Alternativas e perguntas incertas

A educação familiar, escolar e profissional, e a ciência centrípeta, reclamam alternativas: querem que tudo fique na mesma.

A educação e a ciência centrípeta fazem querer às pessoas modernas, integradas ou não, que não há alternativas fora da experiência de conformidade. Perante as críticas ecológicas ou económicas, por exemplo, reclamam alternativas. Nada é perfeito, claro. As alternativas podem existir, com certeza. A responsabilidade de provar que há alternativas viáveis e de baixo custo para ultrapassar as críticas é dos partidários das críticas, os ecologistas ou os economistas alternativos, participando nos debates sociais e políticos pós-modernos e das redes sociais. Entretanto, toda a sociedade continua a fazer aquilo que faz e que está sujeito a críticas de ecocídio a um ritmo crescente, enquanto os alternativos reclamam críticas cujas consequências são democraticamente integradas nos projectos dominantes.

As alternativas suscitadas e praticadas por pessoas a quem a manutenção da modernidade exige que sejam excluídas, como é o caso dos ameríndios, entre outros, são estigmatizadas e desqualificadas dos debates modernos – incluindo a cobertura tácita da continuação dos genocídios seculares, como se isso não se tivesse passado e não se continue a passar. As alegações são racistas, de que tais alternativas veem do passado e nos remetem ao passado, de povos primitivos, como se o presente e o futuro modernos fossem auspiciosos.   

Como vítimas cúmplices, as pessoas educadas alegam os avanços científicos, incluindo os sanitários, para recusar tomar em consideração orientações sociais apresentadas como não miscíveis com os valores modernos, por um lado, e irremediavelmente associadas à vida primitiva, antiga, pré-moderna.

Quando se diz que as práticas penais são contraproducentes, que a exploração da Terra e dos seus recursos tem necessariamente limites, que estamos a arriscar catastróficos pontos de não retorno ambientais, que o ódio na política está em crescendo, então abrem-se espaços para as alternativas à prisão, para práticas de cuidados da Terra, terapêuticos e laborais, para observatórios do meio ambiente, para estudos sobre as bases sociais da extrema-direita. Quando se percebe que a educação e a ciência criam problemas suplementares à vida das pessoas, como as atingidas pelo insucesso escolar ou as que não podem pagar vacinas, criam-se sistemas educativos para reeducação e suspendem-se temporariamente as patentes sobre as vacinas.

Os críticos são reconduzidos e reduzidos à civilização, sem discussão.

– Parabéns, a crítica é parte importante da modernidade. Esta crítica está muito bem feita. Para encurtar razões, se tivesse de resumir a crítica para leigos e, ao mesmo tempo, avançar com uma alternativa (onde metemos os criminosos se não for na prisão? Como sobreviveremos, sobretudo os quase 8 mil milhões de humanos, sem explorar a Terra? Como sabemos quais serão as dinâmicas ambientais da Terra, independentemente a nossa influência? Como suspender a liberdade dos eleitores da extrema-direita e manter a democracia?) o que responderia?  

A educação em ciência centrípeta é moralista, autoritária, conspirativa e hiperespecializada. As escolas ensinam o afecto à ciência, a quem devemos a possibilidade de aplicações, as tecnologias, os usos que facilitam a exploração da Terra e a possibilidade de vivermos todos como beneficiários das últimas descobertas e invenções. A ciência centrípeta é ensinada como um excelente, misterioso, insondável receituário de soluções práticas para todo o tipo de problemas. Esta ciência exige a autoridade profissional. Exige a disponibilidade de quem seja formado numa qualquer especialização servir incondicionalmente o cliente, isto é, quem tenha uma necessidade de usar os serviços profissionais e dinheiro suficiente para os pagar. Todos devemos ser profissionais de alguma coisa e todos somos clientes de todos os outros serviços de que precisamos para viver. Todos estamos, portanto, dependentes dos rendimentos que possamos obter pelos nossos serviços e, então, do valor relativo que a sociedade atribui em cada momento a cada especialização profissional. As conspirações corporativas e profissionais fazem lobby para ganhar peso relativo junto de quem decide as políticas gerais com influência nos rendimentos e preços.

As alternativas à educação e à ciência não estão em cima da mesa. Pelo contrário, a escolarização e a ciência, reformadas ou não, são apresentadas como instâncias morais de fim de linha, mas de longo prazo, mesmo para os mais críticos da situação. Educação e ciência são, na mentalidade moderna actual, as instituições ao mesmo tempo alternativas e base da situação e do futuro. São os lugares onde os debates são transformados em autoridade, as dúvidas em certezas, as inquietações em submissão, as alternativas em mais do mesmo.

As gerações mais ecológicas e educadas de sempre são as que estão a viver a confluência das crises sectoriais, financeiras, bélicas, ambientais, pandémicas, de refugiados e migrações, de pobreza, nacionalistas, que convergem para uma transformação civilizacional a que se resiste reduzindo a liberdades de afirmação das alternativas, em nome da civilização agonizante.

As alternativas à educação e à ciência deveriam estar em cima da mesa, precisamente por os resultados homeopáticos esperados dessas instituições orientadoras da acção social não estarem a dar os resultados esperados e prometidos.

A ciência centrífuga existe e é mesmo indispensável às práticas científicas. As ciências fundamentais, a transdisciplinaridade, a multidisciplinaridade, a interseccionalidade, as teorias holistas, os estudos conceptuais, são exigências alternativas à ciência centrípeta. Ao romper com a hiperespecialização e com a moral dominante (como a superioridade do ser humano face à natureza, ou da mente em relação ao corpo, por exemplo), há cientistas a desafiar as autoridades científicas e políticas, financiadoras e avaliadoras de ciência. Porém, a máquina global organizada para tirar proveito da ciência, a tecnociência, para assegurar que qualquer descoberta possa ser rentabilizada tão depressa quanto possível, nomeadamente sob a forma de patentes e outros direitos de propriedade intelectual, produzem efeitos de conspiração que isolam os inovadores, por vontade própria ou por efeito do aproveitamento de terceiros capazes de usar as inovações para fins de enriquecimento pessoal e profissional.

Nestas condições, a ciência centrífuga, a ciência que não é moralista, autoritária, conspirativa e hiperespecializada, é feita em nichos científicos de excelência ou medíocres, em qualquer caso cercados por todos os lados. Prova disso são as práticas educativas, fechadas nas escolas. Apresentam a ciência como soluções para problemas. Esquecem e ignoram as vidas pessoais e sociais que validaram e invalidaram a possibilidade de transmissão dos problemas por resolver, durante muitos anos. Esquecem e ignoram as vidas pessoais e sociais que pensaram soluções para tais problemas e procuraram condições para as testar e validar.  

O que se ensina é a parte centrípeta das ciências. Os exercícios de ciência centrífuga são praticamente incompatíveis com os funcionamentos em plataforma que são usados em educação, oferecendo o palco aos professores e a plateia mais ou menos receptiva aos alunos. Os testes e outras avaliações de conhecimentos valorizam as respostas certas e não as perguntas incertas.    


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.