Abolir o espírito imperial

O espírito imperial caracteriza-se por ser profunda e extensamente sedutor e, ao mesmo tempo, impiedosa e orgulhosamente violento.

Esta bipolaridade do espírito imperial decorre da evolução da vida na Terra e da evolução da humanidade nas circunstâncias ambientalmente favoráveis dos últimos 10 mil anos. As próximas décadas e os próximos séculos irão mostrar se, como gostamos de imaginar, a capacidade de adaptação humana é inteligente ou, afinal, não é significativamente melhor do que fazem os gafanhotos ou as formigas quando protagonizam pragas ou as bactérias ou vírus quando provocam infecções.

Os resultados práticos da escolarização universal e a extensão do tempo de escolaridade por mais de uma década possibilitada pelas independências nacionais, isto é, pela subordinação de todos os territórios da Terra à soberania de estados bem identificados, são decepcionantes. Perante o reconhecimento geral das alterações climáticas, a proactividade das pessoas conscientes e até assustadas com isso não é capaz de alterar comportamentos sociais e individuais em escala útil. A liberdade moderna que há não se mostra suficiente para que a humanidade, ou sequer uma parte significativa dela, siga recomendações razoáveis e racionais conhecidas. O exemplo dos povos que protegem o ambiente são desvalorizados como selvagens e em vias de desaparecimento pelas pessoas que incorporaram o espírito imperial, todos os que vivem referidos às civilizações modernizadoras.

Os estados, a economia e a comunicação social globalizadas que os acompanham, escamoteiam de forma frequentemente óbvia o espírito imperial que os move, a extrema violência que usam, os controlos contra as liberdades que desenvolvem, a sua incapacidade para se adaptarem ao meio ambiente, preferindo que seja o meio ambiente que se adapte a eles, os ódios organizadamente produzidos contra os inimigos e, também, contra populações estigmatizadas ou que podem ser estigmatizadas com vista a dispersar os ódios espontaneamente gerados entre as populações contra as elites que manipulam o espírito imperial de todos quando os maus resultados dos privilégios irresponsáveis se tornam evidentes.

Porque assim é, não pode causar surpresa que temas como estados de espírito, império, violência, liberdade, meio ambiente, emoções como o medo ou o ódio, estigmas, responsabilidades, sejam, por um lado, inevitáveis e, por outro lado, evitados e ostracizados nas escolas e universidades modernas. Então, se por abolicionismo se entender a capacidade de enfrentar as chagas sociais e cuidar delas, como o fazem os lados femininos das sociedades humanas sobre os quais se constroem dinâmicas de transformação social emancipatória, as tarefas centrais do abolicionismo hoje serão a denúncia com vista à sua abolição do espírito imperial e da extrema violência que o caracteriza.

Há uma homologia entre a abolição do espírito imperial e a abolição da violência de género (Dores, 2013) com vista a criar as melhores condições para se vir a dar prioridade aos cuidados da natureza e da humanidade.  

Referência:

Dores, A. P. (2013). Para uma Justiça Transformativa. ler em http://home.iscte-iul.pt/~apad/justica transformativa


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.