Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei

Em meados dos anos 80 licenciei-me em sociologia e tornei-me imediatamente professor de sociologia, até hoje. Fui ensinado e ensinei a como (re)integrar pessoas excluídas na sociedade. Em 1997, fui cofundador da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento. Durante 20 anos denunciei situações injustas, algumas criminosas, que se passaram nas prisões, tendo sido reconhecido por isso. Várias vezes e de diversas maneiras fui medalhado, sob a protecção do meu estatuto social privilegiado.

Ainda no século passado tropecei na palavra abolicionismo, a respeito das prisões. Mas logo verifiquei ser incapaz de responder ao último reduto do punitivismo, “o que fazemos aos criminosos?” Porém, essa incapacidade minha não resolvia o problema: as penas de prisão são criminógenas, como já tinha notado António José Saraiva a respeito da Inquisição, muitas actividades policiais e jurídicas inventam as condições nas quais podem alegar haver crimes, mesmo onde não os haja.

Em 2016 reformei-me do activismo, sem dúvida útil para apoiar as lutas dos presos pela justiça e para me ensinar as coisas básicas da vida e da morte. Nessa altura já tinha lido Louk Hulsman de quem aprendi que abolicionistas somos todos os que perante uma injustiça procuram remediá-la. Não pertencemos é a nenhum partido e, também por isso, a eficácia social do abolicionismo deixa muito a desejar.

Dediquei o meu tempo assim liberto a pensar, com o que aprendi da sociologia. Qual será o erro quando se pensa que a sociologia serve para integrar as pessoas nas sociedades? Em 2019 dei por finda essa minha pesquisa, com resultados que me têm feito feliz: tenho programa de produção intelectual para o resto da minha vida. Ser sociólogo abolicionista significa ter a coragem de reconhecer que o estado, o financiador da minha vida confortável, está envolvido num processo de dissimulação da sua verdadeira missão, todavia pública: explorar a Terra para alimentar impérios. Para tal, usa e abusa das pessoas que não se podem defender, incluindo os presos. Incluindo, na verdade, todos ou quase todos nós. Presos são eles; presos estamos nós.

Mentalmente liberto da missão do meu empregador, fui à descoberta de como a sociologia, as ciências sociais, as ciências naturais, estão presas, como todos nós. Encontrei uma resposta trivial: as políticas científicas servem para formatar as ciências, reduzindo-as a processos centrípetos de hiperespecialização profissionalizada. A libertação das ciências é tão urgente para as políticas abolicionistas, e para o bem-estar da humanidade, quanto o é o abandono das políticas globais punitivistas. Eis a minha contribuição para os trabalhos de reeducação do século XX

Referências:

Dores, António Pedro. Associação Contra a Exclusão Pelo Desenvolvimento – ACED. 2004-2016.

—. “Medalha”, sítio pessoal e profissional na internet.

—. “Para Que Serve a Sociologia?” Hypotheses, 2014-2019.

—. Estado Social Real. RCP edições, 2020.

—. “Presos São Eles; Presos Estamos Nós.” Revista Eletrônica Da Faculdade de Direito Da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), vol. 4, no. 1, 2018, pp. 13–46, doi:10.15210/rfdp.v4i1.

—. “Libertação Do Império – Por Uma Sociologia AbolicionistaHypotheses, 2019.

—. Reeducar o Século XXI: Libertar o Espírito Científico. Lisbon International Press, 2021.



Citar este post
Antonio Dores (2021, 4 Dezembro). Testemunho de um sociólogo abolicionista em que me tornei. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvo4

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search