Será que há isso a que chamam sociedade? (2)

A exploração profissional das ciências e a actualidade das ciências sociais

Saber o que é ciência é uma questão decisiva para quem esteja interessado em promover a ciência centrífuga. Uma tal tarefa é importante para enfrentar as alterações climáticas e as políticas imperiais, sejam elas financeiras, produtivas, redistributivas, repressivas, de saúde, guerreiras, discriminatórias e outras.

O prestígio da ciência, mesmo entre os negacionistas, é maior do que o prestígio das instituições políticas, com excepção das polícias que também gozam de grande prestígio. A ciência tem sido mobilizada para apoiar os estados e as grandes empresas como assalariada profissional, num quadro de implicação social reservado à prossecução de interesses dominantes, sem consideração dos interesses dominados, nomeadamente sem consideração dos interesses cognitivos da ciência.

As profissões liberais, como os engenheiros, os médicos, os advogados, tornaram-se paulatinamente maioritariamente assalariadas. O prestígio tradicional das profissões – de trabalhadores independentes, preocupados com o mérito das suas acções para satisfazer os interesses dos seus clientes, incluindo os que não podem pagar os seus serviços – foi conquistado por miríades de novas profissões. A proletarização das profissões e a sua multiplicação tornou a protecção dos seus interesses corporativos um problema sindical, na época em que a influência sindical decai.

Também os cientistas e professores universitários sofrem desta redução do seu estatuto liberal em estatuto assalariado. Perderam a mundovisão liberal propiciada pela autonomia do século XIX. Estão compelidos a assumir responsabilidades sociais de médio alcance, especializadas e sob escrutínio directo das políticas científicas. Trata-se de assegurar um comportamento regulado, espectável, que evite surpresas tanto para os clientes como para os estados que querem resultados e produtividade dos cientistas.

Veja-se a influência da Organização Mundial de Saúde no desempenho global dos médicos, no quadro da pandemia. Os médicos de família que experimentavam soluções à medida dos seus pacientes foram, ao longo das últimas décadas, substituídos por normas internacionais de aplicação compulsiva para evitar preventivamente a intervenção dos médicos de família, entretanto encarregues de colaborar com a vacinação experimental obrigatória no quadro social geral de inacessibilidade aos doentes, em quarentena.

As responsabilidades profissionais também estão reguladas internacionalmente para os engenheiros, obrigados a velar pelo respeito de normas politicamente instituídas. Normas produzidas ao mais alto nível global e reproduzidas por escritórios de advogados que organizam os seus serviços de forma internamente normalizada. O mesmo ocorre com os professores, sujeitos a programas detalhados e orientações legais que regulam o respectivo desempenho. Novas profissões de topo ocupam quem legisla, quem lê e interpreta a legislação para orientar as actividades das diferentes organizações, seja para as submeter, como nas escolas e universidades, seja para escapar aos constrangimentos legais, através de contabilidades criativas ou paraísos fiscais escandalosamente discretos, dada a protecção política.

Os profissionais liberais eram responsáveis pessoalmente pelo prestígio do seu desempenho junto dos seus clientes, num quadro de concorrência entre profissionais. Paulatinamente, os profissionais assalariados passaram a ser avaliados pelo seu desempenho profissional no quadro da concorrência interinstitucional das organizações empregadoras de massas deles, cujas condições de trabalho são decididas superiormente e obrigatoriamente aceites pelos profissionais, sem questionarem o sentido do que estão a fazer.

Sociedade de Geografia de Lisboa em 1905

Hipocritamente, as orientações políticas reduzem os profissionais a assalariados e elevam simbolicamente os proletários a profissionais, dividindo para reinar. Dividem os proletários e os profissionais em especialidades resultantes da divisão do trabalho desenhada de cima e, assalariando-os a todos, responsabilizam as hierarquias profissionais pelos efeitos sociais das orientações políticas que lhes são impostas.

As elites sentem-se intocáveis. Ao mesmo tempo, a sociedade é brandida para responsabilizar os profissionais assalariados pelo desempenho colectivo, ainda que não tenham conhecimento das decisões estratégicas acordadas pelas administrações a não ser nos aspectos específicos que lhes cabem pessoalmente cumprir. Cada profissional-assalariado é responsabilizado pelos resultados práticos e sociais do seu trabalho individual, como se tivesse sido ele que escolheu fazer o que está a fazer.

Esta incoerência lógica torna-se aceitável, na prática, pela inculcação escolar e profissional de que é assim que funciona a ciência. Inescrupulosamente separadas entre si, disciplinas e profissões tomam por verdades aquilo que certa subdisciplina dita oficialmente como certeza. As incoerências com outras disciplinas e profissões não são consideradas a não ser como concorrência. Não é fácil o critério de realidade entrar neste jogo de precária sobrevivência assalariada e profissional.

As linguagens subdisciplinares são complexificadas, tornadas opacas, especializadas e embrutecedoras dos profissionais e da sociedade. A interdisciplinaridade, a transdisciplinaridade, a interseccionalidade são estratégias de redução de danos, mas sem efeitos estruturais. No fim, chama-se ciência a isso, à ciência centrípeta, utilitária e subserviente, e obtém-se consenso na medida em que os profissionais assalariados querem partilhar (ainda que fraudulentamente) o prestígio social da ciência para efeitos de promoção dos seus interesses corporativos.

A existência da sociedade foi evidente para os aristocratas e burgueses liberais do século XIX que viram a sua revolução dos negócios ser apoiada, mas noutra direcção, pelos trabalhadores. Houve quem lhe chamasse a questão social. As elites descobriram que, na falta de croissants para se alimentarem, as pessoas podiam unir-se e exigir revoluções, isto é, que tudo recomece do início, nomeadamente que a liberdade seja para todos, num ambiente de fraternidade universal. Efectivamente, houve sucessivas histórias de êxtase colectivo que levaram os legisladores a reconhecer o povo como soberano, em substituição do rei. A era das revoluções já passou. Mas a sua memória deixou traços e desejos. Evidencias das experiências pretéritas cuja emergência poderá ressurgir, tal como parece estar a ressurgir o tempo tenebroso do ódio na condução da política de nacionalidades.

A sociedade é uma verdade para a sociologia e para as ciências sociais. Por razão de ofício. Mas para tudo o resto, incluindo a vida profissionais das pessoas formadas em ciências sociais, quem precisa de saber o que é isso de sociedade?

Nas sociedades modernas hiperespecializadas e hiperdivididas, incluse cognitiva e profissionalmente, a sociedade, como a nação e o povo, tornou-se uma invenção dos cientistas sociais e dos políticos para justificar a sua existência e os seus serviços profissionais. Fora da experiência revolucionária, a experiência de sociedade torna-se memória frágil e fragilizada pelos usos das disciplinas e subdisciplinas das ciências sociais, frequentemente ao serviço de políticas públicas.

Assim se compreende a frase célebre de Margareth Tatcher: “There is no such thing as society” perante a qual a reacção indignada dos sociólogos ingleses foi impotente. Para o vulgo, faz sentido os profissionais defenderem o prestígio da profissão, mas só lhes cabe a eles fazer isso. Aos outros cabe-lhes defender outros interesses.

A ciência política trata dos interesses públicos das elites, a economia trata de monitorizar o estado de liquidez, pobreza e segurança dos mercados, a sociologia trata do funcionamento das instituições e das tensões relativas às desigualdades sociais, a antropologia trata da prestação de cuidados entre pessoas das mesmas comunidades. Nenhuma das disciplinas trata de sociedade, como um todo. O que é a sociedade? O que é o estudo do objecto de estudo auto-designado das ciências sociais? Ninguém disso se ocupa.

“Ser ou não ser, eis a questão?” perguntava-se o atordoado Hamlet a si próprio, como se perguntam hoje muitos licenciados em ciências sociais de quem os neoliberais dizem não servirem para nada de útil, profissionalmente.

CONTINUA À procura de um fénix cognitivo


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (28 de Junho de 2021). Será que há isso a que chamam sociedade? (2). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvnj


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search