Profissionalismo

Profissionalismo significa, como bem fixa a doutrina do centralismo democrático, fidelidade e obediência à direcção do partido ou da organização. Tal como recomendara Descartes, cada pessoa dividia-se em cabeça e corpo, sendo que aos profissionais, como na tropa, não caberia questionar as decisões superiores, mas antes contribuir para a sua concretização. Aos profissionais cabe disponibilizar as suas competências adquiridas como instrumentos ao serviço das decisões de quem lhes paga um rendimento, de subsistência ou mais substancial. Desse modo, as decisões estratégicas podem ser produzidas no topo e descer em cascata pela pirâmide social solidária com as elites, mesmo quando estas estão desorientadas ou viciadas.

Lenin tornou-se, no seu mausoléu, o símbolo da ordem superior a que os profissionais não podem nem devem ter acesso, a não ser como reverência condescendente da direcção do partido ou do estado, ou da administração de empresa. Lenin reproduziu a soberba intelectual de Descartes, ao reificar a res cogitans do Partido como independente da res extensa dos povos, como uma inspiração divina, neste caso de Karl Marx. Porém, usando sempre Marx, alegou estar a fazer o inverso: seria a infraestrutura (e não a superestrutura ou cabeça) aquilo que conduziria a acção humana ao destino socialista e comunista das sociedades modernas.

A ideologia proletária, imagem ao espelho da ideologia burguesa, pelas mãos de Lenin, conquistou o estado imperial russo e ocultou a voz popular imitando-a, alegando o direito especial de representação dos trabalhadores industriais, que quase não existiam na Rússia (Resnick & Wolff, 2004).

Tal como uma das principais funções do racionalismo cartesiano é ocultar a relação privilegiada com o Céu que inspira a res cogitans, resquício ao mesmo tempo presente e negado, secreto, das culturas tradicionais, religiosas, alegadamente desaparecidas com a revolução, primeiro francesa, depois russa, também a ideologia proletária interpretada por Lenin tem por um dos seus principais objectivos negar, proteger com segredo, a existência de elites de tipo tradicional, reificadas: a nomenclatura.

Não se trata aqui de renegar a memória de um político notável e menos ainda fazer processos de intenção. Trata-se de constatar que a tomada de poder de um império dificilmente pode ser feita sem o reproduzir. Algo semelhante se passou com as luta anti-imperialistas e anti-coloniais da descolonização. A bandeira da independência nacional representou a fixação das arbitrárias fronteiras coloniais e a dominação dos territórios administrativamente definidos por práticas de dominação estatais e imperialistas semelhantes às que estiveram a ser condenadas nesse período histórico do pós-guerra.

Do mesmo modo que os abusadores negam sê-lo, ou os vigaristas se fazem de vítimas, e isso impressiona os abusados e os vigarizados de tal modo que, em vez de denunciarem as situações conformam-se com elas, assim os administradores e políticos profissionais do pós-guerra reclamam méritos especiais e irresponsabilidade nos resultados. O privilégio intelectual atribuído à condição moderna, na base da escala abstracta de mérito concretizada pelas avaliações escolares, profissionais e partidárias organizadas pelos estados e apenas aplicadas às pessoas subordinadas, em particular os privilégios atribuídos aos profissionais da política nas sociedades do pós-guerra, tornou os políticos profissionais uma casta (Oborne, 2008) de suporte às oligarquias globais, a par dos grandes administradores com quem estabelecem um regime de “portas giratórias”.

O profissionalismo substituiu a ética do trabalho proletário, cujo valor civilizacional foi afirmado durante o século XIX, na cultura ocidental. O capitalismo tornou-se uma segunda natureza da vida social, uma infraestrutura, escamoteada que está a arbitrariedade voluntarista do seu funcionamento (Pistor, 2019). Para explicar as crises financeiras e de sobreprodução resta a “corrupção” ou a “ganância”, a (falta de) moral individual brandida pelos partidos de ódio, a par dos estigmas criminais e étnicos.

Romper com espírito imperial (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.