Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Desencontro com José Gabriel Pereira Bastos

Por negligência minha, apenas descobri a existência de José Pereira Bastos durante a pandemia. Ouvi-o dizer o que aprendi ser impossível dizer sem atrair a atenção do inimigo que vigia as universidades. Professor universitário, antropólogo psicanalista, situava-se em campo oposto ao meu, sociólogo abolicionista, escapando, porém, na mesma direcção que eu: escapava da “consciência disciplinar” e eu da identidade profissional (é a mesma coisa com nomes diferentes). Produzia uma teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades com base no estudo do Freud completo, isto é, aquele que além de clínico também era sociólogo crítico, o Freud do Mal-estar da Civilização.

Tinha mais treze anos que eu. Começou a estudar quando eu entrava para a primária. Percorreu vários lugares na universidade à procura do seu lugar em faculdades também à descoberta dos seus lugares. Orientou-se a si próprio, como acontecia então, em função das oportunidades. Teve a coragem de deixar escrito ter sido alvo de “em claro bloqueio departamental do exercício da minha formação de antropólogo” (Bastos, 2014: 347): sentiu a disciplina na pele. É o que acontece a quem é apanhado em fuga: é posto de castigo, na esperança que possa aprender e ser reintegrado. Pereira Bastos não aprendeu.

“Neste momento, não encontro espaço de publicação para artigos (como este (Bastos, 2020)) e para livros que tenho disponíveis.” De momento há “dois livros de ruptura académica que tenho em curso”, escreveu-me por email em 25 de Maio de 2020. Veio a falecer a 20 de Março

de 2021, dia do meu 65º aniversário, com 78 anos. Na quarta feira seguinte sairia da gráfica o livro a que, juntamente com o que publiquei em 2020, gostaria de poder dizer ser uma manifestação de ruptura académica (Dores, 2021). Nunca saberei se estaria de acordo comigo. Mas já sabia que estava disposto a abrir-se a uma colaboração a descobrir.

Nunca estive pessoalmente com José Pereira Bastos. Conheço-o de fotografias e dos registos do Youtube. O seu desaparecimento abalou-me como se tivesse desaparecido um amigo, que o era. Um irmão de armas da academia contra a academia, em busca da liberdade para si e para os outros. Em sua memória, comecei a ler o Freud sociólogo-antropólogo que ele conheceu como mestre.

Por vezes penso como tenho desperdiçado a minha vida. Para me consolar, logo me lembro que não participar em práticas sociais nefastas, não contribuir para o mal-estar da civilização, já é, em si mesmo, algo positivo. Mas como me perdoar ter passado ao lado deste obreiro – a obra vou estudá-la e recomendá-la a partir de agora. Na verdade, como teria capacidade para compreender a importância da obra de Pereira Bastos antes de eu próprio, preso ainda à minha disciplina, vizinha da suam e por isso tão afastada e incomunicante, ter encontrado um caminho de fuga? Fica-me a responsabilidade de lhe mostrar que George H. Mead não era um mero filósofo sem estofo intelectual para competir com a sabedoria de Freud: era também um investigador da teoria geral das dinâmicas estruturais de produção de identidades. Mas nunca saberei se isso poderia servir, como me serviu a mim, assumindo-me como discípulo de Mead, para explicar a necessidade e as vantagens de ruptura com a academia.  

Referências:

Bastos, J. G. P. (2014). Da investigação por objetivos à antropologia dos processos identitários: um ponto de vista transdisciplinar e integrativo. Etnográfica, 18(2). https://doi.org/10.4000/etnografica.3718

Bastos, J. G. P. (2020). «The Hidden Meanings of Culture, Ethnicity and Identity»: Anthropology from a Divergent Point-of-View. In «In Search of Hidden Meanings»: Identity Processes and Strategies from a triple point-of-view. Amazon.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.