Os limites dos estudos profissionais das desigualdades sociais

A Revolução Francesa veio com a ideia do fim das religiões e das guerras. Porém, aquilo que imediatamente aconteceu foi o Terror, a emergência do Império napoleónico e a sua religião positivista, laica, administrada, como forma de substituir o modo de vida aristocrático que foi derrotado com a monarquia. Algo semelhante se repetiu na história contemporânea, quando a promessa comunista se concretizou sob a forma de império soviético ou quando os movimentos de libertação das colónias adoptaram para os dirigentes anti-imperialistas os privilégios de saque para enriquecerem os políticos ao serviço dos mercados globais.

Há continuidades evidentes entre os períodos pré-revolucionários e os tempos pós-revolucionários que têm sido desvalorizadas. São descartadas como resquícios em vias de extinção. Por exemplo, no campo dos estudos das desigualdades diz-se que elas não param de aumentar e, ao mesmo tempo, que os mecanismos modernos, em particular as dimensões sociais dos estados de bem-estar, são ascensores sociais. Tacitamente, esta contradição entre a crítica medida – o aumento das desigualdades – e a boa vontade das teorias sociais em relação às instituições sociais dos estados actuais (imaginadas como ascensores) torna-se aceitável para o público. O público formado pelos estados sociais entende a liberdade de crítica como uma concessão do próprio estado, o estado do bem-estar que aboliu a luta de classes e que legalizou os sindicatos e os movimentos de trabalhadores. Portanto, a crítica revolucionária, a que imagina uma sociedade sem desigualdades sociais, sem classes sociais, acompanha mão na mão o conformismo revolucionário, o que, contra as evidências, continua a acreditar em ascensores sociais cujos efeitos são o inverso do que deveriam ser.

Há continuidades evidentes entre a Idade Média e a Idade Contemporânea: a persistência de elites a quem são atribuídos privilégios sociais e legais, a quem as sociedades reclamam alguma forma de exibição pública exuberante, sob a forma de realeza, presidência, representação política, diplomacia, militar, policial, tribunais, presença mediática. Há continuidade na persistência de confissões oficiais, religiosas, científicas, civilizacionais, como o actual discurso único. Podemos caracterizar e analisar estas continuidades usando um estado de espírito que tem vindo a democratizar-se: o espírito imperial.

Através da escolarização generalizada, do aumento dos anos de escolaridade obrigatória, da abertura das universidades a novas camadas da população, da industrialização do ensino, já não são apenas as elites que são educadas para se distinguirem das massas, dos recursos humanos. Também as massas são educadas a serem recursos humanos, a terem orgulho em serem trabalhadores, sobretudo se forem profissionais, isto é, competentes a cumprir tarefas específicas no quadro de uma extensa e diversificada divisão de trabalho susceptíveis de empregabilidade, independentemente de critérios morais ou políticos, eventualmente reduzidos a códigos deontológicos despolitizados e interpretados de forma corporativa, auto-regulada. Também os desportos, as ciências, as artes sofreram com a profissionalização e a despolitização, nas últimas décadas.

O espírito imperial é o uso naturalizado das discriminações consensualizadas como forma de legitimação das elites e das contra-elites, dos privilegiados e dos desprivilegiados – os perdedores ou o lixo humano, recursos humanos inutilizados ou inúteis, abandonados pelas elites e pelas sociedades como excedentes. Característica deste estado de espírito é a sua radical dissimulação, como fazem os camuflados na guerra, nomeadamente atrás do capitalismo (no caso das ideologias liberais) ou dos estados (no caso das ideologias de esquerda) ou das nações imaginadas (no caso dos neo-nazi-fascistas). Em vez de atender ao espírito imperial que foi capaz de produzir (e também perdeu) impérios ao longo dos últimos milénios, as ideologias modernas – e as teorias sociais com elas – mascaram-no de mercados, estados, nações, como se estes não fossem apenas aspectos dos impérios que integram, como se pudessem existir uns sem os outros.

Em forma de mnemónica, o espírito imperial é discriminatório, elitista e dissimulado.

O estudo das desigualdades sociais pode servir de exemplo de como este estado de espírito incorporado torna evidente aquilo que é substantivamente contraditório. A promessa imperial, a finalidade doutrinária dos impérios, é de atingir a equanimidade. Para o efeito, a condição é que a humanidade acompanhe e apoie as missões imperiais organizativas de convergência de esforços à procura dos efeitos de sinergia ou singularidades ou revoluções ou juízos finais. Toda a humanidade será, pois, convidada a sacrificar-se de forma convergente através de instituições, como as instituições sociais criadas no pós-guerra nos países mais ricos. A humanidade idealizada por nós como solidária e global, comunitária e ecuménica, educada e profissional, estaria salva da natureza, dos humores dos deuses, dos micróbios, quando na verdade se transforma tão completamente quanto tem sido viável em recursos humanos. Então, embora as escolas, as universidades, os tribunais, as políticas contra a pobreza, o policiamento, continuem a cumprir o papel de agravamento e legitimação das discriminações sociais, as culpas são – à esquerda – dirigidas aos mercados ou – à direita – à falta de esforço dos trabalhadores, dissimulando de forma eficaz o papel das elites e das suas actividades desmultiplicadas já não apenas através dos militares, das administrações, das corporações, das empresas, das famílias, mas também com o reforço da incorporação nas massas do espírito imperial através das instituições sociais, incluindo as escolas, universidades, serviços de saúde, apoios a pessoas em risco, ONG´s.

A actividade profissional, o prescindir do dever e do direito de avaliar o valor das finalidades das missões em que cada um esteja a participar, é uma consequência do sucesso da democratização do espírito imperial. O movimento operário, depois da criação da União Soviética, como os movimentos de libertação das colónias, depois da independência nacional das colónias, perderam o ímpeto anti-imperialista e aprenderam a dissimular isso dos seus apoiantes. As vanguardas isoladas nas lutas, ainda que apoiadas pelas populações, mais isoladas ficaram face às elites opressoras depois da vitória. Educadas nas escolas e universidades imperialistas e educadoras dos seus povos imaginados, sob a tutela dos estados novos, organizados como os velhos, as vanguardas tornaram-se elites, prisão de onde já não puderam sair. Puderam apenas expurgar-se dos elementos incómodos.  


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (26 de Novembro de 2020). Os limites dos estudos profissionais das desigualdades sociais. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvn4


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search