As guerras do progresso

A filosofia de Descartes é uma excelente síntese da cultura moderna centrada na apologia da superioridade cognitiva dos exercícios de salão aristocráticos. A filosofia de Lenin completa-a, fazendo a apologia da acção revolucionária profissionalizada e sacrificial das elites dos trabalhadores contra as sociedades de classes.

A superioridade de ordem divina atribuída ao pensamento, que é o orgulho da filosofia, ainda que melhorada e completada com a acção correspondente, planeada, só pode ser imposta pelo uso, eventualmente dissimulado, da extrema violência simbólica e física.

As vozes tradicionais, nomeadamente as vozes sacrificiais que animam os trabalhadores a fazer o que fazem, foram desmerecidas, reprimidas, ostracizadas, criminalizadas, mas reproduziram-se sempre, incluindo nos momentos de maior aceleração da modernização sob o impulso capitalista e industrialista. Como descreveu Karl Marx, os capitalistas que alimentaram os reis absolutistas e os intelectuais iluministas com as suas razias coloniais, na acumulação primitiva, precisaram dos trabalhadores ocidentais para desenvolver as indústrias que, por sua vez, permitiram não apenas manter, mas inclusivamente aumentar, a intensidade da descoberta da Terra, a expansão da Fé e do Império, a colonização, como se Deus lhes estivesse a dizer, aos patrões e aos trabalhadores aliados na exploração da Terra, esse é o caminho da Terra Prometida, também conhecida como progresso.

O determinismo revolucionário tomou conta das mentes modernas, aristocráticas, capitalistas, laborais: tudo estava a correr bem e iria correr bem para sempre, como nas histórias de encantar. Quando rebenta a I Guerra Mundial entre estados-nação, reduzindo o protagonismo dos trabalhadores, mobilizados como carne para canhão, grande parte dos que serviam o império russo decidiram abandonar a guerra.

Entretanto, face às dificuldades de concretização da fase proletária da revolução, a que a burguesia resistia, os partidários de Lenin imaginaram um expediente para acelerar a história: criar um partido profissional capaz de promover o socialismo e o comunismo a que as burguesias resistiam com sucesso nos países mais desenvolvidos.

Na Rússia, a convergência dos militares que, com apoio popular, recusavam fazer a guerra das intenções subversivas do partido de políticos profissionais de Lenin para fazer a revolução proletária fez com que o império russo passasse a ser conduzido pelo Partido Comunista da União Soviética.

Essa vitória histórica foi rapidamente recuperada pelas elites que passaram a adoptar os partidos políticos de profissionais no centro do sistema político, em contraste com os partidos burgueses frequentados e dirigidos por homens de negócios organizados em clubes de elite, como era até então.

Profissionalismo (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.