Romper com espírito imperial

A subordinação da humanidade ao meio ambiente foi criticada pelos homens clássicos que tinham condições pessoais de assegurar a sua subsistência à custa da sociedade. Para justificar moralmente essa situação de privilégio, e a perpetuarem, esses homens desenvolveram culturas de auto-elogio, como hoje se praticam nas escolas, nas profissões e nas elites. Desenvolveram formas culturais de valorização unilateral daquilo que os distingue dos outros, como a cultivada agilidade mental e a visão política, e de ocultação daquilo que os torna semelhantes ou inferiores aos restantes, como a morte e os interesses pessoais.

As modernidades decorrentes da Revolução Axial (Eisenstadt, 2008) são afirmações da superioridade imperial de elites locais dispostas a tomar ou ao menos mediar as relações dos povos com as respectivas espiritualidades. As tendências espontâneas, como as discriminações sexuais ou de idade ou étnicas, foram elaboradas pelas elites em sexismo, intelectualismo, racismo, instrumentos políticos para dividir e reinar, isto é, aumentar as hipóteses de manter e tornar hereditários os privilégios.

O imperialismo não é, pois, o resultado do desenvolvimento exponencial do capitalismo, ao contrário do que escreveu Lenin (1916) e do que é comummente aceite. Como o poderia ser se o capitalismo tem um quarto de milénio e os impérios são conhecidos há vários milénios? O imperialismo é um estado de espírito experimentado e ensinado, como o revolucionário de Marx, o do capitalismo de Max Weber, o de solidariedade de Durkheim, o profissional, os disciplinares de cada ciência, etc. O estado de espírito imperial caracteriza-se por se focar em elaborar discriminações para proteger e legitimar a existência dos privilégios das elites e dos processos de os transmitir em herança, utilizando os mecanismos de segredo social para dissimular a sua própria existência.

Este estado de espírito imperial foi democratizado pelo projecto de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, que vingou a partir da Europa do século XV até hoje, em nome da expansão da cristandade, entretanto dissimulada em laicidade, cosmopolitismo e meritocracia. Os traços desse processo podem ser estudados na história dos sistemas de justiça, onde a lei dos livros descoincide de forma espectacular com as decisões dos tribunais (Habermas, 1987).

O que há a fazer, para enfrentar as setes pragas do Egipto do século XXI, é reconhecer a necessidade de romper com o espírito imperial que nos organiza as identidades pessoais, sobretudo como profissionais, e encontrar novas formas de moral e de cultura capazes de promoverem acções humanas mais construtivas do que destrutivas. O que há a fazer é estabelecer diálogos entre civilizações com esse objectivo, como se propõem ajudar a fazer os zapatistas na sua “declaração pela vida” que recentemente lançaram aos 5 continentes (Zapatistas, 2021).

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.