As vozes culturalmente censuradas

Tal como Bach descobriu duas vozes capazes de representar a sensibilidade moderna (McNair, 2021), assim o abandono das culturas tradicionais, holistas, domesticantes, socializadas e dogmáticas, foi realizado pelas novas culturas, profissionalizadas, exploradoras, individualistas, criativas, inventivas, de um modo diferente do que é representado.

Por razões de luta social partidária, do esforço educativo democratizador, de mobilização da ciência e da economia, as vozes modernistas representaram a ruptura com a tradição, a Idade das Trevas, a sociedade de ordens, as culturas aristocráticas, como coisas do passado de que se deseja, mais do que assegura, a abolição. Tudo se passa como se as culturas e práticas tradicionais se tenham mantido em segredo misturadas, em apoio, das práticas modernas, para o melhor e para o pior.

A insensibilidade cultural para dar conta da presença da voz mais tradicional na arte, de que fala Bach, revelada por Nicholas MacNair, é um dos traços da cultura moderna: a descoberta, a inovação, o novo nunca visto que substituiria aquilo que estaria a desaparecer naturalmente, como um pôr do sol, sem violência e sem luta (Hirschman, 1997), só parece real e verdade por obstrução da sensibilidade humana ao reconhecimento do valor das culturas tradicionais e por negação extremamente violenta do direito de existência dos povos primeiros e dos dissidentes que neles se inspiram.

Um dos aspectos fundamentais para participar nas actividades culturais é a aprendizagem da musicalidade das línguas. Cada língua define-se por usar um espectro sonoro particular que cria sensibilidades diferenciadas a diferentes partes desse espectro. O ouvido educado numa língua alheia-se de partes das frequências sonoras para se concentrar na musicalidade própria da língua socialmente usada (Tomatis, 1991).

Para as aprendizagens culturais e sociais é tão importante reconhecer aquilo que se afirma como aquilo que se esconde e não quer reconhecer. Tão importante é o conhecimento iluminado pela cultura como os segredos sociais sobre os quais essa cultura assenta. Os sem abrigo, os pedintes, os maus tratos a crianças, os abusos sexuais, as práticas sacrificiais banalizadas (como no trabalho) e radicalizadas (como nas guerras, nas prisões, na prostituição, organizadas por serviços secretos), a mobilização organizada de discriminações para fins de dominação, como o racismo, o sexismo, a homofobia, etc., são exemplos de um submundo que todos conhecemos, mas que dispensamos quando pensamos em sociedades modernas. Para produzir decisões apropriadas ao tempo que vivemos é preferível ter um conhecimento de base mais amplo e sem censuras culturais, apesar das e mesmo contra as sensibilidades dominantes.

a) os segredos que protegem as práticas de segregação social institucionalizadas dos julgamentos morais dos cidadãos e das suas instituições, transformam em inimigos quem insista em tais assuntos,

b) a democratização da cultura contra tradicional, por via escolar e científica, nomeadamente apresentando a ciência como receituário dogmático para resolver problemas em vez de ser uma estratégia de organizar investigação em torno de questões capazes de resistirem aos processos de pesquisa já conhecidos,

c) o ensurdecimento cultural quanto às vozes tradicionais, incluindo a dos povos objecto de genocídio,

d) a adopção, por parte das elites, de práticas culturais dos seus adversários, apropriando-se delas e subvertendo as suas vitórias, tornando-as temporárias e aparentes, recuperando-as de modo a que tudo fique na mesma a favor das velhas elites,

tudo isto são práticas modernizadoras conhecidas tornadas possíveis por as nossas mentes continuarem mergulhadas no dualismo místico protector e predestinado que separa ontologicamente o céu da terra, a cabeça do corpo, a humanidade dos outros animais, as sociedades da natureza, o meio ambiente da Terra, a Terra do cosmos, o moderno e o tradicional.

A filosofia de Descartes representa de tal modo bem a cultura dualizada moderna, a luz cognitiva das elites e as trevas das massas conduzidas, que é praticamente impossível abandonar a desmultiplicação destas dualidades na representação da humanidade e do seu habitat, a inteligência e os seus resultados práticos, as ciências pura e aplicada kantianas. É esse jogo de luzes e sombras que nos paralisa, socialmente. Estamos à espera dos mesmos sinais divinos de sempre, na tradição judia, mas agora vindos das instâncias internacionais especializadas alegadamente informadas pela ciência dos especialistas.

Na prática, para as elites e grande parte da humanidade quem decide como a natureza funciona continua a ser Deus, como um vício de desresponsabilização escondido e negado através de chantagem emocional contra as investidas da racionalidade censurada.

A música tem duas vozes, a ciência é pragmática e imaginativa, a espiritualidade é saudável, mas a exploração da espiritualidade, da ciência e até da música para fins de promoção do espírito imperial revela-se desastrosa, apesar dos progressos conseguidos.  

Tal como em frente a um vigarista, a cultura moderna que omite a copresença das culturas tradicionais, a humanidade espera que, apesar do mau aspecto, ocorra mais uma graça divina, como aprendeu a fazer, eventualmente com sucesso. Com a diferença que agora sabe cognitivamente que é a acção humana, a acção moderna, que está a criar riscos inusitados que ameaçam interromper a continuação das condições de vida na Terra que foram favoráveis à existência da humanidade, nos último dez ou doze mil anos.

Do mesmo modo que os viciados podem saber que o são, mas podem não querer ou conseguir admitir e/ou mudar os comportamentos de risco, também a humanidade viciada, por assim dizer, na sua cultura moderna está inoperante. Não tem conseguido atingir objectivos morais, como assegurar direitos humanos para todas e cada pessoa, e está também impotente perante a sucessão cumulativa de crises estruturais, metendo tudo isso debaixo do tapete da dissimulação e censura ideológicas.

As guerras do progresso (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.