento político de distribuição e de controlo da administração e das actividades científicas, a par da corrupção, isto é, o uso das avaliações de modo discricionário pelos aparelhos partidários e a cúpula do estado onde os interesses dos poderosos se negoceiam em segredo.

O caso Espírito Santo mostrou como as elites não se confundem com os poderosos. O banco imaginou poder controlar o estado, oferecendo-lhe a superioridade de uma visão global da sua capacidade financeira e, ao mesmo tempo, beneficiando a família. Os poderosos tiveram de ser comprados. A família era uma elite beneficiária e apoiante dos planos do banco. Raros membros da elite eram também poderosos, como os primos desavindos. O resto da elite não tinha poder nenhum. Era apenas – mas muito importante – o meio social que cuidava da humanidade dos poderosos, dos que trabalhavam para sustentar a elite, sem o qual os poderosos não tinham motivos e energia vital para o serem.

As dualidades tão presentes nas teorias filosóficas, humanistas e sociais, flexibilizadas ou não pelo método dialéctico, falam-nos de forma metafórica da dualidade mais evidente que herdámos, a sexual, cuja diferenciação é a mãe de todas as discriminações em todas as culturas conhecidas. Diferenciação que divide as sociedades, mas também cada ser humano, entre aquilo que de si pode mostrar e revelar aos outros (incluindo a si mesmo) e aquilo que é segredo social, honra. Essa falta de sinceridade, de verdade, a inescapável incoerência humana funda poderes que colocam os humanos em contacto com o transcendente, o pensamento, os deuses sobre-humanos, os homens sobre-humanos que são uma forma como é possível relacionarmo-nos com o mundo dos mortos, com o futuro, com as sociedades, com a Terra e o resto.

O trabalho de Descartes sinalizou e reforçou o uso moderno das dualidades – existência versus conhecimento (pensamento) – explicando os seus benefícios pragmáticos: separar e explorar as partes, uma a uma, e acumular conhecimentos parcelares e locais justapostos. O sucesso das teorias cartesianas, que são ensinadas em todas as escolas e incorporadas como ideologia oficial da modernidade há séculos, têm impedido o avanço dos conhecimentos (Damásio, 1994). Ou melhor, tem reduzido os conhecimentos ensinados ao pragmatismo profissional, hiperespecializado, de modo a que conhecimento holista seja descartado. O segredo científico e político de estarmos todos envolvidos solidariamente na exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, decorre e é possível pela divisão ideológica entre as ciências naturais e as ciências sociais, e entre estas últimas e as humanidades, como se os recursos humanos não fossem pessoas e estas não fossem parte integrante da natureza.

As teorias críticas são espelho da oposição dialéctica aos dualismos dominantes, sugerindo a vantagem – real – de combinar as partes, pois diferentes combinações das mesmas partes, diferentes sociedades todas igualmente humanas, existem criando contextos, ambientes, culturas, dinâmicas particulares, cujas características e propriedades – como acontece com os átomos ou o cosmos – são muito variadas. Tais críticas, porém, perdem-se em dilemas alternativos aos dualismos cartesianos, como sociedade-cultura, universalismo-particularismo, estado-economia, esquerda-direita, vontade-saber, norte-sul, recusando-se a abandonar o paradigma cartesiano.

As elites precisam de se cuidar

O abandono desse paradigma está em curso, através de perspectivas planetárias (N. Clark & Szerszynski, 2020), holistas (Bateson, 1987), anti-nacionalistas (Kuhn, 2016), de libertação da ciência dos espartilhos actuais (Schofield, 2018), globalistas (G. Clark, 2007; Morris, 2013), mas não vinga enquanto os financiamentos-avaliações permanecerem vinculados às prioridades internacionais e belicistas do modo imperial de organização das relações internacionais e da vida das sociedades. Como notou de forma controversa Michel Foucault, e de forma mais ampla Randall Collins (2005), os conhecimentos são produzidos por instituições ajustadas ou ao menos toleradas pelos poderes do dia.

Quando a ciência estabelece evidências resgatadas do mundo dos segredos sociais, violando eventualmente a honra dos poderosos, sobretudo quando revela as evidências moralmente mais dolorosas, faz um serviço à civilização. Dá instrumentos às pessoas e às sociedades para se libertarem da opressão imperial que a todos prejudica existencialmente, independentemente dos privilégios ou dos sacrifícios que sustentam as estruturas imperiais muito diferentes entre si.

O papel recente da teoria da luta de classes, ao radicalizar as dualidades sociais a favor dos trabalhadores, com sucesso relativo no que diz respeito à integração dos trabalhadores na cidadania, torna mais difícil compreender que o problema de raiz não é o capitalismo. O que está a inibir a esperança de ser possível trabalhar a favor da libertação, em igualdade, é, antes, a elevação do império a referência cognitiva e organizativa única, milenar, protegida na sua honra pelo segredo social elaborado cotidianamente pelos poderosos, representado patrões, trabalhadores e movimentos sociais, incluindo as teorias científicas, sob a forma de discurso único ou tecnociência.

referências:

(continua em Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais)

Bateson, G. (1987). Steps to an Ecology of the Mind. Jason Aronson.

Clark, G. (2007). A Farewell to Alms – a Brief Economic History of the World. Princeton University Press.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2020). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Collins, R. (2005). Sociología de las filosofías – Una teoría global del cambio intelectual (1a edição). Hacer.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Os segredos sociais

Será a razão que conduz o mundo? Ou será do mundo que se faz a razão? Como pensar os limites da ciência, dos planos, das políticas públicas, dos estados, das elites?

Há um mecanismo social que faz segredo, faz tabu, de factos e práticas evidentes. Esse mecanismo não é inventado nem criado pelas elites ou pelos poderosos. É um mecanismo espontâneo que é manipulado pelos poderosos em favor das elites.

Hoje, as classes médias vivemos como aprenderam a viver os reis, há poucos séculos atrás. Usamos casas de banho privativas, comemos à mesa com talheres, vestimos fatos e vestidos capazes de marcar o género e o estatuto social. Nas cortes, incluindo Versailles, defecava-se e cuspia-se nos corredores, que os criados limpavam uma vez por semana ou menos. O Rei Sol impôs um protocolo estrito ao seu próprio comportamento, como forma de educar os cortesãos sobre como se levantar, vestir, calçar, deitar, comer à mesa, limpar o corpo, passear no jardim, etc. Todos assistiam à encenação cotidiana e, assim, eram convidados a imitar a realeza. A Revolução Francesa acabou com o estatuto especial da nobreza, tornando qualquer homem em cidadão e senhor, isto é, imitador dos comportamentos das elites entretanto educadas na corte. As modas de imitação aburguesaram-se e, mais tarde, industrializaram-se, proletarizaram-se.

Os animais em grupo imitam-se e aprendem uns com os outros e com a experiência, na fuga ou na agressividade. As pessoas também são animais, mas desenvolveram capacidades culturais extraordinariamente elaboradas com base nos mesmos princípios de imitação (Tarde, 1993). As culturas aprendidas resultam de acumulações evolutivas e históricas incorporadas individualmente por cada pessoa que as usa. O que não quer dizer que cada pessoa conheça as histórias da evolução das culturas, pois a sua complexidade é extrema e a capacidade de aprendizagem e atenção cognitivas humana é muito limitada e parcial comparada com o holismo das aprendizagens biológico-corporais.

Uma criança aprende a falar de uma vez. Não estuda a gramática e o vocabulário em separado. Aprende de ouvido a musicalidade da comunicação entre os falantes (Tomatis, 1991) e toma a iniciativa de participar na orquestra cotidiana de falantes. Só depois de falar é que pode aprender a gramática, isto é, os resultados dos estudos da língua elaborados por especialistas capazes de impor a língua com autoridade, como língua oficial. Porém, as línguas sem escrita e sem gramática, como as línguas oficiais, continuam a evoluir e a fazer a sua história, sem que ninguém as saiba ou possa controlar.

O que parece e o que é

As teorias da conspiração, e as conspirações, isto é, a descrição social das elites e as práticas de escamoteamento dos seus privilégios e interesses, juntamente com os esforços de adivinhação lúdica e/ou contra-informação profissional, vão de par com a hiperespecialização cognitiva e profissional, individualista, desenvolvida pelas sociedades modernas. A cultura dos mistérios, da humildade na ignorância, evoluiu no ocidente para a cultura da arrogância cognitiva, imperial, bem representada pela moral e saber universais.

Embora as técnicas de planeamento racional existam e tenham efeitos práticos, através da organização dos treinos, das educações, das modas, das políticas públicas e financeiras, a evolução e a história continuam irredutíveis aos desejos explícitos e intencionais das elites e dos poderosos. Há todo o tipo de mal-entendidos, de excessos de zelo, de oportunismos, de resistências, negligências, corrupções que distorcem os planos, por norma inconscientes e/ou dissimulados, ao menos à atenção uns dos outros e também aos olhos dos poderosos e das elites. A ideia de um planeamento racional e unânime, favorável a todos os membros da sociedade, inspirou os regimes comunistas que falharam. Os planeamentos indicativos, os que previam à partida a impreparação dos planos para ter em conta as dinâmicas holistas da evolução e da história, usados pelas empresas capitalistas, mostraram maior resiliência. Ainda assim, os desastres financeiros, ecológicos, sanitários globais que não se conseguem resolver, que perduram e se acumulam neste princípio de século, mostram existir um magma existencial que escapa à capacidade cognitiva, às capacidades de planeamento, à boa vontade.

As ciências, por exemplo, embora sejam artes especializadas em produzir perguntas cujas respostas se constroem demoradamente, sempre incompletas, são política e culturalmente transformadas em tecno-ciências, em receitas práticas, frequentemente de base tecnológica, para resolver problemas, virtualmente todos os problemas.

As profissões de base científica adquirem junto das elites e da população o prestígio, que as próprias profissões alimentam e reclamam, de serem as únicas autorizadas e competentes no seu campo de actividades.

Os segredos dos negócios, da justiça, do estado, das ciências, das profissões, apresentam-se como saberes iniciáticos, como sabedoria inacessível aos leigos, escondida por linguagens particulares, como a economia, a advocacia, as disciplinas científicas, o calão profissional. O anedotário talvez seja a forma de segredo popular, geralmente em volta dos usos do sexo e da violência em sociedade, fazendo uma política de guerrilha denunciando os jogos sociais dos poderosos e dos revoltosos.

Continua em : Ciências e segredos sociais – poderes e elites

Referências :

Tarde, G. (1993). Les Lois de l´Imitation. Éditions Kimé.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

A falácia do crescimento e as liberdades democráticas

Resumo: o que é que a democracia-fascismo tem a ver com a ciência-economia e a pandemia-guerra tem a ver com estado-império? E de que modo tudo isto está ligado entre si e aos vícios modernos de desprezar os outros?

A presença de políticos eleitos representantes de sentimentos e movimentos neo-nazi-fascistas é um incómodo para a democracia ocidental. Mas é também com uma compreensão mal disfarçada que os estados e os governos aceitam a situação. Reservam a raiva com que são capazes de matar na rua ou em regime de detenção, ou de esmagar direitos de manifestação a pretexto de haver terroristas infiltrados, em nome da ordem, para pessoas sem representação parlamentar.

Nas altas esferas do poder preferem que não entre a polícia. Esta deve, aos olhos dos mais poderosos, limitar-se a actuar fora desse âmbito, longe dos crimes de colarinho branco. Do século XIX vem a ideia de que a polícia trata de forma radicalmente diferente a direita, os caceteiros ao serviço dos patrões, as empresas de segurança da altura, e a esquerda, os trabalhadores, os sindicatos ou as manifestações de mulheres. As democracias do pós-guerra mostraram continuar agarradas a polícias susceptíveis a infiltrações de caceteiros direita, descendentes das milícias que eram usadas pelos políticos do século XIX, mesmo onde haja movimentos sindicais nas forças de segurança. A operacionalidade das polícias para serem usadas contra os movimentos de trabalhadores e de outros activistas, logicamente, torna recomendável a escolha de pessoal, em especial directores de polícia, mentalmente livres para actuar com empenho. Todos os exageros são tolerados, a menos de algum escândalo que obrigue a acção política de escamoteamento das evidências, substituindo-as por novas e velhas aparências.

A tolerância dos estados às ilegalidades de direita e a tendência para conter ou violar direitos consagrados de cidadania não é uma prática exclusivamente policial. Também na política, sobretudo através de jogos dúplices entre os poderes de Bruxelas, por exemplo, em representação dos credores, e os dos estados nacionais, em representação da cidadania, os investimentos na segurança das elites aumentam ao mesmo tempo que os direitos e os contratos dos trabalhadores são quebrados.

Quando os funcionários da troika chegaram a Portugal, na missão de tomar conta das finanças nacionais, o Bloco de Esquerda tomou a posição de considerar não ser adequado representantes de um estado independente receberem funcionários protocolarmente equiparados a representantes de estados, quando eram meros funcionários de organizações internacionais alheias a qualquer procedimento democrático de representação. Recuaram na posição e acompanharam todos os outros partidos na submissão do estado português aos interesses dos credores internacionais. O Tribunal Constitucional reconheceu a ilegalidade das quebras de contratos com os trabalhadores, mas aceitou o estado de excepção não declarado como se de um facto natural e inelutável se tratasse. Ao mesmo tempo, o estado, pelas mãos de um governo de direita, aumentava os impostos de forma definitiva, até hoje.

Os princípios democráticos da representação são embaraçosos perante partidos anti-democráticos porque estes apenas elevam ao mundo da política práticas do estado que, no caso de outros partidos, são ao mesmo tempo toleradas e condenadas, como nos casos da corrupção e do policiamento estigmatizante de populações mais indefesas.

Para esconder as práticas das elites, a democracia torna-se musculada e mesmo guerreira, por exemplo, quando tortura concidadãos que denunciam violações graves da democracia, como são os casos de Manning, Assange e Snowden, ou aliados incómodos como os líderes assassinados do Iraque ou da Líbia. Para defender a democracia dos partidos anti-democráticos, os estados parecem impotentes. A mesma liberdade de expressão que é negada aos primeiros é alegada para não limitar a acção dos segundos.  

Uma explicação para estas contradições da democracia, a sua complacência perante os neo-nazi-fascistas e a sua dureza contra o estado de direito e os direitos humanos, deve ser procurada nas agendas estruturantes protagonizadas pelas elites e por quem se lhes possa opor. Uma hipótese será a de haver uma oposição política abissal entre as políticas de crescimento económico e as políticas de prestação de cuidados à Terra e à espécie humana, de que Greta Thunberg se fez eco, com o impacto global. Esta hipótese é particularmente importante de escrutinar dado o novo e repentino consenso político no ocidente a respeito da reconversão verde da economia e da indústria, depois de década a arrastar os pés em sucessivos acordos globais sobre o clima. A economia verde é ou não compatível com o capitalismo? É ou não compatível com as políticas imperiais, de Trump ou Biden?

As democracias representativas dos estados e dos seus cidadãos vivem à custa das transações nos mercados, isentando os mais ricos, os que vivem de jogos financeiros, de impostos. Dado o estado das dívidas, sem jamais terem sido alvo de jubileus que os antigos usavam para aliviar as tensões sociais, a única hipótese de manter o status quo que separa os mercados do mundo das finanças, as pessoas comuns das elites (com o sacrifício de todas as vítimas do sistema, a começar por aqueles que nada têm a ver com ele), é continuar a acelerar o número e valor das transações económicas. Só o crescimento económico, como se diz, cumprirá aquilo que foi previsto acontecer pelos credores internacionais: o crescimento da exploração pode produzir riqueza suficiente para distribuir consumíveis (bens essenciais e brinquedos) para aqueles que colaboram com a exploração (a sociedade) e para que os estados possam arrecadar impostos para pagar as suas forças armadas e polícias para proteger as elites do ódio que despertam, com o fito de manter os lucros dos financiadores, independentemente das crises económicas, humanitárias e ecológicas.

Com Adam Smith, os governos aprenderam a moralidade (mão invisível, mão do deus-mercado) da política de crescimento. Com Marx, aprenderam que o crescimento não é linear: a sobreprodução ansiosa gera excessos e necessidades de reconversão que mudam a direcção da vida dos trabalhadores para a miséria e a revolta. Com as guerras mundiais compreendeu-se que a competição entre estados sujeitos ao stop and go dos ciclos crescimento/crise era desastrosa para a humanidade e para o próprio império que vive do capitalismo. Com as políticas keynesianas no ocidente e as de industrialização forçada no Leste, ambos os lados da Guerra Fria estiveram de acordo em manter a política de crescimento económico como centro da sua rivalidade, embora, ao mesmo tempo, sobretudo ao nível da propaganda, manifestassem interesse e empenho no bem-estar das pessoas. A década de 80 assistiu à reacção das elites à evidência de que o stop and go económico continuava a ser incompatível com a paz e os cuidados a que as pessoas aspiram para viver melhor. No Ocidente, as elites decidiram começar a globalização. Nessa primeira fase, relocalizaram as indústrias para os países subdesenvolvidos em troca de novos mercados. No Leste, as elites decidiram acompanhar essa abertura, glasnost. A implosão do rígido império soviético, em 1989, abriu caminho à glasnost desordenada, a destruição das condições de vida dos soviéticos, ocupados a atirar culpas uns contra os outros. Os nacionalismos foram a matriz da independência das velhas elites relativamente ao império em queda, lastro das novas unidades sociais impostas por novos estados criados dos velhos pelos antigos hierarcas. A receita da mão do deus-mercado generalizou-se, incluindo na China ou em Cuba.

A destruição da Europa, que alavancou a oportunidade de crescimento económico por trinta anos, no pós-guerra, a que se referem os defensores do estado social, não pode ser repetida sem o risco de destruição ainda mais severa do meio ambiente terrestre, com o uso de armas nucleares. As resistências ao perdão das dívidas decorrem do desequilíbrio das alianças globais entre estados e destes com as empresas multinacionais dominantes, criando as condições propícias à eclosão da guerra nuclear que se teme. O crescimento económico é travado pelas dívidas acumuladas, sobretudo nos países dominantes, e pela crescente evidência de essas dívidas estarem a ser pagas pelos mais pobres entre os países e as pessoas, impedidos de sobreviver autonomamente por essas cargas financeiras. O que fazer?

“Reiniciar” foi a palavra de ordem criada pelos mais criativos e poderosos políticos e empresários do mundo, que se costuma reunir no Fórum Social Mundial, em Davos. Querem acabar com a propriedade privada e ameaçam impor a felicidade a toda a gente. Imaginam poder fazê-lo a partir da sua economia virtual, desterritorializada, controlada pelos Big Data, isto é, pelo tratamento de dados de toda a actividade humana e ambiental por meios modernos, ocorrendo às necessidades em função das disponibilidades, como previa o comunismo de Marx, sob a sua tutela neo-divina. Tecnologias de informação e comunicação 5G, indústrias verdes, energias renováveis, práticas inclusivas são as palavras de ordem. Porém, tal como a segurança e a defesa, na linguagem da política de estado, querem dizer repressão e guerra, há que interpretar essas intenções não em função da propaganda, mas em função das acções no terreno. Sendo notável que quando se processa uma transição da sede do poder imperial global entre Washington e Pequim, não haja nenhuma referência a isso nos planos políticos de transformação da vida das pessoas e dos estados. Isto é, tendo em conta esta evidência, os estados estão a representar os interesses dos poderes que desenham os novos mercados livremente, escondendo quais são os planos estatais para reorganizar os espaços sociais e internacionais susceptíveis de amparar tais desígnios económicos. Portanto, business as usual.

Entretanto, a crise financeira e do sistema de imposição da globalização continua a produzir os estragos que tem produzido desde 2008, na verdade desde os anos 80, quando a pegada ecológica terá passado pela primeira vez uma Terra. Mais precariedade da vida e dos empregos, menos valor do trabalho, menor participação política, recessão económica, aumento das dívidas, juros negativos para armazenar o dinheiro dos investidores que não investem, mais gente a aceder ao modo de vida ocidental, altamente consumista de energia e recursos, insustentável, incluindo mais pobres, refugiados, trabalhadores imigrantes ilegais, etc. Após a devastação das políticas contra a COVID19, segundo os modelos económicos em vigor, há que esperar que a economia recupere e cresça acima dos 3% para se poder esperar, a médio prazo, a três anos de distância, a recuperação do emprego, provavelmente em condições de ainda maior precariedade e de redução de rendimentos. Não se vislumbra nenhum movimento de trabalhadores disponível para contrapor a esta perpectiva nenhuma política diferente. Ao invés, a valorização do trabalho está a ser pensada como mérito a atribuir a quem se sujeita a trabalhar para os empresários que investem. O trabalho de cuidar, por exemplo, dos refugiados ou dos imigrantes, é comparado a um trabalho policial, de segurança, de opressão das vítimas do sistema de exploração global da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos.

Perante as evidências visíveis na política, isto é, o contraste entre a compreensão mal disfarçada dos estados e sociedades ocidentais perante a emergência de movimentos políticos neo-nazi-fascistas e a repressão fora da lei de activistas que querem reclamar a acção do estado de direito com a independência necessária face aos governos, face à corrupção, face à violação dos direitos humanos que os estados e os próprios tribunais abrigam, tudo indica que as políticas de ódio face às minorias são bem vindas (pelo menos têm sido bem financiadas) para dar base para a reconversão projectada. É espantosa a campanha de marketing político ocidental favorável às singulares práticas políticas de confinamento das pessoas saudáveis praticadas inicialmente na China para lidar com a pandemia COVID19, incluindo as práticas policiais de imposição e observação dos comportamentos sociais, promovidos sob o estado de excepção para todos (o estado de excepção já estava banalizado, no Ocidente, para as pessoas ilegais e para quem vive nos bairros que acolhem pessoas ilegais). Como espantoso é o acolhimento favorável por parte de populações envelhecidas, exaustas pela precariedade, temerosas da natureza e dos vírus, crentes na boa vontade dos estados e das elites em partilharem com elas senão os valores ao menos os bens essenciais para a sobrevivência. A Suécia, antes estado-sociedade modelo da propaganda ocidental, tornou-se, sem avisos e num ápice, bode expiatório usado para justificar o abandono dos princípios constitucionais e a manipulação mediática dos médicos de saúde pública e de outras especialidades para propaganda, à sombra de uma alegada formação científica que terão.

Espantosa e significativa é também a circunstância de haver consenso sem discussão a respeito das prioridades políticas actuais acima citadas, como se a ciência, a economia, o estado, a democracia, o fascismo fossem palavras que designam inequívoca e biunivocamente uma só realidade prática, o status quo, o melhor dos mundos possíveis, isto que estamos a viver, uma desgraça.

Claro que os neo-nazi-fascistas, além de se digladiarem sobre o verdadeiro legado de Hitler e Mussolini nas suas altas esferas, se apresentam em público enxutos, apolíticos, honestos, ingénuos, sinceros, revoltados. O problema é que os democratas fazem coisas parecidas, independentemente dos heróis políticos que preferem discutir nas altas esferas. Populistas são todos, os velhos políticos e os partidos que agora se apresentam a votos para os receber do povo. As democracias desesperadas, já o mostraram na primeira metade do século XX, sobretudo quando a sede do império se revela incapaz de liderança, transformam os povos e os estados em monstros de aspirações imperiais e práticas desumanas que só os deuses sabem inspirar. A caixa de Pandora foi oficialmente aberta em 2001, na cimeira dos Açores, com a guerra dos EUA, Inglaterra e Espanha, acolhida pelo primeiro-ministro português, Durão Barroso, depois presidente da Comissão Europeia, da Goldman Sachs e da aliança global para as vacinas. As vacinas, a acreditar em Durão Barroso, são as novas falsas armas de destruição maciça que justificam a guerra para convencer as pessoas comuns de que isso é para seu bem. Ora, compreensivelmente, apesar da impotência aparente, as pessoas desconfiam das intenções dos estados e das instituições internacionais, dada a sua duplicidade constante a favor da “economia” dos credores à custa da vida dos devedores.

As pessoas, mesmo as legais, estão reduzidas a reclamar direito ao trabalho, na esperança de isso obrigar a entrega de rendimentos, sem humilhações que vêm com os subsídios para os pobres. Com cada vez mais pobres trabalhadores precários, incapazes de organizar a vida, e com as reclamações de direito ao trabalho insuficientemente mobilizadoras, o que se pode fazer para mudar a economia, o estado, a democracia de tal modo que volte a ser impermeável ao nazi-fascismo?

A primeira coisa a fazer, como acontece com qualquer vício ou depressão, é reconhecer a realidade da ilusão mental de não haver alternativa. Para tal, há que começar por questionar tudo quanto haja força para questionar, incluindo a ciência, a economia, a democracia, o fascismo, a sociedade, a doença, o meio ambiente. A ciência, por exemplo, é ensinada nas escolas e nas universidades como sendo uma longa lista de receituários com aplicações tecnológicas ou práticas. Porém, a ciência pode ser entendida, deve ser entendida, como uma arte de fazer e fixar perguntas pertinentes e sem resposta, capazes de orientar a investigação dos cientistas por algum tempo, eventualmente décadas ou, nos melhores casos, séculos. Esta ciência é ensinada nalguma escola ou universidade de forma sustentada? Quem financia este tipo de ciência? Quem financia, também, os trabalhos que as pessoas dedicam a cuidar umas das outras? Não me refiro apenas aos cuidadores de pessoas sem autonomia. Refiro-me às pessoas que cuidam de outros, às crianças que todos fomos, aos idosos que teríamos o direito de ser caso vivêssemos numa sociedade decente que não tratasse dos velhos armazenados em asilos parecidos com os corredores da morte.

O rendimento básico incondicional (RBI) é apresentado pelos seus promotores como uma medida revolucionária que não afectará o nosso modo de vida, a não ser nos aspectos positivos: promete acabar com a miséria sem mudar de modelo de governação, antevendo uma sociedade totalmente subsidiada pelos estados. Há os neoliberais promotores do RBI, para quem o estado se deve reduzir à sua função financeira de distribuir dinheiro de helicóptero também às pessoas, e há os promotores do RBI de esquerda, que preferem juntar às funções sociais actuais do estado – em regressão – mais uma outra, a de distribuição de dinheiro dos impostos suficientemente robusto para aguentar as despesas dos subsídios RBI. O RBI capaz de financiar os cuidados que nós dedicamos uns aos outros, sem ofender a dignidade dos cuidadores, com base na produção existente, será o RBI de todos para todos. Um rendimento fora do controlo dos estados e das empresas, resultado de direitos auto-atribuídos pelos cidadãos a si mesmos, tendo por base os seus rendimentos, expressão de empatia e solidariedade incondicionais para com toda a humanidade, não é uma opção considerada na literatura académica e política sobre o assunto. Como foi explicado por um especialista de um partido, com o RBI o estado perderia o controlo sobre os pobres, que é a função actual das políticas contra a pobreza, eufemismo do mesmo tipo de segurança ou defesa para designar lutas do estado contra os pobres, para os manter subjugados através das diferentes armadilhas da pobreza, a começar pela humilhação pessoal, social e política.

Financiados por nós mesmos, os humanos, será possível repensar as relações entre as nossas sociedades, os estados, as economias e o meio ambiente. Partilhando os rendimentos por direito, cada um poderia ser educado a contribuir da melhor forma para a sociedade, entendida já não como uma construção das elites, um castelo no ar ou um cofre cheio de pedras e metais preciosos, mas como uma empatia universal, capaz de nos integrar na natureza a que pertencemos, a natureza terráquea. Podemos livrar-nos de sociedades punitivas e sacrificiais, estados discriminatórios e opressores, economias extravistas e exploradoras, empresas e organizações autoritárias, estados de espírito subordinados aos interesses alheios. A ciência teria nessa educação um lugar destacado, pois aprender a fazer a manter vivas perguntas perenes seria um exercício estimulante do bom uso das vidas, das imaginações e das inteligências libertas da actual opressão que nos faz desejar a emergência da violência (contra os “outros”) para resgatar a falta de sentido da vida que vivemos.

Nova ciência requer novas escolas e novos financiamentos

Será a ciência da Pfizer a ciência que convém à humanidade? Ou a ciência da Pfizer é um instrumento da luta de classes de que falou Warren Buffet, quando declarou a sua classe dos multimilionários vencedora?

Para que serve uma luta de classes que é ganha, de forma inelutável, pelos beneficiários das desigualdades sociais indispensáveis à acumulação de riquezas? Estão-se a salvar vidas ou a enterrar pessoas vivas na miséria e no desespero socio-económico? Que esperança se pode ter no surgimento de sociedades melhores quando à manutenção da crise financeira global se acrescenta a desorientação na luta contra o aquecimento global e outros males ambientais, como os plásticos, a extinção de espécies, a desertificação, a subida dos níveis do mar, etc.? O crescimento do desemprego estrutural, agora acelerado pela luta contra a pandemia do SARS-cov2, é uma doença social negligenciável relativamente à COVID? Fez e fará menos vítimas do que a COVID?

Diz o Instituto Nacional de Estatística: em 2020 “o indicador de clima económico diminuiu em novembro, interrompendo o perfil de recuperação observado nos seis meses anteriores, após ter atingido em abril o valor mínimo da série. Em novembro, os indicadores de confiança diminuíram em todos os setores, Construção e Obras Públicas, Comércio, Serviços e Indústria Transformadora (…)”. O Institute of Policy Studies dos Estados Unidos apurou que as fortunas combinadas dos 647 mais ricos do país cresceram quase um milhão de milhões de dólares (um bilião) entre Março e Novembro deste ano, desde que se iniciou a luta global contra a COVID19. Também entre os empresários a perspectivas de futuro dividem a maioria, que vai ser prejudicada, da ínfima minoria, que beneficia da situação.  

Quanto à disponibilidade das pessoas para serem vacinadas, anuncia-se em Portugal, a maioria não pretende ser vacinada, mesmo sabendo o que é viver sob a ameaça da COVID-19 e da vacina ser apresentada como o único modo de recuperar as liberdades entretanto condicionadas. Em vários outros países, as estatísticas mostram que a maioria da população aceita tomar a vacina, mas à medida que chega a hora de as tomar mais gente evita a tomá-la. Desconfiam das vacinas, da ciência? Ou desconfiam da ciência apressada da Pfizer, a ciência que faz multimilionários?

Nos EUA e no Brasil, presidentes promotores da irracionalidade na política representam, com a popularidade que os levou à presidência, o rasgar do prestígio da ciência, como uma presa aos dentes de predadores nas lutas pelo poder. Porém, a ideia de serem apenas os movimentos neo-nazi-fascistas que usam o prestígio da ciência instrumento de manipulação política não é séria. Não corresponde à verdade. Desde os anos 60, muito antes da existência de partidos neo-nazi-fascistas com eleitores, que se sabe haver o risco de aquecimento global. Não foram esses partidos que esconderam os problemas estruturais, ambientais e sociais, do sistema político e económico predatório e destruidor das pessoas e do planeta. A globalização, apesar das promessas, não serviu maior justiça social. Produziu aceleração da extinção de espécies e mais desigualdades sociais. Com o discurso único, as forças de oposição, tão vivas no século XIX, esgotaram-se e desapareceram, como previu Marcuse em Homem Unidimensional.

No pós-guerra, os investimentos em ciência concentraram-se ao serviço dos militares, na Rússia e nos EUA. É uma ciência ao serviço dos mais poderosos, que a partilham entre si, através do estado e dos negócios imperiais, como os computadores e a internet. A implosão da União Soviética mostrou que o socialismo real foi um logro para a injustiça social, para a sustentabilidade ecológica e para a ciência. Os novos modelos de governação da sociedade, como o dos zapatistas, o autogoverno do povo da Nasa de Cauca na Colômbia, o movimento Dalit e Adivasi na Índia, a democracia assembleária curda e feminista de Rojava, o cooperativismo anti-capitalista ou das zonas de defesa na Europa, como Christiania na Dinamarca ou da região de Notre-Dame-des-Landes em Nantes, onde o governo francês pretendia construir um aeroporto, ou da floresta Hambacher na Alemanha, igualmente ocupada por activistas que impediram a mineração, ou movimentos de resistência à mineração do lítio em Montalegre/Portugal, etc., não são discutidos publicamente. Esta censura mediática e universitária apresenta estas experiências como nados-mortos. Trata disso no meio do excesso de produção de informação, sobretudo publicitária, reconhecidamente exagerada ou mesmo expressamente enganosa. Os financiadores, públicos e privados, explicitamente impõem aos profissionais conformidade com os seus interesses estratégicos, sujeitando-os a formações iniciais apologistas do discurso único, das hierarquias, dos concursos, das competições, dos direitos intelectuais, dos segredos de estado, de justiça, de investigação, etc. Descapitalizadas, censuradas, isoladas, as potenciais alternativas de governação e as pessoas que por elas se interessam, são incapazes de proteger o planeta, de evitar o desemprego, de formar partidos ou promover a ciência.

Inline image
ilustração de Juliana Barbosa para A luta curda pela democracia e pela igualdade de género, em revista Periferias 3

A ciência é apresentada como uma colecção de respostas e receitas únicas, pré-fabricadas e universais para os problemas. A ciência que se tornou mestre em fazer perguntas difíceis de responder, respeitadora das pessoas, capaz de dissipar a ignorância, foi dividida em ciência pura, ciência aplicada, teorias, métodos, tecnologias, modelos de negócio, autónomos e incoerentes entre si. A ciência foi-se reduzindo a vendedora de dogmas para os leigos e profissionais, liderando transmissão de autoridade aos profissionais e submetendo-se aos desígnios políticos e económicos dos financiadores. Será que uma ciência social e ecologicamente emancipadora e livre é possível?

As técnicas de governação inovadoras, como o rendimento básico incondicional (RBI) (1) ou a criação de redes de solidariedade grupais para a vida a partir das escolas primárias (2) ou a redução dos tempos de trabalho, são tratadas pelas ciências sociais como os novos modelos de governação. Quando se tornam prementes, são esterilizadas sob a forma de especializações exotizadas e submetidas ao sistema opressivo da imaginação que produz o discurso único: o regime intelectual que proclama não haver alternativas políticas racionais ou úteis ao status quo a não ser que sejam feitas de inovações tecnológicas com sucesso mediático. A imaginação de alternativas de governação ou financeiras são estigmatizadas e esmagadas, como na Grécia de 2015. As alternativas aos planos de cuidados de saúde perante a presença do SARS-cov2, como mostra o caso da Suécia, são irracionalmente tratadas, como se alguém soubesse a melhor maneira de fazer.

A geração melhor formada de sempre em escolas que ensinam a prestigiar a ciência, como autoridade, não é capaz de responder aos desafios ecológicos, políticos e sociais. Está a aguardar ordens superiores de que desconfia. Hesita em acolher a vacinação como um instrumento de harmonização da vida humana com a presença de virus. Impotentes e submissas, as sociedades modernas, amedrontadas, confinam-se tão longe quanto podem da natureza e submetem-se aos interesses das classes dominantes, proprietárias da ciência e dos meios de produção de prevenção da saúde e de cura, sacrificando uma parte crescente de pessoas a viver sem rendimentos.

Embora a luta de classes esteja a ser ganha pelos super-ricos, como diz Buffet, o medo e a desconfiança social entre as pessoas, sobretudo em relação às autoridades, não para de aumentar. O desgaste da legitimidade política das elites e da confiança na ciência, representada no caso pela vacinação, é notório e está representado politicamente por líderes de nível global, mutuamente articulados para canalizar essa desconfiança. Propõem dar prioridade à violência, como nos ordálios, e fazer justiça divina através do uso intensivo, ainda mais intensivo, de bodes expiatórios: imigrantes, ciganos, mulheres, etc.

Ver-se-á como vão decorrer as campanhas de vacinação global, pela primeira vez na história da humanidade. A indústria, seguindo a recomendação da ONU, dispôs-se a planear fornecer toda a população mundial, com o apoio financeiro e logístico dos estados e das respectivas forças armadas. As teorias de conspiração florescem, a par das campanhas mediáticas unilateralmente apologistas das políticas de saúde. A democracia e a ciência, a arte de fazer as perguntas difíceis para quem possa e queira responder, continuam ligadas, neste caso em perda.   

Independentemente do que se passar no período de vacinação que se avizinha, a crise política, a crise de valores, a desconfiança nos valores dominantes vai continuar a traduzir-se em reacções promotoras de irracionalidade, apresentadas como modo de combater as elites e as autoridades. Com os sistemas de ensino focados em promover o discurso único, a menos que sejam abertas avenidas por onde canalizar a ciência que faz perguntas, em vez de oferecer respostas pré-fabricadas, a luta de classes que está a produzir becos sem saída para cada vez mais gente e para a humanidade e o planeta, como um todo, produzirá extrema violência.

Os vencedores da luta de classes, os que beneficiam da acumulação da riqueza, sabem que algo tem de mudar. Mas também sabem, de experiência própria, que tudo pode permanecer na mesma parecendo ter mudado. Que fazer? Seremos capazes de imaginar escolas de solidariedade inter-individual, capazes de resgatar a ciência para nos ensinar a fazer perguntas cognitivamente úteis? Será o RBI-TT (1) um tipo de financiamento capaz de promover tais tarefas de transformação social e cultural?

_________

  1. O RBI é apresentado pelos seus promotores como uma medida revolucionária que não afectará o nosso modo de vida, a não ser nos aspectos positivos: promete acabar com a miséria sem mudar de modelo de governação, antevendo uma sociedade totalmente subsidiada pelos estados. Há os neoliberais promotores do RBI, para quem o estado se deve reduzir à sua função financeira de distribuir dinheiro de helicóptero também às pessoas, e há os promotores do RBI de esquerda, que preferem juntar às funções sociais actuais do estado – em regressão – mais uma outra, a de distribuição de dinheiro dos impostos suficientemente robusto para aguentar as despesas dos subsídios RBI.  O RBI de todos para todos, fora do controlo dos estados, resultado de direitos auto-atribuídos pelos cidadãos a si mesmos, não é uma opção considerada na literatura académica sobre o assunto.
  2. As escolas são imaginadas, ao mesmo tempo, culpadas de todos os problemas sociais e capacitadas para os resolver. Embora sejam instituições cujos resultados práticos têm sido o reforço das desigualdades sociais, são também a esperança última de muitos dos mais críticos prognósticos sociais. O “ascensor social”, esperam, irá resolver o que não resolveu até hoje: a iliteracia, as desigualdades sociais, o recurso a recursos irracionais para procurar vidas melhores. Entender a escola como um meio privilegiado de estabelecimento de laços sociais para a vida entre grupos de crianças, uma família organizada em rede de mútuo apoio e solidariedade para a vida, a par e diferente das famílias de origem e das famílias construídas e reconstruídas em função das relações sexuais, não é ideia sequer considerada para reforçar e amenizar o individualismo.  

Os limites dos estudos profissionais das desigualdades sociais

A Revolução Francesa veio com a ideia do fim das religiões e das guerras. Porém, aquilo que imediatamente aconteceu foi o Terror, a emergência do Império napoleónico e a sua religião positivista, laica, administrada, como forma de substituir o modo de vida aristocrático que foi derrotado com a monarquia. Algo semelhante se repetiu na história contemporânea, quando a promessa comunista se concretizou sob a forma de império soviético ou quando os movimentos de libertação das colónias adoptaram para os dirigentes anti-imperialistas os privilégios de saque para enriquecerem os políticos ao serviço dos mercados globais.

Há continuidades evidentes entre os períodos pré-revolucionários e os tempos pós-revolucionários que têm sido desvalorizadas. São descartadas como resquícios em vias de extinção. Por exemplo, no campo dos estudos das desigualdades diz-se que elas não param de aumentar e, ao mesmo tempo, que os mecanismos modernos, em particular as dimensões sociais dos estados de bem-estar, são ascensores sociais. Tacitamente, esta contradição entre a crítica medida – o aumento das desigualdades – e a boa vontade das teorias sociais em relação às instituições sociais dos estados actuais (imaginadas como ascensores) torna-se aceitável para o público. O público formado pelos estados sociais entende a liberdade de crítica como uma concessão do próprio estado, o estado do bem-estar que aboliu a luta de classes e que legalizou os sindicatos e os movimentos de trabalhadores. Portanto, a crítica revolucionária, a que imagina uma sociedade sem desigualdades sociais, sem classes sociais, acompanha mão na mão o conformismo revolucionário, o que, contra as evidências, continua a acreditar em ascensores sociais cujos efeitos são o inverso do que deveriam ser.

Há continuidades evidentes entre a Idade Média e a Idade Contemporânea: a persistência de elites a quem são atribuídos privilégios sociais e legais, a quem as sociedades reclamam alguma forma de exibição pública exuberante, sob a forma de realeza, presidência, representação política, diplomacia, militar, policial, tribunais, presença mediática. Há continuidade na persistência de confissões oficiais, religiosas, científicas, civilizacionais, como o actual discurso único. Podemos caracterizar e analisar estas continuidades usando um estado de espírito que tem vindo a democratizar-se: o espírito imperial.

Através da escolarização generalizada, do aumento dos anos de escolaridade obrigatória, da abertura das universidades a novas camadas da população, da industrialização do ensino, já não são apenas as elites que são educadas para se distinguirem das massas, dos recursos humanos. Também as massas são educadas a serem recursos humanos, a terem orgulho em serem trabalhadores, sobretudo se forem profissionais, isto é, competentes a cumprir tarefas específicas no quadro de uma extensa e diversificada divisão de trabalho susceptíveis de empregabilidade, independentemente de critérios morais ou políticos, eventualmente reduzidos a códigos deontológicos despolitizados e interpretados de forma corporativa, auto-regulada. Também os desportos, as ciências, as artes sofreram com a profissionalização e a despolitização, nas últimas décadas.

O espírito imperial é o uso naturalizado das discriminações consensualizadas como forma de legitimação das elites e das contra-elites, dos privilegiados e dos desprivilegiados – os perdedores ou o lixo humano, recursos humanos inutilizados ou inúteis, abandonados pelas elites e pelas sociedades como excedentes. Característica deste estado de espírito é a sua radical dissimulação, como fazem os camuflados na guerra, nomeadamente atrás do capitalismo (no caso das ideologias liberais) ou dos estados (no caso das ideologias de esquerda) ou das nações imaginadas (no caso dos neo-nazi-fascistas). Em vez de atender ao espírito imperial que foi capaz de produzir (e também perdeu) impérios ao longo dos últimos milénios, as ideologias modernas – e as teorias sociais com elas – mascaram-no de mercados, estados, nações, como se estes não fossem apenas aspectos dos impérios que integram, como se pudessem existir uns sem os outros.

Em forma de mnemónica, o espírito imperial é discriminatório, elitista e dissimulado.

O estudo das desigualdades sociais pode servir de exemplo de como este estado de espírito incorporado torna evidente aquilo que é substantivamente contraditório. A promessa imperial, a finalidade doutrinária dos impérios, é de atingir a equanimidade. Para o efeito, a condição é que a humanidade acompanhe e apoie as missões imperiais organizativas de convergência de esforços à procura dos efeitos de sinergia ou singularidades ou revoluções ou juízos finais. Toda a humanidade será, pois, convidada a sacrificar-se de forma convergente através de instituições, como as instituições sociais criadas no pós-guerra nos países mais ricos. A humanidade idealizada por nós como solidária e global, comunitária e ecuménica, educada e profissional, estaria salva da natureza, dos humores dos deuses, dos micróbios, quando na verdade se transforma tão completamente quanto tem sido viável em recursos humanos. Então, embora as escolas, as universidades, os tribunais, as políticas contra a pobreza, o policiamento, continuem a cumprir o papel de agravamento e legitimação das discriminações sociais, as culpas são – à esquerda – dirigidas aos mercados ou – à direita – à falta de esforço dos trabalhadores, dissimulando de forma eficaz o papel das elites e das suas actividades desmultiplicadas já não apenas através dos militares, das administrações, das corporações, das empresas, das famílias, mas também com o reforço da incorporação nas massas do espírito imperial através das instituições sociais, incluindo as escolas, universidades, serviços de saúde, apoios a pessoas em risco, ONG´s.

A actividade profissional, o prescindir do dever e do direito de avaliar o valor das finalidades das missões em que cada um esteja a participar, é uma consequência do sucesso da democratização do espírito imperial. O movimento operário, depois da criação da União Soviética, como os movimentos de libertação das colónias, depois da independência nacional das colónias, perderam o ímpeto anti-imperialista e aprenderam a dissimular isso dos seus apoiantes. As vanguardas isoladas nas lutas, ainda que apoiadas pelas populações, mais isoladas ficaram face às elites opressoras depois da vitória. Educadas nas escolas e universidades imperialistas e educadoras dos seus povos imaginados, sob a tutela dos estados novos, organizados como os velhos, as vanguardas tornaram-se elites, prisão de onde já não puderam sair. Puderam apenas expurgar-se dos elementos incómodos.  

As potencialidades cognitivas da ciência

Que fazer? O testemunho de um sociólogo abolicionista, é um livro à procura de entender as falhas das ciências sociais. Não as procura apenas nas limitações epistémicas dos autores, em particular dos mais consagrados. Tais limitações existem, mas são consequência de causas ao mesmo tempo mais profundas e mais superficiais. São consequência da democratização do estado de espírito imperial – a orientação da acção à luz de missões determinadas por interesses de elites a que cada pessoa e sociedade deve moralmente submeter-se. O espírito imperial é incorporado por cada pessoa no acto de integração social como contrapartida dos benefícios prometidos. À superfície, as pessoas, incluindo os autores mais geniais, dissimulam as suas tendências anti-imperiais de si mesmos. Trabalham e apresentam-se partindo do princípio que o estado de espírito imperial é um pano de fundo natural, que todas as pessoas conhecem e a que todas se sujeitam conscientemente, quando, na verdade, nem os melhores autores se entendem entre si sobre o que seja e sobre a melhor maneira de lidar com tal coisa.

O estado de espírito imperial moderno é interpretado de muitas formas, sendo a interpretação profissional a mais relevante. Os profissionais submetem-se a qualquer missão, a qualquer projecto, contra algum rendimento. Mesmo o titular da missão ou projecto, quem está encarregue de cumprir a missão do imperador a um qualquer nível de complexidade e de responsabilidade, também esse é quase sempre um profissional nas sociedades actuais. Associados ao espírito profissional genérico, há estados de espírito especializados, mais ou menos prestigiados e bem pagos a) conforme as condições sociais e políticas de cada região ou país; b) conforme a relevância estratégica dos investimentos em causa; conforme a relação de forças entre trabalho e capital; c) conforme a divisão profissional do trabalho existente estruturada pelas disciplinas desenhadas nas universidades e nos cursos de formação profissional.

Portanto, as falhas das ciências sociais podem ser procuradas nos resultados de práticas institucionais, científicas e políticas organizadas internacional e solidariamente entre os estados, as universidades, a comunicação social, os centros de investigação, os controlos profissionais sobre quem trabalha no campo científico. Podem ser procuradas também na gestão dos investimentos em ciência e na compreensão do lugar estratégico das ciências sociais que justifica esse investimento.

A resposta apresentada no livro vai no sentido de recomendar o reconhecimento dos controlos sobre a ciência, ao mesmo tempo institucionais, técnicos e cognitivos, como extensões dos controlos sobre as sociedades e, portanto, também sobre os cientistas e as ciências naturais e sociais. As limitações imperiais não são particulares das ciências ou das ciências sociais. Elas caracterizam a vida moderna.

A velha divisão de trabalho social identificada por Durkheim como uma das principais características das sociedades modernas, a democratização, a integração e a ordem social que vivemos nos países mais desenvolvidos, ao evoluir, traduziu-se, no pós-guerra, na hegemonia cognitiva e política das ciências centrípetas, dispersas e fechadas sobre si mesmas. Essa hegemonia das ciências centrípetas, como a hegemonia imperial, não acontece sem muito trabalho de manutenção do império (sistemas alargados e universais de selecção pessoal e financeira harmonizados entre si apoiados em serviços de apoio humanitários) e sem fortes reacções que procuram, por um lado, contrabalançar as falhas cognitivas assim produzidas e, por outro lado, equilibrar a moral de submissão dos profissionais com outras finalidades não imperiais ou mesmo anti-imperiais.

Uma das formas de reagir mais populares perante as evidências desastrosas sobre os efeitos colaterais das missões de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, é a participação em actividades cívicas, como as das ONG´s ou as dos media sociais ou as dos programas de desenvolvimento pessoal e social de tipo espiritual, incluindo as de carácter científico. Porém, a observação mostra como estas formas de reacção anti-imperial se mantêm condicionadas e reproduzem, na prática o espírito imperial de forma centrípeta. Mantêm-se isoladas entre si e isolam as pessoas que nelas participam isoladas umas das outras, nomeadamente por razões de competição profissional.

No campo científico, uma das evidências deste estado de coisas é o carácter prestigiado e falhado das práticas multidisciplinares e transdisciplinares. Actualmente tais propostas foram elevadas à interseccionalidade, método que reconhece a divisão tendencialmente estanque, mas contraproducente, das finalidades anti-imperialistas e as procura ultrapassar. Será suficiente o reconhecimento da actual estanquicidade para organizar as condições de sucesso desta reacção anti-imperial? Ou serão necessários novos arranjos institucionais capazes de proteger e emancipar essas práticas, antes que elas sejam desvirtuadas pela hegemonia imperial?

No campo político, que evidentemente não está desligado nem muito longe do campo científico, as evidências mostram como vivemos tempo de ressaca das lutas anti-imperiais falhadas. O crescimento dos movimentos neo-nazi-fascistas, o negacionismo dos políticos e dos eleitores sobre a particular imoralidade deste modo de constituir impérios bem identificado pela II Grande Guerra e pela prática do Holocausto, o genocídio da parte estigmatizada do povo imperial, como os imigrantes e refugiados descritos como ilegais, a ausência de alternativas políticas humanistas, banalizadas e desacreditadas, a ausência de representação política de perspetivas de desenvolvimento sem crescimento económico, são sintomas de erros estratégicos muito claros e raramente mencionados.

O abolicionismo da escravatura foi barrado pela generalização do assalariamento dos homens, primeiro, e de toda a gente, incluindo os mais directos representantes das elites, depois. O orgulho no trabalho assalariado, elevado a direito, substituiu o orgulho em ser bom escravo. As lutas dos operários para organizarem melhores condições de vida para si levaram-nos a querer partilhar com todos os seres humanos os seus sucessos, decorrentes do espírito fusional que as políticas imperiais de luta de classes promoveram. Historicamente, isso acabou com a destruição da Europa em duas guerras mundiais e a criação das condições da passagem da sede imperial de Londres para Washington, onde ainda permanece. Os EUA começaram um projecto de solidariedade universal, a que chamaram desenvolvimento, centrado na ONU e numa série de instituições internacionais com o objectivo de trazer paz e bem-estar para um mundo sem espírito imperial. À declaração universal de direitos humanos, porém, não correspondeu a prática anti-imperialista. As forças políticas fundadas no imperialismo, nos EUA, na União Soviética, na França e na Alemanha, em Portugal também, e em toda a parte, nunca deixaram de comandar a acção, embora tenham tido de recuar nas condições de liberdade reclamadas pelo novo ânimo das pessoas, no pós-guerra. Isso ficou especialmente evidente nos territórios colonizados pelos países europeus, onde surgiram movimentos anti-imperialistas de libertação das colónias. Infelizmente, a principal reivindicação organizativa e pragmática desses movimentos foi a constituição de estados locais dirigidos por elites locais, entretanto profissionalizadas como funcionários internacionais ou ao serviço das organizações internacionais de desenvolvimento. A globalização resulta do fracasso geral dos movimentos anti-imperialistas que ganharam as guerras mundiais e que fizeram recuar os impérios nas colónias. Uma nova forma de império continuou o ímpeto anterior de exploração da Terra, agora entrando numa situação de esgotamento crescente de recursos recicláveis e de produção de lixo, material e humano, a uma escala jamais vista.

As tendências políticas neo-nazi-fascistas em crescendo actualmente mostram a falta de imaginação política das sociedades modernas actuais (e o seu reaccionarismo) e o reconhecimento generalizado não apenas dos fracassos, mas também das perversidades das alianças imperiais-anti-imperialistas que conduziram as lutas de classe no século XIX, as guerras na Europa na primeira parte do século XX, os movimentos de libertação no pós-guerra, as ONG´s depois dos anos 80, a globalização.

As universidades e as ciências sociais, como as ciências, recolhendo investimentos crescentes durante este período histórico, não podem estar – mas estão – sem posição perante a derrota dos movimentos anti-imperialistas. Tal derrota é a derrota da imaginação e, portanto, das potencialidades cognitivas que a ciência pode, mas não está a proporcionar.

Reorientar as ciências é uma tarefa mental-individual ou de política institucional?

Vários autores reconhecem limitações estruturais, epistémicas e técnicas, às práticas científicas em ciências sociais. Porém, em vez de analisarem os impedimentos que obstaculizam as práticas científicas, limitam-se a fazer recomendações aos cientistas sociais sobre o que individualmente devem fazer, como um professor recomenda a um aluno a estudar. As recomendações paternalistas tornam-se bizarras quando admitem a impossibilidade de as ciências sociais poderem ser ciências, não por causa dos impedimentos que o inibem hoje, mas pela natureza extraordinariamente plástica da vida humana. Estas linhas de argumentação baseiam-se e usam como desculpa do alegado falhanço da proposta clássica de transformar a filosofia social em ciências sociais o alegado facto de a natureza ser rígida e eterna, insensível às mudanças e ao tempo, e a humanidade ser o inverso disso, ser uma entidade histórica.

Para citar alguns trabalhos que adoptam esta perspectiva recordo Robert Skidelsky (2018), Bernard Lahire (2003, 2012), Nicos Mouzelis (1995), Ralph Darhendorf (1958). O que não me lembro de ter lido são teses sobre a lógica e os modos de condicionamento das práticas científicas pelas políticas científicas. Conheço o trabalho de Michael Kuhn (2016) que faz uma contundente crítica epistémica às ciências sociais e o de Jim Schofield (2018) que faz uma esclarecedora crítica epistémica à física, na linha das críticas de Ilya Prigogine (1996) à química e de António Damásio (2017) à neuro-biologia. Em nenhum caso as políticas científicas são trazidas à colação e ao debate, como se estivessem fora do âmbito (profissional?) das discussões científicas.

Bent Flyvbjerg (2001) Making Social Science Matter – why social inquiry fails and how it can succeed again, Cambridge University Press, é um livro que vale a pena ler. Aponta às ciências sociais aquilo que é também um problema das ciências naturais: o respeito intelectual dos limites entre aquilo que se faz (episteme e techne, para usar as expressões gregas trazidas pelo autor) e aquilo que não se faz e se delega a terceiros (phronesis, a potencia que relaciona a cognição e as técnicas com a política, com os seus usos práticos). Infelizmente, Flyvbjerg resigna-se com as ciências sociais não científicas, dando crédito à tese cartesiana da diferença de natureza entre a natureza, a vida, por um lado, e a natureza humana, por outro lado. É como se a sociedade, ao contrário da natureza, nunca estivesse em condições de fazer pose para a fotografia científica. Quando o problema, claro, é as teorias e os métodos científicos serem capazes de dar conta da mobilidade da existência. O conceito de phronesis, em Flyvbjerg, não se eleva ao nível da política, modernamente muito mais distanciado do público que na Grécia Antiga. Fica-se, como no caso da sociologia pública (Braga & Burawoy, 2009), por um apelo aos colegas de profissão para que, individualmente, usem os respectivos estatutos sociais como influencers ou comentadores.

Referências:

Braga, R., & Burawoy, M. (2009). Por uma Sociologia Pública. Alameda. http://sociologia.fflch.usp.br/node/460

Damásio, A. (2017). A estranha Ordem das Coisas – a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Circulo de Leitores.

Darhendorf, R. (1958). Out of Utopia – Toward a reorientation of Sociological Analysis. American Journal of Sociology, LXIV.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem. https://www.kobo.com/us/pt/ebook/how-the-social-sciences-think-about-the-world-s-social-1

Lahire, B. (2003). O Homem Plural – As Molas da Acção. Piaget.

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. Routledge.

Prigogine, I. (1996). O Fim das Certezas. Gradiva.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Skidelsky, R. (2018). Money and Government, a challange to mainstream economics. Penguin Books.

Educar a imaginação a imaginar a liberdade

As gerações mais bem escolarizadas de sempre, as gerações vivas, sofrem de falta de imaginação.

Há quem elogie o realismo e o materialismo modernos. Mas há também quem tenha notado haver uma degradação fisiológica das capacidades cognitivas motivada pelo excesso de estimulação visual, através de écrans (Desmurget, 2012). Com a informação à distância de um clique, muitos de entre aqueles que têm obrigação de ler deixaram de o fazer: veem a informação, copiam os textos, trocam fake news capazes de recalcar a raiva que sentem por estarem a sofrer os processos de desumanização em curso.

Julian Assange a ser entregue pela Embaixada do Equador às autoridades britânicas, Abril de 2019

Na era da realidade virtual, a imaginação estimulante de melhores cuidados entre humanos tornou-se um exercício narcísico de empoderamento fictício, como acontece aos viciados de todas as espécies, incluindo aqueles viciados no consumismo, nos mercados, nos jogos de guerra, reais ou meramente electrónicos. Matar ou, pior, tornar mais difícil a vida de terceiros, sejam os pobres, sejam os que vivem sob a soberania de um estado inimigo, através de sansões, sejam os bodes expiatórios produzidos para fingir que os estados perseguem os criminosos – quando frequentemente são dirigidos por criminosos – mesmo quando isso passa na televisão, não interpela as sociedades. Interpela cada um nós na nossa boa consciência de pessoas impotentes que se desculpam, aliviadas, por serem impotentes. Assim podemos continuar a viver indiferentes à putrefacção da política e dos estados, no Brasil, nos EUA, na Europa e por todo o lado.

Manning, Assange, Snowden são exemplos conhecidos em todo o mundo de pessoas cuja lucidez as obrigou a denunciar crimes imperiais, de guerra, de violação da privacidade, de inoperância da comunicação social como quarto poder. Todos assistimos às torturas que lhes foram e continuam a ser aplicadas, como se milhões de nós, cada um na sua profissão, não soubéssemos das misérias e mortes decretadas arbitrariamente pelas diferentes instâncias do império, aqui ao nosso lado. Os casos citados são usados pelo império para intimidar, à uma, toda a humanidade. E isso funciona. Para nossa vergonha colectiva.

O extraordinário e entusiasmante acesso a informação por via da internet vem a par da redução das nossas capacidades cognitivas pessoais e sociais, biológicas e imaginativas. Como prisioneiros, vítimas da síndrome de Estocolmo, estamos hipnotizados pelos interesses das elites. Estas nem precisam de se preocupar em saber aquilo que lhes pode ser útil: os think thank, as universidades, as escolas, os estados, competem entre si para vender recursos de que sejam titulares, incluindo recursos humanos, competências especializadas, pedaços de gente socialmente isolada tolhida pela falta de imaginação. Os jovens são encaminhados para o empreendedorismo, esgotando a sua imaginação em como servir as elites. Estas compram aquilo que dá mais lucro e abrem concursos competitivos para os próximos anos.

Relator Especial para os Direitos Humanos da ONU acusa EUA de torturar Chelsea Manning, Dez 2019

Esquizofrénicas, as sociedades humanas modernas tornaram-se adoradoras da democracia (ou do que resta dela, o voto) e do meio ambiente e, ao mesmo tempo, aceitam trabalhar quotidianamente para a exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, como profissionais hipnotizados, mas competentes.

Presos estamos nós. A maioria dos presos, ao menos, não participa directamente na exploração da Terra. Ironicamente, são levados a aspirar a viver em liberdade e a integrar uma sociedade esquizofrénica em putrefacção. Pedimos-lhes que se ressocializem, fingindo não saber que também nós nos precisamos de ressocializar, de nos libertar das elites criminosas, destruidoras do meio ambiente, redutoras da humanidade a uma praga contra a diversidade da vida na Terra.

Os presos são os bodes expiatórios contra os quais as sociedades modernas traumatizadas atiram pedras reais e simbólicas. Resgatam, assim, a boa consciência de quem está sob o efeito inebriante da síndrome de Estocolmo, maximizado pela publicidade-propaganda dos ecrãs. Os presos são institucionalmente cultivados desde crianças, como foram e podem ser os filhos das escravas, para serem úteis para a organização de práticas sacrificiais modernas. Crianças e jovens abandonados que aprenderam a viver sem amor são educados por instituições de caridade como pré-delinquentes para, quando adultos, serem usados para servir como prisioneiros. A repugnância que tais práticas provocam nos humanos é dirigida para as vítimas, para os presos imaginados criminosos (em substituição dos verdadeiros criminosos que pululam nos meios dirigentes). Só raramente as sociedades dirigem a sua raiva para as elites. Estas, de quando em vez, deixam cair alguns elementos incómodos para saciar a raiva dos povos e resolver problemas entre elas.

A arte de substituir muros por pontes entre a natureza e os humanos, deve ter em mente a necessidade (urgente) de resgatar as pessoas do controlo das elites que nos transforma em indivíduos ao seu serviço. Profissionalizando e aprisionando, as elites usam dissimulada, mas eficazmente, velhos conhecimentos hipnóticos de massas, maximizados pelas tecnologias modernas. Não é fácil tornarmo-nos tão inteligentes como os nossos antepassados, porque biologicamente a vida moderna nos estupidifica quotidianamente. Produzimos industrialmente lixo material e também lixo humano, nas lixeiras, nos empregos e em casa.

Dada a emergência ambiental e política, com o ressurgimento do nazi-fascismo, com a imaginação bloqueada pelos cantos de sereia dos vícios com que as elites entretêm os povos, há que estimular a imaginação livre dos ecrãs orwellianos que nos ocupam todo o campo de visão.

As pontes de artes para transformar os muros das prisões em passagens de liberdade devem aprender e ensinar a cultivar, de ambos os lados, uma imaginação realista, materialista, mas também livre da síndrome de Estocolmo. Em vez de pontes de empoderamento devemos aprender a construir pontes de cuidados. Em vez de ressocializar os presos numa sociedade em putrefacção devemos aprender a imaginar juntos como nos libertar colectivamente do colete de forças de que as prisões são uma das expressões mais aberrantes e cruas.   

 Referência:

Desmurget, M. (2012). TV Lobotomie : La vérité scientifique sur les effets de la télévision. Forum Social Local du Morbihan. http://www.informaction.info/video-science-technologie-tv-lobotomie-la-verite-scientifique-sur-les-effets-de-la-television

A serpente científica

texto inspirado na entrevista a Donna Haraway e na troca de emails com a Vera Silva

Foucault argumenta: não há saber sem ser financiado e comprometido com alguma forma de poder. Então, tudo quanto seja saber que não serve o poder é impossível: é inimaginável; é reprimido e impedido. Logo, o saber é sempre um auxílio ao poder e, como tal, há que suspeitar e condenar: descobrir os logros e dissimulações que validam uma verdade ficcionada ao serviço dos poderes reais.

Este pessimismo estrutural não se justifica. A presença de vida, ainda que seja muito exigente do ponto de vista das condições ambientais, existe mesmo: nós somos prova disso. Mutatis mutandis, a sabedoria (incluindo a ciência) tem melhorado, apesar da condição de independência ser fundamental para que se desenvolva. Paradoxalmente, é o império, a organização diferenciada do poder das elites, o instrumento da evolução cognitiva em disciplinas, ao mesmo tempo reclusas das respectivas especializações e abertas ao mundo e à vida. Qual Fénix, o conhecimento emerge da merda (que melhor pode ser pensada como húmus) como a vida emergiu dos oceanos, dos vulcões, dos meteoritos, no cosmos.

Para ser mais concreto: as sociedades modernas resultaram (diz o Foucault, e eu acho que diz bem) de um grande encarceramento (primeiro das elites em Versailles, no século XVI, e depois, sucessivamente, incluindo mais gente e grupos sociais, à medida que se foram integrando e submetendo aos estados e à lógica imperial que os legitima). A ciência viveu o grande encarceramento organizado pela Inquisição e pelas Universidades. Isso não impediu que a cultura de salão (das aristocracias) apoiasse a ciência recreativa (ou de guerra, como no caso da medicina) abrindo espaços de liberdade renascentista, apesar das disciplinas se começarem a impor para melhor se desenvolverem.

Depois da II Grande Guerra, as políticas científicas belicistas (o maior financiador de ciência é a NATO e os militares norte-americanos) impuseram a ciência centrípeta (tecnociência ultraespecializada, desconsiderando as discussões conceituais) focada em fazer modelos matemáticos competitivos, isto é, performativos, úteis para algum efeito prático que possa recompensar as elites e os cientistas (direitos de autor e de patentes). A ciência centrípeta é uma política de repressão da imaginação conceptual dos cientistas, acompanhando o grande encarceramento da imaginação dos trabalhadores, das massas, através da universalização do ensino e a democratização do ensino superior. A ciência nas escolas e universidades é ensinada como se fosse um receituário de soluções para problemas práticos, realizadas pela conjugação de materiais e técnicas profissionais manipuladas por gestores, como numa empresa, escondendo a arte de fazer perguntas encadeadas umas nas outras que é, de facto, o que a ciência acrescenta aos dogmas e aos ofícios.  

serpente do Éden teria patas?

Porém, a ciência centrífuga (a que desconsidera as fronteiras disciplinares e a que cuida de juntar aos modelos matemáticos e às experiências práticas os estudos conceptuais) continua a vingar. Não fosse esse o caso, porque haveria necessidade de reprimir cientistas, isolando-os e sujeitando-os às avaliações, e sansões profissionais e pecuniárias que estão em vigor nas respectivas carreiras?

Então, o que há a fazer, mesmo nas condições actuais de degradação da situação política contra a ciência? Sobretudo nas actuais condições de degradação da humanidade pela hegemonia política do ódio contra a humanidade e de falta continuada de respeito pela vida e pela morte do que não é recuperável, como parece ser o caso do ambiente que foi mais favorável à presença de humanos na Terra, uma das coisas que se pode fazer é chamar a atenção de que existe dentro da ciência quem reclama contra a ciência que se faz. Não são apenas os que optaram por privilegiar a irracionalidade e a violência quem se opõe à violência e à irracionalidade da ciência centrípeta. Tal como há judeus contra a política belicista e genocida de Israel, também há cientistas contra a ciência hegemónica, dentro e fora das instituições científicas. Chamar a atenção para a necessidade urgente de recuperar o prestígio da ciência em nome da ciência centrífuga reprimida pelas políticas científicas e pelos cientistas centrípetos que as concretizam dentro das instituições científicas pode permitir que mais cientistas adoptem práticas centrífugas e se reconhecem mutuamente como opositores da ciência centrípeta em nome de uma ciência mais completa, aberta e humilde perante outras formas de conhecimento.

O propósito da ciência centrífuga e dos conhecimentos mais sábios de que a humanidade deve aprender a cuidar é a liberdade de produzir e testar conhecimentos, sem subordinação às elites, ainda que as instituições científicas sejam financiadas e defendidas por elas.