Apresentação e discussão dos livros

Como um estado protegerá a sociedade das consequências da exploração da Terra por si organizada? Porque é que a escola, ascensor social, reproduz e amplifica hierarquias e estigmas?

Apresentação de dois livros:

O New Deal foi a política keynesiana de partida que, aliada ao estado social alemão, à frente popular francesa, à democracia cristã italiana, criaram as condições para o surgimento do Estado Social europeu, centro do desenvolvimento do pós-guerra, esperança dos países que aderiram à União Europeia na época neoliberal.

Depois da sucessão da crise financeira de 2008, da confirmação da crise ambiental aos olhos de todos, do reavivar da Guerra Fria, da vulnerabilidade à pandemia, da revelação das fragilidades ecológicas e sociais do mundo, a ideia de retorno ao projecto do estado social não se mostra mobilizadora. Os progressistas voltam-se, ainda mais atrás, para um novo new deal, mas agora verde.

As ciências sociais não devem iludir-se a reboque de programas ideológicos, mesmo os que lhes dão protagonismo. Deveriam descobrir a realidade que as ideologias encobrem: é esse o fito do livro Estado Social Real.

A discussão da noção de Estado Social real é suscitada pela esperança de ser possível prosseguir o projecto de transformar a filosofia social em ciência da sociedade, sem sobredeterminações ideológicas que nos prendem à actualidade imaginada e nos inibem a imaginação de um futuro de bem-estar.

Tal como ocorre com outras adicções, não há tratamento para o Estado Social soporífero antes das pessoas reconhecerem a necessidade de mudar de vida e de ideais.

Livro do mês de Junho de 2021 da biblioteca do ISCTE-IUL

Por isso, é preciso Reeducar o Século XXI: libertar o espírito científico. Trata-se de aceitar que o estado, social ou outro, não dá prioridade à protecção de todos os cidadãos. Vive dos negócios de explorar a Terra e os seus recursos, incluindo os recursos humanos. Exploram não apenas aquilo que as pessoas produzem (mercadorias), mas também aquilo que as pessoas sentem (consumos), pensam (identidades) e conhecem (ciências).

Condicionadas pelo complexo industrial-militar imperial para financiamento e avaliação, as políticas universitárias e científicas vigiam a criatividade científica para a explorar e para evitar que se saiba daquilo que possa ser inconveniente, como o aquecimento global. As escolas ensinam a ciência como se fossem um receituário e as ciências fundamentais são isoladas pela hiperespecialização e pelo empreendedorismo científico.

A ciência resiste, claro, mesmo se sufocada. Mas falta a consciência da necessidade social de libertar a ciência centrípeta desse sufoco, transformando-a em ciência centrífuga, holista, aberta à noção simples de que a humanidade é parte da natureza e não algo do género extraterrestre, que possa voltar para a sua terra. Uma ciência em que o social e o natural não estejam apartados e incomunicantes.

Livros de apoio:

The Meritocracy Trap de Daniel Markovits, 2019 (como a educação é uma armadilha para os pobres e para os educados)

The Code of Capital de Katarina Pistor, 2019 (como o estado produz o capital)

The Son Also Rises de Gregory Clark, 2014 (como as desigualdades sociais se (re)produzem da mesma maneira desde a Idade Média)

Video sobre cidades esponja e ciência holística, por Kongjian Yu

Pequena discussão sobre a ciência centrífuga

Registo vídeo da aula aberta “Reeducar o século XXI e os Direitos Sociais” (1:44:25) , 1 de Setembro de 2021, Universidade Federal de Pelotas

Pequenas notas de discussão: a nossa vida, os segredos sociais e a ciência possível

A ciência e o sr. Gates

Pandemia, Odemira e ciência (Escandaleiras e alienações)

Marcelo e os segredos sociais

Identificar os problemas

Será possível reeducar o século XXI?

Os segredos sociais

Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

Ciências e segredos sociais – poderes e elites

Segredos sociais e substractos universais

Alternativas e perguntas incertas

Nova ciência requer novas escolas e novos financiamentos

As potencialidades cognitivas da ciência

Reorientar as ciências é uma tarefa mental-individual ou de política institucional?

Educar a imaginação a imaginar a liberdade