Dos limites das ciências centrípetas

Os estrutural-funcionalistas (Merton, 1948; Parsons, 1948) estão de acordo em reconhecer a importância da discussão conceptual, filosófica e política sobre o objecto geral das ciências sociais. Porém, embora entendam que há muito trabalho a fazer para desenvolver o esboço de teoria que preferem usar (Merton, 1968a; Parsons, 1961), esse trabalho não deve desperdiçar os recursos profissionais especializados desenvolvidos nas universidades e nas empresas. Estes podem ser uma forma de cartografar a sociedade mesmo que se mantenha em suspenso a discussão do que seja isso da sociedade (Merton, 1968b).

Em conversa com um colega especialista em prisões perguntei como era possível a criminologia basear-se no estudo das pessoas presas, tomando-as por criminosas? (Esse facto foi alvo de uma anedota de um investigador da área (Moskowitz, 2011)). Criminosas são pessoas que cometeram crimes. Ora, há presos que não cometeram crimes (erros judiciais). E há quem nunca foi preso e comete crimes (Jakobs & Meliá, 2003). A resposta que obtive do meu colega foi a de que a pergunta seria imoral.

A resposta serviu para interromper a conserva. A moralidade em causa seria a moralidade profissional. Como um sociólogo poderia admitir reconhecer uma realidade, ainda que óbvia, quando cabe à doutrina jurídica sustentar a criminalização em discussões autorizadas nos locais próprios: os tribunais? Como um cientista social poderá identificar um criminoso que não tenha sido condenado pelos tribunais com sentença passada em julgado (Ferreira, 1997)?

Esta circunstância de hiperespecialização das ciências sociais em função do seu objecto de estudo, no caso a população prisional equiparada a massa criminosa distinta da restante população, para ser respeitosa das classificações dos tribunais criminais é socialmente discriminatória e cega às realidades empíricas.

É discriminatória porque valida cientificamente a selectividade social praticada pelo sistema de justiça que, reconhecidamente, atinge certos grupos sociais de forma abusiva e trata com impunidade outros grupos. É cega à realidade porque não se dispõe a identificar os grupos sociais seleccionados para servirem como presos (Dores, 2018), limitando-se a tratá-los como criminosos por terem sido condenados a prisão.

Se se observarem as estatísticas que servem de base às análises sociais poderá observar-se que jamais as profissões estigmatizadas são consideradas. Ainda que o fossem, quem iria reconhecer ser proxeneta ou prostituta a sua profissão principal ou secundária? Pelo contrário, a propaganda generalizada oferece aos cidadãos a possibilidade de se identificarem com imagens e designações (marcas) com melhor cotação social do que as actividades efectivamente desempenhadas, como empresário em nome individual ou director de vendas ou técnico de informática.

Os profissionais das ciências sociais sofrem de viés de pudor social que encobre realidades sociais conhecidas tratadas como se não existissem, como as acima citadas. E, claro, também não descobrem realidades desconhecidas que poderiam ser apresentadas às opiniões públicas para serem reconhecidas. É o caso das violências de género ou sexuais que têm vindo a ser identificadas geralmente por pessoal de saúde e que só após a emergência de movimentos sociais de repúdio e criminalização dessas práticas sociais as ciências sociais estão em condições de as referir e estudar (Almeida et al., 1999).

Sobre isso conversei com colegas, perguntando-lhes se se sentem interessados em dar alguma atenção a estas limitações das ciências sociais, a que chamei ciências centrípetas, ocupando-se de organizar investigações centrífugas capazes de romper com as limitações induzidas na generalidade dos estudos. Responderam-me como me responderam os estudantes com quem partilhei estas reflexões: quem nos pagará para fazer esse trabalho? Ou, dito de outra maneira, quem nos perdoaria a apresentação dos resultados que viéssemos a obter?   

As ciências centrípetas, o trabalho de redução das informações empíricas geralmente a estatísticas, são onerosas em trabalho. A intensificação dos controlos e das competições académicas na investigação académica não apenas ocupa tempo, mas também sinaliza a dependência dos investigadores da boa-vontade dos avaliadores. Para cuidar da ansiedade competitiva, não resta muita energia para rever o que foi feito e reavaliar o seu valor conceptual. Ao fim de anos de trabalho em que se aprendeu uma certa rotina intelectual cujos resultados podem ser antecipados como sendo do agrado dos avaliadores, qualquer crítica mais profunda que possa questionar o valor do mesmo e pôr em crise a avaliação institucional do seu autor é uma ameaça profissional. Arriscar fazer ciência centrífuga, inventar como fizeram Marx e Durkheim, tornou-se um risco profissional. Os clássicos tornaram-se alvos de reverências, mais do que motivos de referências. Questionar os clássicos tornou-se uma disciplina especializada. É a isso que se dedicam os colegas especializados em teoria, teoria de que os restantes estão dispensados ou até impedidos (Guibentif, 2018) precisamente por serem especializados noutra matéria que não a teoria.

A ciência centrípeta hiperespecializada e utilitária é, como a infraestrutura de Marx e a solidariedade social de Durkheim, uma parte importante da ciência realmente existente. A ciência centrífuga – como as invenções conceptuais síntese que continuam a ser produzidas –que para muitos gestores de ciência e cientistas é uma perda de energia e de tempo, mantêm-se activa como super-estrutura, expressão da anomia e da inovação na ciência. 

Referências

CONTINUA EM: Descartes e a receita de dividir para reinar

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (7 de Março de 2024). Dos limites das ciências centrípetas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vz4i


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search