Será que há isso a que chamam sociedade? (1)

Pretextos inspiradores da ciência

A ciência nasceu com Newton, século XVII. Dois séculos mais tarde surge a questão social e só no século XX as ciências sociais são profissionalizadas. A natureza e a sociedade são, anacronicamente, apresentadas como separadas, distintas, estanques, incompatíveis, como o seriam também a criação, por um lado, e o Homem semelhante a Deus, por outro lado. Descartes legitima esse anacronimos opondo a res extensa à res cognitans.

Newton foi alquimista, num tempo em que não havia ciência. Os primeiros cientistas sociais, no século XIX, eram ideólogos.

A ciência organizou-se para estudar a criação sem referência aos mistérios divinos. O seu sucesso cognitivo e dois séculos de trabalho inspirou ideólogos, como Karl Marx, a recorrerem à ciência para estudar as sociedades. Na prática, a natureza social da humanidade que as sociedades revelam continua a ser um mistério e as lutas ideológicas entre as ideologias polarizadas na Guerra Fria continuam a marcar o pensamento das ciências sociais.

A profissionalização das ciências sociais ao serviço das políticas científicas de mobilização centrípeta, hiperdisciplinada, panóptica, belicista, industrial, dos conhecimentos e da ciência, a partir das Grandes Guerras, deram prioridade às tecnociências. A perspectiva de uma ciência centrífuga, a que se interessa por descobrir os substratos universais, continua a ser condicionada negativamente pelos subfinanciamentos e pelas práticas profissionais de avaliação da ciência desenhadas por políticas científicas imperiais estabelecidas por organizações internacionais.

Tal como a mecânica gravitacional foi pretexto para estabelecer a ciência e o átomo foi pretexto para desenvolver a física atómica, a apologia da modernização das sociedades europeias foi pretexto para desenvolver ciências sociais.

Natureza da humanidade

Os positivistas tomaram a mecânica para estudar a sociedade (macro) e os estados de espírito, a lei dos três estados, para estudar a cultura (micro). Os ideólogos cientistas criticaram o positivismo, mas mantiveram as distinções entre os níveis superiores das sociedades e os níveis inferiores. Dividiram-se também em disciplinas, como a economia, a política, a sociologia, a antropologia. Criaram as condições sugeridas por Descartes e recomendadas por Merton, quando defendeu o uso generalizado das teorias de médio alcance, de dedicação ao estudo de partes da sociedade, deixando os estudo do todo para mais tarde.

O tempo de estudar a sociedade como um todo ainda não chegou. Por isso a ciência centrífuga está subdesenvolvida. A hiperespecialização cresce e os estudos da sociedade, como parte da natureza, são raros e negligenciados. O que é ensinado nas escolas e nas universidades é que as sociedades se opõem à natureza, pois são reguladas pela cultura que é feita pelas pessoas mais activas e capazes.

As sociedades de que se fala nas escolas e nas universidades são as sociedades imperiais, as que exploram a natureza e exploram também outras sociedades tratadas como inferiores e os recursos humanos de todas as sociedades. As ciências sociais são aliadas, naturalmente, dos poderes imperiais que lhes favorecem o trabalho na condição de serem avaliadas em função de interesses geoestratégicos.

As ciências sociais também lutam contra as discriminações entre países do Norte e do Sul, entre trabalhadores bem pagos e mal pagos, entre as pessoas integradas e as excluídas, entre pessoas de diferentes géneros, etc. Fazem-no de modo ideológica e disciplinarmente dividido, sem reconhecerem o pecado original, a saber, a educação científica das massas confundindo-as com a arrogância da tecno-ciência profissional sem apresentar a humildade do trabalho centrífugo em ciência.

Fazem-no reforçando as discriminações sociais mesmo quando as identificam e procuram combater, pois têm-se revelado incapazes de explicar a fonte dessas discriminações, i.e., a organização política dos vieses nas ciências sociais que as afastam das ciências naturais e permitem imaginar as sociedades modernas sem os genocídios, as guerras, a exploração, o lixo, as perturbações do meio ambiente, as hierarquias, os impérios, as suas vítimas internacionais e nacionais.

As sociedades humanas, evidentemente, vivem na Terra e resultam da evolução do universo e da vida que é possível na crosta terrestre. Fazer abstracção disso é ridículo, mas é isso mesmo que está e é feito. Isso só é cognitiva e profissionalmente possível pela dispersão disciplinar e subdisciplinar que evita e impede qualquer discussão sobre o que seja a natureza humana e a sociedade como um todo, aquilo que é partilhado pela humanidade.

Muitos cientistas sociais não se conformam e lutam, geralmente de modo isolado, autoral, para integrar as ciências sociais no mundo das ciências naturais, no mundo científico, e para tal estudam a sociedade como um todo integrado no seu meio ambiente.

CONTINUA: A exploração profissional das ciências e a actualidade das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (28 de Junho de 2021). Será que há isso a que chamam sociedade? (1). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvni


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search