A civilização binária

Familiares e amigos mostraram-se surpreendidos a respeito da minha mudança de curso de engenharia para sociologia. Não são mundos antagónicos, perguntaram? Na época da Renascença, as artes e as ciências circulavam nos mesmos meios. Hoje não é assim.
Quando li As Duas Culturas percebi que o problema calava fundo nas escolhas de civilização. O autor, Charles P. Snow, ficou surpreso pelo extraordinário sucesso de vendas. Não o soube explicar.
Há uma decisão fundadora de que se perdeu a memória e que foi naturalizada. A vida, determina essa decisão, faz-se de sucessivas escolhas de exclusão e especialização. Quem adora um deus, não pode adorar outros. Quem faz agricultura deixa de ser caçador-recolector. Quem é democrata não é autoritário. Quem é diplomata não é violento. Na prática, a realidade é complexa, contraditória, instável, como os seres humanos. Mas os dualismos com que se passou a representar a vida têm influencia nos comportamentos individuais e sociais. Quem opta por um caminho profissional já não deve voltar para trás, pois isso significa voltar ao início. Por exemplo, quem trata de economia não pode preocupar-se com os direitos humanos ou com o meio ambiente. Ou então muda de profissão.
O livro As Duas Culturas constata a separação entre os mundos literário e da física, ambos frequentados pelo autor. A sua proposta política para minimizar essa separação foi adoptada como recomendação internacional: que cada curso de ciências exigisse dos seus estudantes um quinto do currículo em disciplinas de humanidades. E que os cursos de humanidades exigissem cadeiras de ciências na mesma proporção. O sucesso da proposta foi meramente literário: não chegou a ter aplicação sistemática nas universidades.
Ao invés, as especializações escolares e académicas estimularam e aprofundaram o isolamento das carreiras profissionais e dos cursos uns dos outros, rivalizando por prestígio e financiamento entre si. As universidades formaram corpos de estudantes especializados em disciplinas e subdisciplinas que eventualmente formaram corpos de auto-defesa e auto-promoção profissional, como associações e ordens profissionais, apoiadas pelos estados na perspectiva de servir a economia. Charles Percy Snow (1905-1980) foi um físico, romancista e político inglês interessado em políticas de ciência e famoso por ser autor do livro As Duas Culturas, de 1959. No ano seguinte foi convidado para fazer uma palestra em Harvard sobre ciência e governação. A universidade publicou-a em livro. Queixa-se de o texto ter sido ignorado e esquecido.
As biografias de Snow na Wikipedia não referem a publicação de Harvard: destacam apenas o livro As Duas Culturas. Desde então, este continua a ser citado. O que foi e continua a ser tão atraente em tal noção? Porque é que o apelo à reconciliação de duas culturas é interessante? E porque insistem em manter-se desavindas essas duas culturas? Poderiam, deveriam, colaborar entre si? Porque é que a sugestão de Snow e de outros que repisaram a mesma ideia, como Mariano Gago, importante político de ciência em Portugal, não vinga, apesar de circular nos corredores do poder?
As duas culturas estão ancoradas à civilização. Há uma separação civilizacional entre os mundos da cultura e do trabalho, da teoria e da prática, réplica da diferença entre o mundo dos deuses e o mundo dos homens. Mas porque é que é comovente falar da reparação dessa separação? E porque é que a governação e as sociedades insistem em entender as ciências e as humanidades em modo antagonista? Porque que é que as respostas a estas perguntas são tão misteriosas?
Multi, trans, interdisciplinaridade e, mais recentemente, a interseccionalidade são orientações metodológicas usadas nas ciências para transpor fronteiras disciplinares reconhecidamente limitativas do pensamento e da acção. Porém, são tarefas de Sísifo. Esgotam-se no exercício. Tudo retorna ao modo disciplinar. Tal como a reconciliação das duas culturas, trabalhar além das disciplinas tem-se revelado um projecto atraente, mas estruturalmente inconsequente. As contradições entre as duas culturas mantêm-se.
E se as duas culturas fossem, mais precisamente, dois estados-de-espírito? O espírito artístico, um dos mais antigos que caracteriza a humanidade, e o espírito científico, um dos mais recentes tornado primeiro moda no Ocidente e depois conquistou o resto da humanidade. Partir desta hipótese ajudaria a encontrar respostas para as perguntas acima formuladas?

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

A conceptualização sociológica de estados-de-espírito, na perspectiva de actualizar as ciências sociais à era da Inteligência Artificial e as aproximar das ciências da natureza, ajuda a compreender o arquétipo cognitivo associado intuitivamente às Duas Culturas.

Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito

A evolução das ciências sociais para um patamar realmente científico de estudos beneficia da distinção entre os panos de fundo, entre os quais o estado-de-espírito, e as concretizações locais dessas características-necessidades humanas em tipos de estados de espírito culturalmente criados.

Construir identidades é optar entre estados de espírito

As identidades das diferentes entidades sociais, pessoas, grupos, organizações, civilizações, são reconhecíveis por conterem invariantes – arquétipos – que são alvos de esforços sociais de adequação às emoções vividas. Os estados-de-espírito são instrumentais nas mediações entre as vontades e as capacidades de manter e transformar a vida social.

Luta de classes e divisão das ciências são obra do império

A meritocracia é um aspecto escolar e profissional de uma política geral de dividir para reinar. Os aspectos laborais e cognitivos da meritocracia reforçam-se mutuamente. A linha divisória laboral-cognitiva é notória: separa com sentimentos de repugnância e de contrariedade a natureza da humanidade, os sítios de trabalho dos lugares de decisão, as massas das elites. Sentimentos confrontados tacitamente em As Duas Culturas.

Emoções manipuladas pelos impérios

A Grande Transformação realizada na primeira metade do século XX foi militar, burocrática, nacionalista, internacional e pode estar a esgotar as potencialidades da estratégia imperial adoptada. O ambiente de ódio ressurgiu um século depois. Purifica o amor à nação canalizando o ódio para o estranho fabricado pelos estados e pela ignorância.

Porque é que é comovente falar das duas culturas?

As ciências sociais herdaram da religião a retórica de esconder com uma mão aquilo que se faz com a outra e comover as pessoas com isso. A dualidade é uma retórica apropriada às emoções modernizadoras: belicista e simplificadora. A moral é substituída pelo moralismo, a consciência pelo alinhamento, a reflexão pela especialização. A religião institucionalizada, cuja função principal é religar as partes da sociedade em solidariedade, tem uma grande e antiga experiência em dividir para reinar e em reconfortar as vítimas de tais políticas, manipulando-as emocionalmente.

Interfaces, utopias e critérios de verdade

A pretexto de evitar a intromissão das ideologias, as ciências sociais têm-se reduzido a ciências centrípetas. Assim se distinguem das humanidades e se dividem em subdisciplinas cada vez que encontram uma dificuldade cognitiva, evitando confrontá-la. Assim separam tipos-ideais e dados como se fossem empiricamente autónomos. Assim se eterniza a separação entre a filosofia e as ciências para que estas possam servir as missões imperiais sem recuo crítico, sob a forma de tecnociências.

Estados de espírito

Estados de espírito é um conceito clássico da sociologia rejeitado pelas ciências sociais actuais, que se recusam a conceptualizá-lo. Fazê-lo parece incompatível com a hiperespecialização das ciências sociais paradas no caminho que deveria transformar a filosofia social em ciência. Mas poderá ser útil quando as ciências sociais se quiserem esforçar para se tornarem ciências complementares e articuladas com as ciências naturais.

Os estados de espírito e civilização

As Duas Culturas de Snow referem-se àquilo que distingue o estado de espírito dos artistas e o dos cientistas. Os estados de espírito são difíceis de descrever analiticamente e mais fáceis de compreender e sintonizar, quando a ocasião se proporciona a quem esteja devidamente educado. Para quem esteja envolvido no ambiente social apropriado, por frequentar meios artísticos ou científicos, tornar-se artista ou cientista pode parecer natural, como uma vocação. A inspiração necessária para começar a trabalhar é tanto mais incorporado quanto há mais tempo se está imerso no meio. O espírito imperial é hegemónico na vida política civilizada porque as sociedades modernas o naturalizaram, imaginando-o espontâneo. Porém, a natureza humana evolui historicamente – é essa a sua natureza particular, em contraste com a de outras espécies animais. Utiliza diferentes estados-de-espírito, como um mesmo computador também se comporta diferentemente quando usa diferentes programas.

Da racionalidade redutora das pessoas a recursos humanos

A racionalidade está carregada de emoções, apesar de a retórica moderna exigir o contrário. A separação entre razão e emoção, como se fossem dois mundos ou dois sistemas oponíveis, funciona porque é comovente. É emocionalmente que aprendemos a dividir-nos a nós mesmos em pessoas frias, profissionais, para cumprir objectivos, eventualmente sem olhar a meios, e pessoas conscienciosas e humanas na vida privada ou quando nos repugna usar os métodos profissionais que nos são impostos. Quando nos acontece um ataque da consciência, podemos precisar de ajuda psiquiátrica para continuar. Precisamos de ajuda para gerir as dissonâncias emocionais e cognitivas. Em alternativa podemos desistir de nos adaptarmos à posição social adquirida e procuramos outra, inventar outra. Para o efeito precisamos de construir ou integrar novas identidades-comunidades.

Dualidade de estados de espírito científicos

A ciência observa panos de fundo, substratos universais (Schofield, 2018), para lá das três dimensões observáveis à vista desarmada, como a gravidade. Mas isso continua a ser difícil de fazer para o vulgo, incluindo nas escolas, nas universidades, nas profissões. A ciência ensinada é centrípeta, especializada, profissionalizante. Isso é mais fácil para o senso comum, mas limita o avanço das ciências no seu aspecto centrífugo, o mais libertador.

O predomínio do espírito dos números

Supiot caracteriza a globalização por ser dominada pelos cálculos digitais, binários, desvalorizando os aspectos ternários, dialécticos, de contextualização do pensamento. Isso corresponde à confluência entre os regimes capitalistas e comunistas naquilo que têm ambos de desumanizante. Os interesses cujos valores – comunistas ou capitalistas – são neutralizados pelos cálculos económicos devem passar a ser ponderados por critérios de justiça social e ambiental. O autor denuncia o cientismo como uma ideologia que promove e sustenta o aquecimento global produzido pelo trabalho humano com direitos minimizados.
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search