Ciências e segredos sociais – poderes e elites

As intenções e os conhecimentos, sobretudo científicos, são elaborados sobre práticas cuja totalidade escapa à melhor das intenções e dos conhecimentos, resultando daí efeitos não esperados das intenções e erros nos conhecimentos.

A confiança da modernidade nas instituições funda-se na crença da superioridade das intenções das elites e dos conhecimentos dos profissionais, por sua vez ensinados e treinados por professores cientistas. Tal confiança não esmoreceu com os erros e falsas promessas, vulgares no campo político. Ao contrário, há uma corrente de opinião que sugere que a modernidade só não funciona porque os políticos não são cientistas, não são suficientemente cognitivamente competentes para compreender o que fazer para atingir os resultados definidos. Essa corrente tornou-se predominante através do retorno do pós-guerra às ideologias meritocráticas abandonadas no tempo da aristocracia. A tecnocracia, incluindo a estigmatização dos políticos como poderosos corruptos ou ingénuos, fundada no prestígio que as ciências transferem para as profissões através das universidades de formação, substitui na moral dominante e nos lugares de governação os aristocratas de boas famílias pelos técnicos de profissões adequadas: teórica e ideologicamente o melhor que a sociedade produz.

Relação dos poderosos com as elites

Por exemplo, a ideia da esquerda quando denuncia as portas giratórias entre a política e os lugares de administração de grandes empresas privadas é a da desconfiança de a direita estar a servir-se do estado para fins económicos, para servir elites com dinheiro suficiente para comprar os poderosos que se vendem no mercado como trabalhadores de jorna melhor pagos. À direita, a versão da mesma teoria distingue a política ideológica da política de gestão; a política dos que estão ao serviço de estrangeiros inimigos da civilização – a quem não se podem confiar os segredos de estado – da política recomendada pelas instâncias aliadas, as agências internacionais e os posicionamentos imperiais do nosso lado, do lado dos bons contra os maus.

Em tempo da pandemia, a campanha presidencial centrista insistiu, contra a direita, que não há portugueses bons ou maus, puros e impuros, verdadeiros e traidores, e contra a esquerda, que o Serviço Nacional de Saúde deve continuar a abrir as portas ao sistema nacional de saúde, sentindo-se o estado na obrigação de criar as condições de privatização de parte do sector, como modo de o racionalizar.

As ciências sociais, de que a saúde pública é uma especialização, dividem-se, como o espectro político institucionalizado, em direita e esquerda; em teorias académicas, centradas em dados estatísticos, e teorias críticas, centradas na desconstrução das interpretações dominantes das estatísticas. O centro político, ou centrão, financia a institucionalização de partidos de direita e de esquerda, como ciências sociais de direita e de esquerda, de modo a polarizar as oposições e a integrá-las em vez da antiga luta de classes de rua, vivida no século XIX. O planeamento, como o orçamento de estado e das instituições de ensino e investigação, é o grande instrumento político de distribuição e de controlo da administração e das actividades científicas, a par da corrupção, isto é, o uso das avaliações de modo discricionário pelos aparelhos partidários e a cúpula do estado onde os interesses dos poderosos se negoceiam em segredo.

O caso Espírito Santo mostrou como as elites não se confundem com os poderosos. O banco imaginou poder controlar o estado, oferecendo-lhe a superioridade de uma visão global da sua capacidade financeira e, ao mesmo tempo, beneficiando a família. Os poderosos tiveram de ser comprados. A família era uma elite beneficiária e apoiante dos planos do banco. Raros membros da elite eram também poderosos, como os primos desavindos. O resto da elite não tinha poder nenhum. Era apenas – mas muito importante – o meio social que cuidava da humanidade dos poderosos, dos que trabalhavam para sustentar a elite, sem o qual os poderosos não tinham motivos e energia vital para o serem.

As dualidades tão presentes nas teorias filosóficas, humanistas e sociais, flexibilizadas ou não pelo método dialéctico, falam-nos de forma metafórica da dualidade mais evidente que herdámos, a sexual, cuja diferenciação é a mãe de todas as discriminações em todas as culturas conhecidas. Diferenciação que divide as sociedades, mas também cada ser humano, entre aquilo que de si pode mostrar e revelar aos outros (incluindo a si mesmo) e aquilo que é segredo social, honra. Essa falta de sinceridade, de verdade, a inescapável incoerência humana funda poderes que colocam os humanos em contacto com o transcendente, o pensamento, os deuses sobre-humanos, os homens sobre-humanos que são uma forma como é possível relacionarmo-nos com o mundo dos mortos, com o futuro, com as sociedades, com a Terra e o resto.

O trabalho de Descartes sinalizou e reforçou o uso moderno das dualidades – existência versus conhecimento (pensamento) – explicando os seus benefícios pragmáticos: separar e explorar as partes, uma a uma, e acumular conhecimentos parcelares e locais justapostos. O sucesso das teorias cartesianas, que são ensinadas em todas as escolas e incorporadas como ideologia oficial da modernidade há séculos, têm impedido o avanço dos conhecimentos (Damásio, 1994). Ou melhor, tem reduzido os conhecimentos ensinados ao pragmatismo profissional, hiperespecializado, de modo a que conhecimento holista seja descartado. O segredo científico e político de estarmos todos envolvidos solidariamente na exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, decorre e é possível pela divisão ideológica entre as ciências naturais e as ciências sociais, e entre estas últimas e as humanidades, como se os recursos humanos não fossem pessoas e estas não fossem parte integrante da natureza.

As teorias críticas são espelho da oposição dialéctica aos dualismos dominantes, sugerindo a vantagem – real – de combinar as partes, pois diferentes combinações das mesmas partes, diferentes sociedades todas igualmente humanas, existem criando contextos, ambientes, culturas, dinâmicas particulares, cujas características e propriedades – como acontece com os átomos ou o cosmos – são muito variadas. Tais críticas, porém, perdem-se em dilemas alternativos aos dualismos cartesianos, como sociedade-cultura, universalismo-particularismo, estado-economia, esquerda-direita, vontade-saber, norte-sul, recusando-se a abandonar o paradigma cartesiano.

As elites precisam de se cuidar

O abandono desse paradigma está em curso, através de perspectivas planetárias (N. Clark & Szerszynski, 2020), holistas (Bateson, 1987), anti-nacionalistas (Kuhn, 2016), de libertação da ciência dos espartilhos actuais (Schofield, 2018), globalistas (G. Clark, 2007; Morris, 2013), mas não vinga enquanto os financiamentos-avaliações permanecerem vinculados às prioridades internacionais e belicistas do modo imperial de organização das relações internacionais e da vida das sociedades. Como notou de forma controversa Michel Foucault, e de forma mais ampla Randall Collins (2005), os conhecimentos são produzidos por instituições ajustadas ou ao menos toleradas pelos poderes do dia.

Quando a ciência estabelece evidências resgatadas do mundo dos segredos sociais, violando eventualmente a honra dos poderosos, sobretudo quando revela as evidências moralmente mais dolorosas, faz um serviço à civilização. Dá instrumentos às pessoas e às sociedades para se libertarem da opressão imperial que a todos prejudica existencialmente, independentemente dos privilégios ou dos sacrifícios que sustentam as estruturas imperiais muito diferentes entre si.

O papel recente da teoria da luta de classes, ao radicalizar as dualidades sociais a favor dos trabalhadores, com sucesso relativo no que diz respeito à integração dos trabalhadores na cidadania, torna mais difícil compreender que o problema de raiz não é o capitalismo. O que está a inibir a esperança de ser possível trabalhar a favor da libertação, em igualdade, é, antes, a elevação do império a referência cognitiva e organizativa única, milenar, protegida na sua honra pelo segredo social elaborado cotidianamente pelos poderosos, representado patrões, trabalhadores e movimentos sociais, incluindo as teorias científicas, sob a forma de discurso único ou tecnociência.

referências:

(continua em Identidades e segredos sociais – presos, prostitutas e profissionais)

Bateson, G. (1987). Steps to an Ecology of the Mind. Jason Aronson.

Clark, G. (2007). A Farewell to Alms – a Brief Economic History of the World. Princeton University Press.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2020). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Collins, R. (2005). Sociología de las filosofías – Una teoría global del cambio intelectual (1a edição). Hacer.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.



Citar este post
Antonio Dores (2021, 6 Fevereiro). Ciências e segredos sociais – poderes e elites. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvn8

Um comentário em “Ciências e segredos sociais – poderes e elites”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search