Será que há isso a que chamam sociedade? (2)

A exploração profissional das ciências e a actualidade das ciências sociais

Saber o que é ciência é uma questão decisiva para quem esteja interessado em promover a ciência centrífuga, sobretudo hoje por causa do uso (e desgaste) político do prestígio da ciência para impor políticas anti-liberais.

O prestígio da ciência, mesmo entre os negacionistas, os opositores das políticas anti-liberais levadas a cabo pelas alianças neoliberais (ainda) dominantes no ocidente, é maior do que o prestígio das instituições políticas, com excepção das polícias que também gozam de grande prestígio. A ciência tem sido mobilizada, desde a primeira parte do século XX, como apoio dos estados e das grandes empresas, como assalariada profissional, isto é, num quadro de implicação social cada vez menos liberal.

Neste último século, todos o sabemos, as profissões liberais, como os engenheiros, os médicos, os advogados, tornaram-se paulatinamente maioritariamente assalariadas. O prestígio tradicional das profissões – de trabalhadores independentes, não exploradores de propriedades, preocupados com o mérito das suas acções para satisfazer os interesses dos seus clientes – foi conquistado por miríades de novas profissões, organizadas em associações que protegem os seus interesses corporativos. De um modo geral, os trabalhadores transferiram-se simbolicamente para o campo dos profissionais, dos colaboradores, dos empreendedores profissionais e sociais, enquanto os sindicatos viam reduzida a sua influência política e social.

Também os cientistas e professores universitários sofreram desta redução do seu estatuto liberal em estatuto assalariado. Perderam a mundovisão liberal, de pessoas perante o mundo. Foram compelidos a assumir responsabilidades sociais de médio alcance, digamos assim. Trata-se de assegurar um comportamento regulado, espectável, que evite surpresas tanto para os clientes como para os estados. Veja-se a influência da Organização Mundial de Saúde no desempenho global dos médicos, no quadro da pandemia. Ou as responsabilidades também reguladas internacionalmente dos engenheiros pelo respeito de normas politicamente instituídas. Normas produzidas ao mais alto nível global e reproduzidas por escritórios de advogados que organizam os seus serviços de forma internamente normalizada, do mesmo modo que funciona o respeito dos professores pelas orientações legais que regulam o respectivo desempenho: há quem legisle e quem leia e interprete a legislação para orientar o respectiva actividade em nome dos interesses – frequentemente desconhecidos e secretos – de quem desenhou os perfis profissionais.

Os profissionais liberais eram responsáveis pessoalmente pelo prestígio do seu desempenho junto dos seus clientes, num quadro de concorrência entre profissionais. Paulatinamente, os profissionais assalariados passaram a ser avaliados pelo seu desempenho profissional no quadro da concorrência interinstitucional das organizações empregadoras de massas deles, cujas condições de trabalho são decididas superiormente e obrigatoriamente aceites pelos profissionais, sem questionarem o sentido do que estão a fazer.

Sociedade de Geografia de Lisboa em 1905

Hipocritamente, as orientações políticas que negam a existência dos povos, das sociedades, dos movimentos sociais, de soberania popular, da vida de cuidados mútuos que cria e recria as identidades sociais indispensáveis à vida humana, são as mesmas que reduzem os profissionais a assalariados e elevam simbolicamente os proletários a profissionais, dividindo para reinar. Dividem os proletários e os profissionais em subespecialidades resultantes da divisão extrema do trabalho e, assalariando-os a todos, responsabilizam cada um pelos efeitos sociais das orientações políticas de que todos estão organizadamente alheados, como profissionais.

A sociedade deixou de existir para as elites: sentem-se intocáveis pelas investidas populares (ou criminalizadoras). Ao mesmo tempo, a sociedade é brandida para responsabilizar os profissionais assalariados, que não têm conhecimento das decisões estratégicas acordadas pelas administrações a não ser nos aspectos específicos que lhes cabe pessoalmente cumprir. Cada profissional-assalariado é responsabilizado pelos resultados práticos e sociais do seu trabalho individual, como se tivesse sido ele que escolheu fazer o que está a fazer. Esta incoerência só é possível de ser mantida porque os próprios saberes (incluindo a ciência) foram inescrupulosamente separados entre si, como se as verdades numa certa subdisciplina apenas fossem verdade nessa subdisciplina, e todas as outras verdades de outras subdisciplinas fossem inúteis ou irrelevantes fora do pequeno campo de actuação profissional onde são usadas. As linguagens subdisciplinares são complexificadas, tornadas opacas, especializadas e embrutecedoras dos profissionais e da sociedade. No fim, chama-se ciência a isso e obtém-se consenso na medida em que os profissionais querem partilhar (ainda que fraudulentamente) o prestígio social da ciência para efeitos de promoção dos interesses corporativos.

A existência da sociedade foi evidente para os aristocratas e burgueses liberais do século XIX que viram a sua revolução dos negócios ser apoiada, mas noutra direcção, pelos trabalhadores. Houve quem lhe chamasse a questão social. As elites descobriram que, na falta de croissants para se alimentarem, as pessoas podiam unir-se e exigir revoluções, isto é, que tudo comece do início, nomeadamente que a liberdade seja para todos, igualmente, num ambiente de fraternidade universal. Efectivamente, houve sucessivas histórias de êxtase colectivo que levaram os legisladores a reconhecer o “povo” como soberano, em vez do rei. A era das revoluções já passou. Mas a sua memória deixou traços e desejos. Evidencias das experiências pretéritas cuja emergência poderá ressurgir, tal como parece também estar a ressurgir o tempo tenebroso do ódio na condução da política dos povos e dos estados unidos em nacionalidades.

A sociedade é uma verdade para a sociologia ou para as ciências sociais. Por razão de ofício. Mas para tudo o resto, quem precisa de saber o que é isso de sociedade? Nas sociedades modernas hiperespecializadas e hiperdivididas, incluse cognitiva e profissionalmente, a sociedade, como a nação, tornou-se uma invenção dos cientistas sociais e dos políticos para justificar a sua existência e os seus serviços profissionais. Fora da experiência revolucionária, a experiência de sociedade torna-se memória frágil e fragilizada pelos usos das disciplinas e subdisciplinas das ciências sociais, frequentemente ao serviço de políticas públicas. Assim se compreende a frase célebre de Margareth Tatcher: “There is no such thing as society” e a reacção dos sociólogos ingleses, que sofreram com a quebra de prestígio da sua profissão que tal declaração significou. Em política, para os profissionais da política, para o legislador, aparentemente e por enquanto, as referências à sociedade substantiva parecem dispensáveis: tipicamente basta seguir as decisões do legislador e as disputas públicas dos lobbies para se pensar a política. As manifestações são impotentes e nem sequer conhecem o que se decide nos gabinetes. A política trata do que se passa nesses gabinetes, a antropologia, por seu lado, trata de comunidades, a economia de mercados, a sociologia de instituições. Nenhuma das disciplinas trata de sociedade, como um todo. O que é a sociedade, o que é a grande teoria, e o que é o estudo do objecto de estudo auto-designado das ciências sociais? Com a profissionalização das ciências sociais no século XX, na verdade, a existência de uma coisa chamada sociedade deixou de ser uma questão. Tornou-se um alvo de crenças: a questão ontológica. “Ser ou não ser, eis a questão?” perguntava-se o atordoado Hamlet a si próprio, como se perguntam hoje muitos licenciados em ciências sociais de quem os neoliberais dizem não servirem para nada, profissionalmente.

CONTINUA À procura de um fénix cognitivo


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.