Abortar a missão imperial é a missão das ciências

“Não me tires o [Sol] que não me podes dar!” Diógenes, filósofo cínico praticante, criatura do cosmos, perante Alexandre, o imperador

“A César o que é de César e a Deus o que é de Deus” respondeu Jesus Cristo aos fariseus, escapando assim à provocação para que se indispusesse com o Império Romano

Os impérios causam problemas e sacrificam gente que se lhe oponha, desde que existem. Com a invenção do capitalismo, os impérios levaram ao limite a sua expansão, incluindo milhares de milhões de pessoas mobilizadas para as tarefas de exploração da Terra, levando esta a entrar numa nova era geológica, o Antropoceno. Consciente disto, a humanidade organizada globalmente confronta-se com os seus vícios predadores e exploradores, incapaz de evitar continuar a cumprir a missão imperial de acumulação de riqueza e recursos humanos, para tal causando a alteração das condições ambientais que foram favoráveis à prosperidade da humanidade.

A economia verde, a transição energética, são expressões políticas das contradições que apontam para a continuidade do capitalismo, desenhado para cumprir a missão imperial de modo industrial, e para evitar a inflamação, já em curso, da Terra. As ciências sociais, até agora subdesenvolvidas, poderão aproveitar a oportunidade para se desenvolverem, como ciências de pleno direito, aliando-se às ciências do ambiente e à biologia, elevando os conhecimentos sobre como funcionam as pessoas a um nível mais próximo dos sucessos das ciências naturais e orientando as pessoas e a humanidade nas tarefas de adaptação às novas circunstâncias em construção.

Diógenes a viver num barril

Abortar a missão imperial de expansão da exploração da Terra servirá a libertação da humanidade do jugo a que está submetida, criando condições para que a razão – a consciência ambiental – conduza a acção, maximizando as possibilidades de harmonização entre as vidas humanas e o meio ambiente. Reorientar as ciências sociais não é um mero acto de vontade, sobretudo numa sociedade vergada às lógicas imperiais. Mas, a ocorrer, também se fará das vontades de cumprir uma missão anti-imperial.

As ciências sociais foram uma reacção tardia ao condicionamento cartesiano do campo das ciências da natureza, condicionamento que permitiu a estas últimas escapar da censura inquisitorial. Afinal, disse o século XIX, recém-liberto da Inquisição, não há razão para haver campos da realidade com direitos reservados de admissão, como acontece com os saberes normativos, o direito, a teologia, a filosofia. Os movimentos de trabalhadores, ansiosos de afirmação social e de conhecimentos que a confirmassem cultural e estrategicamente, favoreceram a ocorrência de revoluções anti-imperialistas, também no campo das ciências, em particular abrindo a questão social (Castel, 1998) e a necessidade de a racionalizar. Percebeu-se que as ciências também podem pensar as sociedades: descobrir como funcionam, desenhar melhores estruturas sociais e ajustar funcionamentos em função das finalidades desejadas. Porém, manteve-se a episteme cartesiana, como se a natureza fosse estranha e inimiga da humanidade.

A propaganda burguesa, organizada primeiro em torno da economia política e do direito liberais, ambos dirigidos a legitimar a intensificação da exploração da Terra e dos seus recursos humanos levada a cabo pelos impérios ocidentais, condicionou e condiciona esse processo de libertação do conhecimento. Adam Smith tratou de explicar que era melhor separar da economia a moral – o direito, a teologia, a filosofia, mas também a sensibilidade inata das pessoas contra os abusos de outras pessoas (como a escravatura) e da natureza (como a fealdade própria das cidades industriais). Separou o mercado idealizado como o conjunto dos pequenos negócios das ruas comerciais urbanas e os grandes monopólios ao serviço das realezas mais ricas. Ao separar as esferas do interesse pessoal, a esfera económica, e a moral empática, social e ambiental (Dumont, 1985 [1977]), Smith separou implicitamente as leis de dominação da vida selvagem, as leis do mar e das colónias, as leis offshore, permanentemente confrontadas com situações de facto imorais e irremediáveis, e as leis reconhecidas nas metrópoles imperiais, nomeadamente entre gentlemen, frequentemente contraditórias com as primeiras.

Adam Smith (1720?-1790)

Separou o respeito moral pelo meio ambiente e pela humanidade (ainda que divida em ordens juridicamente distintas) de práticas como a escravatura transatlântica, os genocídios coloniais, as corridas aos metais preciosos, e outras indignidades morais, cujos lucros, por outro lado, enriqueceram as casas reais em modernização. A razão económica tornou-se incompatível com as emoções morais do seu tempo. A violência aristocrática foi sendo substituída pela imoral violência exploradora que enriqueceu a burguesia ascendente. Mas em vez de a expor, como grandeza e honra, como faria a aristocracia guerreira, a burguesia adoptou um discurso ambíguo, dissimulou-a como inexistente ou em vias de extinção (Hirschman, 1997). Adam Smith usou a divisão cartesiana entre natureza – mundo da violência, dos interesses e da economia – e a proximidade da humanidade pensante com Deus – o mundo das paixões, das grandes missões dos poderosos e dirigentes dos impérios, aristocratas ou burgueses – para jogar com a ambiguidade moral e política que caracteriza os negócios, as guerras, a religião e o direito: uma coisa é (res extensa) o que é e outra o que devia ser (res cogitans).

Bem podem bramar os movimentos pacificistas, reclamando a concretização das seculares promessas de substituição das guerras por relações comerciais. As guerras continuam a ser estruturais para definir a ordem hierárquica das vozes de poder. São cinicamente apresentadas como humanitárias, democráticas, nacionais, de auto-defesa. Bem podem bramar os movimentos igualitários, com base nas constituições. Bem podem imaginar-se livres os cidadãos ou imaginar representativos os políticos eleitos. As desigualdades e as opressões, como sabem os cientistas sociais e os activistas dos direitos humanos, não tem solução à vista no século XXI.

A pretexto de ser cognitivamente preferível ser realista, isento de moralismos, Adam Smith declarou impossível compreender como funcionam os mercados: é a célebre “mão invisível”. Ela serve de porta que legitima e revela a obscuridade cognitiva que decorre da separação epistémica entre os estudos da moral (o que deveria ser, o direito) e das práticas (o que é, a economia e as outras disciplinas das ciências sociais). Continuamos a viver no mundo dos mistérios. As ciências continuam divididas pela necessidade política de escamotear a imoralidade radical da missão imperial de exploração da Terra.

A falsa humildade cognitiva das ciências sociais, moralmente alegadamente neutra, funciona como um truque de ilusionismo para dissimular o verdadeiro truque anti-científico que impede as ciências sociais de se tornarem cognitivamente capazes de ombrear com as ciências naturais. Ao apresentar os efeitos milagrosos dos mercados, a harmonia económica alegadamente promovida pela mão invisível (que só é harmónica porque é representada fora do âmbito dos julgamentos morais), Smith dissimulou (com a cumplicidade dos leitores e pensadores, até hoje) os monopólios imperiais e a exploração das colónias a que se dedicam (Brown, 2009). A economia e as ciências sociais continuam, ainda hoje, a comparar países, i.e., o desempenho em termos de angariação e acumulação de riquezas sob a tutela dos diferentes estados que compõem a comunidade internacional, perdendo de vista a imoralidade de aceitar e não questionar a missão imperial de explorar e destruir o meio ambiente, reduzindo a humanidade a colaboradora e a recursos humanos, em nome da miragem do crescimento infinito de tudo.

Auguste Comte (1798-1857)

Auguste Comte, no princípio do século XIX, declarou a vontade de romper as fronteiras entre as ciências da natureza e das ciências da sociedade através da filosofia positiva, tendencialmente pragmática e isenta de vieses ideológicos. Apesar do sucesso da ideia revolucionária (Queiroz, n.d., p. 64), na sequência da falência do capitalismo, em 1929, no quadro da recuperação da missão imperial de exploração da Terra organizada pelo New Deal, a profissionalização das ciências sociais manteve-se respeitosa da fronteira que diviniza a sociedade ocidental e seus aliados empenhados nessa missão, escondendo as guerras, tanto os novos genocídios como os semi-milenares, escamoteando a produção institucional das exclusões sociais organizadas para dividir e reinar, como tudo isto fosse indiferente ao meio ambiente terrestre, a natureza, e pudesse ser exportado para outra parte qualquer do cosmos, conforme ajudam a imaginar a ideologia da conquista do espaço e as várias obras artísticas de grande sucesso sobre a vida humana fora da Terra.

As ciências sociais profissionalizadas, as que desistiram de ser ciências e de romper com o legado cartesiano, são apologéticas da modernização. Divergem ideologicamente, segundo as fracturas consolidadas na Guerra Fria, sobre qual a melhor orientação para continuar a explorar a Terra e os seus recursos humanos. Revelam-se impotentes face às crises ambientais, financeiras, políticas, sanitárias, morais, demográficas, tudo convergindo, rompendo e desmascarando os planos epistémicos de normalização irrealista, dissimuladores da (i)moralidade fundamental da missão imperial semi-milenar.

As teorias críticas não escapam das condições desta profissionalização das ciências sociais. Também os movimentos anti-imperialistas mais poderosos dos últimos séculos, como os abolicionismos da escravatura, do clero, do capitalismo e das colónias, não foram capazes de parar a missão imperial, que se tornou um incómodo fatal para as gerações mais novas.

A sociologia, como as outras disciplinas das ciências sociais, politicamente isolada das outras disciplinas e das ciências naturais, não prevê nenhuma contribuição específica nem para a actualização das ciências, nem para abortar da missão imperial. Porém, a sobrevivência da sociologia depende do prestígio que possa vir a angariar para as ciências sociais e as ciências, no quadro das lutas anti-imperialistas que se mantêm no terreno, apesar das profundas derrotas anteriormente sofridas. O aquecimento global, e a confluência de crises de todo o género, tipo as sete pragas do Egipto, infelizmente, assim o obriga.   

Fazê-lo implica apoios civis, capazes de contrapor às políticas científicas imperiais brechas por onde se possam afirmar as ciências centrífugas, anti-cartesianas, anti-ideológicas e promotoras de conhecimentos anti-imperialistas. Implica a valorização especial de conceitos e métodos actualmente preteridos e reprimidos, nomeadamente os dirigidos a produzir perguntas cognitivamente inspiradoras, em vez de respostas apologéticas das acções dos estados e das outras instituições imperiais. Implica também não servir o fatalismo dos que pensam que sem missão imperial, sem exploração da Terra e dos seus recursos humanos, não há maneira ou sentido para a vida humana. Implica a emergência de movimentos de libertação convergentes, conscientes da sua missão principal comum: abortar a missão imperial.

Crescimento económico: fatalismo ou chantagem emocional?

A oposição da humanidade à natureza é natural? Ou foram as elites modernas, as que se lançaram à conquista da Terra, quem inventou essa oposição para justificar o moralmente injustificável? Como as sociedades e as ciências modernas aderiram ao projecto imperial das elites?

A questão social

A vida sindical reduz as necessidades dos seus associados a melhores salários, quando, no século XIX, os proletários revolucionários que marcaram o seu tempo imaginaram um novo mundo nas Américas, mas também na Europa. A ciência proletária, a crítica da ideologia económica, falhou. No ocidente, foi isolada da velha ciência, designada ciências naturais, e desqualificada e combatida pelas ciências sociais. Tal estratégia é levada a cabo por uma política centrípeta para as ciências, de modo a ser mais fácil controlar e limitar a mútua fecundação cognitiva entre escolas e disciplinas, colocando-as dependentes das necessidades imperiais, prevenindo sobressaltos morais ou políticos.

Abolicionismo

Abolicionismo não é uma solução para as prisões. É uma solução para as configurações sociais que precisam de prisões para viver.

Abolir os efeitos desastrosos da missão imperial

O sistema de justiça criminal, guardião da moral moderna, é um modelo bem conhecido da moral imperial. Dissimula os problemas sociais e políticos, acusando os desvalidos e desonerando as elites. Para abolir a exploração da Terra que está a pôr em risco o bem-estar geral da humanidade, devem encontrar-se outras formas de resolver problemas criminais – como o é a exploração da Terra: em vez de um sistema punitivo, pode e deve retomar-se a ambição de construção de regimes sociais fraternais.

Caracterização das teorias sociais hegemónicas

Oito aspectos resultantes e produtores da inferioridade cognitiva auto-administrada das ciências sociais, para servir a missão do império.

Por uma sociologia abolicionista

As ciências sociais, embora desqualificadas, precisamente porque estão desqualificadas, são centrais na legitimação da missão imperial ocidental de exploração da Terra. A revalorização das ciências sociais, nomeadamente da independência da produção de conhecimentos em relação ao projecto imperial, pode vir a ser um resultado ou uma causa da emergência de uma nova atitude social perante a natureza. Alteração de atitude provavelmente inelutável perante a concretização cada vez mais ameaçadora dos riscos ambientais provocados pela acção imperial. 

Condições estratégicas para o desenvolvimento das ciências abolicionistas

O ensino está concentrado em oferecer respostas as crianças ensinadas a não incomodar com perguntas. Os estudantes estudam primeiro teorias antes de saberem a que elas respondem. Isso tem sido uma forma eficaz de desvalorizar e censurar as perguntas, já que estas só podem ser colocadas fora do âmbito escolar, como que clandestinamente e junto de parceiros igualmente sujeitos a ignorância e repugnância forçadas das teorias: aquilo que é produzido por génios que substituem hoje o Deus que entregou os dez mandamentos a Abraão. O mesmo Deus que nos terá autorizado, de acordo com a recitação imperial, a explorar a Terra como se fosse propriedade das elites. Cabe às ciências abolicionistas compreender e reverter os processos de censura intelectual que inibem as sociedades humanas de defenderem o meio ambiente.   

Império, conhecimentos e ciências

A ciência é a última das grandes lutas para desembaraçar o conhecimento das censuras levantadas pelos sucessivos impérios que, em contrapartida, tornam possível aumentar o conhecimento (Collins, 2005). Ciências e censuras apoiam-se mutuamente, produzindo o conhecimento socialmente reconhecível, a par de segredos, científicos, militares, políticos, económicos, de que dependem e que servem prioritariamente. Mas as lutas pela produção e reconhecimento dos conhecimentos são processos dinâmicos que reconstroem saberes e poderes em função das práticas de cada momento. Isso permite pensar a ciência que se faz marginalmente, aquilo que suporta a criatividade das ciências dominantes, como oportunidades de subversão dos conhecimentos e dos poderes, sobretudo à medida que estes falham seus planos e necessitam de aprender a recompor-se.

Contribuições para as ciências sociais centrífugas

As ciências são instrumentos de emancipação criados ao serviço da afirmação da missão imperial ocidental. Como todos os humanos e as suas actividades, as ciências são contraditórias e funcionam sob tensões que vão sendo aliviadas ou aumentadas. O século XIX imaginou essas tensões e a segunda parte do século XX representou-as na Guerra Fria, entre dois impérios. A globalização partiu do desejo de pacificação da humanidade, mas à custa da intensificação da exploração da Terra e dos recursos humanos. A experiência mostrou, através do aumento das misérias, das guerras e da concretização dos riscos de aquecimento global, que é essa intensificação, imposta pela lógica imperial, que deve ser ultrapassada. Assim, a transformação do mundo num sentido positivo para a humanidade requer uma orientação geral das ciências, as ciências centrífugas, capazes de aproveitar o que está feito e o reorientar de modo subtil, como o fazem as artes marciais, noutra direcção.

Contribuições para a sociologia abolicionista

Um dos efeitos psicológicos da síndrome de Estocolmo é a sensação de radical dependência das vítimas em relação aos algozes. Assim estão as ciências sociais, impedidas de continuar a procurar ser ciências de pleno direito, em relação às ideologias imperiais, de direita e de esquerda, que as disputam. Temerosas de represálias e com complexo de inferioridade, as ciências sociais seguem a sua rainha, a economia, ponta de lança que converte os resultados dos movimentos sociais anticlericais, de que surgiu a oportunidade de afirmação das ciências sociais, em confiança na economia por parte dos por ela sacrificados, os trabalhadores incluindo os imigrantes, os trabalhadores pobres ou desempregados, ensinados que os seus sacrifícios e as suas misérias se devem não à organização da concorrência, à custa da dignidade humana, mas antes aos concorrentes, pessoas ou nações.

As pessoas, não apenas as excluídas, são apresentadas em perfis científicos como se fossem uni ou bidimensionais prodo-consumidores (Marcuse, 1991), sem relação com o meio ambiente e as destruições bélica e industrialmente organizadas (Dores, 2014; Giddens, 1988). Estes constrangimentos das ciências sociais podem ser denunciados e ultrapassados pelo reconhecimento, valorização e organização das vertentes centrífugas da sociologia, a nível de conceitos, métodos e análises.

Do fatalismo

Abortar a missão imperial ocidental com o mínimo de desconforto e de violência será teoricamente preferível ao desconforto e violência com que a humanidade se vê confrontada hoje. Apesar da fama negativa do império, as ideologias políticas e as ciências, incluindo as ciências sociais, minimizam e distraem-nos a atenção desse mecanismo social hegemónico. Prova disso é o escasso tratamento do assunto, sobretudo a nível da conceptualização, nas ciências sociais. Há razões para acreditar que o projecto revolucionário de abertura do campo social à intervenção das ciências foi recuperado, a troco da sua expansão e profissionalização, incluindo a conversão das ciências sociais em apologistas tácitas da dominação imperial. As possibilidades de retoma das liberdades científicas nas ciências sociais contribuirão, eventualmente, para a denúncia e combate aos impérios.

As lutas contra os impérios em modernidade, sejam elas económicas, militares, institucionais ou culturais, sejam eles anti-esclavagistas, anti-clericais, comunistas ou anti-colonialistas, têm sido motivo de reafirmação do espírito imperial. O Iluminismo, o liberalismo e o positivismo, de base profissional, tornaram-se nacionalistas, utilitaristas e concorrenciais, escamoteando a continuidade e intensificação da exploração imperial da Terra e das pessoas em que laboram, e de que sofremos as consequências ambientais e sociais.

A aguda consciência ambiental, possibilitada pelos avanços da ciência meteorológica, geológica, biológica, criou a sensação de juízo final, sobretudo entre as gerações mais novas. As gerações mais escolarizadas de sempre, orientadas para as saídas profissionais individuais ao serviço de quem tenha algum projecto de investimento ou de controlo social, conscientes dos riscos ambientais, sociais e pessoais gerados pela acção colectiva, assistem à impotência para evitar mais crises ambientais, bélicas, financeiras, sociais, políticas. A razão, se isso existir, não está a servir para conduzir de forma útil, protectora, inteligente, os comportamentos humanos, individuais e globais.  

Para se generalizar, o estado de espírito imperial precisa de se confrontar com outros estados de espírito igualmente generalizados, como o profissional (para auto-governo identitário auto-limitado), de sacrifício (no trabalho), fatalista (na organização social, no consumo, na distribuição e na cultura).

As ideologias sacrificiais e expiatórias herdadas dos Romanos, através da Igreja Católica, no século XIX, foram inspiração para a construção de um orgulho trabalhista dos proletários que, apesar do terem adquirido muito poder e terem sido motivo de esperança, não conseguiram transcender o projecto imperial de exploração da Terra. Cederam ao nacionalismo e à concorrência que justificam o crescimento económico infinito, na verdade a necessidade imperial de se legitimar permanentemente

Sair do fatalismo

O processo de transferência da sede imperial ocidental para os EUA, no decurso da auto-destruição dos países capitalistas europeus pela II Grande Guerra, substituiu a exclusão aristocrática, até então praticada pelos estados liberais, pela integração funcional e diferenciada, especializada, de (quase) todos os movimentos sociais, em função de critérios de mérito económico, nacionalista e concorrencial.

Para sair do fatalismo criado pela nova lógica imperial, social e neoliberal, primeiro vivido como Guerra Fria e, depois do desaparecimento da URSS, sucessivamente como guerra contra as drogas, guerra preventiva, guerra contra o terrorismo islâmico, guerra contra os estados devedores, guerra contra o vírus da COVID 19, retomando mais recentemente a segundo versão da Guerra Fria, é indispensável compreender como as ideologias de esquerda (trabalhistas) se contrapõem às de direita (profissionais), escusando-se ambas, no calor da refrega, de atentar e contestar a organização social e institucional ao serviço da missão imperial de exploração da Terra/acumulação de riqueza e de recursos, incluindo recursos humanos (traduzida nas prioridades ideológicas do crescimento económico e da competição).

Referências:

Amaral, D. F. do. (2003). Do 11 de Setembro à crise do Iraque. Bertrand.

Barnérias, P., Réoutsky, N., & Cossé, C. (2020). Hold Up. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=Rt7OaTnUovE&ab_channel=PlanetView

Brown, M. (2009). Free entreprise and the economics of slavery. Real-Economics Review.

Castel, R. (1998). As metamorfoses da questão social – uma crónica do salário. Vozes.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Dores, A. P. (2013). A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida. Revista Angolana de Sociologia, 11, 35–50. http://hdl.handle.net/10071/6782; http://ras.revues.org/320

Dores, A. P. (2020). Estado Social Real. RCP edições.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Dumont, L. (1985). Homo Aequalis I – Genèse et épanouissement de l´ideologie économique (1a edição). Gallimard.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Frank, A. G., & Gills, B. K. (1993). The World System – five hundred years or five thousand? Routledge.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Iain Davis. (2020, June 3). A Conspiracy Theorist Confesses. Off-Guardian. https://off-guardian.org/2020/06/03/a-conspiracy-theorist-confesses/

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Queiroz, E. de. (n.d.). Os Maias. http://figaro.fis.uc.pt/. http://figaro.fis.uc.pt/queiros/obras/Maias/Maias_20001210.pdf

Robin, M.-M. (2021). Covid 19, La Fabrique des Pandémies. La Média. https://www.youtube.com/watch?v=FAzt-ZdVemM

Sayer, A. (2011). Why Things Matter to People – Social Science, Values and Ethical Life. Cambridge University Press.

Schahill, J. (2015). Guerras Sujas. Marcador.

Skidelsky, R., & Skidelsky, E. (2012). How Much is Enough? Penguin Books.

Vasselin, P., & Cuveiller, F. (2021). La fabrique de l’ignorance. ARTE. https://www.youtube.com/watch?v=6IGVqsnxCE0

Voltaire. (1795). Cândido ou o otimismo (Doutor Ralph, Ed.). http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/marcos/hdh_voltaire_candido.pdf

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search