Será que há isso a que chamam sociedade? (3)

À procura de um fénix cognitivo

Na perspectiva da ciência centrífuga, aceitar a distinção ontológica entre natureza e sociedade é impensável. Não se pode construir conhecimentos seguros em areias movediças, isto é, sobre erros evidentes. A convergência das ciências da natureza com as ciências sociais e as ciências tecnológicas não é uma opção política. É uma necessidade para sanear os conhecimentos dos cientistas e da ciência, ainda que não seja parte dos objectivos das políticas científicas.

Há que retomar as velhas querelas entre ciência e fé, agora perante as questões da actualidade. Nomeadamente, há que questionar o conceito de sociedade, tão central que ele é para se tomar consciência do que é o estado social (que é a superestrutura que conduziu o ocidente desde a II Grande Guerra) e da finalidade óbvia das ciências sociais: tornarem-se ciência como e com as ciências naturais. Se não existe sociedade, então não é apenas a ciência incluída voluntariamente na expressão ciências sociais que é meramente sugestiva de um desejo não realizado: também o social de que se fala será apenas um truque para alimentar escolas, universidades, investigações, profissões, cujo sentido é meramente alienante.

Aceito a ideia de as ciências sociais serem um pântano, um logro cognitivo. Isso estimula ora a desistência cognitiva – já que não é ciência, vale tudo, incluindo desvalorizar a ciência – ora a vontade de retomar as tarefas cognitivas de contribuir para a convergência entre ciências naturais e ciências sociais. Mas será a ciência também um logro? Existe a natureza? Existem pessoas dentro da natureza? As pessoas são indivíduos ou vivem associativamente? As pessoas são os únicos animais que vivem associativamente? Pode estudar-se o modo como os animais se associam entre si? Pode estudar-se os modos como as pessoas de associam entre si? Há alguma desvantagem de chamar sociedade aos modos como as pessoas se associam entre si?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.