O uso centrípeto e sacrificial da lei do valor-trabalho

A lei do valor prevê a pauperização das populações. Sob o modo de produção capitalista, a pauperização acontece por pressões contraditórias: a) pressões da concorrência entre capitalistas para embaratecer os custos de produção das mercadorias, usando as ciências e tecnologias para reduzir o peso dos salários; b) pressões das lutas de classes, do sindicalismo e da política para definir oficialmente o custo do nível de sobrevivência; e c) pressões consumistas para o aumento do custo das necessidades básicas das pessoas condicionadas pela civilização que utiliza propaganda sacrificial do crescimento ilimitado que reproduz o espírito imperial punitivo. A pauperização, apesar de politicamente contrariada, continua a marcar a vida das pessoas.

A exploração material da Terra, além de potenciada pela semi-milenar missão imperial moderna (a Idade Moderna da história), para continuar a ser potenciada (na Idade Contemporânea), foi alavancada pelo capitalismo. As ideologias modernas reduziram a evolução da missão imperial a um passado hediondo – Idade das Trevas, Antigo Regime, aristocracia, aquilo de que a Idade Moderna se terá conseguido libertar. Escamoteiam a evolução, em particular a mobilização da violência para fins políticos (Hirschman, 1977), como se a guerra fosse um fenómeno ultrapassado na Idade Contemporânea.

O surgimento do capitalismo alavancou a missão imperial moderna em razão das suas potencialidades económicas, as que são referidas pela economia, e da capacidade de escamotear ideologicamente a condução imoral das elites imperiais da missão que continua. As teorias económicas são centrípetas, são reducionistas dos fenómenos sociais e ecológicos envolvidos: escamoteiam a evolução das sociedades modernas a partir das pré-modernas. Fazem crer que as revoluções recomeçaram tudo de princípio, sem que tenha ficado pedra sobre pedra do passado.

As teorias económicas e as ciência sociais centrípetas utilizam a retórica platónica de apologia da humanidade como seres vivos superiores à natureza, por misteriosa condição eventualmente produzida por divindades. Essa alegada superioridade natural, revelada pela cultura, serve também para reclamar a simpatia dependente dos súbditos às elites. Isto é, só algumas pessoas são verdadeiramente humanas (Novak, 2020). Muitas, como os povos em movimento, são massas animais que não reconhecem a singular humanidade das elites. Na prática, a maior parte da humanidade não tem cultura nem a cultura certa para ser humana: é uma natureza que poderia ser humana, caso estivesse educada. De onde se deduz – erradamente – que a educação será a solução, ainda que a prazo, de todos os problemas, mesmo quando as actuais gerações mais escolarizadas de sempre não se distanciem política e comportamentalmente das precedentes.

As ideologias modernas apresentam-se como pacíficas e em competição justa para ajustar as ambições de crescimento infinito com a frugalidade e mesmo pobreza da vida de grande parte da população. O argumento é que primeiro é preciso produzir o máximo, em esforço e sacrifício, mais de uns do que de outros, para depois poder distribuir, cabendo a parte de leão a quem não trabalha, sacrificando-se assim a maioria às elites guardiãs de tão belo arranjo social.

As crianças são parte de leão dos contingentes de pobres

Os processos revolucionários de segunda ordem, os dos proletários, foram processos de protecção das condições de vida dos trabalhadores reduzidos pelo capitalismo ao pauperismo. Os trabalhadores que têm condições de sobreviver temem, claro, envolver-se em lutas para proteger terceiros. Temem ser arrastados para situações de falta de recursos, de abandono-exclusão social. Sacrificam-se moral, física e pessoalmente para manter o status-quo e evitar a repressão. Embora nunca deixem de entrever oportunidades de protesto e reclamação ou, eventualmente, de tomada de poder.

Os resultados são trágicos: as bombas ambiental e atómica são acompanhadas pela bomba demográfica: a destruição da saudável pirâmide demográfica nos países mais desenvolvidos, consequência dos sacrifícios pessoais e familiares a que se dedicam as populações para manter níveis de rendimento compatíveis com os níveis de sobrevivência, sacrificam as futuras gerações demográfica e ambientalmente. Sacrificam-nas por lhes reservarem uma vida pior do que aquela que há hoje.

A continuidade do processo de pauperização no pós-guerra, apesar da propaganda explicar que o aumento dos consumos representa a libertação das misérias do século XIX, é absoluta – mensurável em números de pessoas a viver abaixo dos níveis de subsistência, muitas delas a reproduzirem-se mais do que o resto da população – e relativa – resultado da frustração de expectativas criadas pelas ideologias-publicidade-propaganda-ciência centrípeta-entretenimento que justificam os sacrifícios.

As revoluções proletárias do século XX não substituíram a revolução tecnológica burguesa por tecnologias proletárias – embora o tentassem fazer confusa e brutalmente no campo da cultura (London, 1976; Snyder, 2023, Mandelstam, 2023). As ideologias proletárias, de base sindical, insistem no crescimento dos salários que acompanhe o crescimento da economia, como tópico reivindicativo principal, nem sequer imaginando a possibilidade, quanto mais a necessidade, de mudar radicalmente de tecnologias (Schumacher, 1985, Latour, 2007).

Os aumentos, sempre insuficientes para quem os recebe, não evitaram o pauperismo e a miséria. Porém, essa prioridade está sintonizada com a alegada necessidade de fazer crescer a economia para se resolverem os problemas sociais, incluindo os criados pelo crescimento económico infinito. Os trabalhadores aceitam sacrificar-se para fazer uma economia que os sacrifica em nome de um futuro sempre adiado e a exigir mais sacrifícios.

Animar a economia pelo consumo

A economia pós-moderna aprendeu a crescer (a lucrar) tanto por via do consumo (keynesiano) como por via do investimento. Partidos políticos e eleitores, incluindo os proletários, debatem em torno do idealizado estado social como aumentar a economia, enquanto intimamente as pessoas cada vez mais individualizadas e incapazes de agir socialmente recusam ter filhos. Não se imagina que uma coisa tem a ver com a outra. O que é que a demografia tem a ver com a economia? As ciências centrípetas estão aí para garantir que são assuntos estanques.

A superação da fase capitalista da missão imperial por adopção de tecnologias amigas do ambiente e da humanidade, a que aspiraram alguns no século XIX, revelou-se até hoje impraticável. A teoria do valor-trabalho deixou de ser utilizada como um instrumento de transformação social. É utilizada, hoje, num quadro de revivalismo, como se fosse possível ou desejável voltar ao Estado Social (Dores, 2020).

Acompanhado por intelectuais do calibre de David Harvey (2011), Michael Hudson (2022) espera que o desenvolvimento industrial chinês resulte em socialismo, com base na eventual vontade do Partido Comunista politicamente hegemónico. À luz das experiências do socialismo real e da social-democracia (Dores, 2020), tal esperança parece ingénua. Em todo o caso, Hudson tem um critério de validação dessa possibilidade: caso a China não se deixe enredar por políticas monetaristas e neoliberais, desde que não perca o foco na produção capitalista, a crescente força dos trabalhadores sacrificados não desmobilizada por políticas de austeridade (Mattei, 2022) será garantia da emergência da via socialista prognosticada por Marx.

(A ideia de necessidade histórica do socialismo, como simples continuidade do capitalismo produtivista, é contraditória com a ideia de ruptura radical entre a Idade Moderna e a Idade Contemporânea pela Revolução Industrial. Alguma clarificação será benéfica sobre a natureza dos processos históricos).

A organização do trabalho imperial, desenvolvida desde as Cruzadas (como o faz a Ordem de Cister, a partir de Alcobaça em Portugal) e, mais tarde, na colonização de alguns territórios insulares em África, foi depois explorada pelas burguesias para produzir sempre cada vez mais valores de troca – como os inventados no mundo virtual da internet – que aumenta os custos do nível mínimo de sobrevivência, excluindo mais gente dos recursos mínimos de subsistência.

Os proletários não conseguiram impor nem leis, nem tecnologias, nem ideologias anti-imperiais, nem no sector industrial, nem no sector financeiro, nem na educação, nem nos cuidados, nem na urbanização, na alimentação ou no mundo dos símbolos – ciência, internet.

Disso foi exemplo espectacular a mobilização para o confinamento global nos meses da pandemia COVID-19. Cidades enterradas em poluição do ar foram novamente avistadas pelos seus habitantes, ansiosos para que tudo voltasse ao normal. E assim foi. Foram as vítimas da poluição urbana quem mais desejou que ela voltasse, por ser a única forma que conhecessem de poder sobreviver.

A sobrevivência individual dos trabalhadores modernos não promove níveis de vida superiores, ao contrário do que alega a propaganda e daquilo que os trabalhadores continuam a preferir acreditar, instados – é certo – por mecanismos de lavagem ao cérebro omnipresentes. Há a noção de que as novas gerações, as mais escolarizadas de sempre, terão vidas de inferior qualidade do que tiveram as gerações anteriores, as beneficiárias directas dos movimentos de contestação do capitalismo que tiveram resultados no pós-guerra e começaram a ser paulatinamente revertidos nos anos 80. A partir da gestão austeritária da crise financeira de 2008, a perspectiva do Antropoceno começou a exaltar os mais jovens. Em torno do exemplo de Greta Tunberg, formou-se um movimento a reclamar por uma revolução de que não se encontra a base social para a realizar.

O desenvolvimento sob a forma de competição pelo crescimento económico entre países capitalistas, socialistas ou do Sul Global revelou-se uma fraude. Apenas sobrevive sob a forma de corrupção (Perkins, 2004) e é jogada por regras definidas globalmente por monopólios internacionais, cujo instrumento principal continua a ser a guerra liderada por impérios sujeitos às lógica de produção dos respetivos complexos militares-industriais (Rolo, 2006), a que se devem acrescentar os complexos educativos-científicos-penais  que configuram a parte sedutora do sistema imperial que conduz a humanidade (Markovits, 2019; Sandel, 2020).

Os monopólios cientifico-militares compram todas as inovações úteis para as finalidades imperiais, seleccionando as lucrativas para os monopólios. Compram as inovações que os profissionais, através das universidades, adoptam. Compram as empresas construídas por empregos que se adaptam às necessidades das missões imperiais de exploração da Terra. As iniciativas de reagir aos nefastos interesses imperiais são transferidas para o terceiro sector, a economia social, e aí vigiados e reduzidos à insignificância, sem prejuízo da possibilidade de exercício da livre expressão e iniciativa nos países liberais (O´Neil, 2016; Dores, 2020).

A exploração da Terra intensificou-se no quadro geral expansão oceânica do século XV, incluindo a exploração de força de trabalho escravizada. No século XIX, a substituição dos sectores tradicionais da economia foi potenciada por processos de produção submetidos ao capital. Com ela, veio a substituição da escravidão pelo assalariamento em Inglaterra, sistema que será concorrencialmente aplicado na Europa até que estoirou em guerra mundial. Duas guerras mundiais depois, no pós-guerra, nem o comunismo nem a descolonização promoveram a utilização de tecnologias-ideologias alternativas às tecnologias-ideologias capitalistas. Isto não foi lá com cultura, ainda que seja crítica.

Os países comunistas copiaram as tecnologias capitalistas e revelaram-se incapazes de promover tecnologias desenhadas para acabar com a exploração. Disputaram, e disputam, com os países capitalistas a superioridade relativa a fazer a mesma coisa: explorar a Terra em escalas sempre maiores.

A lei do valor-trabalho tem vigência apenas em certos períodos históricos e exprime-se nas diferentes conjunturas históricas e locais de diferentes formas. A finalidade para que essa lei foi formulada foi a abolição das sociedades de classe, a passagem para uma época histórica humanista, como os socialistas acreditavam que seria o ânimo espontâneo das classes trabalhadores. A esperança de realização do socialismo esvaiu-se. Não se sabe se será recriada. De momento, a imaginação popular capaz de usar a teoria do valor-trabalho para a finalidade com que foi formulada por Marx não existe.

CONTINUA EM: O trabalho e a guerra

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

Referências:

Dores, A. P. (2020). Estado Social Real. RCP edições

Harvey, D. (2011). O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo. Boitempo Editorial.

Hirschman, A. O. (1977). The Passions and the Interests: Political Arguments for Capitalism before Its Triumph. Princeton University Press.

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. Baskerville: ISLET—Verlag.

Latour, B. (2007). Changer de société, refaire de la sociologie. La Découverte.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago: Chicago University Press.

Novak, M. (2000). Defining Social Justice. First Things, 108.

O´Neil, C. (2016). Weapons of Math Destruction. Penguin Books.

Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.

Rolo, J. M. (2006). O Regresso às Armas – tendências das indústrias da defesa. Edições Cosmos.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Schumacher, E. F. (1985) Small is Beautiful, D. Quixote.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (26 de Abril de 2024). O uso centrípeto e sacrificial da lei do valor-trabalho. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/wb74


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search