Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais

As teorias económicas da exploração fixaram-se na relação entre patrões e trabalhadores. Secundarizaram o industrialismo, a aliança entre patrões e trabalhadores na exploração da Terra e dos seus recursos. Dito de outra maneira, colocaram noutro lado e noutro tempo a acumulação primitiva, a violência dos genocídios e dos roubos com que a civilização ocidental continua, há mais de meio milénio, o seu plano global suicidário.

Em termos práticos, é a falsa consciência a razão estrutural que impede uma reacção da espécie humana à constatação das evidências que confirmam as teses científicas da nossa contribuição, como espécie, para aumentar e acelerar o aquecimento global, a extinção das espécies, os riscos de despoletar ciclos de retroacção irreversíveis e catastróficos para a vida de grande parte da humanidade. Essa falsa consciência a) reduz a civilização – tida como espontaneamente boa – ao motor da luta de classes nos países enriquecidos à custa do assalto industrial aos recursos do planeta, b) inibe o pensamento holista e histórico, pois c) este facilmente detecta ser o projecto imperial, formado na revolução axial assinalada por Karl Jasper (Eisenstadt, 2008), ser o espírito imperial paulatinamente democratizado, imitado e dominante na própria ciência, o motor do suicídio civilizacional em curso, perante a nossa impotência, quais vítimas-cúmplices.

O optimismo político ancora-se na sorte inspirada na Fé cristã, convertida pelo Império, que organizou a sobrevivência do espírito imperial sem império, após a decadência de Roma. Assumido pela Igreja Católica e pelos aristocratas medievais, concretizado de forma espectacular pelos Descobrimentos e pela Renascença, o optimismo que sustenta os poderosos como representantes dos interesses das elites revela-se suicidário. Como têm vindo a persistir outras civilizações mais sábias (Seattle, 1855), a pequenez moral cartesiana de reduzir o mundo à propriedade parcelar reduz as nossas responsabilidades cósmicas a um dualismo local, interior, doméstico. As lutas de classes e a pobreza, as solidariedades nacionais e os seus inimigos imaginários, a misoginia cultural que faz das famílias o locus das maiores e mais profundas violências como estímulo justificativo dos sacrifícios dos exploradores, numa frase, o espírito imperial é uma estupidez altamente destrutiva.

Os planos dualistas e optimistas típicos desse estado de espírito, quais profecias que eventualmente se auto-realizam, fundados nas estratégias militares que surpreenderam o mundo a partir do século XIV, deixaram sem reacção os alegados inimigos da cristandade, como os muçulmanos, os judeus, os nómadas das estepes, os chineses, os africanos, os trabalhadores europeus, e depois os russos comunistas, os trabalhadores de qualquer parte do mundo e tantos outros. A sedução optimista estimulada pelas sucessivas vitórias bélicas e pela violência (síndrome de Estocolmo) é tão poderosa que quando os poderosos locais são convidados a servir as elites imperiais como forma de participação no seu séquito e nas suas cortes, como seus servos, há sempre quem se dispõe a assumir o risco imperial: tratar como inimigo quem se lhe oponha, George W. Bush dixit. (Varoufakis (2017) descreve reuniões recentes de poderosos ao serviço das elites, no quadro da União Europeia). Comunistas e movimentos de libertação que derrotaram os impérios capitalistas no século XX fizeram-no imitando a cultura imperial dos derrotados, tornando-se poderosos servidores das elites. Assim, a velha profecia que se auto-realiza, o império sem alternativa, voltou a fazer história com a globalização.

As intenções declaradas nas promessas e nos planos, sinceras ou encenadas, são cortinas de fumo explicadas como forma de reverter aquilo que é a lógica imperial. Por exemplo, as intenções de erradicar a pobreza vão-se perpetuando, fazendo-as depender do desenvolvimento, isto é, dos vícios de acumulação de riqueza e poder das elites. O mesmo se aplica à economia verde e ao resto, incluindo aos benefícios da educação e da ciência, também eles dependentes de serem úteis para os processos de profissionalização e de exploração da Terra e do universo. A geração mais bem formada de sempre, como notou Greta Thunberg acompanhada por milhões de juvenis por todo o mundo, sente-se impotente para defender a qualidade da sua vida e não sentem as escolas como suas aliadas.

Alexandre, o Grande

O espírito imperial foi experimentado primeiro e testado na prática há milhares de anos. Teve o sucesso conhecido com Alexandre o Grande e alguns outros desde então. É uma forma de se equilibrar como humano, de dar sentido à vida, de se identificar com o cosmos, indispensável para cada pessoa (Virno, 2014). Esse estado de espírito caracteriza-se por mobilizar dialogicamente as discriminações sociais mais presentes e fortes para montar, sobre elas, um andaime cartesiano capaz de elevar as elites para longe: para um mundo encenado onde os conflitos sociais sublimam tanto os conflitos entre os populares como os conflitos entre as elites. Pensar o poder, como explicou Maquiavel, é estar preparado para ultrapassar as barreiras emocionais de repugnância espontânea nas pessoas quando confrontadas com a possibilidade de exercício da violência (Collins, 2008). Isso é incómodo para as elites modernas, que a pouco e pouco se passaram do lado dos espetaculares aristocratas medievais para o lado das mais discretas pessoas de méritos pós-modernos, protegidas pelos segredos empresariais, de estado, de justiça, militares, bancários.

Nestes últimos seis mil anos, o espírito imperial vingou onde havia gente suficientemente desesperada com a vida para se arriscar suicidar em nome do império, testando-o sob a forma de ordálio auto-punitivo. Há quem diga que as posições de direcção imperial reclamam estados mentais sociopatas. Seja como for, a separação entre as elites e os poderosos, a começar pelos guerreiros e seus exércitos, torna suportável a vida imperial em larga escala.

De um estado de espírito, o império evoluiu para sucessivas profecias que se auto-realizaram, em função da perícia dos planos de guerra e de conquista, dos colaboracionistas locais elevados a poderosos e dos historiadores. Estes últimos construíram  e constroem as identidades sociais postiças das discretas elites, eventualmente exibidas em público, escondendo e omitindo tanto os perdedores dos jogos imperiais como, sobretudo, as lutas das vítimas esmagadas pelas máquinas imperiais, a começar pelas mulheres e crianças, os escravos, os que se sacrificam para manter civilizações anti-imperiais, como os povos ameríndios que sobreviveram aos genocídios.

Reunião do Eurogrupo

Cada vitória foi elaborada como resultado de um plano pré-definido, por Deus, por estrategas ou por tecnocratas. Sinal da graça divina, mental ou racional, cada vitória é pretexto para democratizar à força o espírito imperial. Primeiro o império criou os poderosos colaboracionistas que protegem as elites das reacções recorrentes contra os impérios e as representam nos jogos de interesses de mediação entre as diversas dinâmicas sociais em curso. À medida que os poderosos consolidaram posições foram podendo replicar o mesmo processo de delegação de competências, até que, em modernidade, ser-se trabalhador profissional (Illich, 2018) se tornou o modelo imperial de classe média promovido pelas escolas e universidades de frequência universal.

Aspirar a ser um trabalhador profissional é aspirar a ser tão poderoso quanto possível, geralmente simbolizado num salário correspondente ao mérito reconhecido pelas elites para o trabalho de micro interpretação dos interesses das elites no âmbito da actividade delegada (Foucault, 1999). As discriminações sociais espontâneas utilizadas pelo espírito imperial são agora reproduzidas industrialmente pelas escolas e universidades e pela divisão de trabalho, em termos de isolamento dos indivíduos e respectivo reagrupamento em sectores de actividade e níveis de profissionalização competindo entre si para ver quem melhor serve as elites, nomeadamente em termos de rendimento acumulado proporcionado.

As teorias do capitalismo notaram como esta lógica imperial, para se manter e reproduzir, precisa de manter a miséria de uma parte importante dos trabalhadores. De um modo mais geral, o regime sacrificial de permanente teste da justiça do programa imperial, através de sistemas de avaliação e financiamento da divisão de trabalho, das empresas, das profissões, dos trabalhadores, para se poder manter optimista e obrigar à mobilização das milhões de vítimas-cúmplices organizadas, requer um contraponto: as populações negativamente privilegiadas. Os impérios não bastam as pessoas tratadas como não sendo humanas, como as mulheres, crianças, velhos, escravos, pessoas sem autonomia, etc. Precisam também de criar, produzir, exemplos de miséria repugnante ameaçadores das vítimas-cúmplices, para o caso de desejarem deixar de ser cúmplices.

Esses exemplos são modernamente produzidos pelos estados sociais (Dores, 2020), nomeadamente através de políticas de auxílio a nações pobres, a populações socialmente discriminadas, a crianças e jovens abandonadas, sendo que dessas alguns rapazes são mostrados à sociedade como criminosos, presos, e algumas raparigas servem como prostitutas. A incorporação moderna do espírito imperial é de tal modo efectivo, que nem os movimentos de direitos humanos nem os movimentos feministas estão em condições de anunciar, sob pena de descredibilização e de ficarem sem financiamento, que os seus representados mais mal tratados são os presos e as prostitutas, a quem é oferecida a hipocritamente optimista caridade cristã, imperial, submissa e subordinante, a pena e comiseração. É oferecido aos marginais aquilo que todos e cada um dos trabalhadores mais temem – a desconsideração pessoal para a vida e também na morte.  

Este é o último post de três que começam em “Os segredos sociais

Referências:

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2020). A Estado Social Real. RCP edições.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (1999). Microfísica do Poder. Graal.

Illich, I. (2018). Para uma História das Necessidades (J. C. C. Marques (ed.)). Edições Sempre-em-pé.

Seattle, C. (1855). A Carta resposta ao Presidente dos EUA. AABB Comunidade. http://www.aabbcomunidade.com.br/wp-content/uploads/2017/02/Carta-do-Cacique-Seattle.pdf

Varoufakis, Y. (2017). Adults in the Room. Vintage Digital.

Virno, P. (2014). O animal aberto ao mundo: o chamado “mal” e a crítica do Estado. Imprópria, 4, 77–90. http://unipop.info/impropria.html


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.