A sabedoria de Hans Rosling e a inovação pandémica COVID 19

Ao fazer um balanço da sua vida, Hans Rosling (1948-2017) contou como sentiu necessidade de romper com o seu perfil profissional e transformá-lo, transformando-se a si e à sua família. Na sua autobiografia refere a forte impressão que lhe causou o encontro de juventude com Eduardo Mondelane (Rosling, 2017: 40-41), quando este vivia na Suécia, terra natal de Rosling. Mais tarde, Mondelane viria a ser líder da Frelimo, movimento de libertação de Moçambique. Ainda mais tarde, com a independência do país, já após o falecimento de Mondelane, Rosling sentiu-se animado a ir ajudar a construir o novo país, como médico. Convenceu a sua mulher a levarem os filhos de ambos com eles. Ali chegado, a certa altura, encontrou-se a tratar dos sintomas de uma epidemia. Percebeu que o seu trabalho seria mais eficaz se descobrisse as causas da pandemia e as pudesse fazer cessar. Para isso, teve de abandonar o hospital de que era o único médico, correu os riscos inerentes, e foi investigar a fonte da doença. Usou o inquérito social e teve resultados práticos: identificou e anulou a fonte de doença, evitando sofrimentos aos doentes e pressão sobre os serviços de saúde, tendo seguramente feito danos colaterais em pessoas que não pode atender quando estava de viagem de investigação.

Com o tempo, haveria de deixar de ser médico de doentes isolados e passou a ser demógrafo, à procura de fontes de doenças de foro médico e social. Acabou celebrado como professor de saúde pública e, mais tarde, com a ajuda de familiares mais familiarizados com as potencialidades dos programas de computador, tornou-se famoso pelas suas apresentações inovadoras das evoluções de indicadores sociais e de saúde em mapas mundo (Rosling, 2010, 2015b).

Antes do tempo em que isso se tornou mais vulgar, Rosling mudou de profissão a meio de um percurso profissional bem-sucedido. Fê-lo por convicção. Nos obstáculos que reconheceu e encontrou viu a natureza das coisas e das sociedades. Imaginou ultrapassar esses obstáculos com conhecimento e que essa seria a primeira tarefa da modernização. Modernização extraordinariamente bem-sucedida na Suécia, como a história da sua vida familiar o comprova. Os modos de vida dos seus avós, trabalhadores necessitados sem esperança de poderem sair dessa condição, em duas gerações, um pouco por magia, transformaram-se na liberdade de que desfrutou. As estatísticas, diz Rosling, mostram que algo semelhante está a ocorrer em todo o mundo, incluindo em Moçambique, ainda que a ritmos diferentes. A acção dos partidos dos trabalhadores, como o social democrata sueco, transformou o mundo.

Solidário com o resto do mundo, impressionado com as misérias da colonização, decidido a dar ao mundo a sua vida para resgatar aquilo que lhe foi surpreendentemente proporcionado, foi ajudar Moçambique a beneficiar da formação dos médicos suecos. Aí aprendeu a diferença entre a limitada amplitude das vidas profissionais, como a do médico no hospital, e a superior relevância dos panos de fundo, no caso a fonte de uma pandemia. Pensando mais largo e agindo livremente, verificou, o médico profissional tornou-se investigador social para ser mais efectivo no combate às pandemias, lá onde a modernização não chegara.

Hans Rosling no seu mundo estatístico dinâmico

Subiu na hierarquia dos saberes. Trocou a medicina pelos estudos demográficos, no sentido contrário do que é a hierarquia de saberes comummente aceite. A liberdade que o médico teve em Moçambique, onde não havia médicos, encontrou-a na Suécia enquanto académico. Nessa condição ensinou a sabedoria da sua rara experiência.

O que diria Rosling, especialista em pandemias, se estivesse vivo? Como veria o esforço dos hospitais de recolher as pessoas com sintomas da COVID 19, à custa de deixar de tratar dos sintomas de muitas das outras doenças, em vez de procurar medicamentos para atenuar ou evitar sintomas (Corbishley, 2021; Farmácias, 2021; Weinstein et al., 2021) e, sobretudo, dar prioridade à procura da fonte de contaminação, seja ela os morcegos, os animais selvagens vendidos para consumo na China, uma fuga de laboratório, ou todas ao mesmo tempo (Wade, 2021)?

Um dia, Einstein mostrou-se arrependido de ter assinado uma carta escrita por Leó Szilárd, em conjunto com muitos outros cientistas, para informar o Presidente Roosevelt sobre os progressos da descoberta da maneira de produzir energia nuclear. Não lhe agradou o uso que o estado norte-americano fez da mesma em Hiroxima e Nagasáqui.

Inspirado nesta contradição de Einstein, sem desprimor, imagino Hans Rosling, depois de ter aceite ir ao Fórum Económico Mundial de 2015 explicar o que seja o desenvolvimento sustentável (sem dizer uma palavra sobre ambiente ou guerra) (Rosling, 2015a), a rever a sua posição. Caso ele tivesse assistido ao uso da ciência para abrir campo a vacinas, sem que se saiba a origem da pandemia, poderia compreender como se tem fabricado a sucessão de desastres ambientais decorrentes do aquecimento global: subversão das regras científicas autorizadas de forma expedita pelas autoridades científicas.

Na apresentação feita no Fórum Económico Mundial, Rosling afirma, muito bem, que ciência é fazer perguntas e procurar respostas. Porém, entusiasmado com as suas investigações estatísticas e os seus quadros de bolas dinâmicas, deu por acertadas as respostas que encontrou, dando-lhes um aspecto de receita, de demonstração de progressos, ao reverso do sentimento das pessoas comuns. Sobretudo no seu país, onde é professor, notou com humor, o público está mais distante dos factos que usou do que noutros lugares. Ou serão os factos que apontou que não têm o significado optimista que lhes quer associar?

A transformação das pessoas faz delas pessoas melhores. Estou convencido. Mas não faz delas sábios, sobretudo se aprenderam, como os médicos e os cientistas sociais, a alhear-se profissionalmente dos sentimentos e das intuições das pessoas. Nomeadamente, das intuições das pessoas sobre o sofrimento difuso, subjectivo, reprimido, mas real, do alheamento humano da natureza (Albrecht, 2021).

O desenvolvimento sustentável é uma expressão que surgiu para continuar a ideia de progresso, mas agora por outros meios, eventualmente mais verdes. A crença no progresso esgotou-se pela evidência de a esperança das pessoas em virem a viver melhor se ter deteriorado ou mesmo invertido, nas últimas décadas. É certo que a subjectividade pode ser separada, como o fez Rosling, da objectividade produzida estatisticamente. Mas isso não autoriza a imposição da sua subjectividade particular, ainda que seja a de um cientista.

Qualquer estaticista sabe como traduzir a subjectividade do seu cliente em estatísticas objectivas – como o próprio Rosling fez no Fórum Económico Mundial – e como apresentar estatísticas de acordo com os interesses de análise de cada um. Foi assim que Al Gore (2013), de maneira pública e poderosa, usou as estatísticas para denunciar aquilo que chamou a verdade inconveniente sobre o insustentabilidade da situação actual, a nível global.

É comum, mas errado, os investigadores imaginarem-se acima (ou abaixo) da subjectividade alheia. Presumem, simplesmente, que a subjectividade não existe, ao contrário dos factos estatísticos, esses, sim, mais reais do que as realidades. Resulta desta postura que em vez de se discutir cientificamente se passa a discutir ideologicamente: quem for pela sustentabilidade serve Rosling, quem for pela insustentabilidade serve Al Gore.

A ciência centrípeta (Dores, 2020) especializa e separa de tal modo as suas actividades disciplinares que é possível, a uns e a outros, dizerem o mesmo ou o seu inverso, sem se estabelecer um diálogo entre as diferentes evidências e sensibilidades em presença. Por isso é tão importante reafirmar a prioridade da ciência às perguntas e à construção de liberdade de respostas que não sejam receituários, desenhadas para justificar conclusões apriorísticas, como aquelas que mais frequentemente são usadas pedagogicamente nas escolas e nas universidades.

Hans Rosling foi capaz de se negar como médico – e seguramente teria ressuscitado médico agora, perante a subversão da medicina organizada em torno da pandemia COVID 19 – mas não resistiu à sedução das ciências sociais, ao seu elitismo intelectual, que usa os factos cientificamente construídos para ignorar os sentimentos instintivos das pessoas. Estas ciências sociais, recordemo-lo, por não serem ciências naturais, nada têm a dizer sobre os problemas ambientais causados por algumas sociedades humanas, como os tipos de sociedade que deram liberdade a Rosling, mas estão a tramar a esperança da humanidade no futuro.

Referências:

Albrecht, G. (2021). Les émotions de la Terre. Cornell University Press.

Corbishley, N. (2021, May). “I Don’t Know of a Bigger Story in the World” Right Now Than Ivermectin: NY Times Best-Selling Author. Nacked Capitalism. https://www.nakedcapitalism.com/2021/05/i-dont-know-of-a-bigger-story-in-the-world-right-now-than-ivermectin-ny-times-best-selling-author.html

Dores, A. P. (2020). Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas. Blog Libertação Do Império. https://libertacao.hypotheses.org/603

Farmácias, A. N. das. (2021). Prescrição de Ivermectina na Prevenção e no tratamento da COVID-19. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=9McHuPksE0o

Gore, A. (2013). Al Gore’s CO2 Emissions Chart. TheTurtleDance. https://www.youtube.com/watch?v=-JIuKjaY3r4

Rosling, H. (2010). Hans Rosling’s 200 Countries, 200 Years, 4 Minutes – The Joy of Stats. In BBC Four. BBC.

Rosling, H. (2015a). Davos 2015 – Sustainable Development: Demystifying the Facts. World Economic Forum. https://www.youtube.com/watch?v=3pVlaEbpJ7k

Rosling, H. (2015b). Where Are the Syrian Refugees? Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=0_QrIapiNOw

Rosling, H. (2017). Como Aprendi a Compreender o Mundo. Círculo de Leitores.

Wade, N. (2021, May). The origin of COVID: Did people or nature open Pandora’s box at Wuhan? Bulletin of Atomic Scientists. https://thebulletin.org/2021/05/the-origin-of-covid-did-people-or-nature-open-pandoras-box-at-wuhan/

Weinstein, B., Kirsch, S., & Malone, R. (2021). How save the world, in three easy steps. Dark Horse Podcats. https://odysee.com/@BretWeinstein:f/how-to-save-the-world,-in-three-easy:0?r=FuWwFotRbicqY9GHyWBqDdTNNHpaTgC9


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (30 de Setembro de 2021). A sabedoria de Hans Rosling e a inovação pandémica COVID 19. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvnx


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search