Os segredos sociais

Será a razão que conduz o mundo? Ou será do mundo que se faz a razão? Como pensar os limites da ciência, dos planos, das políticas públicas, dos estados, das elites?

Há um mecanismo social que faz segredo, faz tabu, de factos e práticas evidentes. Esse mecanismo não é inventado nem criado pelas elites ou pelos poderosos. É um mecanismo espontâneo que é manipulado pelos poderosos em favor das elites.

Hoje, as classes médias vivemos como aprenderam a viver os reis, há poucos séculos atrás. Usamos casas de banho privativas, comemos à mesa com talheres, vestimos fatos e vestidos capazes de marcar o género e o estatuto social. Nas cortes, incluindo Versailles, defecava-se e cuspia-se nos corredores, que os criados limpavam uma vez por semana ou menos. O Rei Sol impôs um protocolo estrito ao seu próprio comportamento, como forma de educar os cortesãos sobre como se levantar, vestir, calçar, deitar, comer à mesa, limpar o corpo, passear no jardim, etc. Todos assistiam à encenação cotidiana e, assim, eram convidados a imitar a realeza. A Revolução Francesa acabou com o estatuto especial da nobreza, tornando qualquer homem em cidadão e senhor, isto é, imitador dos comportamentos das elites entretanto educadas na corte. As modas de imitação aburguesaram-se e, mais tarde, industrializaram-se, proletarizaram-se.

Os animais em grupo imitam-se e aprendem uns com os outros e com a experiência, na fuga ou na agressividade. As pessoas também são animais, mas desenvolveram capacidades culturais extraordinariamente elaboradas com base nos mesmos princípios de imitação (Tarde, 1993). As culturas aprendidas resultam de acumulações evolutivas e históricas incorporadas individualmente por cada pessoa que as usa. O que não quer dizer que cada pessoa conheça as histórias da evolução das culturas, pois a sua complexidade é extrema e a capacidade de aprendizagem e atenção cognitivas humana é muito limitada e parcial comparada com o holismo das aprendizagens biológico-corporais.

Uma criança aprende a falar de uma vez. Não estuda a gramática e o vocabulário em separado. Aprende de ouvido a musicalidade da comunicação entre os falantes (Tomatis, 1991) e toma a iniciativa de participar na orquestra cotidiana de falantes. Só depois de falar é que pode aprender a gramática, isto é, os resultados dos estudos da língua elaborados por especialistas capazes de impor a língua com autoridade, como língua oficial. Porém, as línguas sem escrita e sem gramática, como as línguas oficiais, continuam a evoluir e a fazer a sua história, sem que ninguém as saiba ou possa controlar.

O que parece e o que é

As teorias da conspiração, e as conspirações, isto é, a descrição social das elites e as práticas de escamoteamento dos seus privilégios e interesses, juntamente com os esforços de adivinhação lúdica e/ou contra-informação profissional, vão de par com a hiperespecialização cognitiva e profissional, individualista, desenvolvida pelas sociedades modernas. A cultura dos mistérios, da humildade na ignorância, evoluiu no ocidente para a cultura da arrogância cognitiva, imperial, bem representada pela moral e saber universais.

Embora as técnicas de planeamento racional existam e tenham efeitos práticos, através da organização dos treinos, das educações, das modas, das políticas públicas e financeiras, a evolução e a história continuam irredutíveis aos desejos explícitos e intencionais das elites e dos poderosos. Há todo o tipo de mal-entendidos, de excessos de zelo, de oportunismos, de resistências, negligências, corrupções que distorcem os planos, por norma inconscientes e/ou dissimulados, ao menos à atenção uns dos outros e também aos olhos dos poderosos e das elites. A ideia de um planeamento racional e unânime, favorável a todos os membros da sociedade, inspirou os regimes comunistas que falharam. Os planeamentos indicativos, os que previam à partida a impreparação dos planos para ter em conta as dinâmicas holistas da evolução e da história, usados pelas empresas capitalistas, mostraram maior resiliência. Ainda assim, os desastres financeiros, ecológicos, sanitários globais que não se conseguem resolver, que perduram e se acumulam neste princípio de século, mostram existir um magma existencial que escapa à capacidade cognitiva, às capacidades de planeamento, à boa vontade.

As ciências, por exemplo, embora sejam artes especializadas em produzir perguntas cujas respostas se constroem demoradamente, sempre incompletas, são política e culturalmente transformadas em tecno-ciências, em receitas práticas, frequentemente de base tecnológica, para resolver problemas, virtualmente todos os problemas.

As profissões de base científica adquirem junto das elites e da população o prestígio, que as próprias profissões alimentam e reclamam, de serem as únicas autorizadas e competentes no seu campo de actividades.

Os segredos dos negócios, da justiça, do estado, das ciências, das profissões, apresentam-se como saberes iniciáticos, como sabedoria inacessível aos leigos, escondida por linguagens particulares, como a economia, a advocacia, as disciplinas científicas, o calão profissional. O anedotário talvez seja a forma de segredo popular, geralmente em volta dos usos do sexo e da violência em sociedade, fazendo uma política de guerrilha denunciando os jogos sociais dos poderosos e dos revoltosos.

Continua em : Ciências e segredos sociais – poderes e elites

Referências :

Tarde, G. (1993). Les Lois de l´Imitation. Éditions Kimé.

Tomatis, A. (1991). Todos Nascemos Poliglotas. Piaget.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (3 de Fevereiro de 2021). Os segredos sociais. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvn7


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search