O valor das tecnologias e dos trabalhos para a missão imperial

A ideia de haver modos-de-produção ideais, entre os quais o modo-de-produção capitalista que polariza as classes em duas, desvia a atenção analítica das cumplicidades transitórias e conflituais entre as diversas fracções das elites e da burguesia. São estes conflitos que animam as políticas dos trabalhadores, nomeadamente através dos partidos de massas empenhadas em apoiar uma das alianças de elite contra outras. A construção do proletariado, de uma classe capaz de abolir as classes, não cabe na imaginação popular, seja ela económica ou política. A prefiguração de democracia associada a uma sociedade sem classes inexiste – também porque as lutas para realizar as democracias populares obtiveram resultados trágicos.

A teoria do valor trabalho é um exercício de ciência centrípeta que aprofunda a teoria dos economistas pioneiros sobre como substituir os direitos divinos impostos pela religião e pela aristocracia pelos direitos económicos. Foi a aliança entre o Terceiro Estado e a aristocracia moderna que produziu as elites. Estas incluem a burguesia, mas vão além dela. Os senhores da guerra continuam a mandar.

A lógica imperial tradicional, David contra Golias, continua a ser hegemónica

A teoria do valor descobre no trabalho industrial a raiz da exploração económica. Tem por limite a desvalorização de outras formas de trabalho externalizadas pelo processo de assalariamento, como os trabalhos indispensáveis à formação das identidades das pessoas. Outro limite é a complexidade das formações sociais cuja história continua a ser descoberta e continua a ser projectada para longe das teleologias mobilizadas por Marx que fizeram da dialéctica um abre-latas de desejos que continuam por cumprir. Corolário desde segundo limite é o negacionismo da persistência dos impérios no sentido tradicional. O modo de orientação geral das sociedades e dos modos de produção, incluindo o capitalista, é criado por via imperial através dos jogos geoestratégicos e de manipulação social, que incluem eventualmente a destruição das economias e de valor. Este assunto será referido em conclusão.

Como ciência centrípeta, a teoria do valor mobiliza métodos quantitativos que, porém, não se conseguem operacionalizar. Por isso, há quem reconheça o génio de Marx como economista e denuncie a sua ideologia como uma limitação política auto-imposta ao economista (Denis, 1980). Isto é, a economia ideologicamente pró-capitalista, incluindo a economia que se praticou na União Soviética, deve ser capaz de operacionalizar as estatísticas nacionais para fins de controlo político das actividades económicas, coisa que não preocupou Marx. Portanto, do ponto de vista dos profissionais da economia os aspectos anti-economicistas das teorias de Marx devem ser expurgados, para que os economistas marxistas possam reclamar profissionalmente o seu lugar nas sociedades actuais. Enfim, os economistas tendem a reduzir centripetamente a teoria do valor que, de si, já é um exercício centrípeto.

Os panos de fundo sociais e civilizacionais em que a teoria do valor ganha e perde significado foram subsumidos por Marx nas relações laborais de fábrica. A crítica dos economistas aprofundou politicamente a dinâmica centrípeta iniciada por Marx, afastando a teoria do valor trabalho de qualquer esperança de uma sociedade sem classes. Ofereceu-lhe em troca a medalha utilizável pelos diletantes de valor intemporal, eterno, aplicável desde a pré-história e para sempre, mesmo quando a humanidade já não existir. Em vez disso, pode-se optar por dialogar com outros aspectos da sociedade, como o direito e a política, que histórica e localmente se recompõem de formas muito variadas de que apenas o rumo parece persistir: a continuidade da exploração.

A ciência centrífuga nunca está muito longe. Mesmo quando a questão principal que acompanha a teoria do valor, como se acaba com a exploração?, continua sem ser tratada.

A teoria do valor pode ser concebida de um modo jurídico (Pistor, 2019): como o trabalho jurídico desenvolvido desde muito antes do capitalismo, e continuado de forma inovadora e muito bem paga actualmente, separa os valores em circulação que animam a sociedade dos valores acumulados nas mãos das elites? Fina filigrana jurídica protegida por sistemas políticos, judiciais e ideológicos, incluindo o uso da força, configura a velha arte de manter, na medida do socialmente possível, incontáveis riquezas acumuladas: como as retirar de circulação e como haver modo de as vigiar?, são dos principais problemas do direito. O capital, nesta concepção, será a torre de marfim jurídica que elabora os códigos que recobrem imoral e moralisticamente as grutas dos Ali Baba, aquilo que protege e esconde com privilégios adaptados às circunstâncias históricas e locais as riquezas acumuladas oriundas de qualquer modo-de-produção ou do roubo puro e simples.

O ilusionismo judicial

Se em vez de economia se escolher o direito como disciplina prioritária de análise, como parece justificar-se na era pós-industrial, a do capitalismo neoliberal ou financeiro (Reich, 1991), tornam-se visíveis novas dimensões do valor, como as políticas e jurídicas, cujos trabalhos profissionais são pagos segundo uma bitola diferente dos salários dos trabalhadores industriais. Dimensões e trabalhos profissionais que, por natureza, estão isentos de qualquer imaginação de reconstrução social mais justa. Ao invés, laboram sobre os resultados práticos da formação profissional que inclui a separação radical entre vida moral e vida económica e faz das duas culturas, as paixões e os interesses, fontes da insistente produção da mentalidade bipolar moderna.

Voltando à economia, em vez da indústria podem escolher-se as finanças para essência dos mecanismos de exploração que o valor trabalho procura identificar: segundo Michael Hudson (2022), a explicação da superioridade e do actual declínio do império ocidental em relação ao império oriental (Morris, 2013) ancoraria na adopção pelas elites ocidentais de culturas financeiras anti-socialistas: no Ocidente, até aos anos 80 do século XX, o foco era a industrialização. A criação de condições cada vez mais dignas para a vida dos trabalhadores para dar resposta aos seus anseios – a via para o socialismo -progredia. Com o neoliberalismo, o Ocidente adoptou culturas financeiras que voltaram a favorecer, como no tempo da aristocracia do Antigo Regime, as rendas, como a especulação financeira, em detrimento da produção física de mercadorias que começou a ser deslocalizada. Com essa política, o Ocidente evitou a crescente afirmação da necessidade da via socialista, mas acabou por concedeu o poder concorrencial à China.

A China viabilizou o neoliberalismo global tornando-se barriga de alugar da produção capitalista (“um país, dois sistemas”). A aceleração da produção industrial na China transformou Pequim numa candidata a sede do império global, em detrimento de Washington. Para Hudson, desde que o Partido Comunista Chinês mantenha as promessas de socialismo, isto é, desde que se mantenha concentrado em favorecer as capacidades produtivas do país, o crescente bem-estar dos trabalhadores estará estruturalmente assegurado, como esteve no Ocidente durante os Trinta Anos Magníficos do pós-guerra. Insta a China a nunca ceder à tentação descrita por Clara Mattei (2022) de conter o socialismo com austeridade.

Marx formulou a teoria do valor trabalho na esperança de essa denúncia de haver exploração dos trabalhadores sob a forma científica ser inatacável e, portanto, legitimar a continuação da revolução burguesa em direcção à Liberdade, Igualdade e Fraternidade, mas agora orientada por referências proletárias. A história revelou-se diferente do que Marx desejou. A lei do valor-trabalho e o capitalismo revelaram-se não autónomos: dependem daquilo que os tornava viáveis. Como hoje o Estado viabiliza pela força bruta, pela administração e pela formação profissional as leis dos mercados, assim o capitalismo e a sua lei do valor-trabalho dependem, como alegaram Pistor e Hudson, das vontades-possibilidades dominantes no seio das elites em usar a força social dos militares, do direito e das finanças, segundo as propostas profissionais que lhe são oferecidas por quem lhes é fiel.

São as elites aristocráticas/burguesas a decidir como manter no rumo possível a missão imperial semimilenar de exploração da Terra que caracteriza a civilização ocidental moderna. Fazem das suas vidas uma procura constante, por tentativas e erros, de rumos adaptados às circunstâncias. O estado do meio ambiente, manipulado por tecnologias cada vez mais potentes, e o estado das sociedades, cada vez mais integradas e vigiadas, são monitorizados por processos profissionais de manipulação de modos de produção capitalista e de vigilância (Zuboff, 12019). Cada trabalhador é chamado a participar, a partilhar a sua cota de responsabilidade na administração do império, com as promessas de vida melhor e livre. As instâncias internacionais, os estados, as maiores empresas e profissões, porém, concordam que, até agora, a missão vai sendo realizada, mesmo quando as promessas falham e são evidente os riscos de extinção envolvidos. Orwell (1949) e Marcuse (1991) poderão ter tido razão antes de tempo, quando anunciaram a impotência humana perante os desígnios imperiais?

CONTINUA EM: O uso centrípeto da lei do valor-trabalho

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

Referências:

Denis, H. (1980). L’Économie de Marx – Histoire d’un échec. PUF.

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. ISLET—Verlag.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago University Press.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente. Bertrand.

Orwell, G. (1949). 1984 (first edit). Secker & Warburg.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Reich, R. B. (1991). O Trabalho das Nações. Quetzal.

Zuboff, S. (2019). The Age of Surveillance Capitalism. Profile Books.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (25 de Abril de 2024). O valor das tecnologias e dos trabalhos para a missão imperial. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/w9zw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search