Sociedades sequestradas

O sintoma do sequestro é a síndrome de Estocolmo generalizada nas sociedades ocidentais. Os nacionalismos enfaticamente discriminatórios e imperialistas ao serviço dos estados-economias (Perkins, 2004; Woodiwiss, 2006), de que assistimos ao ressurgimento na política pelo menos desde 2001 (Amaral, 2003) e, de forma mais aguda, na guerra da Ucrânia, tolhem autoritariamente e de forma obscurantista as nossas acções e pensamentos.

Karl Polanyi (1980 [1944]), recordado (Burawoy, 2004) e retomado a propósito do que aconteceu após a nova grande depressão de 2008, descreve o sequestro das sociedades em modernização pelos estados e economias na viragem do século XIX para o XX. Os sociólogos mais entusiasmados com a nossa profissão entendem que essa libertação será, ao menos em parte, obra da sociologia. Na verdade, esperam poder contribuir para a defesa da sociedade com a sua versão da sociologia, como a sociologia pública de Burawoy ou a perspectiva de unidade dos sociólogos de Lahire (2012) e de Mouzelis (1995) .

A consciência social cada vez mais aguda sobre a recorrência dos desastres naturais devido ao aquecimento global gerado pela acção humana só agora começa a ser tida em conta nas teorias sociais (Clark & Szerszynski, 2021). As ciências sociais abandonaram o seu propósito clássico de se tornarem ciências (Nunes, 1973). A divisão disciplinar interna reforça o alheamento em relação às ciências naturais. A sociologia das ciências, por exemplo, não estuda os centros de investigação das ciências sociais a par da investigação biológica, física, química ou de engenharia.

Destruição da natureza

A demarcação entre as ciências naturais e as ciências sociais parece definitiva. Cada disciplina das ciências sociais observa o elefante, digamos assim, do seu ponto de vista especial: a economia queixa-se da escassez da natureza, a antropologia queixa-se da falta de cultura da natureza, a sociologia nota a falta de instituições que garantam a vigência das leis da natureza, as ciências políticas notam a falta de democracia na natureza. Mas em vez de se envolverem na descoberta do modo como a natureza produziu as sociedades modernas, dedicam-se a fazer a apologia da modernização, ocupadas profissionalmente a resolver os seus pequenos problemas (Coser, 1956, p. 27). Os grandes problemas das ciências sociais, nomeadamente o estudo do que seja a sociedade, são preteridos.

Como nota Michael Kuhn (2016), a liberdade referida pelas teorias sociais é uma liberdade concedida, outorgada, limitada, pelas elites políticas e económicas. O estudo das desigualdades é formal, estatístico (Wilkinson & Pickett, 2009), realista. Também pode ser crítico, como as infindáveis denúncias das discriminações estruturais que, apesar do acumular de evidências, não chegam para convencer a comunidade científica (Alexander, 2010; Federici, 2017; Ladd, 2013; Táíwò, 2022), ciosa da necessidade de manter as respectivas profissões especializadas financiadas pelas elites (Dores, 2021).

As sociedades modernas, convencidas do contrário, estão mais sequestradas hoje do que estavam na Idade Média (Habermas, 1987; Lyon, 2001; Sandel, 2020; Tönnies, 1995 [1887]). Por isso precisam, no dizer de Polanyi e Burawoy, entre outros, de serem libertadas do sequestro global organizado pelas elites.

Porém, a análise social presume que as sociedades são a justaposição dos indivíduos estatisticamente representáveis e representados dentro de fronteiras administrativas, cujas autoridades autorizam e coordenam a feitura dos inquéritos. As relações sociais que condicionam as respostas aos inquéritos em função da experiência escolar, como quem responde a um teste, são expressões da síndrome de Estocolmo: a colaboração dos inquiridos com os inquiridores, e em geral, observam aquilo que cada um entende ser o interesse das elites (no caso, representado pelo inquiridor) traduzidos, na medida do possível, em interesses pessoais, em reivindicações ou pedidos para facilitar a vida.

Os dados dos inquéritos são, por isso, completados por interpretações ideológicas, dita teóricas ou macro, e/ou por métodos etnográficos ou micro. A produção de evidências científicas nas ciências sociais está intimamente condicionada aos interesses socialmente percebidos das elites e pelos modos como as disputas de poder podem favorecer, ou não, uns e outros.

Sociedades sequestradas

A radicalidade da incorporação da síndrome de Estocolmo nas sociedades modernas decorre da realidade dos sequestros promovidos pelo estado e pela economia antagonistas e aliadas das sociedades que conjuntamente exploram.

As sociedades modernas subordinam-se voluntariamente à missão imperial de explorar a Terra em nome do Deus cristão que terá encarregado as elites ocidentais de cristianizar toda a gente. Sintoma dessa submissão é a efectividade do encobrimento da estrutura social de ordens que enquadra as sociedades de classes. Outro sintoma é a noção de a cultura ser o modo através do qual a humanidade se separou da natureza, passando a controlá-la como quem domestica animais ou plantas. As doutrinas religiosas, as ciências sociais, as humanidades, aproveitam a urbanização para desencantar a natureza, ou melhor, para a diabolizar, santificando em contrapartida o status quo favorável à missão imperial, como se fosse eterno.

As ciências sociais não ajudaram os cientistas do ambiente a romper as campanhas político-mediáticas de negacionismo do aquecimento global. Isso sairia fora da alçada das suas auto-limitadas competências. Como estarão em condições de romper com o sequestro que condiciona não apenas as sociedades, mas também as teorias sociais?

As teorias realistas propagam a ideia de as ciências não estarem em condições de fazer outra coisa a não ser apoiar as decisões dos estados e das empresas com pareceres técnicos bem informados, reveladores de evidências. As teorias críticas notam a necessidade de esses relatórios serem previamente organizados segundo linhas ideológicas, ora pró-governamentais ora pró-oposição. O facto de as ciências sociais não aspirarem a ser ciências ajuda a somar à divisão de trabalho disciplinar utilizada nas ciências a divisão ideológica dos investigadores sociais, das escolas e dos centros de investigação, mais à esquerda ou mais à direita.

Teorias realistas e críticas mantém-se concentradas nas questões de poder. Pretendem servir com os seus relatórios os interesses de quem as possa sustentar. É uma questão de sobrevivência profissional no mundo concorrencial criado pelas políticas científicas. Resulta uma grande catedral abstracta, a que se chama ciências sociais, com as suas capelas em competição e sem comunicação entre si. Chamemos-lhes ciências centrípetas.

Uma coisa que se pode fazer e será necessária para escapar ao sequestro e aos sintomas da síndrome de Estocolmo de que sofremos, as sociedades e as profissões, incluindo as profissões científicas, é reconhecer e valorizar os modos centrífugos de fazer ciência. Procurar continuar o caminho da filosofia social e a ciência, sem respeitar as divisões artificiais entre disciplinas e entre estas e as suas subdisciplinas. Pode-se dar prioridade às investigações que estudam directamente os panos de fundo, os substratos universais (Schofield, 2018). No caso das ciências sociais, obviamente, estudar o que seja a sociedade de que se fala sem saber muito bem o que seja, deve ser uma prioridade.

Referências:

Alexander, M. (2010). The New Jim Crow – Mass Incarceration in the Age of Colorblindness. The New Press.

Amaral, D. F. do. (2003). Do 11 de Setembro à crise do Iraque. Bertrand.

Burawoy, M. (2004). For a Sociological Marxism: The Complementary Convergence of Antonio Gramsci and Karl Polanyi. Politics & Society, 31, 193–261.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Federici, S. (2017). Calibã e a Bruxa – mulheres, corpo e acumulação primitiva (C. Sycirax, Ed.). Editora Elefante.

Habermas, J. (1987). Tendência da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Ladd, P. (2013). Em Busca da Surdidade 1 – Colonização dos Surdos. Surd´Universo.

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Lyon, D. (2001). Surveillance Society. Open University Press.

Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. Routledge.

Nunes, A. S. (1973). Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais. Cadernos G. I. S., n.° 10.

Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.

Polanyi, K. (1980). A Grande Transformação – as origens da nossa época (1a ed. 194). Editora Campus.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Táíwò, O. O. (2022). Reconsidering Reparations. Oxford University Press.

Tönnies, F. (1995). Comunidades e Sociedade. In M. B. da Cruz (Ed.), Teorias Sociológicas – Os Fundadores e os Clássicos (antologia de textos) (pp. 511–518). Fundação Caloust Gulbenkian.

Wilkinson, R., & Pickett, K. (2009). The Spirit Level – why more equal societies almost always do better. Penguin Books.

Woodiwiss, M. (2006). Capitalismo Gangster. Ediouro.

Trabalho, o estado e a escola

As teorias realistas seguem a legislação confundindo-a com os factos de que são apenas a parte legal. As teorias críticas seguem a ideologia de oposição para puxar a realidade para as finalidades que entendem adequadas. As teorias sacrificiais concentram a atenção na diversidade de modos de adaptação dos seres humanos à vida.

Para as teorias realistas, o trabalho ou é explorado, como na escravatura, ou é livre, como no salariato. Para as teorias críticas até o trabalho livre pode ser explorado. Para as teorias sacrificiais o trabalho é uma forma de relação social alienante, para as classes trabalhadoras, mas também pode ser instrumental, no caso das classes sociais que trabalham em função de finalidades desenhadas por si mesmas, como as elites políticas, empresariais, profissionais.

Historicamente, ao tempo da escravatura sucederam-se o tempo do assalariamento (século XIX) e o tempo da profissionalização (pós-guerra), da qualificação e intelectualização do trabalho (sociedades da informação e do conhecimento).

As condições de vida dos escravos é a mesma da domesticação de animais. Os seus abrigos, alimentação, sexualidade, dependem dos seus donos e são muito diferentes entre si conforme as funções desempenhadas. Nos extremos, os escravos domésticos podem beneficiar dos sentimentos dos seus donos, incluindo os seus filhos. Os escravos de reprodução são distantes de qualquer sentimento dos seus donos. Na prática, a vida mistura diferentes tipos de condições de vida tipo e estas misturas mudam ao longo da vida.

As condições de vida dos assalariados começaram por ser piores do que as dos escravos. Livres dos respectivos meios de subsistência pela expulsão generalizada dos campos, os proletários inventaram as suas próprias condições de vida no meio da miséria, da opressão policial e da filantropia. O sucesso dos que sobreviveram e se reproduziram criou uma sociedade proletária autónoma hierarquizada entre os que conseguiram boas condições de vida, em função do trabalho – por exemplo, quando o trabalho era de manutenção de condições de produção – ou em função da solidariedade social – por exemplo, quando os patrões ou as comunidades em que estavam instaladas as indústrias organizaram cooperativas e outras formas de apoios à melhoria das condições de vida. Dessas experiências sociais emergiram ideais socialistas e comunistas.

As condições de vida dos profissionais sempre foram privilegiadas em relação aos outros trabalhadores. Trata-se de trabalho qualificado, com exigências de longo treino e preparação prévia, que torna os profissionais difíceis de substituir imediatamente. Os profissionais não trabalham em massa, mas antes individualmente ou em pequenos grupos diferenciados dos restantes trabalhadores em termos funcionais e culturais. Ideologicamente, mantém com a sociedade – e não apenas com o patrão – uma relação directa. Em vez de produzir produtos, prestam serviços à sociedade.

No pós-guerra, os professores e os engenheiros orientaram a reconstrução das sociedades ocidentais destruídas pela guerra que, em termos de classe, opôs as elites imperiais aos movimentos de trabalhadores. A aliança das elites cristãs-liberais e comunista que derrotou o nazismo produziu dois tipos de sociedade em que os mercados monopolizados e os estados directamente asseguraram as condições de vida dos trabalhadores e dos profissionais, afastando-os da escravatura e da precariedade. No Ocidente, alimentação e vestuário baratos, por um lado, alojamento e transportes caros, por outro lado, deram trabalho a muita gente, com direito a férias e a consumos nunca antes vistos. Esgotada as tarefas de reconstrução, a aliança perdeu vigor económico. A base social dos comunistas, por via da acção sindical integrada nas negociações entre parceiros sociais junto das elites e da integração dos partidos operários nos processos de decisão, tornou-se paulatinamente conservadora das aquisições formalizadas e sapadas na prática (resistência) – eis o neoliberalismo.

A partir dos anos 70 do século XX, foram os economistas (investidos do poder de criar incentivos para os sacrifícios dos trabalhadores, na senda do taylorismo e do fordismo) e os juristas (tornando a engenharia financeira a forma dominante de criar capital) as profissões determinantes, a par de informáticos e cientistas investidos em processos tecnológicos de globalização e de inovação. Os trabalhadores investem as novas gerações em práticas sacrificiais intensivas, nas escolas e nos cursos profissionais, superiores ou não, com vista a servir os mercados de trabalho orientados aos interesses das elites desenhados internacionalmente. As associações profissionais multiplicam-se e as profissões liberais assistem à proletarização dos seus associados.

Instala-se a ideologia meritocrática incorporada em massa nas escolas e universidades, moldando as ciências aos interesses dos investidores. Toda a sociedade, incluindo as elites, estão apanhadas na armadilha do mérito, das avaliações, da produção de evidências, submetida à tirania do discurso único, cuja expressão maior é o nacionalismo.

O conservadorismo generalizado decorre do espírito profissional de sacrifício pessoal às necessidades abstractas das sociedades. Ao contrário dos trabalhadores, que desenharam uma meta de redução das horas de trabalho – que, no extremo, deveria acabar com o trabalho, substituído por robots ou cyborgs – os profissionais trabalham o tempo que for preciso para cumprirem as tarefas que lhes forem destinadas, sejam assalariados ou precários. Ao contrário dos trabalhadores alienados dos produtos do seu trabalho, os profissionais dependem emocionalmente da avaliação dos produtos do seu trabalho, pois não têm outras referências existenciais. Foram e estão viciados no trabalho, que amam como sua identidade. São workaholics, anti sindicalistas e apáticos aos desafios sociais, mesmo quando está em causa o auto-genocídio. As esperanças são todas pretéritas, centradas na escolaridade: esgotada a promessas do comunismo, da social-democracia e do liberalismo, voltamo-nos para o neo-nazi-fascismo com a falta de imaginação que caracteriza as rotinas profissionais.

Profissionais são pessoas incapazes de organizar a sua vida e de prestar cuidados, a não ser com grande sacrifício (conciliação da vida pessoal e profissional), competentes em certos domínios especializados que estão ao serviço de qualquer missão de alguém que reconheça o valor de tais capacidades, em troca de comprarem tudo o resto já feito. Nos tempos em que não estão em modo profissional, os profissionais perguntam-se quem são verdadeiramente, i.e., o que poderiam ser se não estivessem presos à profissão.

Duas questões me têm preocupado, no sentido de me orientar para a necessária desprofissionalização. O papel do estado, organizador monopolista das condições de vida das pessoas. O papel da escola, inculcadora do espírito profissional anti-científico. Noto que as esquerdas insistem em que o estado é solução para melhorar as condições de vida e que toda a gente está identitariamente dependente das avaliações escolares (e depois profissionais).

As minhas contribuições para esta discussão estão escritas em livro, Estado Social Real e Reeducar o Século XXI, e no blog Hypotheses Libertação do Império.

Costa da Caparica, 29 de Agosto de 2022, para o encontro do Observatório das Condições de Vida e do Trabalho, Setembro 2022, Loulé

Será que há isso a que chamam sociedade? (6)

As teorias sociais escamoteiam a sociedade

O motivo imediato para a actividade produtiva numa sociedade e mercado é […] tipicamente uma mistura de ganância e medo.

G.A. Cohen citado por Erik Olin Wright, Como ser Anticapitalista no século XXI, Lisboa: Edições 70, 2022 [2019]

As ciências são um dos movimentos sociais mais inspiradores, embora estejam condicionadas pelas condições da sua institucionalização e profissionalização. Exploradas como quase tudo para servir a missão imperial de exploração da Terra, as ciências estão divididas em disciplinas, por sua vez divididas em ciências naturais e ciências sociais. Trabalhar no seio da ciência com vista a participar na emancipação da humanidade dos hábitos da sua redução a recursos humanos para servir a missão imperial requer ter presente que as sociedades humanas são parte integrante da natureza e não existiriam nem existirão fora da natureza, muito menos contra a natureza.

As ciências sociais, portanto, devem insistir em continuar o caminho encetado entre a filosofia e as ciências, e não desistir de o completar. O meio ambiente, a parte da natureza mais sensível à actividade humana, está a responder à selvajaria megalómana de tomar a Terra para si, em nome da modernização que nunca mais acaba. Os conhecimentos necessários para organizar a adaptação das sociedades às novas condições de existência virão de uma ciência centrífuga, uma ciência holista capaz de completar e superar as limitações da ciência centrípeta adaptada às políticas científicas que a exploram, em nome da exploração generalizada às ordens do império.

Os pontos cegos criados pelas ciências centrípetas, como violência, sociedade, império, face, natureza humana, sacrifício, devem ser investigados prioritariamente. Fazê-lo exige a libertação das ciências de hábitos moralistas e do medo politicamente induzido que tornam esses pontos cegos em Adamastores da ciência centrífuga, guardiões dos segredos e mistérios das ciências actuais. Para tal libertação, convém ter presente as características das teorias-métodos que reproduzem o moralismo e o medo, como as teorias realistas e as críticas ideologicamente condicionadas. Ajudará essa libertação ter presente que é possível completar essas teorias com vistas mais largas, como as das teorias sacrificiais abolicionistas.

Teorias sacrificiais abolicionistas e o pensamento social planetário

Para as ciências centrípetas, a sociedade é a justaposição de indivíduos reduzidos a recursos humanos num espaço nacional determinado por fronteiras políticas. Admitem tratar sociedades intra-institucionais, comparar sociedades entre si, observar, com estranheza, a circulação de pessoas entre diferentes sociedades e instituições, registar constantes e mudanças históricas.

O que as ciências centrípetas não admitem é que as culturas e os seres humanos são naturais, podem (e devem) ser tratados como parte da natureza para serem dignos da sua natureza especial. A sua natureza – pelo menos agora – é sacrificial. Isso é claro para todos quando se consideram as sociedades inimigas ou as sociedades que imaginamos pretéritas, primitivas, mas são nossas contemporâneas. A natureza sacrificial das sociedades modernas em que vivemos é escamoteada, remetendo os sacrifícios – como a prisão e o trabalho – para o livre arbítrio dos excluídos e dos trabalhadores. Remetendo as elites para os méritos morais e económicos, em vez de reconhecer a existência de uma sociedade global de ordens.

A limitação conceptual de sociedade às fronteiras nacionais, como se fossem naturais, eternas, justas, obriga as ciências centrípetas a subverter a concepção histórica de império, experiência com milhares de anos, numa concepção de imperialismo como ponta do iceberg do capitalismo, experiência com dezenas de anos.

três categorias de teorias sociais. As realistas, as críticas e as sacrificiais. Estas últimas são emergentes e minoritárias. São, entre todas, as que são capazes de ultrapassar a actual impossibilidade de tratar cientificamente o estudo empírico dos níveis de realidade, das hierarquias, da natureza humana, das faces, da violência, do amor, das prisões, dos sacrifícios, entre muitos outras experiências existenciais maltratadas pelos outros tipos de teorias.

As principais inspirações para o desenho das teorias sacrificiais abolicionistas são a fenomenologia pragmática, como as definições de sociedade como self de George H. Mead, a de natureza humana recursiva de Corballis, a antropologia histórica da genealogia dos micro poderes de Michel Foucault, a desnaturalização da hierarquização liberal de David Graeber, o abolicionismo do capitalismo de Marx e Engels e o abolicionismo das práticas imorais de Louk Hulsman.

Ansiosas por combater as desigualdades entre a população, as teorias realistas e críticas desconsideram a milenar persistência das discriminações sociais (G. Clark, 2014) e as tendências para o seu agravamento objectivo (Nunes, 2003), em direcção ao Antropoceno (N. Clark & Szerszynski, 2021), facilmente explicáveis se se reconhecer a persistência da sociedade de ordens.

Graeber (2011, pp. 94–113) classificou as economias em três tipos. A comunista ou doméstica, usada entre pessoas a viver em intimidade, a hierárquica ou sacrificial, como com os impostos, e a economia de troca ou mercado, usada entre pessoas estranhas entre si. Na prática, tais economias convivem, mas só o último tipo serve de referência para as teorias realistas e críticas. O estudo das economias sacrificiais é um modo de incluir os desvalorizados e feminizados trabalhos de cuidados nas descrições das sociedades, de modo a não separar as economias comunistas (tratadas como quotidiano) das lutas pelo poder.

As teorias realistas procuram naturalizar o status quo. Confundem-no com a natureza humana. Assim a fixam irrealisticamente. O extenso e profundo trabalho imperial de hierarquização das sociedades é naturalizado. Chamam estrutura natural aos seus resultados práticos, declarados inelutáveis, eternos. As teorias realistas fazem abstracção da história incorporada, dissimulando-a no relativismo radical das leituras hegemónicas e no pragmatismo das submissões primeiro impostas e depois incorporadas, como se fossem liberdade, livre-arbítrio, independente das situações e das condições existenciais.

Para este tipo de teorias, a emancipação limita-se a evitar conflitos e violências. Não reconhecem as tensões confrontacionais de soberania, nem o império. São cegas às violências institucionais. Limitam-se a declará-las legítimas e remetê-las para a competência dos tribunais. Para o estudo da violência resta-lhes a violência da responsabilidade individual, em particular das pessoas cujas vidas são violentas desde que nascem.

Violações dos direitos humanos nas prisões aumentaram com a pandemia e a guerra. Orçamentos reduzidos agravam as condições de vida para as compatibilizar com a degradação da vida em liberdade

O método fotográfico de apresentar a sociedade pela sua aparência sincrónica permite ignorar os processos sociais que tornam estanques as ordens sociais. O nível superior de realidade, imaginado como mundo virtual, mundo das ideias, mundo da moral, seria, ao ver das teorias realistas, vivenciável por todos os poucos que tenham suficiente competência para tal. O facto evidente de isso não ser assim leva as ciências sociais a investirem fortemente no estudo das desigualdades sociais. O estudo das desigualdades presume que a verdadeira causa de a sociedade imaginária sem ordens sociais não existir e porque a sociedade empírica ainda não está tão perfeita quanto a imaginação centrípeta.

A teorias críticas protestam contra as teorias realistas e procuram compensá-las. Apontam a ideologia imperial e os métodos fotográficos como óbices ao conhecimento. Apoiam-se na ecologia da diversidade cultural e ideológica que condiciona as ideologias dominantes, em particular nas culturas hegemónicas anti-imperiais e nas ideologias imperiais estrangeiras.

As teorias críticas usam a história para criar e valorizar as esperanças de melhoria das condições de existência para o futuro. Justificam a situação actual, a falta de esperança, com avaliações morais sobre as práticas sociais, sem questionar o valor da civilização ocidental e da naturalização da hierarquia como estrutura social.

Reproduzem a mesma ideia de sociedade hierarquizada, sem ordens, separada da natureza e ao serviço da exploração da Terra e dos recursos humanos das teorias realistas. Porém, as teorias críticas invertem ideologicamente o moralismo das análises das teorias realistas de modo a apresentar os aspectos negativos do mundo virtual (alienação, por exemplo) como referência do que deve ser ideologicamente substituído para que a sociedade idealizada possa vir a realizar-se realmente.

As teorias críticas funcionam em relação às teorias realistas com as oposições políticas funcionam para os partidos dos governos. Acrescentam às teorias realistas a observação das transformações sociais negativas realizadas por mudanças e conflitos que ocupam tempo. Apoiam o optimismo realista com o pessimismo crítico ao serviço da missão imperial de exploração da Terra.

As teorias sacrificiais estabelecem-se na pesquisa sobre como tem evoluído a natureza, incluindo a natureza humana, sem respeito pelos mistérios religiosos e/ou ideológicos que protegem e encobrem a persistência da sociedade de ordens, os privilégios das elites e os sacrifícios das pessoas, especialmente carregados nos casos das populações excluídas com funções de bodes expiatórios, ou como diz a polícia, institucionalmente humilhadas e abusadas para acalmar os sentimentos de insegurança das populações imperialmente reduzidas a recursos humanos.

As teorias sacrificiais abolicionistas juntam ao aspecto científico das teorias sacrificiais (holistas, ao mesmo tempo naturais e sociais, planetárias) a identificação moral sobre aquilo que deve ser abolido, como a fome, a guerra, a discriminação, a exploração, os impérios, os sacrifícios laborais e penais, e os modos como isso pode ocorrer no quadro da adaptação da vida ao Antropoceno.

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Nunes, A. (2003). Neo-liberalismo e Direitos Humanos. Caminho.

Será que há isso a que chamam sociedade? (5)

O imperialismo escamoteia o império

O escamotear da sociedade de ordens, aquilo que enquadra as sociedades modernas, tem sequelas no escamoteamento do império pelo imperialismo. O império surgiu há milhares de anos. O imperialismo, a globalização da incorporação do espírito imperial por toda a gente, é um fenómeno do século XX.

Lenine, o líder da revolução bolchevique no início do século XX, escreveu um livro a que deu o título de “O imperialismo – Fase Superior do Capitalismo” (Lenine, 2000 [1916]). Dialecticamente, o capitalismo é apresentado como uma forma de superação do modo de organização imperial próprio da Idade Moderna. A Revolução Francesa teria superado o despotismo iluminado, seria o princípio do fim do estado que seria definitivamente abolido com o comunismo (Lenine, 2011 [1917]). Na verdade, desde o século XIX vivemos novas etapas da expansão do estado (Habermas, 1987). Depois da mobilização do trabalho escravo para realizar a missão imperial de explorar a Terra, por via oceânica, a reacção das pessoas assalariadas reduzidas a recursos humanos, através de movimentos de trabalhadores, resultou na conquista da cidadania nacional, com exclusão dos descendentes de escravos. Isso aumentou a capacidade de realização da missão imperial e dos desastres que daí decorreram.

A co-responsabilização do vulgo pela missão imperial, através da institucionalização dos movimentos de trabalhadores, fez-se criando inimigos internacionais, como os desenhados na conferência de Berlim de 1884-1885 e os que se confrontaram nas Guerras Mundiais de 1914 a 1945.

O desejo de emancipação das práticas tradicionais de exercer o poder, muitas vezes apresentadas como dominação pela força ora aristocrática ora burguesa, levou as ideologias modernas a fazerem segredo da violência que as sociedades modernas exercem sobre as pessoas, assalariados, cidadãos, estrangeiros, alegando com bastante imaginação que a exploração e os negócios são isentos de violência.

A exploração seria meramente um jogo de interesses económicos e competências para os concretizar (Hirschman, 1997). A teoria crítica do capitalismo aceita, no essencial, esta narrativa moderna. Mas culpa a burguesia de ser reaccionária, de não levar a revolução moderna às suas últimas consequências, à sociedade sem classes (Marx, 1997 [1948]), essa sim verdadeiramente pacífica. No final do século XX, a mesma lógica inspirou os neo-liberais, os que dizem que foi a interrupção do liberalismo, do imperialismo do século XIX pelos comunistas, aquilo que fez perder tempo. Talvez já vivêssemos em paz, se as revoluções proletárias não tivessem ocorrido. Mais recentemente são os neo-nazi-fascistas que reaparecem a dizer que o problema foi a frustração dos prometidos mil anos de glória ariana.

O século XX assistiu aos esforços políticos falhados de combater o imperialismo usando as armas do império (Hobsbawn, 1994). Tanto os EUA, herdeiros da sede imperial secular detida pela monarquia britânica, como a União Soviética, herdeira do império russo, e a República Popular da China, herdeira do Império do Meio, se auto-declararam imperialmente – e ainda declaram – anti-imperialistas e inimigos dos impérios. A Guerra Fria, que agora se continua opondo potências neoliberais, como a Federação Russa, aliada da China, e o mundo ocidental, foi uma luta de impérios justificada de ambos os lados pelo combate ao império do mal, responsabilizado por todos os problemas, incluindo a reacção do meio ambiente às agressões das sociedades modernas.

O império é uma longamente experimentada estrutura social criada a partir da conjugação de direitos de soberania e de ausência de direitos das vidas nuas (Agamben, 1998). Compagina poder arbitrário arrogante e humilhante desqualificação social, acumulação de valores e de lixos, impunidade e sacrifícios. A generalidade das pessoas foge de assumir responsabilidades. Teme pôr-se em situação fragilizada perante os processos punitivos, disciplinares ou criminais. Prefere estar fora das conspirações imperiais, até porque não sabe como fazer. Manter-se no seio da multidão, ser profissional e de classe média, evita o envolvimento nos jogos de poder (Marcuse, 1991).

A estrutura social imperial, a sociedade de ordens, não foi desmantelada pelas revoluções modernas. As sociedades modernas continuam a adorar as elites e o seu alegado livre-arbítrio, como odeiam a satisfação que sentem em sacrificar pessoas indefesas, em guerras ou prisões, sendo esse, porém, o modo de se sentirem seguras.

As sociedades modernas não admitem a existência individualmente incorporada, naturalizada, do império: o espírito imperial. Isso orienta socialmente as pessoas organizando identidades, expectativas e medos ao serviço da missão imperial de explorar a Terra e os recursos humanos, incluindo aqueles que cada pessoa está capacitada para fornecer como forma de ganhar a vida. Como assalariadas, as pessoas sentem-se iguais perante a lei. Legalidade que estaria prestes a ser cumprida na prática através da conjugação dos mecanismos de mercado e de controlo, como os de criminalização. Esperança vã a que dão eco os estudos sociais sobre desigualdades sociais. O império, polarizado entre elites e excluídos, é hierárquico e, por definição, não é igualitário.

Os turistas adoram estar próximos e fotografar resquícios de impérios antigos, admirando-os mesmo quando supõem ou sabem dos sacrifícios humanos correspondentes. Não os incomoda visitarem países onde actualmente as elites locais sacrificam os seus povos, mesmo que as violações dos direitos humanos sejam conhecidas, desde que os turistas não estejam em perigo. Quando estão em casa, os eleitores aceitam naturalmente que os dignatários do estado se banqueteiem à custa do erário público antes de garantirem que todas as pessoas vivam com dignidade. A representação das elites tem de ser sumptuosa, independentemente do que se passe com a população.

O império é isso, é o estado de espírito imperial, subjectivo, que se objectiva na organização da vida moderna, nas escolas e empresas, e através de redes internacionais de instituições e de criminalização ao serviço das elites, a que as pessoas modernas dão o seu assentimento tácito. Vejam-se as condenações notoriamente falsificadas e desumanas de Julien Assange, Chelsea Manning, Eduard Snowden por jurisdições que dizem guiar-se pelos direitos humanos.

Crianças reduzidas à miséria, sujeitas a todas as punições imperiais

O império é a organização social que conjuga a arbitrariedade da decisão dos auto-denominados responsáveis e a sua impunidade, sobretudo evidente quando comparada com os grupos sociais institucionalizadamente punidos, seja por via urbana – vivendo irremediavelmente em condições não dignas – ou por via judicial, nas prisões.

O império é diferente do capitalismo, pois patrões e trabalhadores cooperam entre si na produção e não pertencem às elites (embora haja elites que vivem como ou se disfarçam de empresários). No mercado há concorrência generalizada e sem privilégios. São os mecanismos do império que destroem os mercados, em vez de os organizar. Foi o que fizeram em África, para organizar o tráfico negreiro, na Índia, para vender os têxteis produzidos em Inglaterra, no mundo inteiro, com a globalização (Perkins, 2004; Woodiwiss, 2005).

As ciências sociais caracterizam-se por oporem, depois de devidamente reduzidas a indivíduos justapostos, como num pátio de jorna, as pessoas à sociedade. As pessoas assim representadas são socialmente impotentes, apesar de lhes caber construir a sociedade. São condenadas a priori pelas teorias sociais por não serem mais pró activas nas suas tarefas de modernização de si e dos outros. Numa versão ainda mais dura, são condenadas por se auto-marginalizarem e excluírem da sociedade modernizadora.

Qualquer observação da realidade infirma tal teoria. Em vez de se retractarem, as teorias sociais inventam a discriminação entre os seres humanos mais ou menos pró-activos, auto-determinados, competentes, educados, bem sucedidos, de diferentes géneros e idades, para explicar as desigualdades sociais intranacionais. Fazê-lo a nível internacional, como se faz nos trabalhos comparativos, é uma cedência ao racismo e ao nacionalismo.

As teorias sociais não se recusam apenas a considerar a existência dos impérios. Opõem-se activamente a pensar isso, independentemente do isso custe aos processos cognitivos e analíticos.

O problema social não é o aburguesamento de milhões de pessoas. O problema é o prestígio cultural e existencial global do império através dos nacionalismos liberais cosmopolitas (Markovits, 2019; Reich, 1991; Sandel, 2020) produzido com sucesso para intensificar a exploração da Terra e dos recursos humanos. O problema é ninguém se rir, nem na Federação Russa nem no ocidente, quando as partes em conflito no território ucraniano animam as suas tropas alegando estarem a lutar contra o imperialismo.

CONTINUA As teorias sociais escamoteiam a sociedade

Referências:

Agamben, G. (1998). O Poder Soberano e a Vida Nua. Editorial Presença.

Habermas, J. (1987). Tendência da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Hobsbawn, E. (1994). The Age of Extremes – A History of the World, 1914-1991. Pantheon Books.

Lenine, V. I. (2000). O Imperialismo – Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Lenine, V. I. (2011). O Estado e a Revolução. Avante.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Marx, K. (1997). Manifesto do Partido Comunista. Edições Avante.

Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.

Reich, R. B. (1991). O Trabalho das Nações. Quetzal.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.

Será que há isso a que chamam sociedade? (4)

O escamotear da sociedade de ordens

A par de violência, natureza humana, império, face, amor, sacrifício, a sociedade é um dos temas tabu das ciências sociais. Estes assuntos são tratados pelas humanidades, de maneira artística e filosófica, não científica. Porque é que o estudo da sociedade, o pretexto da criação e objecto de estudo designado das ciências sociais, não é alvo prioritário deste tipo de ciências?

A resposta curta é que as ciências sociais, ao se profissionalizarem, perderam de vista a ambição de trabalhar para se tornarem ciências, mantendo-se na função de apologia das modernizações, em particular confundindo desejos e aspirações com realidades. Recusam reconhecer a persistência de estruturas sociais próprias de sociedade de ordens, típicas das sociedades medievais, a enquadrar internacionalmente as sociedades nacionais.

Construídas sob as ideologias liberais, as ciências sociais tomam, sem admitir discussão, a ideia de serem os indivíduos quem cria as sociedades, distinguindo as pessoas proactivas das outras. Tal como as constituições liberais, as ciências sociais escondem as diferenças jurídicas entre diferentes populações, como as escravas ou as assalariadas. A prescrição de igualdade perante a lei não funciona, na prática. A sociedade é concebida ora como o consenso ora como um conflito sobre valores defendidos por constituições, instituições, infra-estruturas, hábitos, educação, lutas sociais, elites e povos. Será assim?

Teorias sociais pragmáticas, como as de George H. Mead, estudam os modos como as sociedades de células evoluem em formas de vida diferenciadas. Estudam as características particulares dos seres humanos, o self. São teorias descartadas como se fossem especializadas: como se fossem psicologia social.

As ciências sociais abandonam às teorias da conspiração as explicações sobre a constituição de elites globais a viver acima das leis, a discutir com os executivos das nações mais poderosas do mundo os respectivos interesses e a manipular empresas e estados para fazer o que querem. Novas disciplinas, como as de relações internacionais e de criminologia, cobrem os campos abertos à especulação sobre os jogos de interesses entre as elites e, no fundo das estruturas sociais, o modo como vivem os excluídos, sem questionarem a ideia dominante de sociedade igualitária, a azul na figura.

A hiperdisciplinaridade funciona como censura cognitiva sobre a existência de extremos das sociedades e de efeitos que isso tem no meio ambiente, separando ciências naturais das ciências sociais.

As teorias sociais dominantes consideram-se nacionais e hierarquizadas entre si, em função das relações internacionais dos países em que trabalham. Tratam os sistemas criminais-penais, as lutas contra a pobreza, as condições doentias e o isolamento social, as guerras, como externalidades. Como se, em cima, as elites não fizessem parte da sociedade idealizada como potencialmente igualitária e, em baixo, os excluídos também não. Como se não existissem ordens sociais que impõem, por nascimento, estatutos jurídicos diferentes às elites que circulam internacionalmente, como o faziam os aristocratas protegendo-se mutuamente, e aos excluídos que herdam essa condição inter-geracionalmente.

As teorias dominantes ensinadas nas escolas e nas universidades usam a competição profissional para a traduzir em competição interdisciplinar, mobilizando os estudantes para não tratarem dos defeitos das teorias com que trabalham, para não darem parte de fracos. Para os mais curiosos ainda há outras barreiras cognitivas, como toda a espécie de discussões bizantinas em linguagem hermética capazes de humilhar quem ali se queira envolver e não esteja devidamente autorizado.

A divisão estúpida e obviamente errada entre ciências naturais e ciências sociais está institucionalmente consagrada, com base na ideologia imperial que distingue aquilo que pode ser explorado sem pruridos morais, a natureza, e aquilo que deve ser tratado com moralidade, a humanidade. Actualmente, quando é evidente o caos produzido pela exploração da Terra, torna-se mais claro que uma parte da humanidade foi e continua a ser tratada como natureza. Da segregação moralista entre natureza e humanidade resulta a disposição geral de todos e cada um de organizar intimamente os recursos humanos em si próprios, ao serviço da missão imperial de continuar e intensificar a exploração da Terra, apesar dos resultados nefastos evidentes. Na verdade, quando as pessoas não podem ou não querem produzir recursos humanos a partir de si mesmas, arriscam-se a ficar à mercê dos programas de apoio social e de criminalização que excluem sacrificialmente quem não seja útil. O medo de que isso possa acontecer, reforçado com sinais de riscos reais, é um forte estímulo para a cumplicidade das famílias que educam os seus descendentes a servir a missão imperial, sem imaginar que haja outras possibilidades de organização social.  

A violência, a natureza humana, o império, a face, o amor, o sacrifício, são temas artificialmente remetidos para os esconsos das teorias sociais porque tratar deles é tão delicado como discutir o que é sociedade. Estudá-los sem identificar e ultrapassar as lacunas das ciências sociais é confuso. Ultrapassar essas lacunas não é fácil. Mas é isso que estão a fazer muitos dos melhores cientistas, como os que tratam da humanidade real no seu tempo histórico próprio – milhares de anos (Bateson, 1979; Christian, 2021; Clark & Szerszynski, 2021; Eisenstadt, 2008; Fara, 2009; Frank & Gills, 1993; Graeber, 2011; Martins & Beleza, 2018; Morris, 2013; Shahak, 1994) – em vez de o fazer através de fotografias sociográficas (Táíwò, 2021), em vez de limitar a análise social às sociedades imaginadas (Anderson, 1998), em vez de colaborar com a censura cognitiva organizada que expulsa elites e excluídos do protagonismo social e condena as ciências sociais a serem mera apologia da modernização falsamente livre e igualitária.

Pode chamar-se ciência utilitária, tecnociência, centrípeta, o tipo de ciência comum, auto-limitada a espaços tempos condicionados aos interesses de profissionalização de recursos humanos ao serviço da missão de exploração da Terra, apresentando-se como actividade amoral, racional, objectiva, instrumental. A ciência centrífuga é o suplemento que escapa a tais limitações, à procura de identificar substratos universais, panos de fundo, constantes transparentes aos grandes espaços tempo, tipo de ciência que também pode ser aplicada às ciências sociais.

CONTINUA: O imperialismo escamoteia o império

 Referências:

Anderson, B. (1998). Imagined Communities. Verso.

Bateson, G. (1979). Mind and Nature, a necessary unity. E.P. Dutton.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Frank, A. G., & Gills, B. K. (1993). The World System – five hundred years or five thousand? Routledge.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Martins, C., & Beleza, J. (2018, October 19). “Somos índios, resistimos há 500 anos. Fico preocupado é se os brancos vão resistir.” Expresso.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente. Bertrand.

Shahak, I. (1994). Jewish History, Jewish Religion: the Weight of Three Thousands Years. Pluto Press.

Táíwò, O. O. (2021). Reparations and Climate Justice presented by William Paris. The Philosopher.

Abolicionismo

Abolicionismo não é uma solução para as prisões. É uma solução para as configurações sociais que precisam de prisões para viver.

O abolicionismo não é extractivista. Não é possível nem desejável extrair prisões de uma sociedade como a moderna, pois isso significaria qualquer coisa parecida com o que na guerra se chama não fazer prisioneiros.

O que servirá para tornar as prisões desnecessárias será a convergência de projectos políticos empenhados em repensar as ciências e os valores sociais, os quadros institucionais, de modo a combater o espírito imperial.

São alguns desses projetos a vida dos defensores indígenas e camponeses da natureza, o decrescimento, o rendimento básico incondicional, a justiça transformativa, o feminista, o anti-clericalismo, o anti-esclavagismo, o anti-capitalismo, o anti-colonialismo, as ciências centrífugas, os direitos humanos ou o constitucionalismo global, enfim, todos os que admitem versões não conformistas e não sectárias que aspiram a construir, experimentar, uma sociedade anti-imperial, capaz de identificar o espírito imperial e de o combater.

O abolicionismo capaz de abolir as prisões não será mais um movimento especializado que, ainda que possa mobilizar todo o mundo, fique sujeito à organização e à vontade orientadas pelo espírito imperial (abuso em vez de contenção, exploração em vez de harmonização, da natureza e da humanidade pela elite da humanidade). O abolicionismo é um passo útil da humanidade com vista à adaptação ao Antropoceno.

A principal tarefa do abolicionismo é, combater não uma, mas todas as discriminações, isto é, todos os abusos que usam estigmas para desqualificar pessoas ou grupos de gente para servirem de bodes expiatórios, como prisioneiros ou inimigos. Ao fazê-lo se compreenderá como a existência das elites depende dos estigmas que inferiorizam e superiorizam grupos sociais uns perante os outros, de modo a hierarquizá-los – o que se costuma chamar poder, na sua versão negativa e repugnante – independentemente das intenções e das acções das pessoas. O que há a mudar não são as intenções, de que o inferno está cheio, mas as estruturas sociais imperiais que abusam das discriminações e, ainda que o neguem, são guias de abusos de violência sistemáticos.   

Como fazer para abolir o pensamento imperial hegemónico

Scroll down to find the English version.

Resumo: É preciso evitar moralismos, a adopção da moral imperial que é publicitada, e ser capaz de pensar usando os sentimentos próprios a respeito do que está a ser feito.

As ideologias usadas pelas ciências sociais tornam-se um vício. Locke, Hobbes, Rousseau, Descartes, e todos os pensadores modernos, incluindo os das ciências sociais, estão viciados num modo imperial de entender o mundo. Parece que Deus deu a esses pensadores a tarefa de justificar os abusos de violência contra a natureza, extraindo materiais e reduzindo as pessoas a recursos humanos. Os pensadores modernos separam as pessoas dos outros seres vivos, do meio ambiente, e da própria humanidade. Opõem os indivíduos à sociedade e às comunidades e estas à natureza. Separam os recursos humanos da humanidade produzidos no seio das pessoas. Separam a força de trabalho individual dos seres humanos que a disponibilizam. A parte economicamente valorizável dos indivíduos fica separada da parte sem valor económico. A sociedade é fonte de despesas que subtraem dos investimentos racionais e produtivos que produzem riqueza. É por isso que as sociedades devem ser organizadas pelos estados e guiadas pelos mercados, para ganhar capacidades de crescimento económico indefinido. É por isso que só as pessoas educadas podem apreciar o pensamento das teorias sociais. Só pensadores bem pagos são capazes de considerar civilizada e racional a missão imperial insensível e brutal.

A consciência revolucionária de Marx é uma consciência individual reflexiva especial, uma consciência de classe “para si” oposta e adicionada à consciência de classe “em si” mais comum, a consciência profissional. A sociedade de Durkheim é uma coisa natural imposta às pessoas, evoluindo da solidariedade mecânica para os laços sociais morais mais intensos da solidariedade orgânica. A sociedade é algo incorporado no consciente pela educação como um segundo consciente separado do consciente individual. O espírito capitalista de Max Weber é uma maneira laica de socializar a maneira imperialista individualista de organizar a exploração da Terra sob o governo burocrático racional e o governo patriarcal doméstico.

Esses autores são referências dominantes da sociologia porque todos se opõem aos processos de modernização e de individualização, mostrando seus limites cognitivos e práticos, como o capitalismo, a divisão do trabalho, a burocracia. Eles mostraram simpatia com o sofrimento e a luta das pessoas. Ainda assim, desde que a teoria sistémica de Parson começou a ser difundida por meio do ensino superior, criando profissionais e respectivas especializações, os sociólogos tomaram como certa a oposição ontológica entre sociedade e indivíduos, independentemente das estruturas historicamente dadas. Além das raras situações revolucionárias, apenas a integração individual voluntária funciona para construir as sociedades modernas. Eventos transformadores, anormais e raros, opõem-se à estruturas sistémicas normais e mais frequentemente vigentes.

As ciências sociais do pós-guerra deixaram de discutir que tipo de organização estrutural da sociedade é a melhor maneira de cumprir a missão imperial. Os profissionais formados em ciências sociais, como quaisquer outros profissionais, não discutem as decisões da elite na administração do mundo. Os profissionais incorporam recursos humanos ao serviço do império, disponíveis para todos os serviços. A sua tarefa é encontrar as melhores maneiras de integrar as pessoas como força de trabalho na missão imperial de explorar a Terra e seus recursos. É assim que a teoria social dominante, as teorias abstratas de sistema, separam as pessoas dos indivíduos, a microanálise da macroanálise, a procura da oferta, a vida humana da vida na Terra e assim por diante, tornam-se incontestáveis. Qualquer contestação é desviada para nichos especializados de discussões sub-disciplinares sem consequências nas teorias dominantes sobre o que é a sociedade na mente dos estudantes e dos profissionais, bem como na mente do público que segue o pensamento das ciências sociais.

É um erro concluir da falta de prestígio científico das teorias das ciências sociais – aquém do das ciências naturais – que as ciências sociais não influenciam profundamente o conhecimento das sociedades sobre si próprias. A verdade é o inverso. O exotismo das teorias das ciências sociais, incluindo o estilo obscuro dos cientistas sociais, esconde do público das ciências sociais a cumplicidade sociológica, e do próprio público, com a missão imperial. Geralmente exuberante em detalhes, especialidades, labirintos epistêmicos, formalismos conceptuais, a análise social parece ausente neste ponto de reflexão: como é que as ciências sociais servem o Império que as financia?

As ciências sociais trabalham em solidariedade com a missão imperial da modernização, justificando e produzindo discriminações sociais para ajudar o Império a dividir e reinar, e escondendo o envolvimento individual, institucional e global das sociedades modernas na realização da louca e suicida missão imperial, inspirada na religião.

A principal tarefa das ciências sociais centrífugas, que os profissionais centrípetos das ciências sociais não desenvolvem, é livrar-se do pensamento viciado. As ciências sociais centrífugas valorizam os sentimentos das pessoas que justamente sentem que escolas, universidades e estados estão a mentir, como qualquer regime de propaganda o faz, especialmente quando sua administração garante que estão a trabalhar para o povo, para o proteger e criar condições para a sua felicidade.

What to do? – abolishing imperial thinking hegemony

Abstract: One needs to avoid moralism, the adoption of imperial advertised morals, to be able to think with one´s own feelings about what is being done.

Social sciences ideology become an addiction. Locke, Hobbes, Rousseau, Descartes, and all modern thinkers, including social sciences thinkers, are addicted to an imperial view of the world, as if God give thinkers the task to justify the abuse of nature, both material and human resources, and the abuse of violence. Modern thinkers separate people from other living beings, natural environment, and humanity. Modern thinkers oppose individuals to society and communities, oppose society to nature. Modern thinkers separate human resources from people inside each person. They separate the individual working labor force from the human beings available to deliver it. The economic valuable part of people is separated from the economic unvaluable part of people. Society is source of expenses that subtract from valuable rational productive investment. That is why society must be ordered by states and guided by markets to get fit to support continual economic growth. That is why only educated people can give credit to social theory thinking. Only professional well-paid thinkers can judge insensitive and brutal imperial mission rational and civilized.

Marx revolutionary conscious is a special reflexive individual conscious, a class conscious “for itself” opposed and added to the common class conscious “in itself”, the professional conscious. Durkheim´s society is a natural thing imposed on people, evolving from mechanical solidarity to organic solidarity social moral bonds. Society is something incorporated in the conscious by education as a second conscious separated from individual conscious. Max Weber capitalism spirit is a laic way to socialize individualist imperial way of organizing Earth exploitation under rational bureaucratic rule and household patriarchal rule.

These authors are sociological mainstream references because they all oppose individualization modernization processes, showing their cognitive and practical limits, such as capitalism, division of labor, bureaucracy. They showed sympathy with people´s suffering and struggling. Still, since Parson´s systems theory started being diffused through high education, professionalization and specialization, sociologists toke for granted the ontological opposition between society and individuals, beyond historically given structures. Besides the rare revolutionary situations, only voluntaristic individual integration works to build modern societies. Rare abnormal transforming events oppose to frequent normal systemic structures. 

Post-war social sciences do not discuss anymore what kind of society structural organization is the best way to deliver imperial mission. Social sciences educated professionals, as any other professionals, do not discuss elite´s administration decisions. They embody imperial human resources free for every service. Their task is to find the best ways to integrate people as working force into the imperial mission of exploiting the Earth and its resources. That is the way mainstream social theory, abstract system theories separating people from individuals, micro-analysis from macro-analysis, demand from offer, human life from life in Earth, and so on, become incontestable. Any contestation is diverted to specialized niche of sub disciplinary discussions with no consequences in the mainstream theories about what society is in the minds of students and professionals, as well as those people who follow the social sciences thinking.

It is a mistake to conclude from the lack of scientific prestige of social sciences theories – separated from natural sciences – that it follows that social sciences do not deliver knowledge to society. The reverse is the truth. The exotism of social science´s theories, including the obscure style of most known social scientists, hide from the public of social sciences the sociological and public complicity regarding imperial mission. Otherwise, exuberant in details, specialties, epistemic labyrinths, formal conceptualization, the social analysis miss this subject of thinking: what is the way social sciences serve the Empire that fund them?

Social sciences work in solidarity with modernization imperial mission, justifying and producing social discriminations to help Empire to divide and reign, and hiding individual, institutional, global engagement of modern societies in delivering the crazy religious inspired suicidal imperial mission.

The main task of centrifugal social sciences which social sciences centripetal professionals do not deliver is to get rid of addict thinking. The centrifugal social sciences empower those people that rightly feels schools, universities, and states are lying, as any advertisement regime does, especially when their administration guaranty they are working for the people, to protect and rise them in happiness.

Racismo – redução das pessoas a recursos humanos

Scroll down to find the English version.

Resumo: O racismo é uma expressão da muito antiga estratégia imperial de dividir para reinar. No caso das sociedades modernas, o racismo impõe às pessoas a necessidade de se transformarem individualmente em recursos humanos para oferecer as suas competências laborais nos mercados de trabalho hierarquicamente organizados.

Para Hobbes e Rousseau, a natureza humana deve ser educada através da organização de um contrato social moderno. Hobbes refere-se à necessidade de ceder liberdade para evitar a violência, e Rousseau reivindica a liberdade como uma propriedade humana inalienável.  Ambos consideram os seres humanos como pessoas isoladas que se agregam por ação da vontade. Como Descartes, eles também pensam que cabe a cada um controlar intelectualmente as suas vontades, como devem fazer os cavalheiros e os aristocratas. Nenhum dos filósofos se refere com a enfase necessária às fontes coloniais de riqueza mineral, vegetal e de força de trabalho escrava. Eles partilham a noção determinista e religiosa de que todos os humanos evoluem social e individualmente até um julgamento final sob o escrutínio da verdadeira fé. Portanto, a humanidade a que se referem é a humanidade dos cristãos. Não tratam da humanidade dos gentios.

Thomas Hobbes (1588-1679)

Tanto Hobbes quanto Rousseau apresentam filosofias individualistas etnocêntricas modernas. A diferença é que o primeiro privilegia a ação policial e o segundo a ação filantrópica, como principal estratégia de educação para levar as pessoas a tornarem-se recursos humanos. Eles falam, em abstrato, de uma antropologia individualista e moralista, não científica, da natureza humana. Tudo para promoverem a ideia de contrato social nacional abstrato, individualista e moralista, entre pessoas formalmente iguais.

Para estes autores, a sociedade é um empreendimento com direito de admissão reservado a indivíduos pensantes, ou seja, homens ocidentais educados. As outras pessoas que vivem em comunidades, uma espécie de reunião primitiva e desmiolada a que não se pode chamar sociedade, é como se não fossem pessoas.

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

Os últimos trezentos anos deram uma reviravolta nesses conceitos individualistas, discriminatórios, antropocêntricos, deterministas, enganosos da sociedade e de sua missão social? A resposta é um retundo não. A natureza humana ainda é um assunto filosófico usado para sinalizar e manter discordâncias ideológicas abstractas, em vez de ser motivo de investigação científica sistemática, como requerem as ciências centrífugas. Além das diferentes abordagens ideológicas jurídicas da liberdade, representadas pelas filosofias de Hobbes e Rousseau, a natureza humana está sujeita a dissensões entre aqueles que entendem a igualdade como uma natureza imutável dada, como os primitivistas ou os comunistas basistas, e aqueles que consideram a cultura meritocrática como uma emancipação dos vínculos humanos com a natureza, como os liberais ou os comunistas institucionais.

É impressionante a estabilidade secular destas ideologias modernas discriminatórias, resistindo por tanto tempo a ataques contínuos. O estado-de-espírito imperial é muito poderoso e pode explicar como a racionalidade, as ciências e a argumentação param para evitar críticas às profundas incoerências de Hobbes, Rousseau, Descartes e outros mestres filósofos modernos. O estado-de-espírito imperial baseia-se na experiência de dominação das elites e nas lutas para sobreviver como elites (ler “Método” para conhecer a definição de estados-de-espírito). Caracteriza-se pela eficácia da dissimulação que permite apresentar as discriminações como naturais e inelutáveis, em vez de as mostrar como laborioso resultado da manutenção e actualização do espírito imperial.

Da mesma forma que o dinheiro pode ser ouro, prata, cobre ou bits, e se mantem milenarmente a servir quem emite moeda, toda a capacidade de discriminação para dispersar a atenção social da insanidade da missão imperial de explorar a Terra, reduzindo pessoas a recursos humanos, é utilizada pelas elites do Império há milénios. Dinheiro e discriminação são mais intensamente usados nas sociedades modernas avançadas para dissimular a intensificação das chantagens imperiais a que estamos sujeitos. O império ameaça as pessoas com o seu poder discricionário, apresentando-o como paternal, racional, nacional, cosmopolita, industrioso, económico, etc. Gênero, sexo, raça, nação, idade, profissão, crime, salário ou qualquer outro motivo útil de discriminação são usados ​​pela administração da elite para manter o mito da superioridade mental e cultural da elite, apesar do tudo o que se sabe. A discriminação permite a cada um prever, planear, lutar por benefícios sociais escassos e hierarquizados que essa dominação pode proporcionar, independentemente dos escândalos que sucessivamente mostram a diferença entre aquilo que se diz ser o império e aquilo que efectivamente é.

É fácil entender o que é discriminação. Todos sabemos que existem erros judiciais. Todos reconhecemos que as decisões judiciais são tendenciosas e alinhadas com os vieses sociais de discriminação. Ainda assim, exceto os familiares dos condenados e os ativistas que aceitam desafiar as discriminações sociais, arriscando ser alvos de imagens e ações sociais discriminatórias, poucos se levantam para exigir a responsabilização pelos erros judiciais.

As decisões dos tribunais são reconhecidas como a melhor justiça feita na Terra. Isso significa que a esperança na justiça plena é limitada. São raros os clamores sociais para responsabilizar os tribunais ou os políticos. Só em tempos revolucionários isso acontece. Isso dá muito tempo aos representantes institucionais da elite para perceber que a liberdade das elites é prioritária, e a liberdade das pessoas vem em segundo lugar, independentemente dos resultados práticos.

A impunidade para alguns contrasta com o punitivismo infligido a outros. A elite inatingível empenha-se em exigir a responsabilização dos trabalhadores e dos pobres, e exagera na punição criminal dos excluídos.

As sociedades modernas que impõem a produção de recursos humanos a cada pessoa ativa tornam indiscutivelmente claro a existência de lugares hierárquicos predestinados, no topo, na base e na escala social média. Os excluídos usados discricionariamente como bodes expiatórios funcionam como forma de manter a distinção entre a elite alienígena e o resto da humanidade. Funcionam como uma ameaça permanente para aqueles que não cumpram os propósitos da elite.

Existem duas corridas: uma para o topo e outra para evitar o fosso social. A violência é apresentada como vindo de baixo para cima. Exceto no caso dos inimigos da elite, qualquer violência de cima para baixo é legitimada. O Império é apresentado como promotor de bem-estar, organizador comercial e de recursos humanos, e contrário à violência. Qualquer oposição ao Império é apresentada como violenta.

O racismo foi construído como justificação legal e moral para a escravidão e a chacina de escravos e aborígenes. A princípio, serviu para justificar privilégios aos europeus no ultramar. Quando os privilégios foram questionados na Europa, no tempo da Revolução Francesa, o racismo transformou-se em excepcionalismo, sob a alegação de as elites não europeias não deverem beneficiar dos ganhos da civilização europeia. Sob pressão das lutas dos escravos, dos trabalhadores e de outras camadas sociais, a elite aplicou a estratégia de dividir para reinar, dentro das fronteiras nacionais e fora delas, usando a raça como critério de discriminação natural.

A guerra na Ucrânia mostra de quão longe vem o racismo. Eslavos é o nome da etnia que deu o nome aos escravos, sob o Império Romano. Hoje, diante de nossos olhos, da mesma forma que o povo jugoslavo se dividiu em diferentes religiões e nacionalidades sob os jogos de guerra racistas da elite, ucranianos e russos estão divididos na guerra sob a orientação imperial de ambos os lados. Significativamente, ambos os lados da guerra imperial afirmam lutar contra o Império/inimigo. A identificação social múltipla, nacional ou outra, é perigosa. Na Jugoslávia, Ucrânia ou no Holocausto. Na Alemanha da segunda grande guerra, ser alemão e judeu (cigano, comunista, gay, etc.) era mortal. Quando o império precisa de bodes expiatórios usa as discriminações previamente preparadas para o efeito.

Sempre que o Império desenvolve discriminações é para dividir e reinar, e evitar o cumprimento das melhores finalidades da democracia, do estado de direito, dos direitos humanos. O Império tem que fazer isso para impor sua missão insana à humanidade e se defender dela, quando é caso disso.

Racism – reducing people to human resources

Abstract: Racism is rooted in very old imperial strategy to divide and reign. In modern society, racism is about imposing to people the need to turn individually into offering human resources hierarchically valued in the work markets.  

According to Hobbes and Rousseau, human nature must be educated under a modern social contract. Hobbes refer to the need to give way freedom to avoid violence, and Rousseau claim freedom as a human undeniable property. Both take human beings as isolated people that aggregate under action of will. Like Descartes, they think that is up to each person to rise to the occasion controlling intellectually each one´s will, like gentlemen or aristocrats may do. None of them write clearly about colonial source of mineral, vegetal, and slave working force wealth. They share the deterministic and religious notion that all humans evolve socially and individually till a final judgment under true faith scrutiny. Therefore, the humanity to which they refer is the humanity of Christians, no Gentiles.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é hobb.jpg
Thomas Hobbes (1588-1679)

Both Hobbes and Rousseau present modern individualistic ethnocentric philosophies. The difference is the former privilege the police like actions and the latter the philanthropic like action as main education strategy to push people to learn how to become human resources. They present their cases starting on abstract, individualistic, and moralist human nature non-scientific primitive anthropology. They argue to support abstract, individualistic, and moralist constitutional like national social contract among formally equal people.

In their minds, society is a right of admission reserved enterprise among thinking individuals, i.e., educated western men. Those people who live in communities, a primitive and brainless kind of gathering one cannot mention as society, are not included as modern humanity.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é rou.jpg
Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

Do the last three hundred years done a flip from this individualist, discriminatory, anthropocentric, deterministic, misleading concepts of society and its social mission? The answer is a fat no. Human nature still is a philosophical subject used to point out ideological abstract discordance instead of being used as a systematic scientific research matter to develop centrifugal sciences. Besides different legal ideological approaches to freedom, represented by Hobbes and Rousseau philosophies, human nature is subject to dissent between those who understand equality as an immutable nature given, as primitivists and base communists, and those who consider meritocratic culture as an emancipation from human bonds with nature, as liberals and institutionalist communists.

It is impressive the stability of these discriminatory modern ideologies, resisting to continuous attack for so long. Imperial estado-de-espírito is very powerful and may explain how rationality, sciences, and arguing stop to avoid criticism to Hobbes, Rousseau, Descartes, and master modern philosophes. Imperial estado-de-espírito builds on elites´ experience of domination and on the struggles to survive as elites. (Read “Method” to find estado-de-espírito concept definition and discussion). One of the imperial estado-de-espírito characteristics is the effectiveness of the dissimulation that allows to present the discriminations as natural unavoidable events, instead of showing them as result of the strained maintenance and updating of the imperial estado-de-espírito.

Money can be gold, silver, copper, or bits, and this remains the millenary way to serve those who issue money. In the same way, any capacity for discrimination able to disperse social attention from the insanity of the imperial mission to exploit the Earth, reducing people to resources humans, has been used by the Empire’s elites for millennia. Money and discrimination are more intensively used in advanced modern societies to disguise the intensification of imperial blackmail to which we are subject. The empire threatens the people discretionarily, presenting discretion as paternal, rational, national, cosmopolitan, industrious, economic, etc. Gender, sex, race, nation, age, profession, crime, wage, or any other useful ground of discrimination are used by elite management to maintain the myth of elite mental and cultural superiority, despite all that is known. Discrimination allows everyone to foresee, plan, fight for the hierarchical and scarce social benefits produced by that domination, regardless the scandals that successively show the difference between what is said to be the empire and what it is.

Everyone understands what discrimination is. Everyone knows about judicial errors. Everyone understand that court decisions are biased by discrimination social bias. Still, except relatives of the condemned people and the activists who accept to challenge social discriminations, eventually being contaminated by discriminative social images, and actions, no one stand for judicial errors accountability.

The courts decisions are renowned as the best justice made in the Earth. This means that hope in full justice is limited. It is rare social clamors on judicial or political accountability. Only revolutionary times do that. This gives lots of time to elite institutional representatives to understand that elite´s freedom comes first, and people´s freedom second, regardless the practical results.

Impunity for some contrast with punitive hardship to others. Unaccountable elite dramatize workers and poor people accountability and exaggerate criminal punishment to outcast people.

Modern societies imposing human resources production to each active person make it indisputable clear the hierarchical place of each one, in the top, at the bottom, and in the middle social range. Outcast scapegoats work as a social stretch to maintain elite alien distinction from the rest of humanity. It is works as a permanent threat to those who do not comply with elite purposes.

There are two races: one to the top and another to avoid the bottom. Violence is presented coming bottom up. Except in the case of elite´s enemies, any top-down violence is legitimated. Empire is presented as welfare giving, commercial and human resources organizer, and opposed to violence. Any opposition to Empire is presented as violent.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é Imagem2.jpg
Enemy centred societies

Racism was built as legal and moral slavery justification, and slaves and aborigine´s slaughtering. At first, the deal was to justify privileges to Europeans overseas. When legal privileges were questioned in Europe, within the French Revolution, the racism turn into exceptionalism under the claim that non-European elites should not benefit from European civilization gains. Under slaves, workers, and other social groups´ pressure, elite apply divide to reign strategy, both within national borders and using race as an international natural discrimination criterion.

War in Ukraine shows from how far racism comes to us. Slavs were the ethnic group who give the name to slaves, under Roman Empire. Today, in front of our eyes, the same way Jugoslav people split in different religions and nationalities under elite´s racist war games, Ukrainians and Russians are divided at war under imperial guidance from both sides. Meaningfully, both imperial war sides claim to fight against the Empire/enemy. In Yugoslavia, in Ukraine, in the Holocaust, multiple social identification, national or other, is dangerous. In the WW II Germany, being German and Jewish (Gipsy, Communist, Gay, etc.) were deathly. When the empire needs scapegoats, it uses the discriminations previously prepared for that purpose.

Whenever the Empire calls for discrimination to divide and rule, it is avoiding the fulfillment of the best purposes of democracy, of the rule of law, of human rights. The Empire have to do this to impose its crazy mission on humanity and defend itself against humanity, when necessary.

Corrupção – escrever o que é certo, fazer o que é racional

Scroll down to find the English version.

Resumo: A produção imperial de níveis de realidade social mutuamente exclusivos, como a rede internacional das elites e os seus suportes institucionais e organizacionais, precisam de corromper a democracia, o estado de direito e os direitos humanos. As palavras legais e científicas cuidadosamente elaboradas escondem a produção intencional de situações de facto contraditórias com as interpretações benignas das intenções modernas proclamadas.

O uso da duplicidade moral, intelectual, legal, é pelo menos tão velha quanto a linguagem. A nomeação de um simples objecto duplica-o através da expressão cultural correspondente produzida e conotada. Essas expressões organizadas pelas linguagens tornam-se autónomas aos motivos que as originaram. Desmultiplicam-se e migram no mundo cultural assim autonomizado dos reflexos sensoriais directos que nos chegam da realidade.

A identidade sexual é a mais objectiva das características identitárias das pessoas. Ainda assim, como mostram as questões de género, as ambiguidades e os dramas decorrentes dessa máxima objectividade são extremamente equívocos. Facilmente se percebe que toda a organização social, desde a família às instituições internacionais, é marcada pelo patriarcalismo, pelo influente imaginário construído com base na observação e controlo do modo sexual de reprodução que herdámos.

Características identitárias

Os outros aspectos que constituem e compõem as identidades humanas são menos objectivos e, por isso, mais equívocos ainda. Vejam-se as dificuldades em definir de forma inequívoca o que é uma profissão ou um sector de actividade ou uma condição perante o trabalho ou um estatuto familiar. A objectividade das identidades das pessoas depende da administração das identidades sociais, centralizada pelos estados que as regulam.

O uso exuberante das linguagens, que é uma das características da humanidade, suscita dificuldades que as ciências procuram ultrapassar, por exemplo através da matemática. Procuram-se frases inequívocas, biunívocas, uma reprodução exacta dos fenómenos naturais no mundo das linguagens, o que é, evidentemente, uma tarefa impossível.

Moralmente, é bem diferente o esforço de produção de verdades, tão universais e transparentes quanto possível, e os esforços de manipulação das linguagens para fins preconcebidos a favor de interesses de quem as usa. Na prática, porém, verdade e manipulação vêm a par. Distinguem-se pelas intenções e pelas formas. É possível e desejável discutir as relações entre a produção de verdades e os poderes que a financiam: as ciências centrípetas servem as actuais políticas científicas e ciências centrífugas, que vivem misturadas com as primeiras, procuram usar as liberdades académicas para escapar disso (Dores, 2021).

Corrupção é uma expressão equívoca que se refere a situações em que agentes do estado se comportam de forma não burocrática para benefício pessoal, como beneficiários de uma posição, em vez de se comportarem como uma peça anódina de uma máquina.

Os antigos privilégios, de portagem, por exemplo, continuam a funcionar nos estados modernos, apesar de terem sido abolidos na lei. Há quem diga que a corrupção tem a funcionalidade de agilizar os processos burocráticos. Isto é, como tudo, a palavra corrupção remete para imaginários cultivados ambíguos, complexos e contraditórios. Tal como acontece com os direitos humanos, o direito desenvolve recomendações para prevenir e punir actos de corrupção, presumindo que eles são excepcionais e unicamente decorrentes da vontade criminosa de raras pessoas socialmente isoladas.

Uma atenção mais apurada sobre a corrupção mostra que a violação intencional das leis é prática corrente nas empresas e na administração. Os estados fazem vista grossa e regulamentam a corrupção. Como acontece com os direitos humanos, os estados resistem aos compromissos internacionais de prevenção da corrupção por si assinados. A moral e as práticas revelam-se incompatíveis entre si.

Banalidade da ilegalidade

A duplicidade da contabilidade das actividades económicas amplia o seu alcance com a institucionalização de paraísos fiscais. O resultado final, transcrito em vários relatórios do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), é a suspeição de que os utilizadores de paraísos fiscais são criminosos de colarinho branco, potencialmente corruptos e corruptores, que o fazem quase sempre dentro da lei.

As instituições judiciais existem para, em última instância, fixar a verdade oficial. Isso é caro. Quem pode pagar o seu funcionamento beneficia de privilégios que não são reconhecidos pelo imaginário legal. No direito criminal, é reconhecido o direito do inimigo (Jakobs & Meliá, 2003). Vai preso quem não beneficia da impunidade tácita, como as pessoas com estatuto elevado, incluindo os criminosos de colarinho branco. As boas intenções ou fairness (Rawls, 1993) são apenas uma utopia que não produz resultados práticos, como refere Amartya Sen (2009).

A coexistência de conotações contraditórias sobre o que é a justiça é aceite pelas pessoas por ser mais um exemplo da ambiguidade própria do uso de linguagens. A verdade oficial decretada pelos tribunais, ainda que contra as evidências, autoriza a aplicação de penas, forma de impor a verdade pela força. As decisões judiciais irredutíveis para as camadas sociais mais baixas, podem ser revertidas quando são aplicáveis às elites.

Para compreender o fenómeno da corrupção estrutural das sociedades modernas ajuda ter em mente a missão imperial que as orienta. A exploração da Terra, a inimiga da humanidade, é uma missão imoral que, todavia, foi adoptada formalmente, pelo menos desde o tratado de Tordesilhas. O direito internacional foi criado para separar o direito tradicional usado na Europa, que não era hostil à Terra, e as novas necessidades do tráfico marítimo e da colonização. O direito nacional concentrou no estado central o uso da violência interna e externa, em favor dos seus interesses imperiais específicos. A missão imperial de exploração da Terra foi realizada pela divisão internacionalmente organizada dos direitos nacionais, em desfavor dos territórios e gentes colonizados e das populações trabalhadoras.

Foram os poderosos movimentos anti-imperiais que impuseram valores como a liberdade, a igualdade e a menos referida fraternidade. Tais valores foram adoptados com reserva mental pelas elites, pois tais valores são incompatíveis com a realização da missão que faz delas o locus de acumulação de riquezas que dá sentido às suas vidas – e à da maioria das pessoas modernas.

O povo, nos documentos jurídicos, refere-se a um fantasma que, por vezes, aparece na história com força inelutável, e contra quem as elites aprenderam a usar o tempo e as linguagens, incluindo as ciências. As manipulações eruditas das linguagens tornam-se as réstias das anteriores aparições dos povos, para discutir, minimizando, as verdades a que os valores que apaziguaram a ira popular se referiram. Porém, a missão imperial moderna é, evidentemente, incompatível com os valores modernos. Ela exige da humanidade a sua própria exploração como desumanizado instrumento imperial.

A missão imperial tem vindo a ser cumprida através do uso da razão fria, isenta de emoções. Sem a corrupção dos valores consensualizados e consagrados a quente, durante as revoluções, tal cumprimento é impossível. A corrupção é, a esta luz, aquilo que lubrifica socialmente os atritos entre a razão imperial e as emoções humanas, entre as intenções práticas e as boas intenções, entre os indivíduos disponíveis para servirem como recursos humanos e as pessoas que se cuidam mutuamente. A corrupção judicialmente reconhecida como verdade é uma forma de escamotear a verdade centrífuga do que efectivamente seja a corrupção.

Referências:

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Jakobs, G., & Meliá, M. C. (2003). Derecho Penal del Enemigo. Cuadernos Civitas.

Rawls, J. (1993). Uma Teoria de Justiça. Editorial Presença.

Sen, A. (2009). A ideia de justiça. Almedina.

Corruption – to write what is right, to do what is rational

Abstract: The Empire produces mutually exclusive levels of social reality, the international network of elites and their institutional and organizational supports. The imperial mission corrupts democracy, rule of law, and human rights. The carefully crafted legal and scientific words hide the intentional production of situations in fact contradictory with the benign interpretations of the proclaimed modern intentions.

The use of moral, intellectual, legal duplicity is at least as old as language. The naming of a simple object duplicates it through the corresponding cultural expression produced and connoted. These expressions organized by languages ​​become autonomous to the motives that originated them. The language expressions multiply and migrate in the cultural world, thus autonomous from the direct sensory reflexes that reach us from reality.

Sexual identity is the most objective of people’s identity characteristics. Even so, as gender issues show, the ambiguities and dramas resulting from this maximum objectivity are extremely equivocal. It is easy to see that the entire social organization, from the family to international institutions, is marked by patriarchy, by the influential imagery built on the observation and control of the sexual mode of reproduction that we have inherited.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é job.jpg
Identity characteristics

The other aspects that constitute and compose human identities are less objective and, therefore, even more equivocal. Consider the difficulties in unequivocally defining what is a profession, or a sector of activity, or a laboring condition, or a family status. The objectivity of people’s identities depends on the administration of social identities, centralized by the states that regulate them.

The exuberant use of languages, which is one of the characteristics of humanity, raises difficulties that the sciences seek to overcome, for example through mathematics. Unambiguous and biunivocal phrases are sought, as exact reproductions of natural phenomena in the world of languages, which is, of course, an impossible task.

The production of truths, as universal and transparent as possible, is morally quite different from the manipulation of languages ​​for preconceived ends in favor of the interests of those who use them. In practice, however, truth and manipulation go hand in hand. One distinguishes them by intentions and forms. It is possible and desirable to discuss the relationship between the production of truths and the powers that fund it: centripetal sciences serve current scientific policies and centrifugal sciences, mixed with the former, seek to use academic freedoms to escape from them (Dores, 2021).

Corruption is an equivocal name to refer to situations in which state agents behave unbureaucratically for personal benefit, as beneficiaries of a position, rather than behaving like an anodyne cog in a machine.

The old privileges, such as tolls, continue working in modern states, despite having been abolished by law. Some say that corruption has the function of streamlining bureaucratic processes. That is, like everything else, the word corruption refers to ambiguous, complex, and contradictory cultivated imaginaries. As with human rights, the soft law develops ways to prevent and punish acts of corruption, assuming that they are exceptional and caused by the criminal will of rare, isolated people.

A closer look at corruption shows that the intentional violation of laws is common practice in companies and state administration. States turn a blind eye and regulate corruption. As with human rights, states resist signed international commitments to prevent corruption. Morals and practices show to be incompatible.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é hacker.png
Banality of the violation of the law

The duplicity of accounting for economic activities expands its reach high to the institutionalization of tax havens. The result, transcribed in several reports by the International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ), is the suspicion that tax haven users are white-collar, potentially corrupt, and corrupting criminals, who almost always do so within the law.

Judicial institutions exist to ultimately establish the official truth. It is expensive. Those who can pay for its operation benefit from privileges that are not recognized by the legal imagination. In criminal law, the “enemy’s law” is recognized (Jakobs & Meliá, 2003). Those who do not benefit from tacit impunity, such as people with high status, including white-collar criminals, go to jail. Good intentions or fairness (Rawls, 1993) are just a utopia that does not produce practical results, as Amartya Sen (2009) mentions.

The coexistence of contradictory connotations about what justice is is accepted by people as another example of the ambiguity inherent in the use of languages. The official truth decreed by the courts, even against the evidence, authorizes the application of penalties, a way of imposing the truth by force. The irreducible judicial decisions for the lower social strata can be reversed when they are applicable to the elites.

To understand the phenomenon of structural corruption in modern societies, it helps to keep in mind the imperial mission that guides modernization. The exploitation of the Earth, the enemy of humanity, is an immoral mission that, however, has been formally adopted, at least since the Tordesillas´ Treaty. International law was created to separate the non-Earth-hostile traditional law, used in Europe, and the new needs of maritime traffic and overseas colonization. National law focusses on the use of internal and external violence by the central state, in favor of its specific imperial interests. The imperial mission of exploring the Earth was internationally carried out by the national division of the law to the detriment of colonized territories, and people, and of working populations.

It was the powerful anti-imperial movements that imposed values ​​such as liberty, equality and the lesser mentioned fraternity. Such values ​​were adopted with mental reservation by the elites, as such values ​​are incompatible with the accomplishment of the mission that makes elite the locus of accumulation of wealth that gives meaning to their lives – and that of most modern people.

The people, in legal documents, refer to a ghost that sometimes appears in history with unavoidable force, and against whom the elites learned to use time and languages, including the sciences. The erudite uses of languages manipulate the remnants of previous apparitions of peoples, to discuss, minimize, the truths to which the values ​​that appease popular anger referred to. But the modern imperial mission is, of course, incompatible with modern values. It demands from humanity its own exploitation as a dehumanized imperial instrument.

The imperial mission has been accomplished through the use of cold reason, free from emotions. Without the corruption of the revolutionary consecrated values, such fulfillment is impossible. Corruption is, in this light, what socially lubricates the frictions between imperial reason and human emotions, between practical intentions and good intentions, between individual human resources and people caring each other. Corruption judicially recognized as truth is a way of concealing the centrifugal truth of what corruption actually is.

References:

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Jakobs, G., & Meliá, M. C. (2003). Derecho Penal del Enemigo. Cuadernos Civitas.

Rawls, J. (1993). Uma Teoria de Justiça. Editorial Presença.

Sen, A. (2009). A ideia de justiça. Almedina.

Corrupção – escrever o que é certo, fazer o que é racional (versão 2)

Scroll down to find the English version.

Resumo: A produção imperial de níveis de realidade social mutuamente exclusivos, a rede internacional das elites e os seus suportes institucionais e organizacionais, precisam de democracia, estado de direito e direitos humanos todos corrompidos. As palavras cuidadosamente elaboradas escondem a produção de situações de facto contraditórias com as interpretações benignas das intenções proclamadas.

A linguagem evolui com a consciência humana e produz atividade cerebral especializada usada pelas sociedades para escolher diferentes programas de atividades sociais conflitantes. A linguagem especializa-se em diferentes línguas nacionais, ideológicas e profissionais. A linguagem chama a atenção para aspectos relevantes da realidade em detrimento de outros aspectos que ficam à sombra do consciente, dados os limites da atenção humana e os interesses organizacionais da divisão do trabalho. A experiência do trabalho da linguagem mostra que ela pode ser usada para esconder a realidade de outra forma evidente. A linguagem não é apenas o trabalho de mostrar a realidade. Inclui também o trabalho de negar a realidade.

A linguagem tornou-se uma segunda natureza das sociedades humanas. Imerso em uma língua, qualquer ser humano começa a usá-la aprendendo-a de ouvido e com a visão. As competências necessárias para usar os diferentes tipos de línguas tornam-se ofícios. As pessoas especializadas em linguagem aprendem a mostrar e a esconder a realidade, a chamar e dispensar a atenção dos outros. Esses efeitos implicam as pessoas como um todo, corpos-mentes. A solidariedade mimética espontânea e a organização de situações aprendidas, como rituais, teatros, escolas, notícias e assim por diante, são instrumentais. As situações em plataforma produzem níveis diferenciados da realidade social, no palco, na administração, no púlpito, etc. Projetar e produzir tais níveis de realidade desmultiplica-se noutros níveis de realidade, da mesma forma que as indústrias de máquinas e os trabalhadores de manutenção são níveis diferenciados da indústria e da classe trabalhadora.

Estado-de-espírito é um conceito muito utilizado nas teorias sociais e por elas ocultado. O estado-de-espírito é o substrato do espírito positivo, do espírito revolucionário, do espírito solidário, do espírito do capitalismo. É um conceito não discutido que se refere à fusão de diferentes noções que trabalham a diferentes níveis sociais, como humor, mentalidade, humor, clima, moral, Zeitgeist. Esse conceito é usado sempre que a cultura é analisada por meio de profissões, organizações, épocas históricas, características nacionais, carácter individual, etc. O estado-de-espírito é um substrato biológico e social que suporta diferentes formas de desenvolvimento das pessoas para lidarem com a mente recursiva de que fala Corballis, a necessidade e vontade das pessoas de programarem as suas experiências de vida através de rotinas mente-corpo baseadas na construção anterior de identidades sociais e individuais, e através da construção aberta de expectativas adaptadas às situações estruturais enfrentadas. Os estados-de-espírito são produzidos pela aprendizagem mimética, formação, educação e adaptação à vida de cada um.

Digamos que o estado-de-espírito é um tipo especial de linguagem. A sociedade produz estados-de-espírito em evolução interpretados e usados ​​pelas pessoas. As pessoas aprendem estados-de-espírito umas das outras quando se movimentam para construir vínculos e identidades sociais como disposições incorporadas. De acordo com a situação, opta-se por usar ou não este ou aquele estado-de-espírito. As pessoas aprendem a invocar um determinado estado-de-espírito quando chega a ocasião e a substituí-lo ou misturá-lo com outro em outra ocasião.

Veja-se o caso da academia. Na maioria das vezes, não é o conhecimento que faz a diferença social entre os estudiosos. O que faz a diferença é o estado-de-espírito profissional socialmente reconhecido de cada um – o curriculum vitae. O estado-de-espírito profissional mostra quem está dentro e fora dos mais prestigiados círculos sociais. Mostra e oculta os saberes substantivos de cada profissional, de acordo com o reconhecimento institucional e a performatividade social de cada um. Critérios administrativos e formais têm prioridade sobre metas institucionais substantivas.

Trabalho de construção de níveis sociais diferenciados

Linguagens e estados-de-espírito são substratos humanos produzidos pela mente recursiva necessária à sobrevivência humana. Linguagens e estados-de-espírito são usados ​​para diferentes propósitos individuais e sociais, como construir níveis seguros de realidade para abrigar forasteiros (elites ou párias) e/ou abrir pontes para a realidade. A soberania constrói muros e o abolicionismo da soberania constrói pontes.

As pessoas usam linguagens e estados-de-espírito tanto para se apresentarem quanto para mentirem sobre si mesmas. Pode-se usar linguagens e estados-de-espírito para fins de encobrimento, como a contra-informação faz explicitamente. Numa época em que as comunidades de notícias e serviços secretos se aproximam, na era da pós-verdade, fica especialmente claro que muros e pontes, esconder e mostrar, são feitos do mesmo material: informação. É por isso que esclarecer tudo isso é uma das tarefas principais do conhecimento.

Para tanto, é preciso identificar os diferentes níveis sociais produzidos pela evolução social. Deve-se começar por estudar o nível superior, acima do qual não existem mais níveis sociais, e o nível inferior, abaixo do qual não existem mais níveis sociais. Vamos chamar Imperial o nível superior. Vamos falar sobre o nível inferior noutra ocasião.

As redes de soberanos evoluem desenvolvendo linguagens e estados-de-espírito imperiais. Clérigos e eruditos são especialistas em desenvolver linguagens e estados-de-espírito imperiais, entre outros. Clérigos e eruditos trabalham juntos, partilhando diferentes processos que evoluem em conjunto, como as tradições cínicas e as tradições errantes. Algumas dessas linguagens e desses estados-de-espírito ganham notoriedade e juntam-se a projetos imperiais em permanência, como aconteceu com a economia e o espírito de competição. Na igreja e na escola a verdade tem cara de Janus. As tradições imperiais e abolicionistas convivem e transformam-se de acordo com a ocasião.

A metodologia de observação do estado-de-espírito deve olhar para os processos sociais de mostrar e ocultar próprios das linguagens conduzidos diferenciadamente consoante os níveis sociais de existência são superiores ou inferiores. O objectivo da investigação é identificar quais sejam, em cada momento, os estados-de-espírito mais influentes em cada nível social.

Dostoiévski supostamente disse que a qualidade da civilização é revelada pela maneira como a sociedade lida com seus prisioneiros. Cristo pode ter dito que os soberanos têm as mesmas hipóteses de experimentar o paraíso e a felicidade eterna quanto um camelo tenha de passar pelo buraco de uma agulha. O Deus cristão parece praticar um tipo de bem muito raro: o que trata cuidadosamente os prisioneiros e amaldiçoa publicamente a vida após a morte daqueles que servem ao Império. Isso não impediu o Império de adoptar o cristianismo. As virtudes cristãs são vividas de modos distintos a diferentes níveis sociais e por diferentes grupos e tipos de pessoas. O trabalho sociológico é identificar quais são e como se caracterizam os estados-de-espírito que interpretam diferentemente as normas cristãs.

Uma das melhores contribuições feministas é chamar a atenção para o bem-estar das crianças, uma vez que a discriminação social estrutural começa a funcionar logo na infância, especialmente contra as meninas. As crianças são mais visadas por males sociais piores do que aquilo que sofrem mulheres ou prisioneiros. Os estudos sociais sobre crianças, especialmente crianças cujas vidas são mais institucionalmente enquadradas, raramente se focam nos efeitos da estrutura social fundamental que as vitimiza. As crianças são uma das partes ocultas da vida social, por falta de testemunhos. Elas são ensinadas a estar caladas e a culpabilizar-se por toda a vida.

O império, ao invés, é exibicionista. Ainda que sejam comuns, as queixas públicas contra o Império carecem de boa recepção, como acontece com as queixas das crianças, das mulheres, dos prisioneiros. Hoje, por exemplo, nenhum movimento social clama pela luta anti-imperial. Há até quem alegue os impérios terem deixado de existir. Prova disso é que representantes dos EUA ousam convocar a guerra contra o ressurgimento do Império, representando-o na oligarquia de Putin. Nenhuma gargalhada global foi ouvida, porque, exceto a administração federal dos EUA, ninguém pretende lutar contra o Império.

Império é uma palavra e uma imagem odiosas. Ainda assim, a maioria das pessoas no mundo, incluindo estudiosos, técnicos e clérigos, trabalham para construí-lo, mas não reconhecem que é isso que fazem. Juntar-se à construção do Império é o que a maioria de nós faz para ganhar a vida. Como profissionais, como as pessoas mais eruditas, dispensamos qualquer responsabilidade sobre o que está a acontecer nos níveis superiores e inferiores das sociedades, da exclusiva responsabilidade das decisões estratégicas dos dirigentes. O profissionalismo, o estado-de-espírito profissional, faz parte do muro que separa os níveis sociais superior e inferior do resto da sociedade. É por isso que só reconhecemos como responsáveis ​​aqueles para quem toda responsabilidade é mais improvável. A Elite aprendeu a evitar a responsabilidade do Império usando o estado-de-espírito imperial. A sociedade, com ajuda das elites, produz e alimenta bodes expiatórios no fundo das sociedades, de modo a culpabilizá-los dos resultados práticos dos erros estratégicos, nunca admitindo enfrentar as raízes dos problemas.

O Império começou quando as práticas sociais de soberania se uniram em rede, usando linguagem e estados-de-espírito para criar um nível social superior protegido. O estado-de-espírito imperial evoluiu por milénios em todo o mundo, como mostram os edifícios monumentais. Quinhentos anos atrás, o mundo ocidental definiu uma missão especial para o Império Ocidental: explorar a Terra e seus recursos, incluindo recursos humanos, para acumular riquezas em Seu nome, roubadas do muçulmano. Este programa continua, alterado por muitas lutas anti-imperialistas, fortalecido pela capacidade das sociedades modernas de integrar trabalhadores e lideranças abolicionistas à sua missão principal.

É por isso que nenhum partido ignora ou leva para suas principais preocupações estratégicas a loucura do crescimento económico eterno e danos ambientais inconcebíveis decorrentes. Todos os partidos políticos concordam em continuar a construir a missão imperial, incluindo a exploração dos recursos humanos. A sociedade não imagina viver de outra forma. O estado-de-espírito imperial ocupa o lugar central na mente de quase todas as pessoas.

Quem reclama por democracia? Quem reclama por direitos humanos? Quem se importa com o estado de direito? O progresso da civilização, apesar das evidências de se ir em sentido contrário, como no tempo dos nazis e actualmente, agarra-se à guerra santa cristã (contra muçulmanos como contra cristãos de outras confissões) para tomar a Terra para si. Guerra entretanto laicizada sob a forma de luta concorrencial pelo crescimento económico. As elites nunca foram tão poderosas, e as pessoas ainda as apoiam porque não há ideia do que fazer de diferente.

A corrupção na democracia, no estado de direito e no desrespeito organizado à dignidade humana não são falhas do sistema. A corrupção é necessária para continuar a ocultar socialmente a odiosa e suicida missão imperial. Publicidade, ensino profissionalizante, hierarquias profissionais, profissionalismo político, tabloidização dos meios de comunicação de massa, tecnociência, burocracia, são apenas alguns dos pilares que sustentam o Império moderno. Juntos eles produzem e vivem do estado-de-espírito imperial. O estado-de-espírito imperial produz uma auto-supremacia generalizada. O auto-supremacismo é um instrumento social de sobrevivência para fugir dos piores sacrifícios sociais infligidos às pessoas marginalizadas. A maioria das pessoas sacrifica-se para trabalhar sob ordens hierárquicas com vista a evitar sacrifícios piores. As pessoas sentem-se orgulhosas por o fazerem porque têm acesso a níveis sociais mais próximos do nível social da elite e mais distantes dos níveis sociais mais baixos.

A lei é um registo de cicatrizes de lutas passadas contra o Império. No entanto, essas lutas são apresentadas como história. As elites vitoriosas reivindicam ascendência nessas lutas, limpando o máximo que podem o motivo anti-imperialista dessas lutas históricas, estratégicas e relevantes do passado. É por isso que a Presidência dos EUA se apresenta ao mundo, em 2022, como força anti-imperial em relação à Rússia, e reforçando seu Império no Pacífico.

Corruption – to write what is right, to do what is rational

Abstract: The exclusive imperial levels of social reality production, elites´ international networking and it´s institutional and organizational support, need corrupted democracy, corrupted rule of law, and corrupted human rights. The carifully elaborate words hide the production of situations that are contradictory with the proclaimed intentions.

The language evolves with human conscious producing specialized brain activity used by societies to choose different and conflictual social programmed activities. The language specializes in different national, ideological, and professional languages. Language is about claiming attention to show relevant aspects of reality at the expenses of other aspects that remain at the shade of the conscious, given the limits of human attention and the organizational interests of the division of labor. The experience of language work shows that it can be used to hide reality otherwise evident. Language is not only the work of showing reality. It is also the work to deny reality.

Language become a second nature of human societies. Immerse on a language, any human being starts using it learning from earing and seeing. The skills needed to use the different kind of languages become a craft. Those people specialized on language learn how to show and hide reality, how to call and to dismiss other´s attention. To do these effects people use all their bodies-minds, the mimetic spontaneous solidarity, and the organizing learned situations, like rituals, theaters, schools, news, and so on. Social platforms situations are experienced as differentiated levels of social reality. Designing and producing such top-down levels of social reality develop other intermediate levels of reality, such as machinery industries and maintenance working class are upper levels of industry and working class.

Estado-de-espírito is a Portuguese named concept much used in social theories and hidden by them. Estado-de-espírito is the substrate of positive spirit, revolutionary spirit, solidarity spirit, spirit of capitalism. It is an undiscussed concept that refers to merging the different notions that work at different social level, such as mood, state of mind, humor, climate, moral, Zeitgeist. This concept is used whenever culture comes to analysis via professions, organizations, historical epochs, national characteristics, individual characters, etc.

Estado-de-espírito is a biological and social substrate supporting different ways people develop to deal with Corballis´ recursive mind, the need and will of people to program its living experience through mind-body routines based on former building social and individual identities, and through open building of expectations adapted to the faced structural situations. Estados-de-espírito are produced by each one´s mimetic learning, training, education, and adaptation to life.

Let´s say that estado-de-espírito is a special kind of language. Society produce evolving estados-de-espírito interpreted and used by people. People learn estados-de-espírito from each other on the move to build society bonds and identities as incorporated dispositions. According to the situation, one chooses to use or not this or that estado-de-espírito. People learn how to call for a particular estado-de-espírito when the occasion comes, and to substitute or mix it with another one in a different occasion.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é ee.jpg
Social levels social production

Take the case of academia. Most of the time it is not the knowledge that make the social difference of scholars. The makes the difference is the socially recognized professional estado-de-espírito of each scholar – the curriculum vitae. Professional estado-de-espírito shows who are in and out of the most prestigious social circles. It shows and hides the substantive knowledge of each professional, according to institutional recognition and social performativity. Administrative and formal criteria are priority over substantive institutional targets.

Languages and estados-de-espírito are human substrate produced by the recursive mind in needed to human survival. Languages and estados-de-espírito are used for different individual and social purposes, such as building safe levels of reality to shelter people from outside (elite or outcast) and/or opening bridges to reality. Sovereignty builds walls and sovereignty abolitionism builds bridges.

People use languages and estados-de-espírito both to present and to lie about themselves. One can use languages and estados-de-espírito for coverup proposes, such as counter information does explicitly. In a time when news and intelligence communities become nearer from each other, like in the post-truth era, it is especially clear that walls and bridges, hiding and showing are the same material: information. That is why to engage on such a clarification is main task of knowledge.

To that purpose one must identify the different social levels produced by social evolution. One should start by studying the top level, above no more social level exists, and the bottom level, below which no more social level exists. Let´s call the Imperial level the top level. Let’s talk about the outcast level in other occasion.

Sovereigns´ network evolve developing imperial languages and imperial estados-de-espírito. Clerical and scholar people are specialist on developing special languages and special estados-de-espírito. Clerical and scholar people work together, evolving from different processes, like the cynical and the errant traditions. Some of these languages and estados-de-espírito become notorious and join imperial sovereign projects in permanence, such as the economy and the competition spirit. In the church and at school the truth has a Janus face. Both imperial and abolitionist traditions live together and transform according to the occasion.

Estado-de-espírito observation methodology must look to the social showing and hiding language´s processes led at the upper and the lower social levels of existence and describe what are in each moment the mainstream estados-de-espírito at each social level.

Dostoyevsky did allegedly say the quality of civilization is shown by the way society deal with its prisoners. Christ may have said that the sovereigns have not much chances to experience the Heaven and eternal happiness, as much a camel going through the eye of a needle. The Christian God is represented practicing a very difficult kind of good, like being careful with the prisoners, and publicly cursing the afterlife of those how serve the Empire. This did not stop the Empire from adopting Christianity. Christian virtues are lived in different ways at different social levels and by different groups and types of people. The sociological work is to identify the characteristics of the different estados-de-espírito that lead the different Christian norms interpretations.

One of the best feminist insights is to support children well-being, since social structural discrimination starts working early against the children, especially against female children. Children are more targeted by social evil than women or prisoners. Social studies on children, especially children whose lives are institutionally framed, rarely regard the fundamental social structure that screwed up them. Children are one of the hidden parts of social lives, for lack of testimonies. They are thought to shut up e blame themselves for life.

The Empire, on reverse, is a showoff business. Still, the many public complaints against Empire depend on good reception as much as children´s, women´s, prisoner’s complaints depend on it. For example, no social movement today call for anti-imperial struggle. Some argue that there is no more Empire. USA representatives dare to call to war against the Empire, represented by Putin´s oligarchy. No global laughs were heard, because, except USA federal administration, no one intend to fight Empire.

Empire is a hateful word and image. Still, most people on the world, especially scholars, craftspeople, and clergies, work to build it, and do not recognize that that is what they do. To join the building of the Empire is what most of us do for a living. As professionals, as the most educated people, one dismisses any responsibility about strategic decisions on at the upper levels or at the lower levels of society. Professionalism, professional estado-de-espírito, is a part of the wall that separate upper and lower social levels from the rest of society. That is why one only recognizes as responsible people to whom every accountability is most improbable. Elite learned how to avoid Empire accountability using imperial estado-de-espírito. Helped by the elites, societies produces and feeds scapegoats at the bottom of societies to blame them for the practical results of strategic mistakes, never admitting facing the roots of the problems.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é Imagem2.jpg
Enemy centred societies

Empire started with the social practices of sovereignty that join in networking, using language and estados-de-espírito to create a protected upper social level. Imperial estado-de-espírito evolve for millennia everywhere on the world, as shown by monumental buildings. Five hundred year ago Western world define a special mission for Western Empire: to exploit the Earth and its resources, including human resources, to accumulate wealth in His name, stolen from the Muslim. This program is still going on, changed by many anti-imperial struggles, strength by the capability of modern societies to integrate workers and abolitionist leaders to its main mission.

That is why no party ignore or take to its main strategic concerns the craziness of eternal economic growth and its environmental inconceivable damaging. Every political party agree in continuing to build the imperial mission, including the exploitation of human resources. Society does not imagine living otherwise. Imperial estado-de-espírito takes the central place on the mind of almost all people.

Who claim for democracy? Who claim for human rights? Who cares about the rule of law? The civilization progress, despite the evidence of going in the opposite direction, as in the time of the Nazis and today, clings to the Christian holy war (against Muslims as against Christians of other confessions) to take the Earth for itself. Meanwhile, war has been secularized in the form of a competitive struggle for economic growth. Elite never have been so powerful, and the people still support it because there is no clue about what else to do.

Corruption in democracy, in the rule of law, and in organized disregard of human dignity are not failures of the system. Corruption is needed to continue the social hiding of hateful and suicidal imperial mission. Advertising, vocational schooling, professional hierarchies, political professionalism, tabloidization of mass media, technoscience, bureaucracy, are only some of the pilar supporting modern Empire. Together they produce and live from imperial estado-de-espírito. The imperial estado-de-espírito produces a generalized self-supremacism. The self-supremacism is a survival tool for fleeing from the worst social sacrifices inflicted to outcast people. Most people sacrifice themselves by working under hierarchical orders to avoid worse sacrifices. People feel proud doing that because they have access to social levels nearer elite social level, and as far as possible from lower social levels. 

The law is a record of scars of past struggles against the Empire. However, these struggles are presented as history. Victor elites claim ascendant on these struggles, cleaning up as much as they can the anti-imperial motive of these past historical, strategic, and relevant struggles. That is why USA Presidency presents itself to the world, in 2022, as anti-imperial force regarding Russia, and reinforcing its Empire in the Pacific.

Estratégia imperial – os estados protegem as pessoas?

Scroll down to find the English version.

Resumo: O Império e o Deus cristãos cuidam de missões imperiais simbolizadas em obras de líderes e monumentos, satisfazendo sociedades que os veneram como ídolos. Império e Deus cristãos não se importam com o destino das pessoas, seja das elites ou do povo. Usam a fé das pessoas para as culpabilizar, mobilizar e sacrificar na missão de exploração da Terra e dos seus recursos, acumulando riquezas e lixos.

A modernização trata da construção racional da ação social, incluindo a compreensão social adequada da ação, Max Weber dixit. A razão é a capacidade de atingir metas e gerir os recursos necessários para alcançá-las, usando símbolos especiais que apontam para um planeamento inequívoco de ação. Os críticos dizem, com razão, que não há razão sem o apoio de sentimentos e emoções fortes. A fé é necessária para ter presentes alguns poucos objetivos e para aprender o significado dos símbolos que exigem uma ação local especializada e treinada. Fé é sobre ideias e símbolos abstratos usados como identidades e expectativas selecionadas que ligam objetivos sociais a objetivos individuais.

Definir e administrar o tempo, o calendário, incluindo os objetivos de Deus para cada dia, são atividades religiosas centrais que veiculam rituais e mensagens sociais para a vida cotidiana. Por trás do pensamento racional trabalhado pela elite intelectuais, difundido por escolas, universidades e comunicação social, aqueles que dependem dos favores da elite apoiam a missão da elite como se fosse sua missão. A fé constrói identidades sociais comuns em torno da solidariedade social com as missões das elites.

As ameaças existenciais são sentidas como especialmente ameaçadoras quando visam as elites. As ameaças existenciais das pessoas pobres são descartadas e tornam-se motivo de lutas sociais.

A identidade social comum está em perigo quando acontecem eventos naturais ameaçadores, como doenças ou desastres, e sob eventos sociais ameaçadores, como guerras ou tumultos. Pessoas sacrificadas, como são os trabalhadores, sacrificam-se ainda mais sempre que a elite está em situação de risco. As pessoas têm fé na organização hierárquica e, mesmo quando a elite não se comporta bem, a elite parece ao povo indispensável para manutenção da ordem social, da ordem imperial.

Justiça equilibrada pela espada

A modernização desenvolve um pensamento racional a respeito dos interesses do poder soberano capaz de difundir o pensamento imperial, em primeiro lugar no direito.

A soberania é a autoridade social responsável por interromper a vida, administrar a morte, administrar os recém-nascidos e a violência num determinado território. Soberania é identificação mútua e auto-identificação daqueles que admitem a autoridade social soberana dentro das fronteiras dos territórios de referência: algumas pessoas estão dentro e outras pessoas estão fora dessas fronteiras identitárias. Algumas estão a entrar nesses territórios, e outras estão a sair deles. O soberano é reduzido politicamente a alguém ou alguma coisa (muitas vezes pessoa e símbolo) que representa a identidade do soberano e do território correspondente. O soberano é apresentado como uma pessoa racional que representa emocionalmente a unidade de todos os seus súditos.

O território pode ser uma paisagem contínua ou uma rede de fluxos, como as culturas das Nações, por um lado, e as missões dos Impérios, por outro lado. As nações são sobre territórios que se servem a si mesmos. Os impérios são sobre missões de serviço de elite, dentro e fora dos territórios nacionais. As nações são supostas identidades adoráveis ​​e eternas, e os impérios são corporações chantagistas odiosas. Os impérios chantageiam nações com genocídios e para abrir territórios e redes a novas soberanias, taxando as pessoas para sua proteção. Os impérios não pagam impostos.

A vida é perigosa. A morte é o principal símbolo desse fato da vida. Controlar a morte é uma antiga ambição moderna, pelo menos desde os faraós. As elites aprenderam a conquistar a morte, através de nomes de família, de transmissão de heranças e capitais. A soberania é uma ferramenta importante para isso.

A imoralidade do comportamento soberano passou a ser aceite pelas sociedades, porque estão sitiadas (sob a síndrome de Estocolmo). Antes que a morte ocorra, o soberano compensa o seu comportamento imoral oferecendo ao povo os resultados do consumismo possibilitado pelos fluxos comerciais que estimulam as alianças intra-elites imperiais, por todo o mundo. As alianças nacionais entre as elites e seus povos abstraem-se das hierarquias do Império e das hierarquias de classe. Religiosamente, por lei, cidadãos e elite são representados como se fossem iguais.

A morte é temível para qualquer ser humano. As elites superam a morte simbolicamente. As pessoas comuns seguem-nas, esperando compartilhar os benefícios da mesma fé. Estes propósitos emocionais sustentam o pensamento racional, pois todos podem participar das religiões das elites se contribuírem para as suas missões. O elo entre elite e povo, Império e Nação, Estado e Nação, é o conhecimento racional e a crítica, a forma como as pessoas de médio escalão aprendem a se empenhar em servir a missão das elites a cada nível social separado, tomando a racionalidade das missões das elites como sacrifícios a serem avaliados pela história do futuro.

A fé no direito de participar no Império

A morte é temível para qualquer ser humano. As elites superam a morte simbolicamente. As pessoas comuns seguem as elites, esperando aprender a compartilhar a mesma fé. Essas propostas emocionais apoiam o pensamento racional. Todos podem partilhar o pensamento religioso das elites, especialmente os que contribuem para as missões das elites.

A ligação entre a elite e as pessoas comuns, Império e Nação, Estado e Nação, é emocional e racional. É assim que as pessoas de nível médio aprendem a se envolver no serviço à missão das elites, preenchendo cada nível social. A racionalidade das missões das elites é avaliada pela história e pela esperança no futuro.

Os contratos sociais pressupõem a responsabilização dos níveis sociais superiores ​​pela proteção social, como compensação à liberdade da elite de julgar as suas próprias causas e negócios, por meio da política e dos tribunais. O sistema moderno dividiu socialmente os necessitados e os ricos, a filantropia e a competição. A racionalidade cai de cima para baixo e a fé eleva-se de baixo para cima, inclusive a partir do pensamento racional divulgado nas escolas e universidades. É por isso que as avaliações institucionais e académicas do poder, incluindo a sensibilidade dos mercados à política, pressupõem a impune livre escolha da elite e a avaliação punitiva da submissão de trabalhadores e das pessoas socialmente marginais.

A razão legal penal serve e reflecte esses propósitos emocionais de elogiar as elites e levar as massas ao sacrifício. A igualdade formal em relação à lei nos livros é coerente e fictícia. O direito real nos tribunais é discriminatório e seus resultados desrespeitam os principais princípios constitucionais de igualdade.

O raciocínio científico das ciências sociais deve evitar serviços à missão imperial. As ciências sociais devem evitar o moralismo, ou seja, imitar o raciocínio jurídico que mantém um vazio intransponível entre o que está escrito e o que está a passar-se na prática. O escrutínio das ciências sociais à moral deve ser desenvolvido de forma autónoma ao usado nas práticas jurídicas. A ciência deve tomar os princípios teóricos e práticos contraditórios como partes mutuamente equilibradas da realidade.

No relato de Nietzsche, a moral diz respeito às formas como os interesses da elite são representados pelos profissionais apoiantes das elites, usando justificações impostas com sucesso às pessoas comuns. As ciências sociais devem libertar-se dos serviços imperiais em nome da independência cognitiva, a única maneira de se referirem cientificamente à realidade.

Imperial strategy – does the state protect people?

Abstract: The Empire and Christian God take care of imperial missions symbolized in leaders´ oeuvres and monuments. Doing so, they satisfy societies as worship idols. Empire and Christian God do not care about people´s fate, be it elites or common people´s fate. They use people´s faith to blame them, to mobilize them, to sacrifice them for the Earth and its resources exploitation, accumulating wealth and garbage.

Modernization is about rational building of social action, including adequate social understanding of action, Max Weber dixit. The raison is about targeting goals, and managing what resources needed to achieve them, using special straightforward symbols pointing to unequivocal design of action.

Critics rightly say there is no raison without the support of strong feelings and emotions. Faith is needed to focus some few goals in the mind, and to learn the meaning of symbols that call for trained specialized local action. Faith is about abstract ideas and symbols used as selected identities and expectations linking social goals to individual goals.

Defining and managing time, the calendar and what are the God´s goals for each day, are central religious activities that link rituals and social messages to everyday lives. Behind rational thinking framed by elite entourage, spread by schools, universities, and media, those who depend and rely on elite´s favors support elite´s mission as it were their mission. Faith builds common social identities around social solidarity with elites´ missions.

Existential threats are felt as specially threatening when they target elites. Poor people´s existential threats are dismissed and become matter of social struggling. 

The common social identity is in danger under threatening natural events, like diseases or disasters, and under threatening social events, like war or turmoil. Sacrificed people, such as working people, do sacrifice further whenever elite is in risky situation. People have faith in hierarchical organization and, even when elite do it wrong, an elite seems to people indispensable to deliver social order, the imperial order.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é indice-1.jpg
The balance of justice by the sord

Modernization relies on rational thinking regarding sovereign power´s interests able to develop and spread such an imperial thinking, in law in the first place. 

Sovereignty is the given social authority to stop life, to manage death, to manage newborns, and violence in each territory. Sovereignty is mutual identification, and self-identification of those admitting sovereign social authority within the borders of the reference territories: some people are inside, and other people are outside these identity borders. Some are coming in these territories, and others are leaving them. The sovereign is politically reduced to someone or something (often both) representing the sovereign identity and the correspondent territory. The sovereign is presented as a reasoning person that represents emotionally the unity of all his/her subjects.

Territory can be a continuous landscape, or it can be fluxes networks, like Nations cultures in one hand, and Empires missions in the other hand. Nations are about self-serving territories. Empires are about elite serving missions, within and outside national territories. Nations are alleged lovable eternal-like identities. Empires are hateful blackmailing corporations. Empires do blackmail nations with genocide. This way empires open territories to new sovereignties, taxing people for their protection. Empires do not pay taxes.

Life is dangerous. Death is the main symbol of this fact of life. Controlling death is an old modern ambition, at least since pharaohs. Elites learn to conquer death, by family naming, inheritance, and capital. Sovereignty is a important tool for it.

The immorality of sovereign behavior become accepted by society under siege (under Stockholm syndrome). Before the death happens, the sovereign compensates his immoral behavior offering the people consumerism results of commercial fluxes that stimulate Empires worldwide intra elites´ alliances. National alliances between elites and its people abstract from Empire hierarchies as well as class hierarchies. Religiously, by law, citizens and elite become alike.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-preto.jpg
The faith on the right to Empire sharing

Death is fearful to any human being. Elites overcome death symbolically. Common people follow elites, hoping to learn how to share the same faith. These emotional proposes support rational thinking. Everyone can participate on elites´ religious thinking, specially when one contributes to elite´s missions.

The link between elite and common people, Empire and Nation, State and Nation, is emotional, and rational. That is the way middle range people learn to engage on serving the elites´ mission building separated social levels. The rationality of elites´ missions is assessed by the history and by hope on the future.

The social contracts presume the higher social levels responsible for social protection, as compensation to elite´s freedom to judge on their own causes and business, through politics and courts. The modern system split socially those in need and the rich, philanthropy and competition. Rationality falls from top down and faith raises bottom up, including from schools´, and universities´ rational thinking. That is why institutional´s and scholar´s assessment to power, including market sensitivity to politics, presume unpunished elite´s free choice, and punitive assessment to workers and socially outsiders people submission.

Legal and penal raison serves these emotional proposes of praising elites, pushing masses to sacrifices. Formal equality in regard of the law in the books is coherent and fictive. Practical legal procedures in the courts are discriminative, and its results fail the main constitutional equality principles. 

Social sciences´ scientific reasoning must avoid services to imperial mission. Social sciences must avoid moralism, i.e., the mimic of legal reasoning that hold a gap between what is represented in writing and what is evolving in practice. Social sciences´ scrutiny to morals should be develop autonomously from legal practices. Science should take theoretical and practical contradictory principles as mutually balanced parts of the reality.

In Nietzsche account, morals are about the ways elite´s interests are represented by elite´s professional supporters, based on successfully imposed justifications to common people. Social sciences must get free from imperial services for cognitive independence’s sake, the only way to refer scientifically to reality.

Método – sociologia centrífuga abolicionista

Scroll down to find the English version.

Resumo: o método cartesiano resiste à abolição dos preconceitos produzidos a respeito de qual seja a missão da humanidade na Terra. A ciência deve ultrapassar o status quo cartesiano construindo pontes, em vez de muros, entre as ciências sociais, as ciências naturais e outros saberes não científicos.

As ciências sociais fazem parte dos movimentos abolicionistas dos séculos XIX e XX. Os principais movimentos abolicionistas foram os movimentos antiescravistas, anticlericais, anticapitalistas e anticoloniais. Todos esses movimentos acreditavam com entusiasmo que tudo mudaria revolucionariamente após uma vitória setorial essencialista. Nenhum desses movimentos tomou a abolição do Império como seu principal alvo de referência. Todos contribuíram para glorificar a modernidade, a imagem prazerosa do Império.

As ciências foram especialmente ativas nos movimentos anticlericais. Tentaram encontrar o melhor substituto para abolir o clericalismo: construíram as ciências sociais. O positivismo, o marxismo, o funcionalismo-estrutural representam a maior parte dos movimentos dessas ciências. Com o passar do tempo, tornou-se evidente que o clericalismo se modernizou, não foi abolido. Os movimentos revolucionários ficaram aquém de suas intenções.

Durkheim afirmou que o pensamento sociológico provavelmente substituiria os rituais religiosos, e os sociólogos substituiriam os padres. De certa forma, ele estava certo: a sociologia profissional tornou-se um sistema religioso de elogiar a modernização. A ideologia imperial permanece oculta, negada, glorificada, odiada, incorporada nas teorias dominantes das ciências sociais e no pensamento moderno dominante. As teorias críticas funcionam como contraponto das teorias mainstream, mas ainda enaltecem a modernidade e a missão imperial exploradora da Terra e de seus recursos, incluindo os recursos humanos. O crescimento económico infinito e insano não é questionado sistematicamente pelas teorias dominantes ou críticas.

O New Deal dos EUA transformou a luta de classes em concertação de classes. Isso derrotou a ideologia dos partidos comunistas vencedores na Europa. Com base na experiência das atividades imperiais da URSS, os partidos comunistas tornam-se fortemente viciados nos caminhos imperiais para a vitória – guerra e competição política e económica.

A Guerra Fria desenvolveu dois campos imperiais separados, como o tratado de Tordesilhas de 1494 já havia feito. Após o desaparecimento da URSS, a globalização foi o momento de renovação da glória do Império, agora na perspectiva da unidade da humanidade. Essa esperança acabou, agora, na guerra da Ucrânia de 2022, depois de uma série de crises bélicas, financeiras, políticas, de direitos humanos e de saúde.

A partir dos anos 30, as ciências sociais profissionalizaram-se no mundo ocidental, substituindo o marxismo no mundo comunista. As ciências sociais cartesianas seguiram a política das tecnociências cartesianas. O objetivo é explorar a ciência e os cientistas, como recursos humanos, vinculando-os às missões imperiais: guerra e exploração da Terra e dos seus recursos humanos. A ciência e as ciências sociais ainda estão comprometidas pela forma como a Inquisição forçou a ciência a parar de pensar onde as almas podem ser reivindicadas pelo Império e suas religiões.

David venceu Golias, seguindo os critérios deste último

Segundo o feminismo, a moral imperial, no sentido de Nietzsche, deveria ser substituída pela moral abolicionista. Ambas estão muito ativas, no mundo. A primeira é utilizada a nível político de discussões especializadas sobre o que fazer. A moral abolicionista organiza as vivências de pessoas que cuidam umas das outras, como aquelas desenvolvidas na vida privada.

A centralidade da vida profissional desvaloriza a moral abolicionista quando confrontada pela moral imperial, racional e económica. A sociologia centrífuga abolicionista convida todas as ciências, incluindo as ciências sociais, a dar cuidadosamente prioridade a conceitos e teorias que reconheçam o valor abolicionista dos movimentos científicos e a necessidade de superar o paradigma cartesiano. As especializações tornam-se centrífugas quando os conceitos e teorias estão abertos a e precisam de ponte com outros saberes, científicos ou não.

O self de George H. Mead, o estado nascente de Francesco Alberoni, a mente recursiva de Michael Corballis, referem-se a experiências sociais onde a sociedade e as pessoas são indiscerníveis, onde os níveis macro e micro são produtos da experiência. Os diferentes níveis não são limites mecânicos de ação impostos estruturalmente de cima para baixo.

Estes são exemplos de conceitos e teorias centrífugas. Eles tomam a humanidade como um todo, desde o início da existência. Os fundamentos das sociedades não são as relações sociais modernas, como o Estado ou a economia. As experiências individuais não são separadas e opostas à experiência social: elas vêm juntas e não separadas.

Essas teorias reconhecem que experiências sociais de níveis superiores, como política e mercados, são atividades específicas. As atividades de nível superior são poucas e baseadas em atividades sociais muito mais densas e frequentes, como o cuidado mútuo e o desenvolvimento de identidades individuais e sociais. Discussões e lutas de poder, incluindo a guerra, mesmo que sejam impressionantes, significativas e eventualmente traumáticas, são poucas em comparação com atividades de cuidado e atividades de auto-identificação.

A discussão de Antonio Damásio sobre as evidências científicas sobre a consciência revela os limites da abordagem cartesiana à abordagem científica. O neurocientista descreveu diferentes níveis de trânsito de dados neurais que produzem atividades conscientes enquadradas pela variável tempo-espaço. Ele pede que as ciências sociais reconheçam os níveis superiores da consciência humana como consciência social integrada em toda a consciência, numa estrutura de tempo-espaço específica.

Os conhecimentos mágicos, religiosos, matemáticos, jurídicos, históricos, científicos naturais e das ciências sociais são abordagens intelectuais da humanidade à experiência de vida. A partir da bagagem de conhecimentos herdada, a ciência e as pessoas optaram por apoiar a missão de exploração imperial, participando dela. A insatisfação estimula o desejo de abolir as consequências negativas da exploração da Terra e dos recursos humanos. Essa insatisfação expressa-se em diferentes escalas espácio temporais, como nos envolvimentos em movimentos ecológicos. As lutas dos trabalhadores por uma sociedade respeitosa, na maioria das vezes, clamam por melhores condições de trabalho enquanto continuam a exploração da Terra e dos trabalhos de recursos humanos apresentados aos empregadores.

A sociologia, como qualquer outro conhecimento especializado, envolve-se em atividades centrífugas abolicionistas. Estas não são atividades convencionais. O controle político imperial sobre a ciência, limitando-a à tecnociência, entretanto, não pode evitar que a ciência, ou qualquer outra atividade de recursos humanos, tome consciência da cumplicidade dos trabalhadores e dos consumidores na missão imperial. Às vezes as pessoas se sentem livres para se tornar abolicionistas, evitando seguir o melhor interesse imperial. Menos vezes as pessoas se sentem compelidas a fazer pontes umas com as outras para insistir e persistir no caminho abolicionista, para abrir espaços-tempo livres para acumular força anti-imperial.

A sociologia científica não pode fugir da discussão principal das ciências sociais: o que é a sociedade e como ela funciona? A sociologia dominante, como as ciências sociais dominantes, evitam envolver-se nessas questões. Presumem, erroneamente, que todos sabem clara e inequivocamente o que é a sociedade.

A sociologia centrífuga envolve-se na discussão que deveria ser central nas ciências sociais sem reivindicar nenhum privilégio imperial na discussão, aberta a discussões com todos os entendimentos sobre o que é a sociedade. A sociologia abolicionista empenha se em denunciar a submissão das ciências à missão imperial da Terra e da exploração dos recursos humanos, lutando pela justiça social para além dos constrangimentos da missão imperial.

O meu principal instrumento conceptual para entender o que é sociedade e propor uma sociologia centrífuga abolicionista é o estado-de-espírito imperial. O estado-de-espírito é a manifestação de padrões sociais de formas de lidar com as necessidades homeostáticas humanas. Espírito sociológico, espírito científico, espírito profissional, espírito de submissão, espírito marginal etc. são referências a diferentes modalidades de estados-de-espírito. As criação, existência e mobilização pelas pessoas e sociedades funcionam em diferentes níveis sociais produzidos pela atividade humana.

O estado-de-espírito imperial é muito importante, pois nele se sustentam a soberania e o poder moderno. Não são apenas os soberanos e seus círculos mais próximos que incorporam o estado-de-espírito imperial, as suas capacidades e disposições. Todos os envolvidos na missão imperial são potencialmente tocados pelo estado-de-espírito imperial incorporado. Mesmo o pensamento crítico e as atividades contra o Império são frequentemente ações imperiais. É por isso que é tão fácil recuperar o Império. É por isso que é tão difícil escapar do Império. É por isso que a sociologia e as ciências sociais são tão relevantes para mostrar claramente o que é o estado-de-espírito imperial e como descartá-lo.

O estado-de-espírito imperial usa discriminações para dispersar e esconder as atenções humanas da liderança ilegítima e injusta da elite. Funciona por repressão, por chantagem (síndrome de Estocolmo) e principalmente por lavagem cerebral.

Method – abolitionist centrifugal sociology

Abstract: Cartesian method resist to abolition of preconceptions about what is humankind´s mission in the Earth. Science must overcome Cartesian status quo to and build bridges, instead of walls, between social sciences, natural sciences, and non-scientific knowledges.  

Social sciences are part of 19th and 20th century abolitionist movements. The main abolitionist movements were anti-slavery, anti-clerical, anti-capitalist, anti-colonial movements. All these movements enthusiastically believed that everything will revolutionarily change after a essentialist sectorial victory. None of these movements toke Empire abolition as its main target reference. They all contributed to glorify modernity, the pleasurable image of Empire.

Sciences were especially active on anti-clerical movements. They tried to find the best substitute to abolish clericalism: they built social sciences. Positivism, Marxism, strutural-funcionalism represent a lion share in this sciences movements. As time goes by, it become evident that clericalism did modernize, it was not abolished. Revolutionary movements fallen short on their intends.

Durkheim stated that sociology thinking would likely replace religious rituals, and sociologists would replace priests. In a way, he was right: professional sociology become a religious like system of praising modernization. Imperial ideology remains hidden, denied, glorified, hated, incorporated in mainstream social sciences theories, and in mainstream modern thinking. Critical theories work as counterpoint of mainstream theories, but still praising modernity and imperial exploiting mission of Earth and its resources, including human resources. Insane infinite economic growth is not systematically questioned both by mainstream and critical theories.

USA New Deal transform class struggle into class bargaining. It defeated the ideology of the communist winning parties in Europe. Experiencing USSR imperial activities, Communist parties become tight addicted to imperial ways to victory – war and political and econiomic competition.

Cold War develop two separated imperial fields, as 1494´s Tordesillas treaty dis before. After the USSR disappearance, globalization was the time of renewed glory to Empire, as humankind unity prospect. This expectration is over, now, in 2022´s Ukraine war, after a series of war, financial, political, human rights, healthcare crisis.

Since the 30´s, social sciences become professionalized in Western world, as a substitute to Marxism in the Communist world. The Cartesian social sciences follow the Cartesian techno-sciences politics. The goal is to exploit science and scientists, as human resources, binding them to imperial missions: war and exploiting the Earth and its human resources. Science, and social sciences, are still compromised by the way Inquisition forced science to stop thinking where the souls can be claimed by Empire and its religions.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é david-13710_1280-375x500.jpg
David defeat Golias, according to the latter´s criteria

According to feminists, imperial morals, in the sense of Nietzsche, should be substitute by abolitionist morals. Both morals are active, in the world. The former is used by politics level of specialized discussions on what to do. The abolitionist morals is used by living experiences of people caring for each other, like those developed in the private lives.

Professional lives centrality is devaluating abolitionist morals whenever ever it confronts imperial, rational, economic morals. Abolitionist centrifugal sociology invites all sciences, including social sciences, to carefully prioritize concepts, and theories, that recognize the abolitionist value of science movements and the need to overcome Cartesian paradigm. The value of specialization become centrifugal whenever the concepts and theories are open and needing to bridge with other knowledges, scientific or not.

George H. Mead`s self, Francesco Alberoni´s emerging state of mind, Michael Corballis´ recursive mind, refer to social experiences where society and people are undiscernible, where macro levels and micro levels are products of experience. The different levels are not structurally top down imposed mechanical limit frames of action.

These are examples of centrifugal concepts and theories. They take humanity as a whole, since the beginning of the species´ existence. The basics of societies are not modern social relations, such state or economy. Individual experiences are not separate and opposed to social experience: they come together and inseparably. These theories recognize that upper levels social experiences, such as politics and markets, are specific activities. Upper-level activities are few, and based on much denser and frequent social activities, such caring each other and developing individual and social identities.

Power discussions and fights, including war, even they are impressive, meaningful, and eventually traumatic, they are few compared with caring activities and self-identifying activities.

Antonio Damasio´s discussion on scientific evidence about the physiology of conscious disclose the limits of Cartesian approach to scientific approach. The neuroscientist described different levels of transit of neural data that produce conscious activities framed by time-space variable. He calls for social sciences to acknowledge the upper levels of human conscious as social conscious integrating the whole conscious at a specific time-space frame.

Magical, religious, mathematical, legal, historical, natural scientific, social sciences knowledge refer to humankind intellectual approach to living experience. From inherited knowledge background, science and people do chose to support imperial exploitation mission, taking part of it. Dissatisfaction stimulates the desire to abolish the negative consequences of Earth and human resources exploitation. This dissatisfaction expresses at different time-space scale, such as at the engagements on ecological movements. Workers struggles for a respectful society, most of the time, call to better working conditions while continuing the exploitation of the Earth and of the human resources works presented to their employers.

Sociology, as any other specialized knowledge, do engage on abolitionist centrifugal activities. These are not mainstream activities. Imperial political control over science limiting it into technoscience, however, cannot avoid science, or any other human resources activity, to become aware of workers and consumers complicity to imperial mission. Sometimes people feel free to become abolitionist, avoiding following the best imperial interest. Fewer times people feel compelled to make bridges with each other to insist and persist in the abolitionist path, open free spaces-time to accumulate anti-imperial strength.

Scientific sociology cannot avoid the main discussion of social sciences: what is society and how it works? Mainstream sociology, as mainstream social sciences, avoid engaging in these matters. They presume, wrongly, everyone knows clearly and unequivocally what society is. Centrifugal sociology does engage on this rarely addressed social science´s central discussion without claiming any imperial privilege in the discussing, open to discussions with all understanding about what society is.

Abolitionist sociology do engage on denouncing the submission of sciences to the imperial mission of Earth and human resources exploitation, looking for social justice beyond imperial rule.

My main personal conceptual instrument to understand what society is, and to propose abolitionist centrifugal sociology, is imperial estados-de-espírito.

Estados-de-espírito is the manifestation of social patterns ways to deal with human homeostatic´s needs. Sociological spirit, scientific spirit, professional spirit, submission spirit, marginal spirit, and so on, are references to different modalities of estados-de-espírito. Their creation, existence, and mobilization by people and societies work at different social levels produced by human activity.

Imperial estados-de-espírito is a very important one since sovereignty and modern power stand on it. It is not only the sovereigns and their closer circles that incorporate imperial estados-de-espírito, and its´ capabilities and dispositions. Everyone involved in imperial mission are potentially touched by incorporated imperial estados-de-espírito. Even critical thinking and activities against Empire are often imperial actions. That is why it is so easy Empire to recover. That is why it is so difficult to escape from Empire. That is why sociology and social sciences are so relevant to show clearly what imperial estados-de-espírito is about and how to dismiss it.

Imperial estados-de-espírito is using discriminations to disperse and hide human attention from elite illegitimate and unjust leadership. It works by repression, by blackmailing (Stockholm syndrome), and specially by brainwashing.

A história social demasiado breve da humanidade

Scroll down to find the English version.

Resumo: as teorias sociais naturalizam as organizações hierárquicas como se não houvesse alternativas à cumplicidade com elas. Assim escondem a sua relevante contribuição para a manutenção do império.

As teorias sociais podem ser classificadas em três tipos: as estrutural-funcionalistas sistémicas, as críticas relativistas e historicistas, e as do self, as da construção de pessoas livres em sociedades historicamente construídas e incorporadas.

As primeiras não rezam sobre história nenhuma: pressupõem um pano de fundo abstracto, cartesiano, separado da vida prática, indiferente às experiências singulares de identidade e aspirações. As segundas contam, contrafactualmente, unilateralmente, uma história de esperança e emancipação ao mesmo tempo por cumprir e ali mesmo à mão se semear. As terceiras pressupõem a experiência de uma história ancestral da qual aprendemos práticas de sobrevivência suprabiológicas que nos caracterizam como espécie.

A adopção destas diferentes teorias vem com o optimismo abstracto das primeiras, de vivermos no melhor dos mundos possíveis; com o pessimismo transitório das segundas, que reconhecem que ainda não estamos a viver no melhor dos mundos possíveis, mas que o podemos entrever na nossa imaginação; e com o pragmatismo anti-ideológico – científico – de nada ser perfeito, mas de estarmos vivos e a lidar com as nossas identidades incorporadas e espectativas voluntaristas.

Ao surgimento das ciências sociais, no século XIX, seguiu-se, no século XX, a profissionalização submetida às políticas científicas do império do capitalismo avançado norte-americano. Esta estrutura teórica-ideológica polarizada pela Guerra Fria limitou a influência das teorias sociais pragmáticas. O debate teórico na Guerra Fria foi marcado pelo maniqueísmo ideológico protagonizado pelas teorias de sistemas e críticas, mutuamente opostas e apoiadas entre si para inibirem a entrada em discussão de outras orientações teóricas.

O pós-modernismo em ciências sociais procurou libertar-se desta camisa de forças. Como em todas as guerras, a primeira vítima é a verdade, neste caso a ciência. A ciência a que alguns cientistas sociais aspiravam foi descartada, alegando-se a diferença de natureza das sociedades humanas e da natureza. Com a hiperespecialização sem pontes de diálogo, a liberdade científica tornou-se formal, como as avaliações do trabalho científico. O pós-modernismo adoptou a performatividade como critério de excelência, isto é, a tautologia como forma de escapar ao controlo ideológico sem incomodar os poderes científicos estabelecidos. A estagnação das ciências sociais pode ser ilustrada com a diferença de prestígio dos seus praticantes no pós-guerra e depois dos anos 80, quando muito mais profissionais atraem muito menos entusiasmo.

Na guerra de propaganda, foram mostradas bandeiras soviéticas transportadas por tropas russas a invadir a Ucrânia – 2022

A guerra da Ucrânia revelou – trinta anos após o desaparecimento da União Soviética – a persistência da mesma estrutura ideológica e de poder nas análises sociais. Na falta de alternativas credíveis e reconhecíveis, o maniqueísmo próprio da Guerra Fria está a ser usado por jornalistas e cientistas sociais para (não) compreender guerra, acicatando sentimentos belicistas.

Quarenta anos de pós-modernismo deixou-nos ainda presos ao maniqueísmo ideológico, mesmo quando o comunismo deixou de existir. O maior fracasso da globalização foi o retorno dos nacionalismos, criando graves problemas de direitos humanos com os migrantes. Imigrantes e refugiados têm sido usados como bodes expiatórios para distrair das políticas anti-sociais do neoliberalismo, entretanto substituído por horizontes neo-nazi-fascistas. O pretexto da escassez de dinheiro para reduzir salários foi desmascarado pelo excesso de dinheiro usado para reagir à falência do sistema financeiro global. A corrupção assim manifestada tornou-se argumento político moralista contra as elites, beneficiando as extremas-direitas, na ausência da intervenção esperançosas e emancipadora das ciências sociais, alinhadas com o império ainda dominante ou com os impérios emergentes.  

Entretanto, no campo científico a libertação das ciências sociais continua a ser organizada. A separação entre as pessoas e a natureza, o crescimento económico infinito como solução única para todos os males, estão a ser vivamente postos em causa, obrigando a considerar ecologicamente a vida humana. As ciências sociais estão a abrir a história social aos estudos das articulações do cérebro com o polegar oponível e, mais atrás, ao Big Bang (Christian, 2021; Eisenstadt, 2008; Elias, 1990; Fara, 2009; Graeber, 2011; Graeber & Wengrow, 2021; Harari, 2018; Morris, 2013).

O surgimento das culturas e das linguagens, resultante de alguma configuração genética ainda não encontrada e/ou de um processo evolutivo que gerou selves socialmente integrados nas consciências humanas, não são factos que nos separem dos outros animais, da Terra, e nos tornem sucedâneos de extraterrestres. São apenas factos da experiência da vida na Terra abertos a investigação.

A experiência mostra que não sobrevivemos sem o excesso de reflexividade inacta que nos ocupa grande parte da vida. A nossa singular mente recursiva faz depender a nossa existência pessoal da construção e manutenção obrigatórias de histórias profundamente incorporadas (servindo as identidades singulares de cada um) e das perspectivas de vida consentâneas com as histórias sociais conhecidas (espectativas) (Corballis, 2011). Estas identidades e perspectivas vivem aos saltos. São estruturantes da personalidade e da honra pessoais, e transformadas pelos resultados e interpretações das experiências sociais de cada um.

Às depressões causadas pelas experiências de vida podem seguir-se períodos de entusiasmo contagiante, em que as liberdades são usadas para fabricar novas formas de cultura e de existência, eventualmente transformadoras e duradoiras (Alberoni, 1989). Os bio-ritmos acertam-se entre si, configurando movimentos sociais, constituintes, fenómenos de poder, conformadores dos quadros de sociabilidade em que cada pessoa sobrevive, aprendendo a replicar estados-de-espírito ajustados às situações, às relações de poder, às respectivas identidades e espectativas.

Há ciências sociais que se emancipam dos constrangimentos imperiais que as limitam nas legítimas aspirações de virem a ser ciências como as ciências da natureza. Há ciências sociais que tentam deitar abaixo os muros cartesianos que separam o conhecimento natureza (res extensa) do conhecimento da humanidade (res cogitans). Ao fazê-lo entendem facilmente que as pessoas não são meros recursos humanos. Tais ciências sociais tomam como seu objecto de estudo as sociedades humanas (não apenas as sociedades modernas) tal como elas podem ser estudadas desde que existe homo sapiens sapiens. Isso obriga a questionar a naturalização das hierarquias banalizada no senso comum e nas teorias sociais (Silva, 2003). As construções culturais, por natureza, não são estruturais.

A natureza evolui, a vida evolui mais depressa e a natureza humana evolui mais depressa que o resto da natureza, de forma recursiva. A transformação é universal, as estruturas são contingentes, embora possam ser estáveis durante períodos de tempo significativos. Por isso, compreender a natureza, as estruturas físico-químicas-eléctricas e sociais-psicológicas, a natureza humana como experiência holística, obriga a distanciamento mental das situações criadas pelas estruturas presentes, compreendendo-as como contextos em transformação.

Continua em Método – sociologia abolicionista e centrífuga

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional. D. Quixote.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Harari, Y. N. (2018). Homo Deus; História Breve do Amanhã. 20/20 Editora, Elsinore.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Silva, J. C. G. da. (2003). O Discurso Contra Si Próprio. Assírio e Alvim.

Humanity’s all-too-brief social history

Abstract: social theories naturalize hierarchical organizations as if there were no alternatives to complicity with them. This way social theories hide their relevant contribution to the maintenance of the empire.

There are three types of social theories: the systemic structural-functionalist theories, the relativist and historicist critique theories, and the theories of the selves.

The former does not speak about any history inheritance: they presuppose an abstract, Cartesian background, separated from practical life, indifferent to singular experiences of identity and expectation. The second tells, counterfactually, unilaterally, a story of hope and emancipation that is at the same time unfulfilled and almost at hand. The third ones presuppose the experience of an ancestral history from which we learn supra-biological survival practices that characterize human species.

Adoption of one theory include adoption of its imbedded mood. System theory comes with the abstract optimism of living in the single and best of possible worlds. The critical theories come with the transitory pessimism; with the recognition one is not yet living in the best of possible worlds. One just can glimpse it in our political imagination. The self´s theory take the anti-ideological – scientific – pragmatism. Nothing being perfect, everything being alive, we all depend on our incorporated assessment of who one is and on expectations built on will.

The 19th century´s emergence of the social sciences was followed by 20th century social sciences´ practitioners´ professionalization. Such a process submits to the advanced capitalism´s North American scientific policies aiming to support imperial mission all over the world.  The Cold War polarized power structure between two superpowers limited the influence of pragmatic social theories. Cold War social sciences reduced the theoretical debate to ideological Manicheism walls between system´s theories and critical theories, few bridges for inclusive scientific discussions remain.

The post-modern social sciences sought to free themselves from this straitjacket. As in all wars, the first casualty is the truth. In this case it was the science. The science to which some social scientists aspired was discarded. The justification was the difference in nature between human societies and nature. With wall protected hyper specialization, scientific freedom became formal, alike science´s evaluations. Postmodernism adopted performativity as a criterion of excellence, that is, tautology as a way of escaping ideological control without disturbing scientific establishment. The stagnation of the social sciences can be illustrated by the difference in prestige of its practitioners after the war and after the 1980s, when many more professionals attract much less enthusiasm.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é sovieti-500x282.jpg
War propaganda shows USSR flag on Russian car at 2022 Ukraine invasion

The Ukraine war revealed – thirty years after the disappearance of the Soviet Union – the persistence of the same ideological and power structure used in social analysis. In the absence of credible and recognizable alternatives, the Manichaeism typical of the Cold War is being used by journalists and social scientists to (not) understand war, inciting warmongering feelings.

Forty years of postmodernism left us still stuck in ideological Manichaeism, even when communism ceased to exist. The biggest failure of globalization has been the return of nationalisms, creating serious human rights problems with migrants. Immigrants and refugees have been used as scapegoats to distract from the anti-social policies of neoliberalism, meanwhile replaced by neo-Nazi-Fascist horizons. The pretext of scarcity of money to reduce wages was unmasked by the excess of money used to react to the bankruptcy of the global financial system. The corruption thus manifested became a moralistic political argument against the elites, benefiting the extreme right, in the absence of the hopeful and emancipatory intervention of the social sciences, aligned with the still dominant empire or with the emerging empires.

Meanwhile, in the scientific field the liberation of the social sciences continues to be organized. The separation between people and nature, infinite economic growth as the only solution for all problems, are being lively questioned, forcing human life to be ecologically considered. The social sciences are opening social history to studies of brain and the opposable thumb and, further back, to the Big Bang (Christian, 2021; Eisenstadt, 2008; Elias, 1990; Fara, 2009; Graeber, 2011; Graeber & Wengrow, 2021; Harari, 2018; Morris, 2013).

The emergence of cultures and languages, resulting from some genetic configuration not yet found, and/or from an evolutionary process that generated socially integrated selves in human consciousness, are not facts that separate us from other animals, from the Earth, and make us aliens. They are just facts of the experience of life on Earth open to investigation.

Experience shows that we cannot survive without the excess of innate reflexivity that occupies most of our lives. Our unique recursive mind makes our personal existence depend on the obligatory construction and maintenance of deeply embedded histories (serving the unique identities of each one) and on life perspectives in line with known social histories (expectations) (Corballis, 2011). These identities and perspectives live in leaps. They structure the personality and personal honor, and they are transformed by the results and interpretations of each one’s social experiences.

Depressions caused by life experiences can be followed by periods of contagious enthusiasm, in which freedoms are used to manufacture new forms of culture and existence, eventually transforming society (Alberoni, 1989). When the biorhythms synchronize socially happens social movements, constituents’ movements, phenomena of power, shaping the sociability frameworks in which each person survives learning to replicate estados-de-espírito built on identities and expectations adjusted to situations, to power relations.

There are social sciences working to emancipation from the imperial constraints that limit them in their legitimate aspirations to become sciences like the sciences of nature. There are social sciences that try to tear down the Cartesian walls that separate the knowledge of nature (res extensa) from the knowledge of humanity (res cogitans). In doing so, they easily understand that people are not mere human resources. Such social sciences take as their object of study human societies (not just modern societies) as they can be studied for as long as there has been homo sapiens sapiens. This forces us to question the naturalization of hierarchies trivialized in common sense and in social theories (Silva, 2003). Cultural constructions, by their very nature, are not structural.

Nature evolves, life evolves faster, and human nature evolves recursively and faster than the rest of nature. Transformation is universal, structures are contingent, although they can be stable over significant periods of time. Therefore, understanding nature, physical-chemical-electrical, and social-psychological structures, understanding human nature as a holistic experience, requires mental distancing from the situations created by the present structures, understanding them as changing contexts.

Continuation in Method – Abolitionist and Centrifugal Sociology

References:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional. D. Quixote.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Harari, Y. N. (2018). Homo Deus; História Breve do Amanhã. 20/20 Editora, Elsinore.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Silva, J. C. G. da. (2003). O Discurso Contra Si Próprio. Assírio e Alvim.

Conclusões provisórias

Scroll down to find the English version.

O estudo sociológico da violência deve ser especializado – usar as tradições sociológicas na perspectiva de compreender o que é a sociedade – e disponível para acolher e contribuir para o conhecimento geral sobre o que é a sociedade, na biologia, nas ciências de computação, na geografia, na história, no direito, em colaboração com as outras ciências sociais.

A especialização cognitiva costuma ser centrípeta (fechada e desmulplicada dentro de si mesma, em subdisciplinas avessas ao diálogo cognitivo). Mas será preferível que seja centrífuga (usando conceitos abertos às experiências sociais e cognitivas as mais diversas, como self, estados de espírito, violência como redução ao corpo, sem fronteiras entre pessoas e sociedades, sem fronteiras entre níveis e geografias de realidade arbitrados ideologicamente como estanques entre si, sem moralismos censórios ou de influência).

O principal obstáculo ao desenvolvimento do conhecimento científico é a missão imperial dos principais financiadores das ciências, aqueles que as exploraram (reduzindo-a a tecnociência), do mesmo modo que reduzem a Terra a natureza, alheia e separada da humanidade, Terra e humanidade tratadas como matéria-prima, recursos, para serem explorados cada vez mais intensamente, numa escalada reconhecidamente insana, mas aparentemente inelutável.

A profissionalização das ciências, iniciada no processo que tornou os EUA uma superpotência, acompanhou a extensão da escolarização até às universidades. A miríade de trabalhadores educados (colaboradores e não trabalhadores) servem acriticamente, na condição de profissionais, qualquer missão dos respectivos empregadores que lhes paguem o salário. Como os trabalhadores, os colaboradores servem os respectivos patrões, tendo apenas a liberdade de trocar de patrão.

A denúncia da má qualidade da produção ou dos efeitos socialmente nocivos da mesma, em relação aos consumidores ou aos trabalhadores, é praticamente interdita. Interdita por não ser do interesse dos trabalhadores, sujeitos a ostracismo dos seus companheiros e despedimento, pelos eventuais prejuízos causados à empresa. Interdita porque, quando o denunciante insiste, por razões de consciência, como nos casos de Assange, Manning ou Snowden, torna-se assunto de segredo de justiça, onde os riscos para os denunciantes são maiores do que para os acusados.

A protecção de denunciantes é uma das primeiras e sempre insuficientes exigências dos movimentos cívicos de direitos humanos e contra a corrupção. Também no caso da ciência, as notícias sobre denunciantes que sofrem consequências pessoais, como despedimento e até a morte, são remetidas para a máquina de vácuo das teorias da conspiração. Não admira que todos acabemos por ser cúmplices da missão imperial, dada a dificuldade é denunciar os seus riscos. Prova-o a impotência das denúncias de mais de meio século sobre o aquecimento global, ainda não atendidas.

O espírito científico está vivo – pois a procura pelo conhecimento e a curiosidade é espontânea nas pessoas. Mas o espírito científico escolarizado, aquele que oferece receitas acríticas em vez de fazer perguntas sem resposta conhecida, é dominante e ilude inclusivamente os cientistas sobre qual seja a missão moral da ciência. A missão moral da ciência é descobrir coisas, como o aquecimento global. Tomar conhecimento moral do aquecimento global significa abortar a missão imperial. Entre a “economia” e a qualidade de vida humana na Terra, a escolha política, apoiada em ciências sociais, nas empresas, nos estados e na colaboração dos profissionais, tem sido desumana.

A guerra na Ucrânia é o último, extremamente violento e arriscado episódio da triste história da irracionalidade humana promovida pela missão imperial de explorar a Terra. A falência da globalização, a coberto da propaganda sobre a vontade moral de criar uma humanidade unida, confrontou o império ocidental com os impérios orientais. A guerra nunca deixou de ser usada como afirmação do poder soberano global dos EUA, nos últimos 30 anos. A guerra iniciada pela Rússia está agora a conduzir à reconstrução da cortina de ferro da Guerra Fria, separando novamente em duas (ou três) partes a Terra, como no tempo do tratado de Tordesilhas ou da Guerra Fria.

A censura contra os saberes científicos (no caso do aquecimento global e noutros casos), a construção de muros (como prisões, criminalização dos migrantes, muros nas fronteiras), a organização de guerras, a confusão entre informação e propaganda, não estão a diminuir nos últimos anos. Desde os anos 80 tais tendências afirmaram-se e reforçam-se. As novas tecnologias refinam tais tendências, como no caso do crédito social chinês e de outros modos que ainda não é fácil de entender, como o que se passa nas redes sociais.

O império, a ciência, a violência, são fenómenos sociais que têm aspectos moralmente positivos e outros moralmente negativos. Para os analisar cientificamente podemos suspender intelectualmente as apreciações morais que, sem nos apercebermos, fazem a censura do melhor conhecimento. Para ver o lado secreto destes fenómenos sociais temos de resistir ao moralismo que nos impele para tomar partido pelas elites e não questionar o valor e os custos da missão imperial. Isso inclui minimizar ou ignorar os efeitos ambientais da actidade humana (Antropoceno), naturalizar as discriminações de género e as violências com que são impostas, assim como todas as outras discriminações usadas pelas sociedades e pelos estados para legitimarem as violências e as guerras, de que as principais vítimas são crianças, mulheres e idosos, violados, abusados, e não contados, além dos combatentes, estes contados.

Como cientistas ou profissionais informados cientificamente, podemos construir políticas de denúncia e combate às violências moralmente negativas, como aquelas que marcam negativamente as pessoas para o resto das suas vidas, limitando as respectivas potencialidades de serem felizes e de fazerem quem vive à sua volta feliz. Para tal, precisamos assumir responsabilidades, em vez de nos remetermos à irresponsabilidade com que a missão imperial nos prende aos nossos sacrifícios no trabalho e na política.

Assumir responsabilidades passa por reconhecer a nossa cumplicidade pessoal na consecução da missão de exploração da Terra e de nós mesmos, treinados como recursos humanos. No caso da sociologia da violência, passa por a usar para romper mentalmente com a sociologia, as ciências sociais e a ciência dominantes, ao serviço das missões imperiais, em vez de ajudar a criar mais uma subdisciplina irresponsável perante o que as ciências continuam a fazer.

Para pensar assim, e sobreviver ao medo e à impotência a que o império nos traz presos, é preciso uma atitude moral anti-punitivista, abolicionista. Cada um de nós vive dividido entre as pessoas que somos e os recursos humanos que vendemos aos empregadores. Apesar de estarmos presos a medos e impotências (animadas pela irresponsabilidade social, política, profissional que nos é oferecida pelo império) podemos usar o nosso espaço pessoal (afinal não somos escravos, e até os escravos usavam espaços pessoais para sobreviver). Aí, podemos compreender que o punitivismo arbritrário, simbolizado e praticado pela justiça criminal e pelas avaliações de desempenho profissionais, nos afecta intimamente como violência imperial, de que nos podemos libertar. Aí, podemos construir redes de solidariedade e acção para abolir, ao menos entre nós, a síndrome de Estocolmo que nos torna, quotidianamente, cúmplices em negação da missão imperial.

Não é possível abolir a violência, entendida como redução ao corpo e parte da vida, por vezes boa, outras vezes má, sobretudo quando decorre de relações sociais abusivas, como o são as relações imperiais. Mas é possível abolir a dependência das pessoas do império. Foi isso que fizeram movimentos sociais poderosos como os da abolição da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo. O império recuperou sempre. Mas a velhas-novas propostas de libertação estão disponíveis e podem (devem) ser adoptadas: rendimento básico incondicional, justiça transformativa, ensino não punitivista, ciências centrífugas, novos constitucionalismos, democracia transnacional, zapatismo, abolição dos abusos de violência, etc.

Estado de espírito é um conceito desenhado para servir o abolicionismo, o anti-punitivismo, as denúncias do espírito imperial, i.e., com vista ao reconhecimento da existência de estados de espírito anti-imperiais que aspiram a escapar da irresponsabilidade impotente em que nos encontramos perante as práticas imperiais e as suas consequências ambientais.

Provisional conclusions

The sociological study of violence must be specialized. One should use sociological traditions to understand what society is about. However, the best studies will be available to welcome and contribute to the general knowledge about what society is, in biology, in computer sciences, in geography, in history, in law, collaborating with all other social sciences.

Cognitive specialization is usually centripetal (closed within subdisciplines that are averse to cognitive dialogue). Centrifugal way of doing science is better. It uses concepts open to the most diverse social and cognitive uses and experiments. The best concepts are like self, estados-de-espírito, violence as reduction to the body, all concepts that work without presumption of antagonism between people and societies, micro level and macro level, moral consensus, and marginality for those voluntarily outside the consensus.

The imperial funding is the main obstacle to the development of scientific knowledge. The imperial generosity is the counter part of technoscience hegemony. Science is explored, as everything else, to follow the imperial mission of Earth and nature exploitation, separating humans from humanity, as professional human resources, treated as raw material, in an admittedly insane, but possibly unavoidable, escalation.

The professionalization of science, initiated in the process that made the USA a superpower, transformed education and universities. They educate and train myriad of workers uncritically serving, as professionals, any function that pays their salaries. Like workers, employees serve their bosses, having only the freedom to change bosses.

The workers whistleblowing of poor quality of production and services and of their socially harmful effects for consumers is practically prohibited. Prohibited because it is not in the interests of workers, target to ostracism from their companions and bosses for any damage caused to the company. It is prohibited because, when the whistleblower insists, for reasons of conscience, as in the cases of Assange, Manning, or Snowden, it becomes a matter of legal secrecy, where the risks for the whistleblowers are in general greater than for the accused.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é images-1.jpg

Whistleblower protection is one of the first and always insufficient demands of human rights and anti-corruption movements. News about science whistleblowers who suffer personal consequences, such as dismissal and even death, are sent to the vacuum machine of conspiracy theories. No wonder that we all end up being accomplices in the imperial mission, given the difficulty of denouncing its risks. The impotence of more than half a century’s complaints about global warming proves it.

The scientific spirit is alive – because the search for knowledge and curiosity is spontaneous in people. But the schooled scientific spirit, one that offers uncritical recipes instead of asking questions with no known answer, is mainstream and even deceives scientists about what the moral mission of science is. The moral mission of science is to discover things, like global warming. Taking moral knowledge of global warming means aborting the imperial mission. Between the “economy” and the quality of human life on Earth, the political choice, supported by social sciences, companies, states and the collaboration of professionals, has been inhumane.

The war in Ukraine is the latest, extremely violent, and risky episode in the sad story of human irrationality promoted by the imperial mission to explore Earth. The failure of globalization, under cover of propaganda about the moral will to create a united humanity, confronted the Western empire with the Eastern empires. War has never ceased to be an affirmative use of US global sovereign power for the past 30 years. The war initiated by Russia is now leading to the reconstruction of a new Iron Curtain as the one of the Cold War, again separating the Earth into two parts, as in the time of the Treaty of Tordesillas.

Censorship against scientific knowledge (in the case of global warming and in other cases), the construction of walls (such as prisons, criminalization of migrants, walls at borders), the organization of wars, the confusion between information and propaganda, are not decreasing in the last years. Since the 1980s such trends have been asserted and reinforced. New technologies refine such trends, as in the case of Chinese social credit and in other ways that are not yet easy to understand, such as what in going on in social networks.

Empire, science, violence, are social phenomena that have morally positive and negative aspects. To analyze them scientifically, one can intellectually suspend the moral judgments that, without realizing it, censor the best knowledge. To see the secret side of these social phenomena one must resist the moralism that urges us to take sides with the elites and not question the value and costs of the imperial mission. That secrets include minimizing or ignoring the environmental effects of human activity (Anthropocene), naturalizing gender discrimination, and the violence with which it is imposed, as well as all other discrimination used by societies and states to legitimize violence and wars, from which the main victims are uncounted children, women, and the elderly, raped and abused, in addition to the counted combatants.

Scientists and scientifically informed professionals can build policies to denounce and combat morally negative violence, such as those that negatively mark people for the rest of their lives, limiting their respective potential to be happy and to make those around them happy. To do so, one needs to assume responsibilities, instead of stick at the irresponsibility with which the imperial mission binds us to our sacrifices at work and in politics.

Assuming responsibilities involves recognizing of personal complicity in the mission of exploring the Earth and we, trained as human resources. Sociology of violence involves a mental cut with the mainstream sociology, social sciences, and science, that serve imperial missions. Sociology of violence should not create another irresponsible closed subdiscipline reinforcing mainstream centripetal sociology.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é images.jpg

To survive the fear and impotence to which the empire brings us prisoners, an anti-punitivist, abolitionist moral attitude is needed. Each of us lives torn between the people we are and the human resources we sell to employers. Although one is trapped by fears and impotence (animated by the social, political, professional irresponsibility offered to us by the empire) one can use personal space (after all, we are not slaves, and even slaves used personal spaces to survive). Is this space, one can understand that arbitrary punitivism, symbolized and practiced by criminal justice and professional performance appraisals, affects us intimately as imperial violence, from which one can free ourselves. One can build networks of solidarity and action to abolish, at least among us, the Stockholm syndrome that makes us, daily, accomplices in denial of the imperial mission.

It is not possible to abolish violence, understood as reduction to the body and part of life, sometimes good, sometimes bad. It is not possible to abolish abusive social relationships, such as imperial relationships. But it is possible to abolish the dependence of the people on the empire. This is what powerful social movements such as those for the abolition of slavery, clericalism, capitalism, colonialism, patriarchalism did. The empire always recovered. But the old-new proposals for liberation are available and can (should) be adopted: citizen income, transformative justice, non-punitive teaching, centrifugal sciences, new constitutionalism, transnational democracy, zapatism, abolition of abuses of violence, etc.

Estados-de-espírito is a concept designed to serve abolitionism, anti-punitivism, denunciations of the imperial spirit, i.e., with a view to recognizing the existence of anti-imperial estados-de-espírito able to escape the impotent irresponsibility in which one finds ourselves regarding imperial practices and their environmental consequences.

Recomeçar? Outra vez, não!!!

A proposta de recomeçar, com cadastro limpo, que é avançada pelo Fórum Económico Mundial, Great Reset, significa o reconhecimento de haver um estado de paralisia geral, como um computador que deixou de funcionar.

A paralisia das vítimas é uma das reacções biológicas possíveis à emoção de medo. A paralisia dos explorados, porém, foi construída industrial e politicamente, no Ocidente, a partir da II Grande Guerra, como forma de mobilizar recursos humanos. Na paralisia é parcial. A cada um é dada liberdade para viver a determinado nível, sentindo quem vive em níveis diferentes, superiores ou inferiores, como estranhos, não como semelhantes.

A paralisia das elites a que o Great Reset se refere foi observada nas reacções à crise de 2008, quando as elites imaginaram preguiçosamente que, em vez de entender o que se passa, poderiam continuar a acelerar os processos que conduziram à situação de falência do sistema financeiro global.

A sala de comando do avião em que estamos a voar está em piloto automático

Na última crise financeira semelhante à que estamos a viver, a que se difundiu a partir do crash da bolsa de Nova Iorque em 1929, a solução do pós-guerra, na Europa, foi acompanhar os desejos de bem-estar dos trabalhadores, criar o estado social. A conjuntura de Guerra Fria favoreceu a negociação estratégica entre os partidos políticos e as classes sociais, a concertação social e a economia mista, privada e estatal. A paralisia estratégica global da Europa, dividida, a sua submissão às duas zonas de influência imperiais, consolidou-se. Prova-o a incapacidade de utilizar de forma criativa as revoluções dos anos sessenta e setenta.

Com a estagflacção – inflação sem crescimento económico – a paralisia da luta autónoma dos explorados perante os estados tornou-se evidente. Os protestos contra a situação passaram a incluir protestos contra os sindicatos, que nas décadas seguintes viram decrescer o número de filiados, a par da degradação do estatuto e do bem-estar dos trabalhadores dos estados sociais, a braços com a concorrência global.

A sociedade do conhecimento que então orientou os desígnios europeus, alegadamente para competir com a supremacia dos EUA, promoveu a ideia de sociedade meritocrática, intensamente escolarizada, relegando as negociações de classe para plano secundário (individualismo profissional ordoliberal). A Europa tornou-se mais uma zona do mundo a ser explorada pela globalização – livre circulação de bens e capitais e controlo orwelliano dos movimentos das pessoas em função dos interesses das elites.

Depois da crise financeira de 2008, ao tempo da pandemia COVID 19, o mundo inteiro revelou-se preparado para seguir ordens. Não se sabe se os estados, ao seguirem as ordens da Organização Mundial de Saúde (OMS), estão a seguir ordens dos EUA que comandam a CDC norte-americana que ainda é o maior financiador da OMS, do Bill Gates que é o maior investidor privado da OMS, eventualmente concertado com outros grandes investidores, como as indústrias farmacêuticas. Os estados estão a seguir as orientações da rede de organismos internacionais, das sedes dos poderes globais acima dos estados nacionais. Estes obedecem-lhes com o empenho dos que aspiram a tornar-se profissionais desses organismos, como também acontece na comunicação social, nos hospitais, nos bancos, nas universidades, um pouco por todo o lado.

O estado da ciência, das escolas, das universidades, neste contexto, é de radical subordinação profissional às ordens, venham elas de onde vierem. Tal estado de optimismo submisso gera um sector de pessimismo crónico ou crítico igualmente preso à agenda internacional e forçado a corresponder profissionalmente às exigências de conformidade. Quem entenda que os interesses da China ou da Rússia correspondem a uma estratégia mais útil, como quem entenda que o bem-estar das pessoas, físico e mental, deveria ser finalidade prioritária das políticas, fica rotulado. É remetido para o campo das teorias da conspiração e de traição civilizacional. Mais recentemente, dada a desorientação das elites ocidentais, somam-se sinais de agressividade inter civilizacional (os muçulmanos foram só os primeiros a ser chamados. A guerra na Ucrânia está a gerar russofobia). Os fenómenos neo-nazi-fascistas estão aí que não se deixam desmentir.

Civilização em risco

O que está em causa é o modelo civilizacional, as suas instituições: a nossa relação com a natureza e o modo como as tecnologias digitais e bio-políticas estão a ser usadas para dividir as sociedades em ostracismo, unindo-as em colaboração servil e irresponsável. As instituições actuais, o nacionalismo, o estado social, as misturas de capitalismo e socialismo, a exploração intensiva de energias fósseis, tudo isso não pode mais continuar sem ser questionado e estruturalmente alterado, mesmo que seja para que tudo fique na mesma, como no Great Reset.

Historicamente, alterações dessa profundidade têm sido feitas através de guerras, da destruição do que deixou de funcionar e da selecção das estratégias vitoriosas através do uso da extrema violência de que saem vencedoras as renovadas elites. O planeamento estratégico que é utilizado actualmente pela globalização, a rede de instituições internacionais ao serviço dos seus financiadores, provou ser efectivo apenas na imaginação dos poderosos: nenhum dos planos escritos nos conclaves mais secretos seriam viáveis não fosse a síndrome de Estocolmo, o desejo sincero e incorporado inconscientemente de entender e respeitar os interesses dos nossos sequestradores globais, as elites divinizadas. O futuro nos confirmará se o transhumanismo do Great Reset, a substituição mais ou menos completa das pessoas por instrumentos meio biológicos meio mecânicos, será capaz de manter os planos burocráticos e electrónicos com que as elites se pensam poder continuar a reproduzir.

Os neo-nazis-fascistas revoltam-se para o estado puramente nacional (que nunca existiu, de facto). As esquerdas que ainda restam aspiram ao estado social que é, na Europa, o grande plano que nos trouxe da II Grande Guerra a onde estamos, depois de um período de disfuncionamento das instituições, ao serviço da globalização. Como se diz no futebol: faltam ideias para avançar. Sobram rotinas, como a de procurar o crescimento económico, trabalhar em empregos, propriedade de territórios que possam ser explorados, indivíduos reduzidos a interpretar os interesses das elites, gente a viver como recursos humanos, sob o efeito da síndrome de Estocolmo.

Estado Social Real mostra como a civilização ocidental do pós-guerra se organizou para negar as suas responsabilidades no Holocausto, reduzindo a sua culpa à política de genocídio dos judeus (porque é que o ocidente não se lembrou também de encontrar um novo território para albergar os ciganos perseguidos na Europa?) e mantendo o perfil racista da sua cultura e civilização.

Estado Social Real é recomendado por Mário Tomé. Um ex-militar cuja vida é um esforço de balanço daquilo que conhece: não o mobiliza a política que eleva o debate excluindo quem não se pode defender. O que Mário Tomé defende é dar condições às vítimas para participar nas decisões políticas que lhes dizem respeito. Conhecendo a tropa, insiste na substituição das Forças Armadas por uma instituição em rede (como a internet) de defesa civil capaz de derrotar o belicismo e a corrupção associada. Ao mesmo tempo, isso pode proporcionar às pessoas comuns meios de auto-defesa, incluindo contra o estado nacional que, como infelizmente sabemos bem, abandona os desvalidos ao fogo, na velhice, no desemprego, no despejo de casa, na doença, ao crime.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search