Será a discriminação um projecto científico?

David Graeber e David Wengrow (2019) contestam o evolucionismo aplicado às sociedades humanas. Foram à procura de onde surgiu essa ideia e descobriram que ela não existia antes do século XVI. Aquando dos primeiros encontros com os ameríndios, estes eram ouvidos com atenção, ao contrário do que passou a acontecer mais tarde. A ideia de os indígenas serem seres humanos mentalmente incapazes foi uma construção social moderna.

Durkheim (2002 [1912]) refere-se às formas elementares da vida religiosa entre os aborígenes australianos. Presume que pensam de forma elementar e primitiva. Nota o uso profano e religioso dos mesmos territórios, conforme a época do ano. Quando as famílias vivem isoladas e quando se organizam os grandes encontros tribais, os mesmos espaços mudam de nome e de função, de uma época para a outra. Estes e outros dados arqueológicos e antropológicos, referem Graeber e Wengrow, mostram sociedades humanas capazes de recriação sazonal de modos alternativos de conviver, hierarquizados ou igualitários, por exemplo. As sociedades modernas criam espaços institucionalmente diferenciados, mais ou menos hierarquizados (como as empresas) ou igualitários (como algumas famílias), mas são estruturalmente mais rígidas. Para mudar de estrutura fazem-no de forma dramática e violenta, ao contrário do que acontecia regularmente nas sociedades não modernizadas.

O evolucionismo que contestam é o evolucionismo determinista, que presume que o estado social que encontramos hoje é o melhor dos mundos possíveis, resultado de um progresso teleológico. Nas suas alegações, identificam o tempo, o lugar e a motivação para a produção desse determinismo, interrompendo o diálogo anterior com os “selvagens”.

As lutas contra o racismo na biologia, efectivamente tomada pelo determinismo evolucionista que validou cientificamente a razão de ser das discriminações sociais no século XX, moldaram o evolucionismo que fundou a biologia. Não é por acaso que os movimentos neo-nazis passaram a recorrer, no século XXI, às diferenças culturais para justificar as suas opções emocionais e políticas. É que a biologia tratou de negar cientificamente as bases do racismo (a raça humana é só uma) e as políticas de integração social orientadas pelas ciências sociais não prescindiram, nem prescindem, de usar as discriminações, nomeadamente culturais, reforçando-as (independentemente das intenções e consciências dos políticos e dos profissionais que as aplicam no terreno), seja às ordens do multiculturalismo ou da assimilação.

A banalização acrítica da definição de sociedade moderna e nação, como o conjunto de pessoas sob as ordens de um determinado estado, faz da discriminação dos estrangeiros uma âncora utilizada pelo racismo e pelo neo-nazi-fascismo. A presumida unicidade cultural das nações, e dos respectivos modos de vida, na verdade inventada e imposta por processos propagandisticos e repressivos dos estados, e o abandono da intenção política de livre circulação de pessoas prometida pela globalização, abriram campo à sempre mais gravosas crises de direitos humanos dos migrantes e refugiados. Procurar sobreviver às guerras tornou-se um crime tratado cada vez mais com muros sem vergonha.

As populações prisionais não param de aumentar e a perseguição às pessoas indocumentadas usa técnicas de criminalização para dissuadir, sem resultados, os imigrantes não autorizados. Os estados tomam, contra direito, grupos socialmente discriminados para confirmar essas discriminações preconceituosas, acusando-os de criminosos, apesar de todos os cuidados doutrinalmente previstos para julgar casos e não pessoas, sem preconceitos e de acordo com leis aplicáveis a todos por igual.

Em homenagem a David Graeber, precocemente desaparecido

A acusação teórica, lançada por Graeber e Wengrow, de haver algo de essencialmente errado com o evolucionismo é destruidor da biologia e benevolente com a antropologia e a arqueologia, campos profissionais dos autores. Não há ciência isenta de manipulação ideológica. As ciências sociais, precisamente por não serem ciências como as ciências naturais, são particularmente volúveis a tais manipulações. A benevolência profissional dos cientistas sociais relativamente ao papel das ciências sociais nas sociedades modernas pode e deve ser interpelada (Dores, 2021).

O facto de o evolucionismo ter sido utilizado para fins racistas, não quer dizer que tal uso seja obrigatório, nem que o evolucionismo cientificamente produzido seja facilitador de tais usos. Do mesmo modo que o determinismo que foi usado pelo movimento operário na época de maior sucesso e determinação deve ser criticado por ser falso, como bem notaram Graeber e Wengrow.

Do mesmo modo que sazonalmente as sociedades podem mudar de estrutura social, como as cobras mudam de pele, também a mesma teoria, em época histórica diferente, pode ser enquadrada de modo diverso. Evolucionismo e determinismo são diferentes no século XIX, em que foram aliados inspiradores dos partidários das transformações sociais, e no século XXI, em que a biologia resgata o evolucionismo do determinismo (Damásio, 1994) e as ciências sociais se mantém deterministas, discriminatórias, ainda que críticas, sem serem capazes de fazer a sua auto-crítica.

Para a autocrítica das ciências sociais, na política e nas universidades

As ciências sociais separam aquilo que é inseparável: a natureza da natureza da humanidade. Para manter esse nonsense, as ciências sociais organizam-se em cascata, subdividindo-se em disciplinas e sub-disciplinas, em dimensões, partes, níveis, povos, nações, estados e o mais a se possam agarrar, de modo a tornar irreconhecíveis as sociedades humanas e as suas relações com o meio ambiente. Disso se queixaram Luhman (2010), Lahire (2012), Latour (2014), entre outros.

A separação entre ciências naturais e ciências sociais não deve ser usada para passar os erros e as culpas de teoria em teoria, de disciplina em disciplina, de ideologia em ideologia, em vez de tratar de assumir as responsabilidades próprias da ciência.

As ciências sociais tornam-se incompreensíveis por tornarem incompreensível as discussões, de facto raras, sobre o que seja a sociedade. Recusam discutir o que seja a natureza humana, alegando incompatibilidade entre a natureza e a cultura, o meio ambiente e a humanidade, cujos resultados práticos estamos a viver na era do aquecimento global e do Antropoceno.

Assim se apresenta a ciência centrípeta. Porém, do mesmo modo que as sociedades estudadas por Graeber e Wengrow se estruturam de maneiras diferentes e incompatíveis entre si, sazonalmente, também a ciência centrípeta pode alternar com a ciência centrífuga, a ciência que procura fixar perguntas difíceis e não desistir delas, em vez de servir com receitas pré-fabricadas e politicamente validadas os interesses dos financiadores.

A ciência centrífuga resiste às ideologias e, portanto, à condenação de uma ou outra ideologia, de uma ou outra teoria. Ao invés, procura pontes entre teorias, ideologias, disciplinas, níveis, dimensões e tempos de realidades que se sucedem entre si, de forma contraditória.

A biologia, e a teoria evolucionista que a funda, pode e deve ser acusada de ser discriminatória, sob certas formas e circunstâncias. Mas não se compreende que o mesmo não se aplique às ciências e teorias sociais e à sociedade, ela mesma.

No século XVI não terá sido apenas um utilizador e precursor do evolucionismo que o mobilizou para legitimar o racismo, como hoje está incorporado nas sociedades modernas. Terá sido necessário que esse utilizador do evolucionismo tenha sido entendido e socialmente reconhecido como sinal das predisposições existentes entre os seus leitores. A prova documental do uso da teoria evolucionista para promoção do racismo, carreada pelos autores, mostra o momento da invenção literária. O seu sucesso histórico e comercial presume o acordo informal previamente produzido no público que se reviu nela, literariamente simbolizado e reforçado.

As sociedades tradicionais podem adaptar a respectiva organização política às estações do ano. As sociedades modernas impõem as suas regras indiferentes às estações do ano e ao meio ambiente. Os potlachs e os jubileus tornaram-se impraticáveis. As sociedades submetidas aos ditames da Fé e do Império, lançados com sucesso no século XV, trabalham mecânica e sacrificadamente para acumular riqueza e poder infinitos nas mãos das elites.

Embora grande parte da sociedade esteja reduzida a recursos humanos, as pessoas ansiosas por partilhar a fé imperial, desprezam os seus corpos que sacrificam ao trabalho. Glorificam as inteligências imorais de heróis exploradores e opressores.

Graeber e Wengrow comparam a actual rigidez social com a plasticidade política de sociedades não modernas. Protestam contra o evolucionismo que apresenta a adaptabilidade tradicional como uma limitação, quando, ao contrário, é uma virtude. Mas não notaram que foi, e continua a ser, o determinismo, misturado ou não com o evolucionismo, que serve de base à teoria da superioridade ocidental no mundo e à ânsia de crescimento abstracto e indefinido.

Os autores não questionam o papel das ciências centrípetas, produto tardio do sucesso político e económico do império ocidental. Porém, esse tipo de ciências é usadas nas escolas e universidades, em quase exclusividade, para nos convencer da superioridade imaginária das especializações profissionais que nos dão identidades sociais, com sacrifício das nossas sensibilidades pessoais domesticadas, sublimadas, reprimidas, educadas. As socializações modernas moldam-nos as personalidades e as ciências são reduzidas ao papel de serventuárias do império, dos financiadores e das suas elites.

A rigidez social (Marcuse, 1991), que obriga tudo à volta a adaptar-se a ela, é típica de uma missão imperial autoritária e ignara, exploradora em vez de respeitadora do meio ambiente e da humanidade, servida por uma ciência centrípeta, uma tecnociência ao serviço das guerras das elites. Essa ciência pode e é revertida, aqui e ali, por práticas centrífugas (Schofield, 2018).

Graeber e Wengrow caem no engodo de atacar a biologia, uma ciência rival, usando uma fase da sua história, ao mesmo tempo que notam a omissão do reconhecimento moderno das capacidades de auto-determinação, a liberdade experimentada em sociedades não modernas, através de um processo semelhante: omitir a plasticidade do objecto referenciado.

As ciências, as teorias, as pessoas, as sociedades não são unidimensionais. É a missão imperial de explorar a Terra que reduz a humanidade a recursos humanos. É a sua dinâmica que oprime a liberdade da generalidade das pessoas, a dos profissionais e das ciências também. Mobiliza tudo e todos para as finalidades desenhadas incontestadamente pelas elites: o crescimento infinito de tudo.

Cabe às ciências centrífugas mostrar a incoerência das sociedades e das pessoas, como fazem Graeber e Wengraw. É preciso continuar esse protesto contra as ideais modernistas e reconhecer as incoerências das teorias e das ciências, em particular as usadas por eles. Cabe às ciências levantar questões, em particular sobre a função social das ciências, e ter atenção à qualidade opressiva, repressiva, estigmatizante das práticas sociais e, também, das práticas científicas.

A discriminação contra o que é imaginado ser inferior ao moderno, como os indígenas, os migrantes, os pobres, os presos, as ciências sociais em relação às ciências naturais, resulta da missão semi-milenar imperial, como Graeber e Wengrow verificaram. Atribuir ao evolucionismo, à biologia, o essencial do processo de discriminação civilizacional é redutor e, sobretudo, é cair no erro de discriminar ciências entre si, em vez de fazer pontes.

Referências:

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Durkheim, É. (2002). As Formas Elementares da Vida Religiosa (1a edição). Celta.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2019, December 22). Myth of the Stupid Savage. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=EvUzdJSK4x8

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Latour, B. (2014). Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. Revista de Antropologia, 57(1).

Luhmann, N. (2010). Globalization or World society: how to conceive of modern society? International Review of Sociology:Revue Internationale de Sociologie, 7(1), 67–79. http://dx.doi.org/10.1080/03906701.1997.9971223

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search