Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios

A modernidade caracteriza-se por acelerar as transformações sociais (revoluções orientadas para a exploração da Terra) e pela razão, i.e., o aumento da capacidade de planeamento do controlo dos processos de transformação social induzidos e necessários para tal finalidade. O projecto humanista – de equiparar o Homem a Deus – inclui a diferenciação das sociedades, autonomizadas dos estados e dos mercados, e separadas das elites e dos criminosos, dois aspectos do mesmo processo de estigmatização culposa que alivia a sociedade da imoralidade quotidiana.

“Querida” foi a expressão usada por um homem já na terceira idade para exprimir irritação contra uma jovem mulher. Ensaiou condescendência sábia e funcionou para o auditório. A jovem ficou no seu lugar. Uma reacção sua iria desviar a atenção do auditório do tema em apreço na sua direcção, o que a colocaria à mercê da irritação conjunta de dois agressores: o idoso e o auditório.

Semanas depois foi o tempo certo. Atirou: “Não voltas a tratar-me por querida!” Cara a cara, o agressor teve oportunidade de reconhecer a falta. Tinha aproveitado o machismo vigente, ainda que se imaginasse atento e capaz de o evitar, ou até denunciar. É banal o uso do machismo mesmo entre pessoas que gostam e querem considerar-se feministas.

Também Camões, avesso ao racismo, mesmo na miséria em que morreu, manteve um escravo ao seu serviço (Gomes, 2019), como era habitual na época.  

Os hábitos sociais, as estruturas sociais, são relativamente independentes das aspirações e desejos das pessoas e até das sociedades. Os movimentos de contestação são a prova disso: permanentemente, por vezes explicitamente, sempre de forma latente, as pessoas, individual e colectivamente, separam as respectivas identidades produzidas das esperanças, expectativas, ambições que projectam no futuro (Corballis, 2011). As mudanças sociais, sejam elas reaccionárias, progressivas ou revolucionárias, são estruturalmente limitadas e condicionadas pelo passado incorporado em cada um, sob a forma de identidades recorrentes e resilientes, sobretudo nos mais velhos. As relações sociais, sejam as que estão institucionalizadas, sejam os envolvimentos pessoais em movimentos sociais, são indispensáveis tanto ao reconhecimento da existência de protagonistas capazes de manterem a ordem e cumprirem as mudanças nas suas vidas pessoais e sociais, como ao controlo dos hábitos sociais em crise para que as aspirações sejam realizadas.

A ambiguidade das mudanças sociais, a trabalhar entre os hábitos e as aspirações, gera consequências inesperadas e não planeadas, como gera mudanças aparentes para que tudo fique na mesma. A consciência das práticas em curso é procurada, mas falível. A atenção humana é limitada e não consegue manter em mente mais do que alguns aspectos da realidade, entre o que as práticas pessoais e sociais são apenas um aspecto. Mesmo a prática da psicologia apoiada na interacção com especialistas exige muito trabalho e é de resultados imprevisíveis para quem é alvo da análise. Sobretudo, exige uma disponibilidade para a mudança que é facilmente simulada ou dissimulada, fazendo perder tempo, adiar e reorientar os planos de transformação pessoal e social (Peck, 2001).

Autonomização da política

A política é a autonomização de um nível de realidade social capaz de servir as elites no sentido de negociar, através da prática profissionalizada da dissimulação ideológica, as transformações sociais desejadas. Por um lado, a política repugna por isso mesmo – não se pode confiar nos políticos – e, por outro lado, é indispensável para evitar (ou organizar) o conflito e a guerra. Tal é a tensão entre a história incorporada nas pessoas e sociedades e o futuro das mesmas em permanente construção.

A política diferenciou-se de outras esferas da prática social, tornando-se uma coutada masculina. As lutas pela igualdade de direitos exprimem o direito das mulheres também nesse aspecto. Sinalizam o desejo de realização de expectativas, e também a sua frustração, através de políticas de quotas para atingir a paridade de sexos em lugar de chefia. Esta forma de focar os desejos de igualdade distrai de necessidades quotidianas mais profundas, como as expressas no episódio acima descrito, e outras, como abolir a luta de classes ou o racismo ou o alheamento das necessidades existenciais das pessoas com necessidades especiais.

O campo dos direitos humanos, feito de recomendações legais aprovadas e desrespeitadas pelos estados, é apenas um exemplo da distância entre os desejos escritos e consensualizados e as práticas organizadas intencionalmente pelas administrações com o consentimento, eventualmente incentivo, das elites e dos populares. As penitenciárias talvez sejam, a par das esquadras, instituições de acolhimento de crianças e jovens em risco, de refugiados e de imigrantes, o exemplo mais claro de como as finalidades anunciadas como desejos consensualizados politicamente não correspondem sequer às intencionalidades dos dirigentes, dos profissionais, das vítimas e das sociedades.

Na comunicação social, sobretudo a que dá voz aos políticos, os presos não têm voz (Dores, 2013). Os presos são conhecidos pelos funcionários e guardas como gente que manipula as regras e as outras pessoas para obter certos fins, sem os declarar. Os políticos são conhecidos pelas sociedades como estando habituados a fazer o mesmo. É isso que torna, uns e outros, repugnantes. Ambas as funções sociais servem de bodes expiatórios, de contraste com a vida quotidiana. São modos complementares, acima e abaixo, de as sociedades, já que lhes é difícil tomarem consciência da distância quotidiana entre identidades e hábitos, de um lado, desejos e moral, do outro lado, projectarem para cima (nas elites) e para baixo (nos mundos do crime) as mentiras que servem para relativizar e conservar as incoerências das quais vivemos, como se tivéssemos razão.

Referências:

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2013). A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida. Revista Angolana de Sociologia, 11, 35–50.

Gomes, A. M. (2019). Bárbora e o Jau: a escravatura em Camões. In M. R. P. C. Pimentel & M. D. R. Monteiro (Eds.), Estudos e Documentos (n. 26, pp. 63–74). CHAM – Centro de Humanidades | Húmus. Encontrado a 20.12.2021 em https://research.unl.pt/ws/portalfiles/portal/17564738/Senhores_e_Escravos_DIGITAL_63_74.pdf

Peck, M. S. (2001). Gente da Mentira. Sinais de Fogo.

Outros posts que tratam a natureza humana:

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Por uma sociologia dos estados-de-espírito

A sexualidade do império e os abusos de poder

O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador

Sociedade e sacrifício

Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito

A natureza humana e as gerações

Natureza humana, justiça, civilização e instituições


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (24 de Dezembro de 2021). Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvo5


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search