Que fazer? (3)

Link para Que fazer? (1)

Link para Que fazer? (2)

Quando todas as crises parecem reunir-se numa só, como nas sete pragas do Egipto, e cada uma isoladamente parece ser igual a tantas outras já vistas, como as financeiras, as do contágio do ódio organizado por instituições políticas, as epidemias descontroladas, as destruições do meio ambiente pela economia moderna, os aumentos da pobreza, da guerra, dos refugiados e dos desastres naturais, continuar a fazer o que nos conduziu até aqui, das duas uma, ou releva da descrença da capacidade humana de se adaptar às circunstâncias, conformada com o destino, ou releva do vício de continuar a fazer aquilo que se sabe ser mau e desastroso, mas não se sabe sequer imaginar como fazer de outro modo.

O que há a fazer é voltar ao princípio, aos princípios, e rever os erros estruturais que nos colocaram na situação em que estamos, como os sintetizados por autores como Descartes e Lenin. Reconhecer que as lutas anticlericais e anti-burguesas, anti-imperialistas e anti-coloniais, falharam os respectivos objectivos de abolir o pensamento dogmático, as sociedades discriminatórias e as práticas irracionais daí decorrentes.

O vigor do espírito revolucionário que consolida a modernização não produziu a pacificação e a felicidade desejadas. A democratização não evitou a continuação das exclusões sociais e dos obscurantismos. A integração dos valores proletários nas sociedades modernas não produziu os resultados almejados. A meritocracia e o profissionalismo são esperança infundada, pois não têm acesso às tomadas de decisão estratégica cada vez mais obscuras e distantes das pessoas comuns. O que há a fazer é a crítica do espírito imperial a que voluntariamente estamos submetidos para podermos libertarmos-nos dele.

1. O que esconde o espírito revolucionário?

2. As vozes culturalmente censuradas

3. As guerras do progresso

4. Profissionalismo

5. Romper com espírito imperial


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.