Ciência centrífuga aplicada às sociedades humanas

O modo centrífugo de fazer ciência completa a ciência centrípeta, dominante, também conhecida por tecno-ciência. Contraria a recusa censória que inibe e minimiza os estudos de substratos universais ou panos de fundo (Schofield 2018). Como um atirador especializado se concentra nas tecnicidades das armas para se distrair emocionalmente dos efeitos dos disparos feitos para tirar a vida dos seus alvos (Collins 2008: 370-412), também os cientistas profissionalizados são sistematicamente chamados a especializarem-se em detalhes disciplinares cujos contextos desconhecem e, portanto, cujas dinâmicas inter-níveis e inter-dimensões se tornam obscuras, sendo explicadas como se fossem excepcionais ou mesmo inexistentes. Como dizem os tecno-cientistas e bastantes trabalhadores sociais, as sociedades alvo de inovações técnicas e políticas resistem às mudanças, em vez de se afeiçoarem a elas.  

Em vez de apenas aprofundar as hiper-especializações, a ciência centrífuga recorre a todos os conhecimentos, especialmente os científicos, para avançar nas explicações sobre o mundo tal qual existe, mesmo quando se prefere negá-lo por razões ideológicas ou de conveniência. Há as propostas de pensamento planetário (Clark and Szerszynski 2021) e de Big History (Christian 2021) que reconhecem as vantagens de usar a geologia e a astronomia para compreender a acção humana. Ideologicamente livres ou alinhados, há cientistas a sentir e acompanhar a necessidade cognitiva de escapar às ciências centrípetas.

Para reforçar essa linha, fará sentido retomar tradições sociológicas de considerar a biologia (Mead 1924) para a integrar nos estudos das teorias sociais. Isso requer substituir o estudo das sociedades presentes, divididas aos bocados, por estudos da experiências milenares da espécie humana (Graeber 2011; Fara 2009; Frank and Gills 1993; Morris 2013; Federici 2017; Elias 1990; Eisenstadt 2008; Girard 1978; Diamond 2008).  

Os extraordinários avanços da ciência nas últimas décadas devem-se, evidentemente, aos extraordinários investimentos, legitimados em grande medida pela necessidade dos estados, em particular os mais poderosos, de se manterem atentos aos perigos que os conhecimentos científicos podem representar, em termos bélicos. Uma parte importante dos orçamentos de defesa são para produzir e estar a par da ciência que se faz. Tais orçamentos são uma parte muito importante dos fundos para fazer ciência, cujas patentes são comerciais e segredos militares.

As ciências sempre foram actividades internacionais, na senda das actividades aristocráticas, teológicas ou universitárias. Destas se destacaram por privilegiarem o espírito das descobertas, das novidades, da produtividade, que paulatinamente se congregaram no espírito moderno. As ciências, como todas as filosofias ou modos de pensar (Collins 2005; Foucault 1999), são instrumentais para os poderes do dia. O que significa que são atravessadas pelas intromissões e os interesses dos promotores e financiadores das actividades científicas. No pós-guerra, com a Guerra Fria, as ciências tornaram-se instrumentos críticos de guerras imperiais, como já tinham sido no século XVI, quando surgiram. É, portanto, útil considerar o império e o seu poder para entender o sentido das intromissões e dos interesses embrenhados na evolução e crescimento da ciência (Dores 2021).

Os impérios têm uma história de meia dúzia ou mais de milhares de anos. Alguns duraram muitas centenas de anos. Pode conceber-se que o império, uma vez inventado, apesar dos contratempos, voltou a reactivar-se em larga escala, sucessivamente, herdando e somando as técnicas e estratégias de dominação mais efectivas, historicamente testadas e memorizadas.

Há um fascínio inato, ou pelo menos incorporado, em muitos (todos?) os turistas que procuram monumentos. Procuram obras que manifestam a presença de poderes imperiais espalhada pelo planeta. Império não é só uma hierarquia de relações sociais tipificadas. Isso é a consequência da existência do império, um sintoma. O império é mais subtil e persistente que os seus sintomas. É como um vírus para uma doença que pode, ou não, provocar consoante o meio, isto é, a disposição social.

Uma das características dos impérios é a sua capacidade para integrar e aliar modos de vida muito diferentes entre si. Em vez de vírus, meio mineral, meio ser vivo, chamemos ao império um estado de espírito, meio físico, meio mental, meio individual, meio social: é um modo de organizar a plástica existência humana, de a empoderar de acordo com práticas ajustadas à nossa natureza, em função das diversas circunstâncias da vida, para melhor nos adaptarmos a ela. O espírito imperial é estado de espírito especialmente focado em tratar do poder. Quem manda e decide, poupando à esmagadora maioria das pessoas o trabalho de o fazer, retém um lugar de elite reservado, mesmo quando não lidera a favor da sociedade. A quem não manda nem decide, resta seguir o melhor possível os desígnios de quem manda. Quem for mais competente e/ou mais bem avaliado nesses esforços de servir as elites fica colocado, simbolicamente e/ou materialmente, mais próximo delas, num lugar mais seguro e socialmente reconhecido.

Noutro local, defini espírito imperial como uma forma de apoiar, fixando, elites (decisores) discriminando piramidalmente as pessoas entre si (dividindo para reinar) de uma forma dissimulada, isto é, afirmando estar a fazer justiça, defesa, segurança, para todos, quando está a fazê-lo prioritariamente em relação às elites, o que implica injustiças, ataques e inseguranças para uma parte da humanidade, ou mesmo para toda a humanidade (Clark and Szerszynski 2021).

Em termos modernos, este espírito imperial multimilenar está a ser usado, com sucesso hegemónico, para explorar a Terra e os seus recursos, incluindo os recursos humanos. A parte mais dinâmica da sociedade é mobilizada para ajudar as elites a acumular riquezas que elas próprias valorizam como suas, excluindo as outras classes sociais (Pistor 2019), organizando-as hierárquica e concorrencialmente.   

O espírito imperial não é, ao contrário das riquezas, monopolizado pelas elites. Ao contrário: é mais fácil as elites serem críticas do espírito imperial (Markovits 2019) do que as classes que colaboram e são educadas na moralidade dominante, cujas finalidades lhes escapam (Nietzsche 1997). É mais provável encontrar elementos das elites a dedicarem-se a denunciar os males sociais provocados pelas configurações industriais e sociais modernas do que encontrar elementos das outras classes a fazer isso. Ocupadas com a legitimidade e as possibilidades da sua sobrevivência, pressionadas pelos arranjos sociais competitivos e hierarquicamente deferentes, ignorantes e alheadas dos processos de decisão, as classes trabalhadoras apenas se revoltam quando não têm outra saída, dados os custos de o fazerem. Dadas as circunstâncias de estarem permanentemente acusadas de falta de legitimidade da sua existência, apenas resgatada por sacrifícios laborais, aos membros das classes trabalhadores sobra pouca disposição e tempo para o exercício da crítica.

A tarefa das ciências centrífugas é indispensável, e está a ser feito. Mas funciona como um salva-vidas que encontra um náufrago à deriva: para poder vingar, para se fazer valer perante o mar de ciências centrípetas que, nas escolas e universidades, desqualificam as perguntas e só aguardam pelas receitas tecnológicas que alguém haverá de produzir para qualquer problema que surja, é preciso colocar knockout o atarantado náufrago. O que, por outro lado, não cabe fazer à ciência – nem ao estado que organiza e protege as ciências centrípetas. Quem tomará e poderá tomar, para si, a responsabilidade desse desiderato?

As dificuldades são várias, como a de transformar o dilema agressividade-submissão, associado à hierarquização entre elites e seguidores, em confiança solidária sincera entre as pessoas, organizadas em redes. Em vez de bodes expiatórios, como os vários grupos de pessoas discriminadas a quem as sociedades associação todos os males do mundo, alheando-se dos males evidentes dos desígnios falsos e/ou falhados das elites, em vez de integração social, há que dar prioridade à garantia de dignidade para todos os seres humanos, em harmonia com o meio ambiente. Em vez de mundos virtuais separados dos mundos práticos, como as finanças, as redes de comunicação social que entretêm, as ciências que promovem os negócios e as profissões, há que acabar com os monopólios globais que tomaram conta da informação e das comunicações, há que fazer o jubileu das dívidas e recomeçar com dinheiro que não sirva para afogar o náufrago.

Referências:

Christian, David. 2021. “Education Revolution with Big History.” Frontiers. 2021. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs.

Clark, Nigel, and Bronislaw Szerszynski. 2021. Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Cambridge and Medford: Polity Press. https://books.google.pt/books/about/Planetary_Social_Thought.html?id=nf4FEAAAQBAJ&redir_esc=y.

Collins, Randall. 2005. Sociología de Las Filosofías – Una Teoría Global Del Cambio Intelectual. 1a edição. Barcelona: Hacer.

———. 2008. Violence: A Micro-Sociological Theory. Princeton: Princeton University Press.

Diamond, Jared. 2008. Colapso – Ascensão e Queda Das Sociedades Humanas. 1a edição. Lisboa: Gradiva.

Dores, António Pedro. 2021. Reeducar o Século XXI: Libertar o Espírito Científico. Lisboa e S. Paulo: Lisbon International Press.

Eisenstadt, S. N. 2008. “Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations.” In Frontiers of Sociology, edited by Hedström Wittrock and Björn Wittrock. Brill.

Elias, Norbert. 1990. O Processo Civilizacional (Vol I e II). 1a edição. Lisboa: D. Quixote.

Fara, Patricia. 2009. Science: A Four Thousand Year History. Oxford: Oxford University Press.

Federici, Silvia. 2017. Calibã e a Bruxa – Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. Edited by Coletivo Sycirax. S. Paulo: Editora Elefante.

Foucault, Michel. 1999. Microfísica Do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

Frank, Andre Gunder, and Barry K. Gills. 1993. The World System – Five Hundred Years or Five Thousand? London and New York: Routledge.

Girard, René. 1978. Des Choses Cachées Depuis La Fondation Du Monde. Paris: Grasser et Fasquelle.

Graeber, David. 2011. Debt – the First 5000 Years. NY: Melville House Publishing.

Markovits, Daniel. 2019. The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. New York: Allen Lane & Penguin Books.

Mead, George Herbert. 1924. “The Genesis of the Self and Social Control.” International Journal of Ethics XXXV: 251–77.

Morris, Ian. 2013. O Domínio Do Ocidente. 1a ed. 201. Lisboa: Bertrand.

Nietzsche. 1997. A Genealogia Da Moral. Lisboa: Guimarães.

Pistor, Katharina. 2019. The Code of Capital – How the Law Creates Wealth and Inequality. Princeton and Oxford: Princeton University Press.

Schofield, Jim. 2018. The Real Philosophy of Science. Pacif Grove, California: Smashwords.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search