Será que há isso a que chamam sociedade? (1)

Pretextos inspiradores

A ciência nasceu, tradicionalmente, com Newton, século XVII. Dois séculos mais tarde surge a questão social e só no século XX as ciências sociais são profissionalizadas. A natureza e a sociedade são, anacronicamente, apresentadas como separadas, distintas, estanques, incompatíveis, como o seriam também a criação, por um lado, e o Homem semelhante a Deus, por outro lado, ou a res extensa em relação à res cognitans de Descartes.

Newton foi alquimista e os primeiros a reclamar a ciência social era ideólogos. Há, evidentemente, nuances históricas que esta demarcação histórica entre o antes de depois do nascimento da ciência e das ciências sociais iludem. Mas não há dúvida que primeiro começou a ciência dirigida exclusivamente ao estudo da criação não aparentada com o divino e só mais tarde o sucesso cognitivo e social da ciência levou a que ideólogos inspirados e inspiradores entrevissem a possibilidade de incluir nos objectos de estudo da ciência as pessoas, incluindo as suas relações mútuas, com exclusão (constatamos hoje) das relações delas com a tecnologia e a natureza. Na prática, essa inclusão da sociedade como objecto de estudo na ciência (ainda?) não funcionou, sobretudo por que coincidiu a profissionalização das ciências sociais com as políticas científicas de mobilização centrípeta, hiperdisciplinada, panóptica, belicista, industrial, dos conhecimentos e da ciência. A perspectiva de uma ciência centrífuga, criticamente integradora dos melhores conhecimentos para produzir questões fundamentais orientadoras dos esforços cognitivos, foi e continua a ser condicionada negativamente pelas práticas profissionais de submissão da ciência às políticas científicas, em particular as políticas científicas globais ou imperiais estabelecidas no pós-guerra.

Tal como o átomo foi pretexto conceptual para desenvolver a física atómica, a sociedade pode e deve ser também pretexto para desenvolver ciências sociais que não desistem de ser ciências nem de se referirem às sociedades, ainda que venham a descobrir – o que é espectável – que a sociedade não tem uma existência ontológica, mecanicista, material, eventualmente imaginada pelos positivistas ou por outras correntes intelectuais das ciências sociais.

Natureza da humanidade

CONTINUA: A exploração profissional das ciências e a actualidade das ciências sociais


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.