Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei

Em meados dos anos 80 licenciei-me em sociologia e tornei-me imediatamente professor de sociologia, até hoje. Fui ensinado e ensinei a como (re)integrar pessoas excluídas na sociedade. Em 1997, fui cofundador da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento. Durante 20 anos denunciei situações injustas, algumas criminosas, que se passaram nas prisões, tendo sido reconhecido por isso. Várias vezes e de diversas maneiras fui medalhado, sob a protecção do meu estatuto social privilegiado.

Ainda no século passado tropecei na palavra abolicionismo, a respeito das prisões. Mas logo verifiquei ser incapaz de responder ao último reduto do punitivismo, “o que fazemos aos criminosos?” Porém, essa incapacidade minha não resolvia o problema: as penas de prisão são criminógenas, como já tinha notado António José Saraiva a respeito da Inquisição, muitas actividades policiais e jurídicas inventam as condições nas quais podem alegar haver crimes, mesmo onde não os haja.

Em 2016 reformei-me do activismo, sem dúvida útil para apoiar as lutas dos presos pela justiça e para me ensinar as coisas básicas da vida e da morte. Nessa altura já tinha lido Louk Hulsman de quem aprendi que abolicionistas somos todos os que perante uma injustiça procuram remediá-la. Não pertencemos é a nenhum partido e, também por isso, a eficácia social do abolicionismo deixa muito a desejar.

Dediquei o meu tempo assim liberto a pensar, com o que aprendi da sociologia. Qual será o erro quando se pensa que a sociologia serve para integrar as pessoas nas sociedades? Em 2019 dei por finda essa minha pesquisa, com resultados que me têm feito feliz: tenho programa de produção intelectual para o resto da minha vida. Ser sociólogo abolicionista significa ter a coragem de reconhecer que o estado, o financiador da minha vida confortável, está envolvido num processo de dissimulação da sua verdadeira missão, todavia pública: explorar a Terra para alimentar impérios. Para tal, usa e abusa das pessoas que não se podem defender, incluindo os presos. Incluindo, na verdade, todos ou quase todos nós. Presos são eles; presos estamos nós.

Mentalmente liberto da missão do meu empregador, fui à descoberta de como a sociologia, as ciências sociais, as ciências naturais, estão presas, como todos nós. Encontrei uma resposta trivial: as políticas científicas servem para formatar as ciências, reduzindo-as a processos centrípetos de hiperespecialização profissionalizada. A libertação das ciências é tão urgente para as políticas abolicionistas, e para o bem-estar da humanidade, quanto o é o abandono das políticas globais punitivistas. Eis a minha contribuição para os trabalhos de reeducação do século XX

Referências:

Dores, António Pedro. Associação Contra a Exclusão Pelo Desenvolvimento – ACED. 2004-2016.

—. “Medalha”, sítio pessoal e profissional na internet.

—. “Para Que Serve a Sociologia?” Hypotheses, 2014-2019.

—. Estado Social Real. RCP edições, 2020.

—. “Presos São Eles; Presos Estamos Nós.” Revista Eletrônica Da Faculdade de Direito Da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), vol. 4, no. 1, 2018, pp. 13–46, doi:10.15210/rfdp.v4i1.

—. “Libertação Do Império – Por Uma Sociologia AbolicionistaHypotheses, 2019.

—. Reeducar o Século XXI: Libertar o Espírito Científico. Lisbon International Press, 2021.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Dezembro de 2021). Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvo4


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search