Discriminação imperial: o lugar da linguagem e da organização

A imagem de um chefe militar a dirigir-se às suas tropas previamente organizadas deve ser explicada. Como a massa reconhece no chefe alguém que sabe como os dirigir e o segue até â morte? Porque são admiráveis as obras imperiais, apesar dos sacrifícios que impõem a inocentes?

O espírito imperial organiza um trabalho de discriminações com vista a, dissimuladamente, manter e proteger elites em posições de superioridade social sistemática. Fá-lo educando as pessoas para a conquista dos respectivos lugares nas hierarquizações sociais, como se isso fosse natural e não socialmente construído.

Há duas bases de manipulação sobre as quais o espírito imperial se tornou possível e prosperou, a partir da revolução axial (Eisenstadt, 2008): a linguagem e a organização.

Nova relação com Deus-Natureza marcada pela estanquicidade

O surgimento da linguagem fixou e reforçou as discriminações entre o que era comestível e não comestível, o que era uma aliança matrimonial e um caso sexual, entre perigo e situações controláveis, etc. O ensino-aprendizagem expandiu as suas possibilidades, que antes de haver linguagem eram significativamente menores. As pessoas aumentaram a sua sabedoria à custa de acreditarem em ensinamentos que lhes eram fixados pelas gerações anteriores. Para regular as más interpretações dos ensinamentos, houve que reforçar a autoridade de quem ensina e reduzir as margens de interpretação daquilo que é ensinado.

A ciência, por exemplo, para se afirmar contra os dogmas que a reprimiam aprendeu a questionar de forma útil as heranças cognitivas e substituí-las por novas autoridades questionáveis a todo o tempo pela experiência. Porém, como notou Thomas Khun (1970), pode distinguir-se as ciências normais – que não questionam os fundamentos das suas práticas, tratando os problemas dentro dos quadros meta conceptuais acreditados – das ciências paradigmáticas – aquele trabalho científico que se autoriza a modificar os quadros meta conceptuais em que se costuma trabalhar.

Embora a ciência seja um exemplo de linguagem consciente dos seus riscos e limitações, dado o fosso incomensurável entre as ideias associadas às palavras e as práticas que as procuram representar e orientar, as rotinas organizadas têm um papel nada negligenciável na sua existência e reprodução. A inovação e a criação elevam-se sobre a mediania rotinizada, eventualmente de forma meritória, mas frequentemente sem resultados práticos que justifiquem os esforços e despesas de mudanças e transformações. Na prática da vida das organizações científicas, só pela avaliação dos resultados se pode saber quem está a fazer ciência normal e quem está a fazer ciência paradigmática.

Embora a linguagem seja um excelente instrumento de representação da realidade, é-o porque não é a realidade. Tal como a cartografia mais exacta teria de ser da dimensão do território a descrever, inútil portanto, do mesmo modo a linguagem seria irrelevante se não fosse um modo extremamente económico de reduzir a realidade a algo mais transportável e comunicável. Aquilo que na realidade converge e se desmultiplica em diferentes dimensões, intensidades, densidades, na linguagem aparece sintéctica e claramente substituída pelo efeito de coisificação – isolamento do objecto do seu contexto. Aquilo que é discriminado é separado de si mesmo, para melhor ênfase, análise e transmissão ensino-aprendizagem. Pelo menos é isso que nos ensinou Descartes quando afirmou a vantagem cognitiva de dividir a realidade em partes para as estudar uma a uma, de um modo exaustivo, como se não conhecêssemos nada antes (princípio da tábua rasa), o que seria impensável se se tratasse de um objecto embutido no todo.

O sucesso desse método continuou-se na teoria de sistemas, em que as partes previamente separadas são organizadas mutuamente religadas segundo regras abstractamente impostas (Parsons, 1961). Desse modo tem sido possível manter as ciências sociais com base num axioma obviamente falso (a natureza e a cultura ou a sociedade seriam coisas estanques entre si, que se impactam como bolas de bilhar). O esforço, com sucesso espantoso, para manter as aparências organiza-se através de uma estratégia de hiperespecialização, de uma divisão disciplinar e subdisciplinar profissional e corporativa, a que chamei ciência centrípeta (Dores, 2020, 2021).

A linguagem, quem o desconhece, tornou-se um dos pilares, a par da violência, das lutas sobre a moral e a política, frequentemente mais importante do que as práticas, em tempo de paz bastante conciliatórias. As representações adquirem dinâmicas próprias bastante autónomas em relação àquilo que representam e às práticas que legitimam. Como costuma dizer quem ensina e quem faz política: “faz o que eu digo, não faças o que eu faço”!

No quadro do aumento dos conhecimentos e do volume de coisificação (desencantamento) do mundo promovido pela linguagem imperial – porque há outros usos da linguagem que farão usos diferentes da mesma coisificação (como o encantamento) – a organização hierárquica (nacional e disciplinar) das diferentes formas de produção e uso das línguas vai de par e reforça a organização social, nomeadamente distinguindo os níveis institucional (correspondente à ciência paradigmática, futurível, esperançosa, imaginativa, virtual) e organizacional (correspondente à ciência normal, concentrada no presente, profissional, rotineira, avaliada pelas elites). Às elites cabe estabelecer e interpretar as leis e às não elites, às pessoas comuns, cabe seguir as instruções das elites sobre o que devem fazer para respeitar o que aprenderam a dever dizer e como devem ser interpretadas as leis.

O desenvolvimento imperial de linguagens, instituições, organizações, pessoas, mutuamente estanques entre si, para servirem as elites, gera um cesura social frequentemente apresentada como natural, como se sempre tivesse sido assim e não pudesse ser de outro modo por razões inelutáveis. Na prática, o confronto quotidiano e pessoas de todos e cada um com o atrito entre as orientações emanadas das elites, as situações encontradas e as consequências das acções, gera reacções sociais permanentes de desconforto que se acumulam.

As elites reservam para si o direito de ajustar as orientações de acção e as circunstâncias da sua execução com vista a finalidades planeadas, e impedem quem não seja das elites de tomar decisões e modificar práticas sociais. Tanto os membros das elites como os membros das não elites lutam consigo mesmos, e entre si, para explicar e entender a razão de ser de tal cesura e respectivos atritos (nas ciências sociais chamam-lhe desigualdades sociais) que apenas poderão ser enfrentados através de formas de representação e de organização anti-imperiais, abrindo o jogo a toda a gente e permitindo ajustamentos just in time, mesmo contra os interesses das elites.

Então, os avanços anti-imperiais, que podem facilmente ser encontrados na história recente e antiga, têm sido confrontados com as estratégias de dissimulação imperiais que procuram fixar as elites como sendo naturais, aristocráticas ou meritocráticas (Markovits, 2019) e/ou reprimir reorientar as práticas anti-imperiais bem sucedidas para a manutenção das elites e dos impérios que as tornam superiores, na prática.

Esta dinâmica produz crises anti-imperialistas regulares, imprevisíveis. Uma vez acordadas as instituições num momento de acordo sobre um determinado contrato social capaz de pacificar as relações sociais,  como aconteceu com a constituição portuguesa que rompeu com o fascismo e fixou a democracia, em 1976, as elites procuram tirar proveito das posições constitucionalmente fixadas (na política, nas administrações do estado e das empresas) para interpretar e adaptar o contrato social às circunstâncias – criando e usando a estanquicidade das posições políticas e de administração – através de alterações legislativas e de decisões empresariais fora do âmbito de intervenção das pessoas normais. Geram-se dinâmicas de imitação e repugnância, amor-ódio, entre as pessoas de diferentes lados das fissuras sociais, de classe, profissionais, organizacionais, reduzidas que está a respectiva atenção a corresponder à normalidade.

A normalidade imperial é, portanto, a de desocupar as elites, oferecer-lhes liberdades para que possam organizar a produção das interpretações dos contratos sociais a seu favor (Pistor, 2019), e ocupar ao máximo as pessoas não-elite com horários de trabalho, de consumo, de férias, de educação formal, de atenção a sistemas de comunicação social e entretenimento, no limite com perseguições das suas vidas desorganizadas desorganizando-as ainda mais, de forma bastante mais sofisticada do conhecido “pão e circo” romanos.

posts relacionados:

Identificar os problemas

Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

As vozes culturalmente censuradas

Romper com espírito imperial

Referências:

Dores, A. P. (2020). A Estado Social Real. RCP edições.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Kuhn, T. S. (1970). La structure des révolutions scientifiques. Flammarion.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Parsons, T. (1961). An Outline of Social System. In T. Parsons, E. Shils, K. Naegele, & J. Pitts (Eds.), Theories of Society. Free Press.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.