Fabricar a esperança

Mastigado, este livro dá-me, dá alegria de viver.

É um livro que propõe um caminho abolicionista para produzir esperança.

Abolicionista significa ser capaz de dar prioridade à procura de bem-estar das pessoas, e do próprio, em vez de à entrega do indivíduo socialmente produzido em nós para servir a sedução e as ambições de poderes profissionais. Quando as organizações não produzem o bem-estar de que se está à espera, o abolicionismo não culpa as vítimas. Ao invés, coloca de imediato em cima da mesa as possibilidades de melhorar as instituições em função da experiência do desempenho das organizações que deviam cumprir as finalidades desejadas.

Os poderes instituídos, claro, usam todos os seus recursos para dissimular a existência de ideias e propostas abolicionistas, nomeadamente alheando-as das discussões políticas, remetendo-as para áreas de debate higienizados por cercos de desprestígio politicamente organizados por escolas, universidades, comunicação social, e, quando ganham dinâmica, são reprimidas por forças de segurança.

Alimentar e guiar a esperança

Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico é um livro para mastigar as responsabilidades individuais e colectivas das gerações mais educadas de sempre no acumular de pragas do Egipto: aquecimento global, marginalização do estado de direito, guerra de civilizações, violação intencional dos direitos humanos pelos estados, falência das finanças globalizadas, retorno às políticas fascizantes, pandemias, inércia política e social, falência da produção de esperança, êxtase social e político perante o punitivismo sacrificial.

A esperança na ciência é aquela a que o autor recorre. Identifica as políticas científicas imperialistas e os seus gestores como fontes da censura ao estudo de panos de fundo, de substratos universais (Schofield, 2018). A exploração da ciência reduziu-a a ciência centrípeta, mais disciplinar que científica, limitando o alcance e o impacto da ciência centrífuga. Esta última supera as dificuldades cartesianas encontradas na prática das interdisciplinaridades. Usa conceitos capazes de serem utilizados, ao mesmo tempo, a todos os níveis de realidade e em todas as esferas de actividade.

Exemplos desses conceitos são referidos no livro: panos de fundo são ecocídio, identidade, violência, estados de espírito. Exemplos destes últimos são espírito imperial, espírito científico, espírito profissional, espírito da língua. O uso de todas as possibilidades destes conceitos, que atravessam as fronteiras institucionalmente muralhadas das ciências naturais e das ciências sociais, e das diferentes disciplinas e subdisciplinas, confronta-se e dá visibilidade às funções defensivas, censórias, anti sociais, de organizações que prejudicam o bem-estar das pessoas e da vida na Terra, para as explorar com vista à manutenção de hierarquias e modos de acumulação de riqueza (Pistor, 2019; Woodiwiss, 2005) que envergonham. Por isso, poder e riqueza servem para ser expostos e, ao mesmo tempo, são escamoteados. Distorcidos (Clark, 2014) para que possam ser aceites, apesar das evidências dos males produzidos (Markovits, 2019).

Mastigar este livro é um acto de produção de esperança, para o autor e para os leitores dispostos a mastigá-lo. Fazê-lo é uma forma de nos abrirmos a novas possibilidades institucionais, no estado, nas escolas e nas universidades, na ciência, nas profissões, no trabalho e na família, e de descobrir o que fazer, só ou acompanhado, para resgatar a esperança das pessoas neste mundo de indivíduos.

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (5 de Setembro de 2021). Fabricar a esperança. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvnt


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search