O que esconde o espírito revolucionário?

A inoperância social actual perante a degradação anunciada da situação da humanidade provavelmente releva de hábitos viciosos legitimados por subordinação mental, de rotinas disciplinadas inculcadas de criança preparadas em submissão a projectos elitistas das elites, contra os quais, por inércia e dependência, é difícil reagir.

Gregory Clark (2014) descobriu uma constante de desigualdade social milenar e igual em todos os países modernos estudados. Ela será sintoma de uma característica humana inata ou criada culturalmente. Em qualquer caso, as intenções revolucionárias de acabar com os privilégios legais das ordens sociais e das desigualdades sociais burguesas falharam, apesar do alegado sucesso das revoluções francesa e russa.

Descartes e Lenin, centrais como são no pensamento e na organização da modernidade, podem ajudar a compreender tanto as intenções como as limitações do projecto moderno para cumprir os seus auto-designados desideratos, como os que são anunciados nos objectivos do milénio da ONU.

O primeiro obstáculo a identificar e a evitar é a censura política e moral que estigmatiza toda a condição humana, excepto a que aderiu à modernidade. A ideia de que há um abismo incomunicável entre a cultura e a natureza e entre a tradição e a modernidade é irrealista, mas está incorporada nas pessoas com um mínimo de educação, socialmente integradas ou com vontade de o estar. A ideia de que revolução revogou o valor da experiência humana anterior é bizarra, mas vulgar e até inevitável. Releva da adopção íntima, inconsciente e individual, por imposição de monopólios culturais e cognitivos inoculados por via escolar, de paradigmas mentais de base cartesiana, por um lado, e leninista, por outro.

A distinção res extensa e res cogitans difundiu-se de modo a parecer natural, lógica e indispensável a separação entre métodos quantitativos e métodos qualitativos, indivíduos e pessoas, funcionalidades e moral, planos estruturantes e liberdade, sociedade e mentalidade, disciplina e inspiração, trabalho e arte, etc.

Michel Foucault (2004) mostrou como uma cultura clássica de cuidar de si, desenvolvida pelos aristocratas gregos e romanos como instrumento de intervenção política, serviu de modelo para a razão individualista moderna, entretanto aceleradamente democratizada sob o capitalismo. Daniel Markovits (2019) conta uma história parecida, ocorrida no pós-guerra e em sentido inverso: mostra como a cultura sacrificial dos trabalhadores foi adoptada pelas bem sucedidas elites norte-americanas e globais que enfrentaram a falência do estado liberal do século XIX, sob a forma de meritocracia. Isso inspirou a moral competitiva neoliberal e profissional. Distraidamente, de forma insuspeita, o prestígio moral da valorização do mérito individual no trabalho sobrepõe-se à avaliação racional das práticas desastrosas evidenciadas pelos resultados, como a guerra, a fome, as desigualdades sociais.

As vozes culturalmente censuradas (continuação)

Referências:

Clark, G. (2014). The Son Also Rises. Princeton University Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito (1a ed. 200). Martins Fontes.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Lenine. (1916). O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

McNair, N. (2021). Two Part Invention. 9o Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Resnick, S., & Wolff, R. (2004). Teoria de Classe e História – Capitalismo e Comunismo na URSS. Campo da Comunicação.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. Encontrado em 2/7/2021 em https://viajezapatista.eu/pt-pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.