Essências e sistemas

Resumo: A divisão de trabalho que separa os cientistas dos estudantes e do vulgo coarcta as liberdades que a ciência poderá favorecer. Reorientar as ciências para a libertação será uma tarefa mental-individual ou de política institucional? Que critérios de verdade podem avaliar as utopias, os nossos desejos? Como ultrapassar a brecha entre as representações e a realidade?

Newton desenhou o universo como uma essência matemática, algoritmo que programa um sistema mecânico: a lei da gravidade universal, como num relógio, daria dinamismo eterno a um jogo de astros celestes bem delimitados. O alquimista Newton tornou-se o primeiro cientista, dado o acolhimento social do seu trabalho (Fara, 2009).

O problema da essência é que ou é explicada – de onde vem a sua energia estruturada – ou parece-se com Deus, um mistério insondável. O problema dos sistemas animados por essências é que contam com limites que são tão misteriosos como Deus: são mais formas de designar aparências do que referência a substâncias. Que os buracos negros ou as galáxias acabam em algo espaço-tempo pode ser mais uma dificuldade de explicação das aparências do que uma realidade. Sem o impacto cósmico de cada nebulosa e de cada buraco negro, o que restaria do universo? Nem os neutrinos nem as ondas gravitacionais e outras coisas que preenchem o vazio universal, que afinal só é vazio por não é aparente aos nossos sentidos, são o resto do universo: são partes de um sistema cuja essência e cujo âmbito nos escapa, mas que só existe em totalidade (outra vez Deus?).

A teoria quântica parte do princípio da existência de duas essências (massa e energia, partículas e comprimentos de onda ou estado de agitação das partículas) que se associam e são mutuamente substituíveis para efeitos de radiação de energias e sistemas de matéria. Tal como em Newton, há premissas teóricas traduzidas em potências abstractas que são reduzidas na prática a expressões empíricas em transformação.

Na astrofísica, a teoria do Big Bang identificou uma essência fundadora desconhecida que origina a expansão do sistema universal com as suas leis da física particulares. Não é possível observar as fronteiras do nosso universo, mas suspeita-se que elas existam, quiçá sob a forma de buracos negros, e que, portanto, haja outros universos com outras leis físicas. Isto é, a matemática é um produto cultural arbitrário que nos tem servido para identificar essências desconhecidas, como massas e energias típicas do nosso universo, mas não de outros. Por isso, em certas circunstâncias, a massa pode aparecer como energia e vice-versa, em parte dependendo da subjectividade do observador. Os mistérios decorrem pelo menos da nossa incapacidade de percepção de certos aspectos da realidade, e porque a nossa capacidade de focar a atenção tem limites. Mistérios e limites da nossa compreensão decorrem de os observadores também fazerem parte do sistema que evolui no espaço e no tempo experimentados pelas capacidades de percepção e atenção dos observadores irremediavelmente fixados no interior, cujo exterior é inacessível.

A vida é um caso particular de sistemas que ocorrem na Terra a partir de condições ambientais raras. A essência que distingue a vida do resto da matéria-energia é a homeostasia (Damásio, 2020) realizada sob a forma de uma combinação de água e carbono capaz de replicar sistemas – corpos fechados por fronteiras de massa moldáveis, resistentes às energias internas e exteriores e irradiando energias de diversas intensidades, níveis e eficácia. A vida transforma rapidamente massas e energias em outras configurações como maneira animar reactivamente o meio ambiente e as outras formas de vida.

Ao contrário do que imaginaram as teorias mecânicas, a estabilidade eterna não existe. Ou melhor, ela é apenas relativa ao interesse e atenção do observador. Face à nossa pequenez e vulnerabilidade, o universo é na prática eterno, pois já existia antes do surgimento da vida e existirá, presumivelmente, muito depois da humanidade ser extinta na Terra. Porém, não é apenas a vida que evolui sob diversas formas, sobrevivendo umas e extinguindo-se outras. Também as estrelas e as galáxias nascem crescem, entram em decadência e se extinguem a escalas difíceis, mas não impossíveis de imaginar.

Há uma dinâmica cognitiva que separa e cruza teorias e experiências essenciais e sistémicas, difusoras e estabilizadoras, como a energia e a massa, a revolução e as instituições, as potencialidades e as realizações práticas.

A esperança potencia as potencialidades e relativiza a estabilidade das realizações práticas. A resignação potencia as instituições e censura as esperanças nas potencialidades que as instituições deveriam realizar.  

Referências:

Damásio, A. (2020). Sentir e Saber. Círculo de Leitores.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (16 de Junho de 2024). Essências e sistemas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11u15


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search