Supiot, o cientismo e a sabedoria

A vida académica continua distante da política, como preconizou Max Weber. A profissionalização dos cientistas e dos políticos no pós-guerra reforçou essa separação, apesar das pontes entre esses dois mundos terem sido instituídas por políticas de financiamento militar das ciências e por políticas académicas de negociação com as grandes empresas que financiam ciência e a profissionalização dos licenciados pelas universidades. Como escapar do quadro hegemónico que tolhe intencionalmente saberes profissionais e sabedorias?

Para estigmatizar a ciência dominante, Supiot chama a atenção da simplificação mecanicista do mundo, que designa cientismo – “a utilização abusiva da ciência”. Parece-lhe a ciência cientista, a que prefiro chamar centrípeta, um mau exemplo para as ciências sociais e para o direito. Mas ela é a base da governança por números que caracteriza o período neoliberal (Supiot, 2015). Do lado das práticas jurídicas, aponta a desejabilidade da substituição do direito do soberano, de inspiração teológico-política (como os usados por Napoleão, Lenin, Hayek) pelo direito antropológico, não vanguardista, adaptado às circunstâncias, contingente. “Talvez a humanidade não se tivesse metido por becos sem saída suicidas durante mais de dois séculos” se tivesse dado prioridade a esse tipo de direito e à ciência não cientista (a que prefiro chamar centrífuga). Infelizmente, os povos “têm preferido sempre à democracia um regime de ´despotismo esclarecido´.”

Quais são os resultados da meritocracia?

Ao ler Supiot, fica-se sem saber quem pode e como deveria exercer a vontade científica não cientista e a vontade jurídica não soberana que nos pudesse tirar do “beco sem saída suicida”. Os tribunais que validam e hierarquizam as vontades jurídicas são órgãos de soberania e a ciência é uma actividade de vanguardas, não é democrática. A que se referirá o autor, se a democracia que estava consensualizada como valor político no auge da globalização não lhe serve, pois já lhe parecia nada democrática? O que propõe de diferente de diálogos entre interesses diferentes – como os que redundaram na aliança entre o comunismo e o capitalismo, sobretudo evidente na China? À sua incisiva crítica da situação presente não se segue uma receita sobre como escapar ao cientismo ou à soberania sem vanguardismos e sem diálogos.  

A mundialização internacionalista que seria preferível à globalização cosmopolita parece fundar-se na esperança das representações estatais de culturas autóctones que sejam capazes de valorizar estas últimas no processo de “converter estas interdependências objectivas em solidariedades activas”.

“Uma das grandes forças do Estado social (…) foi o não fazer da justiça um dado a priori a impor a todos, mas um objectivo para o qual tender, apoiando-se na experiência concreta das condições de vida e de trabalho. (…) aprender, por exemplo, com os sistemas de pensamento ainda vivazes na África Ocidental, que vêem a Terra não como uma mercadoria, mas como uma entidade soberana”.

Supiot oferece-nos critérios de avaliação do que serão pensamentos que acompanhariam boas práticas sociais e políticas que constituem as finalidades declaradas pela ONU, cuja falência perante as guerras imperiais e a degradação do clima é notória. As dinâmicas de civilização que podem transformar a Terra numa entidade soberana, o direito soberano em direito antropológico, a ciência cientista noutro tipo de ciência permanecem misteriosas. Revolucionárias?

Em um livro recente sobre o que a arqueologia genética nos pode dizer sobre a natureza dos europeus, Barbujani refere a existência de três fenómenos migratórios continentais que construíram genética e linguisticamente a especificidade das populações europeias: a) no Paleolítico, sobreviventes das migrações oriundas de África estabeleceram-se na Europa – já na altura, para chegar à Europa se arriscava a vida; b) no Neolítico, a difusão démica com origem no Cáucaso também chegou à Europa: pessoas com pele mais clara, dita caucasiana, já na altura não se misturariam com as populações de pele mais escura, como a dos que viviam na Europa da caça-recolecção; c) na Idade do Bronze, começou uma onda migratória com origem nas estepes da actual Ucrânia, a terceira vaga estruturante da demografia europeia. É assim que se explica o vincado traço genético revelado pelas análises de ADN da população actual e que evoluiu do lado leste sul da Europa para norte oeste a um passo de um quilómetro por ano desde a nossa pré-história (Barbujani, 2022, pp. 186–187).

Não se sabe como, no Paleolítico, se extinguiram os hominídeos de outras espécies. Sabe-se que alguns conviveram com humanos – porque há registos disso no ADN. Sabe-se que, no Neolítico, os camponeses caucasianos não se misturaram geneticamente com os caçadores-recolectores europeus, embora todos fossem da mesma espécie homo sapiens. Sabe-se que mais recentemente, há poucos milhares de anos, terá ocorrido a Revolução Axial (Eisenstadt, 2008), o surgimento da concepção de soberania a nível social. Citado por Barbujani (2022, p. 200), o Arcebispo católico-romano de Viena terá insistido, em 2005, em que a ciência e o neodarwinismo terão sido “inventados para negar a formidável quantidade de dados que demonstram que existe um objetivo e um desígnio no universo, [mas] a Igreja Católica continuará a defender a razão humana, proclamando que o desígnio evidente na natureza é real”.

Quem pensou, ou pensa, que a religião foi ferida de morte com o positivismo anticlerical oitocentista, as evidências negam essa presunção. Os papeis dos evangélicos, dos muçulmanos e dos judeus nos principais conflitos que perturbam o campo geopolítico formado em torno da Igreja de Roma, o campo ocidental. Enquanto reconhece a ciência, a Igreja de Roma mantém também as teologias dos mistérios insondáveis e sagrados, como o dos “desígnios universais” proclamados pela fé herdada.

O que é a natureza humana? Um desígnio universal ou desígnios construídos que evoluem como a vida?

Esses mistérios são teologicamente produzidos, mas podem ser cientificamente investigados. Foi isso que fez René Girard (1985), relacionando as violências ancestrais e modernas com a construção de sentidos existenciais, como os nacionais. Emmanuel Tood (2018) investigou os impactos das formas de constituição de famílias nas formações sociais históricas e modernas, como sobredeterminações que explicam a retoma da Guerra Fria, na Ucrânia, que se continua a imaginar como uma guerra ideológica entre capitalistas e comunistas que, provavelmente, nunca terá sido.

Há um desfasamento importante entre aquilo que se diz e aquilo que se faz, aquilo que se pensa e aquilo que seria ajustado para viver melhor, refere Supiot. O que se diz também serve para encobrir aquilo que se faz. A história moderna reduz frequentemente o passado à sua inexistência no presente. A discussão do que seja a natureza humana tornou-se um tabu. Porém, é possível discutir a natureza humana de forma científica.

Em razão dos genes, os humanos são obrigados a pensar bastante (Corballis, 2011). Mas não somos obrigados a pensar bem: ao contrário do que se pense, a inteligência (a capacidade de adaptação ao meio) não é uma característica humana, como se torna evidente com o aquecimento global causado por acção humana. Por outro lado, é mais fácil criticar do que construir. Por isso, também é mais fácil reprimir as críticas do que tê-las em conta na construção social. E assim acontece, na prática, mesmo quando há leis para protecção das críticas, como no ocidente.

A caravana passa enquanto os cães ladram, é uma expressão popular ambígua. Fica-se sem saber se os cães são terceiros, adversários ou inimigos, ou quem usa da palavra e não tem controlo sobre as situações Scott (2013). A história mostra que são os vencedores que a contam, e também que é difícil confirmar as vitórias no terreno. Os recentes movimentos vitoriosos de abolição da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do totalitarismo, do colonialismo, do patriarcalismo, são exemplos de fortíssimos movimentos de profunda e improvável transformação social que, porém, como vimos no caso do anticlericalismo, não foram capazes de abolir o valor das experiências existenciais denunciadas e combatidas. Abusar dos trabalhadores, da autoridade, da posição dominante, do poder, das discriminações sociais, nacionais, sexuais, de cor da pele, de orientação de género, etc., são práticas a que se continua a recorrer sem ostracismo nas sociedades actuais, apesar das profundas transformações ocorridas nos últimos séculos.

As revoluções fazem-nos viver coisas inimagináveis, em função das inovações sociais e também da nossa imaginação. As inovações sociais, sobretudo as de vanguarda, como as industriais, tecnológicas, militares, políticas, podem tornar-se muito eficazes, por exemplo para explorar a Terra sem questionamentos morais. Mas também podem ser muito desagradáveis, como Engels (1975) mostrava aos alemães ser a industrialização na primeira parte do século XIX, muito antes de ser evidente para o mundo os efeitos do aquecimento global e os riscos da guerra generalizada que se sobrepõem estrategicamente à defesa da viabilidade da existência humana. Admitindo, com Supiot, que será necessário abolir o vanguardismo, comunista, capitalista, neoliberal, militarista ou outro, como será viável introduzir essa inovação através da ciência e do direito, elas próprias actividades profissionais de elite?

Face à magnitude dos desafios intelectuais e práticos identificados por Supiot, bastante fora do nosso controlo, é surpreendente que a resposta não seja substancialmente diferente da parte da esquerda europeia que preconiza o retorno ao estado-social do pós-guerra. Foi ele que reconstituiu o império ocidental e retomou as guerras para sua valorização, resultando disso o exponencial crescimento das emissões que produzem efeito de estufa.

O estado-social supervisionou um desastre. O facto de parecer a Supiot que Roosevelt e as políticas do seu tempo eram normativamente recomendáveis, em função dos critérios que desenhou para os avaliar, não favorecem os seus critérios. Em vez de pensar o pós-guerra como dois períodos antagónicos, o estado-social e o neoliberalismo, pode pensar no pós-guerra como um único período de profissionalização da ciência (Coser, 1956, p. 27; Schofield, 2018) e de intensa juridicização e vigilância da vida individual (Habermas, 1987), que deve ser interpretado no quadro mais geral de afirmação do capitalismo como instrumento revolucionário que permitiu intensificar de forma extraordinária a Revolução Axial, transformando virtualmente todas as pessoas em funcionários imperiais, em profissionais ao discreto serviço de quem lhes pague, incluindo na ciência, no direito e na política.

Quando Supiot se queixa de não saber quais são as misteriosas evidências sobre a existência do desígnio do universo referido pelo Arcebispo de Viena pode estar a fazer a figura do cão a ladrar à caravana dos funcionários profissionalizados.

Aos funcionários imperiais é oferecido um negócio irrecusável: a missão colectiva e individual é decidida algures, acima das nossas competências. Na nossa vida familiar e de lazer, no quadro das condições que lhes estiverem superiormente definidas, somos livres. Ainda beneficiamos – por alegada deferência superior – de direito à crítica, i.e., a fazer o exercício que faz Supiot e que aqui se procura reforçar: pensar fora da caixa que nos inibe a imaginação, a mesma caixa que torna as violações das pessoas, dos animais e da Natureza práticas aceitáveis, eventualmente recomendáveis e sinais de mérito (Sandel, 2020) na perpetuação dos “caminhos estabelecidos por Deus, mesmo sem [as pessoas] disso terem consciência” (citado por Supiot). Não será assim que a expansão da Fé e do Império se perpetua?

post relacionado: O predomínio do espírito dos números

Referências:

Barbujani, G. (2022). Como éramos. Vogais.

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Engels, F. (1975 [1845]). A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Editorial Presença.

Girard, R. (1985). La Route Antique des Hommes Pervers. Bernard Grasset.

Habermas, J. (1987). Tendência da Juridicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords. https://pt.scribd.com/book/392795460/The-Real-Philosophy-of-Science

Scott, J. C. (2013 [1990]). A Dominação e a Arte da Resistência – discursos ocultos. Letra Livre.

Supiot, A. (2015). La gouvernance par les nombres. Fayard.

Todd, E. (2018). Onde estamos? Círculo de Leitores.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (14 de Abril de 2024). Supiot, o cientismo e a sabedoria. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/w7tn


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search