A exploração

A partir do momento em que os relatórios do Painel Intergovernamental sobre a Mudança do Clima (IPCC) passaram a incluir sinais de alarme imediato, os governos se sentiram obrigados a declarar estar em modo de transição climática e os partidos ecologistas se revelaram tão distraídos em relação à transformação da Terra quanto os outros, cada vez mais cientistas sociais reconheceram haver um problema de fundo na maneira como as ciências sociais, incluindo a economia crítica, têm ignorado a natureza.   

Antes de ser contabilizável, a exploração é uma intenção cuja moral é questionável. Violar a vida animal ou vegetal, esventrar a Terra, são actos espontaneamente repugnantes aos seres humanos. Só organizadamente nos dispomos a fazer isso. Fazêmo-lo justificando-o, nomeadamente com a nossa sobrevivência como espécie. A natureza é apresentada como inimiga a afastar. Tal tipo de justificação é traduzida ao nível individual. Todas as actuações profissionais, incluindo as que são irremediavelmente imorais, são justificadas e compreendidas como a única forma de alimentar a família. Está subentendido que todas as profissões têm os seus ossos do ofício e, assim, mesmo crimes cometidos organizadamente por empresas que eventualmente comprometem administradores, os autores morais dos crimes, sobretudo os crimes financeiros e ambientais, não comprometem judicial ou socialmente os profissionais e colaboradores.

Em termos mais gerais, a civilização moderna inclui uma cultura de encobrimento hipócrita da exploração a que se dedica. Ser cidadão moderno significa sentir repugnância pela violência (Elias, 1990) e, em vez de evitar a violência, por exemplo as guerras, negar as violências que se sabe serem a base da nossa existência (Hirschman, 1977), incluindo a destruição das melhores condições ambientais para a nossa vida (Clark & Szerszynski, 2021; Renn, 2020). Assim, não é surpresa que ao arrastado reconhecimento governamental no tempo da crise ambiental, e aos planos de adaptação à transição climática e energética, se tenha seguido a guerra como prioridade, primeiro na Ucrânia e depois na Palestina.

Uma vez instalada a exploração, pode haver lugar à sua contabilização por parte de quem esteja interessado em avaliá-la. Quem precisa de contabilizar a exploração é quem dela procura tirar proveito para além da mera sobrevivência. Quem quer tirar dela lucro, juro ou outro rendimento, como a arrecadação de impostos. Nos últimos dois séculos, a economia política especializou-se em economia, primeiro, e gestão, depois, à medida em que havia mais disponibilidade de profissionais formados nas universidades e mais máquinas inteligentes para afinar as medidas sobre os fluxos económicos a nível internacional, nacional, setorial e empresarial.  

Quando a exploração implica a delegação de tarefas de exploração a terceiros, como comanditos ou trabalhadores, sem contabilidade e inventário será difícil manter os interesses dos exploradores de topo, geralmente ausentes dos trabalhos de exploração. Com os computadores, porém, passou a ser possível organizar modos de contabilização de bens, dinheiro e pessoas que permitem manter negócios a distâncias continentais e, portanto, organizar deslocalizações da produção.  

Na senda de Karl Marx, académica e sindicalmente é possível usar essas contabilidades para mostrar como há processos de expropriar valor comuns para finalidades privadas, seja de acumulação, seja de investimento. Mas a exploração não é apenas a expropriação dos trabalhadores. A exploração da Terra terá começado com a agricultura, há uma dúzia de milhares de anos. A Revolução Axial (Eisenstadt, 2008), com menos de uma mão cheia de milhares de anos, terá introduzido a exploração imperial, um distanciamento entre quem determina a finalidade geral e específica das explorações em concreto e os que fazem o trabalho mais imediato de contacto com a Terra. Há meio milénio, uma sequela oceânica da queda do Império Romano levou a Europa Ocidental a perspectivar uma missão ecuménica do império sobre o resto do mundo. O sucesso e a continuidade dessa missão têm por base a sua autosustentação económica e a sua capacidade de inibir julgamentos morais, radicalizando as imoralidades, com a escravatura e a destruição ambiental. A especialização organizativa da missão de exploração, no século XIX, condenou à proibição a escravatura para conquistar os trabalhadores assalariados, servindo as ciências sociais para acompanhar o processo de nacionalização do processo de globalização encetado com as Navegações, também conhecido por questão social (Castel, 1995). A proletarização dos trabalhadores foi mais um sucesso imperial. A sua intensificação continuou com a formação e especialização de mercados de trabalho profissionalizados, com pessoas altamente escolarizadas. Isso agravou fortemente a destruição ambiental.    

Número de desastres naturais por número de óbitos (2005)

No século XIX, os cientistas sociais pioneiros procuraram definir critérios de quantificação da exploração, escondendo a sua verdadeira dimensão – por exemplo, a sua dimensão internacional original e o empenho de guerras e genocídios nessa exploração. Tratou-se de respeitar as frágeis alianças de classes que construíram o capitalismo em nome das lutas pela liberdade e pela igualdade.

Nessas condições, Karl Marx procurou definir exploração e denunciá-la. Quem estava interessado em continuar as lutas pela liberdade e pela igualdade eram os trabalhadores, a quem já assistia um espírito de fraternidade desconhecido pelas burguesias e pelas aristocracias. Nesses processos, um óptimo motivo para levar tais lutas adiante era a exploração económica de que os trabalhadores eram alvos directos. A poluição e a degradação do meio ambiente nas zonas industriais e nas cidades eram facilmente evitáveis pelas elites afastando-se desses territórios limitados.

Fê-lo registando os desvios na distribuição dos resultados da actividade de exploração, pois percebeu que uma das finalidades indispensáveis da missão imperial era a acumulação de riquezas a coberto de fetiches que servem de representações de valor e para esconder quem sejam os justos destinatários dos valores produzidos socialmente. As espécies em extinção e as transformações ambientais que ficaram geologicamente registadas não seriam atendíveis numa época de racionalismo, de anestesia moral produzida longamente pelo prestigiado modo de viver imperial que entusiasma ainda hoje cada vez mais gente, incluindo as suas vítimas, como os imigrantes ou refugiados, como os trabalhadores e os profissionais. De um modo geral, entusiasmam todos os que se aproximam para viver nas cidades entretanto transformadas em metrópoles.

É seguro que os trabalhadores são o elo fraco do capitalismo, pois trabalham e não recebem os resultados do seu trabalho – como a contabilidade económica o demonstra. Porém, a questão civilizacional é saber se se continua ou não a explorar a Terra (incluindo os seus recursos humanos) e se a moral deve continuar a ser suspensa, inibida, reprimida, ou se será agora a economia, a política e a sociedade que deverão ser transformadas de forma a abolir os princípios imperiais, discriminatórios, hierárquicos e censórios-hipócritas, que dominam as nossas vidas? Como dar conteúdo consequente às gigantescas lutas anti-imperiais que têm sido recuperadas pelos impérios a favor do capitalismo e da missão imperial moderna suicidária?

CONTINUA EM: Capital é relação social ou maquinismo económico?

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

Referências:

Castel, R. (1995). Les métamorphoses de la question sociale. Gallimard.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) ([1939]). D. Quixote.

Hirschman, A. O. (1977). The Passions and the Interests: Political Arguments for Capitalism before Its Triumph. Princeton University Press.

Renn, J. (2020). The Evolution of Knowledge – Rethinking Science for the Anthropocene. Harvard University Press.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (13 de Maio de 2024). A exploração. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11nvj


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search