Reeducar o século XXI, com o RBI TT: para libertar o espírito científico

“Segurança em liberdade, democracia sem exclusões” mote da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento
O humorista diz que a ciência é capaz de resolver e causar um problema, como a pandemia
“Acordai” de Fernando Lopes Graça, por Ana Maria Pinto, 6 de Outubro de 2012

Resumo: o estado e a ciência não são de fiar. A confiança geralmente depositada pelas pessoas nos estados e nas ciências é um problema: fá-las sentirem-se e comportarem-se como irresponsáveis. Não reagem, como acontece nas ruas da cidade quando alguém precisa de ajuda e todos passam ao lado.

A ausência de reacção à sucessão de calamidades que negam à evidência as promessas do progresso económico suscita votações crescentes em partidos de inspiração neofascista. Ao dia de hoje, as pessoas ainda não “acordaram”, como pedia a cantora lírica pelas ruas de Lisboa uns anos atrás. Continuam a querer que alguém, talvez mais duro do que aqueles que estão no topo agora, faça o que querem ver feito. Imaginam não ter nem dever incomodar-se com isso e assumir a responsabilidade de fazer o que é preciso fazer.

O que é preciso fazer? Uma resposta possível é: é preciso reanimar a ciência. Vamos precisar dela para não criar mais problemas, atenta para nos ajudar a encarar as calamidades que se anunciam irreversíveis.

___________________

Como entender o facto de as políticas defensivas de troca de liberdades por segurança, conjugadas com as políticas avançadas de escolarização universal, profissionalização de base científica certificada alargada a cada vez mais actividades económicas, os avanços acelerados da ciência e da tecnologia, tenham produzido, por um lado, fogos continentais, inundações nunca vistas, fenómenos atmosféricos extremos, degelo do ártico, temperaturas de 20º acima do normal, pandemias e paragens da vida social e económica por auto-declarada impotência, desorientação e incapacidade de reagir ao aumento abrupto dos riscos de saúde e, por outro lado, a incapacidade de resolver a crise do recentemente montado sistema financeiro global, falido em 2008, a par do ressurgimento de projectos político-ideológicos fundados no ódio e na instigação da violência genocida, qual déjà vu?

Como entender que o problema da estagnoflacção que trocou as voltas às teorias keynesianas, nos anos 70, tenha sido ultrapassado pelo alargamento da sociedade de consumo, então limitado aos países mais desenvolvidos, a muitas outras regiões do planeta, com destaque para a China, quando já se sabia então que tal política seria incomportável pela Terra?

A primeira estratégia é imperial: exige respeito pela hierarquização embutida na divisão de trabalho, responsabilizando platonicamente as elites e seus administradores, e desresponsabilizando os trabalhadores, cujo papel social seria serem mera mão-de-obra subordinada. A segunda estratégia, para poder ser praticada de forma generalizada, exige que, em vez de estarmos sujeitos a avaliações punitivas, nos seja dada confiança social, e a respectiva responsabilidade, de fazer prevalecer auto-avaliações colectivamente animadas e estimulantes.

É certo que os estados e a ONU foram encarregues de cuidar da nossa segurança e do respeito pelos direitos humanos. Seria bom que tais desideratos tivessem sido cumpridos, mas não foram. Nenhuma elite dirigente, apesar das muitas diferenças entre elas, está em condições de orientar a presente desorientação. Então, a conclusão lógica é que não podemos contar com os estados, mesmo quando estão concertados entre si, para resolver os magnos problemas que nos afectam.

Em vez de apostar na capacidade dos estados para resolverem as sete pragas do Egipto a que estamos a assistir, à espera de chegar a nossa vez de ver a vida ameaçada ou destruída, será recomendável reconhecer que à medida que as políticas de troca de liberdade por segurança se revelam ineficazes para a nossa segurança, as liberdades têm sido e continuam a ser aceleradamente negadas pelas elites que estão a copiar o modelo chinês de controlo social, agora elevado à automação dos créditos sociais. Os estados não dão sinais de estarem dispostos a defender nem a nossa segurança, nem as nossas liberdades. Teremos de ser nós a fazê-lo, como já perceberam os norte americanos ou os brasileiros, por exemplo.

O facto das escolas e das universidades serem instituições que, apesar de ser impossível, continuam a querer “voltar ao normal”, não é um sinal de vitalidade e de capacidade de reacção. O efeito anestésico que a educação universal tem tido decorre do seu imaginário isolamento – incluindo das crianças e dos jovens – perante a vida, a sociedade e os desastres, que passam a ser concebidos como espectáculos de televisão ou redes sociais.

O anestésico tem uma componente fácil de identificar: o ensino das ciências tem servido para divulgar receituários técnico-profissionais ao serviço do projecto imperial de exploração da Terra, em vez de enfatizar os aspectos abolicionistas das ciências, nomeadamente contra os dogmas religiosos ou ideológicos, na denúncia do aquecimento global, da extinção das espécies, dos genocídios fabricados pelos impérios. A educação proporcionada pelos estados hierarquiza e especializa cada pessoa para a tornar um indivíduo políticamente irresponsável (a não ser quando eventualmente vai às urnas votar), necessitado de um empregador parceiro da exploração da Terra. Tal educação é anestesiante, paralisante, suicidária.

O que fazer? A libertação social das camisas de força que tornaram a humanidade a sua pior inimiga passa por reprimir as ideias mágicas punitivas, como as do uso da violência para educar crianças, mulheres, pessoas com orientações de vida que nos incomodam, estados declarados inimigos pelas nossas elites. Jamais as punições fizeram outra coisa do que perpetuar e multiplicar os problemas, pela singela razão de a concentração em punir dispersa a atenção dos problemas e, portanto, nada resolve. Podem substituir-se as tendências punitivas, a abolir, por declarações fundamentadas e cientificamente informadas de confiança mútua entre todos os seres humanos, com vista a construir juntos um futuro de esperança.

Édipo e Antigona em Tebas, durante a praga (Hillemacher)

Não se trata de desenvolver platonicamente uma dualidade moral simplista. Trata-se de criar práticas políticas que admitam a possibilidade de as pessoas comuns poderem escolher, aprender e experimentar comportarem-se como melhor entenderem, nomeadamente reagindo contra as noções erradas sobre ciência que se ensinam nas escolas e universidades. Não nos caberá mais seguir meras receitas tecno-profissionais. Caber-nos-á aprender a oferecer a todos e a cada um a liberdade responsabilizante de fazer diferente do que a normalidade a que doentiamente aspiramos hoje. A ciência depende da liberdade de questionar as autoridades, e não é segui-las.

O rendimento básico incondicional de todos para todos, RBI TT (discussão), tão independente quanto possível dos estados e dos mercados, é um instrumento financeiro que todos podemos oferecer a nós mesmos para nos libertarmos dos (muitos) trabalhos usados para nos entorpecer, entorpecendo os outros, autorizando todos e cada um a procurar o melhor que há nas sociedades humanas.

A fixação de muitos de nós em recusar confiar nos outros, porque não confiamos em nós, por exemplo, perguntando “quem iria trabalhar se não fosse obrigado a isso”, é exactamente aquilo que sinaliza a nossa dogmática aceitação da mágica punitiva, que só se trabalha sob ameaça de fome e exclusão social. Ter a coragem de nos libertarmos colectivamente, admitindo e promovendo activamente o RBI TT é, em si mesmo, um acto de libertação que pode dar frutos, assim toda uma sociedade se possa libertar e, assim, procurar novos caminhos em solidariedade entre as pessoas, incluindo uma nova consciência que abula a absurda convicção de a Terra ser nossa inimiga e, por isso, mereça ser violada, explorada, destruída.



Citar este post
Antonio Dores (2021, 25 Setembro). Reeducar o século XXI, com o RBI TT: para libertar o espírito científico. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvnu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search