Quadro social inspirador da necessidade de criação da teoria do valor

A modernização separou valores de interesses, religião de sabedoria científica, emoções de razão, natureza de humanidade, violência de economia, estados de proprietários, etc. Entre esses movimentos de radicalização conceptual contam-se os da redução da Terra a campo de conquistas, das pessoas a força de trabalho, da moral a resultados práticos tangíveis, dos fins aos meios, da sabedoria às suas utilidades. A teoria do valor é um esforço de religar aquilo que estava a ser separado em função dos conceitos de economia política e da apologia dos movimentos de abolição do capitalismo. Numa época em que a economia se especializou ainda mais do que estava especializada no século XIX e os fortes movimentos de abolição do capitalismo fracassaram, haverá condições para compreender o valor e os limites da teoria do valor no quadro social em que foi inventada e no quadro social actual?

A teoria do valor parte do princípio da existência conjugada e conflitual de exploração da Terra (forças produtivas), de exploração da força de trabalho (relações de produção) e da utilização mistificadora de dinheiro – desde logo confundido o dinheiro com capital e com mercadoria. A questão é saber se esta teoria se aplica apenas à sociedade inglesa do século XIX? Se se aplica também às circunstâncias actuais a qualquer país? Enfim, a que circunstâncias socioeconómicas se aplica? Aplica-se apenas ao capitalismo ou também ao período da acumulação primitiva e ao imperialismo antigo?

Símbolo de riqueza, de mérito e do modo de produção capitalista (tempo é dinheiro), o dinheiro encobre os processos materiais e sociais que o produzem e que o utilizam. Fá-lo através de confusão mental socialmente organizada e difundida, eventualmente como ciência (nas disciplinas de economia e finanças à cabeça). Fá-lo através das ideologias identitárias utilizadas nas profissões, nas empresas, nas escolas, nas universidades, nos sistemas políticos e noutras instituições e também por movimentos sociais, a pretexto da racionalidade da divisão de trabalho.

A teoria do valor tem um aspecto holista, que faz convergir a natureza, as pessoas e as diferentes formas de consciência, mais ou menos iluminadas e clarificadoras. Tem também um aspecto disciplinador, especializado, dramático, que apenas a alta concentração da atenção permite alcançar. As discussões em torno da teoria do valor são esforços sempre inacabados de tornar límpido aquilo que, na prática, continuará obscuro: quais são as relações entre a moral e as práticas económicas, as sociedades e os indivíduos, o valor e os preços, as finanças dos estados e a vida quotidiana?

“Ciência Vencerá”: propaganda à ciência centrípeta feita pela indústria farmacêutica, parceira de primeira ordem do complexo militar-industrial

Este texto orienta-se pela vertente centrífuga da ciência, na procura do compreender como os quadros em que a acção ocorre – neste caso a produção de valor económico – ajudam a compreender a diversidade das acções empiricamente observadas. Não se trata de negar o interesse da vertente centrípeta da ciência que se interessa em se concentrar em aspectos específicos para melhor os compreender. Trata-se de estudar a complementaridade entre os dois aspectos e as vantagens de assegurar um vai-e-vem dialogante entre os dois aspectos da ciência, geralmente reduzida ao seu aspecto centrípeto.

O que será que utiliza os valores (morais e sociais) que estruturam a teoria do valor (capitalista) e os seus vários elementos, a saber o valor da natureza, do trabalho e do dinheiro? Será o capitalismo (tecnologia e espírito do capitalismo) ou o socialismo (espírito revolucionário e estado em representação da sociedade), ou outra coisa que os manipula aos dois? Qual coisa? Pode chamar-se império a isso? Para que efeitos essa coisa insiste em criar esse tipo de valores?

As dinâmicas expressas na fórmula D-M-D´ (dinheiro investido-mercadoria resultante-dinheiro incluindo mais-valia) são capitalistas. Socialista, em Marx, é a denúncia da exploração-da-mais-valia. O direito extraordinário de uma minoria de acumular riqueza de que a maioria das pessoas está excluída seria uma esperteza e não um mérito, resultaria de uma ilusão, de falsa consciência. O problema era que apenas os mais dotados economistas poderiam entender a teoria do valor de Marx. Só a ideologia permitiria aos trabalhadores e aos economistas defender ou negar a teoria do valor. As hesitações mantém-se hoje.

Questões preliminares à discussão da teoria do valor

Tal como ocorre com a teoria do Big Bang para explicar o surgimento do Universo em expansão, também a teoria do valor não se preocupa em estudar suficientemente o que existia antes da constituição do Universo, no caso o capitalismo. O que existiu antes da afirmação do poder social e económico do capitalismo pode ser reconstituído pela história.

Uma hipótese centrífuga é a de considerar o império como quadro social de enquadramento do valor e do capitalismo – em concreto, o Império Romano cuja tradição foi mantida e actualizada pelo Catolicismo no Ocidente. Foi essa tradição que organizou a missão de expansão marítima da Fé e do Império, para o contribuíram as Cruzadas, as políticas de escravização e a Inquisição. Ao contrário da literatura dominante (Hardt & Negri, 2004; Lenine, 2000), o império e as suas tendências expansionistas – o imperialismo – são prévias ao desenvolvimento do capitalismo em Inglaterra. Qualquer aprendiz de história situará a existência de impérios há milhares de anos atrás e o capitalismo a pouco mais de dois séculos.

O que levará os cientistas a desconsiderar a hipótese de o império ocidental organizado em missão ser o quadro social inspirador, protector e manipulador do capitalismo? É o hábito de dar prioridade às ciências centrípetas e descuidar ou mesmo reprimir as ciências centrífugas o que torna viável à maioria dos cientistas não considerarem dignas de reflexão as contradições entre a narrativa económica – há quem lhe chame economicista – e a história. O império protege a riqueza acumulada atrás de jogos de ilusão e cria a sua própria teoria do valor para comparar as riquezas dos vários contendores. Coloca as ciências a seu serviço, evidentemente, reduzindo-a tanto quanto possa a ciência centrípeta, tecnociência, instrumentalizando-a para prosseguir a missão imperial de exploração da Terra, incluindo o trabalho preparado para ser explorável, como o dos escravos, dos assalariados, dos profissionais.

O capitalismo é a fase histórica de evolução do império do Ocidente em que a força de trabalho assalariada passou a ser preparada com sucesso para ser explorada, permitindo organizar a radicalização da desvalorização de todas as forças de trabalho não exploráveis, como o trabalho de cuidados, o trabalho cívico, o trabalho de regeneração da natureza, o trabalho moral, etc. É certo que, como com Marx, muito trabalho revolucionário de denúncia da exploração também foi feito. O que foi menos feito foi a denúncia do império que comanda o capitalismo.

Particularmente em situações de guerra e de descontrolo, as explicações económicas – a alegada lei que levaria os militares a fazer o que fazem em função da previsão de lucros das multinacionais – parecem tornar inevitável o curso da história, irrelevando, escamoteando, diminuindo, desmobilizando o poder dos movimentos sociais anti-guerra. A geo-estratégia é uma disciplina politico-económica voyeurista das acções imperiais, como se de um jogo de computadores se tratasse em que nos restasse apenas tomar partido por um dos contendores imperiais.

O império é um estado de espírito que o capitalismo alavancou e democratizou

A expansão conjugada da Fé e do Império inclui a fé no império, uma disposição socialmente generalizada de serviço à missão imperial geral, cada qual no seu lugar de uma pirâmide organizativa que inclui cada vez mais gente que ostraciza quem se oponha à missão imperial. O período histórico a que se chama capitalismo e do qual emergiu a teoria do valor, de inspiração económica, caracteriza-se por substituir o modo de recrutamento de força-de-trabalho, anteriormente sobretudo a escravidão, pelo assalariamento – novidade introduziuda pela Inglaterra no processo de conquistar para si a sede do império do Ocidente: Londres.

Conceptualmente, o valor do trabalho tem um aspecto quantitativo (quanto ganha um trabalhador por trabalhar?), um aspecto social (como as sociedades dominadas pelo modo-de-produção capitalista valorizam o trabalho?), um aspecto subjectivo (como as diferentes classes sociais atribuem valor aos diferentes tipos de trabalho?), um aspecto civilizacional (porque é que o trabalho de cada vez mais pessoas mobilizadas pelo capitalismo está a destruir o meio ambiente?) e, eventualmente, outros aspectos a considerar. A teoria do valor trata de uma parte destes aspectos. É difícil ter a certeza de se estar a considerar correctamente cada um destes aspectos e, por maioria de razão, é difícil estar seguro de estar a considerar o valor-trabalho como um fenómeno holista, completo e complexo. É seguro que a teoria do valor-trabalho é histórica e, portanto, não trata do trabalho como categoria eterna e universal.

Porém, como acontece noutros casos, quando a atenção já não sabe ou consegue intensificar-se de modo a produzir mais conhecimentos sobre um certo alvo, neste caso o trabalho industrial, pode acontecer um efeito de ilusão. Toda a experiência humana, passada, presente e futura, parece reductível a uma essência singular, o trabalho como é valorizado na indústria.

O reconhecimento do facto de a exploração do trabalho industrial incluir as explorações da natureza, do trabalho, da consciência das pessoas iludidas com dinheiro e os critérios de valor considerados absolutos, mas efectivamente históricos, suscita uma espécie de fecho de conhecimento limitado pelo quadro de experiência civilizacional em que os conhecimentos circulam. Condicionadas pelos valores sociais industriais que reduzem o trabalho ao trabalho útil para a acumulação do capital, as pessoas podem tomar, entusiasmadas e erradamente, a teoria do valor-trabalho como lei universal da condição humana.

Com algum distanciamento histórico, reconhecer o significado da fé no império – primeiro sobretudo aristocrático e paulatinamente global – permite compreender a construção da missão imperial particular pela Igreja Católica, nomeadamente a conquista ecuménica da natureza e das pessoas sem fé. Nesse quadro semi-milenar, as lutas pela valorização do capitalismo como instrumento especialmente eficaz para acumular riqueza e poder, por um lado, e para conquistar as consciências para a veneração das hierarquias e os respectivos mistérios, por outro lado, estão ancoradas numa fé que não é a ética protestante. É uma fé imperial a que as hierarquias discriminatórias inspiram segurança ontológica e que justifica a opressão e a censura a seja o que for e quem for que questione os seus reconhecidamente misteriosos fundamentos.

A formulação técnica da teoria do valor em termos especializados de economia não favorece a compreensão dos efeitos de fé moderna decorrentes e inscritos nas identidades imperiais (Ocidente versus Oriente versus Sul), nacionais, organizacionais, à guarda da gestão de elites organizadas na administração de magnos e mutuamente articulados sistemas de propaganda (noticiosa, comercial, política, escolar, universitária, profissional). A redução economicista da lei do valor-trabalho protege o império realizado, reforçado pelo capitalismo. Representa o império de forma reductora, sob a forma de mercado de trabalho, como força omnipresente, divinal e luciferiana, sob a forma de lei racional de aplicação universal. Porém, essa lei é apenas aplicável em situações de dominação imperial, na presença de uma fé social no império explorador e protector. Para proteger a natureza e as pessoas da redução geral a coisas e mercadorias a que estamos suicidariamente sujeitos há que denunciar a fé no império e a cumplicidade generalizada, incluindo das vítimas humanas, com a missão imperial.

Referências:

Hardt, M., & Negri, A. (2004). Império ([2000]). Livros do Brasil.

Lenine, V. I. (2000). O Imperialismo – Fase Superior do Capitalismo ([1916]). Edições Avante.

CONTINUA EM: O valor das tecnologias e dos trabalhos para a missão imperial

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (22 de Abril de 2024). Quadro social inspirador da necessidade de criação da teoria do valor. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/w96r


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search